NÍsia floresta e auguste comte: uma amizade (quase) positivista



Baixar 28.08 Kb.
Encontro01.08.2016
Tamanho28.08 Kb.


NÍSIA FLORESTA E AUGUSTE COMTE: UMA AMIZADE (QUASE) POSITIVISTA

Constância Lima Duarte

UFMG

Em 24 de dezembro de 1849, após cinqüenta e dois dias em alto mar, Nísia Floresta (1810-1885) pisava pela primeira vez o solo europeu e, com dois filhos pequenos — Lívia e Augusto Américo —, chegava em Paris, ainda conturbada pelas revoluções do ano anterior. No Brasil, havia deixado, além dos familiares, um nome que começava a se tornar conhecido, e vários livros publicados, dentre eles Direitos das mulheres e injustiça dos homens (1832), Conselhos à minha filha (1842) e A lágrima de um Caeté (1849). Deixava ainda o Colégio Augusto, que havia fundado em 1838 e já se destacava entre os melhores da Corte na instrução para meninas. Serão vinte e oito anos em terras estrangeiras, com apenas dois retornos à pátria. Em seu exílio voluntário, Nísia vai percorrer países e mais países, publicar outros livros e, principalmente, relacionar-se com alguns dos principais intelectuais, cientistas e aristocratas do Velho Mundo, como Alexandre Herculano, Antonio Feliciano de Castilho, Mazzoni, Azeglio, Giuseppi Garibaldi, George Sand, o velho Dumas, entre outros.



Mas, dentre todos estes importantes relacionamentos, o que se tornou mais conhecido foi o que manteve com Auguste Comte, iniciado ainda nesta viagem. Primeiro, ela fez contato com a filosofia comtiana, pois, em 1851, era uma das pessoas interessadas que afluíam ao Auditório do Palais Cardinal, para assistir às conferências do Curso de História Geral da Humanidade ministradas por Comte, na divulgação de suas teorias. Mais tarde, em 1856, ela se aproxima do filósofo e inicia uma amizade cordial e respeitosa, pontuada de visitas, cartas e de mútua admiração, que vai durar até a morte de Comte, no ano seguinte. 1

Nísia teria recebido algumas vezes a visita do filósofo em sua residência, que, por sinal, ficava próxima do Jardim de Luxemburgo, da Sorbonne e do endereço de Auguste Comte, à Rue Monsieur Le Prince, 10. Aliás, na História do Positivismo no Brasil, de Ivan Lins, temos o relato de uma destas visitas segundo o depoimento de um senhor de engenho pernambucano, que estava presente na ocasião, nos seguintes termos:



[O filósofo] era recebido sempre com testemunhos de profunda consideração e respeito pelos que freqüentavam o salão da escritora brasileira. Esta ia pessoalmente recebê-lo à entrada de seu apartamento e dizia aos presentes, com visível entusiasmo, formulando um gesto de silêncio: “Aí está o sr. Comte, a maior glória da França. Procurem ouvi-lo e me darão razão. Não é um homem como os outros. É um gênio. A originalidade de suas concepções é tão sedutora como o cavalheirismo de que é feito o seu coração. Os clarões de sua inteligência transfiguram-no num homem belo, quando ele expõe seus grandes pensamentos sobre a moral, sobre política, sobre medicina. Sabe tudo, e todos o respeitam como a maior cabeça do século. Orgulhemo-nos de apertar-lhe a mão. Voilà un titre de gloire!”.2

Foram os positivistas — brasileiros e franceses — os responsáveis pela preservação da correspondência trocada entre Nísia e Comte. Na Igreja da Humanidade — ou Apostolado Positivista do Brasil — no Rio de Janeiro, encontram-se as sete cartas que Comte dirigiu a Nísia Floresta. E, na Maison d'Auguste Comte, em Paris, estão as assinadas por Nísia para o filósofo, num total também de sete cartas. Curiosamente, a primeira e a última foram escritas no mês de agosto, perfazendo um ano de convivência epistolar.

Esta correspondência, que pela primeira vez foi traduzida e reunida numa publicação, poderia ser considerada, numa leitura apressada, apenas manifestações de cortesia, de agradecimento, expressões de pêsames, ou de notícias sobre a saúde. Mas ela nos revela muito mais. O conjunto de cartas trocadas por Nísia e Comte, revela, principalmente, uma rara oportunidade de conhecê-los um pouco mais e de vislumbrarmos as particularidades da amizade que os unia, feita de admiração e respeito intelectual. Á medida que as cartas se tornam freqüentes, elas deixam transparecer uma valiosa dimensão confessional e também inúmeros pormenores, tanto biográficos como relacionados ao pensamento positivista. Os emissores vão se expondo com relativa naturalidade, inclusive como não deviam fazer na presença física do receptor, e as opiniões parecem surgir espontâneas, sem maiores cuidados. O fato de os escritores irem fragmentariamente se expondo, faz com que sua correspondência se torne, também, em um precioso documento de sua biografia. Muitas informações, que encontramos de forma despreocupada nas cartas, sabemos, podem iluminar aspectos obscuros ou pouco conhecidos da história intelectual e pessoal do escritor e, mesmo, da história de sua época.

Ouçamos Nísia Floresta, em carta datada de 19 de agosto de 1856:

Senhor,

Uma leve indisposição que me acometeu no dia seguinte àquele em que tive o prazer de vê-lo e o estado de saúde de minha filha querida, que depois se agravou, me impediram de ir, tão logo quanto o desejara, exprimir-lhe, de viva voz, minha gratidão pela felicidade de que o senhor me fez desfrutar ao me enviar sua fotografia. Oferecida pelo senhor mesmo, ela se torna duplamente preciosa à estrangeira (...).3

Na penúltima carta de Comte, de 24 de agosto de 1857, por exemplo, a mais longa, temos várias referências à amizade que devotava à "nobre viúva brasileira" e à doença que logo o vitimaria, assim como à sua descrença pelos médicos e pela medicina. Temos também, a veemente contestação do autor pelas preocupações e conselhos de Nísia para que se cuidasse mais, por julgá-los infundados e desnecessários, e acreditar firmemente que o corpo se recuperaria por si, sem a necessidade de nenhum medicamento. Aliás, parece ter sido a escritora brasileira a última pessoa a receber cartas do filósofo, antes de seu falecimento.

Minha Senhora,

Em resposta à sua carta, muito afetuosa, porém pouco judiciosa, posso limitar-me a desenvolver a minha profunda convicção de que, se me tivesse infelizmente submetido às preocupações vãs emanadas da ciência falaz das ‘notabilidades médicas’, estaria atualmente morto. Sr. Audiffrent, que veio generosamente de Marselha para certificar-se sobre o meu estado, admitiu por completo esta opinião; deixou-me na última segunda feira, depois de doze prolongadas visitas diárias, plenamente tranqüilizado quanto à minha convalescença longa e trabalhosa, porém já certa e gradual, dentro de um mês ela acabará lá para os fins de setembro, sem a menor intervenção medical. (...)

Depois de me haver libertado da teologia, da metafísica e mesmo da ciência, conservando somente delas o que cada uma tem de incorporável ao positivismo, emancipei-me finalmente da medicina; o que não podia ter lugar pelos melhores discursos, porem por uma conduta decisiva, num caso verdadeiramente grave. 4

Também através desta correspondência de Nísia Floresta e Comte é possível saber, por exemplo, que, em 5 de abril de 1857, Nísia fez uma visita ao túmulo de Clotilde de Vaux, a grande musa inspiradora de Comte, e lhe dedicou um texto emocionado e elogioso que muito comoveu o filósofo, conforme ele mesmo confessa em outra carta. A importância deste escrito pode bem ser avaliada quando se sabe que foi guardado separadamente, com os documentos mais íntimos e prezados pelo próprio filósofo.

Quando sabemos que, nos arquivos da Maison d'Auguste Comte, existem cartas de apenas duas mulheres dirigidas ao filósofo — precisamente de Nísia Floresta e de Clotilde de Vaux, mais importância estas cartas adquirem. Elas se tornam, sem dúvida, em legítimo documento que elucida e testemunha um especial momento da história intelectual francesa e brasileira.

Mas, é preciso confessar, a relação entre Nísia Floresta e o Positivismo sempre me intrigou. Havia uma contradição, a meu ver, entre a Nísia feminista e aquela filosofia conservadora, que pretendia ser também religião. Todos que escreveram sobre a autora, desde fins do século XIX, pareciam fazer questão de destacar aquela amizade, como se isso fosse muito importante para a valorização de Nísia. Mas, observando tudo isso hoje, verificamos que, na verdade, o que ocorreu foi uma apropriação do discurso nisiano, para atender aos interesses positivistas.

Se buscamos nos escritos de Nísia Floresta os testemunhos de sua adesão a esta filosofia, veremos que eles são reduzidos, pois muitas das posições que assumiu — como a defesa da mulher, da abolição e da educação feminina — eram bandeiras que extrapolavam os ditames positivistas e pertenciam também a outras correntes de pensamento. Em meados do século XIX, quando Nísia Floresta chegava à Europa, o "espírito de 48" estava na ordem do dia. Este espírito contaminava a todos, e divulgava um vocabulário novo — romântico e revolucionário — em torno dos conceitos de "solidariedade", "humanidade", "povo", "fraternidade". As palavras-chave de então eram liberalismo, nacionalismo e socialismo. Vivia-se sob o império das utopias, pois, todos, de uma forma ou de outra, queriam mudar o mundo, as pessoas, as instituições. Assim, quando Nísia Floresta chega à Europa, os principais filósofos, como Saint-Simon, Fourier, Bazard e Robert Owen, alardeavam sua confiança no progresso vislumbrando aos leitores um futuro diferente para as classes sociais, até então exploradas e inconscientes. E os escritores tomavam partido e aderiam às novidades.

Em 1851, ao publicar o Sistema de política positiva, Comte lançava os fundamentos da "Religião da Humanidade", em que ele era o Sumo Sacerdote, e que pretendia o aperfeiçoamento moral e intelectual dos homens. A partir da inspiração de Clotilde de Vaux — modelo de feminilidade regenerada e perfeitamente pura —, ficava reservado à mulher um "lugar de honra" nesta doutrina, tendo em vista sua "superioridade moral e afetiva", e a constituição da família (junto com a pátria) como o verdadeiro centro da unidade moral e social entre os povos. Para que ela — a mulher — pudesse se dedicar apenas ao lar, cabia ao homem sustentá-la e ampará-la, poupando-a de todo e qualquer desgaste nas questões que extrapolassem os muros domésticos.

A doutrina positivista propunha, ainda, uma completa reforma social através da educação, partindo de uma nova mentalidade altruística para organizar uma sociedade pacífica e industrial. A superioridade feminina devia-se a uma suposta supremacia moral, afetiva e social e por ela ser capaz, no desempenho de seus papéis, de maiores provas de altruísmo. O Positivismo adquiria, assim, foros de uma idéia novíssima e, como o pensamento socialista, pontificava nas publicações da época empolgando e arrebanhando parte da elite intelectual burguesa mais jovem.

Dentre as publicações da escritora que costumam ser citadas como afinadas com o pensamento positivista, estão, primeiro, uma Lettre au Brésil, surgida numa revista francesa (Ideal dos Povos, n. 3, de 1856), ao lado de uma colaboração de Auguste Comte; o Opúsculo humanitário (1853), que condena os erros seculares da formação educacional da mulher, não só no Brasil como em diversos países. Quando conhece o filósofo, em 1856, ela ofereceu um exemplar deste livro, com uma dedicatória nos seguintes termos:

Ao Grande Mestre da Humanidade, o profundo filósofo M. A. Comte,

a homenagem da Autora,

Brasileira Augusta.

Há, ainda, o texto “Um passeio no Jardim de Luxemburgo", de 18595, que reflete sobre a mulher e a educação da juventude. Mas, não custa lembrar, desde a tradução livre que fez de Mary Wollstonecraft, que intitulou Direitos das mulheres e injustiça dos homens, de 1832, Nísia já defendia a superioridade feminina e o direito das mulheres ao estudo, ao trabalho e ao controle da própria existência. E em livros que se seguiram, ela contou a história da opressão da mulher no mundo e no Brasil.

Assim, ao anteciparmos que a adesão nisiana ao Positivismo havia sido apenas parcial e que mantinha alguns limites, considerávamos, de um lado, os elogios feitos por ela à doutrina e ao autor; de outro, a independência de pensamento que conservou, apesar da familiaridade com o filósofo. E nada mais coerente que a autora se identificasse com uma filosofia que vinha ao encontro de seus interesses e que enfatizasse a supremacia feminina, tal como ela mesma fizera anteriormente. O Positivismo e o Feminismo de então tinham pontos em comum, como a elevação do nível de instrução para o sexo feminino e a reivindicação de um ensino igualitário para homens e mulheres. Como se tratava de um feminismo avant la lettre, sem um corpo teórico estabelecido, nem condições de questionar a limitação dos papéis sociais femininos, as tarefas de esposa e de mãe terminam por se impor como sendo as funções primordiais da mulher..

Ao fazer a sua leitura do Positivismo e ao destacar nele os pontos que mais atendiam a seus interesses intelectuais, Nísia Floresta adquiriu um certo verniz positivista que enganou a muitos que viram aí uma adesão completa. Tanto foi apenas superficial esta identificação, que não se encontra em seus escritos nenhuma outra referência a Comte ou à sua filosofia que não esteja diretamente relacionada com a melhoria da condição feminina. Ela, portanto, navegou sim nas águas positivas, mas, em determinado momento — mais precisamente na definição de uma sociedade burguesa desenvolvida e moderna — enquanto a barca de Comte parece ir para um lado, a de Nísia Floresta buscava outros portos. A dele esbarra na intolerância ao questionamento de seus "dogmas"; e na contradição patente entre o princípio do amor — "viver para outrem" — e o do autoritarismo, a que se soma a disciplina despótica da "Religião da Humanidade". E termina por naufragar quando prega o princípio de força como o fundamento necessário ao governo, e nega o pacto social e a liberdade de consciência. A barca de Nísia — felizmente, é preciso confessar — passa ao largo dessas turbulências e re-encontra outros rumos que a leva em direção a um pensamento mais identificado com o liberalismo revolucionário.



Notas:

1 Para mais informações sobre o relacionamento entre Nísia Floresta e Comte, sugiro o capítulo ‘Vertentes de uma militância’, do livro Nísia Floresta: vida e obra, da pág. 183 a 198.

2 Cf. LINS. Ivan. História do Positivismo no Brasil. p. 21-22.

3 Cf. Cartas de Nísia Floresta & Auguste Comte. p. 63.

4 Cf. Cartas de Nísia Floresta & Auguste Comte, p. 93-94.

5 O ensaio, do livro Scintille d'un' anima brasiliana (Florença, 1859), foi também traduzido e publicado em português., sob o titulo Cintilações de uma alma brasileira. (Florianópolis: Editora Mulheres, 2000)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

DUARTE, Constância Lima. Nísia Floresta: vida e obra. Natal: Editora da UFRN, 1995.

FLORESTA, Nísia. Cartas de Nísia Floresta & Auguste Comte. Prefacio e notas de Constância Lima Duarte. Florianópolis, Editora Mulheres; Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.

LINS. Ivan. Nísia Floresta. História do Positivismo no Brasil. 2 ed. Capítulo II. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.





Catálogo: arquivo-morto -> edicoes anteriores -> anais14 -> Sem03
Sem03 -> As marcas da submissão em através da vida, de amélia bevilaqua
Sem03 -> Livro, leituras e leitores em braile
Sem03 -> Otávio Cândido da Silva Júnior Analistas de Desenvolvimento Agrário Formação e Capacitação, da Fundação Itesp
Sem03 -> Faces múltiplas de uma docente: a presença de júlia medeiros
Sem03 -> Ema bovary, leitora de romances
Sem03 -> Leitura, interdisciplinaridade e inserçÃo social: o ensino em ciências e saúde em foco
Sem03 -> Entre a leitora e a historiadora : um olhar à revista seleçÕes do reader’s digest1
Sem03 -> Denise Fujihara Piccoli Maria Rosa Rodrigues Martins de Camargo Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – unesp
Sem03 -> Escola e cultura: as representaçÕes dos professores sobre o erro na leitura
Sem03 -> A imagem da mulher no romance contemporâneo: uma leitura de a república dos sonhos, de nélida piñON


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal