O determinismo Biológico e o determinismo Geográfico



Baixar 8.26 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho8.26 Kb.

O Determinismo Biológico e O Determinismo Geográfico


Leitura de referência: LARAIA, Roque de Barros. CULTURA - Um Conceito Antropológico, Rio de Janeiro: JORGE ZAHAR, 17ª ed, 2004. Páginas 15 a 24.


As primeiras propostas antropológicas de explicação para a diversidade humana se ancoravam em dois tipos de determinismo:

  • O Determinismo biológico;

  • O Determinismo geográfico.

O Determinismo Biológico


Algumas antigas teorias atribuem características inatas (intrínsecas) às “raças” ou outros grupos humanos.

Exs. Alguns acreditam que:



  • que os alemães têm mais habilidade para a mecânica,

  • que os judeus são negociantes por natureza,

  • que os japoneses são trabalhadores e cruéis;

  • que os brasileiros herdaram a “preguiça” dos africanos, a imprevidência dos índios e a luxúria dos portugueses.

Na realidade constatou-se que:

“Não existe correlação significativa entre a distribuição dos caracteres genéticos e os comportamentos culturais.

“Qualquer criança humana normal pode ser educada em qualquer cultura, se for colocada desde o início em situação conveniente de aprendizado”

“O nível das aptidões mentais é aproximadamente o mesmo em todos os grupos étnicos”.



  • Portanto o Determinismo Biológico não constitui uma explicação coerente para a diversidade cultural.

O Determinismo Geográfico

Os adeptos desta corrente acreditam que as diferenças no ambiente físico condicionam a diversidade cultural (pensamento vem desde a antigüidade)

A partir de 1920 antropólogos como Boas, Wissler e Kroeber refutaram tais explicações e demostraram que:

“Existem limitações da influência geográfica sobre os fatores culturais”

“É possível e comum existir uma grande diversidade cultural localizada em um mesmo tipo de ambiente físico”.

Ex. Lapões (N da Europa) e os Esquimós (N da América) = Calota Polar Norte (ambientes geográficos muito semelhantes c/ longo e rigoroso inverno).

Antropologia moderna considera que:

Não há como se admitir uma “ação mecânica das forças naturais sobre uma humanidade puramente receptiva”.

“A CULTURA age seletivamente sobre seu meio ambiente explorando determinadas possibilidades e limites ao desenvolvimento

“As forças decisivas ao desenvolvimento estão na própria cultura e na história da cultura”.



  • Determinismo Geográfico tampouco constitui uma explicação coerente para a diversidade cultural.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal