Na licenciatura em direito



Baixar 24.76 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho24.76 Kb.
PSICOLOGIA JURÍDICA

PROGRAMA


2004/2005

Prof. Doutor Carlos Alberto Poiares


I

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA PSICOLOGIA

NA LICENCIATURA EM DIREITO



  1. As razões fundamentadoras e legitimadoras dos estudos de Psicologia em Direito. A Psicologia para juristas e o Direito para psicólogos. Natureza destes estudos: estudos descritivos e estudos empíricos.

  2. O comportamento humano: uma ponte entre a Psicologia e o Direito. As necessidades sentidas e reveladas pelos juristas em relação à Psicologia.

  3. Aproximação entre Direito/Justiça e Psicologia: a contribuição dos técnicos e cientistas da Psicologia para o sistema de Justiça.

  4. Espaços de confluência entre a Psicologia e o Direito: o Homem, o comportamento e a transgressão.

  5. A trajectória histórica desenvolvida pela Psicologia na Justiça. O crime como veículo.

  6. Antecedentes históricos da Psicologia na Justiça: do positivismo à actualidade.

II

A PSICOLOGIA ENQUANTO CIÊNCIA




  1. Noção e sentido; os territórios da Psicologia.

  2. Objecto: delimitação. Articulação com outras ciências: os pensamentos filosófico, médico, biológico e disciplinar.

  3. A personalidade e o comportamento: noção, a relevância da Psicologia. A Psicologia científica.

  4. O Homem e a Psicologia. Comportamentos e afectos: a descodificação psicológica.

  5. Metodologia: linhas gerais.

  6. História da Psicologia: referência sucinta à trajectória do pensamento psicológico. As principais correntes da Psicologia contemporânea.

  7. A Psicologia no contexto das Ciências Sociais e Humanas. As Ciências do Comportamento.

  8. As áreas de estudo e intervenção da Psicologia: enunciação e definição de objectos; aplicações práticas.

  9. As funções da Psicologia.

III


MATRIZ BIOPSICOLÓGICA DO COMPORTAMENTO


  1. A máquina do organismo.

  2. Motivação: noção.

  3. A aprendizagem: noção e sentido. Os condicionamentos.

  4. A cognição: origens do conhecimento.

  5. A percepção: o problema. Organização perceptiva.

  6. A memória: noção. Aquisição e armazenamento; a recuperação. Memória a curto prazo e a longo prazo. O esquecimento: na memória recente e a longo prazo.

  7. O pensamento: noção.

  8. O desenvolvimento social: noção; estádios. A vinculação e a socialização.

  9. O desenvolvimento humano: aspectos gerais. Desenvolvimento cognitivo e desenvolvimento moral.

  10. Avaliação psicológica da personalidade: a mensurabilidade. Referência aos principais instrumentos de medida.

  11. A Psicopatologia: noção, sentido, objecto e enquadramento.

  12. A relevância dos conceitos descritos nos números antecedentes para a Psicologia da Justiça.

IV

A PSICOLOGIA E A JUSTIÇA




  1. Da Justiça à Psicologia: razões de um percurso. Fundamentação e legitimação.

  2. Homem e comportamento: a integração entre a Justiça e a Psicologia a partir das necessidades disciplinares.

  3. Designações utilizadas para a intervenção da Psicologia na Justiça: Psicologia Jurídica, Forense, Judiciária, Legal, Criminal.

  4. A Psicologia e o Direito: relações e formas de comunicação (implícita e explícita). A psicologização dos discursos e das práticas jurídico-judiciais. Abrangência e planos de confluência.

  5. Norma, transgressão, desvio: noção e interdependência. Comportamentos desviantes. A disciplinação social e a sanção normalizadora. As situações de risco.

  6. A anomia: conceito e sentido; sua relevância na Psicologia Jurídica.

  7. A exclusão social: importância da Psicologia para a sua abordagem. A Psicologia da Exclusão Social.

  8. Psicologia e comportamentos transgressivos. A construção social da norma e da transgressão.

  9. A metodologia específica em Psicologia Jurídica.

V

ÁREAS ESPECÍFICAS DA PSICOLOGIA DA JUSTIÇA



  • A INTERVENÇÃO JUSPSICOLÓGICA




  1. A intervenção juspsicológica: noção e sentido; objecto; metodologia.

  2. A clínica da Justiça e a intervenção juspsicológica: noção e enquadramento.

  3. Áreas de intervenção juspsicológica e a função do técnico de Psicologia Jurídica: a justiça civil (a vontade, a declaração e as divergências da vontade no negócio jurídico; incapacidades; responsabilidade civil por danos não patrimoniais); a justiça de família (rupturas da conjugalidade, poder paternal, parentalidades); o Direito Sucessório (a capacidade do testador); o Direito Comercial (a conflitualidade intra-societária); a Mediação (de conflitos e familiar); a justiça laboral (doenças profissionais, acidentes de trabalho, a quebra de relação laboral); o Direito Rodoviário e a sinistralidade.

  4. A Psicologia Criminal: sentido; noção; objecto; metodologia.

  5. A delinquência juvenil: noção; causas. A Justiça de Menores e a intervenção juspsicológica.

  6. A criminalização: acto, actor e cenário. A intervenção dos técnicos de Psicologia. As fases do processo de criminalização e o espaço da Psicologia. Da Lei criada à Lei aplicada: a Psicologia implícita e a Psicologia explícita. A psicologização na fabricação legislativa e no sentenciar.

  7. As teorias da personalidade criminal. O conceito de perigosidade: noção, sua crítica.

  8. A Psicologia e os dispositivos de controle social.

  9. A Psicologia do Testemunho: noção e sentido. A percepção, a memória e o relato. As falsas memórias. A verdade judicial e sua construção testemunhal. A verdade judicial e a verdade material: divergências. O depoimento de menores vítimas e como testemunhas.

  10. Comportamentos adictivos, Psicologia e Justiça: natureza, modalidades e reacção institucional.

  11. A violência: noção. Violência versus agressividade. Modalidades: a violência familiar, conjugal, contra menores e idosos.

  12. A imputabilidade e a inimputabilidade penais: noção. A contribuição da Psicologia na construção jurídico-institucional destes conceitos.

  13. A doença mental, a criminalidade e a marginalidade: função da Psicologia nesta triangulação.

  14. Psicologia, Polícia e Segurança: noção e interdependência. A Psicologia da Polícia: noção e sentido. As diferentes contribuições da Psicologia para o estudo da Polícia. Segurança e sentimento de insegurança: a questão política nos discursos de segurança.

  15. Avaliação psicológica e Justiça: noção, metodologia. As perícias legalmente previstas: realização. O exame e o relatório em contexto forense.

  16. A cientificação dos discursos e das práticas jurídico-judiciais mediante o concurso da Psicologia.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


Altavilla, E. (1981). Psicologia judiciária I: o processo psicológico e a verdade judicial. Coimbra: Arménio Amado.

Altavilla, E. (1981). Psicologia judiciária: personagens do processo penal – volume II. Coimbra: Arménio Amado.

Bueno, S. (1994). Psiquiatría legal e forense volumen I. Madrid: Editorial Colex.

Bueno, S. (1994). Psiquiatría legal e forense volumen II. Madrid: Editorial Colex.

Carmo, R., Alberto, I. & Guerra, P. (2002). O abuso sexual de menores – Uma conversa sobre Justiça entre o Direito e a Psicologia. Coimbra: Livraria Almedina.

Clemente, M. & Rios, J. (coords.) (1995). Guía Jurídico del psicólogo – Compendio básico de legislación para el psicólogo jurídico. Madrid: Ediciones Pirámide.

* Clemente, M. (coord.). (1998). Fundamentos de la Psicología Jurídica. Madrid: Ediciones Pirámide.

Clemente, M., Parrilla, A. & Vidal, M. (coords.) (1998). Psicología Jurídica y seguridad: policía y fuerzas armadas II. Madrid: Fundación Universidad-Empresa.

Clemente, M., Parrilla, A. & Vidal, M. (coords.) (1998). Psicología Jurídica y seguridad: policía y fuerzas armadas II. Madrid: Fundación Universidad-Empresa.

Clemente, M. & Espinosa, P. (coords.) (2001). La mente criminal – teorias explicativas del delito desde la Psicología Jurídica. Madrid: Dykinson.

Cusson, M. (1983). Le contrôle social du crime. Paris: PUF.



Da Agra, C., Fonseca, E., Quintas, J. & Poiares, C. (1997) A criminalização da droga: da emergência à aplicação da lei. Lisboa: Gabinete de Planeamento e de Coordenação de Combate à Droga.

* Da Agra, C. (1982). Epistemologia, ciência e patologia mental: Desviância juvenil e toxicomania: Um analisador epistémico. In Análise Psicológica, II. Lisboa: Separata da A.P., 529-545.

Da Agra, C. (1986). Projecto da Psicologia transdisciplinar do comportamento desviante e auto-organizado. In Análise Psicológica, IV. Lisboa: Separata da A.P., 311-317.

Da Agra, C. (1986). Science, maladie mentale et dispositifs de l’enfance: Du paradigme sociologique au paradigme systemique. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica.

* Debuyst, Ch. (1986). Representação da Justiça e reacção social. In Análise Psicológica, IV. Lisboa: Separata da A.P., 369-376.

Debuyst, C., Digneffe, F. & Pires, A.P. (1995). Histoire des savoirs sur le crime & la peine. 1. Des savoirs diffus à la notion de criminel-né. Les Presses de l’Université de Montréal: De Boeck Université.

Debuyst, C., Digneffe, F. & Pires, A.P. (1998). Histoire des savoirs sur le crime & la peine. 2. La rationalité pénale et la naissance da la criminologie. Les Presses de l’Université de Montréal: De Boeck Université.

Di Maio, V. & Dana, S. (2003). Manual de Patología Forense. Madrid: Ediciones Díaz de Santos, S.A.

* Diges, M. & Alonso-Quecuty, M. (1993). Psicología Forense Experimental. Valencia: Promolibro.

Digneffe, F. (coord.). (1991). Acteur social et délinquance – Une grille de lecture du système de justice pénale. Bruxelles : Pierre Mardaga.

Echeburún, E. (2000). Personalidades violentas. Madrid: Pirámide.

Foucault, M. (1999). Vigiar e punir. Nascimento da prisão. Petrópolis: Editora Vozes.

Foucault, M. (1987) História da loucura. São Paulo: Editora Perspectiva.

Fonseca, A.C. (Ed.) (2002). Comportamento anti-social e família – uma abordagem científica. Coimbra: Livraria Almedina.

* Gleitman, H., Fridlund, A.J. & Reisberg, D. (2003). Psicologia. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Kapardis, A. (1997). Psychology and Law. Cambridge: Cambridge University Press.

Leyens, J.-P. (1986). Representações sociais e Justiça. In Análise Psicológica, IV. Lisboa: Separata da A.P., 359-368.

Mannheim, H. (1984). Criminologia Comparada, vol. I. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Mannheim, H. (1985). Criminologia Comparada, vol. II. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Mueller, F.-L. (s./d.) História da Psicologia I – Da Antiguidade a Bergson. Mira-Sintra-Mem Martins: Publicações Europa-América.

Mueller, F.-L. (s./d.) História da Psicologia I – A Psicologia contemporânea. Mira-Sintra-Mem Martins: Publicações Europa-América.

Pingarron-Hernandez, A.C. (1984). De la psicología al Derecho Penal. Madrid: Talleres Tipográficos «AF».

Poiares, C. (1993). Filosofias de criminalização primária. Criminalização e comportamento desviante. Textos. Lisboa: Livraria Petrony, 331-338.

Poiares, C. (1993).Contribuição para uma nova configuração da penalidade. Textos. Lisboa: Livraria Petrony, 339-348.

Poiares, C. (1999). Análise psicocriminal das drogas – O discurso do Legislador. Porto: Almeida & Leitão.

* Poiares, C. (2001) Da Justiça à Psicologia: razões & trajectória. Sub Judice 22/23 – Psicologia e Justiça: razões e trajectos. Coimbra: DocJuris: 25-35.

Poiares, C. (2003). Violentamente sobrevivendo. In Themis. Coimbra: Almedina.

* Poiares, C. (Coord.) (2004). Assimetrias – Rotas de colisão com a vida. Lisboa: Edições Teseaurius.

Ramos, S. (2001). Violência conjugal – um projecto de intervenção juspsicológica ou uma casa portuguesa com certeza... Monografia de licenciatura. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Reis, S. (2000). A violência conjugal: uma abordagem juspsicológica ou batem leve, levemente... Monografia de licenciatura. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Robert, Ph. (2002). O cidadão, o crime e o Estado. Lisboa: Editorial Notícias.

Rodríguez, E. (2000). Psicología Forense y tratamiento jurídico-legal de la discapacidad. Madrid: Edisofer, s.l.

Santos, A.C. (1986). Piaget e a teoria do Direito. In Análise Psicológica, IV. Lisboa: Separata da A.P., 319-358.

Santos, D. (1986). Psicologia e Direito. In Análise Psicológica, IV. Lisboa: Separata da A.P., 495-502.

Sobral, J., Arce, R. & Prieto, A. (1994). Manual de Psicología Jurídica. Barcelona: Ediciones PAIDOS.

Xiberras, M. (1996). As teorias da exclusão – Para uma construção do imaginário do desvio. Lisboa: Instituto Piaget.



As obras com * são consideradas referências fundamentais.
Catálogo: docentes docs
docentes docs -> Notas: I o texto do Regime Jurídico de Protecção Social na Eventualidade Doença no Âmbito do Subsistema Previdencial encontra-se actualizado de acordo com os seguintes diplomas
docentes docs -> Antropologia jurídica
docentes docs -> Não dispensa a consulta do Diário da República
docentes docs -> Conselho da Europa Diário da República I série de 22 de Novembro de 1978 Estatuto do Conselho da Europa
docentes docs -> Direitos Reais Exercícios para resolução nas aulas práticas Rui Pinto Duarte 2010/2011 1
docentes docs -> IntroduçÃO À macroeconomia contabilidade Nacional
docentes docs -> Ilicitude, culpa e etc.: uma reflexão ligeira ou Responsabilidade civil: duas ou três dúvidas sobre ela
docentes docs -> João Caupers capítulo VIII a responsabilidade do Estado e outros entes públicos1
docentes docs -> Hart, habermas e luhmann uma síntese provisória
docentes docs -> 1. o procurador-Geral da República


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal