Nicola abbagnano digitalizaçÃo e arranjos



Baixar 0.57 Mb.
Página1/7
Encontro31.07.2016
Tamanho0.57 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7
HIstória da Filosofia

Volume seis

NicolA Abbagnano
DIGITALIZAÇÃO E ARRANJOS:

Ângelo Miguel Abrantes.


HISTÓRIA DA FILOSOFIA
VOLUME VI
TRADUÇÃO DE: ANTóNIO RAMOS ROSA
CAPA DE: J. C.
COMPOSIÇÃO E IMPRESSÃO

TIPOGRAFIA NUNES R. José Faldo, 57-Porto


EDITORIAL PRESENÇA - Lisboa 1970

TITULO ORIGINAL STORIA DELLA FILOSOFIA


Copyright by NICOLA ABBAGNANO
Reservados todos os direitos para a língua portuguesa à EDITORIAL PRESENÇA, LDA. - R. Augusto Gil, 2 cIE. - Lisboa

VII
AS ORIGENS DA CIÊNCIA


§ 388 LEONARDO
O resultado último do naturalismo do Renascimento é a ciência. Nela confluem: as pesquisas naturalísticas dos últimos Escolásticos que tinham dirigido a sua atenção para a natureza, desviando-a do mundo sobrenatural considerado desde então inacessível à pesquisa humana; o aristotelismo renascentista, que elaborara o conceito da ordem necessária na natureza; o platonismo antigo e novo, que insistira na estrutura matemática da natureza; a magia, que havia patenteado e difundido as técnicas operativas destinadas a subordinar a natureza ao homem; e, finalmente, a doutrina de Telésio, que afirmara a autonomia da natureza, a exigência de explicar a natureza por meio da natureza. Por um lado, todos estes elementos são integrados pela ciência mediante a redução da natureza à pura objectividade mensurável: a um complexo de formas ou coisas constituídas essencialmente por determinações quantitativas e sujeitas por isso a leis matemáticas. Por outro lado, os próprios elementos são purificados pelas conexões metafísico-teológicas, que os caracterizavam nas doutrinas a que originariamente pertenciam. Assim a ciência elimina os pressupostos teológicos a que permaneciam vinculadas as investigações dos últimos Escolásticos; elimina os pressupostos metafísicos do aristotelismo em que assentavam a magia e a filosofia de Telésio. Nesta direcção, pode dizer-se que a ciência da natureza foi orientada pelas intuições antecipadoras de Leonardo de Vinci.
Leonardo de Vinci (1452-1519) considerou a arte e a ciência como tendentes a um único escopo: o
conhecimento da natureza. A função da pintura é a de representar para os sentidos as obras naturais; e por isso ela estende-se às suas superfícies, às cores, às figuras daqueles objectos naturais de que a ciência procura conhecer as forças intrínsecas (Tratt. della pitt. ed. Ludwig, n. 3-7). Arte o ciência assentam ambas em dois pilares de todo o
conhecimento verdadeiro da natureza: a experiência sensível e o cálculo matemático. De facto, as artes,
e em primeiro lugar a pintura, que Leonardo coloca acima de todas as artes, procuram nas coisas a proporção que as faz belas e

pressupõem um estudo directo que procura descobrir nas coisas, mediante a experiência sensível, aquela mesma harmonia que a ciência exprime nas suas leis matemáticas. O vínculo entre arte e ciência não é, portanto, acidental na personalidade de Leonardo: é fruto da faina única que Leonardo se propõe: buscar na natureza


a ordem mensurável que é ao mesmo tempo proporção evidente, o número que é também beleza.
Leonardo exclui da pesquisa científica toda a
autoridade e toda a especulação que não tenha o
seu fundamento na experiência. «A sabedoria é filha da experiência» (ed. Richter, n. 1150). A experiência jamais engana; e os que se lamentam dos seus logros deveriam antes lamentar-se da sua
ignorância porque pedem à experiência aquilo que está para lá dos seus limites. Em contrapartida, pode o juízo enganar-se sobre a experiência; e para evitar o erro não há outra via senão reduzir todos os juízos a cálculos matemáticos o servir-se exclusivamente da matemática para entender e demonstrar as razões das coisas que a experiência manifesta (Cod. atl., fol. 154 r). A matemática é o
fundamento de toda a certeza. «Quem censura a suma certeza da matemática padece de confusão, e nunca porá termo às contradições das ciências sofísticas com as quais se aprende um eterno
estridor» (ed. Richter, n. 1157). Por isso Leonardo faz seu o autêntico espírito de Platão e a legenda que se encontrava à entrada da Academia: «Não entre nesta casa quem não for matemático.» Ub., n. 3). A experiência e o cálculo matemático revelam a natureza na sua objectividade, isto é, na simplicidade e na necessidade das suas operações. A natureza identifica-se com a própria necessidade da sua ordenação matemática. «A necessidade é tema e inventora da natureza, é freio e
regra eterna» (Ib., n. 1135). Nestas palavras é reconhecida claramente a essência última da objectividade da natureza: a necessidade que lhe determina a ordem mensurável e se exprime na relação causal entre os fenómenos. É precisamente esta necessidade que exclui toda a força metafísica ou mágica, toda a interpretação que prescinda da experiência e que queira submeter a natureza a princípios que lhe são estranhos. Tal necessidade, enfim, identifica-se com a necessidade própria do raciocínio matemático, que exprime as relações de medida que constituem as leis. Entender a «razão» na natureza significa entender a «proporção» que não se encontra apenas nos números e nas medidas, mas também nos sons, nos

pesos, nos tempos, nos espaços e em qualquer potência natural (ed. Ravaisson, fol. 49 r ). Foi precisamente a identificação da natureza com a necessidade matemática que conduziu Leonardo a fundar a mecânica e a pôr em luz pela primeira vez os seus princípios. «ó admirável e estupenda necessidade, tu compeles, com a tua lei, todos os efeitos, por brevíssima via, a participarem das suas causas e, com suma e irrevogável lei, todas as acções naturais te obedecem» (Cod. ad., fol. 345 v). Ele pôde assim chegar a formular a lei de inércia, o principio da reciprocidade da acção e da reacção, o teorema do paralelogramo das forças, o da velocidade e outros conceitos fundamentais da mecânica que deviam encontrar em Galileu a sua forma definitiva- A mole imensa dos seus manuscritos contém


10

uma soma de intuições felizes, de descobertas, de sinais precursores nos campos mais dispares da ciência, da anatomia à paleontologia, e testemunha a perseverança com que Leonardo prosseguiu no


estudo da natureza, não já com o fim de a enquadrar em fórmulas metafísicas ou teológicas ou de a vergar às operações miraculosas da magia, mas
unicamente com o intuito de a reduzir à objectividade empírica e à necessidade matemática.
§ 389. COPÉRNICO. KEPLER
Nikolaus Copernicus (Kopernicki) partiu do princípio pitagórico-platónico da estrutura matemática do universo para chegar a uma precisa formulação matemática da nova cosmologia. Nascido em Thorn a 19 de Fevereiro de 1473, estudou na Universidade de Cracóvia e depois em Bolonha, Pádua e Ferrara, onde se doutorou em direito canónico (1503). Após uma segunda estada em Pádua (1503-06), voltou à pátria, onde viveu entre os cuidados administrativos de um canonicato e os estudos astronómicos. Morreu em Frauenburgo a 24 de Maio de 1543. A sua obra fundamental De revolutionibus orbium celestium libri VI, foi publicada poucos meses depois da sua morte. Dedicada ao pontífice Paulo IU, apareceu com um prefácio de Osiander, que limitava o

alcance da doutrina de Copérnico apresentando-a

como uma simples «hipótese astronómica», que não representava uma renovação relativamente à concepção do mundo estabelecida pelos Antigos. E, na

realidade, só mais tarde foi entendido o alcance

revolucionário da doutrina de Copérnico que assinala a destruição definitiva da cosmologia aristotélica. Copérnico, de facto, mostrou como todas as

dificuldades que esta cosmologia encontrava na explicação do movimento aparente dos astros se resolveram facilmente admitindo que a terra gira em torno de si mesma, em vez de a considerar o centro imóvel dos movimentos celestes, ele reconheceu três movimentos da terra: o diurno em torno do próprio eixo, o anual em torno do sol e o anual do eixo terrestre relativamente ao plano da elíptica (De rev. 1, 5). Copérnico mostrou que esta hipótese representava uma enorme simplificação no que concernia à explicação dos movimentos celestes e por isso era conforme ao procedimento da natureza que tende a atingir os seus efeitos pelos meios mais simples (Ib., 1, 10). Mostrou também como, por sua vez, os cálculos matemáticos se simplificaram, prestando-se facilmente a explicar a


observação astronómica.
A doutrina de Copérnico foi atacada por motivos religiosos, quer por católicos, quer por luteranos. Um astrónomo dinamarquês, Tycho Brahe (1546-1601), benemérito coleccionador de observações astronómicas, sustentava que só a terra, a Dia e o sol giravam em torno do eixo terrestre, enquanto que os outros planetas giravam em tomo do sol. Mas das próprias observações de Tycho Brahe, o seu amigo e discípulo Kepler tirou a mais importante confirmação da doutrina copernicana, mediante a descoberta das leis reguladoras do movimento dos planetas.
12

Johannes Kepler nasceu a 27 de Dezembro de

1571 em Weil, perto de Estugarda, foi professor de matemática e assistente de Tycho Brahe e morreu em Regensburgo a 15 de Novembro de 1630. Teve de lutar asperamente com protestantes e católicos pelas suas ideias e só a custo logrou obter os meios para publicar as suas obras, uma vez, teve mesmo de empregar-se para salvar da fogueira sua
mãe, acusada de bruxaria. Na sua primeira obra, Prodronws dissertationum cosmographicarum, continem mysterium cosmographicum de adnúrabili proportione celestium Orbium (1596), exaltou firmemente a beleza, a perfeição e a divindade do universo e via nele a imagem da trindade divina. No centro do mundo estaria o sol, imagem de Deus Padre, do qual derivariam todas as luzes, todo o calor e toda a vida. O número dos planetas e a sua disposição em torno do sol obedeceria a uma

precisa lei, de harmonia geométrica. Os cinco planetas constituiriam de facto um poliedro regular e mover-se-iam em esferas inscritas ou circunscritas ao poliedro delineado pela sua posição recíproca. Nesta obra, ele atribuía o movimento dos planetas a uma alma motora ou à alma motriz do sol; mas este mesmo esforço para encontrar nas observações astronómicas a confirmação dos filosofemas pitagóricos, ou neoplatónicos conduziu-o a abandoná-los. Nos seus escritos astronómicos e ópticos, substituiu as inteligências por forças puramente físicas; considera o mundo necessariamente participe da quantidade e a matéria necessariamente ligada a uma ordem geométrica. Permaneceu por


13

isso sempre fiel ao princípio de que a objectividade do mundo está na proporção matemática implícita em todas as coisas. Era o mesmo principio que animara Leonardo; e a ele se deve a descoberta principal de Kepler: as leis dos movimentos dos planetas. As primeiras duas leis (as órbitas descritas pelos planetas em torno do sol são elipses de que um dos focos é ocupado pelo sol; as áreas descritas pelo raio vector (o segmento de recta que liga o

planeta ao sol) foram publicados na Astronomia nova de 1609; a terceira lei (os quadrados dos tempos empregados por diversos planetas a percorrer as suas órbitas estão entre si como os cubos dos eixos maiores das elipses descritas pelos planetas) aparece pela primeira vez no escrito Harmoníces mundi de 1619. Foram as observações de Tveho Brahe que permitiram a Kepler descobrir as suas leis e corrigir assim a doutrina de Copérnico, que admitia o movimento circular dos planetas em torno do sol. Mas a descoberta de Kepler confirmava definitivamente a validade do procedimento que reconhece a verdadeira objectividade natural da proporção natural.
§ 390. GALILEU: VIDA E OBRAS
Galileu Galilei nasceu em Pisa a 15 de Fevereiro de 1564. Votando-se a estudos de medicina, enquanto aprofundava o conhecimento dos textos antigos em conformidade com os quais esses estudos eram conduzidos, também

se dedicava à observação dos fenômenos naturais. Em 1583, a oscilação de uma lâmpada na catedral permitia-lhe determinar a lei do isocronismo das oscilações do pêndulo, Nos anos seguintes chegou a formular alguns teoremas de geometria e de mecânica que mais tarde deu à estampa. O estudo de Arquimedes levou-o a descobrir a balança para determinar o peso específico dos corpos (1586). A sua culturamatemática proporcionou-lhe a estima e simpatia de muitos matemáticos da época e foi-lhe confiada em 1589 a cadeira de matemática na Universidade de Pisa. Permaneceu nesta cidade três anos, durante os quais fez várias descobertas, nomeadamente, a seguir a repetidas experiências feitas por Campanile de Pisa, a da lei da queda dos graves. Em 1592, passou a ensinar matemática na universidade de Pádua e aí viveu dezoito anos, que foram os mais fecundos e felizes da sua vida. Das numerosas invenções de vários géneros, feitas neste lapso de tempo, a mais importante é a do telescópio (1609); esta invenção abre a sério das descobertas astronómicas. A 17 de Janeiro de 1610, Galileu descobriu o três satélites de Jove, a que chamou planetas medicisianos em honra dos princípios toscanos, tendo-os anunciado no Sidereus nuncius publicado em Veneza a 12 de Março do mesmo ano. Kepler dirigiu-lhe os seus aplausos a propósito desta descoberta e o Grão-Duque deu-lhe o lugar, que ele desejava, de matemático do gabinete de Pisa. Com o seu telescópio Galileu pôde dar-se conta de que a Via Láctea é um conjunto de estrelas; pôde descobrir os anéis de Saturno, obser15

var as fases de Vénus em torno do Sol e reconhecer as manchas solares, as quais (como ele disse) foram o funeral da ciência aristotélica, porque desmentiam a pretensa incorruptibilidade dos céus. Mas, entretanto, as descobertas astronómicas levavam-no a considerar a estrutura do mundo celeste. Numa carta ao seu aluno Castoffi, datada de 21 de Dezembro de 1613, defendia a doutrina copernicana. Mas esta doutrina começava precisamente então a atrair a atenção da Inquisição de Roma, a qual move um processo contra Galileu. Em vão o cientista se dirige a Roma procurando evitar a

condenação da doutrina copernicana. A afirmação da estabilidade do sol e do movimento da terra é condenada; e Galileu é admoestado pelo cardeal Belarmino a abster-se de professá-la (26 de, Fevereiro de 1916). Poucos dias depois, a 5 de Março, a obra de Copérnico De revolutioniãs orbium coefestium é posta no índice. Galileu continuou no entanto as suas especulações astronómicas. Contra o padre jesuíta Lotario Sarsi (Horacio Grassi), autor do to Libra astronómica ac philosophica dirigido contra o seu Discorso delle comete (1619), Galileu publicou em Roma (1623) il Saggiatore. E entretanto continuava a trabalhar nos Diálogos sobre os dois máximos sistemas do mundo, o ptolemaico e o copernicano, encorajado também pela subida ao pontificado do cardeal Barberini (Urbano VIII), que lhe havia sempre demonstrado a sua benevolência. O Diálogo foi dado à estampa em Fevereiro de 1632. Mas já em Setembro Gafileu fora citado pelo papa a comparecer perante o

16

Santo Oficio de Roma. O processo dura até 22 de Junho de 1633 e conclui-se com a abjuração de Galileu. Tinha então 70 anos. Passou os últimos anos da sua vida na solidão da casa de campo de Arcetrí, perto de Florença, alquebrado pelas doenças e diminuído pela cegueira, mas sem interromper o seu trabalho, escrevendo os Diálogos das novas ciências e mantendo numerosa correspondência com amigos e discípulos. Morreu a 8 de Janeiro de 1642.



As obras filosóficas mais notáveis são as já nomeadas: O Ensaiador, os diálogos. sobre os dois máximos sistemas e os Diálogos das novas ciências. Mas em todos os seus escritos estão disseminadas considerações filosóficas e metodológicas.
§ 391. GALILEU: O MÉTODO DA CIÊNCIA
Galileu pretende desimpedir a via da investigação científica dos obstáculos da tradição cultural e teológica. Por um lado, polemiza, contra o «o
mundo de papel» dos aristotélicos; por outro, quer subtrair a investigação do mundo natural aos Emites e aos estorvos da autoridade eclesiástica. Contra os aristotélicos, afirmava a necessidade do estudo directo da natureza. Nada é mais vergonhoso nas disputas científicas, diz ele (Op., VII, p. 139), do que recorrer a textos que amiúde foram escritos com outro propósito e pretender utilizá-los para responder a observações e experiências directas. Quem escolhe tal método de estudo deveria pôr de parte o nome de filósofo, uma vez que «não
17

convêm que aqueles que deixaram de filosofar usurpem o honroso título de filósofo». É próprio de espíritos vulgares, tímidos e servis dirigir antes os olhos para um mundo de papel do que para o verdadeiro e real, que, fabricado por Deus, está sempre diante de nós para nosso ensinamento. Também não se podem, por outro lado, sacrificar os ensinamentos directos que a natureza nos fornece às afirmações dos textos sagrados. A Escritura Sagrada e a natureza procedem ambas do Verbo divino, aquela como ditado do Espírito Santo, esta como executora das ordens de Deus; mas a palavra de Deus teve de adaptar-se ao limitado entendimento dos homens aos quais se dirigia, ao passo que a natureza é inexorável e imutável c


nunca transcende os limites das leis que impõe aos
homens, porque não se importa que as suas recônditas razões sejam ou não compreendidas por eles./ Por isso o que da natureza nos revela a sensata experiência ou o que as demonstrações necessárias nos levam a concluir, não podo ser posto em dúvida, ainda que divirja de algum passo da Escritura (Lett. alla duchessa Cristina, in Op., V, p. 316).
Só o livro da natureza é o objecto próprIo da ciência; e este livro é interpretado e lido apenas pela experiência. A experiência é a revelação directa da natureza na sua verdade, ela nunca engana: mesmo quando os olhos nos fazem ver o pau imerso na água quebrado, o erro não está na vista, que recebe verdadeiramente a imagem quebrada e
reflexa, mas no raciocínio que ignora que a imagem se refracta ao passar de um para outro meio trans18

parente (Op., 111, 397; XVIII, 248). A tarefa do raciocínio, porém, e especialmente do raciocínio


matemático, é igualmente importante porque é a
da interpretação e transcrição conceitual do fenómeno sensível. Por vezes, esta tarefa assume para Galileu uma importância predominante: de modo que a confirmação experimental parece degradar-se a simples verificação, ocasional e não indispensável, de uma teoria elaborada independentemente dela. Diz, por exemplo, Galileu a propósito das leis do movimento: «mas voltando ao meu tratado do movimento, argumento ex suppositione sobre o
movimento, daquele modo definitivo; de maneira que, quando mesmo as consequências não correspondessem aos acidentes do movimento natural, pouco me importaria, uma vez que em nada derroga às demonstrações o facto de não se encontrar na natureza nenhum móbil que se mova por linhas espirais» (Ib., XVIII, 12-13). Considerações como esta que se repelem aqui e ali nas obras de Galileu, foram algumas vezes utilizadas para aproximar a investigação galileica da aristotélica: tal como Aristóteles, Galileu estaria mais interessado em encontrar as «essências» dos fenómenos do que em descobrir as suas leis e as experiências servir-lhe-L,m tão-só de pretexto ou de confirmação aproxiMativa da teoria. E por certo que a experiência, ou melhor, os resultados dela seriam, segundo Galileu, cegos, isto é, sem significado, se
não fossem iluminados pelo raciocínio, isto é, sem
uma teoria que lhes explicasse as causas. Galileu explicitamente afirma que entender matemática19

mente a causa de um evento «supera. por infinito intervalo o simples conhecimento obtido através de outras atestações e mesmo de muitas reiteradas experiências» (Discorsi intorno a due nuove scienze, -IV, § 5). Evidentemente, para Galileu só o raciocínio pode estabelecer as relações matemáticas entre os factos da experiência e construir uma teoria científica dos próprios factos. Mas é do mesmo passo evidente que só a experiência pode fornecer, segundo Galileu, o incentivo para a formulação de uma hipótese e que as deduções que derivam matematicamente destas hipóteses devem, por seu turno, ser confrontadas com a experiência e confirmadas com experimentos repetidos antes de poderem ser declaradas válidas`.
Por outro lado, a experiência não é só o fundamento, mas também o limite do conhecimento humano...A este é impossível alcançar a essência das coisas: deve limitar-se a determinar as suas qualidades e as suas afecções- O lugar, o movimento, a figura, a grandeza, a opacidade, a produção e a dissolução, são factos, qualidades ou
fenómenos que podem ser apreendidos e utilizados para a explicação dos problemas naturais. A experiência é purificada pelos elementos subjectivos e
20

variáveis e reduzida aos permanentes e verdadeiramente objectivos. Galileu distingue as qualidades sensíveis que são próprias dos corpos e aquelas que o não são porque pertencem apenas aos órgãos dos sentidos. Não se pode conceber uma substância corpórea senão limitada, provida de figura o de grandeza determinada, situada num corto lugar e


num corto tempo, imóvel ou em movimento, em contacto ou não, una ou múltiplice, mas, em contrapartida, pode-se concebê-la privada de cor, de sabor, de som e de cheiro. Assim, quantidade, figura, grandeza, lugar, tempo, movimento, repouso, contacto, distância, número são qualidades próprias e inseparáveis dos corpos materiais; enquanto que sabores, odores, cores, sons, subsistem apenas nos
órgãos sensíveis mas não são caracteres objectivos dos corpos, se bem que sejam produzidos por estes. A objectividade reduz-se, portanto, exclusivamente às qualidades sensíveis que são determinações quantitativas dos corpos; enquanto que as qualidades não redutíveis a determinações quantitativas são declaradas por Galileu puramente subjectivas.
Isto revela o íntimo móbil da investigação de Galileu, o qual conduz a uma extrema clareza a tese, já apresentada por Cusano e Leonardo_ da -estrutura -matemática da realidade objectiva. Galileu considera que o livro da natureza é escrito em língua matemática e os seus caracteres são triângulos, círculos e outras figuras geométricas. Por isso não se pode entender tal livro se antes não se tiver aprendido a língua e os caracteres em que está
21

escrito (Ib., VI, p. 232). Sobro a estrutura matemática do universo, repousa a Sua ordem necessária, que é única e nunca foi nem será diversa (Ib., VII, p. 700). Para entender esta ordem é necessário


que a ciência se constitua como um sistema de rigorosos procedimentos de medida. As determinações genéricas «grande» ou «pequeno», «próximo» ou Galileu fundou, deste modo em toda a sua clareza o método da ciência- assegurou a medida como o instrumento fundamental da ciência e fez valer o ideal quantitativo como critério para discernir na experiência os elementos verdadeiramente objectivos. o reconhecimento da subjectividade de certas qualidades sensíveis não significa para ele a subjectivação parcial da experiência mas a sua objectivação perfeita e a sua redução aos caracteres que correspondem à estrutura matemática da natureza., Galileu subtraiu explicitamente a investigação natural a todas as preocupações finalísticas ou antropoló gicas. As obras da natureza não podem ser julgadas com uma medida puramente humana, em referência àquilo que o homem possa entender ou ao que se lhe torne útil. É arrogância, e loucura mesmo, da parte do homem, declarar inúteis as

22

obras da natureza de que não entenda a utilidade para os seus fins. Nós não sabemos para que serve Jove ou Saturno, nem tão pouco sabemos para que servem muitos dos nossos órgãos, artérias ou cartilagens, os quais nem suspeitaríamos possuir se não nos tivessem sido mostrados pelos anatomistas. Em qualquer caso, para julgar da utilidade ou dos efeitos deles, seria mister fazer a experiência de tirá-los e constatar então as perturbações rosultantes da sua falta. Mas qualquer antecipação em relação à natureza é impossível, uma vez que os nossos pareceres ou opiniões não lhe dizem respeito, nem



têm valor para ela as nossas razões prováveis. A subtileza da inteligência e a força da persuasão estão deslocadas nas ciências naturais; nelas Demóstenes e Aristóteles devem ceder a uma inteligência medíocre, que tenha sabido aceitar algum aspecto real da natureza (Op., VII, p. 80). Por isso qualquer discurso que nós façamos acerca das coisas naturais ou é veríssimo ou falsíssimo; se é falso, cumpre desprezá-lo, se verdadeiro é necessário aceitá-lo porque não há modo de lhe fugir (Ib., IV, p. 24).

O que confirma que, não há filosofia que possa mostrar-nos a verdade da natureza melhor do que a natureza (Ib., IV, p. 166), a qual não antecipa a natureza, senão que a segue e a manifesta na sua objectividade. Com a eliminação de toda e qualquer consideração finalistica ou antropomórfica do mundo natural, Galileu realizou completamente a redução da natureza à objectividade mensurável e conduziu a ciência moderna à sua maturidade.


23

§ 392. BACON: VIDA E ESCRITOS


Se Galileu elucidou o método de investigação científica, Bacon entreviu pela primeira vez o poder que a ciência oferece ao homem em relação ao mundo. Bacon concebeu a ciência como essencialmente destinada a realizar o domínio do homem sobre a natureza. O regnum hominis: viu a fecundidade das suas aplicações práticas, de modo que podemos considerá-lo o filósofo e o profeta da técnica.
Francis Bacon nasceu em Londres a 22 de Janeiro de 1561, sendo filho de Sir Nicholas Bacon, ministro da justiça da rainha Elisabeth. Estudou em Cambridge e em seguida passou alguns anos em
Paris, no séquito do embaixador de Inglaterra, onde teve ensejo de completar e enriquecer a sua cultura. De regresso à pátria, quis iniciar a carreira política. Enquanto viveu a rainha Elisabeth, não pôde obter nenhum cargo ‘importante, não obstante o apoio do conde de Essex. Mas com a subida ao trono de Jaime I, Stuart (1603), pôde gozar do apoio do favorito do rei, Lord Buckingham, para obter cargos e honras. Foi nomeado advogado geral (1607), depois procurador geral (1613), e, finalmente, ministro das justiças (1617) e Lord Chanceler (1618). Como tal, presidia às principais cortes de justiça e tornava executórios os decretos do rei. Foi, além disso, nomeado barão de Verulam e visconde de Slo Albano. Mas quando Jaime 1 teve de convocar em 1621 o Parlamento, inculpou Bacon de
24

corrupção, acusando-o de ter recebido ofertas de dinheiro no exercício das suas funções. Bacon reconheceu-se culpado. Foi condenado então a pagar quarenta mil esterlinos de multa, a permanecer prisioneiro na Torre de Londres até que o rei o quisesse, e foi exonerado de todos os cargos do estado (3 de Maio de 1621). O rei perdoou a Bacon a multa e a prisão, mas a vida política do filósofo estava acabada. Bacon retirou-se para Gorhw, nbury e aí passou os últimos anos da sua vida, entregando-,se ao estudo. Faleceu a 9 de Abril de

1626.
A carreira política de Bacon foi a de um cortesão hábil e sem escrúpulos. Não hesitou em sustentar a acusação como advogado do rei contra o conde Essex que o havia ajudado nos primeiro passos difíceis da sua carreira, e que caíra em
seguida em desgraça. O processo a que foi submetido lança uma luz pouco simpática sobre a sua
actividade de ministro, uma vez que ele não pôde negar as acusações de corrupção que lhe dirigiram. Mas este homem ambicioso e amante do dinheiro e
do fausto teve uma ideia altíssima do valor da ciência ao serviço do homem. Todas as suas obras tendem a ilustrar o projecto de uma pesquisa científica que, aplicando o método experimental em
todos os campos da realidade, faça da realidade mesma o domínio do homem. Bacon quis tornar a
ciência activa e operante colocando-a ao serviço do homem e considerando como seu escopo a constituição de uma técnica que devia dar ao homem o domínio de todo o mundo natural. Quando, na
25

Nuova Atlântida, pretende dar a imagem de uma


cidade ideal, recorrendo ao pretexto, já empregado por Tomás Moro na Utopia, da descrição de uma
ilha desconhecida, não se deteve a sonhar com formas de vida sociais ou políticas perfeitas, mas imaginou um paraíso da técnica onde fossem postos em prática as invenções e os achados do mundo inteiro. E, de facto, neste escrito (que não chegou a ser concluído) a ilha da Nova Atlântida é descrita como um enorme laboratório experimental, na qual os habitantes procuram conhecer todas as forças ocultas da natureza «Para estender os confins do império humano a todas as coisas possíveis». Os numes tutelares da ilha são os grandes inventores de todos os países; e as relíquias sagradas são os exemplares de todas as grandes e mais raras invenções.
Bacon, todavia, não dirigiu a sua atenção apenas para o mundo da natureza. A sua primeira obra, os Ensaios, publicados pela primeira vez em 1597 e depois traduzidos em latim com o título Sermones fídeles sive interiora rerum, são subtis e eruditas análises da vida moral e política nas quais a sapiência dos Antigos é amplamente utilizada. Mas a sua ,principal actividade foi a que dedicou ao projecto de uma enciclopédia das ciências que devia renovar completamente a investigação científica colocando-a numa base experimental. O plano grandioso desta enciclopédia deu-no-lo ele no escrito De augmentis scientiarbim, publicado, em 1623, o qual compreende: as ciências que se fundam na memória, isto é, a história, que se dlivide em natural e civil; aquelas que se fundam na fantasia, isto é, a poesia, que se
26

divide em narrativa, dramática e parabólica (a que serve para ilustrar uma verdade); e as ciências que se fundam na razão, entro as quais, por um lado, a filosofia prima ou ciência universal, por outro as


ciências particulares que concernem a Deus ou à natureza ou ao homem. «A filosofia prima» é considerada por Bacon como «a ciência universal e mãe das outras ciências», consistindo a sua tarefa em recolher «os axiomas que não são próprios das ciências particulares mas comuns a outras ciências» (De augm. séient., 111, 1). Este conceito devia permanecer típico da interpretação da tarefa da filosofia segundo os métodos positivistas, isto é, segundo todo o método que faça coincidir com a ciência a totalidade do saber.
A Instauratio magna deveria dar as directivas de todas estas ciências e devia, consequentemente. compreender seis partes: 1.a Divisão das ciências;

2.a-Novo órgão ou indícios para a interpretação da natureza; 3 a Fenómenos do universo ou história natural experimental para construir a filosofia; 4 a Escala do intelecto; 5 a - Pródromos ou antecipações da filosofia segunda; 6 a - Filosofia segunda ou ciência activa. Deste vasto projecto Bacon &penas realizou adequadamente a segunda parte que é precisamente o Novum organum, publicado em 1620. As outras obras podem-se considerar como esquissos ou esboços das outras partes: O progresso do saber (em inglês, 1605), De sapientia veterum (1609); História naturalis (1622)-, De dignitate et augmentis scientiarum (1623); este último escrito representa a primeira parte da Instauratio nwgna.


27

Escritos menores, incompletos ou esboçados foram publicados após a sua morte: De interpretatione natura e proemium (1603), Valerius Terminus (1603); Cogitationes de rerum natura (1605); Cogitata e visa (1607), Descriptio globi intelectualis (1612); Thema coeli (1612). Nos últimos anos compôs e publicou também uma História de Henrique VII.


§ 393. BACON: O CONCEITO DA CIÊNCIA E DA TEORIA DOS ÍDOLOS
Do projecto grandioso de uma Instauratio magna que devia culminar na Sciencia activa, isto é, numa técnica que aplicasse as descobertas teóricas, muito pouco realizou Bacon. O que ele fez reduz-se substancialmente ao Novum Organum, isto é, a uma
lógica do procedimento técnico-científico que é polemicamente contraposta à lógica aristotélica, que ele achava servir apenas para alcançar vitórias nas disputas verbais. Com a velha lógica vence-se o adversário, com a nova conquista-se a natureza. Esta conquista da natureza é a tarefa fundamental da ciência. «0 fim desta nossa ciência, diz Bacon (Nov. org., Distributio operis), é o de encontrar não argumentos mas artes, não princípios aproximativos, mas
princípios verdadeiros, não razões prováveis mas projectos e indicações de obras». A ciência é posta assim inteiramente ao serviço do homem; e o homem, ministro e intérprete da natureza, opera e compreende de acordo com o que observou na ordem
28

da natureza, quer mediante a experiência, quer mediante a reflexão: para além disto, não sabe nem


pode coisa alguma. A ciência e o poder humano coincidem: a ignorância da causa toma impossível conseguir o efeito. Não se vence a natureza senão obedecendo-1he, e o que na observação está como causa, na obra vale como regra (Ib., 1, 3). A inteligência humana tem necessidade de instrumentos eficazes para penetrar na natureza e dominá-la: à semelhança das mãos, não pode efectuar nenhum trabalho sem um instrumento adequado. Os instrumentos da mente são os seus experimentos: experimentos pensados e adaptados tecnicamente ao fim que se pretende alcançar. Os sentidos por si só não bastam para nos fornecer uni guia seguro: só os
experimentos são os guardiões e os intérpretes das respostas daqueles. O experimento representa, segundo a imagem de Bacon, w conúbio da mente e do universo», conúbio do qual se espera «uma prole numerosa de invenções e de instrumentos aptos a dominarem e a mitigarem, pelo menos em parte, as necessidades e as misérias dos homens» (lb., Distr. op.).
Mas a união entre a mente e o universo não se pode celebrar enquanto a mente permaneça presa a hábitos e preconceitos que a impedem de interpretar a natureza. Bacon opõe a interpretação da natureza à antecipação da natureza. A antecipação da natureza prescinde do experimento e passa imediatamente das coisas particulares sensíveis aos axiomas generalíssimos, e, à base destes princípios e da sua imóvel verdade, tudo julga e encontra os chamados
29

axionas médios, isto é, as verdades intermédias entro os princípios últimos e as coisas. Esta é a via da antecipação, de que se serve a lógica tradicional, via que toca apenas de raspão a experiência porque se satisfaz com as verdades gerais. A interpretação da natureza, ao invés, adentra-se com método e ordem na experiência e ascende, sem saltos e por graus de sentido, das coisas particulares aos aXiomas, chegando só por último aos mais gerais. A vila de antecipação é estéril, uma vez que os axiomas por ela estabelecidos não servem para inventar seja o que for. A via da interpretação é fecunda, porque dos axiomas deduzidos com método e ordem das coisas particulares facilmente brotam novas cognições particulares que tornam activa e produtiva a ciência (lb., 1, 24). A tarefa preliminar de Bacon, na sua tentativa de estabelecer o novo órgão da ciência, é, por conseguinte, o de eliminar as antecipações, e a tal é dedicado substancialmente o primeiro livro do Novum organum. Este livro destina-se a purificar o intelecto de todos os ídolos, para o que estabelece uma tríplice crítica: (redargutio): crítica das filosofias, crítica das demonstrações e crítica da razão humana natural, respectivamente destinadas a eliminar os preconceitos que se radicaram na mente humana através das doutrinas filosóficas ou através das demonstrações extraídas de princípios errados, ou pela própria natureza do intelecto humano. Ele quer «conduzir os homens Perante as coisas Particulares e as suas séries e ordena, afastando-os por algum tempo das noções


30

antecipadoras para que comecem a familiarizar-se com as coisas mesmas» (Ib., 1, 36).


As antecipações que se radicam na própria natureza humana são as que Bacon denomina idola tribus e idola specus: os idola tribus são comuns a todos os homens, os idola specus são próprios de cada indivíduo. O intelecto humano é conduzido a supor que existe na natureza uma harmonia muito maior do que a que existe de facto, a dar mais importância a certos conceitos do que a outros, a atribuir maior relevância ao que, impressiona a fantasia do que ao que é oculto e longínquo. Além de ser impaciente, quer progredir sempre para além do que lhe é dado, e pretende que a natureza se
adapte às suas exigências. rejeitando assim tudo o
que nela não lhe convém. Todas estas disposições naturais são fontes de idola tribus,- e a principal fonte de tais idola é a insuficiência dos sentidos aos quais escapam todas as forças ocultas da natureza. Os idola specus, ao invés, dependem da educação, dos hábitos e das circunstâncias fortuitas em que cada qual se encontra. Aristóteles, dei de ter inventado a lógica, sujeitou a ela completamente a sua física, tornando-a estéril: isto foi devido por certo a uma particular disposição do seu intelecto. Gilbert, o descobridor do magnetismo, arquitectou sobre a sua descoberta toda uma filosofia. E assim, em geral, todo o homem tem as suas propensões para os antigos ou para os modernos, para o velho ou para o novo, paira aquilo que é simples ou para aquilo que é complexo, para as semelhanças ou para as diferenças; e todas estas propensões são fontes
31

de idola specus, como se cada homem tivesse no seu interior um antro ou uma caverna que refractasse ou desviasse a luz da natureza.


Além destas duas espécies naturais de ídolos, existem os adventícios ou provenientes do exterior: idola fori e idola theatri. Os ídolos da praça derivam da linguagem. Os homens crêem impor .a sua
razão às palavras: também sucede que as palavras retorçam e repercutam a sua força sobre o intelecto. Nascem assim as disputas verbais’, as mais longas e insolúveis, que se podem resolver apenas com um recurso à realidade. Os ídolos que derivam das palavras são de duas espécies: ou são nomes de coisas que não existem ou são nomes de coisas que existem, mas que são confusos e mal determinados. À primeira espécie pertencem os nomes
de fortuna, primeiro móbil, órbitas dos planetas, elemento do fogo e quejandos, os quais têm a sua origem em falsas teorias. À segunda espécie pertencem, por exemplo, a palavra húmido, que indica coisas diversissímas, as palavras que indicam acções como gerar, corromper, etc., e as que indicam qualidades, como grave, ligeiro, poroso, denso, etc. Tais são os idóla fori, ‘assim chamados porque gerados por aquelas convenções. humanas que as relações entre os homens tornaram necessárias. o último género de preconceitos é o idola theatri que derivam das doutrinas filosóficas ou de demonstrações erradas. Bacon denomina-os- assim porque compara os sistemas filosóficos a fábulas, que são como mundos fictícios ou cenas de teatro. As doutrinas filosóficas, e por conseguinte, os idola theatri, existem em pro32
fusão e Bacon não se propõe confutá-los um por um. Ele divíde as falsas filosofias em três espécies: a sofística, a empírica e a supersticiosa. Da filosofia sofística o maior exemplo é Aristóteles, que procurou adaptar o mundo natural a categorias lógicas predispostas e se preocupou mais em dar a definição verbal das coisas do que em procurar a verdade delas. Ao género empírico, pertence a filosofia dos alquimistas e também a de Gilbert, que tem a pretensão de explicar todas as coisas por meio de poucos e restritos experimentos. Finalmente, a filosofia supersticiosa é a que se mistura com a teologia, como acontece em Pitágoras e Platão, e especialmente neste último, que Bacon considera mais subtil e perigoso e ao qual não hesita em atribuir num seu escrito (Temporis partus musculus, Opere, M,

530-31) as qualificações de «urbano trapaceiro, poeta enfatuado, teólogo mentecapto». Finalmente, idola theatri derivam também de demonstrações erróneas. E as demonstrações são erróneas porque se fiam demasiado nos sentidos ou abstraem indevidamente das suas impressões ou têm a pretensão de passar de golpe dos pormenores sensíveis aos princípios gerais.


Entre as causas que impedem os homens de se libertarem dos ídolos e progredirem no conhecimento efectivo da natureza, Bacon coloca em primeiro lugar a reverência pela sabedoria antiga. A este propósito, observa ele que, se por antiguidade se entende a velhice do mundo, o termo deveria aplicar-se ao nosso tempo, e não àquela juventude do mundo de que os Antigos foram quase um exemplo.
33

Essa época é antiga e fundamental para nós, mas


relativamente ao mundo é nova e menor; e como é lícito esperar de um homem antigo um maior
conhecimento do mundo do que de um jovem, assim deveremos esperar da nossa época muito mais do que dos tempos antigos, porque ela se foi pouco a pouco enriquecendo no curso do tempo através de infinitos experimentos e observações. A verdade, diz Bacon, é filha do tempo, não da autoridade. Como Bruno, ele pensa que ela se
revela gradualmente ao homem através dos esforços que se somam e se integram na históriaPara sair das velhas vias da contemplação improdutiva e empreender a via nova da investigação técnico-científica, é necessário colocarmo-nos no terreno do experimento. A simples experiência não basta, porque procede ao acaso e sem directivas. É semelhante, diz Bacon, (Nov. Org., 1, 82) a uma
vassoura velha, ao avançar às cegas como quem andasse de noite à procura do caminho, quando seria mais fácil e prudente esperar pelo dia ou acender uma luz, e assim enfiar pelo caminho. A ordem verdadeira da experiência consiste em acender a luz, ,iluminando desse modo a via, quer dizer, começar pela experiência ordenada e madura, e não por experiências irregulares e desordenadas. Só assim o experimento pode levar a vida humana a enriquecer-se de novas invenções, a assentar as bases do poder e da grandeza humana e a alargar cada vez mais os seus horizontes. Aliás, o objectivo prático e técnico que Bacon atribui à ciência não a encerra
num estreito utilitarismo. Aos experimentos que dão
34

fruto (experimenta fructífera) acha que são preferíveis os que dão luz (experimenta lucifera), que nunca falham e nunca são estéreis, porquanto revelam a causa natural dos factos (Ib., 1, 99).


§ 394. BACON: A INDUÇÃO E A TEORIA DAS FORMAS
A pesquisa científica não se funda só nos sentidos nem apenas no intelecto. Se o intelecto por si não produz senão noções arbitrárias e infecundas e se os sentidos, por outro lado, só dão indicações ordinárias e inconcludentes, a ciência não poderá constituir-se como conhecimento verdadeiro e fecundo de resultados senão enquanto impuser à experiência sensível a disciplina do intelecto e ao
intelecto a disciplina da experiência sensível. O procedimento que realiza aquela exigência é, segundo Bacon, o da indução. Bacon preocupa-se em distinguir a sua indução da aristotélica. A indução aristotélica, isto é, a indução puramente lógica que não incide sobre a realidade, é uma indução por simples enumeração dos casos particulares: Bacon considera-a uma experiência pueril que produz conclusões precárias e é continuamente exposta ao perigo dos exemplos contrários que possam desmenti-la. Ao invés, a indução que é a invenção e a demonstração das ciências e das artes funda-se na escolha e na eliminação dos casos particulares: escolha e eliminação repetidas sucessivamente sob o controle do experimento, até se atingir a deter35

minação da verdadeira natureza do fenómeno. Esta indução procede por isso sem saltos e por graus; quer dizer, remonta gradualmente dos factos particulares aos princípios mais gerais e só por último chega aos axiomas generalíssimos.


A escolha e a eliminação em que se funda tal indução supõem em primeiro lugar a recolha e a descrição dos factos particulares: recolha e descrição que Bacon denomina storia naturale sperimentale, porque não deve ser imaginada ou cogitada, mas recolhida da experiência, ou seja, ditada pela própria natureza. Mas a história natural e experimental é tão variada e vasta que confundiria o intelecto em vez de ajudá-lo se não fosse composta e sistematizada numa ordem idónea. Para tal fim servem as tábuas que são recolhas de casos ou
exemplos (instantiae) segundo um método ou uma ordem que torna tais recolhas apropriadas às exigências do intelecto (Nov. org., 11, 10). As tábuas de presença serão então a recolha das instâncias conhecidas, isto é, das circunstâncias em que uma
certa «natureza», por exemplo, o calor, habitualmente se apresenta. As tábuas de ausência recolhem, ao invés, aqueles casos que são privados da natureza em questão, embora estando próximos ou
ligados àqueles que a apresentam. As tábuas dos graus ou comparativas recolherão, pelo contrário, aquelas instâncias ou casos em que a natureza procurada se encontra em diferentes graus, maiores ou
menores: o que deve fazer-se ou comparando o seu aumento e a sua diminuição no mesmo sujeito ou comparando a sua grandeza em sujeitos diferentes,
36

confrontados um com o outro. Formadas estas tábuas, começa o verdadeiro e próprio trabalho da indução, cuja primeira fase deve ser negativa, isto é, deve consistir «em excluir as naturezas que não se encontrem em alguns casos em que a natureza dada é presente ou se encontrem em algum caso em que ela é ausente ou cresce em algum caso em que a natureza dada decresce ou decresce em algum caso em que a natureza dada aumenta». A parte positiva da indução **co~rá apenas após esta longa e difícil obra de exclusão, com a formulação de uma hipótese promissória, acerca da forma da natureza estudada, que Bacon, denomina «primeira vindima». Esta hipótese guiará o desenvolvimento ulterior na pesquisa que consiste substancialmente em pô-la à prova em sucessivas confirmações ou experimentos que Bacon chama instâncias prerrogativas. Ele enumera vinte e sete espécies de tais instâncias, designando-as com nomes pitorescos (instâncias solitárias, migratórias, impressionistas, clandestinas, manipulares, analógicas, etc.). A ,instância decisiva é a instância crucial, cujo nome


Bacon deriva das cruzes que se erguem nas encruzilhadas para indicar as vias. O valor desta instância consiste em que, quando se não sabe ao corto qual das duas ou mais naturezas é a causa da natureza estudada, a instância crucial mostra que a
união de uma das naturezas com ela é segura e
indissolúvel e assim permite reconhecer nesta natureza a causa da natureza estudada. Algumas vezes, acrescenta Bacon, instâncias desta natureza apresentam-se por si; outras vezes, ao contrário, devem ser
37

procuradas ou provocadas e constituem verdadeiros e próprios experimentos (M., 11, 36).


No vigésimo sétimo e último lugar das instâncias prerrogativas, Bacon coloca as instâncias da magia, caracterizadas pela desproporção entre a causa material ou eficiente, que é pequena ou insignificante, e o efeito produzido. Devido a esta desproporção, as instâncias mágicas parecem milagres: na realidade, os efeitos mágicos são obtidos por via puramente natural, mediante a multiplicação das forças produtoras devida ou a estas forças mesmas ou às forças de outros corpos (Nov. org., H, 51). Deste modo, a magia, com todos os seus mirabolantes efeitos, foi incluída por Bacon no plano do trabalho experimental.
Todo o processo da indução tende, segundo Bacon, a estabelecer a causa das coisas naturais. E esta causa é a forma. Ele faz seu o principio: vere scire est per causas scire, e aceita finalmente a distinção aristotélica das quatro causas: material, formal, eficiente e final. Mas elimina logo a causa

final por ser mais nociva do que benéfica à ciência Ub., 11, 2). «A pesquisa das causas finais, diz ele (De augm., 111, 5), é estéril: como uma virgem consagrada a Deus, não pode parir coisa alguma». Bacon não nega que se possam legitimamente contemplar os fins dos objectos naturais e a harmonia geral do universo para se dar conta do poder e da sabedoria de Quem o criou. Mas esta pesquisa deve ser consagrada ao serviço de Deus, não pode ser transposta para o plano da ciência natural, porque esta não é contemplativa mas activa, e deve


38

descobrir as causas que permitem ao homem o domínio sobre o mundo (Ib., 111, 4). Quanto às outras causas aristotélicas, Bacon considera que a

eficiente e a material são superficiais e inúteis para a ciência verdadeira e activa por serem concebidas como separadas do processo latente que tendo à forma. Resta a forma, que Bacon tem a pretensão de entender de um modo inteiramente diverso de Aristóteles. E o que ele entende, verdadeiramente por forma é o mais difícil problema da crítica baconiana.
Bacon insiste em primeiro lugar na tese de que só a forma revela a unidade da natureza e permite descobrir o que nunca existiu antes e que nunca

poderia passar pela cabeça de ninguém, e que nem os acontecimentos naturais nem as explorações experimentais nem o acaso poderiam alguma vez produzir. «Só da descoberta das formas, diz ele, nasce a contemplação verdadeira e a liberdade do operam (lb., 11, 3). Para entender o significado da forma é necessário uma observação preliminar. Bacon distingue em todos os fenómenos naturais dois aspectos diferentes: 1º o esquematismo latente (Iatens schematismus), isto é, a estrutura ou a ordem intrínseca dos corpos considerados estàticamente;

2º o processo latente (latens processus ou processus ad formam), isto é, o movimento intrínseco dos próprios corpos, que os conduz à realização da forma. De facto, ele distulgue (Ib., 11, 1) «o processo latente que em todas as gerações ou movimentos parte continuamente da causa eficiente e manifesta e da matéria sensível para a forma inata» e o
39

«esquematismo latente dos corpos quiescentes e não em movimento». E mais adiante considera o processo e o esquematismo em dois capítulos separados, insistindo na conexão e na diversidade dos dois aspectos da natureza (Ib., 11, 6 e 7). Correspondentemente, distingue duas partes da física: a doutrina do esquematismo da matéria e a doutrina dos apetites e dos movimentos (De augm., 111, 4). A primeira doutrina é por ele comparada ao que é a anatomia dos corpos orgânicos (Nov. org., 11, 7). Ora, a forma é ao mesmo tempo o princípio do esquematismo e o princípio do processo: assim, ela conserva para Bacon uma duplicidade de significado que é inerente à duplicidade da função que lhe atribui. deve ver na forma, por um lado, a estrutura que constitui essencialmente, e portanto individua e define, um determinado fenómeno natural; por outro lado, a lei que regula o movimento de geração ou de produção do próprio fenómeno. «Indagar e descobrir a forma de um dado fenómeno natural (lb., 11, 1), isto é, a diferença verdadeira ou a natureza naturante ou a fonte da emanação (são estes os vocábulos que exprimem melhor a coisa), tal é o escopo e a intenção da ciência humana». Logo, é evidente que a forma como diferença verdadeira constitui o princípio do esquematismo, isto é, da ordem intrínseca das partes da matéria, porque é aquilo que individua a estrutura de uma realidade material; enquanto como natureza naturante ou fonte de emanação é a lei que regula o movimento de produção de um determinado fenómeno. E insiste ora num ora noutro significado do


40

termo forma. Por um lado, diz que «a forma é tal que pode deduzir um dado fenómeno de uma qualquer essência que é inerente a vários fenómenos. e é mais geral do que o fenómeno dado» (Ib., 11, 4): chama forma à « Minição verdadeira» do fenômeno (Ib., 11, 20) e descreve-a. como «a coisa mesma» na sua estrutura interna (Ib., 11, 13). Por outro lado, fala das leis fundamentais e comuns que constituem as formas» (Ib., 11, 17). E diz: «Se bem que na

natureza não existam senão corpos individuais que produzam actos puros individuais segundo uma determinada lei, nas doutrinas essa mesma lei, a

busca e a descoberta dela e o seu esclarecimento servem de fundamento quer ao saber quer ao operar. Esta lei, e os seus parágrafos, é aquilo que nós designamos com o nome de forma, especialmente porque este vocábulo é usado e se tornou familiar» (lb., 11, 2). Por vezes os dois significados são indicados ao mesmo tempo: «Quando falamos de formas não queremos indicar senão aquelas leis e aquelas determinações do acto puro que ordenam e

constituem qualquer simples fenómeno natural, como

o calor, a luz, o peso, qualquer que seja a matéria ou o substracto adaptado. Por isso a forma do calor ou a forma da luz é a mesma coisa que a lei do calor ou a lei da luz» (lb., 11, 117). Assim se distinguem os dois significados fundamentais da forma, como lei do movimento e determinação do acto puro, isto é, o esquematismo latente.


Não é justo, por isso, exprobar a Bacon (como tantas vezes se tem feito) a ambiguidade do significado que ele atribui à palavra forma. Na reali41

dade, este significado é necessáriamente duplo em

virtude de uma distinção que Bacon claramente estabeleceu e considerou. fundamental. Resta, porém, uma dúvida: será a doutrina da forma tão original como o próprio Bacon a julgou e, sobretudo, distinguir-se-á ela suficientemente da doutrina aristotélica? Não há dúvida de que Bacon contrapôs o seu

conceito de forma ao do aristotelismo escolástico; mas a forma, tal como ele a concebeu, como princípio estático e dinâmico dos corpos físicos, corresponde exactamente à autêntica forma de Aristóteles: a substância, como princípio do ser, do devir e da inteligibilidade de todas as coisas reais (§ 73). Sem o querer e talvez sem o saber, Bacon reportou-se directamente ao genuíno significado aristotélico, da forma substancial. onde, porém, se afasta de Aristóteles é na exigência, tenazmente mantida, de que a forma seja sempre inteiramente resolúvel em elementos naturais; isto é, que a busca e a descoberta da forma não consiste em processos conceituais mas num processo experimental que chega, mediante o

exame de cada caso, a determinar os elementos precisos e operantes da estrutura interna e do processo generativo de um dado fenômeno. Enxertou assim no tronco do aristotelismo a sua exigência experimentalista. E isto explica a eficácia limitada e quase nula que a sua doutrina exerceu no desenvolvimento da ciência, a qual permaneceu inteiramente dominada pelas intuições metodológicas de Leonardo, Kepler e Galileu, mas quase por completo ignorou

O experimentalismo baconiano que de facto era para ela aproveitável. O experimentalismo científico não


42

podia ser enxertado no tronco do aristotelismo; e a

teoria da índução baconiana devia falir nossa tentativa. O experimentalismo científico havia já encontrado a sua lógica e com ela a sua capacidade de sistematização. Esta lógica era, como se viu (§ 391), a matemática. É significativo que a matemática não encontre lugar na indução baconiana. Bacon preocupou-se, é certo, em situar a matemática na sua enciclopédia das ciências, agregando-a umas vezes à metafísica (Advancement, 11, 82), outras vezes

à física (De augm., 111, 6, Nov. org., 1, 96); mas

não atribuiu à matemática mesma nenhuma função eficaz na investigação científica, e afirmou explicitamente que ela «está no termo da filosofia natural, mas não a deve gerar nem procriam (Nov. org., H,

96). Assim, ao mesmo tempo considera que a matemática é causa de corrupção da filosofia natural; e, aliás, (De augm., 111, 4), diz que a astronomia foi incluída entre as matemáticas, não sem perda da sua dignidade (non sine dignitatis suae dispendio). Na realidade, o experimentalismo de Bacon mantém-se nos quadros da metafísica aristotélica, e não podia fornecer à ciência um novo órgão de investigação. Aliás, a ciência já encontrara (ou estava em vias de encontrar) o seu órgão, que é precisamente a matemática, e era por causa desse órgão que se desinteressava daquelas formas que Bacon considerava como termo último da investi~ gação, e se dispunha a considerar únicamente a ordem mensurável das coisas naturais, isto é, as suas relações matemáticas. A grandeza de Bacon consiste sobretudo em ter reconhecido a estreita


43

conexão entre a ciência e o poder humano e em haver sido o profeta da técnica, isto é, da possibilidade de domínio que a investigação científica abre ao homem no mundo.


NOTA BIBLIOGRÁFICA



Compartilhe com seus amigos:
  1   2   3   4   5   6   7


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal