No mundo maior francisco cândido xavier



Baixar 0.69 Mb.
Página1/11
Encontro07.08.2016
Tamanho0.69 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11



NO MUNDO MAIOR

FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER


DITADO PELO ESPÍRITO ANDRÉ LUIZ

(5)


Série André Luiz
1 - Nosso Lar

2 - Os Mensageiros

3 - Missionários da Luz

4 - Obreiros da Vida Eterna

5 - No Mundo Maior

6 - Agenda Cristã

7 - Libertação

8 - Entre a Terra e o Céu

9 - Nos Domínios da Mediunidade

10 - Ação e Reação

11 - Evolução em Dois Mundos

12 - Mecanismos da Mediunidade

13 - Conduta Espírita

14 - Sexo e Destino

15 - Desobsessão

16 - E a Vida Continua...



ÍNDICE
Na jornada evolutiva
CAPÍTULO 1 = Entre dois planos

CAPÍTULO 2 = A preleção de Eusébio

CAPÍTULO 3 = A Casa Mental

CAPÍTULO 4 = Estudando o cérebro

CAPÍTULO 5 = O poder do amor

CAPÍTULO 6 = Amparo fraternal

CAPÍTULO 7 = Processo redentor

CAPÍTULO 8 = No Santuário da Alma

CAPÍTULO 9 = Mediunidade

CAPÍTULO 10 = Dolorosa perda

CAPÍTULO 11 = Sexo

CAPÍTULO 12 = Estranha enfermidade

CAPÍTULO 13 = Psicose afetiva

CAPÍTULO 14 = Medida salvadora

CAPÍTULO 15 = Apelo cristão

CAPÍTULO 16 = Alienados mentais

CAPÍTULO 17 = No limiar das cavernas

CAPÍTULO 18 = Velha afeição

CAPÍTULO 19 = Reaproximação

CAPÍTULO 20 = No lar de Cipriana



Na jornada evolutiva
Dos quatro cantos da Terra diariamente partem viajores humanos, aos milhares, demandando o país da Morte. Vão-se de ilustres centros da cultura européia, de tumultuárias cidades americanas, de ve­lhos círculos asiáticos, de ásperos climas africanos. Procedem das metrópoles, das vilas, dos campos ...

Raros viveram nos montes da sublimação, vin­culados aos deveres nobilitantes. A maioria cons­titui-se de menores de espírito, em luta pela ou­torga de títulos que lhes exaltem a personalidade. Não chegaram a ser homens completos. Atraves­saram o “mare magnum” da humanidade em con­tínua experimentação. Muita vez, acomodaram-se com os vícios de toda a sorte, demorando volunta­riamente nos trilhos da insensatez. Apesar disso, porém, quase sempre se atribuíam a indébita con­dição de “eleitos da Providência”; e, cristalizados em tal suposição, aplicavam a justiça ao próximo, sem se com penetrarem das próprias faltas, esperan­do um paraíso de graças para si e um inferno de intérmino tormento para os outros. Quando perdi­dos nos intrincados meandros do materialismo cego, fiavam, sem justificativa, que no túmulo se lhes encerraria a memória; e, se filiados a escolas reli­giosas, raros excetuados, contavam, levianos e incon­seqüentes, com privilégios que jamais nada fizeram por merecer.

Onde albergar a estranha e infinita caravana? como designar a mesma estação de destino a viajan­tes de cultura, posição e bagagem tão diversas?

Perante a Suprema Justiça, o malgache e o inglês fruem dos mesmos direitos. Provavelmente, porém, estarão distanciados entre si, pela conduta Individual, diante da Lei Divina, que distingue, in­variavelmente, a virtude e o crime, o trabalho e a ociosidade, a verdade e a simulação, a boa vontade e a indiferença. Da contínua peregrinação do sepulcro, participam, todavia, santos e malfeitores, homens diligentes e homens preguiçosos.

Como avaliar por bitola única recipientes hete­rogêneos? Considerando, porém, nossa origem co­mum, não somos todos filhos do mesmo Pai? E por que motivo fulminar com inapelável condenação os delinqüentes, se o dicionário divino inscreve a letras de logo as palavras “regeneração”, “amor” e “mise­ricórdia”? Determinaria o Senhor o cultivo compul­sório da esperança entre as criaturas, ao passo que Ele mesmo, de Sua parte, desesperaria? Glorificaria a boa vontade, entre os homens, e conservar-se-ia no cárcere escuro da negação? O selvagem que haja eliminado os semelhantes, a flechadas, teria recebi­do no mundo as mesmas oportunidades de aprender que felicitam o europeu supercivilizado, que exter­mina o próximo à metralhadora? estariam ambos preparados ao ingresso definitivo no paraíso de bem-aventurança infindável tão sÔmente pelo ba­tismo simbólico ou graças a tardio arrependimento no leito de morte?

A lógica e o bom-senso nem sempre se com­padecem com argumentos teológicos imutáveis. A vida nunca interrompe atividades naturais, por im­posição de dogmas estatuídos de artifício. E, se mera obra de arte humana, cujo termo é a bolorenta placidez dos museus, exige a paciência de anos para ser empreendida e realizada, que dizer da obra sublime do aperfeiçoamento da alma, destinada a glórias imarcescíveis?

Vários companheiros de ideal estranham a co­operação de André Luiz, que nos tece informações sobre alguns setores das esferas mais próximas ao comum dos mortais.

Iludidos na teoria do menor esforço, inexistente nos círculos elevados, contavam com preeminência pessoal, sem nenhum testemunho de serviço e dis­tantes do trabalho digno, em um céu de gozos con­templativos, exuberante de conforto melifico. Pre­feririam a despreocupação das galerias, em beatitude permanente, onde a grandeza divina se limitaria a prodigioso. espetáculos, cujos números mais sur­preendentes estariam a cargo dos Espíritos Superio­res, convertidos em jograis de vestidura brilhante.

A missão de André Luiz é, porém, a de revelar os tesouros de que somos herdeiros felizes na Eter­nidade, riquezas imperecíveis; em cuja posse jamais entraremos sem a Indispensável aquisição de Sabe­doria e de Amor.

Para isto, não lidamos em milagrosos laboratórios de felicidade improvisada, onde se adquiram dotes de vil preço e ordinárias asas de cera. Somos filhos de Deus, em crescimento. Sela nos campos de forças condensadas, quais os da luta física, seja nas esfe­ras de energias sutis, quais as do plano superior, os ascendentes que nos presidem os destinos são de ordem evolutiva, pura e simples, com indefectível justiça a seguirmos de perto, à claridade gloriosa e com passiva do Divino Amor.

A morte a ninguém propIciará passaporte gra­tuito para a ventura celeste. Nunca promoverá com­pulsoriamente homens a anjos. Cada criatura trans-porá essa aduana da eternidade com a exclusiva bagagem do que houver semeado, e aprenderá que a ordem e a hierarquia, a paz do trabalho edifican­te, são característicos imutáveis da Lei, em toda parte.

Ninguém, depois do sepulcro, gozará de um descanso a que não tenha feito jus, porque “o Reino do Senhor não vem com aparências externas”.

Os companheiros que compreendem, na expe­riência humana, a escada sublime, cujos degraus há que vencer a preço de suor, com o proveito das bênçãos celestiais, dentro da prática Incessante do bem, não se surpreenderão com as narrativas do mensageiro interessado no servir por amor. Sabem eles que não teriam recebido o dom da vida para matar o tempo, nem a dádiva da’ fé para confundir os semelhantes, absorvidos, que se acham, na exe­cução dos Divinos Desígnios. Todavia, aos crentes do favoritismo, presos à teia de velhas ilusões, ainda quando se apresentem com os mais respeitáveis tí­tulos, as afirmativas do emissário fraternal provo­carão descontentamento e perplexidade.

É natural, porém: cada lavrador respira o ar do campo que escolheu.

Para todos, contudo, exoramos a bênção do Eterno: tanto para eles, quanto para nós.
EMMANUEL
Pedro Leopoldo, 25 de março de 1947.

1

Entre dois planos
Esplendia o luar, revestindo os ângulos da pai­sagem de intensa luz. Maravilhosos cúmulos a Oeste, espraiados no horizonte, semelhavam-se a castelos de espuma láctea, perdidos no imenso azul; confi­nando com a amplidão, o quadro terrestre contras­tava com o doce encantamento do alto, deixando entrever a vasta planície, recamada de arvoredo em pesado verde-escuro. Ao Sul, caprichosos cir­ros reclinavam-se do Céu sobre a Terra, simboli­zando adornos de gaze esvoaçante; evoquei, nesse momento, a juventude da Humanidade encarnada, perguntando a mim mesmo se aquelas bandas al­vas do firmamento não seriam faixas celestiais. a protegerem o repouso do educandário terrestre.

A solidão imponente do plenilúnio infundia-me quase terror pela melancolia de sua majestosa e indizível beleza.

A idéia de Deus envolvia-me o pensamento, arrancando-me notas de respeito e gratidão, que eu, entretanto, não chegava a emitir. Em plena casa da noite, rendia culto de amor ao Eterno, que lhe criara os fundamentos sublimes de silêncio e de paz, em refrigério das almas encarnadas na Crosta da Terra.

O luminoso disco lunar irradiava, destarte, ma­ravilhosas sugestões. Aos seus reflexos, iniciara-se a evolução terrena, e numerosas civilizações ha­viam modificado o curso das experiências humanaS. Aquela mesma lâmpada suspensa clareara o cami­nho dos seres primitivos, conduzira os passos dos conquistadores, norteara a jornada dos santos. Tes­temunha impassível, observara a fundação de cida­des suntuosas, acompanhando-lhes a prosperidade e a decadência; contemplara as incessantes renova­ções da geografia política do mundo; brilhara sobre a testa coroada dos príncipes e sobre o cajado de misérrimos pastores; presenciava, todos os dias, há longos milênios, o nascimento e a morte de milhões de seres. Sua augusta serenidade refletia a paz di­vina, Cá em baixo, desencarnados e encarnados, possuidores de relativa inteligência, podíamos pro­ceder a experimentos, reparar estradas, contrair compromissos ou edificar virtudes, entre a esperan­ça e a inquietação, aprendendo e recapitulando sem­pre; mas a Lua, solitária e alvinitente, trazia-nos a idéia da tranquilidade inexpugnável da Divina Lei.

— A região do encontro está próxima.

A palavra do Assistente Calderaro interrom­peu-me a meditação.

O aviso fazia-me sentir o trabalho, a respon­sabilidade; lembrava, sobretudo, que não me encontrava só.

Não viajávamos, ambos, sem objetivo.

Em breves minutos, partilharíamos os traba­lhos do Instrutor Eusébio, abnegado paladino do amor cristão, em serviço de auxílio a companheiros necessitados.

Eusébio dedicara-se, de há muito, ao ministé­rio do socorro espiritual, com vastíssimos créditos em nosso plano. Renunciara a posições de realce e adiara sublimes realizações, consagrando-se intei­ramente aos famintos de luz. Superintendia pres­tigiosa organização de assistência em zona inter­mediária, atendendo a estudantes relativamente espiritualizados, pois ainda jungidos ao círculo car­nal, e a discípulos recém-libertos do campo físico.

A enorme instituição, a que dedicava direção fulgurante, regurgitava de almas situadas entre as esferas inferiores e as superiores, gente com imen­sidão de problemas e de indagações de toda a es­pécie, a requerer-lhe paciência e sabedoria; entre­tanto, o indefesso missionário, mau grado ao cons­tante acúmulo de serviços complexos, encontrava tempo para descer semanalmente à Crosta Plane­tária, satisfazendo interesses imediatos de apren­dizes que se candidatavam ao discipulado, sem re­cursos de elevação para vir ao encontro de seu ver­bo iluminado, na sede superior.

Não o conhecia pessoalmente. Calderaro, po­rém, recebia-lhe a orientação, de conformidade com o quadro hierárquico, e a ele se referira com o entusiasmo do subordinado que se liga ao chefe, guardando o amor acima da obediência.

O Assistente, a seu turno, prestava serviço ativo na própria Crosta da Terra, a atender, de modo direto, aos irmãos encarnados. Especializa­ra-se na ciência do socorro espiritual, naquela que, entre os estudiosos do mundo, poderíamos chamar «psiquiatria iluminada», setor de realizações que há muito tempo me seduzia.

Dispondo de uma semana sem obrigações de­finidas, dentre os encargos que me diziam respeito, solicitei ingresso na turma de adestramento, da qual se fizera Calderaro eminente orientador, ten­do-me ele aceito com a gentileza característica dos legítimos missionários do bem e propondo-se con­duzir-me carinhosamente. Encontrava-se em opor­tunidade favorável aos meus propósitos de apren­der, pois a equipe de preparação, que lhe recebia ensinamentos, excursionava em outra região, a la­butar em atividades edificantes; à vista disso, po­deria dispensar-me toda a atenção, auxiliando-me os desejos.

Os casos que lhe eram atinentes, explicou-me solícito, não apresentavam continuidade substan­cial: desdobravam-se; constituíam obra de impro­viso, obedeciam ao inopinado das ordens de serviço ou das situações. Noutros campos de ação, fazia-se imprescindível o roteiro, previstas as condições e as circunstâncias. No quadro de responsabilidades, porém, que lhe estavam afetas, diferiam as normas; importava acompanhar os problemas, quais impre­vistas manifestações da própria vida. Em virtude de tais flutuações, não traçava, a rigor, programas quanto a particularidades. Executava os deveres que lhe competiam, onde, como e quando determi­nassem os desígnios superiores. O escopo funda­mental da tarefa circunscrevia-se ao socorro ime­diato aos infelizes, evitando-se, quanto possível, a loucura, o suicidio e os extremos desastres morais. Para isto, o missionário atuante era compelido a conhecer profundamente o jogo das forças psíqui­cas, com acendrado devotamento ao bem do pró­ximo. Calderaro, neste particular, não deixava perceber qualquer dúvida. A bondade espontânea lhe era indício da virtude, e a inquebrantável sereni­dade revelava-lhe a sabedoria.

Não lhe gozava o convívio desde muitos dias. Abraçara-o na véspera pela primeira vez; bastou, no entanto, um minuto de sintonia, para que se estabelecesse entre nós sadia intimidade. Embora lhe reconhecesse a sobriedade verbal, desde o mo­mento do nosso encontro permutávamos impres­sões como velhos amigos.

Seguindo-lhe, pois, os passos, afetuosamente, de alma edificada na fraternidade e na confiança, vi-me a reduzida distância de extenso parque, em plena natureza terrestre.

Em torno, árvores robustas, de copas farfa­lhantes, alinhavam-se, à maneira de sentinelas adrede postadas para velar-nos pelos serviços.

O vento passava cantando, em surdina; no recinto iluminado de claridades inacessíveis à faculdade receptiva do olhar humano, aglomeravam-se algumas centenas de companheiros, temporà­riamente afastados do corpo físico pela força li­berativa do sono.

Amigos de nossa esfera atendiam-nos com des­velo, mostrando interesse afetivo, prazer de servir e santa paciencia. Reparei que muitos se manti­nham de pé; outros, contudo, se acomodavam nas protuberâncias do solo alcatifado de relva macia, em palestra grave e respeitosa.

Ambientando-me para aquela hora de extrema beleza espiritual, Calderaro avisou-me:

— Na reunião de hoje o Instrutor Eusébio receberá estudantes do espiritualismo, em suas correntes diversas, que se candidatam aos serviços de vanguarda.

— Oh! — exclamei, curioso — Não se trata, pois, de assembleia, que agrupe indivíduos filia­dos indiscriminadamente às escolas da fé?

O Assistente esclareceu, de pronto:

— A medida não seria aconselhável no círculo de nossa especialidade. O Instrutor afeiçoou-se ao apostolado de assistência a criaturas encarnadas e a recém-libertas da zona física, em particular, pre­cisando aproveitar o tempo com as horas de pre­leção, para o máximo de aproveitamento. A hete­rogeneidade de princípios em centenas de indivi­duos, cada qual com sua opinião, obrigaria a di­gressões difusas, acarretando condenáveis desper­dícios de oportunidades.

Fixou a multidão demoradamente, e acres­centou:

Temos aqui, em cálculo aproximado, mil e duzentas pessoas. Deste número oitenta per cento se constituem de aprendizes dos templos espiritua­listas, em seus ramos diversos, ainda inaptos aos grandes vôos do conhecimento, conquanto nutram fervorosas aspirações de colaboração no Plano Di­vino. São companheiros de elevado potencial de virtudes. Exemplificam a boa vontade, exercitam-se na iluminação interior através de esforço louvável; contudo, ainda não criaram o cerne da confiança para uso próprio. Tremem ante as tempestades naturais do caminho e hesitam no círculo das pro­vas necessárias ao enriquecimento da alma, exigindo de nós particular cuidado, pois que, pelos seus tes­temunhos de diligência na obra espiritualizante, são os futuros instrumentos para os serviços da frente. Apesar da claridade que lhes assinala as diretrizes, ainda padecem desarmonias e angústias, que lhes ameaçam o equilíbrio incipiente. Não lhes falece, porém, a assistência precisa. Instituições de restauração de forças abrem-lhes as portas acolhe­doras em nossas esferas de ação. A libertação pelo sono é o recurso imediato de nossas manifestações de amparo fraterno. A princípio, recebem-nos a in­fluência inconscientemente; em seguida, porém, for­talecem a mente. devagarinho, gravando-nos o con­curso na memória, apresentando idéias, alvitres, sugestões, pareceres e inspirações beneficentes e salvadoras, através de recordações imprecisas.

Fez breve pausa e concluiu:

— Os demais são colaboradores de nosso pla­no em tarefa de auxílio.

A organização dos trabalhos era digna de sin­cera admiração. Estávamos num campo substan­cialmente terrestre. A atmosfera, impregnada de aromas que o vento espargia em torno, recorda­va-me o lar na Terra, contornado de seu jardim, em noite cálida.

Que teria eu realizado no mundo físico se re­cebesse, em outro tempo, aquela bendita oportuni­dade de iluminação? Aquele punhado de mortais, sob os raios da Lua, afigurou-se-me assembleia de privilegiados, favorecidos por celestes numnes. Mi­lhões de homens e mulheres a dormir em cidades Próximas, algemados aos interesses imediatoS e ansiando a permuta das mais vis sensações, nem de longe suspeitariam a existência daquela original aglomeração de candidatos à luz intima, convoca­dos à preparação intensiva para incursões mais lon­gas e eficientes na espiritualidade superior. Teriam a noção do sublime ensejo que lhes aprazia? apro­veitariam a dádiva com suficiente compreensão dos valores eternos? marchariam desassombrados para a frente, OU estacionariam ao contacto dos primei­ros óbices, no esforço iluminativo?

Calderaro percebeu-me as silenciosas perquiri­ções e acrescentou:

— Nossa comunidade de trabalho se dedica, essencialmente, à manifestação do equilíbrio. Não ignoras que a. codificação do plano mental das criaturas ninguém jamais a impõe: é fruto de tem­po, de esforço, de evolução; e o edifício da socie­dade humana, em o atual momento do mundo, vem sendo abalado nos próprios alicerces, compelindo imenso número de pessoas a imprevistas renova­ções. Certo, não te surpreenderás se eu disser que, em face do surto da inteligência moderna, que em­bate na paralisia do sentimento, periclita a razão. O progreSsO material atordoa a alma do homem desatento. Grandes massas, há séculos, permane­cem distanciadas da luz espiritual. A civiliZaçãO puramente científica é um Saturno devorador, e a humanidade de agora se defronta com implacá­veis exigências de acelerado crescer mental. Daí o agravo de nossas obrigações no setor da assistên­cia. As necessidades de preparação do espírito in­tensificam-se em ritmo assustador.

Nesse instante, alcançamos a multidão pacífica.

Meu interlocutor sorriu, frisando:

— O acaso não opera prodígios. Qualquer rea­lização há que planejar, atacar, por a termo. Para que o homem físico se converta em homem espi­

ritual, o milagre exige muita colaboração de nossa parte.

Lançou-me olhar significativo e concluiu:

— As asas sublimes da alma eterna não se expandem nos acanhados escaninhos de uma cho­cadeira. Há que trabalhar, brunir, sofrer.

Nesse momento, aproximou-se alguém dirigin­do-nos a palavra: era um solícito companheiro, informando-nos que Eusébio penetrara o recinto. Efetivamente, em saliência próxima, comparecia o missionário, ladeado por seis assessores, todos envoltos em halos de intensa luz.

O abnegado orientador não exibia os traços de venerável senectude com que em geral imagi­namos os apóstolos das revelações divinas; mos­trava-se-nos com a figura dos homens robustos, em plena madureza espiritual; os olhos escuros e tranquilos pareciam fontes de imenso poder mag­nético. Contemplava-nos sorridente, qual simples colega.

A presença dele impusera, porém, respeitoso silencio. Cessaram todas as conversações que aqui e ali se entretinham, e ante os fios de luz que os trabalhadores de nosso plano teciam em derredor, isolando-nos de qualquer assédio eventual das for­ças inferiores, apenas o vento calmo erguia a voz, sussurrando algo de belo e misterioso à folhagem.

Sentamo-nos todos, à escuta, enquanto o Ins­trutor se mantinha de pé; observando-o, quase frente a frente, eu podia agora apreciar-lhe a fi­gura majestosa, respirando segurança e beleza. Do rosto imperturbável, a bondade e a compreensão, a tolerância e a doçura irradiavam simpatia inexce­dível. A túnica ampla, de tom verde-claro, emitia esmeraldinas cintilações. Aquela vigorosa persona­lidade infundia veneração e carinho, confiança e paz.

Consolidada a quietude no ambiente, elevou a destra para o Alto e orou com inflexão comove­dora:


Senhor da Vida,

Abençoa-nos o propósito

De penetrar o caminho da Luz!...
Somos Teus filhos,

Ainda escravos de círculos restritos,

Mas a sede do Infinito

Dilacera-nos os véus do ser.


Herdeiros da imortalidade,

Buscamos-Te as fontes eternas

Esperando, confiantes, em Tua misericórdia.
De nós mesmos, Senhor, nada podemos.

Sem Ti, somos frondes decepadas

Que o fogo da experiência

Tortura ou transforma...


Unidos, no entanto, ao Teu Amor,

Somos condicionadores gloriosos

De Tua Criação interminável.
Somos alguns milhares

Neste campo terrestre;

E, antes de tudo,

Louvamos-Te a grandeza

Que não nos oprime a pequenez...
Dilata-nos a percepção diante da vida,

Abre-nos os olhos

Enevoados pelo sono da ilusão

Para que divisemos Tua glória sem fim!...

Desperta-nos docemente o ouvido,

A fim de percebermos o cântico

De tua sublime eternidade.

Abençoa as sementes de sabedoria

Que os teus mensageiros esparziram

No campo de nossas almas;

Fecunda-nos o solo interior,

Para que os divinos germens não pereçam.


Sabemos, Pai,

Que o suor do trabalho

E a lágrima da redenção

Constituem adubo generoso

A floração de nossas sementeiras;

Todavia,


Sem Tua bênção,

O suor elanguesce

E a lágrima desespera...

Sem Tua mão compassiva,

Os vermes das paixões

E as tempestades de nossos vícios

Podem arruinar-nos a lavoura incipiente.
Acorda-nos, Senhor da Vida,

Para a luz das oportunidades presentes;

Para que os atritos da luta não as inutilizem,

Guia-nos os pés para o supremo bem;

Reveste-nos o coração

Com a Tua serenidade paternal,

Robustecendo-nos a resistência!

Poderoso Senhor,

Ampara-nos a fragilidade,

Corrige-nos os erros,

Esclarece-nos a ignorância,

Acolhe-nos em Teu amoroso regaço.


Cumpram-se, Pai Amado,

Os Teus desígnios soberanos,

Agora e sempre.

Assim seja.


Finda a comovente rogativa, o orientador bai­xou os olhos nevoados de pranto, e então vi, domi­nado de júbilo, que da incognoscível altura uma claridade diferente caía sobre nós, em jorros cris­talinos.

Partículas semelhantes a prata eterizada cho­viam no recinto, infiltrando-se nas raízes das ár­vores mais próximas, lá fora.

Ignoto encantamento fizera-se em minhalma. Ao contacto dos eflúvios divinos, reparei que minhas forças gradualmente serenavam, em receptivi­dade maravilhosa. Em torno, pairavam as mesmas notas de alegria e de beleza, pois a calma e a ven­tura transpareciam de todos os rostos, voltados, extáticos, para o Instrutor, em redor do qual se mostravam mais intensas as ondas de luz celeste.

Sublime felicidade inundava-me todo o ser, mer­gulhara-me em indefinível banho de energias re­novadoras.

Meus olhos foram impotentes para conter as lágrimas felizes que as formosas cintilações me destilavam das fontes ocultas do espírito. E, antes que o nobre mentor retomasse a palavra, agradeci em silêncio a resposta do Céu, reconhecendo na prece, mais uma vez, não só a manifestação da re­verência religiosa, senão também o recurso de aces­so aos inesgotáveis mananciais do Divino Poder.

  1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   11


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal