NÚcleo de ciências humanas departamento de ciências da educaçÃo projeto político-pedagógico curso de graduaçÃo em pedagogia, licenciatura



Baixar 0.95 Mb.
Página11/15
Encontro18.07.2016
Tamanho0.95 Mb.
1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15



SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA

Disciplina: Fundamentos e Prática da Recreação e Jogos Carga horária: 80 horas

Semestre: 5º

EMENTA

Implicações educativas da dimensão lúdica (brincar, brinquedo, brincadeira) no cotidiano escolar. Recreação e jogos no contexto da educação: entretenimento e o jogo didático. Recreação e jogos na Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental; A tecnologia alternativa como recurso didático-pedagógico na escola; as atividades lúdicas e suas contribuições para o desenvolvimento infantil; atividades lúdicas apropriadas para dentro e fora da sala de aula; desenvolvimento; Planejamento e desenvolvimento de atividades teórico-prático.

OBJETIVOS

Promover o estudo teórico-prático do lúdico no contexto da educação visando a: implementar o brincar na ação didática do pedagogo, como ação preventiva de saúde, contribuindo para o desenvolvimento global da criança; implementar o brincar como proposta curricular do projeto pedagógico; implementar as ações lúdicas voltadas para atividades dentro e fora da sala de aula; auxiliar o processo de planejamento do professor na implementação do lúdico na escola.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BROUGÉRE, G. Brinquedo e Cultura. São Paulo: Cortez, 2001.

BROUGÉRE, G. Jogo e educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

CATUNDA, R. Recreando a Recreação. Rio de Janeiro: Sprint, 2000.

FERREIRA, S. L. Atividade Recreativa para dias de chuva. Rio de Janeiro: Sprint, 1999.

FREIRE, J. B. Educação de Corpo Inteiro. São Paulo: Scipione, 1989.

PEREIRA, N. Jogos, brinquedos e brincadeiras. São Paulo: Paulinas, 2004.

WINNICOTT. D.W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1978.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

HUIZINGA, J. (1980). Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo, Perspectiva.

KISHIMOTO, T. M. (1998). O jogo e a educação infantil. São Paulo, Pioneira.

LEBOVICI, S. (1985). Significado e função do brinquedo na criança. Porto Alegre, Artes Médicas.

MALUF, Â. C. M. (2003). Brincar: prazer e aprendizado. Petrópolis. Vozes.

MARCELINO, N.C. (2000). Estudos do lazer: uma introdução. Campinas, Autores Associados.

MENDONÇA, J. G. R. (2001). Guia de Recreação e Jogos: Acreditando em Uma Escola Alegre/PROFORMAÇÃO. Gov. Est. Rondônia-SEDUC.

NEGRINE, A. (1994). Aprendizagem e desenvolvimento infantil. Vol.1 - Simbolismo e jogo. Porto Alegre, Prodil.

RIZZI.L e HAYDT R. C.C. (2002). Atividades Lúdicas na Educação da Criança. São Paulo. Ática.

SANTA, M. P. S. (Org.). (1997). O lúdico na formação do educador. Petrópolis, Vozes

SANTOS, C. A. (1998). Jogos de Atividades Lúdica na Alfabetização, Sprint.



SILVA, E. N. (2001). Recreação com jogos de matemática. Sprint.





SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Estágio Supervisionado na Educação Infantil Carga horária: 80 horas

Semestre: 5º


EMENTA

Atividade de Observação, Participação e Regência na Educação Infantil. Elaboração de Projeto de Estágio que contemple: o trabalho pedagógico e docência na Educação Infantil; retomada dos planejamentos elaborados na disciplina de Fundamentos e Prática da Educação Infantil I e II para as adaptações necessárias visando atender a realidade do grupo ou classe em que irá desenvolvê-los; tematização da prática; diferentes modalidades organizativas: projetos, atividades seqüenciadas, atividades permanentes e situações independentes; elaboração de rotinas; gestão do tempo e organização das atividades; planejamento e desenvolvimento de projetos didáticos na educação infantil; elaboração de relatórios dos trabalhos desenvolvidos com retorno para as escolas.

OBJETIVOS

Proporcionar ao aluno e aluna do curso de Pedagogia enriquecimento curricular através da participação em atividades docentes que envolvam planejamento, desenvolvimento e a avaliação de rotinas semanais, sequências didáticas e planos de aula diários; propiciar vivências na docência da Educação Infantil em creches e pré-escola, assegurando aprofundamentos e diversificação de estudos, experiências e utilização de recursos pedagógicos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BASSEDAS, Eulália; HUGUET, Teresa; SOLÉ, Isabel. Cristina Maria de Oliveira. Aprender e Ensinar na Educação Infantil. Porto Alegre: Artes Médias Sul, 1999.

BRASIL. Ministério Da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara De Educação Básica. Resolução Nº 4, de 13 de julho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Brasília, 2010.

HELM, Judy Harris; BENEKE, Sallee (Orgs). O poder dos projetos: novas estratégias e soluções para a educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2005.

KISHIMOTO, Tizuko. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 2000.

MEIRIEU, Philippe. O cotidiano da sala de aula e da escola: o fazer e o compreender. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BASSEDAS, Eulália; HUGUET, Teresa; SOLÉ, Isabel. Cristina Maria de Oliveira. Aprender e Ensinar na Educação Infantil. Porto Alegre: Artes Médias Sul, 1999.

BURIOLLA, Marta A. Feiten. O estágio supervisionado. São Paulo: Cotez, 1995.

CRAIDY, Carmem E KAERCHER, Gládis E. (org.) Educação Infantil: pra que te quero? Porto Alegre, Artmed, 2001.

DEHEINZELIN, Monique. Por um triz: arte e cultura - Atividades e projetos educativos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, s.d.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de; MELLO, Suely Amaral (Org.). Linguagens infantis: outras formas de leitura. Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes et al. A prática de ensino e o estágio supervisionado. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 1994.

FREIRE, Madalena. A paixão de conhecer o mundo. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2002.

MEIRIEU, Philippe. A pedagogia entre o dizer e o fazer: a coragem de começar. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PICONEZ, Sleta C. B. A (Coord.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas: Papirus, 1991.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação de professores: unidade, teoria e prática. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

VASCONCELOS, C. S. Planejamento: plano de ensino-aprendizagem. São Paulo: Libertad, 1995.






6° SEMESTRE






SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Educação de Jovens e Adultos (EJA) Carga horária: 80 horas Semestre: 6º


EMENTA

Estudo das políticas de educação de jovens e adultos no Brasil. Estudo crítico do processo de alfabetização de jovens e adultos. Dificuldades e problemas de aprendizagens em turmas de educação de jovens e adultos. A avaliação em turmas de educação de jovens e adultos.

OBJETIVOS

Compreender os processos de alfabetização e as especificidades da educação de jovens e adultos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José E. (Org.). Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 4. ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2001.

MAYO, Peter. Gramsci, Freire e a educação de adultos: possibilidades para uma ação transformadora. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PICONEZ, Stela C. Bertholdo. Educação escolar de jovens e adultos, Campinas: Papirus, 2003.

RIBEIRO, Vera Masagão. (Org.). Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil-ALB; São Paulo: Ação Educativa, 2001.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Educação de Jovens e Adultos. Parâmetros em Ação. Brasília, 1999.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular de Educação de Jovens e Adultos (1º segmento). Brasília, 1997.

CASÉRIO, Vera Mariza Reqino. Educação de jovens e adultos- pontos e contra pontos, Florianópolis: EDUSC, 2002,

COGGIOLA, Osvaldo (Org.). Revolução cubana: história e problemas atuais. São Paulo: Xamã, 1998.

DURANTE, Marta. Alfabetização de adultos: leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

FERREIRO, Emília (Org.). Os filhos do analfabetismo: proposta para a alfabetização escolar na América Latina. Porto Alegre: Artmed, 1990.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSHY, Ana. Psicogênese da língua escrita. 4. ed. Porto Alegre:Artmed, 1991.

FERRER PÉREZ, Raúl. Educação de adultos em Cuba. São Paulo: Summus, 1986.

FRAGO, viüao. Alfabetização na sociedade e na história. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. Alfabetização: leitura da palavra, leitura do mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, s/d.

______. Cartas a Guiné-Bissau: registros de uma experiência em processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

______. Conscientização. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

______. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

______. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1685.

FREIRE, Paulo; FREIRE, Ana Maria (org). Pedagogia dos Sonhos Possíveis. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

FUCK, I.T. Alfabetização de Adultos: relatório de uma experiência construtiva. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOARES, Magda. Letramento: Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

VÓVIO, C.L. (org.) Viver, Aprender: educação de Jovens e Adultos. São Paulo: Ação Educativa/MEC, Brasília, 1998.





SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Fundamentos Prática da Alfabetização II Carga horária: 80 horas Semestre: 6º


EMENTA

Psicogênese da língua escrita; alfabetização e letramento; estratégias de leitura; alfabetização e mídia; Diferentes modalidades organizativas: projetos, atividades sequenciadas, atividades permanentes e situações independentes; elaboração de rotinas; gestão do tempo e organização das atividades; planejamento, desenvolvimento e avaliação de projetos didáticos; avaliação processual e reguladora das aprendizagens na alfabetização.

OBJETIVOS

Aprofundar o conhecimento sobre os processos de aprendizagem dos quais depende a alfabetização; analisar situações reais de evolução de escritas não-convencionais produzidas por alunos e/ou alunas em situações de aprendizagem durante a alfabetização; refletir acerca das contribuições de pesquisas no campo da psicogênese utilizado este conhecimento no planejamento de situações de aprendizagem produtiva; produção de texto; estratégias para formação de alunos leitores; elaboração de rotinas semanais e sequências didáticas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

FERREIRO, Emilia; TEBEROSHY, Ana. Psicogênese da língua escrita. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 1991.

GOODMAN, Yetta M. (Org.). Como as crianças constroem a leitura e escrita: perspectivas piagetianas. Porto Alegre: Artmed, 1995.

PÉREZ, Francisco Carvajal; GARCÍA, Joaquín Ramos (Org.). Ensinar ou aprender a ler e a escrever? 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BARBOSA, José Juvêncio. Alfabetização e leitura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1994.

BOMTEMPO, Luzia; VIANNA, Zélia. O construtivismo com sucesso na sala de aula. Contagem: Oficina editorial, 2003.

CAGLlARI, Luiz Carlos. Alfabetizando sem o ba-bá-bl-bó-bu. São Paulo: Scipione, 1998.

CALLOU, Dinah; LEITE, Yonne. Iniciação á fonética e fonologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

CHARTIER, Anne-Marie et al. Ler e escrever: entrando no mundo da escrita. Porto Alegre: Artmed, 1996.

FERREIRO, Emília. (Org.). Relações de (in)dependência entre oralidade e escrita. Porto Alegre: Artmed, 2003.

______. Alfabetização em processo. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

______. Com todas as letras. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1993.

______. Cultura escrita e educação: conversas de Emilia Ferreiro com José Antonio castorina, Daniel Goldin e Rosa Maria Torres. Porto Alegre: Artmed, 2001.

______. Passado e presente dos verbos ler e escrever. São Paulo: Cortez, 2002.

______. Reflexões sobre a alfabetização. São Paulo: Cortez, 1997.

TEBEROSKY, Ana; TOLCHINSKY, Liliana (Org.). Além da alfabetização: a aprendizagem fonológica, ortográfica, textual e matemática. 3. ed. São Paulo: Ática, 1997.






SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Fundamentos e Prática do Ensino de Ciências e Educação Ambiental

Carga horária: 80 horas Semestre: 6º


EMENTA

Histórico do ensino de Ciências; Reflexões, concepções e caracterização da área de ciência e a inter-relações com os demais componentes curriculares. A relação das Ciências com a sociedade, com a formação da cidadania e o contexto amazônico. Fundamentação teórica e metodológica do processo de ensino- aprendizagem das Ciências na Educação Infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental. Implicações políticas e sociais da produção e aplicação dos conhecimentos científicos e tecnológicos. O ensino de ciências na educação inclusiva.

OBJETIVOS

Oferecer aos acadêmicos, fundamentação para a aquisição de competências necessárias para a vivência de práticas pedagógicas inovadoras que, estimuladas pela pesquisa e pela reflexão, contribuam para a formação de cidadãos capazes de interferir criticamente na realidade para transformá-la.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BRASIL, MEC/Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília, 1997.

DELlZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André. Metodologia do ensino de ciências. São Paulo, Cortez, 2000.

HENNING, Georg J. Metodologia do Ensino de Ciência. Porto Alegre: Mercado Alberto (Série Novas Perspectivas,18), 1986. 486p.

PIAGET, Jean; GARCIA, Rolando. Psicogênese e história das ciências. Lisboa:

Publicações Don Quixote, 1987.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

CARVALHO, Ana Maria Pessoa. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. São Paulo: Cortez, 1996.

CHASSOT, A. A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 1994.

COLL, César; MARTÍN, Elena et al. Aprender conteúdos e desenvolver capacidades. Porto Alegre: Artmed, 2004.

HAMBURGER, J. (Coord.). A filosofia das ciências hoje. Lisboa: Fragmentos, 1988.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Tradução Jussara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 2002.

KAMI, C.; DEVRIES, R. O conhecimento físico na educação pré-escolar. Porto Alegre: Artmed, 1985.

SEQUEIROS, Leandro. Educar para a solidariedade: projetos para uma nova cultura de relações entre os povos. Porto Alegre: Artmed, 2000.

WISSMANN, Hilda (Org.). Didática das ciências naturais. Porto Alegre: Artmed, 1998.








SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Metodologia da Pesquisa em Educação Carga horária: 80 horas Semestre: 6º


EMENTA

Pressupostos teóricos da pesquisa em educação; Fundamentos epistemológicos e metodológicos da pesquisa em educação; Planejamento e execução do projeto de pesquisa em educação. Elaboração do Projeto de Pesquisa; Normas de apresentação do trabalho científico.

OBJETIVOS

Possibilitar aos acadêmicos os elementos necessários para a elaboração do projeto de pesquisa com vistas à construção do Trabalho de Conclusão de Curso; Apresentar os pressupostos da pesquisa educacional, enfatizando as diferentes abordagens, métodos, tipos e técnicas de coletas de dados diante das necessidades do contexto; Orientar os acadêmicos para a utilização das normas e técnicas da ABNT aos trabalhos científicos realizados.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

CARDOSO, Ruth C, L. (org.) A aventura antropológica: teoria e pesquisa. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

FAZENDA, Ivani (org.). Metodologia da pesquisas educacional. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1999.

FAZENDA, Ivani (org.). Novos enfoques da pesquisa educacional. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1992.

FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas e técnicas para o trabalho científico. 15. ed. Porto Alegre:s.n, 2011.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

AGUIAR, Joaquim Alves de. Espaços da memória: um estudo sobre Pedro Nava. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Edusp/Fapesp, 1998.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 2. ed. São Paulo: Hicitec, 1997a.

BARBIER, René. A pesquisa-ação .Brasília: Plano Editora, 2002.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa-Portugal: Edições 70, 1995.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Codex, Portugal: Porto Editora, 1999.

GATTI, Bernardete Angelina. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002.

LÜDKE, Menga; ANDRÈ, Marli E.D.A. A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: PU, 1986.

MACIEL, Antônio Carlos. Modelos e formas de elaboração de um projeto de pesquisa. Porto Velho: UNIR, 2004.

SZWMANSKI, Heloísa (org). A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília: Plano Editora, 2002.

VIANNA, Heraldo Marelim. Pesquisa em educação: a observação. Brasília: Plano Editora, 2003.








SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Estágio Supervisionado em Educação de Jovens e Adultos (EJA) Carga horária: 40 horas Semestre: 6º


EMENTA

Atividade de Observação, Participação e Regência na Educação de Jovens e Adultos. Elaboração de Projeto de Estágio.

OBJETIVOS

Exercer atividade de docência na EJA.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José E. (Org.). Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 4. ed. São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire, 2001.

MAYO, Peter. Gramsci, Freire e a educação de adultos: possibilidades para uma ação transformadora. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PICONEZ, Stela C. Bertholdo. Educação escolar de jovens e adultos, Campinas: Papirus, 2003.

RIBEIRO, Vera Masagão. (Org.). Educação de jovens e adultos: novos leitores, novas leituras. Campinas, SP: Mercado de Letras: Associação de Leitura do Brasil-ALB; São Paulo: Ação Educativa, 2001.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Educação de Jovens e Adultos. Parâmetros em Ação. Brasília, 1999.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular de Educação de Jovens e Adultos (1º segmento). Brasília, 1997.

CASÉRIO, Vera Mariza Reqino. Educação de jovens e adultos- pontos e contra pontos, Florianópolis: EDUSC, 2002,

COGGIOLA, Osvaldo (Org.). Revolução cubana: história e problemas atuais. São Paulo: Xamã, 1998.

DURANTE, Marta. Alfabetização de adultos: leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

FERREIRO, Emília (Org.). Os filhos do analfabetismo: proposta para a alfabetização escolar na América Latina. Porto Alegre: Artmed, 1990.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSHY, Ana. Psicogênese da língua escrita. 4. ed. Porto Alegre:Artmed, 1991.

FERRER PÉREZ, Raúl. Educação de adultos em Cuba. São Paulo: Summus, 1986.

FRAGO, viüao. Alfabetização na sociedade e na história. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FREIRE, Paulo. Alfabetização: leitura da palavra, leitura do mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, s/d.

______. Cartas a Guiné-Bissau: registros de uma experiência em processo. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

______. Conscientização. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

______. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Educação e mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

______. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1685.

FREIRE, Paulo; FREIRE, Ana Maria (org). Pedagogia dos Sonhos Possíveis. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

FUCK, I.T. Alfabetização de Adultos: relatório de uma experiência construtiva. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOARES, Magda. Letramento: Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

VÓVIO, C.L. (org.) Viver, Aprender: educação de Jovens e Adultos. São Paulo: Ação Educativa/MEC, Brasília, 1998.







SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Estágio Supervisionado em Gestão Educacional Escolar Carga horária: 40 horas Semestre: 6º


EMENTA

Atividade de Observação, Participação as áreas de gestão escolar: administração e supervisão escolar.

OBJETIVOS

Realizar atividades de observação e participação em ações ligadas á gestão escolar.Elaborar e desenvolver de Projeto de Estágio.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e Gestão da escola: teoria e prática. Goiânia: Alternativa, 2001.

MENEGOLLA, Maximiliano, SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como Planejar? Currículo – Área – Aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento Dialógico: Como construir o Projeto Político-Pedagógico da Escola. Editora Cortez. 2003 (guia da escola cidadã; v.7)- Instituto Paulo Freire.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

PERRENOUD, Philippe; THURLER, Monica Gather. As Competências para ensinar no século XXI. Porto Alegre: Artmed, 2002.

______. A pedagogia na escola das diferenças: fragmentos de uma sociologia do fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2001.

LUCK, Heloisa [et ai]. A escola participativa: o trabalho do gestor. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

OLIVEIRA, Dalila Andrade (org.). Gestão democrática da educação: desafios contemporâneos. Petrópolis, Vozes, 1997.

PARO, Vitor Henrique. Administração Escolar: introdução crítica. São Paulo: Cortez, 1990.

______. Por dentro da escola pública, 2. ed São Paulo, Xamã, 1996.

SANDER, Benno. Consenso e conflito: perspectivas analíticas na pedagogia e na administração da educação, São Paulo, Pioneira, 1984.






7° SEMESTRE






SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Educação Profissional e Financeira - Carga horária: 60 horas Semestre: 7º.


EMENTA

Quadro atual da educação profissional e tecnológica no Brasil: da legislação e política à prática e resultados; As contradições da educação financeira: autonomia ou alienação no sistema capitalista; Desafios, contradições e perspectivas do empreendedorismo; Os espaços de disputas das abordagens curriculares da politécnica, da pedagogia das competências e da educação integral no contexto da educação profissional.

OBJETIVOS

Proporcionar a compreensão da formação tecnológica e profissional frente às questões curriculares da politécnica, da pedagogia das competências e da educação integral no contexto da sociedade capitalista, considerando a educação financeira e o empreendedorismo. Refletir sobre as propostas de Educação Financeira como tema transversal a ser trabalhado nas escolas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

MARTINS, José Pio. Educação financeira ao alcance de todos. São Paulo: Fundamentos

Educacionais, 2004.

RAMOS, Marise. Ensino Médio Integrado: concepções e contradições / Gaudêncio Frigotto, Maria Ciavatta, Marise Ramos (orgs.). São Paulo: Cortez, 2005.

LÉVY, Pierre (1993). Tecnologias da Inteligência. São Paulo: Editora 34.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

LÉVY, Pierre (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34.

ROSETTI JUNIOR, Helio. Educação Matemática e Financeira: um estudo de caso em Cursos Superiores de Tecnologia. 2010. 242 f. Tese (Doutorado em Ensino de Cências e Matemática) – Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2010.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2000.

BARBOSA, Josilene da Silva; SILVA, Marli Auxilidadora; PRADO, Rejane Alexandrina Domingues Pereira do. Orçamento Doméstico: sondagem de opinião do consumidor no Pontal do Triângulo Mineiro Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-76122007000600006&script=sci_arttext. Aceso em fev. 2013.







SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA

Disciplina: Educação Indígena e das Populações Tradicionais da Amazônia

Carga horária: 60 horas Semestre: 7º

EMENTA

O pensamento antropológico; Amazônia: a poética do imaginário; a pluralidade cultural; os povos da floresta: dos conflitos à aliança; fundamentos da educação escolar indígena; a educação nas escolas ribeirinhas; o processo educativo desenvolvido nas reservas extrativistas.

OBJETIVOS

Refletir sobre a dimensão cultural de toda atividade educativa; o olhar antropológico sobre a educação dos povos indígenas e das populações tradicionais; realidades diferentes e educação diferenciada; fracasso e resistência do sistema educacional ou da comunidade. Formas de socialização e aprendizagem.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BECKER, Bertha K. Amazônia. Série Princípios, São Paulo, Ática, 1990.

DEAN, Warren. A Luta Pela Borracha no Brasil. São Paulo, Nobel, 1989.

DIEGUES, Antonio Carlos (org). Desmatamento e Modos de Vida na Amazônia. São Paulo, Gráfica e Editora Alves Uda, 1999.

HOORNAERT, Eduardo (org). História da Igreja na Amazônia. Rio de Janeiro, Vozes, 1992.

I8ANES, Maria Graciete Zaire. Poronga: Educação na Floresta. Rio Branco, CTA, 1999.

KRENAK, Ailton & AMÂNCIO, Osmarino. Aliança dos Povos da Floresta. São Paulo, CEDI, 1989.

LEONEL, Mauro. Etnodicéia Uruéu-Au-Au. São Paulo, EDUSP/IAMÁlFAPESP, 1995.

UBERTIN, Catherine e outros. A Floresta em Jogo: O Extrativismo na Amazônia Central. São Paulo, UNESP, 2000.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALMEIDA, M. W. B. O Estatuto da Terra e as reservas extrativistas. Reforma Agrária, vol. 25, no 1, janeiro - abril. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária, pp. 153-168: 1985.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas, 2002.

FERRE IRA, Manoel Rodrigues. Nas Selvas Amazônicas. São Paulo, Gráfica Biblos Itda, 1961.

LEONEL, Mauro. A Morte Social dos Rios. São Paulo, Perspectiva, 1998.

Margem, 2000.

SILVA, Josué da Costa (Coord.) Nos banzeiros do rio: ação interdisciplinar em busca da sustentabilidade em comunidades ribeirinhas da Amazônia. Porto Velho: Edufro, 2002.

SILVA, Maria das Graças Silva Nascimento. O espaço ribeirinho. São Paulo: Terceira






SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA

Disciplina: Educação do Campo Carga horária: 60 horas Semestre: 7º

EMENTA

Fundamentos político-pedagógicos, conceituais e sócio-econômicos e culturais da educação do campo. Saberes e fazeres do campo. Princípios e diretrizes para a educação no campo. Histórico e contemporaneidade das propostas e realizações educacionais. Relações institucionais envolvendo Estado, universidade e movimentos sociais do campo. Práticas pedagógicas na educação no campo no Brasil. Pedagogia do movimento e das Escolas Famílias Agrícolas; Escolas e salas multisseriadas. Análise de projetos inovadores interdisciplinares para a educação do campo.

OBJETIVOS

Desenvolver conceitos pertinentes a formação inerente á educação do campo e discutir as concepções da mesma bem como seus aspectos pedagógicos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ARROYO, M., CALDART, R. S. (orgs.). Por uma educação básica no campo. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECAD. Diretrizes operacionais para a educação básica nas escolas do campo. Resolução CNE/CEB N° 1 – de 3 de abril de 2002

PISTRAK, M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2003.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

CARVALHO, H. M. O campesinato no século XX: possibilidades e condicionantes do desenvolvimento do campesinato do Brasil. Peetrópolis: Vozes, 2005.

HOBSBAWN, E. Pessoas extraordinárias: resistência, rebelião e jazz. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

LEITE, /S. C. Escola Rural: educação e políticas educacionais. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LINHARES, M.; SILVA, F. C. T. Terra prometida: a história da questão agrária no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1999.








SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Fundamentos Prática do Ensino da Geografia Carga horária: 80 horas

Semestre: 7º


EMENTA

Breve histórico da disciplina Geografia no Brasil; Concepções curriculares elaborados para o ensino de Geografia do Brasil; As metodologias relativas ao estudo dos conhecimentos contextualizados no espaço por meio de mapas físicos, políticos, históricos, assim como, esquemas, quadros e descrições. O homem enquanto sujeito que constrói e reconstrói o espaço; conceitos de espaço, lugar e território. Estudo da relação homem-natureza priorizando a realidade amazônica. O ensino de Geografia na educação inclusiva

OBJETIVOS

Trabalhar a relação entre as diferentes concepções que orientam o ensino-aprendizagem de Geografia e seus desdobramentos na prática docente numa visão crítica reflexiva da realidade; Apresentar um conjunto de estratégias e instrumentos metodológicos que possibilitem discutir conceitos fundamentais da História.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ALMEIDA, Rosângela Doin de, PASSINI, Elza Yasuko. O espaço geográfico: ensino e representação. 7. São Paulo: Contexto, 1999. (Repensando o Ensino).

ANDRADE, Manuel Correia. Geografia Ciência da Sociedade: uma introdução à análise do Pensamento Geográfico. São Paulo: Atlas, 1987.

ANTUNES, Celso. A sala de aula de geografia e historia: inteligências múltiplas, aprendizagem significativa e competências no dia a dia. Campinas: Papirus, 2.001.

BARRETO, Rosangela Marta Siqueira. Pcn - História e Geografia. Volume 5. São Paulo: DP&A, 2003.

CASTROGIOVANNI, Antonio Carlos (Org.); CALLAI, Helena Copetti; KAERCHER, Nestor André. Ensino de Geografia: práticas e textualizações no cotidiano. 3. ed. Porto Alegre: Mediação, 2.003.

RODRIGUES, Antonia Brito; OTAVIANO, Claudia Arcanjo. Guia Metodológico de Trabalho de Campo em Geografia. Geografia, Londrina, v. 10, n.o 1, p. 35-43, jan/jun. 2.001.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia, 1ª à 4ª série. Brasília: MEC/SEF, 1997.

CARLOS, Ana Fani A. (Org.). A geografia na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2000.

CASTELLAR, Sonia. (Org.). Educação geográfica: teorias e práticas docentes. São Paulo: Contexto, 2002.

OLIVEIRA, Ariovaldo U. de. (Org.). Para onde vai o ensino de geografia? São Paulo: Contexto, 2005.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.




SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso I Carga horária: 80 horas Semestre: 7º


EMENTA

O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC): normas da instituição; normas da ABNT; desenvolvimento do projeto de pesquisa.

OBJETIVOS

Desenvolver a pesquisa, seja ela empírica ou teórica, a partir das orientações metodológicas definidas no projeto elaborar o TCC, conforme normas da instituição e da ABNT.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

COSTA, Marisa Vorraber (Org.). Caminhos investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

GERALDI, Corinta Maria Grisolia; FIORENTINI, Dario; PEREIRA, Elisabete Monteiro de A. (Org.). Cartografias do trabalho docente: professor(a)-pesquisador(a). Campinas: Mercado de Letras: ABL, 1998.

MOROZ, Melania e GIANFALDONI, Mônica Helena Tieppo Alves. O processo de pesquisa: iniciação. Brasília: Plano Editora, 2002.

PÁDUA, Elisabete Matallo Marchesini de. Metodologia da pesquisa. Coleção: Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico. São Paulo: Papirus, 2007. (Coleção: Catálogo Geral).

VIEIRA, Sofia Lecher. Ser professor: pistas de investigação. Brasília: Plano Editora, 2002.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

AGUIAR, Joaquim Alves de. Espaços da memória: um estudo sobre Pedro Nava. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Edusp/Fapesp, 1998.

ANDRÉ, Marli Eliza D. A. Etnografia da prática escolar. 4. ed. Campinas-SP: Papirus, 1995.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 2. ed. São Paulo: Hicitec, 1997.

BARBIER, René. A pesquisa-ação. Brasília: Líber Livro, 2002.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Codex, Portugal: Porto Editora, 1999.



GUEDES-PINTO, Ana Lúcia. Rememorando trajetórias da professora-alfabetizadora: a leitura como prática constitutiva de sua identidade e formação profissionais. Campinas, SP: Mercado de Letras: Fapesp, 2002.






SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Estágio Supervisionado nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - I

Carga horária: 60 horas Semestre: 7º


EMENTA

Atividade por determinação legal que visa aquisição-reelaboração de competência profissional na área de formação, visando capacitar o egresso a trabalhar, em espaços escolares e não-escolares, na produção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano, em diversos níveis do processo educativo.

OBJETIVOS

Formar os acadêmicos e acadêmicas para das diversar áreas do conhecimento nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, através da análise das práticas escolares, da observação in loco e da iniciação profissional; acompanhar os acadêmicos e acadêmicas no momento da observação, planejamento e desenvolvimento das atividades pedagógicas em sala de aula dos anos iniciais do ensino fundamenta de moda a: 1) aplicar modos de ensinar diferentes linguagens, Língua Portuguesa, Matemática, Ciências, História, Geografia, Artes, Educação Física, de forma interdisciplinar e adequada às diferentes fases do desenvolvimento humano, particularmente de crianças; 2) relacionar as linguagens dos meios de comunicação aplicadas à educação, nos processos didático-pedagógicos, demonstrando domínio das tecnologias de informação e comunicação adequadas ao desenvolvimento de aprendizagens significativas;

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

CANDAU, Vera Maria. (org.) A didática em questão. 23 ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

LUCKESI, C.C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo: Cortez, 2003.

MACHADO, Nilson José. Epistemologia e Didática. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005.


BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

GOLBERT, Clarissa S. Novos rumos na aprendizagem da matemática. Porto Alegre: Mediação, 2000.

KISHIMOTO, Tizuko. (Org.) Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. São Paulo: Cortez, 2000.

SANTOS, Pablo Silva Machado Bispo dos. Guia prático da política educacional no Brasil: ações, planos, programas e impactos. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

SOARES, Magda, Letramento: um tema em três gêneros. São Paulo: Autêntica, 2006.



TEBEROSKY, Ana; CARDOSO, Beatriz (Org.). Reflexões sobre o ensino da leitura e da escrita. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.




8° SEMESTRE






SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

NÚCLEO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO

CURSO DE PEDAGOGIA

Resolução 04/CD de 05/11/1982

Reconhecimento: Portaria 519/MEC de 13/10/1987



INFORMAÇÕES SOBRE A DISCIPLINA


Disciplina: Fundamentos e Prática do Ensino da História e História e Cultura Afro-Brasileira Carga horária: 80 horas Semestre: 7º


EMENTA

O homem enquanto sujeito que constrói e reconstrói a sociedade em diferentes tempos e espaços, As diferentes abordagens teórico-metodológicas da escrita da História, Histórico da disciplina História nos currículos escolares brasileiros, As propostas curriculares atuais para o ensino da História na educação infantil e nas séries iniciais do ensino fundamental. Conhecimentos e conceitos históricos fundamentais. O ensino da História de Rondônia. Concepções e usos de diferentes materiais didáticos no ensino da História: o livro didático de História e as diversas fontes históricas (a literatura, a música, o vídeo, a fotografia, a televisão, os documentos oficiais e não oficiais, os objetos arqueológicos e a tradição oral). Ações de integração teoria-prática visando à atuação em situações contextualizadas que aproximem o aluno à realidade do trabalho educativo. Estudo das matrizes africanas da cultura afro-brasileira. O conceito de Afro-Brasileiro. Trabalho, cultura e resistência negra no Brasil. Cultura africana, sincretismo e miscigenação. Brasil/África e a formação do Atlântico Negro. O significado da África na formação do Brasil. As Relações Brasil-África ao longo do Século XIX. As relações entre educação e trabalho, diversidade cultural, cidadania e sustentabilidade.

OBJETIVOS

Trabalhar a relação entre as diferentes concepções que orientam o ensino-aprendizagem de História e seus desdobramentos na prática docente numa visão crítica reflexiva da realidade; Apresentar um conjunto de estratégias e instrumentos metodológicos que possibilitem discutir conceitos fundamentais da História; Identificar o papel dos documentos escritos e não-escritos como recurso didático.

Analisar a história do tráfico de africanos e suas consequências; Identificar e analisar aspectos da cultura afro-brasileira; Identificar as principais ações do movimento negro organizado e a luta contra o racismo e a discriminação. Analisar a Leis 10.639, de 2003 e 11.645 de 2008; Identificar e analisar aspectos organizacionais das comunidades negras brasileiras.



BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BOSI, Alfredo. Dialética da Colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

DOSSE, François. A história em migalhas: dos annales à nova História. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1992.

FONTANA, JOSEP. A história dos homens. Bauru: Edusc, 2004

VASCONCELOS, José Antônio. Metodologia do Ensino de História. Curitiba: Ibpex, 2007.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ADESKY, J. d’. Racismo e anti-racismo no Brasil: pluralismo étnico e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BARRETO, Elba Siqueira de Sá (org). Os currículos do ensino fundamental para as escolas brasileiras. 2 ed.Campinas, São Paulo. Autores Associados, 2000.

BARRETO, Rosangela Marta Siqueira PCN: História e Geografia, Volume 5, São Paulo: OP&A, 2003,

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Ensino de História: Fundamentos e Método-Docência em Formação. São Paulo: Cortez, 2004.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1998,

BRASIL. MEC. Lei 10.639/03. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, DF: MEC/ SECAD, out. 2004.

______. Resolução CP/CNE nº 1, de 17 de junho de 2004. (DOU nº 118, 22/6/2004, Seção 1, p. 11), instituiu diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana.

______. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Orientações e ações para a educação das relações étnico-raciais. Brasília: MEC/SECAD, 2006.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 4.ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Atica, 1995.

FAZENDA, Ivani C. A. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. 2 ed. Campinas: Papirus, 1995.

FAZENDA, Ivani. Didática e interdisciplinaridade. 3 ed. Campinas: Papiros, 1998.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo, Difel, 1972.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. 20 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

HICKMANN, Roseli Inês (Org.). Estudos Sociais: outros saberes e outros sabores. Porto Alegre: Mediação, 2002.

NEMI, Ana Lúcia Lana e MARTINS, João Carlos. Didática da História. São Paulo, FTD: 1996.

PENTEADO, Heloisa Dupas. Metodologia do Ensino de Historia e Geografia. São Paulo: Cortez, 2001.

PINSKY, Jaime (Org.). O ensino da história e a criação do fato. São Paulo, Contexto: 1988.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar? Porto Alegre: ARTMED, 1998.

1   ...   7   8   9   10   11   12   13   14   15


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal