Nota: Este livro está configurado para o formato comum de um livro. Imprimir assim, dá um pouco de trabalho



Baixar 1.49 Mb.
Página1/25
Encontro19.07.2016
Tamanho1.49 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   25
Nota: Este livro está configurado para o formato comum de um livro. Imprimir assim, dá um pouco de trabalho.

Você pode facilitar a impressão se reconfigurar para o Formato A–4.

Vá em Arquivo – Configurar Página. Na caixa de texto – Tamanho do Papel, escolha Papel Formato A-4 e clique na bolinha Retrato. Clique na aba “Margens” e desmarque o quadrinho “Duas Páginas por Folha”. Dê Ok e aguarde a reconfiguração. Confira.

Ajeite as fotos da capa e contra-capa no meio do papel e imprima % páginas para teste.


Antes de imprimir, pinte esse texto de branco para que não apareça na impressão e ajuste o título do livro no meio da página e o Preâmbulo do livro para o início da página. Imprima um teste de 5 páginas. Se estiver ok mande o resto.

ATEU GRAÇAS

A DEUS

Por Alfredo Bernacchi

Rio de janeiro 2002

Foram tantas as injustiças, tantas as mentiras, que um

dia o sol não mais nasceu

Tirar a ilusão de uma criança, mostrá-la à triste realidade da vida, quantas vezes é um crime necessário para que ela aprenda a viver por si só. Chato é quando ela cresce confiando e acreditando por tantos anos até que um dia ela mesma, adulta, abismada, conclui que, na verdade, foi enganada por toda a vida.

Preâmbulo
Eu sou um ateu. Quer dizer, não acredito em Deus. Nenhum Deus. Você vai me conhecer melhor dentro do próprio livro, porque escrevo muito sobre mim mesmo. E por que escrevi este livro? O que eu quero com isso? Nada! Nada além de emitir a minha opinião e trocar uma idéia a respeito de religiosidade, explicar porque acreditava em Deus e cheguei hoje a essa posição. Por quê? Esta é a primeira pergunta que fiz a mim mesmo e agora justifico ao leitor, neste preâmbulo.

Na verdade, eu não escrevi este livro agora. Ele já estava escrito. 80% escrito, Durante várias épocas e fases desse processo, você vai ver. Eu apenas juntei as partes e complementei. Foi um trabalho totalmente desinteressado quando escrevi, elaborado com a ÚNICA finalidade de discutir o assunto, dizer o que penso, abrir os olhos do ser humano, qualquer um, pessoas que eu nem conheço, contra os prejuízos de uma crença ilusória. Prejuízos que podem começar a partir de uma simples inconsciência e chegar ao fanatismo. Em cada nível, um prejuízo maior ou menor poderá ser observado e você vai conferir isso. Não é aquela despretensiosa contribuição social ($), que você dá para uma igreja, (faria bem melhor se desse na mão de um carente), mas vai daí até o terrorista suicida que dá a sua própria vida em nome de um Deus. Aí é bem mais grave. Esse terrorista também está acreditando que faz isso corretamente e irá encontrar um paraíso divino no além, (conforme é pregado entre os islâmicos). Entre um fato e outro, o fato mais grave e o menos grave, há uma série de prejuízos, tanto de ordem financeira e material, quanto, principalmente, de ordem psicológica, bem mais grave, e eu pretendo explicar isso no transcorrer dessa obra.

Você pode ler, com a seguinte idéia. Eu estou te ajudando a raciocinar. Apenas isso. Fazer o que eu fiz; raciocinar. Como um ser racional. Não quero te convencer de nada. Nem faço questão. Não é um problema meu, mas, quem sabe, libertar você dessa pressão mística hereditária, como uma doença genética, que não condiz mais com homens modernos e atualizados, e deixar você livre para raciocinar. Se você apenas, buscar entender o que se passa à sua volta e o que é a religião, já estará bom.

Eu sei que a pressão é muito grande. Como posso esquecer as advertências que a minha mãe faz, todo dia, nas melhores das intenções, quando ainda prevê desastres na minha vida, pela falta de adorar um Deus?

- Um dia, quando você estiver sofrendo, vai implorar pela presença do Senhor...

Ah!... Terrível essa pressão!

Essas advertências, esses maus presságios, acompanham a vida de todos, a minha, a sua, por toda a vida. Como se livrar disso, eu não sei, ainda mais quando vem da sua própria mãe ou pai, ou avós, ou grandes amigos que lhe querem bem. É difícil, mas sei que me fazem cada vez mais convicto, do zero a esquerda, que significam hoje, todas essas terríveis advertências futurólogas, adivinhólogas, mistificólogas que tentam me amedrontar.

Durante anos eu provoquei debates sobre religião, e ainda faço isso na Internet, sem qualquer interesse. Debates com pessoas inteligentes e capazes de argumentar e expor suas razões sejam de qualquer ideologia ou crença. Apenas para divulgar aquilo que eu concluí, que foi bom pra mim, e se é bom para a minha família, pode ser bom pra você. Quem sabe? Essa coleção de argumentos, prós e contras, ou melhor, a essência deles, estarei publicando aqui, para você analisar, meditar e concluir sobre a sua posição. Advirto, entretanto, que esse conceito não é para qualquer um. Não serve para seres dependentes da chupeta e incapazes de seguir a vida sozinhos, independentes de uma bengala de apoio qualquer. É como você entrar no meio da torcida do Flamengo e tentar explicar que ser Fluminense é a opção ideal. Bem difícil, hein?!...

Ainda bem que não sou político, candidato a qualquer coisa, com pretensão a algum cargo de comando, público ou privado, ou não poderia escrever esse livro. Ainda bem que sou livre, mas não estou esquecendo de que estou num país de esmagadora maioria cristã. Há o consolo de que, essa maioria não é maioria no mundo. Que bom. Por isso, não estou preocupado.

É bom ser livre. Ficar livre de regrinhas fantasiosas, ficar livre de medos infundados, temores divinos, ficar livre de acreditar em ajudas imaginárias, de proteções irreais, aguardando milagres que não virão jamais. Hoje, eu tenho uma sensação de poder, de liberdade, de capacidade de discernimento e autocontrole, de uma força que vem de dentro de mim, um orgulho interior, uma sensação interna de crescimento, da descoberta de um enigma, uma sensação semelhante a uma criança que acabou de descobrir que Papai Noel é o nosso próprio pai de carne e osso! Ao mesmo tempo, uma desilusão pela fantasia rompida, ao mesmo tempo uma satisfação de haver descoberto o mistério e se tornar um igual, uma sensação de que você deu um passo importante na direção do seu crescimento:

“-Deixei de ser criança. Agora estou crescendo para ser um adulto. Não vão mais me enganar com essas bobagens. Agora sou capaz e inteligente”.

Quando concluí que Deus não existia, houve um sentimento ambíguo: Em princípio uma frustração, pela fantasia quebrada. Um lamento, uma lástima. Poxa!... Quem não gostaria que tudo fosse verdade?! Em seguida o temor de se sentir sozinho nesse mundo, quando as dúvidas te assolam. Há um temor pela desobediência (e se eu estiver errado? – pensava no início) um medo de desrespeitar um Deus!... Claro! Porque assim foi enfiado na minha cabeça. Com o tempo, tudo isso se acabou. Em seguida veio a confiança no meu acerto, o orgulho de ter vencido o preconceito, por me sentir mais capaz. Sentir que a vida dependia “agora”, principalmente, de mim mesmo. Como se o comandante de um navio tivesse morrido no meio da viagem e você tivesse assumido o comando. E se me perguntarem: -Você quer voltar a sua crença anterior? – Não. É a resposta. Da mesma forma que eu te pergunto agora: Você gostaria de voltar a acreditar em Papai Noel? – Não - Porque é um retrocesso. Ninguém que deixa de acreditar em Papai Noel, pode voltar a fazê-lo. Foi uma ilusão quebrada. Uma pena... Era uma linda fantasia. Um engano desfeito. Não há como retroceder. Mas o que você ganhou em desmistificar essa ilusão de um velhinho bondoso que te dá presentes? Muita coisa: Acima de tudo, crescimento interior de se tornar mais adulto.

Quando se trata de Deus, esse sentimento de força e liberdade é muitas vezes mais forte, mas a pressão social que não existia no caso do Papai Noel, agora se manifesta com muito mais força também, enraizada na mente desses “conselheiros da fé”. Porra, eu levei anos para me livrar disso!...

Pode crer que, qualquer pessoa nesse mundo, que pregue religião (profissionalmente) tem, no fundo, um interesse. Seja ele financeiro, político ou pela simples vaidade. Eu, quando passo esse livro ao comércio tenho um interesse financeiro, apenas uma conseqüência, mas quando eu escrevi os textos, na época, não tinha qualquer interesse, salvo transmitir a experiência positiva que tive. Altruísmo. É a experiência que transmito aos meus próprios filhos. Jamais enganaria a um filho ou um amigo. Se acredito em alguma coisa, ensino aquilo que acredito. Posso até estar enganado, mas só ensino aquilo que creio ser o certo, senão diria: quem sabe, talvez, pode ser, é provável, é possível, acho que sim, acho que não.

Se um amigo me perguntar:


  • Alfredo, existe vida em outros planetas do Universo?- Vou responder:

  • Talvez, é provável, é possível, pode ser...

Se um filho me perguntar:

  • Papai, existem almas, espíritos, essas coisas assim? Vou responder:

  • Talvez não, não é muito provável, é possível que não, não deve existir, acho que não, acredito que não. (independente da análise do que seja espírito, agora).

Mas se me perguntarem:

  • Existe Deus?

Será o mesmo que me perguntar:

  • Existe Papai Noel?

A resposta seguramente será: - NÃO!... De jeito nenhum!... Não há essa hipótese!

Papai Noel, você já “conhece”, mas Deus, ainda tem dúvidas, não é? Então, nos textos que se seguem, vou explicar isso bem direitinho. Se você estiver com a mente livre e vontade de aprender mais, vai raciocinar com liberdade e quem sabe, me dar razão. Se a sua mente ainda está embotada pelos conselhos sociais... então, tente livra-se deles, primeiro. Se você ainda está cheio de temor, lembre-se: Há 2.000.000.000 de pessoas nesse planeta, que pensam como eu. Há 3.000.000.000 de pessoas nesse planeta que pensam diferente de mim e de você. E 1.000.000.000 que pensam como você. No fim tudo é teoria e cada um tem a sua, e boa sorte.


Eis o início da história. Um simples desentendimento entre colegas num fórum de debates do Starmedia, um provedor da Web (Internet) gerou esse primeiro texto e os que se seguiram:

Notas:


1 - As minhas concepções alteram-se razoavelmente, entre os anos em que escrevi esses textos, mas o que já estava escrito eu não modifiquei, mesmo que já tivesse superado por teorias ainda mais recentes. Isso justifica algumas divergências.

2 -No transcorrer deste livro incluo alguns debates, com opinião de terceiros, ocorridos num Site que possuo na Internet sobre assuntos gerais, inclusive religião.



Esses textos não serão corrigidos na sua gramática, para manterem a sua autenticidade.

1 - Religião no e-groups.

= inserido posteriormente
(A primeira mensagem)

Prezados amigos. Vamos falar disso francamente, sem ironia, certo? Eu não gosto de assuntos relacionados com religião. Vocês me desculpem, mas deixem dizer o que eu penso. Vivi anos, quase o dobro da idade de vocês, sendo convencido de tudo isso que vocês já sabem. E tentei, profundamente, assimilar esses ensinamentos, mas não deu. Sempre lutei com dificuldades na minha vida, e a parte financeira não foi uma grande conquista para mim. Entretanto, eu achava que Deus daria a cada um, uma benção diferente, que eu mesmo não entendia nem concordava, mas me orgulhava da família linda que tinha. E dizia: - Obrigado, meu Deus, porque eu prefiro muito mais ter a minha prole saudável e feliz do que todo o dinheiro do mundo...

Isso me consolou e me conduziu acreditando que PODERIA HAVER um ser que, à sua moda, meio injusta para a minha compreensão, fosse justo de alguma forma na sua sabedoria.

Perdi a primeira filha recém nascida porque não bati no vidro do berçário acordando a enfermeira, que cochilava enquanto a minha filha perdia a respiração na incubadeira. Pensei: Vou deixar nas mãos de Deus... E ela morreu ali mesmo.

Fiquei pensando muito nisso. Talvez... Se tivesse interferido...

Quando eu perdi o meu filho com 19 anos, gêmeo daquela que morreu, evangélico de carteirinha, com um tiro no peito dado por um assaltante, ruíram todos os resquícios da minha crença. Ainda lembrei: (inserido).

Salmo 91 – “O que habita no esconderijo do Altíssimo, e descansa à sombra do Onipotente, diz ao Senhor: Meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio. Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Cobrir-te-á com suas penas, sob suas asas estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo. Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia, nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio dia. Caiam mil ao teu lado, e dez mil à tua direita; tu não serás atingido...”

O Salmo é muito lindo!... Linda poesia... Mas o meu filho, religioso, igualmente filho de uma mãe fanática por religião, foi atingido por uma única bala, bem no meio do tórax, ao meio dia.

E o Deus de que fala o salmista? Estava distraído? E o onipotente, onipresente, onisciente? Estava aonde, que nada fez?!...

Dizem os fanáticos: Ele era um anjo!... Deus o chamou...

Na verdade, o “anjo”, balbuciava antes de desfalecer...

- Não posso morrer agora...

Foram anos de convívio com todo tipo de religião, buscando a verdade, e me senti ultrajado, enganado e feito de bobo, por todo esse tempo, por ter acreditado e contado com uma providência divina que nunca existiu. Oh! Que raiva!!!

A minha libertação desses princípios foi uma conseqüência lógica. Hoje, vocês me perdoem, estou sendo muito sincero, eu sinto um alívio, um alívio muito grande, pela minha naturalidade, porque deixei de ser aquele bobo iludido por histórias da carochinha.

A partir daí, vi o mundo com outros olhos e a minha filosofia mudou. Sou muito melhor, agora. Acredito muito mais em mim e no meu próprio esforço, estou mais leve, mais livre, vaidoso, orgulhoso de mim mesmo, flutuando no prazer da autenticidade de quem, enfim, encontrou a verdade. Mas não gosto de divulgar esse meu pensamento, simplesmente porque, acho que cada um deve ficar com sua crença ou descrença. Isso é muito pessoal. Eu aconselho apenas aos meus entes queridos mais próximos.

Todo o probleminha está justamente nisso. Assim como eu não pretendo passar a ninguém o meu modo de pensar, mesmo porque, muitos não alcançariam ou não entenderiam, tenho horror quando alguém vem me falar desse passado encerrado. Uma coisa que eu levei anos para repelir, algo que me deprimiu e envergonhou, quando fluiu do engano e trouxe prejuízos (não os financeiros) algo que me transformou num mentiroso, ensinando aquilo que não era verdade, porque a verdade eu, enfim, descobri, e não SEM UMA INCRÍVEL DECEPÇÃO!... Assim como, quando o homem chegou à lua e não encontrou ninguém, nada.

Gostaria muito mais, muito mais mesmo, que toda essa história fosse verdade. Mas não é... Quem convive comigo, fatalmente vai acabar concluindo o mesmo que eu concluí, porque eu mostro passo a passo, todos os absurdos da crença e as incoerências existentes na religião, mas pela discriminação que têm com os ateus, como se fossem uns descendentes do Diabo, hereges, odiosos e sanguinários (Imagem forjada pelos Papas) eu ensino à minha mulher e aos meus filhos, para protegê-los, a não discutirem religião e dizerem sempre que são católicos. Talvez eles não resistam ao preconceito e acabem se aborrecendo ou sendo discriminados na sociedade cristã em que vivemos, mas, não quero que eles passem pelo mesmo que eu passei. Já eu, não. Estou pouco me lixando, porque sou inatingível e inabalável. A força que vem de dentro de mim, quase me faz quebrar esse teclado com a mente, mas não gosto de polêmica sobre isso. Daí, também não acho válido ninguém tentar me catequizar, porque eu não estou tentando catequizar ninguém. A página inicial que eu enviei a vocês, aquela que começa assim: # Desculpem se você não concordar # , é uma página do meu livro, a única entre as 720 que versam sobre a minha vida que trata sobre esse assunto, visto que trata-se de uma autobiografia. Seria falso se eu omitisse isso. Quando você ler, nesse mesmo livro, os “diálogos” que tive com Deus, os “milagres” e coisas estranhíssimas que aconteceram comigo, um cara que pregou num púlpito de pastor, sem o ser, para 300 pessoas, convertido, presidente de associações jovens, membro de igreja, Batista. Metodista, Presbiteriana, Católica Romana, batizado, crismado, oferecido aos Oxuns, Oxalás e Orixás da vida, fazendo macumbas na esquinas, quebrando garrafas na praia, você nem vai acreditar que eu tenha mudado tanto.

O último trecho desse desabafo de paz: Esse negócio de Islamismo tem que se tratado com cuidado!... Prestem atenção no que vocês estão fazendo e divulgando. Procurem se informar por fontes insuspeitas. Tratar de Islamismo pra mim é o mesmo que tentar divulgar o nazismo. Vê se põem um pouco de luz na suas cabeças, deixem de preconceitos com o meu ateísmo e me escutem um pouco. Um abraço a todos. (Nota: Esse texto foi escrito dois anos antes da destruição do World Trade Center em Nova York pelos terroristas islâmicos).



2 - Convicções x Amizades
Eu sou o Alfredo. Vocês já me conhecem, e bem melhor agora. Sabem das minhas opiniões pessoais, meu modo de vida, minha própria vida como um livro aberto. Tenho todas aquelas enquêtes do Fórum respondidas. Sabem que eu torço para o Fluminense e sou politicamente da oposição ao governo atual. Já têm um retrato de mim, por dentro e por fora. Só faltavam as minhas convicções religiosas. Evitei trocar essas idéias, tanto que nunca pus os pés num fórum onde se trata religião. Sou radical e lúcido nos meus pensamentos e não gosto de discutir esse assunto, porque é muito pessoal. Estou bastante feliz assim e também não idealizo mudar a opinião de ninguém. Mas vocês abriram a contenda. Eu apenas reclamei um direito meu, de também não tentar ser convencido por ninguém de convicções que eu não abraço, porque assim também não ajo. Vocês discordaram. Têm esse direito. Eu também discordo em ficar calado, como se covarde fosse. Então está aí. Estou mais do que pronto para discordar de todo o planeta, em função daquilo que eu acho e acredito, ou deixo de acreditar. Deixo claro que, para defender os meus pontos de vista, terei que discordar, contrariar, explicar, magoar e acabar ofendendo, os que forem contrários ao meu conceito. Por isso, evito tocar nesse assunto. Entretanto percebo que uma amizade sincera entre duas ou mais pessoas deve ser independente do seu time de futebol, do seu partido político e das suas crenças religiosas. Aqui na minha casa, cada um acredita no que quer, torce para quem quer, vota em quem quiser e ainda assim, somos muito amigos, desde que um, não fique impingindo teorias de convencimento ao outro. Se não, dá briga.

Estamos, eu e os meus companheiros do Fórum, formando gradativamente, uma boa amizade. Será bom, entretanto, que estes pensamentos e teorias minhas venham à tona, para definir se a amizade vai ser vinculada a essas convicções ou independente delas. Se vinculadas e dependentes, ainda está em tempo de me avisar. Se incondicional, dá para seguir mais forte.

Sou uma pessoa extremamente sincera. Tanto a minha vida é um livro aberto, que escrevi uma autobiografia, com todas as mazelas, sofrimentos e erros cometidos, tanto quanto os acertos e coisas boas que não faltaram. A minha experiência deve ser aproveitada para formar a opinião de qualquer um. Pró ou contra, não importa.

Quando afirmo uma coisa, é porque tenho convicção disso, ou direi “acho, talvez, quem sabe”.

Desde os meus avós, a minha extensa família divide-se entre espíritas, católicos, protestantes e descrentes de tudo. Eu mesmo, em busca da verdade, aos oito anos de idade, já me pendurava pelos pés e dizia: - Deus, se você existe, me derruba daqui, que eu quero ver... - Já freqüentei centros espíritas, fui batizado e crismado na igreja católica e membro ativo de igreja protestante. Fui líder religioso e preguei muitas vezes em púlpitos e salas de reuniões e convenci, a muita gente, daquilo que não me convencia. Conheço a história do universo, a história dos povos e tradições, a história científica e acima de tudo, raciocino. Tanto conheço as histórias da Bíblia, como as teorias de reencarnação de Allan Kardec, alguns conceitos do Alcorão e as atrocidades de muitas seitas. Busquei e encontrei, finalmente, a grande verdade. Senti um grande alívio, quando pude ser sincero comigo mesmo e concluir: Tudo mentira e eu não preciso mais acreditar, nem repeti-las. Estou livre dos grilhões que me prendiam ao fantástico mundo sobrenatural das incógnitas eternas assumidas pela maioria. Tudo mentira!... Invencionice, exploração, preconceito, fanatismo, falsidade, cegueira. Foi a linda conclusão que cheguei depois de 53 anos de existência e pesquisa. Então, não sou um João-Ninguém no assunto. Conheço tudo, sei tudo, e vai ser difícil alguém me convencer do contrário. Falar comigo sobre religião só irrita, pelo abismo que existe entre as convicções, mas não fujo de qualquer discussão do assunto. Sou feliz assim. Um abraço a todos.
E foi dessa forma que eu comecei a escrever sobre religião. Como represália aos e-mails que enviavam à minha caixa postal. E segui com mais esse artigo:

3 - O Papai Noel de cada um.
O homem, já na sua infância recebe sutis informações sobre um Papai Noel, figura simpática e mística de um velhinho bondoso que anda no céu em trenós, distribuindo presentes. Logo que ele cresce, transformam o Papai Noel em Papai do Céu, facilmente assimilado, e a fantasia continua num ser bondoso, de nome e imagem parecida, que da mesma forma, mora em um lugar imaginável e faz coisas incríveis.

O homem, já por si só, tem uma forte tendência a acreditar em coisas místicas, justificando assim, aquilo que ele não sabe explicar. A cultura indígena conduzia à adoração, medo e respeito ao sol e à lua, da mesma forma que os navegadores da idade média acreditavam em dragões marinhos, e tantos foram os que precisavam acreditar em alguma coisa fantástica, que fabricaram suas próprias imagens e crenças. Como é fácil para um Pajé, enganar a todos numa tribo, com fumaça e danças macabras, tentando, nem sempre com sucesso, livrar o índio de um simples resfriado. Se vocês repararem, tudo se repete, em todas as culturas. Buda, Alah, Maomé, Jeová, Deus, Jesus Cristo, Xangô e toda aquela parafernália de nomes de estátuas católicas, budistas, espíritas, pedras islâmicas, muros judaicos, em todos os tempos e crenças da humanidade, têm as mesmas características místicas do Papai Noel. Tudo imaginação. Uma necessidade de fantasiar, de inventar alguma coisa que dê uma diretriz, discipline os procedimentos humanos e justifique aquilo que não conseguem entender. (Não deixa de ter o seu lado bom). Quando você era criança diziam: “-Come tudo, se não, o Papai Noel não vai trazer presentes”. Depois que você cresceu, dizem: “-Não faz isso, porque Deus castiga”.

Ainda bem que na nossa época podemos exprimir as nossas opiniões livremente, porque bem há pouco tempo atrás, eu seria queimado em praça pública pela inquisição católica. Sim, porque as coisas evoluíram e houve uma necessidade de adaptação nas crenças divulgadas. Concluíram que a terra era redonda, depois que os padres quase mataram Galileu, e os índios acabaram descobrindo que estrelas, sol e lua, são apenas astros que se movimentam no céu e de tão longe o homem chegou nas alturas do céu, que não houve mais lugar para o “Papai do Céu” se esconder. E da mesma forma que a ciência evoluiu e desmistificou muitas crenças inúteis, como a Arca de Noé e Adão e Eva, concluíram que o universo é grande demais para um só ser, tê-lo criado, perceberam que estátuas e imagens não têm poder algum e transferiram então, as crenças religiosas para o sobrenatural, imponderável, aquilo que não se vê, não se pega e não se escuta, não se sente, mas também não se prova que não existe e se acredita, simplesmente, e para os livros filosóficos como o Alcorão, O Torah e a Bíblia com suas mais recentes “traduções”, que sempre têm algum proveito social, mas lamentavelmente, batizaram de “palavras proféticas e divinas”, mesmo que tenham sido registradas por analfabetos, com papel e tinta terrenos, traduzidas e retraduzidas por homens tão falsos e grosseiros como qualquer político de hoje, os mesmos que pretendiam vender indulgências a $200 moedas por pecado, reescreveram a Bíblia. Cruzes!... (Não reescreveram. Na verdade, escreveram, pois não havia Bíblia antes deles.) E agora divulgam que o Deus está dentro de cada um. Que o Deus está mais para um estado de espírito do que outra coisa. Fica mais difícil combater essa idéia. Todos estamos evoluindo. Já encontram 2000 incoerências contundentes na Bíblia e torna-se cada vez mais difícil sustentar que foi um ser sobrenatural perfeito, que ditou tais contradições absurdas. (Como aquela de beber veneno e pegar em cobras. Como as bravatas de David e Salomão, vocês sabem). O homem já está fabricando o próprio homem (obra divina?) através das células desenvolvidas pela ciência. Adão e Eva... Qual!...

Contradições profundas entre as crenças católicas e evangélicas, que apesar de estudarem na mesma cartilha, fazem estátuas e adoram imagens, enquanto outros chutam e quebram as estátuas daqueles.



Só que está difícil apagar da Bíblia, o que já foi considerado divino e aí fica assim mesmo, mundo chato, terminado em abismo, com dragões no mar. Deus criador dos céus e da terra; quando foram ver o tamanho do Universo, tremeram nas bases. Arca de Noé; até a ciência provar a impossibilidade da sua construção. Adão e Eva, que o próprio homem já faz... Fantasias... absurdos... misticismo... fanatismo... falta de lucidez, de lógica e de raciocínio. O povo ignorante é muito fácil de enganar. Fabricam um Deus que chamam de Pai e depois se auto-intitulam “Pais” (padre em italiano “patre” em latim – sutil diferença). Depois se dizem feitos à imagem e semelhança do ser perfeito que eles mesmos criaram. Gostariam muito que a confusão os assemelhasse a Deus, para que tivessem ainda mais poder sobre os fanáticos, mas não colou. Aí tentaram o “Santo Padre”, uma categoria mais abaixo. Logo em seguida os pentecostais inventaram os “Bispos”, que qualquer um podia se auto-intitular... E os muçulmanos inventaram os Muhamads e Aiatolás para incentivar os seus fanatismos e ódios. O povo hoje, já tem acesso aos livros, proibidos na Idade Média e contesta as mentiras mais deslavadas. Aí, pegaram pra cristo, um herói da antiguidade, quando o mundo se resumia a uma pequena parte da Ásia que dificilmente chegaria a um milhão de habitantes. Ali, uma meia dúzia (aliás, uma dúzia) de camponeses e pescadores analfabetos, pessoas simples do povo, incultas e influenciáveis, que escreveram cartas (Na verdade, estes nada escreveram.), um ou outro era letrado, foram induzidas a acreditar que Deus (que não existe) enviou o seu próprio filho, para fazer contato com os terráqueos e salvá-los (De quê?). Coitados, continuaram comendo pão até serem barbarizados pelo próprio povo. Salvos? Só em sonho. Ficou pior ainda. Foi difícil fazer a cabeça dos próprios judeus, o “povo escolhido”, que simplesmente dispensou essa honra e humilhou aquele que se dizia como tal, para que ninguém mais duvidasse de tal aberração incômoda, que é alguém se auto-declarar Deus e querer ser melhor do que os outros. E o próprio iludido, endeusado, depois de desmascarado na sua própria consciência, ainda reconheceu: “ - Pai... Pai... por que me abandonaste?...” Patético... Mas tanta humilhação transformou-o em herói e o tiro, ajeitado pelos espertos, saiu pela culatra. Uns dizem que ressuscitou, outros que foi direto para o céu, como se isso fosse possível. Hoje ainda acreditam que aquele bondoso homem, de grande espirituosidade, político opositor do regime, mas não maior do que qualquer Zé Arigó contemporâneo, foi tão castigado apenas por ser um fanático, meio louco meio cego, meio incômodo, e achar que era realmente o Filho de Deus!... (Você vai ficar chocado quando eu praticamente comprovar que Jesus sequer existiu. Mas nessa época que escrevi, eu na tinha essa informação. Também achei inacreditável. Pode continuar...) Deprimente... E tantos contos fantásticos de milagres impossíveis, passadas de boca em boca, de um fanático alucinado a outro crédulo ignorante, cada um aumentando um ponto, alimentadas pelo interesse de quem vislumbrou tornar-se milionário com isso (As igrejas católicas antes, senhores feudais, donos das maiores propriedades e de mais uma tonelada de escravos, aos pentecostais de agora, enriquecendo com os 10% dos crentes que estão abafando - Não fazem por menos: 10% é muita grana, Senhor!... Quisera que um investimento me rendesse metade disso no mercado financeiro!...) transformaram a crença de quem já não tem jeito de acreditar em estátuas de ouro, nem em sois, nem em luas, a acreditarem agora, num espírito invisível, inaudível, impalpável, incomprovável, portanto irrefutável e incontestável de um defunto seqüestrado há 2000 anos, e que ainda em sua febre paranóica endeusante, não conseguiu se livrar de uma cruz, mas prometeu voltar para fazer o pó dos nossos ossos e as cinzas, restabelecerem as suas formas originais, para fazer justiça... (Na flor da idade, talvez... Deixa eu ver... população média mundial de 3 bilhões x 5000 anos / 20 de uma geração = 750 bilhões de pessoas... Um bocado de gente para acomodar num tribunal celeste) Novecentas e noventa e nove gerações já morreram esperando o tal juízo final... São cristos, anticristos, anjos, demônios, santos, papas, bispos, padres, pastores, pajés, deuses, diabos, budas, aiatolás, uma verdadeira indústria religiosa, uma parafernália de espertos que industrializa a boa fé dos seres humanos, faturando alto (um trilhão de dólares por ano), e outros que se aproveitam da sua agressividade e ignorância, incitando-os, para se endeusarem, para se envaidecerem e, acima de tudo, lucrarem muito dinheiro. Abro uma exceção para aqueles ingênuos, já vitimados por toda essa exploração, que acreditam realmente em vida eterna e que “Jesus virá”... Continuem esperando...
4 – Religião é um balaio de gatos
Estou escrevendo em português. E você está lendo. Pressuponho que seja brasileiro ou coisa assim, do país onde 99% dos habitantes crêem no Deus divulgado pelo cristianismo, pelo menos assim responderam as pesquisas do IBGE.

Entre os ditos religiosos e outros, com crenças diferenciadas ou nenhuma, em todo o mundo, temos a seguinte salada:

* 1,025 bilhão são católicos romanos. Acreditam na Santíssima Trindade, no poder da Virgem Maria, se submetem ao Novo e ao Velho Testamento (nem em tudo, pois idolatram uma tonelada de Santos, Anjos e acreditam em demônios), acreditam na vida eterna do espírito, que se juntará ao corpo novamente no final dos tempos, em céu, inferno e purgatório e têm o Papa como chefe da igreja e, apesar da fé na mãe de Jesus, discriminam as mulheres na direção da igreja. Nestes, incluem-se aqueles, que se dizem “católicos não praticantes”, que não sabem nem rezar a Ave Maria.

* 800 milhões são Muçulmanos Sunitas. Monoteístas, vinculam-se historicamente ao Velho Testamento do Evangelho, (Torah judeu) que está praticamente reeditado no Alcorão, o seu livro sagrado, escrito por Maomé, segundo eles, ditado por um anjo. Acreditam num paraíso depois da morte, com muitas riquezas, mulheres bonitas e virgens. Não acreditam em Jesus como filho de Deus e nem em Espírito Santo nem demônios, nem em reencarnações.

* 770 milhões são Hinduístas. São politeístas e adoram Deusas dentre as quais estão Shiva, Vishnu ou a Deusa Devi, além de centenas de outras divindades menores, mas só querem ter filhos homens. Reverenciam as castas familiares e religiosas e têm as vacas como animais sagrados e proibidos de comer. Nunca ouviram falar de Jesus, Maria, Espírito Santo, papas, Bíblia, esses valores dos cristãos, tanto quanto Maomé ou Moisés. Essa religião nasceu 1500 anos a/C. Define-se mais pelas ações do que pelas crenças.

* 734 milhões são Protestantes. Cristãos na essência, cultuam a Bíblia, o Novo e o Velho Testamento com menos três livros que a católica, e 50 livros mais que o Torah, cultuam a tríplice identidade divina Pai, Filho e Espírito Santo. Alguns têm forte crença nos poderes desse último e em nome do segundo, fazem exorcismo de demônios, mas não crêem nos poderes de intercessão da mãe de Jesus, ou cultuam imagens de Santos, mas acreditam em Satanás, em céu e inferno, no retorno de Cristo e num julgamento final. São divididos em várias seitas, cada uma com seu bispado independente e suas paranóias, como os Testemunhas de Jeová que proíbem a transfusão de sangue e outras que proíbem até jogar peteca. Muitas separam as mulheres nos cultos e as proíbem de pregar o Evangelho. Desconhecem Maomé, Imãs, Xangô, Shiva, Buda, Mao etc.

* 380 milhões são Maoístas ou Taoístas. Doutrina política, baseada no pensamento de Mão Tse–Tung, dirigente chinês. Uma adaptação do Marxismo-Leninismo. O Taoísmo, um tanto religioso-filosófico, cultua mais a teoria do “nada se deve fazer forçado ou antinatural”. Nos templos taoístas faz-se meditação, apenas. Não acreditam em espíritos, céu nem inferno. Sendo ateus, nada conhecem, nem de ouviram falar, das demais crenças que existem no mundo.

* 364 milhões são Muçulmanos Xiitas. O mesmo “Alah” dos sunitas. São partidários de Ali, (um Imã) homem sagrado, sem o qual não existiriam, sucessor descendente de Maomé. Seguem uma trilha de sangue e são mais fundamentalistas. No restante, seguem os demais Muçulmanos, adeptos do Islamismo aprendido no Alcorão. Tratam suas mulheres como cadelas e garantem que estão certos. Desconhecem como entidades religiosas Cristo, Buda, Papa, Maria, Confúcio, Ogum, Shiva etc.

* 352 milhões, são Budistas. Considerado como religião é inspirado em Siddhartha Gautama, mais conhecido como Buda e hipocritamente o endeusam, mas não o assumem como Deus. O budismo, portanto, ateu, rejeita o apego ao materialismo como filosofia de vida. Apesar de sua radicalização na China, originou-se na Índia em 563 a/C. Baseia sua filosofia no sofrimento, herança original do homem, suas causas e sua supressão. Nunca ouviram falar de Deus, Jesus, Maomé, Santos nem demônios, céu, purgatório, reencarnação, Maria, Iemanjá etc.

* 212 milhões são Católicos Ortodoxos. Como os anteriores, romanos, porém, com relação ao papa, divergem, pois não o aceitam como chefe da igreja. Concentram-se mais na Rússia e têm na música sacra uma forte influência.

* 14 milhões são Judeus. Monoteístas, têm como parâmetro, as leis de Moisés. Uma das religiões mais antigas do mundo concentra-se principalmente em Israel. A história do povo, seus preceitos e filosofias estão contidos no Torah, que contém apenas os cinco primeiros livros do Velho Testamento da Bíblia. Para eles também, Jesus era apenas um homem comum, profeta como tantos outros, mas não aceitam Maomé como referência e muito menos o Alcorão como verdade. Usam a circuncisão como identificação. Por ironia, os judeus acreditam na justiça divina e no seu povo como escolhido de Deus, seu único senhor, porém a experiência histórica judaica, com bastante freqüência, mostra que suas vidas têm sido de sofrimento e perseguição. Nas sinagogas, separam as mulheres dos homens.

* 12 milhões são Espíritas. Com suas subdivisões, candomblé, kardecismo, umbanda, quimbanda. Fazem parte dos ritos afro-brasileiros. Denominam o único deus de Xangô e têm devoção por várias entidades espirituais, as quais cultuam com orações e oferendas materiais em cultos típicos africanos onde surgiram. Acreditam em Lúcifer o anjo das trevas, e na teoria da reencarnação. Praticam o envolvimento com espíritos de mortos, e os recebem em seus seguidores, chamados médiuns e não discriminam as mulheres. Identificam-se com as personalidades cristãs a quem deram diferentes nomes. Têm na caridade uma base filosófica quase obrigatória para a purificação da alma.

* 250 milhões orientais diversas. Além dessas religiões, existem confucionistas, xintoístas, religião sikh, jainismo, toneladas de seitas tribais identificadas em todas as partes do mundo, a maioria politeístas ou de filosofias atéias de origem oriental primitiva (japonesa, chinesa, coreana, vietnamita). São fechados em suas crenças, com particularidades que as diferenciam de todas as conhecidas.

* 135 milhões são de outras. São politeístas diversas, praticamente regionais como as africanas, indígenas de regiões de sociedades isoladas no mundo. Confundem-se com magias, cosmologia e adoração de objetos e elementos da natureza, como o sol, a lua, a chuva, os vulcões etc.

* 909 milhões são completamente ateus, e não acreditam em nada disso. São totalmente céticos com relação a crenças religiosas, céu, paraíso, demônios, anjos, embora não rejeitem filosofias naturais, naquilo que pode ser efetivamente comprovado. Têm em si próprios o controle de suas vidas, acreditam que a natureza casual rege os seus destinos. São seguidores e admiradores da ciência, tratam as mulheres com dignidade e igualdade. De raciocínio evoluído e lógico, acreditam que a vida espiritual se encerra com a falência do corpo. No Brasil, são discriminados pelos religiosos (maioria) que querem rotulá-los como sinônimo do que não presta.

Entretanto, o que acontece? Você, circunspeto à sua sociedade religiosa, acha que o mundo todo pensa do mesmo jeito que os seus amigos, mas isso é falso. Pelo menos 4 bilhões de habitantes do planeta, ou seja, 2/3 deles, não conhecem os personagens identificados pela sua religião. Assim como você não conhece nada da religião, filosofia ou ateísmo deles, além do que eu acabei de expor. Pense um pouco nisso. Antes de bater no peito, se achar melhor, cheio de razões e dono da verdade, imagine que você faz parte da minoria, diferencia-se muito dos demais e pode estar errado...


5 - O deus que eu vejo

(Texto extraído do livro Venha Viver Comigo de minha autoria)
Desculpe se você não concordar. Eu vi e vejo muita injustiça no mundo, através dos séculos. Mesmo entre aqueles que têm uma religiosidade a toda prova. Mesmo entre todas as crenças, sem exceção. Muito fanatismo, muita ignorância, muita hipocrisia, muita exploração, muitos interesses escusos, comerciais, políticos e muita burrice. E o pior: São infelizes, que vivem tentando enfiar na tua cabeça, que há um paraíso te esperando, após a morte. É o consolo dos pobres e infelizes, dos que nunca alcançarão, aqui na terra, bens materiais, saúde, paz espiritual, alegria e felicidade. E morrerão, portanto, com essa ilusão de consolo…

Vejo também pessoas, para quem a religião, a crença em alguém superior, um santo milagroso, um Deus bondoso e justo, é tudo na vida. Outras que, só não fazem pior, porque acreditam num Deus que castiga. E isso é bom. Para eles. Para os que caíram no vício, no desespero do sofrimento, na insegurança, na desesperança. São os fracos de espírito. Outros muitos, entretanto, mesmo fanáticos religiosos, são castigados sem nada terem feito. Outros que já nascem infelizes, condenados à miséria e à desgraça eterna aqui mesmo nesse mundo. Igrejas que desabam, excursões religiosas que acabam em tragédia e sofrimentos. Outros que sobem num morro para orar, e são fulminados por um raio. E, o pior, aqueles que ensinam o povo a ser crente e ter fé num ser superior que eles mesmos através dos séculos inventaram, enquanto descaradamente enchem o bolso de ouro e dinheiro, as custas desses trouxas.

São pecadores, dirão. Ou então o pai foi, ou a avó foi, ou o tataravô foi pecador. E quem não é?

Quando uma criança já nasce doente, dirão: “É uma benção de Deus, para testar a fé dos pais.” Não leve a mal!… É difícil engolir tal coisa… Ridículo!…

Se alguém muito bom ou religioso morre, dirão: “Não era desse mundo. Deus chamou para o seu convívio. Foi uma benção!…” Se a pessoa que morre não vale nada, dirão: “Deus castigou e lhe tirou a vida.” Aí foi o pecado. Se o cara é mais ou menos, então as opiniões se dividem. Simples…

Depois que eu perdi o meu filho, um rapaz bondoso e doutrinado pela própria mãe, fanática, lembrei-me de uma passagem bíblica que assim diz: “Mil cairão à sua direita e mil cairão à sua esquerda e tu não serás abalado.” Uma bala só acertou o meu filho. Bem no meio. O bandido está por aí, solto, sabe lá, curtindo a vida, batucando um pandeiro à mesa de um bar, contando bravatas num hapy, vangloriando-se por ser tão mau, enquanto o meu filho balbuciava: “Não posso morrer agora…”

Então querem que eu acredite num Deus de justiça, todo poderoso, criador dos céus e da terra, que sabe a quantidade de fios de cabelo que temos na cabeça, e que voluntariamente determina tudo isso ?

“- Esse é bom, vai morrer… Esse é mau vai morrer também… Esse é rico e mau, vai gozar a vida toda na terra… (Só aqui na terra!…) Esse, fanático no meu nome, vai se arrastar eternamente, sofrer e mendigar enquanto viver, como Jó. Esse já vai nascer paralítico, para honrar o meu nome… Esse vai nascer mongolóide, porque é descendente de Nero, que era muito mau… Esse outro, direitinho, casado, pai de 4 filhos, é obediente a mim e me louva todo dia. Vou trazê-lo para a Glória Eterna… A família dele… , se vira!… Sofrerão para se purificarem mais um pouco…”


Pode, esse Deus justo, que todos imaginam, permitir que Hitler (só um exemplinho pequeno) tenha matado, condenado a desgraça, ao sofrimento, milhões de seres humanos, dentre os quais mulheres e crianças inocentes, e tenha ficado por isso mesmo?!… E o tal de Menguele, torturador de Judeus, que só foi encontrado depois de pra lá de morto!… Vocês acham que eu vou acreditar num Deus que permite tudo isso? Que determina por livre e espontânea vontade, a exterminação em massa de inocentes, das guerras, nossas conhecidas na Europa, o sofrimento pela fome na África, na Ásia e na maior parte do Brasil? Que permite o sofrimento eterno e a degradação do povo judeu, “o povo eleito” que sequer em Jesus acredita? E o que dizer dos vulcões e terremotos?! Tanto sofrimento de inocentes… Todos pecadores? Até os cachorros?

É assim que vejo diariamente, a “justiça” do Deus mais conhecido por aí. Por isso, comigo não tem esse negócio de deixar pra Deus, dar o castigo a quem apronta comigo. As coisas boas que me fazem, guardo do lado esquerdo do peito, o lado do coração. As coisas ruins guardo do lado direito, o da porrada!

Não espero que Deus me ajude em nada também. Isso é uma ilusão e um convite ao conformismo, à acomodação, à dependência. Eu mesmo me viro e luto pelo que quero, e se depender de mim, faço a minha própria justiça. (A tal parte que deveria ser divina).

Tanto quanto não acredito num Diabo, como um ser racional, mal, esperto e matreiro, que pra mim é outra idiotice. No máximo, um espírito babaca, desnaturado, fraco e imbecil, como um bandidinho qualquer entre os seres vivos. E eu não sou mau, nem perverso, nem sem coração, só por causa disso. Acredito é que nada sou. Ou sou apenas como uma formiga que vagueia por aí. Que está viva, até que alguém a pise sem querer. Por isso, tomo conta de mim mesmo. Colho aquilo que planto, e eu sei que, se errar pela lei dos homens, e não tiver imunidade parlamentar, nem for um “coronel” de alta patente, nem tiver muita grana para comprar Deus, a polícia e a justiça, possivelmente, pagarei pelos meus erros. (A esmagadora maioria não paga).

Não acredito num Deus que castiga, mas que você mesmo paga, pelas coisas erradas que fizer, pelas pessoas que maltratar, porque serão muitos os seus inimigos naturais.

Creio que, quem te ajuda mesmo, são seus amigos verdadeiros, de carne e osso, aqueles que você conquistou com sua benevolência, carinho, amor e lealdade. E que ainda assim e apesar disso, a recíproca nem sempre é verdadeira... Existe a inveja…

É bom acreditar em você mesmo, saber que tudo pode vir, ou do seu esforço e sabedoria, ou da sua leviandade e comodismo. Que você deve estar preparado para o melhor e para o pior. Que se você cair no chão, no chão vai ficar. Que deve lutar com todas as suas forças, para que isso não aconteça. Se isso acontecer, será o seu fim. Não teve Santo nem Padre até hoje, que livrasse o povo religioso fanático, de todas as desgraças, como a seca e a miséria do Nordeste, por exemplo, e outras que conhecemos muito bem.

Viver consciente e sem ilusões místicas, é acreditar no homem (imperfeito), com suas restrições e limitações, na vida na terra como a única, na amizade, no amor, na lealdade, na amabilidade, na simpatia, na camaradagem, na educação, na boa vontade, na natureza (imperfeita) como dádiva eterna, na multiplicação das suas células, através da sua descendência. Longe de fanatismos, acreditar no seu esforço, no seu propósito, na fé de conseguir, aquilo que lhe é possível e lógico. É não sofrer com egoísmos, nem invejas, nem insatisfações tolas. É saber driblar os infortúnios, superar as adversidades, minimizar as tristezas, ver a beleza do que está em volta e ao seu alcance. É confiar no retorno do seu investimento. Acreditar que você vai viver muito e ser feliz, ou vai morrer tentando… Assim é mais honesto, é mais proveitoso e lógico. E quando acabar, acabou!…


Os textos que se seguem, em azul, são opiniões de terceiros que leram essa mensagem na internet: (Não foi revisado o português, para se manter autêntico)

Diógenes

Saudações, Alfredo Parabéns!, em primeiro lugar. Em segundo, imagina um mundo cheio de débeis-mentais, no péssimo sentido do termo, limítrofes, limitados, cegos, dogmáticos, preconceituosos, que deixam voluntariamente de viver, que abdicam da uso do razão, justamente o que nos diferencia de uma besta qualquer, que não lutam pelo bom nem lamentam o mal, que se rejubilam com suas vitórias - quando as têm; nem se culpam por suas derrotas - tão frequentes; imaginaste? É o mundo em que vivemos, com estes indivíduos a nos acompanhar. Desgraçados somos nós, que decidimos abrir os olhos e pensar. "Têm olhos para ver e não vêem"... Diógenes 'Et veritas vos liberati'


Raquel

Alfredo, sinto muito que vc não conhea e naum tenha o amor deDeus em seu corAação. Eu pude perceber no que vcescreveu que vc está como wq amargurado com uma imagem q te pssaram de Deus... Eu poude perceber q vc nem ao menos procura buscar o amor de Deus nem sabe talvez, que ele existe... Quero te convidar a uma coisa: tente pelo menos,ok?


Esthelar

Caríssimo Alfredo Bernacchi, Que o Espírito Santo me ilumine e eu consiga te transmitir o que pretendo. Em primeiro lugar quero dizer que lamento muito o falecimento do seu filho, pois mais que seu filho, você perdeu (se é que já teve) a fé em Deus. Em segundo lugar, gostaria que você imaginasse um mundo saudável, cheio de pessoas honestas e amorosas. Um mundo onde não há lágrimas, não há mortes, nem pranto, nem clamor, nem dor. Um mundo onde as pessoas que se amam jamais se separam por nada e não saberão mais o que é sofrer de saudades... E pela graça de Deus, querido Alfredo, é nesse mundo que Nosso Senhor Jesus Cristo guarda seu filho para que um dia, você possa reencontrá-lo. Promessa de Jesus: "Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim. A quem quer que tiver sede, de graça lhe darei da fonte da água da vida." (Apocalipse 21.6) A Paz de Deus, Abraços, Esthelar



6 - MORTOS ENQUANTO ORAVAM
Volta e meia ficamos sabendo de tragédias que sucederam com grupos inteiros de religiosos, sejam evangélicos, cristãos etc. Igrejas que desabam, excursões de fieis que acabam em trágico acidente e todo mundo morre queimado, e aquele que foi no alto da montanha orar e foi fulminado por um raio.

É claro que sempre vão arranjar explicações para tudo. — Eram pecadores — irão dizer...

Acabei de ver na televisão, acontecer mais uma tragédia, com 75 mortos e vários feridos, no incêndio de um hotel por aí, nem lembro aonde, no exterior. Era um congresso onde todos eram evangélicos e estavam lá a serviço de Deus.

Só queria que você pensasse junto comigo:

— É justo que pessoas que estão cultuando ao Deus Onipotente, Onipresente, Onisciente, ali, louvando o seu nome e a sua "presença", morram de queimaduras e passem por esses sofrimentos atrozes?

Eu pergunto:

— Que Deus é esse? Que justiça é essa? Que poder é esse, que nada faz? Que presença é essa que não se mostra nessas horas? Que sabedoria é essa que não avisa a ninguém da aproximação da tragédia?

Não dá assim para desconfiar, que nenhum Deus existe? Será que somente eu concluo dessa forma? Não parece que o óbvio é, justamente, que nada existe? Ninguém existe protegendo, ninguém existe sabendo de nada?

Por que as pessoas continuam acreditando, que um ser imaginário as vá defender de alguma coisa, ajudar em alguma coisa ou fazer alguma justiça? Seria um fingimento do sub consciente? Uma autodefesa para não suportar o pior que é a realidade, de que Deus não existe? Será ainda medo do desconhecido, medo do inexistente? Será falta de coragem de assumir o que a sua convicção determina, ou será mesmo um estado de burrice aguda?


  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   25


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal