O fundamentalismo islamita e o seu terrorismo suicida



Baixar 50.33 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho50.33 Kb.

POR FAVOR LEIA COM ATENÇÃO



COMO GUARDAR O TEXTO
Para guardar este texto (incluindo dados adicionais) seleccione a opção GUARDAR (em inglês, SAVE) no seu browser (Explorer, Navigator…), dentro do menu FICHEIRO (em inglês, FILE).
Na opção GUARDAR COMO (em inglês, SAVE AS), também no menu FICHEIRO, poderá guardar o texto e atribuir um novo nome.

COMO IMPRIMIR O TEXTO

Para imprimir este texto (incluindo dados adicionais) seleccione a opção IMPRIMIR (em inglês, PRINT) no seu browser, dentro do menu FICHEIRO (em inglês, FILE).


Também poderá aceder a esta função seleccionando o botão de impressão (com a imagem de uma impressora), disponível na barra de ferramentas.

NOTA IMPORTANTE
Para voltar ao artigo não feche esta janela. Utilize o botão do browser RETROCEDER (em inglês, BACK), situado no lado esquerdo da barra de ferramentas.

O fundamentalismo islamita e o seu terrorismo suicida
José Anes *
Janus 2007

O fundamentalismo islamita – que não é todo violento, na sua prática – é corporizado por duas organizações que têm tido uma grande importância nos séculos XX e neste começo do século XXI, as quais rejeitam o mundo cultural, social e religioso ocidental, que consideram uma ameaça tenebrosa – uma afronta que choca com os valores culturais e religiosos do Islão – e defendem uma islamização da sociedade. São, ambas fundamentalistas não-violentas. A Irmandade Muçulmana, fundada no Egipto em 1928 por Hassan Al-Banna (1906 – 1949) – Irmandade que, mais tarde, vai inspirar organizações similares em diversos países, como o palestiniano “Hamas” e a indiana Tablighi Jammat, fundada em 1927 por Muhamad Illya, que (pela sua dimensão global) é uma verdadeira multinacional de pregação islâmica – que por vezes é utilizada como cobertura e porta de passagem de elementos radicais para actividades violentas1. Dos Irmãos Muçulmanos – que proclamam a dawa (pregação), sendo o seu lema “pregadores, não juízes”2 – saíram ao longo dos tempos, devido à insatisfação dos seus elementos mais radicais com a sua linha reformista, algumas organizações egípcias extremamente violentas, como o Takfir al-Hijra (“Anátema e Exílio”, assim baptizado pelos jornalistas) – muito provavelmente o primeiro grupo terrorista islamita do século XX –, o Gammaa’t Islamyya (Grupo Islâmico) e a Jihad Islamyya (Combate Islâmico). Para um dos maiores teóricos da violência islamita, Sayid Qutb, o restabelecimento da lei de Deus (a sharia) só pode ser atingido através da “guerra santa”, da jihad, e para tal, o terrorismo, realizado por uma vanguarda, era uma boa e legítima via. Abd al Salam Farraj (1932 – 1982), autor de A Obrigação Não Cumprida (1979), afirmou que os muçulmanos tinham negligenciado, nos nossos dias, uma “obrigação” fundamental do Islão: a jihad “contra os infiéis e os apóstatas”, que seria assim um verdadeiro 6.º Pilar do Islão. Responderam a esse apelo várias organizações, uma das quais, a egípcia “al Jihad al Islamyya”, cujo membro mais importante era o médico Ayman al-Zawahiri, o actual “número dois” da Al-Qaeda – e seu grande ideólogo e estratega – tendo levado a sua organização a integrar, mais tarde, a “Frente Internacional para a Luta contra os Judeus e Cruzados”, fundada em 1998 por Osama Bin Laden, organização que também integrava (e integra, tudo indica, pelo menos os seus elementos no exílio) o também egípcio “Grupo Islâmico (Gamaa’t Islamyya), liderado espiritualmente pelo cego xeique Abd el Raman, que foi preso no Egipto, tendo fugido para o Sudão e, depois, estranhamente, entrado nos EUA, onde planeou o primeiro atentado contra as Torres Gémeas/World Trade Center, em 1993. Outras organizações que integram esta Frente de jihad salafista global figuram no Quadro em anexo, sendo de salientar no lado esquerdo as organizações com uma agenda nacional e no lado direito as que, além desta agenda nacional, integram a “frente salafista global”.

No entanto, quando se fala de terrorismo islamita, o nome mais sonante é o do saudita Bin Laden e a sua Al-Qaeda al-Jihad (“A Base da Jihad”), constituída a partir de 1984, no Afeganistão, e “baptizada” com o seu actual nome em 1988. A organização esteve sediada nesse país até 1992 (aquando da queda de Cabul), tendo-se deslocado para o Sudão até 1996, regressado nesse ano ao Afeganistão3, devido à pressão ocidental e particularmente dos EUA sobre a liderança sudanesa. O regime dos Talibãs e a hospitalidade do seu líder espiritual mulá Omar, e também a retribuição generosa de Bin Laden, fizeram com que, durante alguns anos, o núcleo central dirigente da “Al-Qaeda” (Bin Laden, Al-Zawahiri, etc.) planeasse, e desenvolvesse uma complexa e eficaz actividade terrorista– com as suas diversas valências, operacional, logística, de comunicações e financeira – a partir desse país – mantendo, no entanto, campos de treino, além do Afeganistão, no Sudão, na Bósnia, no Iémen, nas Filipinas, etc. Apoiada por outros “núcleos” regionais, o “árabe” (que planeou e executou o 11 de Setembro), o “magrebino” (que planeou e realizou os atentados de Paris, Strasbourg e o caso do “shoe bomber”) e o “do Sudeste Asiático” (que se ocupou dos atentados na Indonésia, em Singapura e nas Filipinas), a Al-Qaeda realizou uma mortífera e espectacular “jihad” global de natureza terrorista – cada vez mais utilizando o suicídio terrorista – assente numa estratégia bem pensada e (geralmente) bem executada, de que foram pontos altos os ataques bombistas contra as Embaixadas dos EUA de Nairobi e Dar-es-Salam, em 1998, o ataque ao navio USS Cole, em Aden, em 1999 e a acção de violência “apocalíptica”, em solo norte-americano, contra as Torres Gémeas e o Pentágono, em 2001 – sobre a história e a natureza da Al-Qaeda veja-se o excelente livro de R. Gunaratna — No interior da Al-Qaeda.

Face ao cerco das polícias, das informações e dos exércitos dos países ocidentais e de alguns países muçulmanos, seus aliados nesta luta, a Al-Qaeda não possui actualmente a mesma capacidade de organização directa dos atentados, que tinha há alguns anos com as suas vertentes financeiras, logísticas e operacionais. No entanto, devido ao prestígio que conquistou, pela suas actuações espectaculares, nas camadas mais radicais e anti-ocidentais do mundo muçulmano – e também, diga-se, devido a alguns erros dramáticos cometidos pelo Ocidente na luta contra o terrorismo4 – a Al-Qaeda é hoje, também, uma ideologia global que influencia e serve de guia a muitos muçulmanos que consideram o Ocidente um inimigo perigoso que convém abater. Por isso, assistimos hoje a um conjunto de atentados nem todos dirigidos directamente (em “rede”) ou indirectamente (em “nebulosa) pela organização Al-Qaeda, mas muitos dos quais são inspirados pela ideologia Al-Qaeda, apresentando grande iniciativa local e uma grande (e perigosa) volatilidade. Essa grande iniciativa local – que dá uma ideia errada de total independência – é, no entanto, apoiada, mais ou menos discretamente, por uma personagem fundamental nas acções terroristas religiosas, que é o “facilitador”5 – equivalente do “controleiro” das organizações políticas clandestinas –, o qual promove a selecção e o recrutamento, o enquadramento religioso (nas mesquitas radicais ocidentais, ou nas madrassas, escolas corânicas orientais) e a formação operacional, quer de base, quer complementar – organizando discretamente visitas a campos de treino, nem que seja sob a capa de aprendizagem religiosa6–, apoio logístico e financeiro e respectivo comando operacional.
O suicídio terrorista dos “mártires” islamitas
É um facto indesmentível que grande parte das acções terroristas realizadas por organizações e elementos islamitas radicais são de natureza suicida – vaga que começou nos anos de 83 no Líbano pela organização Hezbolah e que se estendeu, na Palestina, ao Hamas e à Jihad Islâmica e, noutras paragens, a diversas outras organizações terroristas, das quais se destaca a própria Al-Qaeda.

José Sanmartin7, psicólogo, afirma que “não se nasce um terrorista, um terrorista faz-se”. Este processo de socialização do “jihadista” apresenta uma fase primária que se desenvolve, nos países muçulmanos, na família, na escola e/ou no grupo social e religioso em que o futuro terrorista vive e, nos países ocidentais, nas mesquitas radicais e nos grupos de amigos que se constituem em torno delas. Quanto à fase de socialização secundária, ela realiza-se já dentro do grupo terrorista.

Muitos perguntam se não haverá, no entanto, certas características psicológicas e mentais que propiciem a um indivíduo a escolha da via terrorista e do terrorismo suicida em particular – isto para além dos problemas verificados na infra-estrutura socioeconómica, mais determinantes nos países muçulmanos, menos determinantes nos países ocidentais. Tudo indica que a “propensão a dicotomizar, a dividir o mundo em dois grupos irreconciliáveis (o do próprio e o dos outros)” e, como consequência, a “projecção sobre os outros de todo o seu ódio e frustração”, “responsabilizando os outros por essas próprias frustrações”, é a característica determinante para a escolha da via terrorista, a qual é sistematicamente desenvolvida nesse processo de socialização secundária que decorre dentro do grupo, levando o ódio até às suas últimas e violentas consequêncIas contra a “fonte” de todas as frustrações e de toda a humilhação: o inimigo, ser que se aprende a considerar como um inferior e abjecto, sob o ponto de vista rácico, mas sobretudo sob o ponto de vista religioso e que, por isso, só pode ter um destino, o de ser morto implacavelmente, num acto de superior “justiça divina” de que o terrorista é um “nobre” instrumento.

Humilhação é uma palavra-chave para se compreenderem as motivações profundas dos terroristas religiosos e islamitas em particular. Farhad Khosrokhavar8 – que sustenta haver traços comuns entre a subjectivação e a socialização existente em grupos terroristas e a que existe em “seitas” e “cultos” violentos – considera que há que considerar uma distinção entre três tipos de humilhação: a que nasce da inferioridade social e da marginalidade económica, a que nasce do que é noticiado pelos media relativamente ao que é entendido como uma “ofensiva” político-militar do Ocidente contra o Islão (Palestina, Iraque, etc.) e, ainda, a que reside na ameaça cultural e religiosa de um Ocidente laico e dominador. Mas, mais importante é o sentimento da humilhação, dado por uma superestrutura religiosa fundamentalista radical que, depois da falência das grandes ideologias laicas, surge como a última reserva de identidade resistente face às injustiças sociais, económicas e político-militares e face á ameaça cultural e religiosa ocidental. É forçoso concordar que a maior humilhação dos nossos dias reside, por exemplo, em África, onde a fome e a doença semeiam a miséria e a morte. Mas uma coisa é a humilhação – dada pela infra-estrutura – e outra é o respectivo sentimento de humilhação – dado hoje sobretudo pela superestrutura ideológica religiosa do fundamentalismo radical e extremista que leva a uma “efervescente” vivência identitária que lhes dá um profundo sentido à vida e uma grelha absoluta de leitura e interpretação do mundo – o que era dado pelas ideologias laicas totalitárias – e os conduz à acção violenta. Essa vivência identitária de afirmação e defesa de valores faz com que esses elementos se sintam parte plena de, no caso do islamismo radical, uma vasta “nação islâmica”, levando-os a sentirem-se solidários (mesmo o que têm uma vida aparamente estável e realizada) com todos os que sofrem injustiças nesse universo cultural e religioso a que pertencem ou a que aderiram. Daí, a “Jihad” em geral e o terrorismo suicida em particular.

Segundo Mark Juergensmeyer9, nos actos de terrorismo religioso, os candidatos a suicidas têm preferencialmente de cumprir o critério tradicional de pureza – ou – e de purificação – e anomalia necessários à qualidade de vítimas sacrificiais. De salientar, a propósito, a perspectiva antropológica da relação do sagrado com a “pureza” e a dicotomia puro/impuro que, neste contexto, tão bem analisou Mary Douglas em Purity and Danger (1966). No jornal Público de Dezembro de 2004, podia ler-se o comunicado da FPLP (laica, mas resvalando, por mimetismo e emulação, para o discurso religioso) acerca do atentado bombista de 1/11/04 perpetrado por um jovem suicida de 16 anos, no mercado central de Telavive: As Brigadas Abu Ali Moustapha, o ramo militar da FPLP, conseguiram atingir o coração do inimigo sionista... O nosso camarada Amer Al-Fahr, do campo de Askar, em Nablus, tornou-se mártir ao fazer explodir o seu corpo puro entre os ocupantes (sionistas) infligindo-lhe perdas. No entanto, é conveniente esclarecer que, em virtude do carácter autopurificador do martírio, há casos em que o mártir foi involuntariamente poluído – através de uma violação – o que não diminui a sua “pureza” essencial, antes torna mais necessária a purificação pelo martírio. O auto-sacrifício e o idealismo suicidário dos jovens militantes radicais islamitas que praticam o terrorismo suicida, as suas mensagens de despedida e de autojustificação da “guerra santa”, e os funerais-celebrações (misto de casamento e de cerimónia religiosa), dão todo um sentido religioso e celebram a morte e o martírio, transformando os actores do terrorismo religioso de assassinos em mártires e justificando, moral e religiosamente, esses actos terroristas. Outro exemplo deste universo radical é a fatwa de Fevereiro de 1998, de Ossama Bin Laden, segundo a qual a “guerra defensiva” é realizada por nobres guerreiros que ou sobrevivem e são heróis, ou morrem e são mártires. Por seu lado, o “líder supremo dos estudantes de Teologia”, o mulá Omar, declarou que as milícias “talibãs” «beneficiam da intervenção de Deus» e prometeu «a felicidade eterna no paraíso aos que morrerem mártires contra a agressão americana». (in Público, 23/10/01, p.3). Outro exemplo da noção de missão religiosa de que o mártir se sente investido: O encontro com Deus é o melhor o o mais importante desta vida. Juro por Deus que algures se encontra o Paraíso maior que os Céus e a Terra... Esta vida dos nossos dias não é mais que um divertimento, uma distracção e a procura de dinheiro... Uma operação da Jihad conduzida por um Mujahid, de coração repleto de fé e amor...assusta os arrogantes (comunicado de 11/2/2001, distribuído em Gaza e assinado pelo mártir, o jovem Hicham Ismail, da Jihad Islâmica).

Mas é preciso salientar que a morte sacralizada do mártir deve associar-se à simultânea expulsão sacrificial dos “infiéis” e opressores, provocada e oferecida pelo “mártir”. Daí a extraordinária eficácia simbólica – além da grande eficácia operacional que provoca mortes e feridos e, ainda, o terror entre o inimigo – do terrorismo suicida, que assenta numa dupla purificação: a autopurificação do mártir e a purificação do mundo dos seus elementos poluidores. É claro que isto só é possível num quadro religioso “efervescente” e de devoção extrema que existe em certas camadas do Islão actual, as noções e os sentimentos de humilhação e de honra que redime essa humilhação em que; alicerçados e alimentados pelas ideias (presentes em todas as religiões, mas não vividas tão intensamente em todas as latitudes e em todas as épocas) de negação da morte por superação – não por nojo ou medo – e as de imortalidade pessoal e de ressurreição dispensadas aos justos e aos mártires, ideias que são muito fortes e intensas no islamismo radical e extremista.



*José Anes

Licenciado em Química pela Faculdade de Ciências de Lisboa. Criminalista do Laboratório de Polícia Científica da Polícia Judiciária durante 19 anos. Docente convidado da FCSH/UNL, durante 18 anos. Doutorando em Antropologia da Religião.

É Vice-Presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo. Co-autor do livro “As Teias do Terror” (2006) e Director da revista “Segurança e Defesa”. É docente convidado do curso de pós-graduação e Mestrado em Direito

e Segurança, na Faculdade de Direito da UNL. Foi docente do curso de especialização em “Violência Religiosa Contemporânea” na UAL.



Notas

1 Há notícia de que dois dos terroristas do 7 de Julho de 2005, em Londres, fizeram pelo menos uma viagem ao Paquistão para aprofundamento doutrinário, a qual foi complementada por treinamento em campos militares da Al Qaeda, na zona fronteiriça com o Afeganistão.

2 Devido ao seu carácter não violento, há notícias recentes de que os ingleses começaram uma via de diálogo com esta organização fundamentalista egípcia, devido ao seu grande prestígio e influência no mundo muçulmano ocidental.

3 Por essa altura, segundo os especialistas, constituía o núcleo central da Al-Qaeda e seus familiares, um total de cerca de 1000 pessoas, que foi necessário fazer deslocar nessas andanças da Ásia Central para África e respectivo retorno.

4 De que o caso recente da invasão do Iraque é o exemplo mais eloquente.

5 Ver o artigo de Jean-Luc Marret — “Les jihadistes en France et aux États-Unis”. In Les fabriques du Jihad, obra colectiva dirigida pelo próprio J.-L. Marret, P.U.F., Paris, 2005.

6 O que parece ter sido o caso de, pelo menos, dois dos operacionais dos atentados de 7 de Julho de 2005, em Londres, que se terão deslocado ao Paquistão para formação religiosa, mas como uma deslocação a campos de treino na fronteira ou já no Afeganistão.

7 José SanmartinEl terrorista. Op. cit., p. 90 e seguintes.

8 No seu livro Les nouveaux martyrs d’Allah (Flammarion, Paris, 2002)¸ traduzido recentemente em inglês, com uma actualização, sob o título Suicide Bombers – Allah’s New Martyrs (Pluto Press, Londres, 2005).

9 Op. cit., p. 171.




Infografia





©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal