Neurologia & psicologia: em busca de uma nova ciência da mente



Baixar 27.42 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho27.42 Kb.
NEUROLOGIA & PSICOLOGIA: em busca de uma nova ciência da mente
Abro este trabalho com duas perguntas: Em que contribuiu o curso “História das Neurociências” em minha prática profissional e o que fazer após seu término?

A temática neurociências é puro encantamento, e independe de status e formação pessoal. Falar da história das neurociências é viajar ao passado mais remoto de toda existência humana. Um mergulho nas origens da vida.

Da pré-história à pós-modernidade, os mais variados questionamentos a respeito da existência da mente emergiram: aonde estaria a mente, como funcionaria a mente e o que nos faz diferentes?

Uma breve linha do tempo talvez possa ajudar a responder aos nossos questionamentos:

No período Neolítico as trepanações já buscavam suas respostas: como libertar o indivíduo de suas tormentas? E para tanto, buracos eram abertos no crânio, com o objetivo de expulsão de demônios que atormentavam aqueles que sofriam de mazelas mentais. Algumas vezes até com sucesso, quando ocorria a descompressão intracraniana.

Os papiros Cirúrgicos de Edwin Smith (2.500 a.C) detalharam caos clínicos, de forma impressionante, sem que seus estudiosos à época tivessem recursos para tal proeza.

Os simpósios atenienses ofereciam espaço para debates filosóficos, a respeito de uma mente sediada no cérebro (Alcmeon e Demócrito). Embates aristotélicos e hipocráticos defendiam posições carregadas de valores semânticos, em detrimento de propostas menos filosóficas e mais próximas de uma verdade científica. Enquanto o primeiro defendia uma mente sediada no coração, o segundo alertava para o cérebro como abrigo da alma, sem qualquer argumento lógico ou científico, pois neste período não se dissecava cadáveres. Contudo esses embates não resistiram às proposições galênicas, com a descoberta dos ventrículos responsáveis pelas sensações, percepções; juízo, pensamento e razão e memória.

A Renascença abriu as portas para os estudos científicos do cérebro e suas funções, entrando em cena Vesalius (XVII), com sua obra reveladora dos aspectos neuroanatômicos, que diferenciavam os homens de outros animais, alertando que, embora seus cérebros tivessem ventrículos, não eram dotados da mesma configuração e conteúdo. Esse período pode ser considerado de extrema importância para o estudo da relação cérebro & mente, uma vez que a imprensa deu condição de possibilidade à ciência, de expressão, sem cerceamentos de ordem políticas ou religiosas.

Descartes (XVII) propôs uma glândula “pineal” ue ligaria a mente ao cérebro. Além disso, defendeu sua idéia de condução hidráulica para o sistema nervoso, possibilitando estudos atuais sobre a representação mental.

O final do século XVIII foi marcado pelo avanço científico, com os estudos da Física e da Biologia. Volta e Galvani chamam a atenção com seus trabalhos a respeito da eletricidade animal. Estava aberta a era da bioeletricidade. Além disso, este período marcou o início da neurociência experimental. Conseqüentemente, o século XIX representou o início de uma era científica, com várias descobertas, dentre elas, destacaram-se os estudos da localização cerebral, que possibilitaram o entendimento que partes diferentes do cérebro exercerem atividades distintas, complementando as especulações da Frenologia de Gall. Por conseguinte, a doutrina neuronal emergiu com a ajuda da microscopia, concluindo cientificamente que o cérebro era formado por neurônios, que seriam as bases de seu funcionamento.

Na segunda metade do século XIX, Broca descobriu, cientificamente, uma área cerebral injuriada por neurosífilis, e a conseqüente perda da capacidade do enfermo falar, relacionando o órgão cérebro a uma função – a linguagem. Nesse mesmo século, ocorreu a descoberta das sinapses, com o localizacionismo cerebral (Flourents), a eletrofisiologia nervosa (Reymond), a anatomia microscópica (Remnak; Purinje e Bernstein). Em 1887 Cajal modificou os métodos de Golgi, comprovando a doutrina neuronal.

O evolucionismo darwiniano colaborou com a visão de um cérebro evoluído por seleção natural. Claude Bernard relevou a importância da homeostase como a base da vida, afirmando que a mente e o sistema nervoso eram partes complementares dos mecanismos da homeostasia.

Com o surgimento da Psiquiatria científica a doença mental foi reconhecida como disfunção cerebral, possibilitando o uso de conhecimentos psicológicos e fisiológicos no tratamento de doentes. Em 1929 Hans Berger amplificou as ondas elétricas cerebrais descobrindo a eletroencefalografia. Os anos trinta foram marcados pelo uso de métodos físicos na recuperação de doentes mentais. Com o uso do eletrochoque, Penfield (1940) utilizou a estimulação elétrica em cérebros de pacientes acordados. Em seus estudos eletrofisiológicos Reymond (1949), deu início aos estudos da eletrofisiologia científica, posteriormente, Helmoholtz conseguiu a proeza de mensurar a velocidade de propagação da corrente de ação. Na década de cinqüenta as terapias medicamentosas, com a descoberta da clorpromazina (Thorazine), consolidaram o a possibilidade das mazelas psíquicas regredirem com uso de psicotrópicos.

Assim, a Era Moderna (séc. XVIII e XIX) teve a presença das neurociências científicas, que continuaram em desenvolvimento nos séc. XX e XXI, com a engenharia genética, a biologia molecular e as técnicas de neuroimaagem funcional, como ciências modernas na busca de novos caminhos para o conhecimento do homem, enquanto ser evoluído.

Abri este sucinto relato com dois questionamentos. Porém acredito que possa, pelo menos, respondê-los com a consolidação de uma proposta prática, que dê possibilidade da re-escritura para uma prática da Psicologia enquanto ciência, de retomar ao seu status, que foi denegrido por teorias que em seu nome, porém sem sua procuração, distorceram toda sua plenitude científica, como por exemplo, aquela que defende um id, um ego e um superego (um erro de tradução) de uma obra literária de um grande neurofisiologista e escritor da doutrina psicanalítica, que se vivo estivesse, certamente daria um novo rumo à sua tentadora proposta.

Portanto, a Psicologia enquanto ciência foi palco de muitos questionamentos e distorções por falta de interesse ou pela própria “personalidade” da grande maioria de seus aprendizes universitários, que deveriam estar se tratando, em vez de tentar descobrir justificativas para seus jugos. O behaviorismo, por exemplo, uma obra pouco e lida, e quando lida, na maioria das vezes, mal interpretada, com leituras que questionam a pesquisa básica. Fato que demonstra total desconhecimento dos trabalhos básicos preliminares aos clínicos. Assim, acredito que uma nova ciência da mente possa emergir da relação da Neurologia com a Psicologia= Neuropsicologia, nos aspectos experimentais, cognitivos e clínicos.

Diante do exposto, e com uma grande satisfação, relevo a importância do curso de História das Neurociências, uma vez que no seu decorrer tive a oportunidade de elaborar um projeto para o hospital onde trabalho. Aqui segue uma síntese, pois a proposta na íntegra é bem ampla:

Foi criado um departamento no Hospital Geral denominado “Serviço de Neuropsicologia”, supervisionado por um neurologista com grande afinidade aos trabalhos neuropsicológicos e Psicologia Comportamental Cognitiva. Este departamento é formado por equipe multidisciplinar e tem como objetivo atender pacientes com lesões cerebrais, tais como, AVE, TCE, e outras injúrias.

Os pacientes ingressos são atendidos pela emergência hospitalar e encaminhados à Clínica Médica, onde está amparado o programa. Ao chegar à clínica, o serviço social convida os familiares deste paciente para entrevista, com objetivo de coleta de dados cognitivos antes da lesão.

Após a liberação do neurologista, o paciente submete-se a avaliação neuropsicológica. Posteriormente, são pareados os achados da avaliação com os dados coletados dos familiares, a respeito das cognições do paciente, bem como sua personalidade. A seguir, é realizado um laudo neuropsicológico e encaminhado ao serviço de neurologia. A partir de então, o paciente é acompanhado pela equipe do serviço e, concomitantemente, é selecionado um familiar para cuidador desse paciente, que recebe todo o treinamento para tal função. Após a alta é feito um agendamento com a equipe (30 dias em média), para o retorno do paciente ao hospital, com o objetivo de sua reavaliação e atualização do cuidador. Este serviço, embora pareça simples, é de grande valia, tanto para o hospital, profissionais, familiares e pacientes, pois atende às propostas de reabilitação domiciliar, evita o reingresso do paciente, diminui as despesas com a hospedagem desnecessária na internação e libera vagas para novos pacientes que precisam do serviço.

Embora a Neuropsicologia já exista (pasme) e não seja uma especialidade reconhecida pelo Conselho federal de Psicologia, uma nova ciência da mente pode emergir, resgatando o que sobrou de bom da Psicologia. Porém torna-se necessário, que esses profissionais tenham a sensibilidade de não se limitarem única e exclusivamente à célula nervosa, nem exclusivamente às suas funções, pois estas são complementares, mas que usem seus conhecimentos, de forma plena, para uma prática que em vez de trazer mais angústia aos pacientes e ao próprio profissional, possa realmente, reverter-se em uma nova ciência do homem. Ciência esta, onde médicos, psicólogos, assistentes sociais, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e outros, possam dividir respeitosamente o mesmo espaço. E para tanto, necessário se faz, ter a consciência que seu elo de ligação é, entre outros, a certeza que embora o cérebro seja a sede da mente, e responsável pelo destino humano, a responsabilidade do paciente lesionado “nessa caixa preta” é daqueles que detém sua tutela profissional.

Estando agora em condições de responder a segunda pergunta inicial: o que fazer após a conclusão do curso? Acredito que seja buscar o aperfeiçoamento para nossas práticas e, talvez, resgatar o espaço deixado pelos cientistas do comportamento, dando à Psicologia seu verdadeiro conceito e status de ciência do comportamento, seja ele animal ou humano.



HOPITAL FERREIRA MACHADO

SERVIÇO DE NEUROPSICOLOGIA



Pareamento dos dados coletados






Laudo neuropsicológico

Acompanhamento do paciente

Capacitação do cuidador e orientação aos familiares



Alta do paciente





Agendamento mensal para reavaliação do paciente e orientação do cuidador para reabilitação


REFERÊNCIAS


Lesak, M. D. Neuropsychological Assessment. Third Edition. Oxford University –

Oxford – 1995


Matos, M.A. Behaviorismo metodológico e behaviorismo radical. Disponível em <http://www.ibac.com.br/doc/downloads/behav_meto_e_behav_radical_26_08_2001.doc>
NATIONAL ACADEMY OF NEUROPSYCHOLOGY. The use of Neuropsycholog Test Technicians in Clinical Pratice. 1999.

Olson CJ et. al. Time to death of hospitalized injured patients as a measure of quality of Olson CJ et. al. Time to death of hospitalized injured patients as a measure of quality of care. J Trauma. 2003 Jul;55(1):45-52.

Pavlov, I. P. The Nobel Prize of Physiology or Medicine – The Nobel Foundation

Ribeiro, B. A. O Behaviorismo por ele mesmo. Disponível em <http://www.cemp.com.br/behpele.htm>


Sabbatini, R.M.E. Curso da História das Neurociências. Aulas ministradas pelo Instituto Edumed. 2003.
Sabbatini, R.M.E. Frenologia: A  história da localização Cerebral. Revista eletrônica de divulgação científica em neurociênicias Cérebro & Mente, março, 1997.
Sabbatini, R.M.E. Frenologia: A  história da Localização Cerebral"Cérebro & Mente, No.06, agosto de 1998.
Sabbatini, R.M.E; Cardoso, S.H. Interdisciplinariedade e o Estudo da Mente. Revista eletrônica de divulgação científica em neurociênicias Cérebro & Mente. No.06. agosto de 1998.

Sabbatini, R.M.E. Neurônios e Sinapses: A história de sua descoberta. Revista eletrônica de divulgação científica em neurociênicias Cérebro & Mente, 17, Maio-Agosto de 2003


Sabbatini, R.M.E. descoberta da Bioeletricidade. Revista Cérebro & Mente. No.06. agosto de 1998.
Sabbatini, R.M.E. História da Frenologia. Revista eletrônica de divulgação científica em neurociênicias Cérebro & Mente. No.06 Março-maio de 1997.

Guimarães, L.G.M.Mentes Abertas.


Cosenza, R.M. Espíritos, Cérebros e Mente. Revista eletrônica de divulgação científica em neurociênicias Cérebro & Mente. No.16. dezembro 2002-abril 2003.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal