NÚcleo de ciências humanas departamento de ciências da educaçÃo projeto político-pedagógico curso de graduaçÃo em pedagogia, licenciatura



Baixar 0.95 Mb.
Página5/15
Encontro18.07.2016
Tamanho0.95 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15

2.7.1 Qualificação: Conhecimentos, Competências, Habilidades e Atitudes
A valorização de competências e habilidades presentes nos discursos oficiais e nas políticas educacionais, em geral, fundamenta-se no ideário neoliberal, justificada pelas novas necessidades da sociedade. Entretanto, as análises das Diretrizes Curriculares Nacionais e Parecer CNE/CP 09/2001 evidenciam a preocupação, de seus formuladores em atribuir significados às competências e às habilidades, que avança em relação à lógica neoliberal, ao mesmo tempo em que abre possibilidade para que elas sejam ressignificadas no processo de elaboração dos projetos pedagógicos.

O destaque atribuído às competências, pelas diretrizes, como núcleo de formação docente poderá levar a redução da atividade docente a um desempenho técnico, podendo, como nos alerta Pimenta e Lima (2004, p. 85), sugerir “um escamoteamento da concepção tecnicista, característica dos anos 70 do século passado, que trata o professor como reprodutor de conhecimentos” cuja formação consistiria “no domínio das áreas para ensinar e da habilidades pedagógicas para conduzir o ensino, pautado por uma didática instrumental”. (idem, p. 85).

Barreiro e Gebran (2006, p. 74) defendem que o conjunto de competências presente nas diretrizes curriculares não se pauta somente no conhecimento técnico e reprodutor, mas “pressupõe a mobilização de múltiplos recursos, presentes nas diferentes dimensões que demandam capacidade relacionais dos professores”.

Considerando o debate sobre as competências e suas dimensões partimos do pressuposto de que a construção de conhecimentos, competências, habilidades e atitudes requeridas ao pedagogo ocorre no desenvolvimento de uma dinâmica curricular que possibilite o exercício da autonomia e da criatividade, pela busca do fortalecimento do compromisso com a ética na sua atuação profissional e com a organização democrática da vida em sociedade a que chamamos de qualificação.

Portanto, a noção de competências e de habilidades está aqui resignificadas e sua concepção natural-funcionalista de homem e subjetivo-relativista de conhecimento, que reforça o irracionalismo pós-moderno é deslocada para o sentido de qualificação como relação social.

A nova materialidade produtiva marcada pela flexibilização da produção e reestruturação das ocupações, integração de setores da produção, multifuncionalidade, politecnia, valorização dos saberes dos trabalhadores não ligados ao conhecimento formalizado e por novos paradigmas da produção, exigem uma massa de conhecimentos e atitudes bastante diferentes das qualificações formais requeridas pelas organizações de trabalho de tipo taylorista-fordista.

De fato, a hegemonia das classes empresariais tem motivado a emergência de novas categorias, pretensamente mais adequadas para expressar as demandas requeridas, dai a relevância da noção de competência. Esse deslocamento se processa no campo conceitual, dinâmico e contraditório na relação trabalho-educação. Entretanto, os espaços de contradição da sociedade possibilitam ressignificar coerentemente esse conceito com uma concepção de mundo que tenha a transformação da realidade da classe trabalhadora como projeto.

Como ressalta Frigotto (1996) a luta hegemônica se desenvolve sob uma mesma materialidade histórica, complexa, conflitante e antagônica, as alternativas em jogo no campo dos processos educativos se diferenciam tanto pelo processo quanto pelo conteúdo humano e técnico-científico. Portanto, o desafio está, sob a base contraditória do capital, formar profissionais da educação capazes de analisar e interpretar as infindáveis questões e problemas que a realidade apresenta de forma, interdisciplinar, autônoma e indissociável teoria e prática.

Assim, são requeridos aos homens e mulheres historicamente inseridos a capacidade de saber pensar, saber escutar, saber criticar, aprender a aprender, lidar com a alteridade, lidar com as tecnologias contemporâneas, lidar com as diferenças, ter iniciativa para resolver problemas, ter capacidade para tomar decisões, ser ético, ser criativo, ser autônomo, estar em sintonia com a realidade contemporânea, ter responsabilidade social, ser capaz de fruir esteticamente a literatura, as artes e a natureza.

Nesta Proposta Curricular a relação trabalho-educação é compreendida no plano das contradições engendradas pelas relações sociais de produção. Esse direcionamento permite entender as condições sócio-econômicas das classes subalternas, o que é essencial para a construção de um Projeto de formação humana segundo a concepção histórico-social de homem.

A finalidade desse tópico é a reafirmação de que perseguimos a formação omnilateral dos indivíduos como propósito ético-político na perspectiva da emancipação humana.

Nessa direção, o currículo do Curso de Pedagogia da UNIR está constituído por um conjunto de conhecimentos, competências, habilidades e atitudes, identificados em cada um dos Eixos Curriculares, apresentados no texto do Projeto, para o trabalho pedagógico. Este conjunto qualifica o graduando para:



  1. Atuar com ética e compromisso com vistas a transformação social emancipadora e progressiva;

  2. Compreender o ser humano, a sociedade e a natureza na sua historicidade;

  3. Apreender a dinâmica sociocultural e as questões educacionais com postura crítica, investigativa, integrativa e propositiva em face de realidades complexas, com vistas a contribuir para superação de exclusões sociais, étnico-raciais, econômicas, culturais, religiosas, políticas e outras;

  4. Desenvolver trabalho em equipe, estabelecendo diálogo entre a área educacional e as demais áreas do conhecimento;

  5. Trabalhar em espaços escolares e não-escolares, na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo educativo;

  6. Participar da gestão das instituições contribuindo para elaboração projeto pedagógico;

  7. Atuar na coordenação, acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico;;

  8. Articular ensino e pesquisa na produção do conhecimento e da prática pedagógica visando ressignificá-la;

  9. Dominar princípios teórico-metodológicos da(s) área(s) de conhecimento que se constitua(m) objeto de sua prática pedagógica;

  10. Saber elaborar, executar e avaliar planos de ação pedagógica que expressem o processo de planejamento desenvolvido na instituição;

  11. Compreender a necessidade de avaliação permanente do desempenho dos alunos e do seu próprio trabalho;

  12. Saber usar multimeios disponíveis como recursos básicos para viabilizar a aprendizagem;

  13. Desenvolver trabalho coletivo, em interação com alunos, pais e outros profissionais da instituição;

  14. Incorporar as ações pedagógicas à diversidade cultural, étnica, sexual e religiosa do povo brasileiro;

  15. Atuar com pessoas com deficiência/ necessidades educacionais especiais, em diferentes níveis da organização escolar, de modo a assegurar seus direitos de cidadania;

  16. Fortalecer o desenvolvimento e as aprendizagens daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria;

  17. Articular ações dos diversos setores da instituição em que atua em torno de projetos coletivos;

  18. Assessorar professores, alunos e pais;

  19. Compreender o desenvolvimento de processos de investigação, aí incluída a Habilidade de selecionar abordagens, procedimentos e instrumentos de investigação;

  20. Dominar processos e meios de comunicação em suas relações com os problemas educacionais;

  21. Desenvolver metodologias e materiais pedagógicos adequados à utilização das tecnologias da informação e da comunicação nas práticas educativas;

  22. Articular a atividade educacional nas diferentes formas de gestão educacional, na organização do trabalho pedagógico escolar, no planejamento, execução e avaliação de propostas pedagógicas da escola;

  23. Elaborar o projeto pedagógico, sintetizando as atividades de ensino e administração, caracterizadas por categorias comuns como: planejamento, organização, coordenação e avaliação e por valores comuns como: justiça social, cooperação, responsabilidade e compromisso.

  24. Promover e facilitar relações de cooperação entre a instituição educativa, a família e a comunidade;

  25. Participar da gestão das instituições planejando, executando, acompanhando e avaliando projetos e programas educacionais, em ambientes escolares e não-escolares

  26. Realizar pesquisas sobre processos de ensinar e de aprender em diferentes contextos sócioambientais;

  27. Utilizar, com propriedade, instrumentos próprios para construção de conhecimentos pedagógicos e científicos;

  28. Aplicar criticamente as diretrizes curriculares e outras determinações legais que lhe caiba implantar, executar e avaliar;

  29. Promover diálogo entre conhecimentos, valores, modos de vida, orientações filosóficas, políticas e religiosas próprias de cada cultura;

  30. Atuar nas escolas de remanescentes de quilombos, do campo e indígena.

Um ponto fundamental a reiterar e a ser demarcado neste item é que o conjunto de qualificações (campos) acima elencado são mediações do processo de formação em condições históricas concretas na relação trabalho-educação cuja razão de existir está alicerçada na compreensão do trabalho como relação social historicamente datada.

De acordo com as linhas de argumentação acima a concepção de qualificação pressupõe: a) uma ideia de determinação, decorrente da própria organização social (capitalista) de trabalho e, simultaneamente, uma conotação de redirecionamento, decorrente da possibilidade de intervenção dos atores sociais envolvidos no processo; b) a noção de qualificação adquire uma conotação primordialmente sociocultural e histórica; e c) envolveria a ideia da qualificação como um processo constituído com base em um movimento dialético, que comportaria, ao mesmo tempo, elementos qualificantes e desqualificantes, conectados ao ato e/ou atividades de trabalho, não circunscrita e cristalizada em função de um conjunto prescrito de postos de trabalho, tarefas e funções (MACHADO 1996, p. 13-40).
2.7.2 Os Núcleos como articulação dos componentes curriculares
A Pedagogia enquanto área de conhecimento aplicada tem por objeto a compreensão e a intervenção construtiva nos processos educativos. Seu campo específico se constitui de teorias e práticas que se articulam cada vez mais com outras áreas do conhecimento permitindo assim o desenvolvimento de lastros cognitivos, de competências, habilidades e de atitudes requeridas ao Pedagogo. Busca-se uma visão de currículo e de ensino fundamentada na interdependência entre os diversos campos do conhecimento e numa ação docente pautada pela troca, pela reciprocidade. As disciplinas previstas na presente proposta curricular agrupam-se em três núcleos. O desafio é a superação cada vez mais ampla, profunda e grave da fragmentação entre os saberes. A fragmentação entre disciplinas impede de ver o global e o essencial.

Como escreve Morin (2000, p. 14), os problemas particulares só podem ser posicionados e pensados em seus contextos e o próprio contexto desses problemas deve ser posicionado, cada vez mais, no contexto planetário “existe complexidade de fato, quando os componentes que constituem um todo (como econômico, o político, o sociológico, o psicológico, o afetivo, o mitológico) são inseparáveis e existe um tecido interdependente, interativo e inter-retroativo entre as partes e o todo, o todo e as partes”.

É nessa perspectiva - evitar os efeitos da compartimentação - que os Eixos articulados, uns aos outros, contribuirão para a superação da fragmentação e desenvolverão a aptidão de contextualizar e integrar docentes, discentes e corpo técnico.
2.7.2.1 Núcleo de Estudos Básicos - Eixo: Educação e Sociedade (NEBES)
Nesse Núcleo os conteúdos, apoiando-se em diversas áreas de conhecimento, com pertinência ao campo da Pedagogia e sem perder de vista os princípios que norteiam este Projeto Pedagógico, deverão contribuir para a compreensão do processo educativo em ambientes escolares e não-escolares numa perspectiva complexa e global. A conclusão desse Núcleo deverá qualificar nossos educandos a utilizar o conhecimento multidimensional em situações de ensino-aprendizagem.

Constituem o Núcleo de Estudos Básicos – Eixo: Educação e Sociedade as seguintes disciplinas: História da Educação, Filosofia, Metodologia da Produção Científica e Acadêmica, Psicologia do Desenvolvimento, Sociologia da Educação, Filosofia da Educação, Epistemologia da Educação, Psicologia da Aprendizagem, Sociolingüística e Políticas Públicas e Legislação Educacional.

Ao término da integralização curricular desse módulo o aluno deve ser capaz de:


  • compreender o ser humano, a sociedade e a natureza na sua historicidade

  • atuar com ética e compromisso com vistas a transformação social emancipadora e progressiva;

  • desenvolver trabalho em equipe, estabelecendo diálogo entre a área educacional e as demais áreas do conhecimento;

  • articular ensino e pesquisa na produção do conhecimento e da prática pedagógica visando ressignificá-la;

  • apreender a dinâmica sociocultural e as questões educacionais com postura crítica, investigativa, integrativa e propositiva em face de realidades complexas, com vistas a contribuir para superação de exclusões sociais, étnico-raciais, econômicas, culturais, religiosas, políticas e outras;

  • utilizar, com propriedade, instrumentos próprios para construção de conhecimentos pedagógicos e científicos.

2.7.2.2 Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos (NADE)


O Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos organiza-se em dois eixos e está voltado às áreas de atuação profissional priorizadas pelo projeto pedagógico das instituições e que, atendendo a diferentes demandas sociais, oportunizará, entre outras possibilidades:

a) investigações sobre processos educativos e gestoriais, em diferentes situações institucionais: escolares, comunitárias, assistenciais, empresariais e outras;

b) avaliação, criação e uso de textos, materiais didáticos, procedimentos e processos de aprendizagem que contemplem a diversidade social e cultural da sociedade brasileira;

c) estudo, análise e avaliação de teorias da educação, a fim de elaborar propostas educacionais consistentes e inovadoras.



2.7.2.2.1 Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos - Eixo: Gestão e Organização do Trabalho Educativo (NADEGE)
O Núcleo de Estudos Básicos - Eixo: Gestão e Organização do Trabalho Educativo (NEBGE) tem seu conteúdo voltado às áreas de atuação profissional especificada neste Projeto Pedagógico - visando uma formação autônoma, crítica e construtiva frente às novas exigências do mundo do trabalho demandadas pela Sociedade da Informação e do Conhecimento.

Constituem o Eixo Gestão e Organização do Trabalho Educativo os seguintes componentes: Didática, Avaliação Educacional, Tecnologias Aplicadas à Educação, Currículo e Educação Básica, Educação Especial, Gestão Educacional, Metodologia da Pesquisa em Educação, Educação Indígena e das Populações Tradicionais da Amazônia, Educação do Campo.

Ao término da integralização curricular o aluno deve ser capaz de:


  • realizar pesquisas sobre processos de ensinar e de aprender em diferentes contextos socioambientais;

  • saber elaborar, executar e avaliar planos de ação pedagógica que expressem o processo de planejamento desenvolvido na instituição;

  • compreender a necessidade de avaliação permanente do desempenho dos alunos e do seu próprio trabalho;

  • compreender o desenvolvimento de processos de investigação, aí incluída a habilidade de selecionar abordagens, procedimentos e instrumentos de investigação;

  • trabalhar em espaços escolares e não-escolares, na promoção da aprendizagem de sujeitos em diferentes fases do desenvolvimento humano, em diversos níveis e modalidades do processo educativo;

  • saber usar multimeios disponíveis como recursos básicos para viabilizar a aprendizagem;

  • atuar com pessoas com deficiência/ necessidades educacionais especiais, em diferentes níveis da organização escolar, de modo a assegurar seus direitos de cidadania;

  • dominar processos e meios de comunicação em suas relações com os problemas educacionais;

  • desenvolver metodologias e materiais pedagógicos adequados à utilização das tecnologias da informação e da comunicação nas práticas educativas;

  • participar da gestão das instituições planejando, executando, acompanhando e avaliando projetos e programas educacionais, em ambientes escolares e não-escolares;

  • aplicar criticamente as diretrizes curriculares e outras determinações legais que lhe caiba implantar, executar e avaliar.

  • promover diálogo entre conhecimentos, valores, modos de vida, orientações filosóficas, políticas e religiosas próprias de cada cultura.


2.7.2.2.2 Núcleo de Aprofundamento e Diversificação de Estudos – Eixo: Fundamentos e Práticas Pedagógicas (NADEFP)
Constituem este Núcleo as seguintes disciplinas: Fundamentos e Prática da Educação Infantil I, Fundamentos e Prática do Ensino das Múltiplas Expressões Artísticas, Fundamentos e Prática da Educação Infantil II, Fundamentos e Prática do Ensino da Língua Portuguesa, Fundamentos e Prática da Alfabetização I, Fundamentos e Prática do Ensino da Matemática, Fundamentos e Prática da Recreação e Jogos, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Fundamentos e Prática da Alfabetização II; Fundamentos e Prática do Ensino de Ciências e Educação Ambiental, Educação Profissional, Tecnológica e Financeira, Fundamentos e Prática do Ensino da Geografia, Fundamentos e Prática do Ensino da História e História e Cultura Afro-Brasileira, Fundamentos e Prática da Educação à Distância e Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

Também fazem parte deste eixo as disciplinas que podem ser ofertados como disciplinas optativas dentro do próprio curso ou aproveitadas a partir do aluno haver cursado-as em outro curso.

Ao término da integralização curricular desse Núcleo, o aluno deve ser capaz de:


  • incorporar as ações pedagógicas à diversidade cultural, étnica, sexual e religiosa do povo brasileiro;

  • fortalecer o desenvolvimento e as aprendizagens daqueles que não tiveram oportunidade de escolarização na idade própria;

  • atuar nas escolas de remanescentes de quilombos, do campo e indígena.

  • dominar princípios teórico-metodológicos da(s) área(s) de conhecimento que se constitua(m) objeto de sua prática pedagógica.

2.7.2.3 Núcleo de Estudos Integradores (NEI)
O Núcleo de estudos integradores proporcionará enriquecimento curricular através da participação do aluno (a) em seminários, em projetos de inovação educacional, atividades de extensão, bem como monitoria, produção de artigos científicos, atividades práticas dentre outras de modo a propiciar vivências nas mais diferentes áreas educacionais, assegurando aprofundamento e diversificação de estudos, experiências e utilização de recursos pedagógico.

Constitui o Núcleo de Estudos Integradores as seguintes atividades formadoras, facultadas como disciplinas e devem prever carga horária mínima de execução, bem como permear todo o processo curricular:



  • Atividades Complementares: Envolvem rotina extra e inter-institucionais através de projetos e atividades, pesquisa, seminários temáticos e eventos acadêmico-científicos diversos e coerentes com o propósito declarado neste PPP.

- Estágio Supervisionado: Envolve a prática de estágio, prevista em Lei, mas abordado nos termos da docência compartilhada em consonância com o diálogo da UNIR com as escolas e os sistemas educacionais, bem como oportunidades nos espaços não escolares ou não formais.

- Trabalho de Conclusão de Curso: Monografia, Relatório de Pesquisa e/ou Projetos de Inovação Pedagógica: constituem-se a oportunidade de apresentação escrita com qualidade científica de tema relevante, consistente e coerente com a formação pretendida e obtida no curso. Pressupõe apresentação pública e submete ao rigor acadêmico de todas as atividades formadoras.

Ao término da integralização curricular considerando as atividades deste Núcleo, o aluno deve ser capaz de:


  • dominar princípios teórico-metodológicos da(s) área(s) de conhecimento que se constitua(m) objeto de sua prática pedagógica;

  • participar da gestão das instituições contribuindo para elaboração projeto pedagógico;

  • atuar na coordenação, acompanhamento e avaliação do projeto pedagógico;

  • desenvolver trabalho coletivo, em interação com alunos, pais e outros profissionais da instituição;

  • articular ações dos diversos setores da instituição em que atua em torno de projetos coletivos;

  • assessorar professores, alunos e pais;

  • planejamento, execução e avaliação de propostas pedagógicas da escola;

  • elaborar um projeto pedagógico escolar, sintetizando as atividades de ensino e administração, caracterizadas por categorias comuns como: planejamento, organização, coordenação e avaliação e por valores comuns como: gestão democrática, justiça social, cooperação, responsabilidade e compromisso.


2.7.4 Atividades de Pesquisa, Extensão e Prática Pedagógica
As atividades de pesquisa deverão ser desenvolvidas desde o início do Curso de Pedagogia, licenciatura, levando em consideração as coletas de dados efetuadas nas escolas cuja intervenção (Prática Pedagógica e Estágio Supervisionado) deverá ocorrer. Ainda, deverão, a partir dos dados coletados, efetuarem as análises necessárias tendo como instrumento o referencial teórico desenvolvido ao longo das disciplinas.
2.7.5 Monitoria
A monitoria é uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada do (a) aluno (a) nas atividades de ensino, pesquisa e extensão dos cursos de graduação da UNIR. Busca valorizar a participação dos (as) alunos (as) em atividades teóricas e práticas, bem como o desenvolvimento de habilidades relacionadas à atividade docente, o projeto pedagógico do Curso de Pedagogia do Campus de Porto Velho implementa o seu Programa de Monitoria.
Finalidade:

A monitoria é uma atividade que pretende despertar o interesse pela carreira docente, prestar auxílio a professores para o desenvolvimento e aperfeiçoamento das atividades técnico-didáticas, bem como contribuir para a manutenção de um relacionamento pedagógico produtivo entre alunos (as) e professores (as). Têm por finalidade contribuir para despertar o interesse dos (as) alunos (as) na atividade docente, aproveitando o conteúdo obtido em sua formação acadêmica no curso de Pedagogia.


Objetivos:

  1. Estimular a iniciação à docência;

  2. Promover a cooperação entre os (as) professores (as) e alunos (as);

  3. Contribuir para a melhoria da qualidade de ensino no âmbito da universidade;

  4. Dinamizar as ações didático-pedagógicas e educativas por meio de envolvimento dos (as) alunos (as) na operacionalização destas ações no cotidiano da universidade.


Base legal:

O Regimento Geral da UNIR, em seus artigos 204, 205 e 206, orientam a prática da Monitoria nesta IFES. Ela mantém um corpo de monitores a ser preenchido por alunos (as) regularmente matriculados, de acordo com as normas para admissão e controle de monitor(a) e programa elaborado anualmente pelo Departamento interessado.

O Departamento de Ciências da Educação, a fim de apoiar atividades teórico-práticas, sob sua responsabilidade, propõe um Programa de Monitoria para atender algumas disciplinas da matriz curricular e para subsidiar os projetos pedagógicos vinculados aos Laboratórios Didáticos do curso de Pedagogia.

Para o desenvolvimento da Monitoria serão observadas as orientações emanadas das instâncias superiores da UNIR.

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   15


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal