No Acto Seguinte: a décima produção do Projéc~ é uma peça radiofónica



Baixar 10.95 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho10.95 Kb.

Nota à Imprensa | segunda-feira, 6 de Setembro de 2010


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
No Acto Seguinte: a décima produção do Projéc~ é uma peça radiofónica

Senhor Henri”, de Gonçalo M. Tavares estreia dia 10 na rádio!

“Senhor Henri”, de Gonçalo M. Tavares é a décima produção do Projéc~ (estrutura de produção teatral do TMG), a primeira radiofónica. A peça será transmitida pela Antena 2 e a nível local, pela Rádio Altitude na sexta-feira, dia 10 de Setembro, pelas 21h30. “Senhor Henri” tem a direcção, interpretação e edição sonora de texto de José Neves, a sonoplastia de José Neves e Nuno Veiga, a gravação e pós-produção audio de Pedro Costa e apoio à Antena 2 e Rádio Altitude. Este é o segundo momento do Acto Seguinte – Festival de Teatro da Guarda que começou no passado sábado no TMG.

A peça está baseada na obra homónima de Gonçalo M. Tavares, um dos mais conceituados escritores portugueses da actualidade. O autor recebeu vários prémios entre os quais o Prémio José Saramago 2005 e o Prémio LER/Millennium BCP 2004, com o romance - Jerusalém (Caminho); o Grande Prémio de Conto da Associação Portuguesa de Escritores "Camilo Castelo Branco" com água, cão, cavalo, cabeça 2007 (Caminho), etc..

“Senhor Henri” é o segundo livro da colecção “O Bairro”, onde o autor homenageia de forma ficcional vários escritores e pensadores.

O Senhor Henri é um falador. Tem dois grandes amores: o absinto e as enciclopédias. Ao mesmo tempo que não pára de beber absinto vai discorrendo sobre os mais diversos assuntos enciclopédicos. As suas informações parecem não interessar aos seus interlocutores, no entanto isso não é motivo bastante para o senhor Henri se calar. Há medida que as páginas avançam o absinto vai fazendo efeito. «... é verdade que se um homem misturar absinto com a realidade fica com uma realidade melhor.... mas também é certo que se um homem misturar absinto com a realidade fica com um absinto pior.... muito cedo tomei as opções essenciais que há a tomar na vida – disse o senhor Henri.... nunca misturei o absinto com a realidade para não piorar a qualidade do absinto.»


Acto seguinte com espectáculo para as famílias

O circo vem ao TMG com a dupla espanhola Capitan Maravilla

Na tarde do próximo sábado (dia 11), o TMG apresenta no Acto Seguinte – Festival de Teatro da Guarda um divertido espectáculo para o público das famílias. Às 17h00 a dupla espanhola Capitan Maravilla traz o circo ao átrio do TMG com o espectáculo “Mono A, Mono B”. Dois macacos irrequietos prometem fazer as delícias de miúdos e graúdos com acrobacias, malabarismos e muito humor à mistura.

A dupla Capitan Maravilla é constituída pelos acrobatas/actores espanhóis Victor Ortiz e David Morales Díez.

Cinema no Pequeno Auditório, dia 14

Fantasia Lusitana” de João Canijo

“Fantasia Lusitana” é um Documentário do realizador português João Canijo sobre o Portugal salazarista. A propaganda do salazarismo, durante a II Grande Guerra, pregava a proeza de uma neutralidade de Portugal devida ao génio de Salazar. Segundo essa propaganda, Portugal era um paraíso de paz e tranquilidade…

O filme está classificado para maiores de 6 anos e passa na próxima terça-feira, dia 14 de Setembro, no Pequeno Auditório do TMG, às 21h30.


Duas novas exposições são inauguradas sábado (dia 11) no TMG

Constança Meira e Margarida Dias Coelho expõem na Galeria

No próximo sábado, dia 11, o TMG inaugura pelas 18h00 na Galeria de Arte duas novas exposições de artes plásticas: "Pleasure excursions in the countryside" de Constança Meira e "Moscovo-Bucareste-Moscovo - O rever das casas e das causas. O revolver das coisas que dormiam." de Margarida Dias Coelho.

Sobre Constança Meira escreve Manuel Rodrigues que «Há já uns anos, o trabalho da Constança parece ter tomado a forma de uma meditação acerca do tempo. A memória, antes do mais». A artista nasceu em Paris em 1965. Estudou pintura e gravura em Itália e nos Estados Unidos da América. Já em Portugal passou pela Ar.CO (Centro de Arte e Comunicação Visual), e chegou a ser bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. Expõe individual e colectivamente desde 1986.

Já Margarida Dias Coelho viveu na União Soviética e na Roménia entre os anos 60 e 70. Os trabalhos que apresenta no TMG são o resultado de um conjunto de imagens retiradas dos livros escolares russos em vigor nas escolas primárias nessa época. Na mesma exposição, a artista plásticas parte expõe trabalhos que partem de fotografias pessoais e icónicas da história da URSS.

A artista nasceu em Lisboa em 1960. Viveu entre 1962 e 1970 na União Soviética e na Roménia, tendo regressado a Portugal em 1970. Trabalha desde 1981 em cenografia, construção de adereços e pintura ligada à área dos espectáculos. Expõe desde 1988.

Ambas as exposições têm entrada livre e ficarão patentes até 31 de Outubro. Podem ser visitadas de terça a Domingo.



Para mais informações, contactar:

Gabinete de Comunicação e Imagem

Teatro Municipal da Guarda

Rua Batalha Reis, 12, 6300-668, GUARDA, PORTUGAL



Tel. 271 205 240 • Fax. 271 205 248

gci@tmg.com.pt

www.tmg.com.pt


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal