O homem que recusou mudar uma palavra



Baixar 32.16 Kb.
Encontro31.07.2016
Tamanho32.16 Kb.


7309
A VOZ DA ESPERANÇA


O HOMEM QUE RECUSOU MUDAR UMA PALAVRA

Henry Feyerabend

Você já ouviu que a justiça pode ser comprada?

Neste mundo existe muito pouca justiça! Lamentavelmente a justiça nesta Terra não tem a mesma medida para pobres e ricos. Infelizmente, a justiça pode ser comprada em muitos casos.

Deus, porém, não é como os homens. Ele é um Juiz justo, e importa que todos nós compareçamos diante do tribunal divino, e seremos julgados pela mais resta justiça.



No velho Egito foi feita uma gravura para representar um juiz justo. Ele foi feito sem mãos – para não poder aceitar dinheiro de ninguém. Foi feito sem olhos – para não poder ver nem amigo nem inimigo, nem rei, nem escravo, nem pai nem mãe – mas julgar a todos, sabendo apenas dos fatos!

Nas páginas da História Sagrada encontramos o relatório de um julgamento tão injusto, com um juiz tão falso que os resultados desse julgamento jamais serão esquecidos.

Um homem enfrentou um juiz. Esse homem era inocente, e o juiz o sabia! Foi condenado à morte, a 1morta mais cruel possível, a morte mais vergonhosa, a morte de cruz! Sim, e o juiz sabia que Ele era inocente! Ele mesmo disse: "Eu não acho nEle crime algum." A sua esposa lhe disse: "Não entres na questão desse justo, porque num sonho muito sofri por causa dEle."
O que ela viu no sonho? Talvez e1a tenha visto o Homem que Isaías viu em visão: um Homem desprezado, mais indigno entre os homens, um homem de dores, que foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades.

Pode ser que ela tenha visto uma cruz num monte com um Salvador suspenso entre o Céu e a Terra. Ou será que ela viu um outro quadro?

Pode ser que ela tenha visto esse Homem, vindo nas nuvens do Céu, com poder e grande glória, não como um homem desprezado, mas como o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Mas agora estava sendo julgado por seu marido e ele sabia que era inocente.

Deus queria ajudar a Pilatos com a mensagem de sua esposa, mas Pilatos temia mais ao povo do que a Deus. O povo lhe disse: "Se soltas este homem, não és amigo de César!" Para ele era mais importante ser amigo de César do que amigo de Deus.

E quantas pessoas hoje, à semelhança de Pilatos, sabem o que está certo, mas não fazem o que é certo, não seguem a verdade porque teme o povo, têm medo dos parentes, dos vizinhos: o que eles vão pensar quando eu seguir o caminho de Deus? Eles são mais amigos do povo que amigos de Deus. Eles temem mais a opinião pública do que a de Deus.

Cinco anos depois, com a sua consciência acusa do, e não sabemos como ele suportou 5 anos de noites indormidas, depois de 5 anos apenas – ele não era mais amigo nem do povo e nem de Deus! Pilatos foi deposto de seu cargo, ele foi dispensado. E não podendo suportar mais aquela tremenda angústia de uma consciência ferida, suicidou-se. seja

Ele havia perguntado: "Que farei de Jesus, chamado Cristo?" Todos nós precisamos enfrentar a mesma pergunta. Mas um dia essa pergunta vai mudar: Não mais será mais: "O que farei de Jesus?", mas: "O que fará Jesus comigo?"

Encontramos em S. João uma parte dessa história, a história emocionante de alguém que julgou e condenou o Inocente de Deus.



S João 19:19-22.

Estas palavras finais de Pilatos falam a verdade – uma verdade que ninguém pode negar:



Disse Jesus certa vez: "Digo-vos que toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo."

Deus grava todas as nossas palavras. Ele está gravando as suas palavras hoje. Estão sendo escritas nos Livros do Céu.

Em nossos dias, há muita facilidade de se gravar qualquer coisa em um gravador de fitas cassetes.

Há um tempo atrás, no entanto, usava-se disco de alumínio: um erro na gravação, significava a perda dum disco. Logo depois, inventou-se um gravador que não dependia de disco. Usava-se um rolo de arame bem fino, e o som era gravado no arame. Já era bem melhor do que os discos de alumínio, porque havia a possibilidade de desgravar tudo.

Mas depois da Segunda Guerra, veio o surgimento do gravador de fita. Com a invenção desse gravador, toda a indústria de gravação foi revolucionada. Raiou um novo dia em gravação de sons, e um pouco mais tarde saíram as imagens em áudio e vídeo.

Nos dias em que o gravador de fita era uma novidade, havia uma brincadeira: esconder o gravador e o microfone numa sala da casa, e gravar a conversação das visitas, sem que elas soubessem. Uma família fez isso com seus amigos convidados para o almoço. Gravaram tudo o que foi dito. Depois do almoço, tocaram a gravação. As visitas ficaram tão surpreendidas, que disseram: "Mas eu falei tudo isso? Não é possível!"



  • O que escrevi, escrevi.

  • O que fiz, fiz.

  • O que falei, falei.

Em geral, nós falamos demais e nos esquecemos de que tudo está sendo gravado por Deus! Deus grava todas as nossas palavras.

Mas hoje a Ciência está falando em produzir um novo tipo de gravador que não precisa mais nem de disco, nem de arame, nem de fita magnética. Dizem eles que todo o som deixa as impressões das vibrações nas paredes. Eles estão estudando uma forma de fazer as paredes falarem: reproduzir da própria parede tudo o que a parede já ouviu.

Já pensaram na importância desta invenção? Se pudéssemos ira à velha Jerusalém e ligar esse gravador nas paredes das ruínas do velho templo, ou nas montanhas, poderíamos ouvir a voz de Jesus quando pregou naqueles lugares!

Mas se um dos meus amigos comprasse um gravador destes, se um dia sair esta invenção, não sei se o convidarei para a minha casa! Pelo menos pediria a ele que não levasse o aparelho!

Não é um pensamento muito solene pensar que tudo que falamos está sendo gravado?


  • O que escrevi, escrevi.

  • O que falei, falei.

Nunca volta mais!

"Mas eu falei sem pensar!", disse alguém. Que tristeza! Seria muito melhor pensar primeiro e depois falar.

Alguns pensam que falar demasiado, falar muito é sinal de inteligência. Mas não é sempre a pessoa que fala mais que é mais inteligente. Às vezes o maior sinal de inteligência não é falar, mas ficar calado! Salomão disse: "No muito falar, não falta transgressão."

É fácil aprender a falar. Uma criança aprende a falar em 3 ou 4 anos. Com esta idade já fala demais. E depois ficam 70 anos para aprender a ficar quieto. É muito mais difícil aprender a ficar quieto do que aprender a falar.

Jesus disse que mesmo nas suas orações, os fariseus falavam demais. E Ele disse sobre eles: "Pensam que pelo seu muito falar, serão ouvidos."

Dois amigos viajavam de carroça. Um deles era um pastor. E como o pastor estava sentindo certa dificuldade para falar e conversar com o seu amigo que o levava em sua carroça, a carroça estava fazendo muito barulho, o pastor perguntou ao seu amigo: "Amigo, por que a sua carroça faz tanto barulho?"

Sabem qual foi a resposta que ele deu? "É porque a carroça está vazia. Sempre faz mais barulho quando está vazia, do que quando está cheia."

A carroça vazia faz mais barulho! Será que a mesma regra se aplica às pessoas?

Quando um médico quer examinar um paciente, ele olha a língua.



Um missionário visitou um membro de sua igreja que sempre reclamava que estava muito doente. A Bíblia diz que os doentes precisam de um médico. Mas ele disse: "Não tenho fé em médicos. São todos iguais! Só levam o dinheiro, mas não ajudam nada!" O missionário insistiu com ele, prometendo pagar a conta. Não custaria nada a ele. Finalmente ele concordou, e foram ao consultório.

O missionário esperou numa sala de estar, e em pouco tempo o doente saiu da sala de consulta, e veio resmungando: "Já falei que o médico não sabe nada! Tenho dores nas pernas e o médico quis ver a minha língua. O que tem a língua a ver com as pernas?"

O Médico divino, olhando à nossa língua pode ver o coração, o que há em nosso coração, se ele está doente, se ele está vazio do Seu amor.

Mas as palavras que falamos não voltam para trás.



  • O que escrevi, escrevi.

  • O que falei, falei.

Benjamim Franklin disse: "Podemos equilibrar-nos do deslize do pé, mas do deslize da língua, talvez nunca!"

Realmente a nossa língua nos mostra o que somos!

Os estrangeiros nunca podem esconder o fato de ser estrangeiros.
Eu conheço um americano que disse ter tentado várias vezes, mas não adiantou. Certa vez numa feira, depois de estar no Brasil há algum tempo, foi comprar alguns quilos de tomate. Ele falou bem pouco e com muito cuidado, e quando saía estava com muita certeza de que o homem que lhe vendera os tomates não havia percebido que estava lidando com um estrangeiro. Mas quando ele ia saindo, o vendedor disse: "Thank you, very much."

Os estrangeiros precisam cuidar porque nas lojas quando os vendedores desconfiam que o cliente é estrangeiro, costumam alterar o preço. O meu professor de Teologia era também americano e quando ele queria fazer compras caras, ele pedia para um amigo brasileiro acompanhá-lo. Ele não podia falar, porque se falasse, haviam de descobrir que era estrangeiro, dando um preço diferente. Então o seu amigo perguntava o preço. Depois o americano pedia o artigo.

Pedro queria esconder o fato de que era discípulo de Jesus. Mas quando naquele dia ele negou a Jesus, não pôde enganar a ninguém. Uma serva que o viu, disse: "A tua fala te denuncia." Pedro não usava a gíria da época. Ele foi identificado pela sua língua.

Quando Jesus falou, o fez com tanto poder que os Seus ouvintes disseram: "Nunca homem algum falou como este Homem."

S. Tiago em seu livro nos fala um pouco da língua.

S. Tiago 3:5-8.

"O que escrevi, escrevi", disse Pilatos. E todos nós estamos escrevendo. Todos nós estamos gravando, não em gravadores de fitas magnéticas, mas nos Livros do Céu.

Com efeito, a Bíblia diz que há livros no Céu, que contêm todos os registros de nossos atos, quer sejam bons ou maus. Cada pensamento, palavra ou ação se encontra fielmente escrito.

S. João no Apocalipse nos informa:



Apoc. 20:12.

Um dia daremos conta de tudo quanto nós escrevemos com a nossa vida: "O que escrevi, escrevi!"

Um dia será tarde demais para tomar uma decisão.

Um dia nos encontraremos no tribunal de Cristo, como lemos:



II Cor. 5:10 – "Porque importa que todos nós compareçamos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo."

Precisamos enfrentar o Juízo! Mas não precisamos enfrentá-lo sozinhos. Em qualquer julgamento é sempre bom ter um advogado.



Uma senhora rica estava em sérias dificuldades com a lei. Os amigos aconselharam-na a procurar um bom advogado. Recomendaram-lhe um advogado amigo. Mas ela estava muito ocupada e não se interessou. Deixou o tempo passar, sem tomar providências. O advogado a procurou, oferecendo os seus serviços, mas ela continuou indiferente.

Mas o seu problema foi se agravando, e chegou o dia em que ela deveria enfrentar o processo judicial. Então ela foi procurar aquele advogado. Mas ele disse: "Ontem se tivesse falado comigo, com muito prazer teria aceitado o seu caso. Hoje não posso mais; hoje fui promovido a juiz. Agora vou precisar julgar o seu caso. Não posso mais ser o seu advogado."

Jesus Cristo quer ser hoje o seu Advogado. Ele é um bom Advogado. Nunca perdeu uma causa.

A Bíblia diz: I João 2:1 – "...."

Mas um dia esse Advogado não será mais Advogado. Ele será promovido a Juiz. Então não poderemos mais contar com o Seu auxílio.

S. João 5:22 – "...."

Hoje é o dia de entregar o seu caso nas mãos de Jesus. Todos nós somos pecadores. Todos nós estamos escrevendo diariamente.

"O que escrevi, escrevi!"

Está escrito nos livros. É somente com o sangue de Jesus que estes pecados podem ser apagados.

Jesus pode defender o nosso caso com segurança porque Ele já morreu pelos nossos pecados. Se nós aceitarmos esse sangue purificador, se nós aceitarmos a Sua morte em nosso lugar, se nós recebermos a Cristo como o nosso Advogado, seremos justificados no Dia do Juízo que teremos de enfrentar, e seremos salvos.

Por que não aceitar agora enquanto ainda é tempo de salvação?



Certo casal se separou. Não podiam se entender e o marido saiu de casa. Um dia o filho morreu. O pai e a mãe assistiram ao enterro, mas não olharam um para o outro. Um dia o pai foi ao cemitério e ficou chorando ao lado do sepulcro. Ele sentiu a presença de uma outra pessoa. Ficou surpreendido ao ver a mãe da criança, do outro lado do sepulcro. Ela estava chorando também. Sobre o sepulcro ajuntaram as suas mãos. E desta forma os dois se reconciliaram.

Nós fomos separados de Deus. Mas sobre a sepultura do Filho de Deus podemos nos reconciliar com Ele.



Já sentiu este poder em sua vida, amigo? Por que não aceitar agora enquanto ainda há tempo?
Aceite agora esse maravilhoso Advogado, pois um dia Ele será o Juiz de toda a Terra, e então será tarde demais!




www.4tons.com

Pr. Marcelo Augusto de Carvalho


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal