O projeto metaleitura no telecurso 2000



Baixar 78.95 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho78.95 Kb.

O PROJETO METALEITURA NO TELECURSO 2000


Fabíola Coutinho Servidoni1

Maria Augusta H. W. Ribeiro2

A leitura permanece no centro das preocupações tanto da escola e dos pais quanto da formação de adultos e da política cultural. Por esse motivo, o tema tem frutificado em inúmeras pesquisas desenvolvidas nos últimos anos, levando educadores a discutirem concepções e a analisarem dados coletados pelas investigações sobre o ato de ler.

Em nossas práticas pedagógicas, percebemos que entre nossos alunos sobressaia a leitura informativa, restrita a objetivos predeterminados, sem possuir um significado para a subjetividade deles. Assim, perdia-se de vista, a importância do ato de ler, considerado como iniciático, quer como ritual de iniciação a um saber – descoberta das letras -, quer como processo de introdução ao saber – domínio do conhecimento.

A leitura, considerada um prazer embasa nossa trajetória teórica, já que privilegiamos a fruição como um dos fatores fundamentais no momento da leitura, por ser possibilitadora de outras situações semelhantes o que levaria ao hábito da leitura, exercício primordial para a construção do leitor.

Entretanto, quanto ao aprendizado de leitura e da escrita, sabemos que o ensino vem sendo criticado e seus resultados apontados como falhos em vários aspectos. Tais problemas são mais graves se considerarmos que a Educação de Jovens e Adultos encontra-se associada à Educação Popular, percebida como facilitadora na inserção dos grupos populares no movimento de superação do saber de senso comum pelo conhecimento crítico sobre o mundo e sua condição, tal como pregava Freire.

Mas como tornar-se um leitor crítico se existe a falta de domínio e de compreensão da língua e de tal problema nascem inúmeros outros relacionados à leitura?

A escola depara-se com um problema de leitura que não conseguiu superar e agravou-se ao longo dos anos. O saber-ler era e, ainda é, confundido com a possibilidade de se decifrar o escrito. Por isso, procura o aperfeiçoamento dos métodos existentes, não percebendo que a leitura possui outra natureza. Freire havia alertado para esta outra concepção de leitura ao definir o alfabetizar como “a criação ou a montagem da expressão escrita da expressão oral” ( FREIRE, 1993, p.19).

Outros autores também compartilham dessa visão, dentre eles, Foucambert (1994, p. 5), que redefini este ato de atribuição de significado à escrita:

Ler significa ser questionado pelo mundo e por si mesmo, significa que certas respostas podem ser encontradas na escrita, significa poder ter acesso a essa escrita, significa construir uma resposta que integra parte das novas informações ao que já se é.

Dessa forma, podemos considerar o ato de ler como um modo de interrogar a escrita, por questionamentos, pela exploração dos textos, obtendo, como resultado, a formação do indivíduo, ao trazer para seu universo possibilidades de sentidos que desafiam suas verdades, desestabilizando-o e o levando a se reestruturar.

Procurando solucionar este problema, resolvemos, fundamentando-nos na Estética da Recepção, concebida por Hans Robert Jauss, nos anos sessenta, na Alemanha, como um valioso instrumento no processo de leitura, enfocar não o ato da leitura, mas o sujeito desse ato, o leitor – peça principal no processo de leitura – uma vez que a obra literária só tem vida quando lida. Partindo do pressuposto de que o texto só vai adquirir existência quando lido por alguém, foi para essa interação leitor/texto – que dimensiona o leitor, o texto e a própria leitura – que nos voltamos.



Tal interação entre leitor e texto - calcados na teoria da interpretação (hermenêutica) – encontra-se presente no Projeto Metaleitura – um objetivo a atingir, desenvolvido pela Profa. Dra. Maria Augusta H. W. Ribeiro (Departamento de Educação – UNESP – Rio Claro), no período de 1997 à 1999, financiado pela FAPESP, aplicado em uma 7a série de uma Escola Estadual, com acompanhamento dos alunos na 8a série. Centrado na construção de um percurso de leitura, visando à melhoria da qualidade de leitura desses alunos, estabelece, para isso, níveis de leitura que possibilitaram a estes alunos se tornarem metaleitores.

Foi criada uma metodologia que possibilita, aos alunos, caminharem em um percurso de compreensão de textos, que se inicia com o aluno ledor – lê e compreende o texto, identificando tempo, espaço e personagens -, passa pelo intérprete – que associa as figuras às pessoas, percebendo o discurso figurativo presente no texto -, e pelo crítico – descobre vários temas e a moral, questiona o texto e o critica por meio do discurso temático – até chegar ao metaleitor – que lê a sua leitura do texto, percebe os engodos que os homens praticam com a linguagem, domina o discurso metalingüístico.

Para tornar a compreensão desses níveis a mais didática possível, valemo-nos do recurso da fábula, uma narração que por ser extremamente pedagógica, representativa do discurso do saber, ilustra, com clareza, as características principais de cada um dos níveis, principalmente um dos mais difíceis deles, o da metaleitura, uma vez que podemos trabalhá-la tanto no espaçamento do texto, quanto no tipo diferente de letras, usado para sua escrita.

Correspondendo a cada nível de leitura teremos como resultado um tipo de leitor: na literal, um leitor passivo; na contextualizada, um leitor intérprete; na crítica, um leitor crítico; na metaleitura, um metaleitor.

Esses níveis de leitura, podem ser melhor compreendidos a partir da tabela 1.

Tabela 1 – Níveis de Leitura e suas finalidades


Níveis de leitura


Literal

Contextualizada

Crítica
Metaleitura

O que o aluno faz

Lê e compreende o texto

Associa as figuras às pessoas

Descobre os vários temas e a moral

Lê a sua leitura do texto

Como faz

Identifica tempo/

Espaço/


Personagem

Percebe o discurso figurativo

Percebe o discurso temático

Por meio da encenação (expressão corporal, figurino e cenário) e das adaptações do tema (fidelidade ao tema) percebe o discurso metalingüístico

O que importa

Compreensão do texto

A interpretação do texto

A crítica do texto

A leitura, pelo aluno, da leitura feita anteriormente.

O que resulta

Compreensão

Ledor


Interpretação

Leitor intéprete

(dialoga com o texto)



Aplicação

Leitor crítico

(questiona o texto)



Aplicação

Metaleitor


(constrói um novo texto)

Fonte: Projeto Metaleitura: um objetivo a atingir (p. 27, 2000)

Pela observação e análise desta tabela, percebemos que o ato de ler adquire um significado maior, conforme coloca Salzedas (2000, p. 12):

O ato de ler, ação de ligar sentidos, incita o leitor a adentrar pela trama do texto, descobrir-lhe as estratégias, as relações internas e externas voltadas à construção de sua macro-estrutura, isto é, de sua estrutura profunda, a do sentido.

Cabe ao leitor uma reflexão sobre o mecanismo de composição do texto, uma vez que este texto pode ser visto sob a perspectiva da sua produção e da sua recepção. Sua leitura realiza, numa primeira etapa, através de acesso à sua estrutura superficial, ou seja, de seu tecido lingüístico, que caminha coesivamente para a estrutura profunda, em busca de uma coerência de sentido. Na perspectiva da recepção, o ponto inicial é o semântico, é o sentido, que se constrói, coesivamente, até atingir a estrutura superficial. Portanto, a leitura obedece a um movimento de cima para baixo e a produção de baixo para cima. Tais movimentos podem e devem ser detectados pelo leitor no ato da concretização da leitura, ato final, determinado pela fusão dos horizontes do texto e do leitor.

Para que tal fusão aconteça, segundo Jauss, o leitor deverá concluir três etapas: compreensão, interpretação e aplicação resultantes do alargamento do horizonte de expectativa do leitor, do que se deduz que esse leitor deva ter uma formação gradual, para ampliação do seu repertório e conhecimento de mundo, condição essencial para que passe de uma etapa para outra. Embora essas etapas sejam concomitantes, elas são separadas no momento do estudo da leitura.

O relacionamento entre texto/leitor deve ter um sentido construído ao longo da vida. Para se modificar esta visão de leitura é necessário realizar um trabalho diferenciado, visando a atingir as três etapas destacadas por Jauss (1975), nas quais a formação do leitor dá-se de forma gradual, ampliando seu conhecimento de mundo.

Jauss, pela estética da recepção, coloca que este processo inicia-se pelo horizonte de expectativas de um público e vai se enriquecendo com as sucessivas recepções. Esse processo da recepção, permeado pela lógica hermenêutica da pergunta e da resposta, liga a posição do primeiro receptor com os demais, obtendo-se o resgate do potencial de significado da obra, o qual pode ser apreendido pela análise do processo da recepção, como fruto do jogo dialético entre texto, leitor e sua leitura.

Em uma tentativa de reverter o quadro caótico encontrado em sala de aula, optamos por adaptar e aplicar o projeto descrito acima, com o intuito de melhorar a qualidade de leitura dos nossos alunos. Para sua aplicação contamos com a parceria do Núcleo de Ensino (PROGRAD) e da Fábrica de Balas Riclan, a qual nos autorizou desenvolver as intervenções na classe de Telecurso 2000 – 1º grau, funcionando em uma sala do CIESP, de Rio Claro – SP, da qual sou Orientadora de Aprendizagem, e que apresenta, como outras, dificuldades na leitura de diferentes tipos de textos.

Iniciamos, no dia 22/05/2002, o trabalho de intervenção com a leitura da fábula: O homem e a cobra, de Monteiro Lobato (1994, p. 44), para classificar, pela interpretação escrita dos alunos, os tipos de leitores existentes nesta classe.

Ao final da leitura literal, na qual o aluno lê e compreende o texto, identifica tempo, espaço e personagens, nós abrimos um espaço para que eles expressassem oralmente suas opiniões sobre o texto.

Dos primeiros diálogos estabelecidos entre os leitores e a fábula, a leitura contextualizada gerou associações das figuras às pessoas, percebendo o discurso figurativo, ou seja, interpretando o texto propriamente dito. Como produto, as seguintes falas: - “A cobra do texto não é um animal, mas o homem que trai um amigo, por exemplo." - “Pode, também, ser comparada ao político, que em época de eleição se faz de bonzinho e... depois que ganha a eleição dá o bote.”

Em seguida, iniciamos a leitura crítica, descobrindo a moral da fábula lida, percebendo o discurso temático e realizando a crítica do texto pela seguinte fala: - “Na história, podemos perceber que não devemos confiar nas pessoas... por mais que se ajude as pessoas, os amigos, elas não reconhecem... são ingratas...”

Alguns alunos conseguiram ir além ao realizarem sua leitura do texto, fazendo uma ponte entre esta e a política, construindo um novo texto, como exemplificamos acima.

Ao final da discussão, pedimos aos alunos para colocarem no papel a leitura que realizaram da fábula. Dentre os textos escritos, escolhemos um - o do único metaleitor da classe - para exemplificar o resultado deste primeiro trabalho, transcrito abaixo.



Ao que se refere ao título poderia também chamar-se “o amigo que fingia ser amigo” porque hoje o ser humano, banalizou os sentimentos. Passando a procurar amigos que tenham bens materiais, status, esquecendo do companheirismo, da solidariedade ao próximo.

Provérbios como “você está criando cobra para ser picado”. “Nambu de tanto fazer favor perdeu o rabo”. Mostram bem por que devemos tomar cuidado com as amizades, com os jogos de interesses. É claro que não devemos fazer como no texto, dar paulada mas sim agir com justiça.

Pela análise dos quinze textos escritos pelos alunos, elaboramos gráficos, os quais comentaremos, aqui, estabelecendo uma relação entre os elementos: idade, escolaridade e tipo de leitor, na tentativa de verificarmos pontos importantes.

Quanto à idade dos alunos, pudemos notar que a faixa etária que se sobressai é a dos alunos de 30 – 40 anos. Isso nos permite afirmar que é grande o número de pessoas que abandonam a escola sem concluir o Ensino Fundamental (antigo 1o. grau) por diversos motivos, optando por cursar um Ensino Supletivo, anos mais tarde, para concluir seus estudos o mais rápido possível.

Observamos, também, uma certa variação com relação à escolaridade dos alunos. A partir do resultado da atividade com o texto de Lobato, notamos que nem sempre um grau de escolaridade mais elevado significa que este aluno consiga ler um texto e perceber o discurso que há por trás dele ou mesmo construir um novo texto.

Pela sua análise, verificamos a existência de um metaleitor, cinco críticos, quatro intérpretes e cinco ledores. Reafirmando, desse modo, que a escolaridade não interfere na classificação dos tipos de leitores, pois, nesta classe, três alunos, que cursaram da 6ª a 8ª série, encontram-se classificados como leitores ledores, por conseguirem apenas compreender o texto e nada mais. No entanto, podemos nos surpreender ao nos depararmos com outros três alunos que possuem até a 4ª série, mas que conseguem, dois deles, elaborar um juízo sobre o texto – leitor crítico, e, um deles, realiza a transferência de juízo entre textos, sendo classificado como metaleitor. Este último, a nosso ver, realiza uma leitura de vida, devido a sua triste e árdua trajetória de vida. Há alguns anos, sofreu um acidente de trabalho, no qual perdeu uma perna, modificando, por todo o sofrimento e luta, sua forma de ver o mundo, deparando-se com uma realidade, antes distante.

Com a finalidade de passar os cinco leitores ledores para leitores intérpretes, optamos por trabalhar, um pouco, a linguagem não-verbal, pela qual se tem pela imagem, um grau forte de realidade, se considerarmos que aquilo que a pessoa está vendo é mais do que parece ser. Utilizamos ilustrações xerocadas, uma para cada aluno.

Depois de receberem a ilustração, conversamos, interrogando-os sobre o que estavam vendo na sua folha de papel. Em seguida, nos detivemos a realizar o registro das respostas. Cada aluno marcou na sua folha o que julgava pertinente. Tal procedimento foi realizado com três diferentes figuras, exemplificadas a seguir.

Figura – 1 Figura – 2



Obtivemos as seguintes leituras, como resultado,:



  • duas pessoas conversando; um espelho e uma pessoa se olhando, obtendo duas pessoas em uma; duas pessoas se encarando, numa conversa franca – “olho no olho”; um cálice; uma peça de xadrez; dois rostos iguais; uma taça; um clone ou irmão gêmeo frente a frente.

  • uma porção de quadradinhos; uma janela de prisão; uma colcha de retalhos; uma vidraça; uma grade; um edifício cheio de janelinhas; pedrinhas de dominó; tábua de jogo de xadrez; raio X.

Dando continuidade ao trabalho, apresentamos aos alunos, a figura 3, em tamanho maior.

Figura - 3



Desta figura, as seguintes leituras: dois velhinhos bem simples da roça, numa casa velhinha; duas pessoas idosas, o homem está sentado, segurando um chapéu e a outra pessoa está ao seu lado em pé e descalço; um homem e uma senhora que aparentam estar muito doente. Estão numa praça, pedindo esmola para sobreviver. A senhora está com o pé no chão; é um casal que parece estar muito doente, fraquinhos; um casal simples e bem mal tratados pela vida, tendo aparência sofrida e triste; parece uma fotografia de dois nordestinos; estou vendo duas pessoas numa foto antiga; um homem com um sapato muito bem engraxado, usando um óculos de grau, na mão parece segurar um chapéu. Está sentado em frente a uma tapera, casa de sapé. Há, também, uma mulher que parece estar grávida. Ela aparenta levar nos ombros uma pessoa ou criança se apoiando com os pés, tentando concertar o telhado. Ela está descalça. Parecem estar posando para uma foto de frente a uma janela. O chão parece molhado e cheio de folhas.

Com base nessas leituras realizadas, constatamos que cada um vê a mesma figura de uma forma diferente, deixando-se levar pela imaginação, pelos temas discutidos na atualidade e pela bagagem cultural de cada um, o que possibilitou lhes mostrar como os textos podem ser lidos de forma diferente, quando com eles estabelecemos um diálogo.

A visão das pessoas, formada (informada) pelos meios de comunicação que produzem imagens e sons, origina uma nova oralidade – a das “verdades que se contrapõem umas às outras” e que, segundo Almeida (2001, p.45) “implica uma inteligência reflexa, espetacular, mecânica; o que se vê e se ouve é o que é, uma verdade, mesmo que esta seja substituída por outra em seguida”.

Essa colocação pode ser reafirmada, ao observarmos as etapas semelhantes de aprofundamento da leitura, num exemplo de fusão da linguagem não-verbal (imagens analisadas) e da linguagem verbal, estudada em uma vinheta do Caderno Mais do jornal Folha de São Paulo, de 31/03/1996.

Figura 4


Desta charge, tivemos 100% de acerto, tendo como resultado o saber-ver-entender-pensar ativo, no qual os alunos conseguiram por um dos meios de comunicação de massa mais acessíveis, o jornal, produzir uma relação com o universo da oralidade, presente na nossa sociedade, que transforma a palavra em uma imagem escrita/sonora.

Os alunos prenderam-se à história original, deles conhecida, deixando passar o que estava por trás da história da charge. Dois alunos deixaram-se levar pela trama do texto, mergulhando na intertextualidade criada pelo texto original, captando a diferença entre a história original e a charge, tecendo comentários. Eles colocaram numa de suas falas, um ditado popular: “A curiosidade matou o gato”, que diz que nem sempre a curiosidade nos traz benefícios. E que o final da história era diferente, pois na charge a menina encontra a avó velha e feia deitada na cama e não o lobo, como na história original. Alertamos os alunos que a crítica se estabelece, no último quadrinho, pelo jogo do engodo.

A atividade seguinte foi realizada por três alunos, pois a maioria encontrava-se em uma reunião na fábrica. Prosseguimos, entregando aos alunos, em um único grupo, uma cópia com uma história de Quino (Figura 5), para que lessem os quadrinhos, apresentando em um texto a leitura feita das imagens da história.

Figura 5

O produto da leitura dos alunos/leitores e a história de Quino foi um texto escrito na lousa, e depois passado para o papel:



Primeiramente temos um homem ao telefone, olhando o movimento da rua enquanto conversa ao telefone. Ao que tudo indica a conversa é longa, pois as pessoas que se encontram na fila do telefone público, atrás dele, parecem impacientes.

A maior parte destas pessoas aparentam ter uma certa idade e estão trajando roupas do tipo social, tendo como acessórios: chapéu, bolsas, pastas, entre outros.

No segundo quadro, continuamos com a figura do mesmo homem ao telefone, com as mesmas pessoas do quadro anterior à espera. Mas, desta vez, as pessoas encontram-se zangadas, possivelmente, devido a demora do telefonema do homem.

Temos um desfecho inesperado, se considerarmos que o homem que estava no telefone, por horas, ao que tudo indica, descrevia o local aonde se encontrava e o pintor, do outro lado do telefone, colocava na tela que pintava cada detalhe transmitido pelo homem.
Verificamos, na leitura do texto construído pelos alunos, aspectos relevantes de seqüência, pois, visualizamos as imagens apresentadas por Quino.

Depois dessas atividades, constatamos que a leitura de cada situação mostra que temos o domínio da técnica e de um significado, que se apresenta em contraponto à realidade, ou seja, a reflexão e a discussão envolvem o processo de ensino-aprendizagem da leitura permite aos alunos realizarem novas leituras da realidade que os cerca.

A fábula O sabiá e o urubu, de Monteiro Lobato (1994, p.22–23), foi trabalhada com o objetivo de dar condições ao leitor para interpretar, refletir e repensar as questões que são apresentadas pela fábula e pelas personagens lobatianas, que necessitam de uma solução final. Os comentários tecidos pelos personagens possibilitam uma abertura para o leitor, incomodando-o e o instigando a pensar sobre o que foi dito. Assim, o leitor previsto por Monteiro Lobato deve tomar uma posição perante o texto e o mundo, fictício e real, obtendo um posicionamento crítico da realidade que o cerca.

Com essa fábula desejávamos esclarecer que esta é uma história de homens dentro de um discurso figurativo, no qual há um contraste existente entre o sabiá e o urubu refletindo características humanas, mostrando-nos que o sentimento de inveja pode ser ocasionado pelo complexo de inferioridade, entre muitos outros.

Após a leitura desta fábula e de sua discussão, cada aluno preencheu uma ficha, na qual deveriam completar cada nível de leitura – literal, contextualizada, crítica e metaleitura.

Ao compararmos as onze fichas, as repostas apresentadas na leitura literal revelaram uma facilidade dos alunos ao responderem quais personagens compõem a história. Com relação ao tempo, três alunos o especificaram melhor, copiando da fábula o trecho seguinte: “Era tardinha. Morria o sol no horizonte...” Detectamos, ainda, uma certa dificuldade por parte de quatro alunos na especificação do lugar/espaço no qual se passa a fábula, por este elemento aparecer no texto de forma indireta, nas entrelinhas, acabando por colocar como resposta o sol, a terra e o horizonte.

Na leitura contextualizada – segundo nível, cinco alunos conseguiram expressar os elementos que compõem a figurativização - o sabiá representa um homem bom; o urubu, um homem mau e invejoso; e a natureza, a sociedade. Quatro alunos o fizeram de uma forma confusa, mas contendo os elementos que a compõem. Somente uma aluna confundiu os elementos, trocando o caráter do urubu e do sabiá.

Na leitura crítica, a reflexão diante da moral ficou evidente, pois a maior parte deles relacionou a moral da fábula com a vida real, posicionando-se diante do texto e do mundo, expressando por meio de palavras simples que a inveja, tema central desta fábula, não traz nenhuma vantagem para quem a tem. Neste item, um aluno deixou o espaço em branco.

Quanto à metaleitura – quarto nível, cinco alunos dos onze que realizaram a atividade citaram algum texto bíblico. Houve uma certa diversidade de histórias relacionadas ao tema: Branca de Neve; Tom & Jerry ; A herdeira ;O vaga-lume e a cobra; A piranha e a traíra (história folclórica), entre outras. Um fato interessante ocorreu por parte de dois alunos que escreveram um resumo da história que haviam citado, construindo, assim, novas histórias, novas leituras.

Pelo resultado alcançado os alunos conseguiram estabelecer relações entre o texto lido e os outros anteriores. Obtivemos uma diversidade de pontos de vista que colocados lado a lado, entrelaçam-se, sendo fruto do diálogo entre leitor e texto, originando uma nova leitura – a metaleitura.

Utilizamos o texto Branca de Neve, dos Irmãos Grimm (1998, p. 122 - 125), em busca de novas intertextualidades. Nesta história, pela análise das fichas, percebemos que os alunos compreenderam os itens que compõem a leitura literal, não os confundindo, como fizeram num primeiro momento. A leitura contextualizada teve como ícone, o espelho, objeto mágico. Na leitura crítica, os alunos colocaram que a inveja é o tema central da história, comparando-a a uma doença, encontrada em todo lugar. Assim, a moral da história foi assimilada pelo leitor, que se confronta com problemas reais pela ficção, refletindo sobre questões de poder e relacionamento ocasionadas por este sentimento. No quarto nível, a metaleitura, há relação entre o texto e histórias bíblicas. Houve um destaque para Adão e Eva, por associarem a maçã com o fruto proibido, do mesmo modo que na história lida. Também foi citada uma novela – O dono do mundo – por abordar o tema da inveja. Os alunos colocaram, ainda, um dito popular: “O feitiço virou contra o feiticeiro”, mostrando que a inveja traz atraso de vida a quem a sente. Uma aluna deixou em branco, por não conseguir realizar a intertextualidade.

No dia 05/08/2002, os sete alunos presentes foram divididos em dois grupos para que dessem início à construção de uma história que falasse da inveja, tema trabalhado e discutido por eles. Foram passadas algumas instruções, como conversar antes de iniciar a escrita e realizá-la em uma folha.

O resultado da primeira escrita, segue exemplificado abaixo, por um dos dois textos produzidos, transcrito, para facilitar a compreensão.
INVEJA: O CAMINHO DA DESTRUIÇÃO

Tudo começou com a mudança de uma cidade para outra. Éramos sete pessoas na família, trabalhávamos na área da agricultura, cansados da vida dura da lavoura, resolvemos partir para outro tipo de atividade, por indicação do Tio José.


João e Maria nem desconfiavam das más intenções de seu tio, que no passado tinha muita inveja do seu irmão, Antônio, pai de Maria e João, pois o mesmo tinha muitas namoradas na cidade onde foram criados. Já José não conseguia nem namorada, inclusive a moça que ele mais gostava era apaixonada por Antônio.

Por esse motivo, José resolveu vingar-se de Antônio, através dos filhos. Levando João para se divertir em um bordel muito sujo, onde o mesmo contraiu uma doença muito grave – AIDS.

Antônio vendeu tudo o que tinha para cuidar do filho, quando teve que vender sua propriedade sem saber que o comprador era seu próprio irmão, que por inveja deixou seu irmão na mais completa miséria.

Depois de recolher a história realizamos a leitura, para que os colegas tivessem a oportunidade de ter contato com o texto que haviam criado. A leitura acabou fazendo os alunos perceberem que faltavam alguns elementos na história, para deixá-la mais clara e completa. Optamos por realizar uma reescrita, que seria feita num outro momento.

Os alunos foram reunidos nos mesmos grupos para iniciarem a reescrita da história que haviam escrito e discutido anteriormente. O resultado final da reescrita, segue, abaixo:
INVEJA : O CAMINHO DA DESTRUIÇÃO

Tudo começou, há dois anos atrás, com a mudança de uma cidade para outra. Éramos sete pessoas na família, trabalhávamos na área da agricultura e cansados da vida dura da lavoura, resolvemos partir para outro tipo de atividade, por indicação do Tio José.

Por isso, mudamos para a cidade, em busca de um novo rumo para nossas vidas. E é justamente isso o que temos.

Tudo começa, quando João e Maria, procuram seu tio José, que morava na cidade. Este tio que lhes estendia a mão, no passado tinha raiva, inveja do seu irmão Antônio, pai de Maria e João, pois o mesmo havia roubado a noiva.

José, após o ocorrido no passado, sumiu pelo mundo, sem manter contato com nenhum membro da família, por isso, nem ficou sabendo do nascimento de João, fruto de seu relacionamento com Helena.

Sem notícias, Antônio assumiu a paternidade do menino, casou-se com Helena e teve uma filha com ela, Maria.

O tempo foi passando e esse segredo permaneceu entre os membros da família.

Anos mais tarde, quando José se depara com João e Maria, resolve vingar-se de Antônio, prejudicando seus filhos, mais precisamente João.

Inicia sua vingança, levando João para se divertir em um bordel, onde contrai uma doença sexualmente transmissível, a AIDS. Isso ocorreu, por João não saber como deveria se prevenir.

Ao saber da doença do filho, Antônio vende tudo o que possui: casa, carro, telefone, terras, gado, plantação, para ajudá-lo com os remédios e o tratamento.

O tempo passa... a luta de João persiste...

Neste meio tempo, Antônio adoece, enquanto João luta, incessantemente, pela vida.

José, sabendo da situação, visita o irmão, com a finalidade de humilhá-lo, mas acaba por descobrir toda a verdade...

Em seu leito de morte, Antônio conta a José que João é fruto de seu noivado com Helena, ou seja, era seu filho, e pede para que cuide deste quando não estiver mais vivo.

Ao ouvir a história, José entra em estado de choque, pois percebe que a inveja havia condenado seu filho à morte.
Por meio da leitura e análise da reescrita da história, notamos que os alunos não esqueceram de nenhum dos elementos necessários a sua construção, conseguindo colocar o tema central no papel, criando um novo texto, realizando uma metaleitura.

Na seqüência das atividades, inserimos três textos com o mesmo título - O leão e o ratinho, um de Monteiro Lobato (1994, p. 51), o outro de Millôr Fernandes (1985, p. 65 – 67) e o de Maria Luísa Amorim (1999, p. 3 - 8), com o intuito de gerar por meio deles um novo texto, uma nova leitura – a metaleitura. Esses textos foram trabalhados separadamente, seguindo todos o esquema utilizado nas atividades anteriores.

Pela comparação dos resultados da análise dos três textos, percebemos que no primeiro nível de leitura – literal – não houve dificuldade por parte dos dez alunos que realizaram a atividade. No segundo nível, o da leitura contextualizada, os alunos completaram-na de forma simples, mas realizando a transposição de que o leão e o rato presentes nas histórias representavam o homem. No terceiro nível, a leitura crítica, todos os alunos compreenderam a mensagem do texto, relacionada à gratidão, tecendo comentários de fatos vivenciados por eles, relacionados ao tema. No quarto nível, o da metaleitura, uma grande diversidade de textos, marcados por personalidades como Irmã Dulce, Madre Tereza de Calcutá; ditados populares - “Quem corre cansa, quem espera alcança”, “Quem tem pressa come cru e quente”, “A esperança é a última que morre”, “Olho por olho, dente por dente”, “Aqui se faz, aqui se paga”; alguns filmes e desenhos – Free Willy, Meu amigo Panda, Tom e Jerry, Três solteirões e um bebê, e livros como A herdeira, todos eles relacionados ao tema.

Pedimos aos alunos para tecerem uma história relacionada à gratidão. No dia da atividade, contamos com três alunos, que criaram a história abaixo:


Nunca despreze os mais fracos

A nossa história, aconteceu no mês passado, em uma floresta do interior da Amazônia, da onde um pescador, viu algo inusitado, jamais visto ou relatado antes.

Segundo ele conta, na sua última noite de pescaria no local, estava em seu barco, sozinho, quieto, à espera de que algum peixe dos grandes mordesse sua isca. O silêncio pairava pelo lugar. Nem um mosquito para contar história.

E ele lá, com seus pensamentos, sonhos, idéias... O sono começava a chegar, resolveu, então, tirar um cochilo, mas foi daqueles rápidos, pois o pescador acabou acordando com um barulho estranho..

O pescador abriu os olhos, numa tentativa de espantar o sono, mas pouco conseguiu. Esfregou os olhos, novamente, tentando acordar, mas isso só aconteceu realmente quando percebeu que o barco estava indo corredeira abaixo. Olhou para os lados em busca de ajuda e nada...

De repente, aparece em meio a uma moita, um cachorro de porte pequeno, marrom, que parecia disposto a ajudar ao pescador. O cão para na beira do lago, pega um galho de uma árvore quebrado que estava ali jogado e estende-o até o pescador para que este se segurasse.

O cão gruda no galho com os dentes, fazendo força, puxando o galho. Até conseguir tirar o pescador da corredeira, levando-o a beira do lago.

O pescador estava em estado de choque, não conseguia acreditar que um cachorro tão pequeno havia conseguido salvá-lo. Não sabia o que fazer. O cão, por sua vez, lambeu o rosto do homem e partiu, deixando a lição de que nem sempre a estatura e o peso influenciam nas atitudes que devemos tomar.
Terminada esta etapa do trabalho, nascia uma outra - a da representação da história criada pelos alunos - extremamente difícil, pois os alunos não conseguiram se mostrar desembaraçados, muito menos, se desprenderem da folha que continha a história. Realizamos dois ensaios, nos quais nenhum aluno desejava, por vergonha ou medo, encarar a câmera, gerando um certo tumulto.

No dia, 10/12/2002, previsto para a filmagem, a maior parte dos alunos não compareceu à aula, devido aos cursos de aperfeiçoamento que realizavam na fábrica. Dessa maneira, o resultado da filmagem não foi dos melhores, primeiro, pela falta de alunos e também pela inexperiência por parte da bolsista com relação ao manuseio da filmadora.

Não havia cenário, nem detalhes, apenas os narradores contando suas histórias a uma amigo, invisível, presente do outro lado da lente, para o qual passaram, timidamente, a mensagem desejada.

Acreditamos que, mesmo não obtendo o resultado imaginado, inicialmente, nosso trabalho não tenha sido em vão, pois os alunos passaram, desde então, a se portar de uma forma diferente, realizando uma leitura mais detalhada, na qual buscavam desvendar o discurso figurativo e a mensagem/moral existente, realizando pontes entre o texto lido e os outros já lidos, ouvidos ou vistos.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

O nosso trabalho estava direcionado à formação do metaleitor, pois acreditamos que a leitura liberte, dando asas à imaginação, levando o leitor a desatar as amarras presentes no texto, percebendo todo o discurso, estabelecendo um jogo dialético entre o leitor, o texto e a leitura.

Assim, tentamos rever o quadro educacional de nosso país, com um grande número de excluídos que, por diversos motivos, foram privados do acesso ao saber, não possuindo, muitas vezes, capacidade de argumentar, de compreender o discurso que lhes é apresentado e, por isso, acabam por serem facilmente dominados.

Essa questão referente ao poder foi tratada de forma indireta nas fábulas trabalhadas ao longo do projeto, tentando alertar para os engodos existentes nos discursos diversos com os quais nos deparamos.

Procuramos, ainda, ressaltar a importância da leitura que, em nosso projeto, não se restringiu às fábulas, perpassando, também, textos não-verbais com os quais somos bombardeados visualmente, nas ruas, jornais, revistas, sem nos atermos ao seu significado.

Com este projeto, esperamos ter auxiliado a construção não somente de leitores, mas de cidadãos, que se transformem em sujeitos da leitura, capazes de estabelecer um diálogo com o texto.

Como resultado final, esperamos que os alunos sejam capazes de transferir a leitura de uma fábula para sua leitura de mundo, um leitor capaz de extrapolar a dimensão do texto para a da própria vida e proceder à leitura do mundo, mencionada por Paulo Freire, realizando, de uma maneira consciente e, portanto, critica, o ato de ler.

REFERÊNCIAS

ALENCAR, M. Quem quiser que conte outra, IN: Revista Educação, ano 26, no. 228, Editora: Segmento, abril/2000.

ALMEIDA, M. J. Imagens e sons: a nova cultura oral. 2a. Ed., São Paulo: Cortez, 2001.

AMORIM, M. L. O leão e o ratinho. Belo Horizonte: Armazém das Idéias, 1999.

FERNANDES, M. Novas fábulas fabulosas, 3ª ed., Rio de Janeiro: Nórdica, 1985.

FOUCAMBERT, J. A criança, o professor e a leitura, Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

FOUCAMBERT, J. A leitura em questão, Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

FREIRE, P. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1993.

GADOTTI, M. ; ROMÃO, J. E. (Orgs) Educação de Jovens e Adultos: teoria, prática e proposta, 3ª ed., São Paulo: Cortez: Instituto Paulo Freire (Guia da escola cidadã, v. 5), 2001.

ISER, W. O ato da leitura. Uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed. 34, 1996.

LOBATO, M. Fábulas, São Paulo: Brasiliense, 50ª ed., 1994.

PALLOTTA, M. G. P. Criando através da atualização : Fábulas de Monteiro Lobato, IN: Leitura e Literatura infantil: questão do ser, do fazer e do sentir/ Hilda Hartmann Lontra (Organizadora), Brasília: FINATEC; Oficina Editorial do Instituto de Letras da UnB, 2000.

GRIM, I. Branca de Neve. IN: PHILIP, N. Volta ao mundo em 52 histórias, tradução: Hildegard Feist, São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1998.

PROGIANTE, S. P. Leitura: ato de concretização, IN: Leitura e Literatura infantil: questão do ser, do fazer e do sentir/ Hilda Hartmann Lontra (Organizadora), Brasília: FINATEC; Oficina Editorial do Instituto de Letras da UnB, 2000.

RIBEIRO, M. A . H. W. ; D’ONÓFRIO, E. M. Projeto Metaleitura: um objetivo a atingir, IN: Leitura e Literatura infantil: questão do ser, do fazer e do sentir/ Hilda Hartmann Lontra (Organizadora), Brasília: FINATEC; Oficina Editorial do Instituto de Letras da UnB, 2000.

SAVIOLI, F. P. & FIORIN, J. L. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 1990.



1 Bolsista pelo Núcleo de Ensino (PROGRAD) e Aluna de Graduação do Curso de Licenciatura em Pedagogia (UNESP – IB/Rio Claro)

2 Coordenadora do Projeto Metaleitura – um objetivo a atingir e Professora do Departamento de Educação (UNESP – IB/Rio Claro)




Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal