O ensino dos fundamentos sociológicos da educaçÃO: pressupostos e metodologias



Baixar 96.6 Kb.
Encontro27.07.2016
Tamanho96.6 Kb.




O ENSINO DOS FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO: PRESSUPOSTOS E METODOLOGIAS1.

Ileizi Luciana Fiorelli Silva2

O objetivo deste texto é o de refletir sobre os Fundamentos Sociológicos da Educação, tendo como eixo a efetividade do ensino de sociologia da educação ou como se chama nessa grade curricular, ensino dos Fundamentos Sociológicos da Educação. Começo, então com algumas perguntas que tentaremos discutir ao longo do artigo.

Para que servem os fundamentos sociológicos da educação? Qual sua função na formação de professores para a educação infantil e das série iniciais do ensino fundamental? Em que sentido se insere na proposta geral do curso? O quê e como ensinar nessa disciplina “sociologia da educação”? E aí cabe a pergunta: quais são os fundamentos sociológicos da educação?

São perguntas pertinentes a todos nós envolvidos com a formação de professores. São perguntas que teremos que responder aos alunos, mas que eles só irão compreender no final do curso, ou, ainda quando estiverem atuando como profissionais; ou, quem sabe se prosseguirem os estudos em nível superior. Mas, o fato é que precisamos enfrentar essas questões e, se possível, coletivamente no trabalho escolar. O objetivo é problematizar, debater ou ainda alimentar o debate nas escolas.

Não tenho receitas ou fórmulas mágicas para oferecer como nos programas de TV, nas palestras midiáticas de colegas da educação que tentam nos iludir com diagnósticos simplistas e soluções ainda mais ingênuas. Entretanto, trago reflexões que brotaram da minha prática educativa, iniciada exatamente com a disciplina Sociologia da Educação, no antigo curso de Magistério, implantando em 1991 e extinto na maioria das escolas, em 1996. Acompanhei o processo de formação de seis turmas, no Colégio Estadual Maria do Rosário Castaldi, em Londrina, que conseguiram concluir o curso: duas em 1994, duas em 1995 e duas em 1996. As turmas que concluíram em 1997 e 1998 não tive participação.

Tive a felicidade de lecionar Sociologia da Educação para a primeira e segunda série, o que me oportunizava acompanhar as alunas, muitas com 14 ou 15 anos de idade, que na segunda série se transformavam em outras pessoas; em apenas um ano, quando elas passavam a ter 15 ou 16 anos, a diferença de comportamento era visível. Nesse contexto de início de carreira no magistério público, eu tive a satisfação de apreciar alguns resultados do meu trabalho. Considero-me privilegiada, pois uma das frustrações do trabalho docente é não poder sempre apreciar o resultado de seu trabalho e este lhe parecer vazio e sem sentido. Acho que por isso me encantei! Podia ensinar uma disciplina durante dois anos para os mesmas/os alunas/os!

Na segunda série, as meninas/os estavam intimas de Durkheim, permitindo-se a intimidade de chamá-lo de “Durka”; o Marx de “O nosso Barbudo”; e de já ter incorporado jargões de nosso discurso, tais como: “a escola reproduz a ideologia dominante”; “as classes populares não tem o capital cultural valorizado pela escola burguesa”; “a escola deve libertar e emancipar os trabalhadores”; e assim por diante...

Esses sinais me indicavam os limites do meu discurso pedagógico, mas também indicavam uma maior socialização das/os alunas/os com as especificidades da sociologia da educação. Obviamente, em outros instrumentos mais elaborados pude constatar avanços intelectuais e profissionais que decorriam não só da minha disciplina, mas do trabalho conjunto que realizávamos com as outras professoras de fundamentos, da história da educação, da filosofia da educação, da psicologia da educação, das práticas de estágio, entre outras.

Quando passei a lecionar na Universidade Estadual de Londrina, no Departamento de Ciências Sociais, fui designada para dar aulas para o curso de Pedagogia, continuando com essa disciplina para formação de professores. Mais tarde, passei a ministrar essa disciplina no curso de Ciências Sociais e no curso de Especialização em Sociologia e Sociologia da Educação da UEL. Por conta disso, decidi fazer mestrado em Educação, na área de concentração Estado, Sociedade e Educação. Falo tudo isso para me legitimar como alguém que pode expor alguma reflexão sobre esse tema? Não! Faço esse pequeno memorial porque o que discuto sobre o ensino de sociologia da educação/fundamentos sociológicos da educação faz parte de uma trajetória pessoal que se confunde com o contexto histórico dos cursos de formação de professores no nível médio e no nível superior. Falo isso, muito mais, para advertir: olha, o que eu estou pensando está no calor da emoção, do envolvimento e do compromisso com essa formação de professores na escola média e nas licenciaturas na universidade. Isso significa que tem reflexão teórica, mas ela está condicionada por essa prática, por essa dimensão concreta de professora de sociologia da educação que, por isso resolveu estudar sistematicamente a educação, para buscar subsídios para o ensino, para as lides pedagógicas.

Voltando as perguntas iniciais, as quais pretendo debater:

Para que servem os fundamentos sociológicos da educação? Qual sua função na formação de professores para a educação infantil e das série iniciais do ensino fundamental?

Em que sentido se insere na proposta geral do curso atual? O quê e como ensinar de sociologia da educação? Quais são os fundamentos sociológicos da educação?
1. Para Que Servem Os Fundamentos Sociológicos Da Educação? Qual Sua Função Na Formação De Professores Para A Educação Infantil E Das Série Iniciais Do Ensino Fundamental?
O sociólogo francês Christian Baudelot, tentando responder às questões semelhantes a essas propôs que a sociologia da educação servisse para instrumentalizar os professores com mapas que os ajudassem a traçar seus itinerários, veja o que ele diz:

No fundo o trabalho do sociólogo da educação se assemelha ao trabalho de um cartógrafo. Levantar o mapa escolar, proceder ao levantamento topográfico do terreno e do relevo, representar uma escala precisa os principais maciços da paisagem escolar, medir os caudais dos rios, ter os mapas em dia, eis aqui em que o sociólogo da educação pode ajudar o professor. Pode ajudá-lo a orientar-se na “floresta” escolar. Ajudá-lo a orientar-se e não guiá-lo. Caberá aos professores depois traçar, com o mapa na mão, seus próprios itinerários em função de suas opções e da natureza do terreno em que se encontram. (Baudelot, 1991)


A sociologia da educação comporia o arsenal teórico que ajudaria os professores a se orientarem, juntamente com as outras disciplinas, mas que deveria oferecer aos futuros professores instrumentos para olhar a sociedade e a escola, as crianças, as famílias, a sua prática docente e o contexto macro social e político.

Penso que os olhares dos alunos (futuros professores) deverão ser alterados pelos “óculos” das teorias sociais. Seus olhares deverão se desprender das imagens já construídas sobre a escola, os professores, os pobres, os ricos, as igrejas, as religiões, a cidade, os bairros, as favelas, a violência, os políticos, a política, os movimentos sociais, os conflitos, as desigualdades, entre outros.

O que significa alterar os olhares dos nossos alunos? Significa doutriná-los em nossas convicções ideológicas, religiosas, políticas? Significa dizer para eles que tudo o quê eles pensam é senso comum, não serve para o exercício da profissão? Significa afirmar-se com um discurso moralista ou revolucionário?

Certamente, que não. Mesmo que a neutralidade não exista na elaboração dos programas da disciplina e das aulas, um certo rigor é necessário. Como dizia Max Weber, sociólogo alemão, o professor não pode usar a docência para panfletar, para defender suas posições ideológicas, partidárias, religiosas, etc. Como homem público sim, poderá e deverá fazê-lo, mas como professor deve ter um rigor cientifico que lhe permita oferecer aos alunos o acúmulo de conhecimento da disciplina. Marx também advertia que a caracterização de uma teoria como representando o ponto de vista de uma classe determinada não significava, necessariamente, que fosse uma visão sem valor cientifico. Por isso, Marx, em sua obra, estudou e discutiu com o que havia de mais sofisticado na Filosofia e na Economia dos séculos XVIII e XIX .

O ensino dos fundamentos sociológicos da educação, muitas vezes, foi direcionado como um mecanismo de inculcação de valores, sejam conservadores, no antigo curso Normal, em que imperava o positivismo; sejam progressistas, muito comum nos anos de 1980, no Brasil, devido à ansiedade dos professores em romper com o autoritarismo do regime militar, passavam a fazer discursos em favor das mudanças, ora mais democráticas, ora mais socialistas-revolucinárias.

Ainda hoje, encontramos justificativas para o ensino de sociologia geral nas escolas, tais como: “essa disciplina deverá ajudar o aluno a entender seus direitos e deveres, muita mais seus deveres já que não se comportam adequadamente”; “a sociologia deverá ajudar na disciplina dos alunos, no controle da violência, etc”; “essa disciplina deverá dar mais civismo para os jovens”, e assim por diante.

Levar aos alunos o acúmulo de reflexões ou o estado da arte da disciplina não é uma tarefa fácil, porque exigirá recortes, escolhas, delimitações de conteúdos, de teorias, e parafraseando Weber, aqui nós podemos ser parciais. Até porque o tempo das aulas, o número de aulas por semana, por mês e por ano exige que selecionemos o que consideramos o melhor desse “acúmulo”. Bem, uma vez feita a escolha, a seleção e as divisões dos conteúdos, devemos cuidar para sermos “neutros”, fiéis à ciência, ou como diria Marx, sermos comprometidos com a busca da essência superando as visões que temos sobre a aparência da vida social.

O fato de estarmos comprometidos com uma classe social, no caso, a classe trabalhadora, exige ainda mais rigor cientifico. É o contrário do que propalam algumas versões vulgares de pedagogias liberais, do ensino por competências, do “aprender a aprender”, em que os pobres deverão ter um ensino mais leve, mais palatável, simplificado e resumido no imediato das experiências cotidianas, normalmente tratadas de forma sincrônica (sem história)3.

Com esses princípios poderemos enriquecer os olhares dos alunos, futuros professores.
2. Em Que Sentido os Fundamentos Sociológicos Inserem-se Na Proposta Geral Do Curso Atual de Formação de Docentes? O Quê E Como Ensinar Sociologia Da Educação?
Vou tentar pensar o ensino de sociologia da educação, tendo como base duas realidades: 1) a primeira é a de que os fundamentos sociológicos da educação não são mais dados em dois anos, com 136 horas mais as horas de estágio como era na grade de 1991, agora são ministrados em um ano no curso integrado e meio ano (quatro meses) no subseqüente, perfazendo respectivamente 68 horas e 60 horas; 2) a segunda realidade é a de que estamos no segundo ano de implantação do currículo e que não existem, ainda, as condições ideais para o desenvolvimento do ensino coerente com seus pressupostos teóricos anunciados no currículo, além do que os professores pedagogos estavam afastados dessas atividades, tendo que reaprender sobre essa disciplina.

O que podemos fazer?

Em primeiro lugar, compreender o lugar dessa disciplina na proposta geral do curso. Lembrando, então, que o currículo tem o trabalho como princípio educativo, a práxis como principio curricular e o direito da criança ao atendimento escolar.

A sociologia da educação deverá ajudar os alunos a perceberem as determinações sociais da sua prática profissional, da configuração do sistema educacional no país, da sua inserção na estrutura de classes do capitalismo, do significado da educação no capitalismo, entre outros. Ou, como diria Baudelot, a sociologia da educação deverá fornecer os mapas para orientação dos futuros professores, mapas que permitam estabelecer itinerários nas escolas e nos centros de educação infantil.

Nesse sentido, a disciplina uma existência histórica que coincide com a historicidade da educação nas sociedades modernas e que deve ser compreendida dessa forma, como um instrumento cientifico que altera os olhares e, conseqüentemente, a prática pela práxis educativa. Práxis, porque não nega, não escamoteia seu sentido político, de transformação. A disciplina, como todo o currículo, intenta transformar os alunos no sentido de um educador comprometido com o direito sagrado das crianças ao atendimento escolar de qualidade. Ser comprometido com esse direito pressupõe a compreensão da sociedade capitalista, dividida em classes sociais. Pressupõe a compreensão da gênese das relações sociais no país, as formações e os modos de vida no Brasil em suas manifestações culturais, a escola em relação às religiões, aos sem-terra, aos latifundiários, aos negros, aos portadores de necessidades especiais, às mulheres, aos índios, aos filhos de trabalhadores, aos filhos da pequena burguesia, da burguesia, da classe de renda média, entre outros.

Em segundo lugar, estabelecer algumas diretrizes para o ensino da disciplina de acordo com o seu papel no contexto geral do currículo. E aí vou defender uma forma de ensino dessa disciplina, que é para ser debatida.

Tomando a ementa dos Fundamentos Sociológicos da Educação e a bibliografia sugerida no documento da Proposta Curricular de 2003, vamos relembrar:


  • A educação na perspectiva sociológica e antropológica.

  • As teorias clássicas e contemporâneas sobre a sociedade e a educação.

  • Estudos socioantropológicos sobre educação e escola no Brasil (urbano e rural).

  • Concepções de criança/infância como construção histórica e social.

  • A Infância no Brasil (urbano e rural)

  • A educação no Campo.

  • Experiências das escolas rurais, do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra e das ONGs voltadas para a educação dos Trabalhadores Temporários do Campo, dos Jovens e Adultos, entre outras.

Cada um desses itens enseja uma longa bibliografia e inúmeros conteúdos e teorias. Podemos olhar para essa ementa e para sua bibliografia e perguntar se está coerente com os pressupostos do currículo, se está coerente com a carga horária, com a idade e o estágio dos alunos do ensino médio e do curso subseqüente, enfim podemos fazer inúmeros questionamentos e avaliações. E é oportuno que façamos nesse momento.

Mas, eu estou ansiosa para propor encaminhamentos para a disciplina e os próprios encaminhamentos indicarão minha discordância em relação aos itens da ementa (falo disso tranqüilamente porque participei da elaboração dessa ementa).

3. Diretrizes Para Os Fundamentos Sociológicos Da Educação

1. Buscar a coerência com a proposta geral, portanto, na definição das atividades lembrar que a disciplina está na segunda série e, que o eixo temático da prática de formação é “Pluralidade Cultural, as diversidades, as desigualdades e a educação” (pág. 41).

Esse eixo está proposto para aglutinar as diferentes disciplinas nas atividades de estágio. Assim, ao elaborar o programa anual/semestral, a professora responsável pela sociologia da educação deverá conversar com as demais professoras, no caso, as responsáveis pelas disciplinas: Fundamentos Históricos e Políticos da Educação Infantil, Concepções Norteadoras da Educação Especial, Trabalho Pedagógico da Educação Infantil, Organização do Trabalho Pedagógico e Estágio Supervisionado.
2. Participar do esforço coletivo de instrumentalização didática da pedagogia histórico-crítica, esforçando-se para organizar os conteúdos e as atividades de ensino-aprendizagem a partir desses pressupostos. Assim, os programas deverão refletir essa concepção de educação.
3. Associar os pressupostos da sociologia crítica de Florestan Fernandes e da Pedagogia Histórico-Crítica de Saviani e outros.

Compreendemos por sociologia crítica o respeito à tradição teórica clássica, portanto, ao ensinar sociologia, as diferentes teorias devem ser acionadas, mas não como uma história das idéias sociológicas. Elas devem servir para iluminarmos fenômenos sociais que não são inteligíveis num primeiro momento. Dessa forma, após “testar” várias teorias pode-se criticá-las e indicar aquelas mais ou menos adequadas para determinados fenômenos. Assim, ao estudar educação vamos colocá-la sob o holofote de várias “luzes”- teorias, mas, dependendo do contexto histórico, determinadas luzes/teorias iluminarão melhor os fenômenos educativos. Florestan Fernandes, na fase mais madura, “optou” pelo materialismo histórico, pois concordou com Marx, que outras teorias sofisticadas tinham um limite: estavam aprisionadas pelo horizonte burguês.

Concluindo, então, sugiro que os pressupostos de ensino dos fundamentos sociológicos da educação sejam a sociologia crítica de Florestan Fernandes e a pedagogia Histórico-crítica de Dermeval Saviani (e outros).
3.1 QUAIS SÃO OS FUNDAMENTOS SOCIOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO?
Tentando ser fiel a esses pressupostos poderíamos iniciar o curso com os três primeiros itens da ementa. Ressalta-se que, na minha opinião, só esses itens tomariam o ano todo, ou seja, desdobrados em diversos problemas e recortes.

Penso que a discussão da história da criança poderia ter sido feita na disciplina Fundamentos da História da Educação, na primeira série e poderá ser feita, na segunda série, nos Fundamentos Históricos e Políticos da Educação Infantil, esta tem em sua ementa os seguintes itens: contexto sócio-político e econômico em que emerge e se processa a educação infantil e seus aspectos culturais constitutivos; concepções de infância; infância e sociedade; infância e cultura.

Com isso, não estou sugerindo para não cumprirmos a ementa, mas para repensá-la. De imediato podemos articular com a professora de Fundamentos Históricos e Políticos da Educação Infantil, atividades, textos em comum, que somem no trabalho pedagógico e enriqueçam um tema tão importante para o currículo.

No caso dos itens sobre educação no campo e experiências de educação dos movimentos sociais, especialmente do movimento dos sem-terra, podemos pensar em estudos de caso, ou alguma estratégia que envolva educadores do movimento dos sem-terra com palestras e seminários nas escolas. De qualquer maneira, adianto que esses itens ficaram meio deslocados no conjunto da ementa, muito específicos; outros tópicos mais próximos das escolas formais poderiam contemplar a ementa. Mas, isso pode ficar para pensarmos, debatermos e enviarmos à SEED nossas sugestões.


3.1.1 A educação na perspectiva sociológica e antropológica. As teorias clássicas e contemporâneas sobre a sociedade e a educação. Estudos socioantropológicos sobre educação e escola no Brasil (urbano e rural).
Quando pensamos a educação na perspectiva sociológica e antropológica, estamos refletindo sobre processos de socialização orientados pelo conjunto de códigos e práticas sociais desenvolvidas em sistemas simbólicos, sistemas culturais, ou seja, em dimensões das sociedades que organizam os processos de reprodução dos valores, da moral, das regras, dos costumes, dos modos de vidas considerados “normais”.

Os antropólogos, sobretudo, nos estudos etnográficos levantaram inúmeras formações sociais, com seus modos de vidas e de produção, em que determinados indivíduos se responsabilizavam pela educação dos mais jovens, das crianças. Carlos Brandão, no livro O que é Educação, da Editora Brasiliense, traz a carta de um índio americano escrita em resposta ao convite do governo americano para educar os jovens de sua tribo. A resposta é negativa, pois o cacique avaliava infrutífera essa educação, uma vez que os jovens retornariam sem saber caçar, resistir ao frio, guerrear, orar, dançar, enfim não teriam identificações com essa sociedade. Esse episódio inspira toda a reflexão de Brandão sobre a construção das identidades através da educação, mostrando que cada sociedade criará formas de educar que garantam a reprodução de indivíduos identificados com os valores e práticas sociais hegemônicos. A educação depende da cultura dos povos. Essa é a mensagem primária das ciências sociais.

A diferença da sociologia em relação à filosofia, afirma Durkheim é que a sociologia deve identificar como é a educação nas diferentes sociedades ao longo dos tempos. Durkheim a vê como um fato social, uma coisa, que existe externamente ao individuo e se impõe a ele de modo irresistível. A filosofia se ocupa de pensar como a educação deveria ser e propõe modelos de homem, sociedade e de educação, portanto. Nesse sentido, a sociologia tende a “incomodar” porque sempre está buscando desnaturalizar o que parece natural. Até bem pouco tempo, a maioria dos nossos costumes eram vistos como algo natural, com existência mágica. O iluminismo traz a razão para a história e propaga que tudo é criação dos homens. Quando Giambatista Vico, no século XVIII, afirmou que o homem é sujeito da história, provocou uma revolução em termos da compreensão dos fenômenos sociais.

Então, quando nossas alunas chegam no curso de formação para docentes pode ser que considerem “naturais” uma variedade de rituais, normas, formas de ensinar, avaliar e promover. As frases do tipo: “sempre foi assim e sempre será”; “porque alterar algo se sempre funcionou assim”; “porque desmistificar nossos próprios costumes?”.

Assim, a sociologia da educação nos revela que as mulheres se ocupam, primordialmente, da educação dos filhos e, mais tarde, dos filhos dos outros nas escolas em função de uma construção sócio-cultural patriarcal e não em função do instituo natural de ser mãe. O próprio instinto para maternidade é, hoje, analisado como uma “invenção” social e não só como um instinto puramente biológico.

A idéia durkheiminiana de que a consciência coletiva se impõe ao indivíduo não é de toda descartável, como faz a crítica do funcionalismo. As sociedades criam as religiões, a moral e o direito que são homogeneizados e internalizados nos processos de socialização, sobretudo nos processos educativos implícitos nos ambientes sociais e explícitos em ambientes especializados nas artes de ensinar, doutrinar e domesticar.

As diferentes teorias sociológicas pensam a escola e o sistema de ensino a partir de projetos sócio-educativos coerentes com seus pressupostos. Dessa forma, a sociologia que se inspirou em Durkheim, destacou a educação escolar como fator essencial do equilíbrio, da harmonia e do progresso da sociedade capitalista. No Brasil, Fernando de Azevedo, Anísio Teixeira e Lourenço Filho defendiam arduamente a organização de uma educação republicana, laica, moderna, capaz de contribuir com a industrialização e democratização do país. Nos anos de 1930, esses intelectuais produziram estudos e elaboraram propostas para a escola e para constituição de um sistema de ensino público.

È comum na sociologia da educação essa postura “militante” do cientista, ou seja, ao mesmo tempo que analisa a educação, engaja-se em movimentos de defesa de suas propostas sócio-educativas.

Max Weber não produziu muitos estudos específicos sobre a educação e a escola se comparado com o que produziu Durkheim. Entretanto, nos seus estudos sobre racionalização, desencantamento, burocratização do Estado e das empresas, formação dos quadros para as burocracias, problematizou sobre os rumos da educação racional e burocratizada das sociedades modernas. Em textos sobre a universidade, comparou o modelo alemão e o americano, destacando o quanto o modelo americano caminhava para uma pedagogia do treinamento, para uma educação em que os princípios administrativos se sobrepunham aos princípios pedagógicos. Destacou que a burocratização estava ensejando uma escola baseada na pedagogia do treinamento, centrada na busca pelos títulos, na euforia pela qualificação cartorial. Diferente da formação dos mandarins chineses, os letrados chineses que se formavam na pedagogia do cultivo, centrada no conhecimento clássico, em literatura e artes.

Weber era “pessimista” com esses processos de racionalização porque aprisionava os indivíduos em processos técnicos sofisticados, mas com o fim em si mesmos. Com o tempo os esquemas racionais, como as burocracias, passavam a ter autonomia relativa em relação às necessidades sociais, tornando-se máquinas centradas em sua própria reprodução. As escolas e os processos pedagógicos também passaram pela racionalização/irracionalização.


Quando ouvimos, de todos os lados, a exigência de uma adoção de currículos regulares e exames especiais, a razão disso é, decerto, não uma ‘sede de educação’ surgida subitamente, mas o desejo de restringir a oferta dessas posições e sua monopolização pelos donos dos títulos educacionais. Hoje, o ‘exame’ é o meio universal desse monopólio e, portanto, os exames avançam irresistivelmente.(p.279)
Como a educação necessária à aquisição do título exige despesas consideráveis e um período de espera de remuneração plena, essa luta significa um recuo para o talento (carisma) em favor da riqueza, pois os custos ‘intelectuais’ dos certificados de educação são sempre baixos, e com o crescente volume desses certificados os custos intelectuais não aumentam, mas decrescem. (Weber, p.279, grifos meus)”
Nos anos de 1920 a 1940, surge outro sociólogo na Alemanha, de origem Húngara, K. Mannhein (1893-1947) que se dedicou a estudar a educação. Fugindo ao pessimismo weberiano, propõe que a sociologia sirva de embasamento teórico para educadores e educandos no objetivo de compreenderem a situação educacional moderna. Concordava com Weber que a educação escolar moderna levou a um declínio da formação do homem integral, porém, a democratização da educação arejou as relações sociais, permitindo a criação de personalidades mais racionais e mais democráticas. Se os Estados convocassem intelectuais para organizarem e planejarem detalhadamente os serviços sociais, entre eles a educação, a racionalização se efetivaria em favor do desenvolvimento da democracia, da paz e da prosperidade. A educação seria uma técnica de planejamento social. De certa forma, os países que tiveram um Estado de Bem-estar social, baseados na social-democracia, implementaram esses princípios.

Nos anos de 1950, no Brasil, Florestan Fernandes, foi muito influenciado por essa visão de Mannheim, acho até que isso, foi umas das razões que o impulsionou a se engajar na luta, nas campanhas em defesa da escola pública, andando pelo Brasil a debater meios de implantarmos essa educação. Seus textos desse período são explicitamente inspirados em Mannheim.

Quais são os limites dessas teorias tão sérias e sofisticadas?

Como diria Marx, talvez o aprisionamento no horizonte burguês. Eu diria que pensam a educação sem enfrentar a condição essencial da estrutura da sociedade capitalista. Vários limites da educação escolar nas sociedades modernas estão precipuamente ligados às desigualdades econômicas e sociais produzidas pelas relações de produção baseadas na acumulação e apropriação privada dos bens materiais e espirituais.

K. Marx (1818-1883) não pode ser rotulado como sociólogo, pois, não foi sua preocupação o estabelecimento dessa ciência. É um pensador completo, podemos afirmar que é um cientista social e produziu no século XIX uma teoria fantástica, que marcou as ciências sociais e muitas outras áreas que, mais tarde, beberam na fonte do materialismo-histórico. O que pensou sobre educação o fez no interior de sua análise sobre a alienação dos trabalhadores no processo de produção, ou seja, o trabalho na sociedade capitalista torna o homem um ser unilateral, que não pode desenvolver suas potencialidades intelectuais, de criador, de pensador. Nesse sentido, perde a possibilidade de se realizar como ser histórico, fica bitolado em tarefas repetitivas, na teia complexa do cotidiano de sobrevivência difícil, enfim, passa a vida se debatendo com o trabalho para outro e a sobrevivência material, a busca do alimento, da moradia e da reprodução enquanto ser humano vivo.

A educação no capitalismo é marcada pelas classes sociais, é dividida. A burguesia terá seus métodos e espaços educacionais e aos trabalhadores será ofertada uma educação parcial de disciplinamento para as fábricas. No tempo de Marx, o trabalho infantil estava sendo regulamentado, e uma das idéias era a de que as fábricas oferecessem a educação profissionalizante. Marx defendia a educação nas fábricas. Entretanto, indicou a educação politécnica como uma forma de superar a unilateralidade dos trabalhadores. Não desenvolveu muito sobre esse tema, que foi retomado por Gramsci e sociólogos, filósofos, pedagogos contemporâneos.

Gramsci, socialista e filosofo marxista, viveu na Itália, grande parte de sua juventude na prisão de Mussolini. Essa realidade condicionou sua produção intelectual. Por viver no país católico, sede do Vaticano, e ter morado no sul da Itália, mais rural e “atrasada” pôde perceber o quanto seria complicado o estabelecimento de uma sociedade comunista, pois os homens estavam sendo socializados com essas ideologias religiosas e semi-feudais.

Pensa a educação como uma esfera de constituição de hegemonia e contra-hegemonia. Seria importante que os socialista se dedicassem a pensar a educação do homem socialista, superando a visão de classes predominante. Daí propõe a Escola Unitária, acima das diferenças entre as classes. O trabalho como principio educativo e o esforço para superação do pensamento do senso comum/folclórico. Essa visão de educação influenciou e influencia até hoje a sociologia da educação e as ciências sociais voltadas para a educação de modo geral. M. Apple, Henri Giroux, Saviani, Frigotto, Kuenzer e a própria elaboração dos currículos para o ensino médio e profissionalizante no Paraná.

O eixo crítico da educação e da sociedade capitalista dedicou-se nos anos de 1960 a 1980 a estudar os condicionantes macro sociais e políticos dos sistemas educacionais. A educação é colocada como uma instância de reprodução social, das desigualdades sociais, como reprodução da ideologia dominante (Althusser) e a escola como Aparelho Ideológico do Estado. Bourdieu e Passeron demonstraram a formas de violência simbólicas nas pedagogias dominantes no sistema de ensino francês. Violência porque exercida de forma implícita nos comportamentos dos professores, nos processos de avaliação dos alunos das classes populares.

Na Alemanha, nos EUA e no Brasil inúmeros pensadores destacaram a relação intrínseca e necessária entre a divisão do trabalho, a escola e a preparação da força de trabalho para as empresas capitalista. Claus Offe, sociólogo alemão destacou como o sistema de ensino alemão estava organizado para produzir mão-de-obra para as empresas e para os serviços. Carnoy, Bowlles e Gintis fizeram o mesmo nos EUA, destacando que as escolas americanas não estavam interessadas em formar trabalhadores que dominassem os atributos cognitivos, mas sim os atributos de personalidade e de comportamento adequados às exigências dos mercados, das empresas e dos administradores de recursos humanos. No Brasil, vários estudos, nos anos de 1970 e 1980 demonstraram esse processo no Brasil, Lucíola Machado, Frigotto, Kuenzer, Cunha, Freitag, entre outros.

Infelizmente, a popularização e vulgarização dos resultados desses estudos passou uma mensagem “pessimista” do papel da escola e da educação, deixando muitos professores desanimados com a sua função. Estudar sociologia da educação nos levava a saber que nós reproduzimos as desigualdades, somos responsáveis pela violência simbólica e pela disseminação da ideologia burguesa, reproduzimos uma educação técnica comportamental, enfim somos uns verdadeiros “agentes do mal”.

Talvez, por isso, muitos pesquisadores perceberam que deveriam se ocupar de estudar mais a escola em si, os processos pedagógicos locais, os fenômenos de sucesso nas classes populares e de fracasso nas classes burguesas; como o fracasso escolar é produzido e como pode ser superado, enfim, inspirados nos métodos antropológicos, na etnografia e nos estudo de caso, sociólogos da educação se voltam para os aspectos micro sociais, do espaço genuíno da escola tomada como um “mundo” autônomo.

Essa vertente traz a tona a possibilidade de transformação nas relações escolares, relacionando escola-família, escola-criança, escola-comunidade, escola-pais, escola-professores, escola-juventude, e assim por diante.

As críticas são no sentido de que esses estudos correm o risco de perder os aspectos macro sociais determinantes, e não raro, muitos estudos, sobretudo, os americanos, ingleses e brasileiros, caem nessa armadilha.

Entretanto, estudos sérios como de Paul Willis, que fez um estudo etnográfico sobre a educação de filhos de trabalhadores na Inglaterra, apreendem os aspectos mais específicos, micro sociais articulados aos condicionantes macro sociais. Esse desafio é o mais instigante na sociologia da educação. O estudo de Acácia Kuenzer sobre a pedagogia da fábrica, em que analisa o trabalho na VOLVO, também dá conta dos aspectos específicos, micro sociais articulados aos determinantes do capitalismo.

Há muita produção de pesquisas e teorias sobre a educação moderna e, certamente, não daremos conta aqui nessa fala e nas aulas no curso de formação docentes aí nas escolas. Entretanto, pode-se pensar em quadros explicativos e através de aproximações com a realidade, num primeiro momento de forma mais despretensiosa, levar as alunas a se interessarem pelos fundamentos sociológicos da educação.

Propondo pesquisas, no nível de um objeto comum, ainda não cientifico, mas que serve como passo didático na aprendizagem de olhar a realidade de forma sistemática. Ao longo do curso, as alunas poderão ir formulando objetos científicos, já tratados pelas teorias, mas inicialmente precisamos ter paciência, apresentando o que for possível, mas o que é essencial para a formulação dos mapas que orientarão o trabalho das professoras nas escolas.

Os demais itens da ementa poderão ser inseridos no conjunto de debates até mesmo dessa primeira fase de aproximação com os fundamentos teóricos e deverão compor as atividades de práticas de ensino em conjunto com as outras disciplinas.


3.1.2 Concepções de criança/infância como construção histórica e social. A Infância no Brasil (urbano e rural).
O texto de Ariès pode ser refletido nas duas disciplinas ou em uma delas.

C) A educação no Campo.

Experiências das escolas rurais, do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra e das ONGs voltadas para a educação dos Trabalhadores Temporários do Campo, dos Jovens e Adultos, entre outras.

As experiências das escolas rurais e do Movimento dos Sem Terra poderão ser estudos de casos, em que as alunas irão a campo procurar materiais junto aos próprios movimentos, cartilhas, documentos, textos, etc. A Escola Florestan Fernandes do MST pode ser pesquisada, verificando sua proposta educativa, como funciona, porque esse nome Florestan Fernandes e assim por diante.

Espero que, como socióloga da educação e professora de ensino Médio e nos cursos de formação de professores, tenha conseguido fornecer alguns “mapas” para nos orientarmos no Ensino dos Fundamentos sociológicos da educação. Com as questões de vocês poderei esmiuçar as possibilidades de itinerários.

Muito Obrigada!


BIBLIOGRAFIA

ALTHUSSER, Louis. Sobre a reprodução. Tradução de Guilherme João de F. Teixeira. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.


APPLE, Michael. Ideologia e currículo. São Paulo: Brasiliense, 1982


BAUDELOT, Christian. A Sociologia da Educação: para quê?. Teoria & Educação, Porto Alegre, RS: Pannonica Editora, N. 3, p. 29-42, 1991.

BOMENY, Helena. Os Intelectuais da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BOURDIEU, P;PASSERON, Jean Claude. A Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3.ª ed. Tradução Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1992.

CARAVALHO, Lejeune Mato Grosso de (org). Sociologia e ensino em debate: experiências e discussão de sociologia no ensino médio.Ijuí, RS: Ed. UNIJUÌ, 2004. 392p.

DURKHEIM, Emile. As regras do método sociológico. 2.ed.São Paulo: Martins Fontes, 1999. 165pp.

DURKHEIM, Emile. Da divisão do trabalho social. 2.ed.São Paulo: Martins Fontes, 1999. 483pp.

DURKHEIM, Emile. Educação e sociologia. 11.ed. São Paulo: Melhoramentos, 1978. 91pp.

FERNANDES, Florestan. A natureza sociológica da Sociologia. São Paulo, Ática, 1976

FERNANDES, Florestan. A Sociologia no Brasil. Petrópolis-RJ, Vozes, 1980.

FORQUIN, Jean-Claude (org). Sociologia da educação: dez anos de pesquisa. Petrópolis, RJ: Vozes. 350pp

GASPARIN, João Luiz. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica. Campinas, SP: Autores Associados, 2002.

GRAMSCI, A . Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

MANNHEIM, Karl; STEWART, W. A C. Introdução à Sociologia da Educação. 2.ª ed. São Paulo: Cultrix, 1972.

MANOCORDA, Mario A O princípio educativo em Gramsci. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

MARX, K; ENGELS, F. Textos sobre educação e ensino. 2.ª ed. São Paulo: Editora Moraes, 1992

NOGUEIRA, Maria Alice. A Sociologia da Educação do final dos Anos 60/ Início dos Anos 70: o nascimento do paradigma da reprodução. Em Aberto, Brasília, ano 9, n.º 46, p. 49- 58, abr. jun. 1990.

NOGUEIRA, Maria Alice. Educação, saber, produção em Marx e Engels. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1993

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 35 ed. Revista. Campinas, SP: Autores Associados, 2002

SAVIANI, Dermeval. A pedagogia histórico-crítica no quadro das tendências críticas da educação brasileira. Revista ANDE, São Paulo nº 11, 1986 p. 15-23.

WEBER, Max. Ensaios de sociologia.3.ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1974. (especialmente os ensaios: “Burocracia” e “Os Letrados Chineses”)

ALTHUSSER. Louis. Aparelhos ideológicos do estado. 2. ed., Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BOWLES & GIANTS. Scholling in captalist América. New York: Routhedg e Regan Paul, 1976.

CARNOY, M, LEVIN, H. Escola e trabalho no estado capitalista. São Paulo: Cortez, 1987.

CUNHA, Luís Antônio. Educação e desenvolvimento social no Brasil. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.

FREITAG, Bárbara. Escola, estado e sociedade. São Paulo: Moraes, 1980.

FREITAG, Bárbara. Política educacional e indústria cultural. São Paulo; Cortez, 1987.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1984.

GIROUX, Henri. Teoria crítica e resistência em educação: para além das teorias de reprodução. Petrópolis: Vozes, 1986.

GIROUX, Henri. Escola crítica e política cultural. São Paulo: Cortez, 1988.

KUENZER, Acácia Z. Pedagogia da fábrica: as relações de produção e a educação do trabalhador: Cortez, 1986.

MANACORDA, Mário Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. São Paulo: Cortez, 1991.

MARX, K. Manuscritos econômicos - 1984 IN: MARX. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

MARX, K. Crítica ao Programa de Gotha IN: MARX, K. e ENGELS, F. Obras Escolhidas, v. 2. São Paulo: Alfa-Omega, s/d.

MARX, K. O capital. Rio de Janeiro. civilização brasileira, 1975 Volume 1 - livro -1.

OFFE, Claus. Problemas estruturais do estado capitalista. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro, 1984.

WILLIS, Paul. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991. 241pp.



ANEXO
PROPOSTA DE PROGRAMA

Conteúdos Relevantes


Primeiro Bimestre – 16 aulas –

Unidade 1 – A Educação como um fenômeno que é estudado pelas ciências sociais, especialmente pela sociologia. – 16 aulas.

A) Conteúdo: O que é educação e o que é sociologia?

A Educação como um fenômeno que é estudado pelas ciências sociais, especialmente pela sociologia. –

Os diferentes olhares sobre a educação.


  • A Educação e o Funcionalismo de Emile Durkheim: a pedagogia e a vida moral. A educação como fato social, com as características de coerção, exterioridade e generalidade. Individuo e Consciência Coletiva. A Educação em diferentes formações sociais. A Educação Republicana, laica e de acordo com o desenvolvimento da divisão do trabalho social. Os sociólogos brasileiros que desenvolveram estudos a partir dessa teoria, tais como Fernando de Azevedo e Lourenço Filho.

  • A educação como fator essencial e constitutivo do equilíbrio da sociedade

  • A educação como técnica de planejamento social e desenvolvimento da democracia

  • Críticas a essa visão teórica.


B) Vivência do conteúdo:

O que os alunos já sabem - que cada povo tem sua forma de educação, que as regras sociais se impõem a todos nós independente da nossa vontade; que a escola apresenta aspectos coercitivos, que a educação é diferenciada na sociedade, que a educação inicia-se na família, no bairro, na igreja; que o Estado regula a educação; que a sociedade pode ser comparada a um corpo humano, um corpo biológico, tendo cada instituição uma função assim como os órgãos do corpo humano, etc....

O que os alunos gostariam de saber mais: porque o individuo é sufocado pela sociedade, pelas regras, não poderíamos ser mais livres? A escola poderia ser vista de outra forma, menos diferenciadora? Por que Durkheim pensava dessa maneira? Ele defendia que tipo de Escola? Por que temos que estudá-lo? Quais os tipos de educação existentes no mundo? Como são as escolas nos outros países? Essa teoria pode explicar tudo isso?
C) Problematização:

Discussões sobre questões importantes


O que é educação para a sociologia?

Afinal, o que é sociologia ?

Qual o papel da educação escolar na sociedade capitalista?

O que é escola laica, pública republicana?

A sociedade funciona mesmo como um corpo humano? A Escola cumpre suas funções sociais? Quais seriam as funções sociais da escola?

Dimensões do conteúdo a serem trabalhadas


Conceitual/cientifica –

Social e histórica –

Política e de poder –

Operacional –



D) Instrumentalização


Ações didático-pedagógicas

Recursos humanos e materiais



E) Catarse


Síntese mental do aluno

Expressão da síntese



F) Prática social final do conteúdo

Nova postura prática


Desejar conhecer mais sobre as teorias sociológicas da educação e sobre a própria educação

Repensar conceitos de educação


Ações do aluno


Ler um novo texto sobre o assunto

Analisar a escola e a educação já utilizando conceitos do funcionalismo

Elaborar um texto explicando a educação como fato social, indicando as críticas possíveis para essa forma de estudar a educação.
2.º BIMESTRE / UNIDADE 2 – As teorias sociológicas críticas da educação escolar - 16 aulas

A) Conteúdo: O trabalho e a educação no pensamento de Karl Marx e F. Engels. A racionalização da sociedade e a educação no pensamento de Max Weber.

A educação como esfera de constituição de hegemonia e de contra-hegemonia.

A educação, produção e reprodução social.

A escola como aparelho ideológico do estado.

O sistema de ensino enquanto sistema de violência simbólica.

A escola pública enquanto mecanismo de integração da força de trabalho


3.o BIMESTRE / Os itens: Estudos socioantropológicos sobre educação e escola no Brasil (urbano e rural), com mais 16 aulas


  • COMO ESTUDO DE CASO: PESQUISA QUE DEVE SER APRESENTADA NO QUARTO BIMESTRE

A educação no Campo. Experiências das escolas rurais, do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra e das ONGs voltadas para a educação dos Trabalhadores Temporários do Campo, dos Jovens e Adultos, entre outras.
4.º BIMESTRE / Concepções de criança/infância como construção histórica e social; A Infância no Brasil (urbano e rural) poderiam ser tratados no quarto bimestre, com mais 16 aulas
FINALIZAÇÃO DA PESQUISA

A educação no Campo. Experiências das escolas rurais, do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra e das ONGs voltadas para a educação dos Trabalhadores Temporários do Campo, dos Jovens e Adultos, entre outras.



Bibliografia para o Aluno (livros didáticos)

Sociologia da educação


MEKSENAS, Paulo. Sociologia da Educação: uma Introdução ao estudo da escola no processo de transformação social. São Paulo: Loyola, 1988

TOMAZI, N. D. Sociologia da Educação. São Paulo: Atual, 1997

RODRIGUES, Alberto Tosi. Sociologia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

VIEIRA, Evaldo. Sociologia da Educação: Reproduzir e Transformar. São Paulo: FTD, 1994


Sociologia Geral


COSTA, Cristina. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. 2.ª ed. São Paulo: Moderna, 1997

MARCONDES, Ciro. Ideologia. O que todo Cidadão precisa saber sobre ideologia. São Paulo: Global, 1985

MARTINS, Carlos B. O que é Sociologia. 7.ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1984

MEKSENAS, Paulo. Aprendendo Sociologia: a paixão de conhecer a vida. 4.ª ed. São Paulo: Loyola, 1987

MEKSENAS, Paulo. Sociologia. 2.ªed. São Paulo: Cortez, 1994

OLIVEIRA, Pérsio Santos de. Introdução a Sociologia. 23a ed. São Paulo: Ática, 2000

QUINTANEIRO, Tania et al. Um Toque de Clássicos: Durkheim, Marx, Weber. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

RIDENTI, Marcelo. Política pra quê? São Paulo: 1992

SEVERINO, A J. Métodos de Estudo para o 2.º Grau. Campinas: Papirus, 1989

TOMAZI, Nelson D. (org.). Iniciação à Sociologia. São Paulo: Atual, 1993




1 Ao longo do texto utilizo as duas denominações, ora Fundamentos Sociológicos da Educação e, ora, Sociologia da Educação, estou pensando na mesma disciplina e nos mesmos problemas de ensino.

2 Professora de Metodologia de Ensino de Sociologia do Depto. Ciências Sociais da UEL. Mestre em Educação pela USP e Doutora em Sociologia pela USP.

3 Conferir a brilhante reflexão de Newton Duarte em Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar, CEDES, Campinas, vol,19, n.º 44, abril 1998.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal