Música, no Pequeno Auditório, dia 4 Tim Berne / Bruno Chevillon: a fluidez do free jazz, a alma da soul e a energia do rock!



Baixar 14.32 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho14.32 Kb.

Nota à Imprensa | segunda-feira, 31 de Maio de 2010

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -



Música, no Pequeno Auditório, dia 4

Tim Berne / Bruno Chevillon: a fluidez do free jazz, a alma da soul e a energia do rock!
A dupla Tim Berne (EUA) / Bruno Chevillon (França) actua na sexta, dia 4 de Junho, no Pequeno Auditório do TMG. Conhecendo o percurso e o perfil destes dois músicos, bem como a relevância internacional que ambos conseguiram, são altas as expectativas para este concerto que promete ser um marco dos concertos de jazz que já passaram pelo TMG. O saxofone de Berne e o contrabaixo de Chevillon são a dupla cúmplice que promete a fluidez do free jazz, a alma da soul e a energia do rock!

Na base da música de Tim Berne está a paixão que alimentou durante a juventude pelo rhythm 'n' blues e pelos discos da Motown. Foi pupilo do grande saxofonista Julius Hemphill, criou editoras, gravou dezenas de discos, fundou o seu célebre quarteto Bloodcount e viu o disco “Fractures Fairy Tales” ser apelidado de “obra-prima” pelo New York Times.

O contrabaixista francês Bruno Chevillon tem no seu currículo colaborações com músicos como Daniel Humair, Joachim Kühn, Elliott Sharp, Michel Portal e, principalmente, de Louis Sclavis, tendo-se evidenciado também como intérprete de música contemporânea.

Berne e Chevillon têm concerto marcado para as 21h30 no Pequeno Auditório.



No OVNI – Festival Internacional de Objectos Vivos, dias 2 e 6 de Junho

Marionetas no TMG e opereta no teatrinho de bolso Salamalandra!
Esta semana prossegue o OVNI – Festival Internacional de Objectos Vivos com mais dois espectáculos. Na quarta-feira, dia 2 de Junho, a prestigiada companhia espanhola Títeres de Maria Parrato apresenta no Pequeno Auditório às 21h30 o espectáculo “No te Assuste mi nombre”. Um espectáculo para toda a família, classificado para maiores de 4 anos, que aborda a temática da morte e que tenta explicá-la às crianças. Na peça conta-se o momento da separação entre uma mulher e o seu filho. Trata-se de um espectáculo premiado com o galardão FETEN 2005 na categoria de “Melhor Texto”. A peça foi adaptada por Maria José Frias e Nuria Aguado de um conto tradicional espanhol que inclui poemas de Lorca e de Eduardo Galeano. A encenação está a cargo de Marino Zabaleta.

O segundo momento do OVNI esta semana acontece no Domingo, dia 6 de Junho, com a opereta “Biddy Early” que o Teatro ao Largo apresenta no teatrinho de bolso feito de palha e barro localizado na Quinta Dionísio dos Trinta e apelidado de Salamalandra.

O teatrinho Salamalandra foi inaugurado há quase um ano (no dia do solstício de Verão) e entretanto já recebeu recitais de música e teatro de marionetas. No Domingo é a vez de uma opereta. A partida para os Trinta está marcada para as 16h00 e será feita desde o TMG em autocarro. Haverá depois um percurso a pé desde a aldeia dos Trinta até à Quinta Dionísio, junto ao rio, local onde se encontra o teatrinho. O espectáculo tem hora marcada para as 17h00. Esta actividade é limitada a 28 participantes e tem a duração de 40 minutos.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -


Teatro do Prémio Nobel Dario Fo no Pequeno Auditório, dia 5

Companhia Leões de Circo “À descoberta das Américas”
Depois de obter excelentes críticas nos mais prestigiados festivais de teatro do Brasil a companhia brasileira “Leões de Circo” apresenta, numa extensão do FITEI - Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica, a peça “À descoberta das Américas” do dramaturgo italiano Dario Fo, Prémio Nobel da Literatura em 97.

Numa encenação de Alessandra Vannucci e com a interpretação de Julio Adrião, “À descoberta das Américas” narra a história de um Zé ninguém chamado Johan que embarca em Sevilha numa das caravelas de Cristóvão Colombo tendo por destino o “Novo Mundo”. Pelo caminho, o fanfarrão protagonista sobrevive a um naufrágio, testemunha matanças, é escravizado… Mas consegue sobreviver à base de “milagres”, enganando os índios e tornando-se no “Filho da Lua” que combate os espanhóis invasores!

Uma divertida história classificada para maiores de 16 anos e que o TMG apresenta no sábado, dia 5 de Junho, no Pequeno Auditório, às 21h30.
Na Galeria de Arte até 25 de Julho

Quatro”: exposição de Sofia Areal, Manuel Casimiro, Jorge Martins e Nikias Skapinakis


Sofia Areal, Manuel Casimiro, Jorge Martins e Nikias Skapinakis são os quatro artistas plásticos convidados a expor na Galeria do TMG nos próximos meses, numa organização do TMG e dos Artistas Unidos. Quatro artistas com percursos, abordagens e escolhas totalmente diferentes. Um deles, Nikias Skapinakis, diz que apenas os une «o gosto pela pintura».

A mesma opinião tem Jorge Silva Melo, dos Artistas Unidos, que escreve no catálogo de “Quatro”: «Nada, sim, nada mesmo liga, nada une estes trabalhos de artistas tão diferentes, nada. Nem nada de comum eles nos prometem, não.

Pois que poderíamos lançar entre a distância tão medida de Skapinakis, a sua lucidez apolínea, o seu rigor mental e o fulgor abrasivo de Sofia Areal? Ou entre a acrobacia dos círculos de Sofia e as provocações geométricas de Manuel Casimiro, no seu sempre enigmático gesto desviante? E a turva melancolia que se desprende destas telas translúcidas de Jorge Martins?

Nem a idade, nem os pressupostos, nem as técnicas, nem os tempos, nem o momento da vida, nada ocupa neles o mesmo lugar, nada os une.

Nem nada querem impor, lei ou programa.

Diz Skapinakis: apenas os une o gosto de pintar.

Apenas a pintura: e tão diferentes, tão.

E será devido à claridade desse gosto simultâneo, desse diário trabalho, dessa persistente inquietação com as transformações da tela que esta inesperada junção de quatro artistas singulares (e tão distantes) me toca e surpreende.».

“Quatro” ficará patente na Galeria de Arte do TMG até 25 de Julho. A exposição tem entrada livre e pode ser visitada de terça a domingo.
Depois da estreia no TMG, a peça segue até Évora

Simplesmente Complicado” no Teatro Garcia de Resende


Estreou na passada semana no TMG a primeira co-produção Projéc~ / Cendrev intitulada “Simplesmente Complicado”, de Thomas Bernhard. Agora, a peça encenada por Américo Rodrigues e interpretada por Rui Nuno segue para Évora, cidade de residência do CENDREV. “Simplesmente Complicado” ficará em cena no Teatro Garcia de Resende de 3 a 13 de Junho.
Para mais informações, contactar:

Gabinete de Comunicação e Imagem

Teatro Municipal da Guarda

Rua Batalha Reis, 12, 6300-668, GUARDA, PORTUGAL



Tel. 271 205 240 • Fax. 271 205 248

gci@tmg.com.pt

www.tmg.com.pt


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal