O destino de eneias



Baixar 47.69 Kb.
Encontro25.07.2016
Tamanho47.69 Kb.

UFPB-PRG XII Encontro de Iniciação à Docência



2CCHLADLCVMT04


O DESTINO DE ENEIAS

Maíra Fonseca Costa(1); Milton Marques Júnior(3)

Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes/Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas/

MONITORIA



RESUMO
Eneida, de Virgílio, é um poema épico e foi escrita no século I a.C. Sua obra retoma asaracterísticas da tradição grega da poesia épica. Apresenta a Invocação, Proposição,Narração e o Epílogo. No decorrer da narrativa, observamos a busca de Eneias pela confirmação de seu destino, a construção de uma nova Troia, que será as bases da futura

Roma. No Livro II da obra, podemos ter conhecimento da destruição de Troia e de como o herói troiano conhece o seu destino e isso é reafirmado ao longo do Livro. Entretanto, para que

possamos entender o segundo Livro, dentro da obra, temos que abordar os Livros I e III, visto

que esses três Livros estão diretamente ligados. Após a contextualização do início da Eneida,

seguiremos com a análise dos augúrios encontrados no segundo Livro e de como eles convocam Eneias para sair em busca do seu destino.
Palavras-chave: Eneias, destino, Livro II
INTRODUÇÃO
A Eneida, de Virgílio, é uma obra clássica rica em inúmeros aspectos. A sua própria criação, inspirada no modelo grego de poesia épica, engrandece o seu valor para nossa história e literatura. Encontramos inúmeros estudos retratando a obra como uma mistura da Ilíada e Odisséia, de Homero, grande poeta grego. É verdade que podemos fazer essa relação, entretanto, a Eneida vai além. Não se trata de uma simples reprodução com troca de personagens. Virgílio usa, sim, referências das duas obras gregas, e de outras também. Através de mitos encontrados nas obras gregas, o autor latino em questão aproveita para exaltar a glória romana e concretizar a tradição latina. Já existem vários estudos sobre obra e,

ainda assim, não é possível visualizar um esgotamento de pesquisas para a Eneida. A tentativa

aqui é de abordar um dos vários aspectos da obra.

Para narrar as origens de um império tão glorioso, Virgílio retoma a guerra entre gregos e troianos. Com a derrota iminente, o filho de Vênus é incumbido de perpetuar o povo troiano. Temos então como argumento da Eneida: a fundação de uma nova Troia, futura Roma, pelo herói escolhido pelos deuses, Eneias. A epopéia é constituída por doze livros que mostrarão as provações, as guerras e os rituais pelos quais Eneias passará para que, enfim, atinja o seu objetivo, o seu destino. O presente trabalho intenciona fazer um estudo do Livro II da Eneida, priorizando os presságios sobre o destino (já traçado) do herói Eneias, levando em conta as características do poema épico. A edição utilizada é uma tradução de Tassilo Orpheu Spalding, como consta em nossas referências.


Revelação e Reafirmação do destino de Eneias: Livros I, II e III da Eneida

A Eneida, de Virgílio, é um dos principais livros estudados na disciplina Literatura Latina. O poema latino foi escrito no século I a.C, com o intuito de exaltar a soberania de Roma e o seu imperador, de então, Otávio Augusto César. Virgílio busca o modelo de produção na literatura grega por esta apresentar uma forte tradição. Por ter um controle sobre o exército, alcançar uma prosperidade econômica e encerrar os conflitos internos, Otávio Augusto ofereceu a Roma um período de estabilidade denominada Pax Romana. Este fato dá a Roma uma glória, a qual Augusto deseja eternizar através da Eneida. A obra, que narra a peregrinação do herói troiano Eneias até chegar ao Lácio, é iniciada com a Proposição e a Invocação. Na Invocação temos a indicação de que Eneias é um herói assinalado pelos deuses para construir a nova Troia (base da futura Roma). Em seguida, o poeta aponta os motivos para que Juno (Hera na tradição grega) persiga os troianos. O rapto de Ganimedes, o julgamento de Páris, no monte Ida, e as três guerras Púnicas, que irão acontecer no futuro, são as causas da perseguição. Após o proêmio, o poeta inicia a narração. O momento da narrativa iniciada no livro I retoma a peregrinação de Eneias já iniciada, ou seja, a narrativa é in medias res. Nos livros II e III, Eneias, fazendo papel de narrador, conta em flash-back como os troianos chegaram a Cartago. O herói, que no primeiro livro encontra-se em Cartago, sofreu a fúria dos ventos de Éolo, a pedido de Juno. Parte de sua frota é destruída e ele, que partiu de Antandro (na Tróade) com vinte naus, chega ao litoral de Cartago com apenas sete de seus navios. Sua frota obteve auxílio de Netuno, que expulsa os ventos de seu território. Com o término da turbulência, o herói explora o lugar em que se encontra e dirige palavras de conforto e esperança para seu povo. Vênus, sua mãe, assistindo a todo sofrimento de seu filho, questiona Júpiter sobre o destino de Eneias. O pai dos deuses acalenta a filha e descreve toda a linhagem romana de Eneias a Júlio César e seu sobrinho-neto, depois filho adotivo, Otávio Augusto. É a reafirmação do destino do herói.

Posteriormente, Eneias, envolvido por uma nuvem (graças a Vênus), chega ao templo de Juno. Lá encontra um grupo de troianos, que havia se perdido, pedindo guarida a Dido, rainha de Cartago. Dido acolhe Eneias, que se revela, e os demais troianos. Vênus, aproveitando o interesse da rainha pelo herói, envia o Cupido disfarçado de Iulo, filho de Eneias, para favorecer o afeto da rainha cartaginesa pelo herói.

O Primeiro livro termina com a rainha oferecendo um banquete aos troianos. Dido, ludibriada pelas investidas do Cupido, pede que descreva como Eneias chega a sua cidade (ainda no Livro I).

O Livro II da Eneida nos mostra a narrativa da destruição de Troia. Observamos aqui uma narrativa em primeira pessoa. Temos, então, uma perspectiva do povo vencido sobre a destruição da cidade. O herói troiano conta aos cartagineses detalhadamente como se desencadearam os fatos que o levaram a Cartago. Eneias inicia a narrativa mencionando que os gregos não se encontravam mais na costa troiana e que os teucros acreditavam que eles haviam partido. Na verdade, os dânaos armaram um estratagema para derrotar seus inimigos.

O cavalo de Troia é construído para abrigar os guerreiros gregos e deixado nos portões troianos como uma oferenda para sanar uma ofensa cometida por Odisseu e Diomedes à deusa Minerva. Sínon é o grego enviado para persuadir os teucros sobre a suposta partida dos

dânaos e sobre o “presente” deixado. Quando o cavalo é introduzido na cidade, os gregos saem do cavalo, matam os guardas troianos e abrem os portões de Troia para que os demais

guerreiros fossem para o combate.

Com o início da batalha dentro da cidade, Eneias tem uma visão de Heitor. O filho de Príamo avisa a Eneias que Troia está sendo destruída. Através desse augúrio, Eneias recebe a missão de sair da cidade levando seus Penates à procura de novas terras onde fundará uma cidade. Entretanto, Eneias tem o impulso de ir ao combate e defender a Dardânia. Alguns guerreiros teucros se juntam a ele em direção aos dânaos. O grupo é então encaminhado ao palácio de Príamo. Lá Eneias presencia a morte do rei e seus familiares que se encontravam no local.

Ao ver a morte de Príamo, Eneias se lembra do próprio pai, e então, da esposa Creúsa e de seu filho, Iulo. Quando está retornando para sua casa, Eneias encontra Helena e deseja vingar Troia matando-a. Neste momento, Vênus o detém e mostra que a destruição de Troia é a vontade dos deuses. Assim, ela o protege e o leva de volta ao seu lar. Ao chegar a sua casa, o herói encontra Anquises, seu pai, relutante para deixar a cidade em chamas. Com os argumentos do pai, Eneias deseja novamente ir para a guerra. Creúsa lamenta e eles recebem um presságio: a cabeça de Iulo se incendeia e Anquises pede a Júpiter uma confirmação do presságio. Assim, eles ouvem um trovão e vêem uma estrela cadente. Com a confirmação de Júpiter, Anquises não resiste mais. Eneias carrega o pai, o qual leva os deuses Penates. Essa passagem demonstra a piedade e o respeito de Eneias. Ele deve levar as divindades, pois foi ele quem recebeu a tarefa de fazer isso, mas não pode carregá-los, pois está impuro devido aos combates por quais passou. Desta forma, Anquises carrega os Penates e Eneias leva Anquises, que é manco e tem dificuldade de locomoção, no colo.

Os teucros combinam um lugar de encontro fora da cidade e se distribuem por caminhos diferentes. Em certo momento, Vênus adverte o filho a respeito do perigo próximo.

Ao ser avisado, Eneias corre com o pai no colo, acompanhado por Iulo que segurava sua mão.

Quando chegam ao local escolhido, o herói percebe que sua esposa não os acompanhou. Assim, Eneias retorna para procurá-la e encontra a sombra de Creúsa. Esta pede ao marido que continue seu caminho sem ela, pois não é o destino da esposa o acompanhar. Desta forma, Eneias volta para o local onde deixara seu pai, filho e companheiros para, finalmente,

deixar Troia.

A partir do terceiro Livro podemos observar o início da viagem dos troianos em busca da terra destinada a ser uma nova Troia. Assim, os teucros se lançam ao mar sem ao certo saber onde ficaria essa terra prometida. Sabem apenas que se trata da Hespéria, as terras ocidentais. Logo os troianos chegam a uma terra, onde reinou Licurgo, a Trácia. Lá eles veem um prodígio que revela o fim de Polidoro, filho de Príamo. Assim, os teucros celebram o funeral de Polidoro e retornam ao mar para seguir viagem. Encontram, então, a “cidade de Apolo”, a ilha de Delos. No templo do deus, Eneias implora por respostas sobre o local onde devem construir a nova cidade. Apolo responde que o local que eles procuram já sustentou antepassados troianos. Anquises consulta sua memória e lembra que Teucro escolheu Creta como seu reino. Eneias conduz os troianos para essas terras e lá funda Pergaméia – Eneias é o mito fundador, pois além de fundar as bases da futura Roma, o herói funda cidades por onde passa. Lá se estabilizam quando, após um ano, são atingidos por uma peste. Os Penates revelam a Eneias que Creta não é o local de seu império e indicam o verdadeiro local para onde Apolo o aconselhou: a Hespéria. Eneias conta a seu pai o que os deuses haviam lhe revelado e Anquises recorda que Cassandra já os havia advertido sobre os reinos da Itália. Entretanto os teucros não deram créditos à sacerdotisa. Assim, novamente os troianos vão ao mar se dirigindo ao local indicado.

Em alto-mar, os troianos enfrentam uma grande tempestade ao ponto de não distinguirem o dia

da noite. Por três dias eles ficam em tal situação. No quarto dia eles avistam terra e se dirigem

para lá. O teucros se encontram nas Estrófades (ilhas do mar Jônio). Lá mora Celeno, a mais velha das Harpias, que profetiza o destino de Eneias. Ela provoca terror aos troianos com uma

profecia de que os troianos passariam muita fome e que comeriam as próprias mesas, antes de

verem revelada a terra que lhes fora prometida.

Após o fato ocorrido, os troianos lançam-se ao mar novamente e chegam na cidade de Butroto, no Épiro. Descobrem que Heleno, filho de Príamo, reinava sobre cidades gregas, possuía o cetro de Pirro (filho de Aquiles) e desposara Andrômaca. Eneias vai a Heleno questionar o seu destino. Heleno diz ao herói que ele ainda errará muito até que chegue à Hespéria. Eneias terá certeza de que se encontra nas terras as quais procura quando encontrar uma porca com trinta filhotes. Este é o seu sinal. Heleno apela, ainda, para que Eneias conquiste Juno e o aconselha a procurar a Sibila de Cumas. Depois de enfrentarem o mar, os troianos chegam à ilha dos Ciclopes, na Sicília, e encontram Aquemênides, companheiro de Ulisses. O grego descreve o episódio de Polifemo e a astúcia de Ulisses para derrotar o Ciclope. Eneias e os seus chegam a Drépano, onde morre-lhe o pai. É na saída de Drépano, como intuito de subir à costa ocidental italiana, que o herói é surpreendido pela tempestade e, segundo ele, conduzido por um deus a Cartago. A partir do Livro IV, temos a retomada da narrativa em terceira pessoa e a continuidade da linearidade do poema.

Análise dos augúrios no Livro II

Como vimos anteriormente, no Livro II Eneias narra a destruição de Troia. Através de sua fala, foi possível conhecer detalhes de como isso ocorreu. Pudemos observar também que em alguns momentos o herói deseja salvar sua cidade e ir ao combate até a sua morte. Entretanto, toda vez que o furor do combate o toma, revela-se-lhe que isso não faz parte de seu destino. Iremos analisar essas passagens. Quando Troia é tomada pelos gregos, Heitor aparece em sonho para Eneias e avisa sobre a destruição da cidade:


‘Ah! Foge filho de uma deusa, e livra-te das chamas! O inimigo ocupa nossas

muralhas: Troia cai do seu alto cume! Assaz fizemos pela pátria e por Príamo. Se

Pérgamo pudesse ser defendida pelos braços de um mortal, esse braço a teria

ainda defendido. Troia te recomenda seus objetos sagrados e seus Penates.

Toma-os por companheiros do teu destino; vai procurar para eles aqueles muros

soberbos que erguerás um dia, depois de teres longamente errado por sobre o

mar’.1
Nesse trecho, podemos destacar três fatos que chamam atenção para o destino de Eneias. O primeiro é que Troia não poderá ser defendida pelos braços de um mortal. Se fosse o caso, a cidade já teria sido defendida, talvez pelo próprio Heitor, que foi um grande herói troiano.

Ela está situada na colina onde Ate (o Erro) caíra, jogado do céu por Zeus. Troia teve o seu destino selado, assim, a cidade, desde a sua fundação, estava condenada. Após o local escolhido para a fundação, Laomedonte, um dos primeiros reis de Troia, encomenda a construção das muralhas da cidadela e se recusa a dar o pagamento aos seus construtores (Apolo e Posídon). Em seguida, nega o pagamento a Hércules também. Este mata o monstro

enviado pelos deuses construtores por terem sido enganados por Laomedonte. Para completar

a série de erros determinantes para o destino da cidade, temos o rapto de Helena por Páris. Ao

acolher o filho e a esposa de Menelau, Príamo aceita a quebra da hospitalidade. Desta forma, a cidade toda pagará pela atitude de um homem. O segundo é a encomenda dos objetos sagrados e os Penates de Troia a Eneias. Aqui vemos que o filho da deusa é incumbido de proteger os deuses protetores de Troia. O motivo nos leva ao terceiro fato. Eneias deve procurar as terras, onde um dia erguerá “muros soberbos”. É possível inferir que o herói deve proteger os Penates para fundar uma nova Troia em outro local. Através dessa fala de Heitor, Eneias recebe a primeira advertência sobre o seu destino.

Mesmo com a revelação de Heitor, Eneias vai ao combate. Quando retorna do palácio de Príamo, em direção a sua casa, ele encontra Helena, que acredita ser o motivo da destruição de Pérgamo. Podemos observar nesse episódio a segunda advertência do herói quanto ao seu destino. Vênus informa ao filho que a destruição de Troia é a vontade dos deuses. Retira as nuvens que cobrem a visão do herói para que ele possa ver. Assim, Eneias comprova que os deuses estão investindo contra Troia. Podemos comprovar o fato através da passagem: 1



Eneida; tradução e notas de Tassilo Orpheu Spalding. Livro II, p. 37 - 10. ed. 2007. Daqui por diante, todas as referências serão desta edição.

Lá, onde vês aquelas grandes construções desmoronadas e pedras arrancadas

com pedras, aquelas ondas de pó misturadas com fumo, Netuno abala os muros

e os alicerces aluídos com grande tridente, e derrubou toda a cidade desde os

alicerces. Aqui a feroz Juno, a primeira, assenhoreou-se das portas Ceias, e,

furiosa, cingida de ferro, chama dos navios o exército dos seus aliados... Olha, já

a Tritônia Palas ocupa o alto da cidadela, no seu nimbo esplendente e armada

da Górgona. O próprio pai dos deuses anima os dânaos e secunda suas forças.

(Eneida, Livro II, p. 44-45)

A terceira advertência recebida por Eneias acontece quando Anquises se recusa a deixar a cidade. O herói afirma que irá ficar com o pai, mas recebe o presságio dos cabelos deI ulo em chamas. Anquises apela a Júpiter, que confirma o augúrio através de uma estrelacadente.Observaremos, a seguir, o trecho referente ao presságio em questão.

Pois eis que no meio das carícias e dos beijos dos pais em pranto, um leve fogo pareceu derramar luz do alto da cabeça de Iulo, lambendo-lhe com chama inocente, sua crespa cabeleira, alimentando-se ao redor das têmporas. (Eneida,Livro II, p. 46)

Logo em seguida temos a comprovação de Júpiter com seu sinal: Mal acabara o ancião [Anquises] de falar, que subitamente o ruído do trovão se fez ouvir à esquerda, e, deslizando do céu através das sombras, uma estrela cadente arrastando uma tocha espalhou, na sua queda, abundante luz. (Eneida, Livro II, p. 46)

Com essa passagem, é revelado, novamente que Eneias não deve permanecer em Troia e que seus familiares devem acompanhá-lo.

No momento da fuga para local escolhido, o templo de Ceres, Creúsa se desencontra de Eneias, Anquises e Iulo. O herói só percebe quando chega ao templo e retorna para buscá-la. Um simulacro de Creúsa surge ao herói e dirige-lhe as seguintes palavras:

Estes acontecimentos não sucedem sem a vontade dos deuses: e eles não permitem que conduzas Creúsa como companheira: aquele que reina sobre o alto Olimpo o proíbe. Longo exílio te espera e te será necessário sulcar a vasta planície líquida no mar, e chegarás, à terra da Hespéria, onde, rio lídio por entre messes opimas, corre com águas tranqüilas o Tibre. Lá estão reservados uma fortuna florescente, um reino e uma esposa real; cessa de derramar lágrimas

pela querida Creúsa. (Eneida, Livro II, p.48)


Essa passagem nos mostra que não é da vontade dos deuses que a esposa acompanhe o herói. Se estudarmos a genealogia de Creúsa podemos conhecer o motivo.

Creúsa é filha de Príamo, que, por sua vez, é filho de Laomedonte. Este nos remete à construção dos muros de Troia, como foi visto anteriormente. Por não ter pagado suas dívidas, Laomedonte tem sua linhagem manchada. Consequentemente, Creúsa carrega essa mácula. Desta forma, a esposa não poderá acompanhar Eneias. Outro dado encontrado em sua fala diz respeito às errâncias por que o herói passará. Eneias sofrerá longo exílio pelo mar e chegará às terras da Hespéria. Creúsa confirma o que Heitor já havia afirmado, mas é mais específica em relação ao local que o mito fundador deverá fundar a nova Troia e concluir o seu destino.


CONSIDERAÇÕES FINAIS
O Livro II, da Eneida, nos mostra claramente a destruição da cidade de Troia. Para entendermos enredo, precisamos estudar juntamente os Livros I, II, e III da obra. A partir dos três Livros entenderemos como Eneias chega a Cartago e por quais episódios passa até então.

Após dez anos de batalhas, finalmente a cidade é invadida pelos gregos. Eneias, filho da deusa

Afrodite, é um herói troiano assinalado pelos deuses. Ele carrega a missão de fundar uma nova

Troia. Porém, como todo grande guerreiro, Eneias decide lutar por sua cidade, e ainda, vingá-la

quando tem a oportunidade, mesmo que isso manche a sua imagem de herói.

Pudemos observar que durante a destruição de sua pátria, em alguns momentos específicos Eneias tem o ímpeto de ficar em sua cidade e aderir à guerra. Ele aos poucos enxerga que a destruição de Troia é da vontade dos deuses e destino da cidade; e que esse destino não é o dele. O herói é incumbido de salvar os Penates e levá-los a Hespéria, local onde Eneias fundará uma nova Troia. Para que isso ocorra, sua esposa não poderá acompanhá-lo. Ao fundar a futura Roma, Eneias desposará uma rainha, Lavínia e, enfim, cumprirá o seu destino.


REFERÊNCIAS

COLUTOS. O rapto de Helena; edição trilingue – grego, latim, e português; tradução do grego

de Fabrício Possebon, ensaio de Milton Marques Júnior e notas de Alcione Lucena de Albertim.

João Pessoa (PB): Idéia; Editora da Universidade Federal da Paraíba, 2005.

GRIMAL, Pierre. Dicionário da mitologia grega e romana; tradução de Victor Jabouille. 4. ed.

Rio de janeiro: Bertrand Brasil, 2000

MARQUES JÚNIOR, Milton. Introdução aos estudos clássicos. João Pessoa: Idéia; Zarinha

Centro de Cultura, 2008.

VIRGÌLIO. Eneida; Tradução e notas de Tassilo Orpheu Spalding. 10. Ed. São Paulo: Cultrix,

2007.


____________________________________________________________________________________________________________________________________________

1) Bolsista, (2) Voluntário/colaborador, (3) Orientador/Coordenador, (4) Prof. colaborador, (5) Técnico colaborador.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal