O império universal romano-cristão a igreja e a transmissão do legado político-cultural clássico



Baixar 48.2 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho48.2 Kb.
O IMPÉRIO UNIVERSAL ROMANO-CRISTÃO



  • A Igreja e a transmissão do legado político-cultural clássico

O cristianismo divulgava uma mensagem nova de fraternidade e solidariedade humanas, humildade e pacifismo, unicidade e “salvação” e prometia aos crentes a imortalidade espiritual pela sobrevivência da alma, após a morte.

Através da ação evangelizadora dos doze Apóstolos que Cristo escolheu como seus companheiros e continuadores, o Cristianismo difundiu-se rapidamente a partir da Judeia para, nos séculos II e III, se encontrar já fortemente implantado em várias comunidades do império, nomeadamente em Roma, onde começou a ser perseguido pelo poder político, por ser considerado um fator de instabilidade social e um incentivo á desobediência e sublevação das populações.

As razões deste antagonismo foram sobretudo político-ideológicas:



  • Sentido totalitário e universalista da sua doutrina – que defendia a existência de um Deus único e não admitia qualquer outro credo, dirigindo-se a toda a Humanidade sem distinção de raça, sexo ou situação social

  • Caráter exclusivo e messiânico – anunciador de uma ordem espiritual da qual estariam excluídos todos os que não fossem seus crentes

  • Tendência para a não integração social das suas comunidades de fiéis – devido á estranheza e ao secretismo dos seus rituais de culto, que incluíam mistérios como o da ágape

  • Recusa total quanto a prestar culto a qualquer outra divindade, incluindo o culto ao estado e ao imperador

No século IV, o Cristianismo havia já penetrado em todas as camadas sociais e em todas as regiões do império, embora se mantivesse uma religião predominantemente urbana.



  • O triunfo do Cristianismo

Foi pelo reconhecimento da expansão do Cristianismo que o imperador

Constantino, em 313, pelo Edito de Milão, concedeu liberdade de culto aos cristãos, procedendo também á devolução dos bens que o Estado romano lhes havia confiscado.

A proteção dada ao Cristianismo permitiu á Igreja cristã entrar numa nova fase de organização e poder: reforçou as suas hierarquias em torno dos bispos que foram reconhecidos como juízes e cujo poder foi equiparado ao dos magistrados romanos; aprofundou a doutrina teológica no combate ás heresias; promoveu conversões em massa entre Romanos e Bárbaros.

Ainda na época do imperador Constantino I, iniciou-se uma polémica em torno de questões doutrinais dentro do Cristianismo. Essa polémica foi iniciada por Ario, que aceitando o Cristianismo, negava a Cristo a condição de filho de Deus, opondo-se assim ao Trinitarismo. Esta doutrina ficou conhecida por Arianismo e deu origem á primeira dificuldade doutrinal importante na Igreja Romano-Cristã, após a legalização do Cristianismo.

No sentido de resolver este problema, e receando uma rutura entre Cristãos no império, Constantino convocou, em 325, o I Concílio Ecuménico/Concílio de Niceia, onde as teses de Ario foram consideras heréticas e, portanto, condenadas. Este Concílio teve uma importância especial, porque as perseguições aos cristãos tinham recentemente terminado.

No entanto, esta controvérsia só foi oficialmente ultrapassada no Concílio de Constantinopla, em 6381, convocado pelo imperador Teodósio I. foi este imperador que, em 380, através do Edito de Salónica, já impusera o Cristianismo como religião oficial e única do Estado Romano, proibindo o Arianismo.

Assim, numa época em que o poder dos imperadores foi enfraquecendo até á sua deposição definitiva no ocidente, em 476, foi o poder espiritual da Igreja que, sobrepondo-se e substituindo o poder imperial desfeito, deu continuidade ao seu legado político-cultural no império fragmentado pelos Bárbaros.





  • Prenúncios de uma nova geografia política: a presença dos “bárbaros” no

Império
Extraordinariamente dilatado pelas conquistas, o Império Romano começou a dar

sinais de enfraquecimento a partir do século II.

A corrupção e a dissolução dos costumes era notória nas elites

A instabilidade vivida neste período foi muitas vezes aproveitada para tentativas de emancipação por parte das províncias mais rebeldes e por parte dos povos “bárbaros” que se estendiam para lá das fronteiras e tentavam pequenas incursões de saque e razia nas terras do império. Os problemas militares desorganizavam a vida económica e agravavam os impostos, descontentando a plebe.

Para melhor controlar o poder, Diocleciano dividiu o império em duas grandes regiões administrativas e atribuiu o governo de cada uma a um imperador com o título de “augusto” e a um outro com o título de “César”, criando assim a tetrarquia imperial.

Diocleciano e o “César” ficaram com as províncias da metade oriental do império; Maximiano e o seu “César” com as do ocidente. Foi o começo de uma série de divisões e reunificações administrativas que haveriam de culminar com a divisão definitiva do império, em 395, em Império Romano do ocidente e em Império romano do Oriente.

Estas divisões não obviaram, contudo, os ataques dos “bárbaros”.

Pressionados, talvez, pela movimentação dos Hunos para ocidente, estes povos começaram a atacar o império no século III, causando sérios problemas á defesa e administração romanos.

Restabelecida a ordem pelas autoridades romanas, muitos foram autorizados a ficar no império, mediante contratos de pacificação e pagamento de tributos8invasão pacífica).

No entanto, as grandes invasões dos séculos IV e V acabaram por descontrolar a administração romana e puseram fim á metade ocidental do império, quando Odoacro tomou Roma e destituiu o imperador do Ocidente, em 476.

Era o fim da época clássica e o começa de uma nova era – a Idade Média.

A IDENTIDADE CIVILIZACIONAL DA EUROPA OCIDENTAL



  • Poderes e crenças – multiplicidade e unidade

A multiplicidade de poderes e crenças no espaço europeu teve origem particularmente nas profundas mutações políticas, sociais e económicas que deram origem a trás grandes conjuntos civilizacionais.

Depois da queda do império Romano do ocidente (476), a anterior unidade imperial mediterrânea foi sendo substituída por uma multiplicidade de novos estados, sobretudo de origem germânica, muitos dos quais estão na origem de estados europeus da Europa contemporânea.

Da inserção desses povos no mundo romano nasceu uma sociedade original. Nos reinos que se firam formando os conquistadores, (cerca de 5% da população), acabaram por se misturar com as populações romanas e romanizadas, operando-se uma síntese entre elementos romanos e germânicos. Sob a ação evangelizadora de bispos e monges, o Cristianismo e o legado da cultura greco-romana penetraram nos reinos bárbaros, emergindo uma nova civilização europeia cristã. Esta foi sendo construída com uma identidade própria face a outros dois conjuntos civilizacionais que rodeavam a bacia mediterrânea:

No mediterrâneo oriental, herdeiro do Império Romano do Ocidente, o rico e prospero Império Bizantino permanecera uma importante referencia política e cultural para a cristandade ocidental.

Quanto ao Islão, os Árabes, sob a direção de Maomé, que pregara uma nova religião, o Islamismo.

Apesar do cristianismo ser a religião comum á Igreja ocidental e oriental, no século XI operou-se uma cisão entre a Igreja ortodoxa (de tradição grega) e a Igreja católica (de tradição latina).

Esta divisão consagrou a separação entre uma Europa oriental de cultura grega e forte presença eslava e uma Europa ocidental de cultura latina e forte presença germânica. A separação ficou ainda mais marcada depois do século XIII, quando o Império Bizantino começou a sofrer a concorrência das cidades italianas.

Assim, os contributos greco-romano, germano e cristão, fundindo-se em graus diversos, constituíram o fundo comum da civilização da Europa Ocidental.



  • Uma geografia política diversificada


    • Impérios e reinos:

No início do século IX houve uma primeira tentativa de restauração do Império Romano do Ocidente. A unificação territorial partiu de um dos mais fortes reinos da Europa Ocidental – o Império Carolíngio.

As disputas territoriais entre os herdeiros das zonas do antigo Império Carolíngio e novas investidas sobrea a Europa (Normandos,Árabes,Húngares) tornaram evidentes as dificuldades do poder central, entrando-se num período de instabilidade.

O enfraquecimento do poder central permitiu que os poderes públicos fossem transferidos para os grandes senhores locais, passando a haver uma fragmentação do poder.

No entanto, o Império Romano e a tentativa carolíngia de construir uma unidade cristã permaneceram como referência no imaginário medieval. Na Germânia, no século X, teve lugar uma nova tentativa d restaurar o Império do Ocidente, que foi designado Sacro Império Romano-Germânico.

Em meados do século XIII, o prestígio do título imperial era grande, embora pouco eficaz.

A Europa cristã era constituída sobretudo por um conjunto de reinos autónomos, em que as relações de poder entre os reis, os grandes senhores nobres e o clero variavam conforme as circunstâncias históricas de cada região.




    • Senhorios

A monarquia ou o império eram os modos como o poder se exercia a nível dos estados. A nível local, o poder sobre as populações era exercido por grandes senhores, nobres ou eclesiásticos, nos senhorios, em nome do poder soberano.

Este modo de organizar o poder provinha das necessidades de uma sociedade que se construíra em tempo de guerra e sem instituições que fizessem a ligação entre o poder soberano e as populações. Para obter exércitos de cavaleiros bem equipados com armas e cavalos, vitais num tempo de guerra, os reis tinham cedido partes do território – os senhorios – a grandes senhores nobres ou eclesiásticos, a fim de que estes os administrassem e mantivessem exércitos prontos a combater. Esta pratica era igualmente utilizada pelos grandes senhores, que usavam o mesmo sistema com outros membros da nobreza menos poderosos, que lhes ficavam sujeitos. Estas concessões eram acompanhadas pela exigência de fidelidade e criavam laços de solidariedade entre a camada dirigente.

Como o poder central estava distante e muitas vezes enfraquecido, os grandes senhores passaram a exercer em nome próprio as prerrogativas da autoridade pública que anteriormente pertenciam ao rei.

Este poder de mando do senhor – o poder de ban – traduzia-se essencialmente no poder militar e no de julgar e punir. Exercia-se não só sobre camponeses, mas também sobre pequenos nobres e era acompanhado pelo dever de proteção daqueles a que a ele estavam sujeitos.

Em troca das funções governativas e judiciais, o senhor recebia variadas taxas sobre a circulação de mercadorias e portagens, bem como variadas prestações – os direitos banais ou banalidades.


    • O senhorio enquadrava, assim, politicamente as populações que nele viviam.




  • Comunas:

Após o século X verificou-se um desenvolvimento económico assinalável na

Europa. Esse desenvolvimento foi acompanhado pelo crescimento das cidades, numa altura em que a autoridade pública central estava ainda muito enfraquecida.

O poder pertencia aos grandes senhores que, muitas vezes, viviam nos seus castelos em zonas rurais, e era daí que exerciam a sua administração e proteção sobre as populações. O centro do poder estava longe da cidade e, além disso, os interesses dos mercadores e artesãos muitas vezes colidiam com os dos senhores. A sua atividade exigia maior segurança e autonomia relativamente às obrigações que as produções camponesas tinham para com os grandes senhores. Os habitantes das cidades procuraram obter dos senhores ou dos reis mais liberdade e os poderes necessários ao exercício das suas atividades.

Verificou-se assim um movimento urbano através do qual os habitantes das cidades procuraram adquirir o direito de se autogovernarem, o que deu origem a novas formas de exercício do poder, mais adequadas ás populações urbanas. As condições de governação das cidades estavam expressas num documento – a carta de comuna – onde estavam consignados os direitos e deveres dos habitantes das cidades.

No inicio, nas comunas prevalecia um ideal igualitário. Muitas vezes, este ideal foi quebrado por alguns burgueses ricos que formaram uma oligarquia mercantil e financeira que se apoderou do poder da cidade, o que levou á revolta dos pequenos e médios mercadores e artífices.

No Ocidente medieval do século XII havia, assim, uma multiplicidade e diversidade de poderes que se entrecruzavam. O império, os reinos, os senhorios e as comunas constituíam uma Europa politicamente diversificada onde, de diferentes modos, se exerciam os poderes que organizavam a vida das populações.

No século XIII, em toda a Europa, desenvolvimento económico tornou possível o lançamento de impostos que permitiram manter uma administração e um exército, garantes da segurança e viabilizadores da criação do Estado. Esta ação foi sustentada pelo renascimento do direito romano, em que os reis se apoiaram na luta contra os interesses senhoriais.

Afirmou-se uma nova noção de autoridade pública, independente do seu titular, inalienável e indivisível, cujo limite é a utilidade geral (bem comum). Face á distinção entre o soberano e soberania, a realeza não era passível de ser confundida com o poder pessoal do rei, constituindo-se, assim, a noção de Estado. Com novos meios, dispondo de cortes ou parlamentos, os reis procuraram reforçar o poder real, consolidando o direito e a justiça e fazendo dos seus reinos entidades independentes, lançando as bases dos estados modernos.




  • A organização das crenças: o poder do bispo de Roma na Igreja Ocidental

A Igreja desempenhara um papel extremamente importante junto das populações desde os primeiros tempos das migrações bárbaras.

Estas populações foram convertidas pela ação de bispos e monges a um cristianismo comum, o que tornou possível a fusão entre esses povos e os romanos: o Cristianismo iniciava um papel unificador da Europa Ocidental.

Roma, a cidade de onde irradiava o poder do imperador, passou a ser o lugar de onde irradiava a missionação. Foi a partir dela que o bispo Roma levou a efeito uma politica de fortalecimento do seu poder, procurando impor-se como chefe da Cristandade.

No entanto, essa ação não foi pacificamente aceite nem pela Cristandade Romana oriental nem pelo imperador do Sacro Império. Em 1054, um cisma dividiu a Cristandade, isto é, houve a separação entre a Igreja Católica, sob o papa de Roma, e a igreja Ortodoxa Grega, sob o patriarca de Constantinopla.

O papado encontrou também dificuldades em impor-se na chefia da Cristandade ocidental, pois desde a criação do Império Carolíngio, a salvação do povo cristão era atribuída quer ao Papa, na ordem espiritual, quer ao imperador, na ordem temporal. Mas havia divergências no modo de encarar as relações entre o poder espiritual (da Igreja)e o poder temporal(dos reis e imperadores).

Por um lado, os imperadores germânicos tentaram controlar as eleições pontificais e o clero. O hábito de escolher os candidatos que pretendiam para os cargos eclesiásticos generalizou-se (simonia).

Passou a haver uma imbricação das funções religiosas na hierarquia feudal, pois bispos e abades tornaram-se grandes senhores feudais, possuidores de grandes terras.

Por outro lado, os papas tentaram fortalecer o seu poder. O papa Gregório VII continuando uma politica de reforma iniciada pelo seu antecessor, procurou redefinir as relações entre a dimensão espiritual e a temporal.

Na continuidade de medidas que estabeleciam que a eleição do Papa competia a um colégio de cardeais, determinou que a designação de bispos, abades e clérigos pertence apenas a membros do clero. Afirmou também que apenas o Papa, em nome de Cristo, tinha um poder absoluto e universal, estando acima dos príncipes, que podia depor sempre que não respeitassem os direitos de Deus e da Igreja. O poder espiritual era assim superior ao poder temporal.

A estes princípios opuseram-se muitos reis e príncipes e, sobretudo, os imperadores do Sacro Império Romano – Germânico.

No século XIII, o papa Inocêncio III reafirmou a primazia romana, de origem divina. Como tal, todas as igrejas nacionais estavam submetidas á Santa Sé. Iniciou a centralização romana com o desenvolvimento da administração eclesiástica e da fiscalidade. Afirmava-se a teocracia, em que o papado seria o guia da sociedade cristã, una, sob a direção do Papa.




O reforço da coesão interna face a Bizâncio e ao Islão
Juntamente com o crescimento da influência do papado, houve um conjunto de fatores que originou a afirmação da Cristandade ocidental, tanto perante o mundo bizantino como perante o mundo muçulmano.

O desenvolvimento económico e o aumento da população, as ambições de prestigio de alguns reis e senhores, o gosto e a necessidade da guerra dosa cavaleiros, criaram condições propicias para um movimento expansionista, religioso e militar, da Cristandade ocidental, que foi designado por cruzada.

As cruzadas permitiam que os Ocidentais conhecessem melhor a cultura bizantina e desenvolvessem as trocas comerciais.


O QUADRO ECONÓMICO E DEMOGRÁFICO – EXPENSÃO E LIMITES DO CRESCIMENTO

Depois de longos séculos de crise e instabilidade a Europa reencontro, de novo, a força e o seu espírito empreendedor.

Entre o século XI e o século XIII, o Ocidente viveu um período de desenvolvimento económico e um contínuo crescimento demográfico.



  • Expansão agrária e crescimento demográfico

O desenvolvimento que esteve na base do crescimento económico europeu teve início no mundo rural.

Houve um aumento de produtividade, resultante do progresso dos utensílios e das técnicas de exploração da terra:


  • Substituição da madeira pelo ferro nas alfaias agrícolas (que deu maior rentabilidade ao trabalho)

  • Melhor aproveitamento da força animal (que facilitaram o trabalho nos campos e os transportes)

  • Rotação trienal de culturas (que deixava apenas um terço da terra em pousio contra a metade do afolhamento bienal)

  • Fertilização dos campos (com marga, cinza e estrume animal, permitindo uma maior rentabilidade dos solos)

Estes progressos associados a uma melhoria do clima permitiram o aumento do rendimento das terras e uma melhoria da alimentação. As épocas de crises agrícolas e de fome tornaram-se menos frequentes, favorecendo o aumento da população. A população europeia praticamente duplicou. Por seu lado, o aumento demográfico permitiu e exigiu a expansão agrária: era necessário alimentar a população que crescia, o que conseguiu com uma melhor e mais extensa exploração da terra.

O aumento da superfície cultivada proveio do arroteamento (expansão da área cultivada) ou desbravamento de novas terras, pela ação conjunta de camponeses, monarcas, senhores nobres e ordens monásticas – a floresta, que cobria grande parte do ocidente europeu, foi reduzida em favor dos campos arados.





  • Desenvolvimento urbano

O dinamismo do mundo rural foi acompanhado pelo ressurgimento das cidades:



    • Crescimento dos velhos centros burgos – a população das cidades herdadas da época romana aumentara de tal forma que a área urbana deixara de a comportar, obrigando á formação, fora das muralhas, de novos bairros. Estes novos bairros – “burgos de fora” – foram crescendo na zona do arrabalde (exterior das muralhas).

    • Aparecimento de novas cidades – que surgiram em redor dos castelos e mosteiros.

As cidades onde decorriam os mercados e as feiras, cativaram e provocaram a vinda de muitos camponeses, que pretendiam a libertação das imposições senhoriais e novas vias de ascensão social.

O crescimento das cidades foi rápido e intenso. Porém, as cidades conservavam uma estreita relação económica com o mundo rural. Especializadas na produção artesanal e na atividade comercial, as populações urbanas não poderiam subsistir sem os produtos fornecidos pelos campos.

A procura de produtos exercida pela cidade funcionou como um poderoso incentivo ao desenvolvimento da economia rural. A comercialização dos excedentes agrícolas integrou o mundo rural nos circuitos comerciais.

O mundo rural permitiu a redução de parte das atividades artesanais que, geralmente, se destinavam ás necessidades domésticas, passando a depender dos produtos que a cidade fornecia.

No entanto, estas trocas complementares revertiam a favor da burguesia urbana e mercantil.

Embora minoritária no mundo medieval, a cidade foi núcleo dinamizador das mudanças sociais e do desenvolvimento económico baseado no comércio e nas atividades artesanais.





  • A dinamização das trocas regionais: mercados e feiras

O maior rendimento agrícola permitiu a existência de excedentes que podiam ser

vendidos, favorecendo as trocas a nível local e regional.

Com o desenvolvimento económico, os locais e os circuitos de troca tornaram-se

essenciais.


  • Mercados – surgiam espontaneamente ou eram estimulados pelos senhores da localidade, interessados em aumentar os seus rendimentos através das taxas cobradas pela circulação e venda de produtos. Eram periódicos (semanais ou mensais) e neles se comercializavam os excedentes da produção agrícola e os produtos artesanais da região. Eram frequentados por produtores e consumidores locais podendo ocasionalmente receber a visita de pequenos mercadores itinerantes.

  • Feiras – nos locais onde os negócios se mostraram mais propícios, alcançaram importantes volumes de vendas e tenderam tornar-se periódicas (frequentemente anuais), associando-se muitas vezes a festividades religiosas. Pela sua dimensão, realizavam-se muitas vezes fora das cidades, sob autorização das autoridades da região e duravam uma ou várias semanas.

Os reis e senhores incentivaram a sua realização concedendo cartas de feira. Estas estipulavam os tributos a pagar pelos feirantes, atribuíam privilégios e garantias especiais, que iam desde a concessão da guarda própria e de salvo-condutos á “paz de feira” e isenção de impostos (feiras francas).

Percorrer as feiras obrigou ao desenvolvimento dos circuitos de comunicação terrestre e dos meios de transporte para pessoas e mercadorias.





  • Afirmação das grandes rotas do comércio externo

As atividades comerciais foram tendo uma importância crescente na Europa Ocidental. Nos séculos XII e XIII, o comércio externo desenvolveu-se com maior dinamismo em algumas regiões europeias:



  • Flandres – as cidades de Gand, Ypres, Bruges e Donai eram grandes centros manufatureiros especializados na produção de lanifícios. Graças á sua posição geográfica estratégica bem como á força da sua industria, a Flandres não só exportava os seus panos mas também atraía comerciantes oriundos das mais diversas partes da Europa.

Á flandres chegavam produtos do Báltico e da Rússia (cera e peles), produtos mediterrâneos e especiarias orientais trazidas pelos italianos, produtos espanhóis (amêndoas, figos, uvas), portugueses (mel, couro, azeite, uvas), ingleses (lãs, chumbo, estanho, queijo).

  • Hansa – era a maior força económica e comercial do Báltico e as suas principais cidades eram Hamburgo, Dantzig, Riga. Colónia e Lubeque. Os comerciantes comercializavam produtos agrícolas, madeiras, peles, etc.

  • Cidades italianas – os italianos desenvolviam o comércio em Génova e Veneza. Comercializando tecidos de seda, pedras preciosas, pérolas, alúmen, peles, madeira, peixe e arenque salgado.

  • Feiras da Champagne – realizadas nas cidades de Lagny, bas-sur-Aube, Provins e Troyes, foram as mais importantes de todas as feiras medievais. A sua localização geográfica e as regalias que os reis e senhores ofereciam aos viajantes atraíram mercadores de toda a Europa.

Aí se trocavam lanifícios, sedas, artigos de couro, peles, linhos, cereais, vinhos

e corantes.





  • Economia Monetária

A economia monetária sobrepunha-se lentamente á economia natural.

Esta era um sistema económico em que toda a produção excedentária se destinava ao mercado, tornando as trocas essenciais e indispensáveis.

O intenso desenvolvimento comercial obrigava a uma maior utilização da moeda e a inovações nas técnicas dos negócios.



  • Cheques e letras de câmbio – funcionavam como um papel-moeda que evitava o

uso do numerário. Assim, permitiam substituir o transporte de dinheiro vivo, sempre mais arriscado e volumoso, fazendo operações de pagamento em papel.

  • Sociedades comerciais – permitiam reunir capital a uma escala a que os

particulares dificilmente poderiam ter acesso e , da mesma forma, repartir os lucros do negocio proporcionalmente a esse investimento inicial.

  • Câmbios – eram uma necessidade constante numa economia de mercado que

manuseava moedas tão díspares como o florim(Florença), o ducado(Veneza) ou o tari(moeda muçulmana).

  • Bolsas de mercadores – companhias de seguros que mediante o pagamento de

certas quantias por frete realizado para um fundo comum, cobriam os riscos das viagens, na proporção dos capitais investidos.



      • A fragilidade do equilibrio demográfico

Ao período de enormes progressos da demografia e da economia demográficas europeias dos séculos XII e XIII sucedeu um período de recessão.

Um conjunto de circunstâncias adversas, por vezes atuando em simultâneo, provocou uma recessão demográfica e económica, tendo a Europa passado por uma fase de instabilidade social e política.

Nos finais do século XIII, a população europeia atingira um nível dificil de manter com o desenvolvimento técnico existente.

Os maus anos agrícolas pioraram a situação. Com efeito, devido a uma série de condicionalismos climáticos, ocorreram maus anos agrícolas por toda a Europa, provocando quebras na produção. A carência de alimentos e a carestia de vida por ela provocada trouxeram a fome a muitas regiões. Os organismos depauperados tornavam-se mais suscetíveis a contrair doenças e menos resistentes a epidemias e a conjunção destes fatores levava á tendência para a diminuição da população europeia.

Depois de 1348, esta tendência para o recuo demográfico foi agravada pelos efeitos de uma terrível epidemia: a Peste Negra.

Originária do Oriente, esta epidemia, muito contagiosa, espalhou-se por toda a Europa. Apesar de algumas regiões europeias terem sido menos atingidas, em muitas regiões houve quebras entre 30 e 50% da população. Em algumas zonas, as aldeias ficaram desertas devido á morte ou abandono dos seus habitantes.

Com a queda demográfica que provocou, a Peste Negra agravou a depressão económica que se vinha a sentir. A diminuição do consumo e a falta de mão de obra desestabilizaram o mercado, verificando-se alterações nos preços, nos salários e no valor da moeda.



Esta situação foi agudizada pelos conflitos militares, pois o século XIX foi também um século de conflitualidade.

Cátia Barreiro


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal