O livro de urantia pág. 426 Documento 39 as hostes seráficas



Baixar 84.9 Kb.
Página1/5
Encontro26.07.2016
Tamanho84.9 Kb.
  1   2   3   4   5

| Documento Anterior | Próximo Documento | Página Inicial |

© 2003 Urantia Foundation. Todos os direitos reservados.


O LIVRO DE URANTIA


Pág. 426



DOCUMENTO 39

AS HOSTES SERÁFICAS


Até onde sabemos, o Espírito Infinito, personalizado na sede central do universo local, propõe-se produzir uniformemente serafins perfeitos, todavia, por alguma razão desconhecida, essa progênie seráfica é muito diversificada. Tal diversidade pode ser o resultado da interposição desconhecida da Deidade experiencial em evolução; se for assim, nós não podemos comprová-lo. Observamos porém que, após se haverem sujeitado aos testes educacionais e à disciplina do aperfeiçoamento, clara e infalivelmente, eles passam a ser classificados nos sete grupos seguintes:

1. Serafins Supremos.

2. Serafins Superiores.

3. Serafins Supervisores.

4. Serafins Administradores.

5. Ajudantes Planetários.

6. Ministros de Transição.

7. Serafins do Futuro.

Dizer que qualquer serafim é inferior a um anjo de qualquer outro grupo não seria verdadeiro. Contudo, cada anjo é, em princípio, para o seu serviço, limitado pelo grupo da sua classificação original e inerente. Manotia, o meu agregado seráfico no preparo dessa declaração, é um serafim supremo que, no passado, funcionou apenas como serafim supremo. Por diligência e serviço devotado, ele realizou, um por um, todos os sete serviços seráficos, tendo funcionado em quase todos os caminhos de atividades abertos a um serafim; e agora encontra-se designado como comandante conjunto dos serafins de Urântia.

Os seres humanos algumas vezes acham difícil compreender que uma faculdade criada para um nível mais elevado de ministração não implica necessariamente a capacidade para funcionar em níveis relativamente mais baixos de serviço. O homem começa a sua vida como uma criança indefesa; cada realização mortal deve, pois, abranger todos os pré-requisitos experienciais; os serafins não têm essa vida pré-adulta – a infância. Eles são, contudo, criaturas experienciais e, pela experiência e por meio de educação complementar, podem aumentar os seus dons divinos e inerentes de aptidão, pela aquisição experiencial de habilidade funcional em um ou mais serviços seráficos.

Após haverem sido comissionados, os serafins são designados para as reservas dos seus grupos inerentes. Aqueles que têm o status planetário e de administradores servem, freqüentemente, durante longos períodos na sua classificação original, mas quanto mais alto é o nível da sua função inerente, mais persistentemente os ministros angélicos procuram designações para as ordens mais baixas de serviço no universo. Eles desejam especialmente designações para as reservas dos ajudantes planetários e, se forem bem-sucedidos, entram nas escolas celestes da sede

Pág. 427


central do Príncipe Planetário de algum mundo evolucionário. E, nelas, começam os estudos das línguas, da história e dos hábitos locais das raças da humanidade. Os serafins devem adquirir conhecimento e ganhar experiência, tanto quanto os seres humanos. Eles não estão muito distantes de vós, em certos atributos de personalidade. E todos eles anseiam por começar de baixo, no nível mais baixo possível da ministração; assim, eles podem almejar chegar ao nível mais elevado possível do destino experiencial.


1. SERAFINS SUPREMOS


Estes são os mais elevados serafins entre as sete ordens reveladas de anjos do universo local. Eles funcionam em sete grupos e cada um deles está intimamente associado aos ministros angélicos do Corpo Seráfico dos Completos.

1. Ministros do Filho-Espírito. O primeiro grupo dos serafins supremos é designado para o serviço dos Filhos elevados e dos seres originais do Espírito, residentes e funcionando no universo local. Este grupo de ministros angélicos também serve ao Filho do Universo e ao Espírito do Universo, e está intimamente afiliado ao corpo de informações do Brilhante Estrela Matutino, o principal executivo no universo das vontades unidas do Filho Criador e do Espírito Criativo Materno.

Sendo designados para os Filhos e para os Espíritos elevados, esses serafins estão naturalmente associados aos serviços múltiplos dos Avonais do Paraíso, a progênie divina do Filho Eterno e do Espírito Infinito. Os Avonais do Paraíso são sempre assistidos, em todas as missões magisteriais e de auto-outorga, por essa ordem elevada e experiente de serafins que, nesses momentos, se devotam a organizar e a administrar o trabalho especial ligado ao término de uma dispensação planetária e à inauguração de uma nova idade. Mas a eles não concerne o trabalho de julgamento, que poderia ser pertinente a essa mudança de dispensações.

Os Ajudantes das Auto-Outorgas. Os Avonais do Paraíso, mas não os Filhos Criadores, quando em uma missão de auto-outorga, são sempre acompanhados por um corpo de 144 ajudantes das auto-outorgas. Esses 144 anjos são os chefes de todos os outros ministros do Filho-Espírito que possam estar ligados a uma missão de outorga. Poderia haver, talvez, legiões sujeitas ao comando de um Filho de Deus encarnado para uma auto-outorga planetária, mas todos esses serafins seriam organizados e dirigidos pelos 144 ajudantes das auto-outorgas. Ordens mais elevadas de anjos, supernafins e seconafins poderiam também formar uma parte da hoste de ajudantes e, ainda que as suas missões fossem diferentes das dos serafins, todas essas atividades seriam coordenadas pelos ajudantes das auto-outorgas.

Tais ajudantes das auto-outorgas são serafins consumados; todos eles atravessaram os círculos de Serafington e alcançaram o Corpo Seráfico dos Completos. E foram ainda mais especialmente treinados para fazer frente às dificuldades e para arcar com as emergências associadas às auto-outorgas dos Filhos de Deus, visando o avanço dos filhos do tempo. Todos esses serafins alcançaram o Paraíso e o abraço pessoal do Filho Eterno, Segunda Fonte e Centro.

Os serafins igualmente anseiam por serem designados para as missões dos Filhos encarnados; e por serem agregados, como guardiães do destino, aos mortais dos reinos; sendo este último o mais seguro passaporte seráfico para o Paraíso; ao passo que os ajudantes das auto-outorgas realizam o mais elevado serviço, no universo local, entre os serafins Completos que já hajam alcançado o Paraíso.

Pág. 428


2. Conselheiros dos Tribunais. Estes são os conselheiros seráficos e os ajudantes agregados de todas as espécies de tribunais de julgamentos, desde os conciliadores até os tribunais mais altos dos reinos. Não é propósito desses tribunais determinar as sentenças punitivas, mas, sim, julgar divergências sinceras de opinião e decretar a sobrevivência eterna dos mortais ascendentes. E nisto está o dever dos conselheiros da corte: providenciar para que todas as acusações contra as criaturas mortais sejam expostas com justiça e julgadas com misericórdia. Nesse trabalho, eles estão intimamente associados aos Altos Comissários, mortais ascendentes fusionados ao Espírito, servindo no universo local.

Os conselheiros seráficos da corte servem extensivamente como defensores dos mortais. Não que jamais haja existido qualquer disposição de ser injusto para com as criaturas inferiores dos reinos, todavia, enquanto a justiça demanda o julgamento de todas as faltas durante a escalada até a divina perfeição, a misericórdia requer que todo passo errado seja julgado com equanimidade, de acordo com a natureza da criatura e o propósito divino. Esses anjos são os expoentes e o exemplo do elemento da misericórdia inerente à justiça divina – da eqüidade baseada no conhecimento dos fatos subjacentes, dos motivos pessoais e das tendências raciais.

Essa ordem de anjos serve, desde aos conselhos dos Príncipes Planetários, até aos mais altos tribunais do universo local, enquanto os seus parceiros, do Corpo Seráfico dos Completos, atuam nos reinos mais altos de Orvonton e até mesmo nas cortes dos Anciães dos Dias em Uversa.

3. Orientadores do Universo. Estes são os verdadeiros amigos e conselheiros pós-graduados de todas as criaturas ascendentes que fazem uma última estada em Salvington, no universo de origem delas, e que estão no umbral da aventura espiritual que se apresenta diante delas, no vasto superuniverso de Orvonton. E, neste momento, muitos seres ascendentes têm um sentimento tal que os mortais só poderiam entender fazendo uma comparação com a emoção humana da saudade. Para trás ficam os reinos das realizações, reinos que se tornaram familiares pelo longo serviço e realizações moronciais; à frente está o mistério desafiante de um universo maior e mais vasto.

É tarefa dos orientadores do universo facilitar a passagem dos peregrinos ascendentes desde os níveis alcançados para os níveis não alcançados de serviço, no universo, e ajudar esses peregrinos a fazer os ajustamentos caleidoscópicos para a compreensão dos significados e dos valores inerentes à compreensão da posição de um ser espiritual do primeiro estágio; posição esta que não se encontra no fim, nem no clímax da ascensão moroncial no universo local, mas, que ainda está no ponto mais baixo da longa escada de ascensão espiritual até o Pai Universal no Paraíso.

Muitos dos graduados de Serafington, membros do Corpo Seráfico dos Completos, que estão associados a esses serafins, engajam-se no ensino extensivo em certas escolas de Salvington, ligadas ao preparo das criaturas de Nebadon para as relações da próxima idade do universo.

4. Conselheiros do Ensino. Estes anjos assistentes são de uma ajuda inestimável para o corpo espiritual de ensino do universo local. Os conselheiros do ensino são os secretários de todas as ordens de mestres, desde os Melquisedeques e os Filhos Instrutores da Trindade, até os mortais moronciais designados como ajudantes daqueles da sua espécie que estão imediatamente atrás deles na escala da vida ascendente. Vós vereis, pela primeira vez, esses serafins associados ensinando em algum dos sete mundos das mansões que giram em torno de Jerusém.

Esses serafins tornam-se os colaboradores dos chefes de divisão das inúmeras instituições educacionais e de aperfeiçoamento dos universos locais, e encontram-se

Pág. 429


agregados, em grande número, às faculdades dos sete mundos de aperfeiçoamento dos sistemas locais e às setenta esferas educacionais das constelações. Essas ministrações estendem-se até os mundos individuais. Mesmo os mestres verdadeiros e consagrados do tempo são assistidos, e muitas vezes acompanhados, por esses serafins supremos conselheiros.

A quarta auto-outorga como criatura, do Filho Criador, foi à semelhança de um conselheiro de ensino dos serafins supremos de Nebadon.

5. Diretores das Designações. Um corpo de 144 serafins supremos é eleito, de tempos em tempos, pelos anjos que servem nas esferas evolucionárias e arquitetônicas habitadas por criaturas. Este é o mais elevado conselho angélico de qualquer esfera, e ele coordena as fases autodirigidas do serviço e das designações seráficas. Esses anjos presidem a todas as assembléias seráficas que pertencem à linha do dever ou ao chamado à adoração.

6. Registradores. Estes são os registradores oficiais dos serafins supremos. Muitos desses anjos elevados nasceram com os seus dons completamente desenvolvidos; outros se qualificaram para as suas posições de confiança e responsabilidade, pela sua aplicação diligente ao estudo e uma atuação fiel em deveres semelhantes, quando estiveram agregados a ordens mais baixas ou de menos responsabilidade.

7. Ministros sem Vínculo. Um grande número de serafins não vinculados da ordem suprema é de servidores autodirigidos nas esferas arquitetônicas e nos planetas habitados. Esses ministros satisfazem voluntariamente ao aumento da demanda do serviço dos serafins supremos, constituindo, assim, a reserva geral dessa ordem.


  1   2   3   4   5


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal