Notas introdutórias para a história da educaçÃo inclusiva: Uma Compreensão Crítica da Prática Inclusiva Atual



Baixar 63.85 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho63.85 Kb.


NOTAS INTRODUTÓRIAS PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Uma Compreensão Crítica da Prática Inclusiva Atual

Ataíde Maria da Silva Nascimento*

Rita Filomena Andrade Januário Bettini**

RESUMO

Este artigo científico é resultado de uma pesquisa bibliográfica e documental de acordo com o apresentado nas referências, em que apresenta indícios no percurso da história da educação inclusiva que explica a concepção que se tem hoje de inclusão. O resgate da evolução histórica (Brasil) e os conceitos de inclusão formulados neste percurso foram trabalhados de forma comparada e analisada, o que foi possível encontrar justificativas para as interferências das práticas inclusivas de antes às de agora, como também as mudanças de comportamento da sociedade observadas de geração em geração e os conceitos de deficiência tomando rumos mais brandos. È notório nesta pesquisa a relevância da escola. Na análise dos momentos históricos a educação é citada como alavanca para as mudanças de conceitos e comportamentos diante das pessoas especiais; mesmo quando em cenários equivocados, trabalhando a integração, as salas especiais em nome da inclusão. Mas é inegável a sua participação nas tentativas de acertos.



PALAVARAS-CHAVE: Integração. Inserção. Inclusão. Exclusão. Acessibilidade. Paradigma. LDBEN. Educação Especial. Cidadania.

__________________________________

*Professora na Universidade Estadual do Piauí e Mestranda em Ciência da Educação da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia – Teresina/PI APROCEFEP – FORUM

**Professora e Pesquisadora Convidada da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia/ APROCEFEP- FORUM



INTRODUÇÃO

O mundo dá voltas, o tempo é efêmero e as formas de compreender os fenômenos sociais também mudam, pois é neste processo de renovação provocado pela história que apresento este artigo – HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Uma Compreensão da Prática Inclusiva Atual – como resultado de uma pesquisa bibliográfica que floresceu a partir de questionamentos a respeito do que se deve a essa mudança de comportamento da sociedade moderna diante de pessoas com necessidades especiais. E foi através de um resgate histórico da Educação Inclusiva (geral e principalmente Brasil) e a comparação dos dados na sua evolução temporal, que conferimos a sua contribuição para essa nova consciência de inclusão que vivenciamos nos dias atuais. Gradualmente, vai desenvolvendo-se modelo social de tratamento aos deficientes, como respostas aos anteriores. Este modelo transfere o foco da responsabilidade para situações educacionais, reconhecendo a existência de inúmeras barreiras enfrentadas como: preconceito, a discriminação, o isolamento e a exclusão de uma sociedade que parece ser constituída a partir da concepção idealizada no “HOMEM PERFEITO”, desenhado por Leonardo da Vinci. Com o tempo, graças à prática das organizações de grupos, das discussões de estudiosos, militantes e pesquisadores, o entendimento da questão foi se ampliando e aos poucos a sociedade começa ver que o homem tem na própria constituição seu lado de imperfeição e perfeição, o que é preciso é investir naquilo que lhe transforme mais útil para uma prática de cidadania.

Se no presente olharmos para trás vemos quantas conquistas a comemorar, se olharmos para o futuro constatamos que ainda existem barreiras, ás vezes, mais sociais do que físicas distanciando homens e mulheres num mesmo espaço social, o que serve de advertência para persistir na luta a favor da construção de uma sociedade inclusiva. Inclusão também é acesso. Acesso aos bens sociais, culturais, econômicos, à educação, à saúde, ao trabalho, à tecnologia. Se estes, não forem garantidos indistintamente, alguns ficarão do lado de fora e assim não podemos falar de inclusão.

Vivemos no Brasil e também em outros países, um momento de sensibilidade frente às deficiências; as escolas começam a abrir suas portas para acolher pessoas até antes não admitidas como alunos, cultivando a convivência e o respeito à diferença; as empresas tomam consciência dos talentos, dos recursos, da criatividade e da eficiência destas pessoas; estabelecimentos comerciais percebem que elas são consumidoras em potencial, portanto produtoras também; cinemas, teatros, novelas percebem que já há públicos a serem conquistados. Estamos mergulhando numa prática nova. Como qualquer situação nova, a Inclusão incomoda, desperta curiosidade, indiferença e negação; encontra adeptos e também críticos; envolve praticamente todas as esferas sociais, apontando para a necessidade de alterar hábitos, posturas, atitudes começando pelo plano individual. “A sociedade acessível garante qualidade de vida para todos; sendo um compromisso que deve ser assimilado por todos nós, em nossas respectivas esferas de ação e influência” (MAZZOTA, In GIL, Marta).



1. HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL E/OU INCLUSIVA

Num breve histórico da permanência dos deficientes no mundo já é suficiente para vermos a triste realidade, cujos fatos revelam longo período de exclusão.

Essa história começa na Europa, por volta do ano de 1500, quando iniciaram os primeiros movimentos para ensinar a pessoa deficiente. Antes disso, estes ficavam nos asilos para que pudessem ser protegidos, pois não se acreditava que pudessem se desenvolver, em função da sua “anormalidade”

Naquela época, não foram criadas escolas para as pessoas deficientes. Alguns educadores interessados se tornaram preceptores de algumas crianças especiais, ou seja, eles eram os professores particulares delas. As crianças que receberam esse tipo de educação eram filhos de pessoas que tinham uma situação econômica boa. Esse trabalho começou apenas com crianças surdas. Apenas no início de 1700 as pessoas cegas. Já as crianças com problemas mentais, continuaram sendo internadas junto às que não tinham condições econômicas para terem seus professores particulares.

As Instituições especializadas foram surgindo. Em 1760, na França foi criado o Instituto Nacional de Surdos-Mudos e, em 1784, o Instituto dos Jovens Cegos, assim a educação dos surdos e cegos começou a progredir. No entanto, todo o processo foi lento, porque faltava apoio da sociedade.

Benjamin Rush, médico norte-americano do fim do séc. XVIII foi um dos pioneiros na introdução do conceito da educação de pessoas com deficiência. Nos Estados Unidos até 1800, os alunos com deficiência não eram considerados dignos da educação formal. Somente no início do séc. XX começaram a surgir escolas destinadas a pessoas com necessidades especiais. Essas escolas no entanto, segregavam os deficientes, pelo simples fato de serem exclusivas deles.

Em 1832, foi criado o primeiro Instituto na Alemanha para os deficientes físicos, e em 1848, nos Estados Unidos para os deficientes mentais. A partir desse período, houve um crescimento das instituições especializadas especialmente nos Estados Unidos e no Canadá.

Foi somente a partir de 1900 que começaram a serem criadas as primeiras classes especiais, dentro das escolas regulares, em que as crianças podiam ser atendidas em caráter educacional. O crescimento dos serviços educacionais muito dependeu de movimentos organizados pelos pais dos deficientes, que desejavam lutar pelos direitos de seus filhos, já que até então não tinham o direito de opinar. Os movimentos de pais começaram a ganhar força por volta de 1950.

O ano de 1981 foi designado pela ONU – Organizações das Nações Unidas, de ano Internacional das Pessoas Portadoras de Deficiências e assinalou um marco fundamental na luta pelos direitos das PPD, no mundo todo. A igualdade de oportunidade em educação é na verdade essencial, dada a importância da educação na transmissão de atitudes, conhecimentos e competências que a sociedade como um todo encara como importante para todas as crianças e jovens.

Em 1994, na Espanha, Um Conjunto de Princípios e Diretrizes sob a designação de “Declaração de Salamanca” foram referendados por delegados de 87 países, cujo paradigma primordial - A educação como direito, em uma concepção de escola inclusiva:

“as escolas devem acolher todas as crianças independentemente de suas condições físicas, intelectuais, sociais, emocionais, lingüísticas ou outras: Deve em acolher crianças com deficiências e bem dotadas, crianças ruem nas ruas e que trabalham; crianças de populações distantes ou nômades, crianças de minoria linguísticas, étnicas ou culturais e crianças de outros grupos ou sonas desfavorecidas ou marginalizadas (...) o desafio que enfrentam as escolas integradoras é o de desenvolver uma pedagogia centralizada na criança, capaz de educar com sucesso todos os meninos e meninas inclusive os que possuem deficiências graves. O mérito dessas escolas não está só na capacidade de dispensar educação de qualidade a todas as crianças, com sua criação, dá-se um passo muito importante para tentar mudar atitudes de discriminação, criar comunidades que acolham a todos e sociedades integradoras”. ( SALAMANCA: 1994, p.18)

1.1. No Brasil

Assim como na Europa, as primeiras instituições brasileiras se voltaram para o atendimento das pessoas surdas e cegas. O primeiro Instituto para cegos foi fundado em 1854, e para surdos, em 1857, ambos no Rio de Janeiro, por meio de decreto imperial.

No Brasil, o início do atendimento especializado foi marcado logo em 1854 por Dom Pedro II ao fundar na cidade do Rio de Janeiro o Imperial Instituto dos Meninos Cegos, sem que logo mais, em 1891 passou a se chamar instituto Benjamin Constant. Em 1857, também no Rio de Janeiro o Imperial Instituto dos Surdos - Mudos.

Um estudo realizado por MAZZOTTA (1996) mostra que entre 1900 e 1950, quarenta estabelecimentos públicos de ensino regular prestavam algum tipo de atendimento escolar especial a deficientes mentais e quatorze atendiam alunos com outras deficiências. Em 1954, a primeira APAE no Rio de Janeiro multiplicando por todo território Nacional, chegando a 1600 entidades filiadas em todo Brasil.

De 1905 a 1950, muitas das Instituições que foram criadas para o atendimento das pessoas deficientes eram particulares e com acentuado caráter assistencialista. As iniciativas oficiais também aconteceram neste período, porém tanto as instituições particulares quanto as oficiais não foram suficientes para atender o número de pessoas deficientes existentes.

Em 1957, a educação do deficiente foi assumida em nível nacional, pelo Governo Federal. No ano de 1961, já estava vigorando a primeira Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Nessa Lei foram escritos dois artigos (88 e 89) referentes à educação dos excepcionais, garantindo, dessa forma, o direito à educação das pessoas deficientes, pelo menos na letra da lei, dentro do sistema geral de ensino, estava garantido a integração das pessoas deficientes na comunidade. Dessa mesma forma a Lei de 1971, garantia aos deficientes o recebimento de tratamento especial nas escolas e mais tarde se deu a criação do Centro Nacional de Educação Especial (Cenesp), ligado ao Ministério de Educação e Cultura.

O contexto das campanhas e a LDB 5692/71 favoreceram o reordenamento, por parte do governo Federal, das demandas de atendimento educacional especializado, apesar de alguns descontentamentos permeiam nestas propostas. Segundo MAZZOTTA (1996) essa política do MEC distancia a Educação Especial da pedagogia, aproximando-a da psicopedagogia de sentido clínico relegando os componentes administrativos e disciplinares determinantes no trabalho de organização escolar.

O paradigma e a política da Educação Inclusiva constituem-se como processo claramente delineado na história da Educação Especial. Há aproximadamente quatro décadas que as idéias integradoras consubstanciadas no pensamento da não segregação das pessoas com deficiência no ambiente escolar, vêm inspirando uma série de propostas e ações em vários países do mundo.

A educação especial no Brasil foi ampliando-se lentamente e foram criados mais institutos particulares. Os serviços públicos eram prestados através das escolas regulares, que ofereciam classes especiais para o atendimento dos deficientes.

Foi somente no ano de 1996 que foi organizada a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de modo que a nação pudesse ter uma lei que fosse condizente com a Constituição Brasileira com seus vários capítulos, artigos e incisos sobre educação, habilitação e reabilitação da pessoa deficiente, além da sua integração à vida comunitária. Esta se apresenta em alguns de seus capítulos como garantia exclusiva para a Educação Inclusiva, enquanto apresenta-se como uma “modalidade de educação escolar” e se cristaliza como:

“... um conjunto de recursos e serviços educacionais especiais organizados para apoiar, complementar e em alguns casos, substituir os serviços educacionais comuns, de modo a garantir a educação formal aos educandos que apresentam necessidades educacionais diferentes da maioria das crianças” (MEC, 1998)

Na verdade a terminologia “Educação Especial” limita, direciona e homogeneíza a educação para um determinado público, o que não atende as exigências da sociedade e grupos em defesa da educação para todos. A educação deve ser “inclusiva” de forma liberal, democrática e não, doutrinária fundada no equilíbrio entre os interesses individuais e as regras de vida nos grupos sociais. Deve obedecer aos mesmos princípios da educação geral, valorizando as potencialidades do aluno e lhe oferecendo todos os meios para desenvolvê-los ao máximo.

O Brasil adotou com a LDB 9394 / 96 a proposta da inclusão escolar. De lá para cá houve um processo intenso de análise e transposição do Projeto Político Pedagógico para as diferentes realidades escolares onde a formação destes profissionais caracteriza-se pela qualificação ou habilitação específicas, obtidas por meio de cursos de licenciaturas ou de outras alternativas de formação agenciadas por instituições especializadas.

Este novo momento passa a exigir dos professores outros conhecimentos além daqueles que receberam nos seus cursos de formação para magistério. Assim, os cursos de formação de professores necessitarão de grandes mudanças em sua estrutura curricular. A Lei 9394/96 prevê, no capítulo V (Da Educação Especial), que os Sistemas de Ensino assegurarão aos alunos com necessidades especiais, professores com especialização em nível médio ou superior, para o atendimento especializado, bem como professores do ensino regular capacitados para a integração desses educandos nas classes comuns.

O capítulo VI desta mesma Lei prevê a formação de profissionais de modo a atender aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e às características de cada fase de desenvolvimento do educando.

Posterior a LDBEN, surgiu uma nova legislação Decreto 3.956/2001 (Convenção da Guatemala), que como toda lei nova, revoga as disposições anteriores que lhe são contrárias ou complementa eventuais omissões. Trata-se da Convenção Interamericana para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Pessoa Portadora de Deficiência, celebrada na Guatemala

Os órgãos responsáveis pela emissão de atos normativos relacionados à educação (Ministério da Educação, Conselho de Educação e Secretarias de Educação) devem emitir diretrizes considerando os termos da promulgada convenção da Guatemala no Brasil, orientando dentre outras que todos os cursos de formação de professores devem dar-lhes a consciência e a preparação necessárias para que recebam, em suas salas de aula, alunos com e sem necessidades educacionais especiais, dentre os quais, alunos com deficiência.



2. COMPREENSÃO DA PRÁTICA INCLUSIVA ATUAL

Desde cedo, já na década de 20, Vygotski defendia veementemente a idéia do atendimento educacional de crianças com deficiência na escola regular. Possivelmente não haja autor da Psicologia e da Educação que tão precocemente tenha defendido a não exclusão das crianças, adolescentes e adultos com deficiência, do convívio social, na escola, inicialmente, e, depois nas esferas mais amplas da vida comunitária.

Durante a década de 80, com o programa Mundial pela igualdade de oportunidades para todos aprovado pela assembléia geral da ONU, houve uma mudança de enfoque apoiando-se na noção de direito se não mais de concessão ou benevolência provocando repúdio às terminologias de cunho terapêutico: retardado mental, mongolismo, criança excepcional, deficiente mental educável, entre outros. Com estes termos a ênfase recairá sobre aspectos orgânicos como impedimento, incapacidade ou invalidez, desconsiderando a influência das imperfeições e deficiências do meio circundante. Nesta perspectiva, os efeitos e danos ocasionados pelas limitações do meio podem ser minimizados ou agravados pelas condições gerais de vida da pessoa. Este novo olhar contribuiu para a compreensão da diversidade como constitutivo de uma sociedade para todos.

Dificilmente, conseguimos abordar esta realidade sem exaltações, pois o tema tem suscitado debates calorosos que trazem em seu teor concepções divergentes e acentuam o antagonismo entre educação especial e inclusiva.

Esta realidade caótica evidencia um confronto de tendências opostas entre adeptos da educação inclusiva e os defensores da educação especial. Por outro lado, constatamos uma inegável mudança na postura, de concepções e atitudes por parte dos educadores, pesquisadores, formadores de opinião. Estas mudanças se traduzem na incorporação das diferenças como atributos naturais da humanidade, no reconhecimento e na afirmação de direitos, na abertura para inovações no campo teórico-prático e na assimilação de valores, princípios e metas a serem alcançadas. Trata-se, portanto, de propor ações e medidas que visem assegurar os direitos conquistados, a melhoria da qualidade de educação, o investimento em uma ampla formação dos educadores, a remoção de barreiras físicas e atitudinais, previsão e provisão de recursos materiais e humanos entre outras possibilidades. Nesta perspectiva se potencializa um movimento de transformação da realidade para se conseguir reverter o percurso de exclusão de crianças, jovens e adultos com ou sem deficiência no sistema educacional.

Existe uma teia de contradições e um fosso entre o discurso e a ação, pois o mundo continua representado por “nós”, os ditos normais e “eles”, as pessoas com deficiência. Tais observações podem parecer pouco otimistas e talvez o sejam por representarem a perspectiva de quem tem a experiência da exclusão atravessada nas cenas do cotidiano e nos descaminhos da própria existência. No entanto a Educação Inclusiva é a educação para todos, isto é, a educação que visa reverter o percurso da exclusão, ao criar condições, estruturas e espaços para as diversidades. Mesmo assim, a literatura mostra que ainda há grande receio, insegurança e resistência dos pais que preferem manter os filhos em instituições especializadas, temerosos de que sejam discriminados e estigmatizados no ensino regular.

Para os alunos com ou sem deficiência, estudar juntos é uma oportunidade de vivenciarem conflitos, de confrontarem valores, praticarem cooperação e solidariedade. Crescerão sabendo que existem pessoas diferentes em todo mundo, e que estas pessoas têm necessidades, condições e habilidades diferenciadas. Poderão aprender a lidar com a diferença e naturalizá-la em seu convívio diário. Assim, talvez no futuro, não estranhem tanto a presença de uma pessoa com deficiência ou não ao seu lado.

A escola é uma garantia para fazer acontecer a inclusão, é neste espaço que acontece a integração e não apenas a inserção do aluno, limitando-se apenas a simples introdução física, um está presente, fazer parte; enquanto aquela, implica necessariamente em reciprocidade, envolve a aceitação daquele que se insere, respeitando seu ritmo e características pessoais. Essa escola deve estar atenta para as adaptações curriculares em que deve atuar frente as dificuldades de aprendizagem dos alunos. Pressupõem-se as adaptações do currículo regular, e não um novo currículo para cada situação especial em particular, haja visto que uma escola inclusiva respeita as diversidades, o que não significa particularizar cada caso, e sim, a planificação pedagógica e ações docentes fundamentadas em critérios que definem o que, como e quando o aluno deve aprender; que formas de organização do ensino são mais eficientes para o processo de aprendizagem.

Educando todos os alunos juntos, as pessoas com deficiência têm oportunidades de preparar-se para a vida na comunidade, participando do mesmo mundo sem separativismo, sem rótulos de deficiência tão arraigados que até chegam a naturalizar um sentimento de negação e desprezo dessas pessoas no seu convívio familiar e demais grupos. Neste processo de Ensino/aprendizagem numa prática inclusiva, os professores melhoram suas habilidades profissionais; a sociedade decide conscientemente de acordo com o valor social da igualdade; a família reconhece o potencial diferenciado das pessoas reconhecendo a possibilidade de uma convivência bem mais harmônica no seio da comunidade como fruto de um esforço unificado e consciente. Diz Stainback (1999): ”A interação e a comunicação facilitadas ajudam o desenvolvimento de amizades e o trabalho com os colegas. Os alunos aprendem a ser sensíveis, a compreender, a respeitar e a crescer confortavelmente com as diferenças e as semelhanças individuais entre seus pares”.

O valor social da igualdade é consistente numa sociedade cada vez mais diversificada. Se acreditarmos no estado de igualdade entre as diversidades precisamos reavaliar a maneira como operamos em nossas escolas e evitar os erros do passado - quando com deficiência eram deixados à margem, em salas especiais com efeitos da segregação baseado no controle.



CONCLUSÃO

Uma das grandes barreiras enfrentadas ao trabalhar esse tema está na escassez de referências, como também nos preconceitos em relação ao tema. Geralmente, isto ocorre com todo conhecimento ou teoria nova que, ao serem difundidos, costumam ser banalizados, deturpados ou descartados. Existe um intrincado jogo de interesses e de relações de poder por trás do preconceito e da resistência, sendo difícil romper com o conservadorismo das diversas forças atuantes neste processo, “Num mundo de desigualdades e exclusão, educar para cidadania e justiça social é apostar na esperança” (SILVA, 1996).

Apesar das dificuldades da pesquisa em consequência da pouca relevância atribuída aos fatos históricos, dado pela escassez de divulgação (legislação, instituições, experiências positivas e outros) constata-se uma história de Educação Inclusiva marcada por segregação, desrespeito, desigualdade, confinações destrutivas de sentimentos esperançosos de homens e mulheres que poderiam atrair olhares crédulos ao seu respeito como pessoas que em suas diferenças, apresentam em comum, sentimentos, múltiplas competências, direitos e valores que reafirmam a paz individual e social. E não fossem simplesmente julgados/avaliados por um poder econômico perverso, discriminatório e seletista.

Apesar da inclusão perpassar por diversos momentos de nossa história, com marcas desumanas, já pode-se reconhecer confortavelmente através da análise dos dados fornecidos pela pesquisa, os seus momentos de superação, conquistas resultantes da persistência de pessoas deficientes, instituições, grupos, familiares, Leis, propostas governamentais unificados e conscientes, como também, constata-se que esta história veio passando principalmente por um viés da educação (escola), formadora de opiniões capaz de revolucionar mentalidades e comportamentos de geração em geração dando um tom de realidade naquilo que era irreal; de possibilidade no que já foi impossível de tal forma que a idéia/prática da inclusão adentre em nossas mentes e invada os ambientes físicos facilitando o dia a dia das pessoas em comunidade.

Hoje já se discute a existência de uma escola para “todos e com todos”. Sabe-se que a inclusão não acontece de forma isolada apenas com alunos com deficiência ou sob riscos, mas a todos os alunos. As questões desafiadoras enfrentadas pelos alunos e pelos educadores nas escolas de hoje não permitem que ninguém se isole e se encontre em uma única necessidade ou em um grupo – alvo de alunos. Segundo Stainback, um sistema inclusivo e de qualidade, por sua própria natureza, está voltado para as necessidades gerais do aluno, não apenas para sua realização acadêmica. Para que as escolas alcancem a ênfase no aluno em sua totalidade, sua filosofia básica deve ser a de uma educação.

A proposta inicial da integração escolar está evoluindo para uma concepção de inclusão escolar embora tal diferenciação ainda não tenha ganhado unanimidade na comunidade acadêmica bem como nos sistemas educacionais. Para Melli (2001) ... a inclusão implica, em primeiro lugar, aceitar todas as crianças como pessoas, como seres humanos únicos e diferentes entre si. As diferenças individuais existem entre todos nós e não se justifica classificar grupos de pessoas como sendo especiais, e segregá-los na escola e em outros ambientes de vida.

O mundo mudou. As pessoas mudaram. A simples constatação da velocidade com que ocorreram / ocorrem transformações em nossas vidas cotidianas já nos mostram que estamos diante de uma nova sociedade, uma outra realidade, que nos envolve e nos desafia.

R
EFERÊNCIAS

AINSCOW, M. Educação para todos: torná-la uma realidade. In: AINSCOW, M.; PORTU, G.; WANG, M. (orgs.) Caminhos para as Escolas Inclusivas. Lisboa. Instituto de Inovação Cultural. 1997. Revista Integração, Ano 14 –nº 24/2002. pág 6 – 11

AVMEL, Roseli C. R. C.; CASTRO.Adriano M. Formação de Professores e a Escola Inclusiva – questões atuais.IN: Integração. Brasília, Ano 14 – N. 24, 2002.

BAUMEL, R. C. R. C. Escola Inclusiva: questionamentos e direções. In: BAUMEL, R. C. R. C.; SEMEGHINI, L. (orgs) Integrar / Incluir: desafios para a escola atual. São Paulo: FEUSP, 1998. Revista Integração, Ano 14, nº 24/2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei número 9.394, de 23 de dezembro de 1.996. Lei que fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1.996.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes Nacional. LDB 9.394 / 96 de 20 de dezembro de 1996. Brasília: MEC, 1998.

BRASIL. Ministério Público Federal: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (organizadores) O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. 2. ed. rev e atualiz – Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

BRUNO, Artur. As políticas de inclusão no sistema regular de ensino: possibilidades e desafios. IN: Educação Especial Inclusiva. I Jornada CRER & SER Norte / Nordeste, Fortaleza 2004.

COSTA, Eliana Ap. Pires; FARIA, Maria Natália M. de. “Sociedade e Educação Inclusiva” Joaoelianaa@uol.com.br; natalia@mpc.com.br

Decreto nº 3298, de 20.12.1999, que dispõe sobre a Política Nacional para integração da pessoa portadora de deficiência.

EDIVALDO, M. Boaventura. Como Ordenar as Idéias. 4. ed. São Paulo: Ática, 1995



Formação de Professores para Educação Inclusiva. Revista São Paulo em Perspectiva. vol. 14, n. 1. São Paulo: SEADE, jan/mar. 2000

GARCIA, C. M. Formação de professores para uma mudança educativa. Lisboa: Porto Editora. 1999.

GATTI, Bernadete Angelina. Pesquisa em Educação: um tema em debate. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.80, fev. 1992

GOFFREDO, Vera Lúcia F.S. Como formar Professores para uma escola inclusiva? IN: salto para o Futuro. Educação Especial: tendências atuais / Secretária de Educação à Distância. Brasília: Ministério da Educação, SEED, 1.999.

JOVER, A. Inclusão: qualidade para todos. Revista Nova Escola, V. 15, N. 123, Pág. 8 – 17, 17/06/1999.

LOURO, Aline Kátia M. A. Formação de Professores: um desafio a mais na integração de alunos com deficiência. IN: Integração. Brasília, Ano. 7. nº 19, 1997.

MANTOAN, Maria Teresa Egler (Organizadora). Caminhos pedagógicos da inclusão. São Paulo: Memnon, 2001

MAZZOTA, Marcos José Silveira. Educação especial no Brasil: História e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 1996.

MELLI, Rosana. Educação Inclusiva. In: MANTOAN, M. T. E. Caminhos Pedagógicos da Inclusão. São Paulo: Memnon, 2001

MIZUKAMI, Maria das Graças Nicoletti; REALI, Aline Maria de Medeiros Rodrigues (orgs). Formação de professores, práticas pedagógicas e escola. São Carlos. SP: EDUFSCar, 2002

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cotez, 2002

PERRENOUD, Philippe. A Pedagogia da Escola das Diferenças. Fragmentos de uma Sociologia do Fracasso. Porto Alegre: Artmed, 2001.

PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (Orgs). Professor reflexivo no Brasil: Gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002.

Projeto de Lei do Senado Nº 429 de 2003 – que institui o Estatuto da pessoa com deficiência

REGO, Tereza Cristina; VYGOTSKY. Uma Perspectiva Histórica da Educação. Rio de Janeiro, 1995

RAMOS, Rossana. Passos para a Inclusão. São Paulo: Cortez, 2005.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão. 3.ed. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, Ezequiel T. da. O professor e o combate à alienação imposta. 3 ed. São Paulo: cortez, 1996.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, William. Inclusão: um guia para educadores. Tradução de Magda Lopes, Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos: necessidades básicas de aprendizagem, Unesco, 1990.



UNESCO. Declaração de Salamanca e Linha de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: CORDE, 1994.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro (org.). Caminhos da profissionalização do magistério. 2. ed. Campinas: Papirus, 2001
Catálogo: acer histedbr -> seminario -> seminario8 -> files
files -> Cartas sobre a educação infantil
files -> Os professores e seu papel na sociedade imperial
files -> Os projetos educacionais do empresariado industrial mineiro associado a fiemg a partir das diretrizes educacionais da cni (1980-2000) Jane Maria dos Santos
files -> Processos históricos e educacionais da escola alemã da colônia riograndese – sp (1924-1938)
files -> Experiências Educacionais Libertárias no Brasil: Autonomia, Solidariedade e Liberdade Ingredientes para uma ação educativa eficaz
files -> A pedagogia Libertária e a Educação Integral Angela Maria Souza Martins Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – unirio neb/Grupo do histedbr – unirio introdução
files -> O projeto tavares lyra e sua proposta de reforma para o ensino secundário no brasil. A instruçÃo pública no início do século XX
files -> ContribuiçÕes de tomás de aquino para a história da educaçÃO: interrelaçÕes entre ética e educaçÃO
files -> Os jesuítas e o ensino de filosofia no brasil
files -> Ginásio de conquista


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal