Mulheres educadas na colônia: rupturas e permanências



Baixar 18.11 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho18.11 Kb.
MULHERES EDUCADAS NA COLÔNIA: RUPTURAS E PERMANÊNCIAS

Ana Paula Oliveira dos Santos – FAECA - Faculdade de Educação, Ciências e Artes Dom Bosco


Relatarei a experiência que vivi e ainda estou vivendo. Tomando por base cinco textos " extraído do livro "500 anos de Brasil" foi proposta a apresentação de um trabalho para toda a classe do V semestre de Pedagogia, esta turma possui 108 alunos, que dentro da proposta cada aluno poderia escolher o texto que lhe fosse mais atraente. Eu tomei parte na turma que optou pelo texto " Mulheres educadas na Colônia " de Arilda Inês Miranda Ribeiro. Embora o grupo pudesse se unir para pesquisa e discussão, os trabalhos deveriam ser apresentados individualmente. Uma característica marcante e que certamente determinou a qualidade dos trabalhos apresentados foi a liberdade dada aos alunos no processo de produção.

Desta liberdade surgiu a idéia de produzir um trabalho em moldes diferentes dos habituais, onde pude associar a escrita do texto propriamente dita a sua interpretação pictógrafica através de desenho e colagem. As ilustrações encontradas em meu trabalho nasceram da necessidade de proporcionar uma identidade as mulheres que viveram no período relatado pela autora.

Como capa do trabalho foi utilizado um envelope de correspondência que simboliza o grande alcance da escrita e homenageia Margarida de Mendonça que fez uso de sua instrução para escrever ao Rei de Portugal relatando o estupro de que havia sido vítima, " se entregou de mi e me forçou: gritando eu, me deu e me rompeu o fato, dizendo era eu sua mulher, e se gritasse, me mataria às punhaladas..." apesar de seu apelo não foram tomadas providências em seu favor mas seu gesto com certeza demonstra a abrangência do conhecimento; através de uma correspondência seu lamento e indignação atravessaram um oceano e a indiferença masculina em busca de justiça, e também graças a instrução e coragem de Margarida de Mendonça que as mulheres deste tempo podem ler 392 anos depois o relato de seu infortúnio e conhecer a situação em que as mulheres do seu tempo viviam.

O retrato de Catarina Paraguaçu, tida por alguns historiadores como a primeira mulher a ser alfabetizada no Brasil, serviu como selo deste envelope. Catarina era uma índia tupinambá da Bahia, casada com Diogo Alves Correia, o Caramurú. Junto a este teve papel decisivo na aliança entre índios e colonizadores, considerada uma das mães do povo brasileiro.

Percebendo que as índias eram as mais assíduas nas aulas de catecismo, e pressionados pelos índios que não intendiam porque as mulheres não tinham direito a educação como os homens, já que para eles não havia esta diferença, pois as índias não eram tidas como inferiores mas sim companheiras, por que não aprenderem a ler e escrever? Este questionamento dos jesuítas não conseguiu convencer Dona Catarina, Rainha de Portugal, que em carta recusou o pedido do Pe. Manoel da Nobrega impedido que as índias fossem alfabetizadas. Mas algumas índias conseguiram burlar as regras, uma delas Catarina Paraguaçu.

No período colonial a mulher era considerada um ser inferior de propriedade do homem juntamente com os escravos e animais domésticos. A ela bastava saber cuidar da casa e dos filhos. A instrução era reservada aos homens. A mentalidade

da época sobre a instrução feminina em Portugal foi trazida para o Brasil, e expandia a idéia da supremacia masculina.

Sendo o Brasil uma colônia, para onde os homens vinham sozinhos em busca de fortuna, a metrópole e a igreja começaram a se preocupar com a devassidão em que estes homens viviam, tendo por amantes negras e índias. Mas do que a devassidão a miscegenação das raças e a necessidade de se manter o padrão étnico europeu fizeram com que a pedido dos jesuítas a Metrópole enviasse ao Brasil mulheres que pudesse servir de reprodutoras e assim assegurarem a hegemonia da raça branca.

Os homens demoravam anos para acumularem fortunas ou as heranças paternas e por isso casavam-se entre 40 ou 50 anos com adolescentes de 11 ou 12 anos, assim que tinham a primeira menstruação estas meninas estavam prontas para o casamento. Estas moças viviam presas nas casas-grandes, vigiadas pelo pai e irmãos que deveriam assegurar sua virgindade até o casamento pois o noivo tinha que ter certeza da paternidade da prole, seus futuros herdeiros.

O prazer sexual para as mulheres brancas era proibido e considerado pecado, o sexo só tinha a função de procriação, tornando, assim, as mulheres, meras reprodutoras. Mas os senhores desfrutavam de uma vida sexual ativa com as negras, serviçais e amantes.

Devido a falta de instrução, despreparadas e submissas as mulheres eram facilmente enganadas pelos homens, violentadas, enganadas e roubadas. Muitas mulheres viram seus bens e propriedades irem embora nas mãos de aproveitadores.

Mesmo tidas como incapazes e não produtivas, algumas mulheres, na ausência de seus maridos tiveram que assumir a administração de propriedades e até mesmo cargos políticos. Nestas situações as mulheres provavam sua capacidade, aprendendo rapidamente como administrar sua propriedade ou um território político. Na segunda metade do século XVII, surgem no Brasil os conventos, onde o ensino da escrita e da leitura era ministrado juntamente com o ensino música, do catachão, do órgão e dos trabalhos domésticos. Não havendo um sistema forma de ensino feminino é nos conventos que elas passam a ser educadas. As moças de famílias mais ricas seguiam para Portugal para estudarem.

Com a Reforma Pombalina na Educação, não houve muita mudança em Portugal ou em sua colônias. O português Luís Antônio Verney, que escreveu O verdadeiro método de estudar na Itália, dedicou um apêndice à educação feminina. Sua proposta tinha como objetivo o lar, a serventia doméstica. Verney criticava a ignorância e a falta de instrução das mulheres portuguesas e também as brasileiras. No entanto poucos reflexos desta proposta chegaram ao Brasil.

Com a vinda de Dom João VI, as mudanças culturais não atingiram de imediato as mulheres. Em 1815, Debret dizia que a educação feminina: "se restringia, como antigamente, a recitar preces de cor e a calcular de memória sem saber escrever ou fazer as operações"

As mulheres brasileiras não eram reconhecidas como seres pertencentes a sociedade e teriam que percorrer um longo caminho para o conseguir. Decorridos 500 anos de história, ainda percebemos permanências dessa desigualdade de oportunidades e formação. Ainda que a escola seja para todos, a sociedade e a valorização profissional não é. Observando os relatos históricos podemos entender a atual situação das mulheres no Brasil, foram anos de submissão e negligencia que deixaram marcas profundas. Mas também foram anos de construção de uma identidade feminina no cenário nacional.

Em maio passado, o Departamento Interestadual de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos (Dieese) divulgou que as mulheres ganham cerca de 35% menos do que os homens. Em Recife, a pesquisa revelou que as brasileiras recebem um salário médio de R$ 494,00 mensais, enquanto que os homens são remunerados com um salário médio de R$ 678,00. Em São Paulo, a instituição constatou que o salário das mulheres corresponde a uma média de R$ 630,00, frente a R$ 962,00 pago aos os homens.

Está diferença salarial demonstra que o passado deixou claramente suas marcas. Diferenças estas que não se encontram somente no campo profissional, socialmente a mulher ainda é tratada como ser inferior. "Elas são educadas a não reclamarem, aprendem que a vida é assim mesmo. É melhor ter um marido do que não tê-lo", explica Maria José de Mattos Taube, antropóloga e diretora da ONG Aprendiz. Segundo o Conselho Estadual do Direito da Mulher do Rio de Janeiro a cada hora há 7 mulheres em situação de violência, e está tendência vem aumentando.

Partimos do descobrimento do Brasil, tempo em que às mulheres cabiam a responsabilidade de reproduzirem herdeiros para os Senhores, serem discretas, submissas e caladas, características de uma mulher respeitável. E hoje em pleno século XXI, convivemos com um paradoxo, mulheres que representam o ideal feminino do passado, obedientes e passivas diante de seus "Senhores", e outras guerreiras que a cada dia engrossam mais a massa das mulheres que não se calam diante dos desmandos masculinos, mulheres que descobriram que fazem a diferença na sociedade, são seres ativos que constróem a cada dia a imagem de uma mulher que não quer ser um homem, quer ser uma cidadã com direitos e deveres.

Como no início do texto da autora onde liamos: "mulher honrada deve ser sempre calada", "mulher que sabe muito é mulher atrapalhada, para ser mãe de família, saiba pouco ou saiba nada", frases que eram muito difundidas no período, hoje podemos observar permanências desta prática rodando pelas estradas do Brasil em pará-choques de caminhões onde é comum lermos: "Mulher meteorologista: esfria a barriga no tanque e esquenta no fogão", "mulher é igual a liquidação de loja de departamentos: cama, mesa e banho", "Paquere todas as mulheres mas conserve a sua direita". Comparado os dois períodos, em um intervalo de 500 anos constatamos grandes marcas do passado. Constatação está que também nos mostra grandes rupturas, prova disso, o fato de eu na condição de mulher, poder me inteirar da situação em que a mulher do período colonial vivia e poder retratar esta história através de minhas palavras.

Após a proposta deste trabalho e no seu decorrer fui experimentando o prazer e a inquietude de pesquisar. Estudando o passado pude compreender as rupturas e as permanências da história. Observando a realidade em que vivo hoje consigo enxergar Catarinas, Margaridas, Marias e Leopoldinas.

Referência Bibliográfica
RIBEIRO, Arilda Ines Miranda. Mulheres Educadas na Colônia. IN: LOPES, Eliane, M.T; Faria F°, Luciano M. e VEIGA , Cynthia G. ( orgs ). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte.: Autêncica 79 - 84 p.

FREIRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala, 23º edição, Rio de Janeiro, Editora Olimpia, 1984.

DEBRET, Jean Baptiste. Enciclopédia de Artes Visuais, 2003,

(http:// www.itaucultura.org.br/enciclopedia/artesvisuais)



BERNARDES, Elizabete Lannes. Subordinação e rebeldia: elementos da história da mulher. 2003 (http:/www.ufmt/revista)




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal