O ovo vazio



Baixar 10.23 Kb.
Encontro04.08.2016
Tamanho10.23 Kb.

O OVO VAZIO



Jeremias nasceu com problemas físicos e mentais. Com 12 anos ainda estava na 2ª série, aparentemente sem condições de aprender ou assimilar nada.

Sua professora, Srta. Doris Miller, frequentemente se exasperava com ele. Ele se contorcia no seu lugar, babava e emitia gemidos e grunhidos.

Às vezes ele falava claramente, como se um raio de luz houvesse invadido o seu cérebro. No entanto, a maior parte do tempo, Jeremias irritava sua professora.

Um dia ela chamou seus pais e expôs a situação… “Jeremias devia frequentar uma escola especial. Não é justo que ele fique com crianças 5 anos mais novas… Isto não é bom para ele,” tentou explicar a Srta. Miller.

A Sra. Forester, mãe de Jeremias, limitou-se a chorar enquanto seu esposo falava. “Srta. Miller” disse ele, “não há nenhuma escola especial por aqui. Será um terrível choque para ele se nós dissermos que vamos tirá-lo da escola. E nós sabemos, Jeremias gosta muito daqui…”

Doris sentou-se por algum tempo depois que os Forester foram embora. Ficou olhando pela janela, a neve que caía lá fora. Parecia que o frio penetrara sua alma. Ela queria ter simpatia pelos Forester, mas como? Além de que Jeremias tinha uma doença terminal. Não era justo manter Jeremias na classe, ela pensava, pois havia mais 18 crianças para ensinar, e Jeremias as dristraía com seu jeito. E ele jamais aprenderia a ler ou escrever como as outras crianças. Por que ficar perdendo tempo?

Enquanto ponderava a situação, Doris sentiu-se culpada e exclamou em voz alta, “Oh Deus, eu aqui me queixando, mas meus problemas são nada comparados aos dessa família! Por favor me ajude a ser mais paciente com Jeremias.”

Daquele dia em diante ela tentou ignorar a distração e os grunhidos de Jeremias.

Então um dia ele veio mancando e arrastando uma perna naquele seu andar torto, chegou à mesa da professoa e disse em voz alta para toda classe ouvir, “Eu amo você, Srta. Miller.” Todas as crianças riram e a professora, com a face vermelha gaguejou, “Qqque bom Jeremias, mmmas agora vá sentar.”

A Primavera chegou e as crianças falavam ansiosas sobre a proximidade da Páscoa. Doris contou a eles a história de Jesus e ao final enfatizou que a Primavera era a estação que simbolizava nova vida. Ela deu a cada um, um ovo de plástico e como tarefa de casa, todos deveriam trazer dentro do ovo algo que representasse nova vida. “Vocês entenderam?” perguntou Doris, e todas as crianças responderam “Sim” com entusiasmo, menos é claro, Jeremias. Nem fez seus costumeiros grunhidos.

Teria ele entendido sobre a morte e ressurreição de Jesus? Teria ele entendido a tarefa de casa? Doris pensou em telefonar para os Forester, mas acabou esquecendo.

Na manhã seguinte, 19 crianças depositaram os ovos de plástico numa cesta na mesa da Srta. Miller.

Após a lição de Matemática, Doris começou a abrir os ovinhos. No primeiro havia uma flor. Certamente que uma flor simbolizava o desabrochar de uma nova vida. Uma garotinha na primeira fila levantava o braço dizendo, toda orgulhosa, que a flor era dela.

O segundo ovinho aberto continha uma borboleta. Doris explicou que a lagarta faz o cazulo e ao se transformar em uma borboleta, sai para uma nova vida.

O terceiro ovinho continha uma pedra com músgos. Billy, o garotinho que a trouxera explicou que, mesmo em meio às pedras, nós podemos encontrar vida. “Meu pai me ensinou,” disse ele orgulhoso.

O quarto ovinho… Doris respirou fundo… estava vazio. “Deve ser de Jeremias” ela pensou, “Ele não entendeu e eu esqueci de ligar para seus pais.”

Para não deixá-lo embaraçado ela disfarçou e pôs o ovinho na cesta. Porém, Jeremias falou, “Srta. Miller, você não vai falar sobre o ovinho que eu trouxe?” Agitada Doris respondeu, “mas está vazio!” Ele olhou bem no fundo dos olhos dela e disse suavemente, “Sim, mas tumba de Jesus também estava vazia.” O tempo pareceu parar… O sinal tocou e as crianças saíram apressadas para o recreio. Doris então perguntou a Jeremias, “Você sabe por que a tumba de Jesus estava vazia?” Jeremias respondeu, “Ele foi morto e colocado lá, mas Seu Pai o ressuscitou.”

Depois que Jeremias saiu, Doris chorou muito. Aquela frieza do seu coração havia se derretido completamente.

Tres meses mais tarde Jeremias morreu. Todas as pessoas que foram prestar as condolências à família Forester, ficavam surpresas ao ver sobre o caixão, 19 ovinhos vazios com a inscrição: “Jeremias, um dia a sua tumba também vai ficar vazia.”


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal