O caminho para o alcorãO



Baixar 208.18 Kb.
Página1/6
Encontro30.07.2016
Tamanho208.18 Kb.
  1   2   3   4   5   6

O CAMINHO PARA O ALCORÃO



Capítulo 1: A jornada da vida
A realidade viva, eterna
O novo mundo que te espera
O que é o Alcorão?
Graça infinita e majestade
Obstáculos e perigos
Tilawah

Capítulo 2: Pré-requisitos básicos
Fé: a palavra de Deus
Pureza de intenção e objetivo
Mostrando gratidão e louvor
Aceitação e confiança
Obediência e mudança
Dificuldades e obstáculos
Confiança e dependência

Capítulo 3: Participação Interior
O que é o coração?
Dinâmica da participação interior
Estados de consciência
O critério corânico da participação interior
Na presença de Allah
Ouvindo Allah
Discurso direto de Allah
Cada palavra é para você
Conversa com Allah
Confiando e esperando as recompensas de Allah
Ações do doração e do corpo
Resposta do seu coração
Resposta da sua língua
Lágrimas nos seus olhos
Posturas corporais
Lendo com Tartil
Auto-purificação
Buscando a ajuda de Allah (Du’a)
Proteção de Allah
Em nome de Allah
Procurando as bênçãos do Alcorão
Outra bela Du’a
Orações gerais
Ler com compreensão
Capítulo 4: Estudo e Compreensão
Importância e necessidade
Estudo pessoal
Argumento contra o estudo
A ênfase corânica
A prática inicial
Os riscos do estudo pessoal
Categorias da compreensão
Tadhakkur
Tadabbur
Suas intenções
Graus e formas de compreensão
Exigências mínimas
Árabe
Ler todo o Alcorão
Ler trabalhos de Tafsir
Estudo de trechos selecionados
Ler repetidas vezes
Mente curiosa
Auxílios para estudo
Como estudar
Como entender significados
Princípios gerais
Compreenda como uma realidade viva
Compreenda como uma mensagem para você
Compreenda como parte de um todo
Compreenda-o como um texto unificado coerente
Compreenda com todo o seu ser
Compreenda o que o Alcorão lhe diz
Fique com o consenso
Compreenda através do critério corânico único
Entenda o Alcorão pelo Alcorão
Compreenda com o Hadith e a Sirah
Linguagem
Orientações metodológicas
Estudando palavras
Contexto
Pano de fundo histórico
Significado “original”
Traduzindo para a sua situação
Significados irrelevantes e longínquos
Nível de conhecimento e de inteligência
Conhecimento humano atual
O que você não pode entender
Vida do Profeta


Capítulo 5: Estudo Coletivo
Importância e necessidade
Formas de estudo coletivo
Quatro regras básicas
Estudo em círculo
Participantes
Como conduzir um estudo em círculo
Dars
Preparação
Como falar


Capítulo 6: Vivendo o Alcorão
Obedecendo o Alcorão
Cumprindo a missão do Alcorão


Prefácio

Diz Allah, subhanaha wa ta'ala, “ Se tivéssemos feito descer este Alcorão sobre uma montanha, tê-la-ias visto humilhar-se e fender-se, por temor a Allah”. Então como pode um ser humano, sozinho e com tão pouco conhecimento e impureza espiritual, pretender indicar o caminho para a majestade, a misericórdia, a beleza e a sabedoria que estão no Alcorão? O que me animou, contudo, foi o persistente empurrão de muitos amigos que sentiam que o que eu compartilhei com eles deveria ser compartilhado com mais pessoas. Mas a força e a coragem reais vieram da promessa de Allah: Aqueles que se esforçarem pela Nossa causa, certamente os guiaremos em Nossos caminhos. E as palavras do Profeta (saas): “Transmita em meu nome, mesmo que seja um versículo, e o melhor dentre vocês é aquele que aprende o Alcorão e o ensina ”, parecem fazer disso quase um dever a ser cobiçado.

Meu objetivo ao escrever este livro é bastante modesto. Este não é um trabalho de um acadêmico erudito. Não sou um mufassir, nem escrevo para especialistas. Não tenho a intenção de ensinar e orientar, pois não tenho pretensão alguma. Escrevo para os buscadores comuns, inexperientes e iletrados do Alcorão, especialmente homens e mulheres jovens, que se esforçam para cumprir seus desejos e compreender, absorver e viver o Alcorão, como eu mesmo faço. Escrevo para estudantes sobre coisas que eu mesmo estou aprendendo. Neste livro, portanto, escrevo como um viajante a outro, tentando dividir com ele tudo o que encontrei e aprendi de útil nos meus tropeços, com todas as minhas deficiências, ao longo da simples e recompensadora estrada do Alcorão. Estou certo de que eles, com sua grande sinceridade, devoção e competência, aperfeiçoarão o que apresentei aqui.

Este livro é produto de uma longa e ininterrupta busca. Seu conteúdo foi reunido em muitos anos de estudo. O começo deste livro está há mais de três décadas, quando comecei meu próprio esforço em viver pelo Alcorão, e quando assumi a tarefa de explicar como estudar o Alcorão para um grupo de jovens estudantes da minha confiança. A maior parte do que eu disse então, devo a um pequeno número de fontes: Tafdsari Fardhi, de Hamiduddin Farahi; Tafhimul Qur'an, de Sayyid Mawdudi; Tadabburi Qur'an, de Amin Ahsan Islahi; Ihya' 'Ulum al-Din, de al-Ghazali; Hujjah-Allah al-Balighah e al-Fawz al-Kabit fi Usul al-Tafsir, de Shah Waliullah, e al-Iqtan fi 'Ulum al-Qur'an, de Suyuti. Por todo o conteúdo desses livros, continuo a ter uma dívida de gratidão. E devo confessar e assinalar que, nenhum desses autores são responsáveis por meus próprios erros de compreensão e de apresentação. A primeira oportunidade que tive de pôr meus pensamentos no papel foi em 1977, quando escrevi uma pequena introdução para a tradução do Alcorão por Yusuf Ali, publicado pela Fundação Islâmica "The Way to the Qur'an".

Este livro nasceu de certas convicções permanentes. E mesmo que estejam todas explicadas neste livro, será mais útil relembrar e resumir algumas delas aqui:

Primeiro, nossas vidas permanecerão sem sentido e arruinadas, ao menos que sejam guiadas pelo Alcorão, a palavra de Deus.

Segundo, o Alcorão, sendo a eterna orientação dada pelo Deus Eterno, é tão relevante para nós hoje quanto foi há quatorze séculos atrás, e será relevante por todo o sempre.


Terceiro, temo, quase o direito, em certo sentido, de receber suas bênçãos hoje como receberam os seus primeiros crentes; contanto que, logicamente, o busquemos e ajamos de modo que possamos dividir seus ricos resultados.

Quarto, todo muçulmano tem o dever de devotar-se à leitura, à compreensão e à memorização do Alcorão.

Quinto, devemos nos abandonar totalmente, em pensamento e ação, ao que o Alcorão tem para oferecer. Qualquer orgulho, arrogância, senso de auto-suficiência, reserva ou ingenuidade que possam ser erradamente lidos nele, são fatais para a sua compreensão, e podem fechar as portas para as suas bênçãos.

Seis, o caminho do Alcorão é o caminho da auto-rendição, da prática do que ele lhe pede, mesmo que se aprenda apenas um versículo.

Um versículo aprendido e levado à ação, é melhor do que mil versículos explicados belamente, mas que não concedem qualquer beleza à vida do leitor. Obediência, acima de tudo, é a verdadeira chave da compreensão.

Há sete capítulos neste livro. Cada um deles lida com um aspecto diferente da jornada. O primeiro trata do significado da jornada para as nossas vidas; o segundo, das provisões que devem ser reunidas nos nossos corações e mentes antes de começar; o terceiro, de quais posturas e ações do coração, da mente e do corpo são necessárias para o envolvimento completo do seu interior; o quarto, de quais regras, devem ser seguidas na leitura; o quinto, do por quê e de como entender; o sexto, de como empreender um estudo coletivo; e o sétimo, da necessidade essencial de oferecer nossas vidas ao cumprimento da missão corânica. O que o Profeta (saas) disse sobre algumas partes específicas do Alcorão foi reunido em um apêndice. Outras sugerem alguns planos de ensino para estudos pessoais e coletivos, que muitos poderão achar úteis. Alguns auxílios de estudo também estão incluídos.

Este não é um livro que pode ser guardado depois de uma leitura apressada, ao menos que alguém não goste do que ele diz, ou não o ache útil. Aqueles que precisam de um livro como esse e vêem utilidade nele, espero, acharão necessário tomar bastante tempo em cada parte, e lê-lo repetidas vezes. Para esses eu gostaria de dizer: faça dele o seu companheiro contínuo.

Você verá que deve estudar algumas coisas com cuidado, terá que guardar algumas na memória, a outras terá que recorrer constantemente. Mas somente o que praticar será útil para você. O que este livro faz é demarcar a estrada e erigir os sinais necessários para marcar o caminho, dar orientação, advertir, acautelar e proibir, se necessário. Ainda assim você deve equipar-se com um veículo, abastecê-lo, ir para a estrada e dirigir. Nada neste livro pode substituir o seu próprio desejo interior e a sua determinação e persistência.

Uma palavra especial sobre os perigos e precauções, sobre a aceitação e a utilização do que foi dito aqui estão em cada parte do livro. Elas são importantes. Sempre as tenha em mente, esteja você tentando entender o Alcorão sozinho, usando do plano de estudos, ou agindo por outros meios.

Dei grande ênfase à necessidade urgente dos esforços pessoais de cada muçulmano em tentar entender o Alcorão. Para mim, esta é a exigência fundamental do Alcorão. Estive, contudo, atento às armadilhas dessa estrada, e tentei apontá-las. A esse respeito, quero que você mantenha sempre com você as palavras atribuídas a Sayyidina Abu Bakr: “Que terras me sustentarão e que céus me protegerão se disser algo que seja minha opinião pessoal na interpretação do Alcorão?” Isso sempre teve um efeito de sensatez e firmeza em mim: você também deve tirar proveito disso.

Estamos vivendo em uma época em que a necessidade de centralizar as nossas vidas no Alcorão é mais urgente e obrigatória. Sem isso, nós muçulmanos nunca redescobriremos a nós mesmos, nem daremos significado à nossa existência e nunca acharemos dignidade neste mundo. Mais importante, nunca agradaremos o nosso Criador e Senhor. Sem o Alcorão, a humanidade também continuará a escorregar para o abismo da total extinção.

Há, hoje, um rápido crescimento da compreensão dessa urgência entre os muçulmanos. O desejo de entender o Alcorão e de viver por ele têm se difundido. A tendência do renascimento islâmico é tanto um produto quanto um estímulo desse desejo.

Durante estes dias cruciais, se este humilde esforço acender em alguns corações o desejo de começar a jornada através do Alcorão, uma jornada por toda a vida, e se servir de companhia, meu trabalho será amplamente recompensado. Entretanto, serei beneficiado somente se Allah perdoar todos os meus erros na intenção e na compreensão, e abençoar esse esforço com a Sua aceitação. Àqueles que se beneficiarão deste livro, meu apelo é: não se esqueça de mim nas suas orações.

Capítulo 1: A Jornada da Vida

A realidade viva, eterna.

O Alcorão é a palavra do Deus Eterno; ele foi enviado para guiar o homem nos tempos que estavam por vir. Nenhum livro pode ser assim. Quando você busca o Alcorão, Allah fala a você. Ouvir o Alcorão é ouvi-Lo e até mesmo conversar com Ele, e andar nos Seus caminhos. É o encontro da vida com o Doador da Vida. "Allah! Não há divindade além d'Ele, o Vivente, o Auto-Suficiente. Ele te revelou (ó Mohammad) o Livro com a verdade corroborante dos anteriores, assim como havia revelado a Torá e o Evangelho." (Al Imran 3: 2-3)

Para aqueles que o ouviram isso pela primeira vez dos lábios do Profeta (saas), o Alcorão era uma realidade viva. Eles não tinham dúvidas de que, através dele, Allah lhes estava falando diretamente. Seus corações e mentes foram apanhados por ele. Seus olhos inundaram-se de lágrimas e seus corpos tremeram. Achavam que cada palavra dele era profundamente relevante para suas preocupações e experiências, e o integraram por completo em suas vidas. Foram totalmente transformados por ele, tanto individualmente como num corpo coletivo, em uma totalmente nova, viva e inspiradora entidade. Aqueles que pastoreavam ovelhas, criavam camelos e faziam um comércio mesquinho tornaram-se os líderes da humanidade.

Hoje temos o mesmo Alcorão conosco. Milhões de cópias dele estão circulando. Dia e noite, é incessantemente recitado. Em casas, mesquitas e púlpitos. Há volumosos trabalhos de exegética, expondo seus significados. Vertem-se palavras sem limites para explicar seus ensinamentos e para exortar-nos a viver através dele. Ainda assim, olhos permanecem secos, corações permanecem duros, mentes permanecem intocadas e vidas permanecem inalteradas. A ignomínia e a degradação parecem ter tomado montes de seguidores do Alcorão. Por quê? Porque já não lemos o Alcorão como uma realidade viva. Ele seria um livro sagrado, mas nos contaria algo do passado somente, concernente a muçulmanos e descrentes, judeus e cristãos, fiéis e hipócritas, que "existiram há muito tempo atrás".

O Alcorão não pode tornar-se vivo, ter força relevante e ser poderoso para nós agora, 1400 anos depois, como era naquele tempo? Esta é a questão mais crucial que devemos responder se desejarmos moldar nosso destino mais uma vez sob a orientação do Alcorão.

Mas parece que há algumas dificuldades. Ao menos pelo fato do Alcorão ter sido revelado em certo ponto do tempo. Desde então percorremos um longo caminho, fizemos um gigantesco avanço tecnológico, e vimos mudanças sociais consideráveis tomarem lugar na sociedade humana. Além disso, a maior parte dos seguidores do Alcorão não conhecem o árabe, e muitos dos que o conhecem têm uma pequena idéia da linguagem "viva" do Alcorão. Não podemos esperar que eles absorvam seu idioma e suas metáforas, tão essenciais para explorar e absorver as profundezas do significado corânico.

Sua orientação ainda possui, pelas suas próprias afirmações, relevância eterna para todas as pessoas, pois é a palavra do Deus Eterno.

Pela veracidade da sua afirmação, parece-me, é possível receber, experimentar e entender o Alcorão da mesma forma que os seus primeiros recebedores, ao menos em algum e grau. Parecemos ter quase direito a essa possibilidade de receber a orientação de Deus em sua plenitude, com todas as suas riquezas e alegrias. Em outras palavras, apesar do incidente histórico da revelação numa linguagem específica e num tempo e espaço determinados, deveríamos ser capazes de receber o Alcorão agora (por causa da sua mensagem eterna), capazes de fazer da sua mensagem uma parte bastante real das nossas vidas, como foi para os primeiros crentes, e com a mesma urgência e profunda relevância para todas as nossas experiências e preocupações presentes.

Mas como faremos isso? Para sermos francos, somente acolhendo as palavras do Alcorão como se Allah estivesse falando a nós hoje e agora, e cumprindo as condições necessárias para tal encontro.

Em primeiro lugar, devemos ver o Alcorão como palavra de Deus e pensar sobre o que ele significa para nós, e trazer toda reverência, amor, e desejo para agir conforme essa percepção exige. Em segundo lugar, devemos lê-lo como ele pede para ser lido, como o Mensageiro de Allah nos instruiu, como ele e seus Companheiros o leram. Em terceiro lugar, devemos trazer cada palavra do Alcorão para nossa própria realidade, e preocupar-nos em transcender as barreiras do tempo, da cultura e das mudanças.

Para seus primeiros recebedores, o Alcorão foi um evento contemporâneo. Sua linguagem e seu estilo, sua eloqüência e sua racionalidade, seu idioma e suas metáforas, seus símbolos e parábolas, seus momentos e eventos foram todos encaixados no cenário adequado. Essas pessoas foram testemunhas e, em certo sentido, participantes de todo o ato da revelação e do seu desenrolar em sua própria época. Nós não temos o mesmo privilégio; mas há a mesma obrigação dele ser verdadeiro para nós.

Ao entender e obedecer o Alcorão em nosso próprio tempo, nós perceberemos, na medida do possível, os eventos contemporâneos como eram percebidos naquela época. A essência do homem não mudou; é a mesma. Apenas as suas externalidades - as formas, modos, tecnologia - mudaram. Os pagãos de Meca talvez não existam mais, nem os judeus de Yathrib, nem os cristãos de Najran, nem mesmo os crentes e descrentes da comunidade de Medina; mas os mesmos tipos existem ao nosso redor. Somos seres humanos da mesma forma que os primeiros destinatários foram, mesmo que muitos achem extremamente difícil lidar com as profundas implicações dessa simples verdade.

Uma vez que você percebe estas verdades e as segue, uma vez que você busca o Alcorão como os primeiros crentes, ele pode revelar-se para você como revelou-se para eles, tornar-se teu companheiro como tornou-se para eles. Só então, a despeito de ser um mero livro revelado, um fóssil sagrado, ou um tipo de mágica abençoada, ele se tornará uma poderosa força, colidindo-nos, agitando-nos, movendo-nos e guiando-nos numa grande e profunda realização, como já fez no passado.

O novo mundo que te espera

Assim que você buscar o Alcorão, virá para um novo mundo. Nenhuma aventura na sua vida poderá ser tão significativa e crucial, tão bem-aventurada e recompensadora, como sua jornada através do Alcorão.

É uma jornada que o tomará de infindáveis alegrias e riquezas através das palavras que teu Criador e Senhor enviou para a você e a toda a humanidade. Ali você encontrará um mundo de inenarráveis tesouros de conhecimento e sabedoria para te guiar nos caminhos da vida e moldar seus pensamentos e ações. Nele você encontrará profunda compreensão que o enriquecerá e orientará ao longo da senda reta. Dele você receberá uma luz radiante que iluminará os limites profundos da sua alma. Ali você encontrará profundas emoções, o calor que fundirá seu coração e que o fará lágrimas sobre sua face.

Isto é crucial para você porque, na sua viagem através do Alcorão, a cada passo que der, será intimado a escolher e a entregar-se a Allah. Ler o Alcorão não é menos do que viver o Alcorão pronta, sincera, devota e totalmente. Os resultados de toda a sua vida dependem do cuidado com que você recebe o chamado de Deus. A jornada é, portanto, decisiva para a sua existência, para a humanidade e para o futuro da civilização.

Uma centena de novos mundos encontram-se nestes versos.


Séculos inteiros estão envolvidos em seus momentos.

Saiba, portanto, que é o Alcorão, e apenas o Alcorão, que pode te seduzir e te levar ao sucesso e glória neste mundo e no mundo vindouro.

O que é o Alcorão?

Está além do poder humano compreender ou descrever a grandiosidade e importância do conteúdo do Alcorão. Portanto, para começar, você deve ter idéia do que isto significa para você, do quão inspirado você está para mergulhar por inteiro no Alcorão, em total confiança, completa dedicação e incansável perseguição, como ele exige.

O Alcorão é a maior bênção de Allah para você. Ele é o cumprimento da Sua promessa a Adão e seus descendentes: "Quando vos chegar de Mim a orientação, aqueles que seguirem a Minha orientação não serão presas do temor, nem se angustiarão." (Al Bácara 2:38). Esta é a única arma que ajudará sua frágil existência quando lutar contra as forças do mal e contra a tentação deste mundo. É a única maneira de dominar seu medo e ansiedade. É a unica luz (nur) que vai encontrar para ter sucesso e salvação quando estiver caminhando no escuro. É a única cura (shifa') tanto para sua doença interior quanto para as doenças sociais que te cercam. É a lembrança constante (dhikr) da sua verdadeira natureza e destino, da sua posição, das suas obrigações, das suas recompensas e dos seus obstáculos.

Ele foi trazido por aquele que é poderoso e verdadeiro - honrado nos céus - o anjo Gabriel. Sua primeira morada foi em um puro e sublime coração, aquele que o homem nunca teve - o coração do Profeta Muhammad (saas).

Mais do que nunca, ele é o único caminho para se chegar mais perto do Deus Criador. O Alcorão nos fala sobre Ele, sobre Seus atributos, sobre como Ele governa o cosmos e a história, sobre como ele Se revela a você, e sobre como você pode se revelar a Ele, a si mesmo, aos seus companheiros e a qualquer outro ser vivo.

As recompensas que te esperam certamente são muitas, multiplicando-se no Além, mas o que te espera no fim do caminho, promete Allah no Hadith qudsi, "os olhos não podem ver, os ouvidos podem não ouvir, nem o coração do homem conceber", e, acrescenta Abu Hurayrah (leia, se quiser, al-Sajdah 32:17): "Nenhum homem pode imaginar que alegrias estão sendo escondidas dele, em recompensa por tudo o que tiver feito" (Bukhari, Muslim).


Graça infinitas e majestade

O mais importante a ser lembrado é que o que você lê no Alcorão é a palavra de Allah, o Senhor dos mundos, que Ele transmitiu em linguagem humana, por causa da Sua misericórdia e cuidado por nós. "O Clemente, ensinou o Alcorão" (ar Rahman 55:1-2). "Como misericórdia do teu Senhor" (ad Dukhan 44:6). A majestade do Alcorão é tão poderosa que nenhum ser humano pode compreendê-la. Diz Allah: "Se tivéssemos feito descer este Alcorão sobre uma montanha, tê-la-ias visto humilhar-se e fender-se, por temos a Allah." (Al Haxr 59:21).



Este ato de graça divina e majestade é o suficiente para causar admiração, para inspirar grande gratidão, desejo e esforço para mergulhar no mundo do Alcorão. Na verdade, nenhum tesouro é mais valioso e precioso para você do que o Alcorão, como Allah nos diz generosamente:

"Ó humanos, já voz chegou uma exortação do vosso Senhor, a qual é um bálsamo para a enfermidade que há em vossos corações, e é orientação e misericórdia para os crentes. Dize: Pela graça e a misericórdia de Allah, eles se contentam! Isso é preferível a tudo quanto entesourarem." (Yunis 10: 57-58).


Obstáculos e perigos

Você deve se alegrar pela misericórdia, bênçãos e generosidade de Allah. Você deve procurar pelos tesouros que te esperam nessa busca. Mas o Alcorão abre suas portas somente àqueles que batem nela com ansiedade, sinceridade de propósito e uma atenção exclusiva, condizente com sua importância e majestade. E somente aqueles que estão aptos a ganhar seus tesouros, enquanto estão nesse caminho, que estão preparados para abandonar a si mesmos completamente para a sua orientação e que dão o máximo para absorvê-lo.

Talvez haja uma possibilidade de isso acontecer se você puder ler o Alcorão eternamente, voltar-se para suas páginas laboriosamente, recitar suas palavras lindamente e estudá-lo com mais erudição, e ainda assim será insuficiente para encontrar-se com ele de forma que você seja enriquecido e transformado por inteiro. Todos aqueles que lêem o Alcorão não procedem como deveriam. Alguns permanecem sem bênçãos, alguns são até mesmo amaldiçoados.

A jornada tem seus próprios riscos, mas também suas próprias recompensas preciosas e sem limites. Muitos nunca chegaram perto disso, mesmo que o Livro estivesse sempre em suas mãos, e muitos são afastados de seus portões. Muitos o lêem freqüentemente, mas permanecem vazios; enquanto muitos outros que o lêem nunca entram realmente em seu mundo. Muitos não o encontram, muitos se perdem. Falharam em ouvir a Deus nas palavras dEle; apesar disso, ouvem suas próprias vozes, e as vozes de outros além de Deus. Outros, ainda que ouçam a voz de Deus, falham em achar dentro de si mesmos o desejo, a decisão e a coragem para responder e viver por Seu chamado. Alguns perderam até mesmo o que tinham e, apesar de colecionarem pedras preciosas, voltam com uma opressiva carga de pedras que os ferem para todo o sempre.

Que trágico infortúnio seria se você buscasse o Alcorão e voltasse vazio, com sua alma intocada, seu coração duro, sua vida inalterada; "foram embora como vieram".

As bênçãos do Alcorão são ilimitadas, mas o proveito que você pode tirar dele depende inteiramente da capacidade e da adequação do receptáculo que você trouxer. Por isso, no início, fique mais profundamente atento para os significados do Alcorão e para o que ele te pede, tenha uma solene determinação em recitar o Alcorão de maneira apropriada, e talvez você possa ser contado entre "aqueles a quem concedemos o Livro e recitam-no como ele deve ser recitado. São os que acreditam nele." (Al Bácara 2:121)


Tilawah


Tilawah é a palavra que o Alcorão usa para descrever o ato da sua leitura. Nenhum palavra em português pode transmitir seu significado completo. "Seguir" aproxima-se do seu significado primário. Ler é apenas um significado secundário, pois na leitura as palavras seguem-se umas às outras, uma ao lado da outra, em uma ordenada e significativa seqüência. Se uma palavra não seguir a outra, ou se a sua seqüência não for observada, o significado é destruído.

Então, primariamente, tilawah significa ficar lado a lado, avançar, fluir numa seqüência, perseguir, tomar um guia, líder, mestre, modelo, aceitar a autoridade, esposar a causa, agir, andar atrás, praticar um estilo de vida, entender, seguir a linha de pensamento - ou seguir. Ler o Alcorão, entender o Alcorão, seguir o Alcorão - é assim que aqueles que afirmam ter fé nele agem em relação a ele.

Tilawah, ou recitação, é um ato no qual toda a sua pessoa, alma, coração, mente, língua e corpo participam. Conseqüentemente, toda a sua existência acaba envolvida. Na leitura do Alcorão, mente e corpo, razão e sentimento, perdem sua distinção: eles se fundem. Enquanto a língua recita e as palavras fluem dos lábios, a mente pondera, o coração reflete, a alma é absorta, lágrimas brotam dos olhos, o coração estremece, a pele arrepia-se da mesma forma que o coração; não permanece dualidade alguma entre os dois, mesmo que você tenha cabelos ou não. E "... por ele, arrepiam-se as peles daqueles que temem seu Senhor (...) Tal é a orientação de Allah, com a qual encaminha quem Lhe apraz." (Az Zúmar 39:23)

Só então você colherá toda a safra de bênçãos que te aguardam no Alcorão. Só então o Alcorão lhe abrirá as portas. Só então ele habitará dentro de você. Nove meses passados no ventre da sua mãe transformaram uma gota de liquido (coágulo) em "você" - pensando, vendo e ouvindo. É possível imaginar o que uma vida passada com o Alcorão - buscando, ouvindo, vendo, pensando, esforçando-se - pode fazer por você? Ele pode fazer de você um ser humano novo - para o qual até mesmo os anjos sentirão orgulho de se ajoelhar. A cada passo dado com o Alcorão e cada momento passado ao lado dele o farão alcançar grandes alturas. Você será contaminado pelo poder e beleza que emanam do Alcorão.

De Abdullah Ibn 'Amr Ibn al-'As: O Profeta (saas) disse: "No último Dia, será dito a quem recitara o Alcorão: “Começa a recitar e a ascender pelos elevados escalões do Paraíso. Recita tal como recitavas em vida, pois o teu lugar será concorde ao derradeiro versículo que leres!” (Abu Da'ud, Tirmidhi, Ahmad, Nasa'i).



  1   2   3   4   5   6


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal