O estado e o exército brasileiro entre 1930 e 1945: por uma discussão teórica



Baixar 59.48 Kb.
Encontro03.08.2016
Tamanho59.48 Kb.
O ESTADO E O EXÉRCITO BRASILEIRO ENTRE 1930 E 1945: POR UMA DISCUSSÃO TEÓRICA

Prof. Dr. Fernando da Silva Rodrigues

(Arquivo Histórico do Exército / Programa de Pós-Graduação em História da USS)

Palavras-chaves: Estado – Exército – Getúlio Vargas.


A minha discussão teórica tomou como base a análise da função do Estado Moderno nas sociedades capitalistas desenvolvidas e subdesenvolvidas, dentro do contexto histórico-político de transição dos regimes liberais para regimes autoritários intervencionistas, com enfoque no poder do Estado e na formação de elites institucionais como mecanismo de controle da sociedade.

Conforme Pierangelo Schiera1, a história do surgimento do Estado moderno é a história da tensão do sistema policêntrico e complexo dos senhorios de origem feudal com a chegada ao Estado territorial concentrado e unitário, através da chamada racionalização da gestão do poder e da própria organização política imposta pela evolução das condições materiais-históricas.

Para a discussão teórica sobre o Estado, escolhi trabalhar com a obra Estado e Teoria Política, de Martin Carnoy, que analisa a função do Estado tanto nas sociedades capitalistas desenvolvidas quanto nas sociedades capitalistas subdesenvolvidas, especificamente quanto a sua importância nos aspectos políticos, econômicos, ideológicos e como força legal (Polícia, Forças Armadas) no contexto da dinâmica fundamental de uma sociedade.

Para Martin Carnoy2, o desenvolvimento capitalista e o Estado sempre estiveram muito ligados. No século XIX, havia uma maior limitação quanto à participação do Estado nas sociedades capitalistas, por conta da grande dinâmica do capitalismo naquela ordem econômica mundial. Para o autor, a produção das empresas privadas, até o final dos anos 1920, foi a principal força propulsora das economias capitalistas.

O autor procura discutir em sua obra os conceitos de Estado, a partir de uma perspectiva de classe, com base nas diversas teorias políticas existentes: norte-americana, marxista tradicional, marxista pós-leninista e dos Estados dependentes.

Em minha análise da obra, procurei aprofundar mais a discussão da teoria dos Estados Dependentes. As análises do autor mostram que o Estado no Terceiro Mundo desenvolve-se em condições diferentes do que nos países capitalistas avançados, principalmente devido à ação do capital estrangeiro nos países periféricos e ao resultante enfraquecimento da burguesia local. Esse enfraquecimento dificulta o estabelecimento da hegemonia local e cria condições para o surgimento de regimes autoritários altamente coercitivos e burocráticos.

Qualquer definição de hegemonia é complicada pelo uso da palavra em dois sentidos diametralmente opostos: primeiro, significando domínio; segundo, significando liderança e tendo implícita alguma noção de consentimento. Para Gramsci, hegemonia significa o predomínio ideológico das classes dominantes (valores e normas burguesas) sobre a classe subalterna na sociedade civil, sendo o próprio Estado encarregado de incluir a hegemonia da burguesia na superestrutura. Segundo Martin Carnoy3, e tomando como base as sociedades capitalistas desenvolvidas, o conceito gramsciano de hegemonia tem dois significados principais: o primeiro é um processo na sociedade civil quando parte importante da classe dominante exerce controle, através de sua liderança moral e intelectual, sobre outras frações aliadas da classe dominante; o segundo, quando as classes dominantes exercem sobre as dominadas sua liderança política, moral e intelectual para impor sua visão de mundo como inteiramente abrangente e universal. Essa textura de hegemonia é tecida pelos intelectuais que, segundo Gramsci, são todos aqueles que têm um papel organizativo na sociedade. Logo, para Gramsci, o Estado é ao mesmo tempo um instrumento essencial para a expansão do poder da classe dominante (sociedade civil) e uma força repressiva (sociedade política) que mantêm os grupos subordinados fracos e desorganizados.

Martin Carnoy4, em seu estudo sobre o Estado nas sociedades capitalistas subdesenvolvidas (Estados Dependentes), afirma que essas regiões não se caracterizam pela democracia parlamentar, por estarem em uma condição temporária associada a fases específicas do desenvolvimento capitalista, ou pelo fato de terem um fraco desenvolvimento industrial em relação às economias capitalistas mais avançadas, que as mantêm na condição de Estados periféricos.

Para o autor5, as visões marxistas do Estado em países com fraca industrialização são discutidas principalmente com base no desenvolvimento desses países e sua função dentro de uma ordem econômica mundial.

Segundo as análises de Carnoy6, o Estado, na América Latina, antes de 1930, fundamentalmente expressava os interesses da burguesia exportadora e dos proprietários de terra e atuava como agente para o investimento estrangeiro, especialmente nas economias exportadoras de bens primários. No entanto, após a crise econômica capitalista mundial de 1929, o Estado, nessas regiões subdesenvolvidas, interveio para estipular tarifas protecionistas, a fim de transferir a renda do setor de exportação para o setor doméstico e para criar a infra-estrutura necessária com a intenção de manter uma indústria de substituição de produtos importados.

Após os anos 1930, o Estado se caracterizou por uma divisão de poder entre a nova burguesia nacional e a velha oligarquia. Em alguns Estados subdesenvolvidos, o aparelho burocrático foi usado para formar um grupo industrial que, posteriormente, dividiu as funções empresariais entre as empresas pertencentes ao Estado. O processo de industrialização, por sua vez, criou os deslocamentos populacionais do campo para as cidades, bem como as sociedades urbanas de massa, composta de um operariado assalariado e uma população de não assalariados, centro de revoltas sociais.


Os homens competem pela atenção do Estado ou pelo controle do mesmo e é contra o Estado que os homens encontram, em escala cada vez maior, quando enfrentam outros homens. Eis por que, como seres sociais, eles são também seres políticos, quer saibam ou não.

Nessa comunicação procuramos discutir também, os papéis das forças armadas no Estado, quando optamos por analisar O Estado na Sociedade Capitalista, de Ralph Miliband, obra que analisa, no quinto capítulo, a função dos Servidores do Estado, na qual buscaremos enquadrar, em nossa pesquisa, os militares do Exército como elementos que fazem parte dessa categoria social7, ou como diria o autor:

O autor toma como base para sua análise, os países capitalistas avançados, nos quais, a maior parte das atividades econômicas está sob propriedade e controle privado, como é o caso dos Estados Unidos da América.

No entanto, procuramos, dentro das possibilidades científicas de nossa pesquisa, enquadrar esse estudo na perspectiva dos países subdesenvolvidos, como o Brasil.

Para Miliband8, nos países capitalistas avançados, geralmente os altos funcionários do governo parecem ser apolíticos e apartidários. Necessariamente não são neutros em relação à política, podendo ser defensores dos interesses do Estado, desempenhando papel importante no processo de decisão política e na configuração do poder em sua sociedade. No caso dos países atrasados como o Brasil, após 1930, serão os militares principalmente que, na condição de funcionários públicos do Estado, desempenharão o papel de defensores dos interesses políticos de um novo Estado, intervindo no processo de construção do poder.

O autor9 discute a necessidade das mudanças no quadro político e as mudanças de grupos no poder do Estado, após um processo revolucionário. Para o autor, o novo governo estabelecido, naturalmente deverá realizar mudanças de longo alcance dentro do aparelho administrativo, trocando antigos servidores por novos servidores em que possa confiar, pois, senão o fizer, fatalmente herdará um quadro de funcionários que podem desestabilizar ou desorganizar as ações do novo governo.

Poderíamos aplicar a discussão acima ao caso brasileiro, após a Revolução de 1930, no caso dos diversos expurgos que houve, tanto de militares do Exército quanto de civis, no período de 1930 a 1937, que ajudaram na legitimação de uma nova elite política e militar constituída por elementos como o General Dutra e o General Góes Monteiro.

Segundo José Murilo de Carvalho10, será após a Revolução de 1930 que o Exército se viu instalado no centro do poder político nacional. Os conflitos intra-oligárquicos da política nacional abriram espaço para o avanço da burocracia militar, que buscará resolver os seus antagonismos ideológicos internos através dos expurgos que consolidaram uma nova liderança militar. A nova liderança hegemônica consolidará o poder militar através do apoio ao Estado estabelecido.

Apesar de ser lançado no meio dos acontecimentos de 1930, o Exército se encontrava fragilizado e fragmentado pelas crises políticas dos anos 1920. Na realidade, a Revolução de 1930 havia sido um movimento político civil que contara com a participação de alguns setores militares. A maioria dos Oficiais não havia participado do movimento e alguns aderiram no último momento, quando a revolução estava praticamente vitoriosa. Com a vitória revolucionária, era necessário ter uma cúpula militar que apoiasse o novo regime.

Um dos atos de Getúlio Vargas, durante o Governo Provisório, foi conceder anistia a todos os Oficiais revoltosos dos anos 1920, que foram reintegrados ao Exército e passaram a ocupar postos importantes no governo. A participação dos tenentes rebeldes no poder revirava a hierarquia militar e aumentava as tensões entre a baixa e alta oficialidade.

Além da anistia, Getúlio Vargas promoveu vários Oficiais que participaram da revolução, como foi o caso de Góes Monteiro11, que era Tenente-Coronel e foi sendo promovido com interstício mínimo, galgando todos os postos até o de General-de-Divisão, o mais alto grau hierárquico dos Oficiais na época, em curto período de três anos. Esse oficial, posteriormente foi peça importante no Golpe de 1937 junto com o General Dutra. Apesar de Dutra12 ter se mantido na condição de legalista não aderindo a Revolução de 1930, posteriormente, essa sua postura de neutralidade comum nos indivíduos conservadores fez com que apoiasse o Estado na repressão da Revolução Constitucionalista de 1932 e na repressão do Levante Militar de 1935, sendo escolhido mais tarde para ser o Ministro da Guerra no momento em que o Estado varguista organizava um Golpe para instalar o governo autoritário do Estado Novo.

Analisando o Almanaque de oficiais do Exército de 1931, podemos perceber a extensão das ações do Governo Provisório, com relação aos expurgos de militares do Exército, os quais não foram acompanhados da imediata promoção de outros militares, a fim de preencher os claros abertos com a Revolução. Tomamos por base para essa análise que, normalmente, as depurações são feitas de cima para baixo, principalmente nos Altos Escalões, posições chaves no aparelho de Estado. Logo, escolhemos analisar os expurgos dos oficiais generais que estavam na ativa antes da Revolução de 1930. Dos onze Generais-de-Divisão constantes do almanaque, nove foram reformados administrativamente13, sobrando apenas, dois, os generais Augusto Tasso Fragoso, e o general João de Deus Menna Barreto, que fizeram parte da Junta Militar que derrubou o presidente Washington Luís. Dos vinte e cinco Generais-de-Brigada constantes do almanaque, sete foram reformados administrativamente, restando dezoito. Percebemos, que a reforma da alta cúpula dirigente foi acompanhada da tentativa de homogeneização da organização, obtida através dos expurgos dos oficiais discordantes.

Com relação às promoções14 no imediato pós-1930, podemos destacar que, para General-de-Divisão, nenhum militar foi promovido com o objetivo de ocupar um dos nove claros existentes, mantendo apenas os dois generais que participaram da derrubada do antigo governo. Para General-de-Brigada, foi promovido apenas um militar, general Maximino Barreto, e recolocado outro no Almanaque, o general Izidoro Dias Lopes, que participou das rebeliões tenentistas dos anos 1920, permanecendo cinco claros abertos. As vagas abertas de generais foram sendo preenchidas de acordo com os interesses políticos do novo grupo que se instalou no poder.

Em maio de 1932, Getúlio Vargas enfrentou uma grave crise militar que determinou a demissão do Ministro da Guerra, o General Leite de Castro, empossado após o movimento revolucionário de 1930, que foi substituído pelo General da Reserva Espírito Santo Cardoso.

Segundo a pesquisadora do CPDOC / FGV, Dulce Pandolfi15, a crise ficou conhecida como o caso dos “picolés” e “rabanetes”. Eram chamados de “picolés” os tenentes que se mostraram frios diante da adesão, no último momento, de oficias à Revolução de 1930. Por outro lado, chamavam os que aderiram no último momento de “rabanetes”, por serem vermelhos por fora, mas branco por dentro. A crise se intensificou quando o Ministro da Guerra considerou, para efeito de promoção, os “picolés” mais antigos do que os “rabanetes”. Os Oficiais prejudicados protestaram e foram punidos disciplinarmente. A tensão foi solucionada com a criação de quadros paralelos de promoção para os “picolés”, cujas promoções por antiguidade se fariam sem o preenchimento de vagas, logo, sem prejuízo para os “rabanetes”, que tinham o mesmo tempo de serviço militar. No entanto, a punição dos “rabanetes” gerou revolta nas guarnições militares de diversos estados da federação e aumentou o clima de agitação política.

No mês de julho de 1932, eclodiu, em São Paulo, a Revolução Constitucionalista. O Estado de São Paulo se sentia prejudicado com o resultado da Revolução de 1930, que levou ao estabelecimento de uma política centralizadora pelo governo federal. Os paulistas, em armas, passaram a exigir o fim do regime estabelecido e maior autonomia para o seu Estado. O conflito durou três meses. No dia 2 de outubro, os rebeldes foram cercados por tropas legais e se renderam. Os principais líderes foram presos, tiveram seus direitos políticos suspensos por três anos ou foram deportados.

Com a Revolução de 1932, tivemos mais um momento de expurgos das elites civis e militares, pois a repressão não se dirigiu apenas aos revoltosos do Estado de São Paulo. Foi estendida a uma parcela da liderança do Rio Grande do Sul e de Minas Gerais que havia participado da Revolução de 1930, como foi o caso de Artur Bernardes, Borges de Medeiros, Assis Brasil, Epitácio Pessoa, entre outros, por terem apoiado o movimento paulista. Conforme análise de José Murilo de Carvalho16, cerca de 500 oficiais e 500 praças do Exército foram expulsos ou reformados administrativamente.

Após o movimento revolucionário de 1932, Getúlio Vargas viu a necessidade de continuar fazendo a reestruturação das Forças Armadas e de fazer dos militares atores políticos importantes para o governo. Para tanto, foi necessário continuar eliminando antigos Generais nomeados pelos governos anteriores a 1930, principalmente, nesse novo momento, aqueles que participaram da Revolução Paulista.

A partir de 1932, teremos a ascendência de novos Generais, como foi o caso de Pedro Aurélio de Góes Monteiro, Eurico Gaspar Dutra, Francisco Ramos de Andrade Neves, Álvaro Guilherme Mariante, Raimundo Rodrigues Barbosa, José Sotero de Menezes Junior, Cesar Augusto Pargas Rodrigues, João Guedes da Fontoura, Valdomiro Castilho de Lima, Cristovão de Castro Barcelos, Constancio Deschamps Cavalcanti, Emilio Lucio Esteves, Francisco José da Silva Junior, entre outros17.

No caminho para o estabelecimento do Estado Novo, tivemos o Levante Comunista de 1935, que sublevou algumas guarnições militares no Brasil (Natal, Recife e Rio de Janeiro), o qual foi violentamente debelado, e representou mais um momento no processo político de depuração da elite civil e militar vitoriosa em 1930.

Depois do Levante, uma forte repressão se abateu não só contra os comunistas, mas contra todos aqueles considerados opositores ao regime. Milhares de pessoas foram presas em todo o país, como foi o caso do prefeito do Distrito Federal, Pedro Ernesto, um dos articuladores da Revolução de 1930. Centenas de Oficiais, Sargentos, Cabos e Soldados foram expulsos do Exército.

O Levante Comunista serviu de pretexto para o fechamento do regime e, no dia 10 de novembro de 1937, foi instalado o Estado Novo, regime autoritário, que durou até 1945.

O passo seguinte do novo regime instalado com o Estado Novo foi consolidar os expurgos iniciados com a Revolução de 1930, os quais foram acompanhados da imediata promoção de outros militares, a fim de substituir os claros abertos com o Golpe18. Para tanto, quatorze generais foram reformados - compulsoriamente ou pela idade - ou passados a reserva, sendo, oito Generais-de-Divisão dos quinze existentes, e seis generais-de-brigada dos vinte e cinco existentes. Com relação às promoções, podemos destacar que, para o quadro de General-de-Divisão, foram promovidos três militares, e mantidos cinco claros abertos. Para o quadro de General-de-Brigada, foram promovidos nove militares, ocupando todos os claros existentes.

Logo, podemos entender que, para governos revolucionários, não deve haver o bom-senso de se esperar certa neutralidade das antigas elites administrativas que estavam no poder. Não poderiam contar com o apoio que necessitariam para estabilizar o novo governo. No máximo, um dirigente político centralizador, com idéias firmes, com o apoio de seus colegas e de uma parcela da administração pública, conseguiria negociar obstáculos a sua maneira. Boris Fausto19 crê que a Revolução de 1930 no Brasil deve ser entendida como o resultado de disputas intra-oligárquicas fortalecidas por movimentos militares dissidentes, que tinham como objetivo golpear a hegemonia da burguesia cafeeira. No entanto, em virtude da incapacidade das demais frações de classe para assumir o poder de maneira exclusiva, e com a falência da política da burguesia do café, abriu-se um vazio de poder, que teve como resposta o Estado de compromisso, Estado que se abre a todas as pressões sem se subordinar necessariamente a nenhuma delas. Suas principais características são uma maior centralização, com a subordinação das oligarquias ao poder central, a ampliação do intervencionismo, que deixa de ser restrito ao setor cafeeiro, além do estabelecimento de certa racionalização de algumas fontes fundamentais de riqueza pelo capitalismo internacional.

Do ponto de vista ideológico e político o que se verifica é um progressivo abandono do modelo liberal pelos quadros dirigentes e uma aproximação com matrizes de pensamento autoritário.

Para Miliband, os altos funcionários civis constituem, dentro do sistema estatal, a voz de cautela e da moderação e o seu motto permanente é <
>, pelo menos em relação a uma reforma radical
20.

Ralph Miliband, além da discussão da incompatibilidade com a noção de neutralidade, em geral atribuída à função que o servidor público civil dos altos escalões administrativos exerce nos países capitalistas avançados, atenta para o fato de que o conservadorismo desses funcionários deve ser encarado em termos específicos, na defesa de uma ordem social particular, com definições de configuração de classe e hierarquia, ou seja, são aliados conscientes ou inconscientes das elites econômicas e sociais existentes, devendo portanto, ser desmobilizados nos casos de movimentos revolucionários que levam à mudança de governo.

A principal razão que sustenta a discussão anterior fica em torno da origem social e da formação educacional que fazem com que eles participem de um meio social específico, cujas idéias, preconceitos e concepções, provavelmente compartilharão, e, estarão destinados a influir, na verdade a definir, como sua imagem de interesse nacional.

Além disso, a seleção e o sistema de promoção passam a ser feitos de maneira diferente de quando eram realizados com base na origem social ou filiação religiosa em alguns casos, pois como Ralph Miliband explica, “Espera-se que eles se situem dentro de um espectro de pensamento no qual o conservadorismo rígido está num dos extremos e um débil reformismo no outro21. A opção para a escolha dos servidores do Estado passa a ser o mérito intelectual na construção da carreira, com provas, cursos, conceitos valorizando a carreira, instituídos desde o processo seletivo até a conquista dos mais altos cargos administrativos. No caso dos países subdesenvolvidos, esses crivos seletivos podem servir na construção de um grupo mais homogêneo e determinar o uso de modelos discriminatórios, pois, pela justificativa oficial, o modelo é necessário, a fim de excluir os riscos na segurança da política estatal, principalmente nas instituições estratégicas, como o caso das pastas militares.

Percebe-se que essa noção de risco de segurança construída com base na política dos países desenvolvidos, e que pode ser utilizada para os países subdesenvolvidos, é bastante flexível e pode ser facilmente estendida para atingir quem quer que tenha opiniões e idéias contrárias ao sistema político estabelecido, a fim de manter a ordem social, fortalecendo, uma postura conservadora do funcionalismo público.

Miliband22 conclui que, no caso estudado, a burocracia estatal não constitui um elemento impessoal, não ideológico ou apolítico em sua sociedade. Esse grupo, formado por altos funcionários civis, cujos interesses específicos normalmente se identificam com os das elites econômicas, constituem um elemento crucialmente importante e engajado na manutenção e defesa da estrutura de poder e de privilégio inerentes ao capitalismo avançado.

Com relação a sua análise sobre os militares na função de servidores do Estado, o autor trabalha teoricamente de maneira oposta a Samuel Huntington23. Ralph Miliband, que faz sua análise com base na divisão centro e periferia, diz que, em países desenvolvidos, os militares que ocupam altos postos na burocracia estatal não estão livres de uma adesão ideológica ou política. A imagem de dedicação exclusiva a um interesse nacional e às virtudes militares (honra, coragem, disciplina), livre de influência partidária, foi alimentada e fortalecida pelo fato de que os militares, em países de economia capitalista avançada, se mantêm, normalmente, fora da política, pelo menos no envolvimento direto na parte aberta e visível do processo político daquele país.

Para o autor24, os oficiais de alta patente em países avançados constituem um elemento profundamente conservador e mesmo reacionário dentro do sistema político e na sociedade de maneira geral, além do que, muitas vezes, sua origem social, e principalmente o seu interesse profissional, os tem conduzido a encarar o caráter e o conteúdo da política democrática com receio, suspeita, até mesmo com hostilidade.

No caso de alguns países subdesenvolvidos, como o Brasil nos anos 1930, parte do Corpo de Oficiais foi movido por impulsos modernizadores radicais conservadores, apoiando movimentos destinados a derrubar, ou pelo menos reformar, estruturas sociais, econômicas e política consideradas atrasadas.

Prosseguindo a discussão, Ralph Miliband trata da questão relacionada ao conservadorismo dos militares. Para o autor, normalmente esse conservadorismo assume um caráter específico, pois implica não só a aceitação das Instituições vigentes, ou de valores particulares, mas também de um sistema econômico e social específico e uma oposição igual a qualquer alternativa ao sistema vigente. Ralph Miliband cita o caso em que, em época anterior da História do capitalismo, as elites militares olhavam com desdém aristocrático a burguesia empresarial interessada em obter grandes lucros.

No caso do Exército Brasileiro, o conservadorismo aristocrático é fato presente desde o início do século XIX, principalmente com a instituição do cadetismo, uma das formas de seleção dos oficiais, que exigia título de nobreza para o ingresso na força. Ao longo do século XIX, o conservadorismo aristocrático vai se flexibilizando, principalmente com as tentativas de profissionalização do Exército. A partir de 1931, temos um novo momento de retomada do interesse aristocratizante no Exército, junto às reformas estabelecidas na EMR pelo Coronel José Pessoa, Comandante daquele Instituto de Ensino Superior Militar.

Ralph Miliband25 conclui que o mais relevante da sua discussão, não está no fato de os militares exercerem importante influência sobre a política do Estado. O mais significativo, é que tais influências serão fatalmente direcionadas a ações conservadoras das elites militares e, se poderá esperar o fortalecimento das tendências preconceituosas e conservadoras do governo estabelecido e o esforço possível para agir como mais um elemento na política interna de restrição e censura contra políticas que não correspondam a sua própria concepção conservadora de interesse nacional. Além do que, tomando por base a sua orientação ideológica, as elites militares deverão sempre apoiar com especial interesse as ações do poder civil no combate à subversão interna, principalmente contra militantes políticos da esquerda, e também atuar como agente coercitivo da ordem social vigente.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

CARNOY, Martin. Estado e Teoria Política. Campinas, Papirus, 1986.

CARVALHO, J. M. Forças armadas e política, 1930 – 1945. In: CARVALHO, J. M. Forças Armadas e Política no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

FERNANDES, Heloísa Rodrigues. Os militares como categoria social. São Paulo: Global, 1979.

HUNTINGTON, Samuel P. O Soldado e o Estado. Teoria e Política das Relações entre Civis e Militares. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1996.

MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

PANDOLFI, Dulce Chaves. Os anos 1930: as incertezas do regime. In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucília de Almeida Neves (org.). O Brasil Republicano: o tempo do nacional-estatismo – do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Livro 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 24-25.

SCHIERA, Pierangelo. Estado Moderno. In: Dicionário de Política / N. Bobbio, N. Matteuci e G. Pasquino; tradução Carmem C. Varriale... [et. Al.]; coordenação a tradução João Ferreira; revisão geral João Ferrreira e Luís Guerreiro P. Cascais. 5ª ed. Brasília: UNB: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000.





1 SCHIERA, Pierangelo. Estado Moderno. In: Dicionário de Política / N. Bobbio, N. Matteuci e G. Pasquino; tradução Carmem C. Varriale... [et. Al.]; coordenação a tradução João Ferreira; revisão geral João Ferrreira e Luís Guerreiro P. Cascais. 5ª ed. Brasília: UNB: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2000, p. 426.

2 CARNOY, Martin. Estado e Teoria Política. Campinas, Papirus, 1986, p. 9.

3 CARNOY, Martin. Estado e Teoria Política. Campinas, Papirus, 1986, p. 93.

4 Ibid, p. 219.

5 Ibid, p. 234.

6 Ibid, p. 247.

7 Segundo a socióloga Heloísa Fernandes, a análise da situação de categoria social dos militares depende da determinação da origem social do grupo. Por falta de dados, achou difícil afirmar a tese da origem de classe média das Forças Armadas, defendida por vários estudiosos que analisam a intervenção na política pelos militares. A autora propõe nesse trabalho, preencher a lacuna da origem social dos militares, pesquisando por comparação a origem dos alunos da Academia de Polícia Militar de São Paulo em 1970, por tratar-se de uma Instituição com hierarquia militar e com funções bastante semelhantes, no que se refere à manutenção da ordem interna. Para seus estudos, a autora fundamentou, na primeira parte do trabalho, sua análise teórica, com base no conceito de categoria social, com diferentes perspectivas e marcada por certa concepção da relação Estado e sociedade. Esse conceito sociológico, que procura dar conta dos militares na sociedade capitalista, foi construído por diversos autores (MaxWeber, Mannheim, Gramsci, Althusser e Poulantzas) e de formas diversas. O conceito é construído em dois momentos: no primeiro, quando localiza o seu objeto no interior da divisão social do trabalho, ou seja, o lugar da categoria social, seu lugar no Estado; segundo, a seleção de sua determinação básica, pela sua função na super-estrutura (dominação e direção), ou seja, pela função de manutenção/reprodução da ordem social. Logo, o conceito se constrói pela seleção de suas determinantes principais: lugar e função (que delimitam seu espaço). Por elas se realiza uma dupla localização: de quem se trata e para que servem. Portanto, pelo lugar e pela função procede-se à delimitação do seu espaço no social. O conceito de categoria social (como grupo organizado) é impensável sem o conceito de aparelhos de Estado, lugar da sua organização. Em síntese, a categoria social refere-se a grupos sociais organizados – aparelhos e suas práticas – que não estão inscritos na produção. FERNANDES, Heloísa Rodrigues. Os militares como categoria social. São Paulo: Global, 1979.

8 MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972, p.147.

9 MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972, p.149.

10 CARVALHO, J. M. Forças armadas e política, 1930 – 1945. In: CARVALHO, J. M. Forças Armadas e Política no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2005, p. 62.

11 AHEx. Almanaque de Oficiais do Exército de 1933. Pedro Aurélio de Góes Monteiro, promoções: Aspirante – 2 Jan 1910; 2º Tenente – 29 Abr 1914; 1º Tenente – 8 Jan 1919; Capitão – 23 Jan 1924; Major – 19 Out 1926; Tenente-Coronel – 25 Jul 1929; Coronel – 10 Mar 1931; General-de-Brigada – 7 Mai 1931; General-de-Divisão – 6 Out 1932.

12 AHEx. Almanaque de Oficiais do Exército de 1936. Eurico Gaspar Dutra, promoções: Aspirante – 14 Fev 1908; 2º Tenente – 20 Jan 1910; 1º Tenente – 12 Jul 1916; Capitão – 2 Ago 1921; Major – 5 Mai 1927; Tenente-Coronel – 16 Mai 1929; Coronel – 17 Dez 1931; General-de-Brigada – 22 Set 1932; General-de-Divisão – 9 Mai 1935.

13 Ver anexo I, relação de generais reformados administrativamente, de acordo com o Almanaque de Oficiais do Exército de 1930 e 1931.

14 AHEx. Almanaque de Oficiais do Exército de 1931.

15 PANDOLFI, Dulce Chaves. Os anos 1930: as incertezas do regime. In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucília de Almeida Neves (org.). O Brasil Republicano: o tempo do nacional-estatismo – do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Livro 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p. 24-25.

16 CARVALHO, J. M. Forças armadas e política, 1930 – 1945. In: CARVALHO, J. M. Forças Armadas e Política no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 2005, p. 85.

17 AHEx. Almanaque de Oficiais do Exército de 1933.

18 AHEx. Almanaque de Oficiais do Exército de 1937 e 1938.

19 FAUSTO, Boris. A revolução de 1930. Historiografia e História. 11ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1987, p. 104-111.

20 MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972, p.151.

21 Ibid, p.152.

22 MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972, p.158.

23 HUNTINGTON, Samuel P. O Soldado e o Estado. Teoria e Política das Relações entre Civis e Militares. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1996.

24 MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972, p.159.

25 MILIBAND, Ralph. O Estado na Sociedade Capitalista. Rio de Janeiro: Zahar, 1972, p.168.

Catálogo: pos -> mesthis -> abed -> anais
anais -> Orientador: Francisco César Alves Ferraz (Mestrado em História Social ppghs – Universidade Estadual de Londrina) Palavras-Chave
anais -> Colônia militar de foz do iguaçU: uma experiência administrativa do exército brasileiro
anais -> A marinha imperial enquanto instrumento da política externa do império do brasil no paraguai (1868-1876)
anais -> A trincheira da batalha da memória a versão dos grupos de civis e militares da reserva
anais -> A batalha das Termópilas: Uma arena para debate sobre alguns aspectos da estratégia
anais -> Notas sobre a vida arregimentada nos corpos da 13ª região militar (1909-1914)
anais -> Doutrina militar
anais -> Carlos André Lopes da Silva, Capitão-Tenente (T)
anais -> Palavras-chave
anais -> Vestindo a farda: a identidade da mulher militar na


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal