Neros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital



Baixar 442.99 Kb.
Página3/5
Encontro29.07.2016
Tamanho442.99 Kb.
1   2   3   4   5

Esses gêneros têm características próprias e devem ser analisados em particular. Nem sempre têm uma contraparte muito clara e não se pode esperar uma especularidade na projeção de domínios tão diversos como são o virtual e o real. Esses gêneros são mediados pela tecnologia computacional que oferece um programa de base (uma ferramenta conceitual) e servem-se da telefonia. De certo modo, esses gêneros são diversificados em seus formatos e possibilidades e dependem do software utilizado para sua produção. No caso dos e-mails, por exemplo, temos vários programas para sua elaboração.25


Todos os gêneros aqui tratados dizem respeito a interações entre indivíduos reais, embora suas relações sejam no geral virtuais. Por isso optamos por não tratar do “gênero textual” no contexto do mundo imaginário dos MUDs (Multi-User-Dungeon). Trata-se de um programa de jogos muito conhecido nos anos 70 e que posteriormente redundou em algo que poderia ser chamado de Jogo de Combate ou Luta com Dragões. Como opera numa relação com um mundo imaginário, pareceu não caber neste contexto de análise. No caso dos MUDs temos um tipo de relação irreal, relação com a fantasia e não com seres reais e trata-se de um jogo. Por essa razão, foi aqui excluído.26
Diante de tudo isso, é possível indagar-se que tipo de prática social emerge com as novas formas de discurso virtual pela internet. Pode-se falar em letramento digital, como foi inicialmente sugerido? Creio que é cedo para tanto. Mas já se pode dizer que temos novas situações de letramento cultural.
4. Parâmetros para caracterização dos gêneros emergentes
Neste item, apresentamos um quadro geral com os parâmetros que poderiam caracterizar os novos gêneros. Trata-se de uma proposta descritiva ainda incipiente e merecedora de maior sistematização. Para sua validação, as categorias devem ser detidamente testadas nos casos que tentam modelizar. Além disso, é necessária uma definição dos constituintes de cada traço de acordo com o conjunto de postulados teóricos de onde provém.
Na construção desta matriz propomos um conjunto de categorias dentro da teoria dos gêneros textuais postulada na confluência entre Bakhtin (1979); Halliday (1978); Miller (1984); Swales (1990) e Bronkcart (1999). Seguimos o que julgamos importante na caracterização dos gêneros que constituem as contrapartes apontadas, acrescendo os aspectos que surgem no novo ambiente virtual. Não está claro em que medida essas diferenças são relevantes para caracterizar um gênero como novo. O quadro foi elaborado numa visão tridimensional e observa a composição (aspectos textuais e formais, incluindo as relações entre os participantes ou a audiência); o tema (natureza dos conteúdos, funções e profundidade) e o estilo (aspectos relativos à linguagem, seus usos e usuários). Resta definir com maior precisão o que se deveria observar em cada um desses aspectos. Supomos que as teorias apontadas oferecem sugestões bastante claras e operacionais que não precisam ser aqui repetidas.
Uma das características centrais dos gêneros em ambientes virtuais é serem altamente interativos, geralmente síncronos (com simultaneidade temporal), embora escritos. Isso lhes dá um caráter inovador no contexto das relações entre fala-escrita. Além disso, tendo em vista a possibilidade cada vez mais comum de inserção de elementos visuais no texto (imagens, fotos etc.) e sons (músicas, vozes) pode-se chegar a uma interação com a presença de imagem, voz, música e linguagem escrita numa integração de recursos semiológicos. Quanto a isso, há outro aspecto nas formas de semiotização desses gêneros relativo ao uso de marcas de polidez ou indicação de posturas. São os conhecidos emoticons (ícones indicadores de emoções) ao lado de uma espécie de etiqueta netiana (etiqueta da Internet, tal como analisada por Crystal, 2001), trazendo descontração e informalidade à formulação (monitoração fraca da linguagem), tendo em vista a volatilidade do meio e a rapidez da interação. Contudo, estes aspectos não se distribuem por igual ao longo dos gêneros.
Embora pareça irrelevante na caracterização do gênero, passa a ser importante a questão da permanência ou não do documento no tempo. Como o ambiente virtual é relativamente volátil e não tem a menor garantia de estabilidade e fixação (basta uma queda de energia ou travamento do programa para perder tudo o que não foi salvo), estamos sugerindo como traço demarcador também o aspecto.relativo à recuperação dos textos produzidos nesses gêneros.
Do ponto de vista estritamente formal, esses gêneros se distinguem tanto pela forma como pelo programa usado. Tome-se o caso de um bate-papo virtual aberto, como os da UOL, AOL, BOL, YAHOO, TERRA, IG e assim por diante. Cada servidor tem uma maneira de representar os seus ambientes e isso diverge ainda na relação com o ICQ, IRC ou mIRC, sem entrar em detalhes a respeito de programas típicos como o descrito por Erickson (2000), chamado de BABBLE, que oferece uma série de recursos envolvendo praticamente todos os gêneros dentro de um programa versátil e quase corporativo.
O quadro a seguir foi construído com base em observações na perspectiva aqui levantada e não privilegia aspectos estruturais e formais, mas sim funcionais e operacionais ao lado de estratégias e propósitos. Nisto segue a idéia de que não é tanto a natureza formal, mas o aspecto sócio-comunicativo e as atividades desenvolvidas que caracterizam o gênero.
Tendo em vista o exíguo espaço disponível neste momento, vamos observar aqui detidamente apenas alguns aspectos definidores do gênero, deixando para outro momento as questões relativas aos problemas operacionais. Quanto a estes últimos elementos e também quanto à linguagem, remeto o leitor à proveitosa coletânea de trabalhos sobre o assunto, organizada por Vera Paiva (2001), já citada acima e que será aqui lembrada ainda em alguns pontos específicos.
PARÂMETROS PARA IDENTIFICAÇÃO DOS GÊNEROS NO MEIO VIRTUAL



DIMENSÃO


ASPECTO


GÊNEROS EM AMBIENTE VIRTUAL


1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

Relação temporal

Síncrona

-

+

+

+

+

+

-

+

+

-

0

Assíncrona

+

-

-

-

-

-

+

-

-

+

0


Duração

Indefinida

-

+

+

+

+

-

-

-

-

-

0

Rápida

?

0

+

-

-

-

-

-

-

?

0

Limitada

+

-

-

-

-

+

+

+

+

+

0

Extensão

do texto

Indefinida

-

+

+

+

+

+

-

-

-

-

0

Longa

-

-

-

+

-

0

+

-

+

-

0

Curta

+

+

+

-

+

0

-

+

-

+

+


Formato textual

Turnos encadeados

-

+

+

+

+

+

-

+

+

-

-

Texto corrido

+

-

-

-

-

-

+

-

-

-

0

Seqüências soltas

?

0

-

-

-

-

-

-

-

-

-

Estrutura fixa

+

-

-

-

-

-

+

-

+

+

+


Participantes

Dois

+

+

+

+

+

-

-

-

-

-

-

Múltiplos

+

+

-

+

-

+

+

+

-

+

0

Grupo fechado

+

-

-

+

-

-

+

+

+

+

0


Relação dos participantes

Conhecidos

+

-

0

+

0

-

+

+

+

+

0

Anônimos

-

+

0

-

0

+

-

-

-

-

0

Hierarquizados

?

-

-

-

-

-

+

+

+

-

0

Troca de

Falantes

Alternada

-

+

+

+

+

+

-

+

0

-

0

Inexistente

+

-

-

-

-

-

+

-

-

+

0


Função

Interpessoal

+

+

+

+

+

-

-

+

-

+

+

Lúdica

-

+

+

+

+

+

-

-

-

-

-

Institucional

-

-

-

+

-

-

+

+

+

+

+

Educacional

-

-

-

-

-

-

+

+

+

+

0


Tema

Livre

+

+

+

+

+

+

-

-

-

+

0

Combinado

+

-

-

0

-

-

+

+

+

+

0

Inexistente

-

+

-

-

-

+

-

-

-

-

+


Estilo

Monitorado

0

-

-

-

-

-

+

0

+

+

0

Informal

0

+

+

+

+

+

+

+

-

-

0

Fragmentário

-

+

+

+

+

+

-

-

-

-

0


Canal/ Semioses

Puro texto escrito

+

+

+

+

+

+

+

+

0

+

+

Texto oral & escrito

-

-

-

+

-

-

-

-

+

-

-

Texto com imagem

0

+

+

+

+

+

+

-

+

-

-

Com paralinguagem

0

+

+

+

+

+

+

+

+

-

-

Recuperação de mensagem

Gravação automática

+

-

-

+

-

-

+

+

0

+

+

Voláteis

-

+

+

+

+

-

-

+

+

-

-


Legenda 1: Sinais para marcação dos traços: + (presença); - (ausência); 0 (irrelevância do traço para definição do gênero); ? (indefinição quanto à presença e relevância).
Legenda 2: Para os gêneros listados: (1) e-mails; (2) bate-papo virtual aberto; (3) bate-papo virtual reservado; (4) bate-papo ICQ (agendado); (5) bate-papo virtual em salas privadas; (6) entrevista com convidado; (7) aulas virtuais por e-mails; (8) bate-papo educacional; (9) vídeo-conferência interativas; (10) listas de discussão; (11) endereço eletrônico.

Tomando-se os gêneros apontados acima e seguindo-se a idéia de que eles podem representar um contínuo com base em alguns vetores, tal como já havia sido sugerido para a relação fala-escrita em Marcuschi (1997), é possível, com base na sugestão de Yates (2000:236-236), traçar os dois gráficos abaixo como dois contínuos contrapostos.


O Gráfico 1 mostra o contínuo entre alguns gêneros tradicionais na fala e escrita, tendo como vetores os eixos da comunicação síncrona versus comunicação assíncrona, ou seja, comunicação que se dá no tempo real (caso da comunicação face a face) e a comunicação escrita (em geral defasada no tempo). Além disso, temos os outros dois vetores, a comunicação grupal (de um para muitos, de muitos para um ou de muitos para muitos) e a comunicação bilateral (de um para um). Os Gráficos 1 e 2 trazem uma relação similar à que estabeleci com outros parâmetros para todos os gêneros, tentando eliminar a visão dicotômica e ao mesmo tempo mostrar que há uma certa diferença entre o ambiente sonoro/impresso e o meio digital. Vejamos o gráfico 1:
Catálogo: twiki -> pub
pub -> Núcleo de Defesa do Meio Ambiente de Goiânia 15ª Promotoria de Justiça
pub -> Ministério público do estado de goiá
pub -> Ormísio Maia de Assis
pub -> Exmo. Sr. Dr. Juiz de direito da vara cível da comarca de itajaí sc sos fundação Mata Virgem
pub -> Docente: Dr. José Manuel E. Valença a informática na saúde
pub -> A consciência como fator preponderante na construção das grandes teorias para a humanidade
pub -> Estrutura curricular (novo projeto pedagógico) licenciatura núcleo Específico de Geografia (20)
pub -> Trabalho De Informática Jurídica «A criptografia» Universidade do Minho. Maio de 20005
pub -> Universidade do Minho Licenciatura em Direito Informática Jurídica Técnicas Criptográficas—Cifras Docente
pub -> Realizado por: Henrique Fernandes da Cunha Nº. 34531 Cristina Laura Silva Ferreira Nº. 31625 Mafalda Joana Saraiva Magalhães N


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal