Nota Técnica



Baixar 55.5 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho55.5 Kb.

0

08_08 – Nota Técnica





Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea)
Título: Mapa de macrorregiões do Imea
Sumário: A presente Nota Técnica tem o intuito de justificar a razão do estudo para segmentar o estado do Mato Grosso sob o ponto de vista agroeconômico, com a finalidade de facilitar os levantamentos de dados e dimensionar a economia agropecuária do estado de Mato Grosso.
Introdução
Mato Grosso é um estado de dimensões continentais. Possui 906.806 km² que correspondem a 10,61% da área total do país. A área do estado é um pouco maior que a de França e Alemanha, que juntas somam 904.049 km².

A grandeza do estado não se traduz apenas no seu tamanho. Hoje Mato Grosso detém o maior rebanho bovino do país, com 25,7 milhões de cabeças, de acordo com o Indea (Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso) e é o segundo maior produtor nacional de grãos, com 8.067 mil hectares, segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).



Dada a vasta distribuição do agronegócio no território de Mato Grosso, o estudo destaca a segmentação do estado, uma vez que as divisões feitas por órgãos oficiais como Seplan (Secretaria de Estado de Planejamento de Mato Grosso), IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Indea e entidades de classe como Aprosoja (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso), Ampa (Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão) e Fundação MT (Fundação Mato Grosso) não se mostram totalmente adequados à realidade econômica e produtiva do estado. Por esse motivo, o Imea realizou um estudo para segmentar o estado de Mato Grosso sob o ponto de vista agroeconômico, com a finalidade de facilitar os levantamentos de dados e dimensionar a economia agropecuária mato-grossense.
Critérios para a divisão das macrorregiões


  1. Limites dos municípios: A grande extensão territorial de alguns municípios provoca o isolamento de partes destes, e isso faz com que na prática um mesmo município possa sofrer influência econômica de regiões distintas. Entretanto os dados oficiais de estatística devem ser disponibilizados por município, que deve ser inserido na região de maior influência.

  2. Polo econômico: Mesmo seguindo um sistema de produção semelhante e não sendo isoladas geograficamente, algumas cidades influenciam diretamente a economia dos municípios ao seu redor, podendo caracterizar a formação de uma região.

  3. Sistema de produção: O sistema de produção de uma região é determinado por uma série de características, como elencamos a seguir:

    1. Bioma;

    2. Bacia hidrográfica;

    3. Condições climáticas;

    4. Condições de solo e relevo e altitude.

  4. Isolamento: Dentre os fatores que podem isolar geograficamente uma região citamos:

    1. Condições naturais (montanhas e rios);

    2. Presença de reservas indígenas ou áreas de preservação ambiental;

    3. Logística de escoamento e estradas.


Macrorregiões


  1. Noroeste

    1. Municípios: Aripuanã, Brasnorte, Castanheira, Colniza, Cotriguaçu, Juara, Juína, Juruena, Novo Horizonte do Norte, Porto dos Gaúchos, Rondolândia e Tabaporã.

    2. Polos econômicos: Juara e Juína se destacam como polos na macrorregião.

    3. Sistema de produção: A maior parte da região é composta pelo bioma amazônico, com florestas e savanas densas. As condições de clima e solo são semelhantes e a principal atividade econômica da região é a pecuária.

    4. Isolamento: O rio Arinos dificulta a comunicação da região Noroeste com a região Norte, além disso, as estradas que ligam a região Noroeste ao Médio-Norte e ao Oeste são precárias e dificultam o transporte e o comércio.

    5. Considerações: Mesmo com dois polos econômicos, a semelhança entre as características de produção permite que as duas microrregiões componham uma macrorregião.




  1. Norte

    1. Municípios: Alta Floresta, Apiacás, Carlinda, Colíder, Guarantã do Norte, Itaúba, Marcelândia, Matupá, Monte Verde do Norte, Nova Bandeirantes, Nova Canaã do Norte, Nova Guarita, Nova Santa Helena, Novo Mundo, Paranaíta, Peixoto de Azevedo e Terra Nova do Norte.

    2. Sistema de produção: Assim como a região Noroeste, esta também é composta pelo bioma amazônico, com florestas e savanas densas. Em particular, as condições de relevo desfavorecem o plantio de lavoura, sendo a pecuária a principal atividade da região.

    3. Polos econômicos: Alta Floresta e Matupá são os principais polos econômicos da macrorregião.

    4. Isolamento: A oeste e sudoeste o rio Arinos e as condições das estradas dificultam a comunicação com a região Noroeste. A leste o Parque Indígena do Xingu impede o trânsito com a região Nordeste. Ao sul a região Norte está ligada ao Médio-Norte através da rodovia BR-163 e o trânsito e o comércio com essa região são realizados por essa via.

    5. Considerações: O sistema produtivo dos polos da região é muito semelhante e a pecuária é a principal atividade da macrorregião, além disso, as estradas entre as cidades são boas e a comercialização de gado e insumos é intensa.




  1. Nordeste

    1. Municípios: Água Boa, Alto da Boa Vista, Bom Jesus do Araguaia, Campinápolis, Canabrava do Norte, Canarana, Cocalinho, Confresa, Gaúcha do Norte, Luciara, Nova Nazaré, Nova Xavantina, Novo Santo Antônio, Porto Alegre do Norte, Querência, Ribeirão Cascalheira, Santa Cruz do Xingu, Santa Terezinha, São Félix do Araguaia, São José do Xingu, Serra Nova Dourada e Vila Rica.

    2. Sistema de produção: A região Nordeste faz parte da Bacia Hidrográfica do Araguaia. A parte sul da macrorregião possui cerrados com características adequadas para o cultivo de culturas perenes. A porção leste da macrorregião é formada por savanas susceptíveis a inundação e propícias para a produção de bovinos. O restante da macrorregião é formado em sua maioria por florestas do bioma amazônico onde a pecuária é a principal atividade econômica.

    3. Polos econômicos: Água Boa e Vila Rica são os principais polos econômicos da macrorregião.

    4. Isolamento: A oeste, o Parque Indígena do Xingu impede a comunicação com as regiões Norte e Médio-Norte, pois não há estradas. A parte sul da região Nordeste possui boas estradas e tem bom trânsito e comércio com a macrorregião Sudeste.

    5. Considerações: Apesar de a distância limitar o trânsito e a comercialização entre os dois principais polos econômicos, o sistema produtivo da pecuária, que é a sua principal atividade econômica, é muito semelhante em toda a macrorregião.




  1. Médio-Norte

    1. Municípios: Cláudia, Feliz Natal, Ipiranga do Norte, Itanhangá, Lucas do Rio Verde, Nova Maringá, Nova Mutum, Nova Ubiratã, Santa Carmem, Santa Rita do Trivelato, São José do Rio Claro, Sinop, Sorriso, Tapurah, União do Sul e Vera.

    2. Sistema de produção: A macrorregião Médio-Norte está sobre o Planalto do Parecis que possui condições de relevo, solo e clima propícios para a produção de culturas perenes.

    3. Polos econômicos: Sinop, Sorriso e Lucas do Rio Verde são polos econômicos da macrorregião.

    4. Isolamento: A macrorregião Médio-Norte faz fronteira com todas as outras macrorregiões do estado, mas possui ligações através de estradas apenas com as regiões Norte e Centro-Sul pela rodovia BR-163, por onde toda a safra é escoada.

    5. Considerações: Apesar de a macrorregião possuir três polos econômicos importantes, o comércio e o trânsito entre eles são intensos e o sistema de produção é muito semelhante.




  1. Oeste

    1. Municípios: Araputanga, Campo Novo do Parecis, Campos de Júlio, Comodoro, Conquista D’Oeste, Curvelândia, Figueirópolis D’Oeste, Glória D’Oeste, Indiavaí, Jauru, Lambari D’Oeste, Mirassol D’Oeste, Nova Lacerda, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Reserva do Cabaçal, Rio Branco, Salto do Céu, São José dos Quatro Marcos, Sapezal, Vale de São Domingos e Vila Bela da Santíssima Trindade.

    2. Sistema de produção: A porção norte da macrorregião faz parte da formação da Chapada do Parecis e, assim como a região Médio-Norte, tem condições de relevo, solo e clima propícios para a produção de culturas perenes. Já o restante da macrorregião faz parte da formação da Bacia do Guaporé e do Jauru, que é caracterizada por formações florestais e savanas densas onde a pecuária está amplamente difundida.

    3. Polos econômicos: Pontes e Lacerda e Sapezal são os polos econômicos da macrorregião.

    4. Isolamento: A porção norte da macrorregião tem acesso limitado às macrorregiões Centro-Sul e Noroeste, comprometendo o comércio e o trânsito, por isso o escoamento de grãos ali se dá por meio fluvial, utilizando o porto de Itacoatiara. O restante da macrorregião tem comércio e trânsito bom com a macrorregião Centro-Sul, limitado apenas pela distância.

    5. Considerações: Apesar de a região possuir polos com sistemas produtivos totalmente distintos e terem pouca relação comercial, a localização geográfica dos polos favorece a junção de ambos em uma mesma macrorregião.




  1. Centro-Sul

    1. Municípios: Acorizal, Alto Paraguai, Arenápolis, Barão de Melgaço, Barra do Bugres, Cáceres, Chapada dos Guimarães, Cuiabá, Denise, Diamantino, Jangada, Nobres, Nortelândia, Nossa Senhora do Livramento, Nova Marilândia, Nova Olímpia, Poconé, Porto Estrela, Rosário Oeste, Santo Afonso, Santo Antônio de Leverger, Tangará da Serra e Várzea Grande.

    2. Sistema de produção: Toda parte sul da macrorregião é formada pelo Pantanal que tem como principal atividade econômica a pecuária extensiva. O restante da região é formado pela chamada Baixada Cuiabana e pelo início do Planalto do Parecis, que fazem parte do Bioma Cerrado. Assim como no Pantanal, na Baixada Cuiabana a pecuária é a principal atividade econômica, já na porção da macrorregião cuja formação é o Planalto do Parecis o sistema produtivo é bem diversificado, com culturas perenes, cana-de-açúcar e também pecuária.

    3. Polos econômicos: Os principais polos econômicos da macrorregião são: Cuiabá, Cáceres e Tangará da Serra.

    4. Isolamento: A porção norte da macrorregião corresponde aos limites da Bacia do Paraguai. A Chapada do Parecis isola a região de Tangará da Serra da macrorregião Oeste. Entretanto, por ser a macrorregião onde está situada a capital do estado, o trânsito e o comércio com as demais macrorregiões são muito intensos.

    5. Considerações: Por ser a capital do estado, Cuiabá exerce uma influência grande sobre os polos da macrorregião. O Pantanal possui um sistema produtivo muito característico e por isso deve estar em apenas uma macrorregião.




  1. Sudeste

    1. Municípios: Araguaiana, Araguainha, Barra do Garças, Campo Verde, Dom Aquino, General Carneiro, Guiratinga, Itiquira, Jaciara, Juscimeira, Nova Brasilândia, Novo São Joaquim, Paranatinga, Pedra Preta, Planalto da Serra, Pontal do Araguaia, Ponte Branca, Poxoréu, Primavera do Leste, Ribeirãozinho, Rondonópolis, Santo Antônio do Leste, São José do Povo, São Pedro da Cipa, Tesouro e Torixoréu.

    2. Sistema de produção: A diversidade marca o sistema de produção dessa macrorregião situada sobre o bioma cerrado. Na porção oeste da macrorregião (Barra do Garças) a pecuária é a atividade dominante, na porção norte (Primavera do Leste) o destaque é a agricultura. No leste da macrorregião (Jaciara) a cana-de-açúcar predomina no cenário. A porção central (Rondonópolis) é a mais diversificada e desenvolve as três atividades citadas anteriormente.

    3. Polos econômicos: Rondonópolis, Barra do Garças e Primavera do Leste são os polos econômicos da região.

    4. Isolamento: Como toda a logística de ligação do estado com o Sul, o Sudeste e o Centro-Oeste brasileiro é através de estradas que cortam a macrorregião, o trânsito e o comércio com as macrorregiões vizinhas são intensos.

    5. Considerações: A região foi caracterizada e unida pela diversidade de atividades ali executadas e pela influência que Rondonópolis exerce sobre os demais polos.


Distribuição das cadeias soja, algodão e pecuária nas macrorregiões





SOJA

ALGODÃO

PECUÁRIA

Regiões

Área (ha)

%

Municípios

Área (ha)

%

Municípios.

Cabeças

% .

Municípios..

Noroeste

175.000

3%

3

3.642

1%

4

3.688.939

14%

12

Norte

45.000

1%

11

-

0%

0

4.708.187

18%

17

Nordeste

427.150

8%

18

3.623

1%

2

4.872.137

19%

22

Médio-Norte

2.252.000

40%

16

121.190

21%

8

808.311

3%

16

Oeste

911.400

16%

13

117.016

20%

3

3.836.770

15%

22

Centro-Sul

400.200

7%

15

35.549

6%

2

3.720.333

14%

23

Sudeste

1.378.400

25%

23

299.832

52%

16

4.105.335

16%

29

Total

5.589.150

100%

99

580.851

100%

35

25.740.012

100%

141

Fontes: Imea, Aprosoja, Ampa, Indea, Conab


Cuiabá, 3 de março de 2008


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal