O sistema jagunço willi Bolle (Universidade de São Paulo) Resumo



Baixar 50.39 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho50.39 Kb.



O SISTEMA JAGUNÇO *

Willi Bolle (Universidade de São Paulo)




Resumo: Este estudo trata do fenômeno da jagunçagem em Grande : Sertão Veredas. O romance de Guimarães Rosa é interpretado como uma reescrita crítica d’Os Sertões, de Euclides da Cunha, onde o termo „jagunço“ é usado arbitrariamente, no sentido de criminalizar a população de Canudos. Minha análise se concentra no episódio do julgamento de Zé Bebelo, que interpreto como um tribunal da história sobre a guerra no sertão. Diferentemente de trabalhos anteriores sobre o tema (W. Galvão 1972 e H. Starling 1999), este estudo focaliza o sistema jagunço através do prisma da linguagem, enquanto constelação de discursos e sistema retórico. São analisados os tipos de discursos sobre a jagunçagem comentados pelo protagonista-narrador Riobaldo: a visão idealizada, a mitificação e a demonização de determinadas figuras, e a visão prosaica. Através dos comentários do seu narrador, Guimarães Rosa revela como é construído o discurso da violência institucionalizada, destacando-se como procedimento básico a retórica da dissimulação.

Os Sertões (1902), de Euclides da Cunha, e Grande Sertão : Veredas (1956), de João Guimarães Rosa, são retratos do Brasil sob a perspectiva da violência. Na apresentação da guerra no sertão pelos dois escritores há, no entanto, uma diferença básica. Enquanto Euclides narra a guerra como uma seqüência de acontecimentos, Guimarães Rosa focaliza os discursos que falam da guerra. Em Os Sertões, com dois terços do texto descrevendo “A Luta”, predomina a histoire événementielle(cf. OS: 14), nos moldes genético-causais e lineares do historicismo. Já em Grande Sertão : Veredas, questiona-se o primado dado às “guerras e batalhas” – pois “o que vale, são outras coisas”(GSV: 77). O romancista visa a compreensão da mentalidade e do sistema de poder que rege o universo daquelas guerras; sua obra é uma modalidade ficcional da historiografia das estruturas (cf. Braudel 1949 e 1958).
A guerra no sertão é apresentada por Euclides com uma determinada interpretação. Conforme ele enfatiza na nota preliminar, a campanha de Canudos “foi, na significação integral da palavra, um crime. Denunciemo-lo”(OS: 14). A denúncia atinge seu auge no capítulo “Um grito de protesto”(OS: 463s.), precedido de um depoimento-testemunho do autor sobre os últimos dias da batalha. Comentando a prática dos soldados de degolarem os prisioneiros, Euclides escreve: “Aquilo não era uma campanha, era uma charqueada. Não era a ação severa das leis, era a vingança”. O ensaísta concebe o seu grito de protesto como uma forma de apelar para “o juízo tremendo do futuro” – comentando, porém, meio resignadamente, que “a História não iria até ali”.
________
* Este texto é parte de um ensaio maior, intitulado „grandesertão.br ou: A Invenção do Brasil“, a ser publicado no livro Descobertas do Brasil: narrativas e imagens, org. por Angélica Madeira e Mariza Veloso, Editora da UnB.

O que torna problemática a denúncia da guerra por parte de Euclides, é que ele desenvolve paralelamente um discurso de legitimação da mesma guerra. Baseando-se no pressuposto social-darwinista do “esmagamento inevitável das raças fracas pelas raças fortes”(OS: 14), ele considera o aniquilamento dos sertanejos pela “implacável ‘força motriz da História’ [Gumplowicz]” como “inevitável”. A contradição de Euclides já foi objeto de comentários. Luiz Costa Lima (1997: 27) observa que a denúncia “se manifesta em independência da explicação científica”, ficando limitada a uma declaração humanista. Berthold Zilly (1996: 276s.) vê um choque entre os valores da civilitas, apenas retórica, e o racionalismo instrumental de uma civilização que justifica a modernização pela força.


Como é que o éthos ambígüo de Euclides, a combinação da retórica da denúncia com o discurso de legitimação, afeta o seu modo de escrever a história? O “narrador sincero” d’ Os Sertões apresenta um discurso duplo. A argumentação “científica”, na parte II (“O Homem”), de que o sertanejo seria um “retardatário” e “retrógrado”, serve para justificar a intervenção militar em nome da modernização. Esse pressuposto básico jamais é abandonado ou questionado. A narração, na parte III (“A Luta”), funciona como compensação estética; é uma estilização literária da campanha, com páginas de heroismo, de empatia com a tragédia das vítimas, e de denúncia. Com isso, as estruturas de poder são encobertas em vez de serem reveladas. Enquanto os comentaristas, assim mesmo, reiteram a qualidade do livro como “obra literária”, o autor de Grande Sertão : Veredas, que concebe seu romance como uma reescrita crítica d’Os Sertões, aponta as fraquezas estruturais da historiografia euclidiana.
A afirmação de Euclides de que “a História não iria até ali”, ou seja, de que o juízo da história não se deslocaria até o sertão, é posta em xeque por um episódio que Guimarães Rosa colocou estrategicamente no meio do seu romance. Trata-se do julgamento de Zé Bebelo na Fazenda Sempre-Verde(GSV: 196-217), que equivale à instauração de um tribunal da história. Nesse fórum são debatidas todas as questões políticas relevantes: a guerra, a jagunçagem, o crime, a lei, o poder e as estruturas econômicas e sociais – em suma: o “sistema jagunço”(GSV: 391). Para o leitor inteirar-se do funcionamento desse sistema, ele tem que organizar o discurso do narrador (cf. GSV: 277), isto é: montar, a partir de inúmeros fragmentos esparsos pelo romance inteiro, a rede dos discursos e comentários que convergem nesse episódio-chave e que definem o fenômeno da jagunçagem.
Segundo a interpretação mais recente e mais detalhada do episódio do julgamento, o chefe Joca Ramiro estaria propondo ali “uma possibilidade de interação pública entre homens mediados pela lei”, um “gesto de fundação”, ao lado de outros gestos fundadores, praticados por Medeiro Vaz e Zé Bebelo (Starling 1999, 122s.). Essa leitura projeta sobre o romance gestos de fundação de um Brasil alternativo, como se Guimarães Rosa fôsse essencialmente um autor de utopias políticas e sociais. Ora, me parece que a sua única utopia é a invenção de uma nova linguagem (ver o segmento final deste ensaio), e que no mais, seu projeto consiste em revelar o funcionamento do sistema real do poder no país, mostrando inclusive como elementos utópicos são manipulados pela retórica dominante.
O julgamento na Fazenda Sempre-Verde, na verdade, visa muito além da pessoa empírica de Zé Bebelo. Discute-se ali a instituição representada alegoricamente pelo nome desse personagem. “Bebelo” ou “Rebêlo”, de re-bellum – aquele que sempre volta a praticar a guerra (Rosenfield 1993: 105), aquele que “gostava prático da guerra, do que provava um muito forte prazer”(GSV: 287) – é uma figuração da própria guerra. Depois da vitória do bando de Joca Ramiro sobre as forças de Zé Bebelo pode-se ter por um momento a impressão de que “Acabou-se a guerra”(GSV: 194), como exclama alegremente um dos personagens. Mas isso não passa de uma ilusão. Pois quem, entre os mais de quinhentos sertanejos ali reunidos teria interesse em fazer a máquina da guerra parar, liquidar com o ofício que é seu sustento de vida? A encenação do julgamento do caçador de jagunços que é absolvido por “jagunços civilizados”(GSV: 212), serve, na verdade, para camuflar um acordo muito pouco civilizado que ali se trava entre as partes envolvidas: trata-se de legitimar a guerra e de continuá-la. Com efeito, o julgamento controverso vai engendrar “a outra guerra”, como constatam “aliviados” Riobaldo e seus companheiros de armas(GSV: 226).
Como informação sobre a guerra dos jagunços no romance de Guimarães Rosa, o livro de Walnice Galvão, As Formas do Falso (1972), continua sendo a fonte mais esclarecedora. Conforme explica a autora, com base em Oliveira Vianna, a jagunçagem, enquanto exercício privado e organizado da violência, longe de ser uma exceção, é uma instituição do direito público costumeiro no Brasil. A jagunçagem representa um regime autoritário de dominação, em que os fazendeiros arregimentam seus subordinados para defesa de sua propriedade e perseguição de suas ambições políticas. O latifúndio com seu exército particular de jagunços constitui a unidade mínima do poder no país e de suas alianças originam-se os partidos municipais, estaduais e nacionais. Com isso, os detentores do poder no sertão e na cidade acabam sendo os mesmos. Tampouco há diferenças estruturais entre o agrupamento de senhores que constitui a “situação” e os que estão na “oposição”. Em Grande Sertão : Veredas, Zé Bebelo atua como aliado das forças do Governo, enquanto o bando de Joca Ramiro está fazendo a vez da oposição. Em princípio, esses papéis são reversíveis sem a menor mudança das estruturas políticas (Galvão 1972: 17-24 e 41-47).
Diante disso, coloca-se a pergunta: que tipo de informação específica sobre a jagunçagem oferece o romance de Rosa em comparação com os estudos sociológicos, políticos e historiográficos? Como veremos, Grande Sertão : Veredas proporciona um conhecimento do sistema do poder através do prisma da linguagem. Na análise do sistema jagunço enquanto sistema retórico e constelação de discursos está a diferença deste estudo com relação aos trabalhos de Walnice Galvão (1972) e Heloisa Starling (1999).
Como debate sobre a instituição da jagunçagem, o episódio do julgamento de Zé Bebelo implica também uma crítica contundente a Euclides da Cunha. O episódio em questão e o romance como um todo são um julgamento da maneira tendenciosa e arbitrária com que a palavra “jagunço” e a instituição da jagunçagem são apresentadas pelo autor d’Os Sertões. Ao usar a palavra “jagunço” indiscriminadamente como sinônimo de “sertanejo” e aplicando-a somente aos habitantes de Canudos, o ensaísta criminalizou a população daquela cidade (Bartelt 1999), além de tirar o foco dos chefes tradicionais de jagunços no Estado da Bahia, que viram nos rebeldes de Canudos uma ameaça ao seu sistema. Sob esse aspecto, a história é apresentada em Os Sertões de ponta cabeça. O autor de Grande Sertão : Veredas move um processo contra o historiógrafo Euclides da Cunha em nome da verdade dos fatos e do uso da língua. O processo de iniciação do jovem Riobaldo ao sistema jagunço enquanto sistema retórico efetua-se como um processo de aprendizagem de uma língua. O romance é estruturado de forma que o leitor compartilha com o protagonista-narrador desse processo que é aprender e reaprender o significado da palavra “jagunço” no contexto político, social e econômico do Brasil.
Alegoricamente, o romance de Guimarães Rosa põe em cena bandos de criminosos exercendo o poder no planalto central do país. O sistema jagunço, enquanto instituição situada ao mesmo tempo dentro da esfera da Lei e do Crime, é uma representação do funcionamento das estruturas de poder. Diferentemente da historiografia euclidiana, onde o esmagamento dos “jagunços” é postulado como necessário e definitivo, como que cumprindo uma lei científica da história – quando na verdade se trata de uma construção ideológica – a jagunçagem em Grande Sertão : Veredas é apresentada através de imagens dialéticas. O julgamento de Zé Bebelo é a peça-chave de uma representação, retórica e mascarada, em que o sistema jagunço fala de si mesmo. Zé Bebelo, como mentor do protagonista-narrador, é um personagem-pivô entre duas esferas: ora o camaleônico aspirante a deputado, que luta contra os jagunços com um contingente misto de soldados e jagunços; ora o chefe de bandidos, que se veste com as insígnias tradicionais do jaguncismo, mas aproveita a primeira ocasião para tentar entregar os seus subordinados nas mãos das autoridades... Dentre todos os discursos sobre a jagunçagem – exceto o de Riobaldo (que será estudado no segmento seguinte) – , o de Zé Bebelo é o mais complexo e que reune todos os aspectos. Vejamos, um a um, os componentes do seu discurso.
A visão idealizada da guerra no sertão é representada sobretudo por Selorico Mendes, o padrinho (na verdade, o pai) de Riobaldo. Suas histórias de jagunços(GSV: 87-95) marcaram decisivamente a adolescência do protagonista. Dono de extensas fazendas, o pacato e “muito medroso” Selorico se entusiasma com as “potentes chefias” dos latifundiários donos de jagunços às margens do Rio São Francisco. Ele se gaba de ter “sentado em mesa” com um dos mais famosos entre eles, o famigerado “Neco” (Manoel Tavares de Sá), que forçou as cidades de Januária e Carinhanha nas éras de 1879. Quando, uma noite, aparece na fazenda o bando de Joca Ramiro, o padrinho o enaltece como “dono de glórias”. Há um fascínio com a figura do grande bandido: “Aquela turma de cabras [...] podia impor caráter ao Governo”. O comentário do narrador, no entanto, cria um distanciamento que expõe o lado heroificador e mitificador desse discurso: “De ouvir meu padrinho contar aquilo [...] começava a dar em mim um enjôo. Parecia que ele queria emprestar a si as façanhas dos jagunços...”. Ao caracterizar a fala de Selorico Mendes como “sincera narração”(GSV: 94), Guimarães Rosa ironiza também o “narrador sincero” de Euclides, com sua tendência à heroificação.
A mitificação de chefes de jagunços ocupa um lugar de destaque na narrativa rosiana. Medeiro Vaz é caracterizado pelo próprio Riobaldo como “o mais supro, mais sério”; seu Joãozinho Bem-Bem, como “o mais bravo de todos”; e Joca Ramiro, como “grande homem príncipe!”(GSV: 16). Essas idealizações fazem parte do imaginário coletivo, que é alimentado por uma retórica mitologizante, como mostra eloqüentemente o exemplo de Zé Bebelo. Ele “tinha estudado a vida” de Joãozinho Bem-Bem “com tanta devoção especial, que até um apelido em si apôs: Zé Bebelo(GSV: 101s.). Mas isso não lhe basta. Ao assumir a chefia do bando de jagunços, ele faz questão de ornar-se com as insignias de todos os precursores: “Meu nome d’ora por diante vai ser ah-oh-ah o de Zé Bebelo Vaz Ramiro!(GSV: 74). Como todo sistema de poder, também o sistema jagunço necessita de figuras míticas para se legitimar.
Às ações dessa nobiliarquia são atribuídas apenas os motivos mais elevados. Medeiro Vaz, apesar de ser capaz de “dar firme ordem para se matar uma a uma as mil pessoas”,(GSV: 27), é visto como o chefe que saíu “para impor a justiça”. Joca Ramiro – que “também igualmente saía por justiça e alta política, mas só em favor de amigos perseguidos; e sempre conservava seus bons haveres”(GSV: 37) – representa o tópos da “guerra por amizade”. O aparecimento do bando de Joca Ramiro, na casa de Selorico Mendes, é explicado pelo motivo de que um conhecido do padrinho, um fazendeiro de Grão-Mogol e seu irmão, “pessoas finas, gente de bem”, teriam “por uma questão política” “encomendado o auxílio amigo dos jagunços(GSV: 91, grifo meu). O tópos da guerra por amizade, no entanto, é desmontado através de um comentário de uma fala de Zé Bebelo. Prestes a assumir a chefia do bando, ele declara: “Vim cobrar pela vida de meu amigo Joca Ramiro [...] E liquidar com esses dois bandidos [o Hermógenes e o Ricardão]”. O comentário do narrador expõe o artifício retórico: “ele estava com a raiva tanta, que tudo quanto falava ficava sendo verdade”(GSV: 70s.).
O contraponto à idealização e mitificação é a negativização e demonização de alguns personagens. O Ricardão é apresentado como “bruto comercial”(GSV: 138), e o Hermógenes como “monstro”, “homem que tirava seu prazer do medo dos outros, dos sofrimentos dos outros”(GSV: 138s.). Como mostrou Heloisa Starling (1999: 47-49), com base em Hobbes, o medo cumpre em Grande Sertão : Veredas a função de uma categoria política. Deve ser lembrado, nesse contexto, que a imagem coletiva do homem “pactário”(GSV: 309) é gerada pelo “medo, que todos acabavam tendo do Hermógenes”. A imagem criada pelo Hermógenes é amplificada por projeções monstruosas do sistema político: com o ataque de surpresa da soldadesca, surge, nos moldes do Leviathã, a “máquina enorme” do Governo, “tendo as garras para o pescoço nosso mas o pensante da cabeça longe, só geringonciável na capital do Estado(GSV: 230); ou a figura aterrorizadora do Minotauro, camuflada no coletivo dos latifundiários guerreiros: “DoMINgOs TOURO, no Alambiques, Major Urbano na Macacá, os Silva Salles na Crondeúba [...] Mozar Vieira no São João do Canastrão, o Coronel Camucim nos Arcanjos, comarca de Rio Pardo; e tantos, tantos(GSV: 87s., grifo meu).
Idealizações e demonizações da jagunçagem encolhem sob a visão prosaica, representada pela figura do fazendeiro seô Habão, personagem secundário, porém de importância estratégica na narrativa. Ele questiona, inclusive, a poesia e a epicidade que Riobaldo procura ver no mundo dos jagunços. “Quando se falava em Joca Ramiro, no Hermógenes e no Ricardão, em tiroteios com os praças e na grande tomada, por quinhentos cavaleiros, da formosa cidade de São Francisco”, comenta o narrador, “ele [seô Habão] nem ouvia, apesar de toda a cortesia de respeito”(GSV: 313). Embora Zé Bebelo e Riobaldo cheguem nas terras de seô Habão de armas na mão e com um exército de jagunços, não é o discurso deles que se impõe. “Seô Habão estava conversando com Zé Bebelo. Fiquei notando. Em como Zé Bebelo [...] mais proseava, com ensejos de ir mostrando a valia declarada que tinha, de jagunço chefe famoso; e daí, sutil, se reconhecia da parte dele um certo desejo de agradar ao outro. [...] Daí [...] o próprio Zé Bebelo se via principiando a ter de falar com ele em todas as pestes de gado e nas boas leiras da vazante, no feijão-da-seca e nos arrozais”(GSV: 312s.). Poranto, o discurso que prevalece não é o do jagunço – que “não passa de ser homem muito provisório” –, mas do “fazendeiro-mór” enquanto “sujeito da terra definitivo”.
As figuras prosaicas do romance – como seô Habão, Zé Bebelo, seo Ornelas, Ricardão – proporcionam uma visão não-camuflada das estruturas de poder. Quando se retira o filtro idealizador ou pejorativo, os personagens aparecem sob uma luz mais objetiva. “Era rico, dono de muitas posses em terras, e se arranchava passando bem em casas de grandes fazendeiros e políticos, deles recebia dinheiro de munição e paga”(GSV: 137). Esse retrato poderia ser o de Ricardão, que era “rico, dono de fazendas” e “somente vivia pensando em lucros, querendo dinheiro e ajuntando”(GSV: 138) – mas é o de Joca Ramiro, visto com os olhos do jagunço Antenor. Ao comentar a fala de um dos chefes, na hora do julgamento de Zé Bebelo, o narrador observa que “[ele] mesmo tinha de achar correto o razoado [...], reconhecer a verdade daquelas palavras relatadas”(GSV: 204s.). Não se trata de uma pessoa amiga de Riobaldo, mas das ponderações de Ricardão, que relembra as mortes, os sofrimentos e prejuízos causados por Zé Bebelo, e por outro lado, a responsabilidade de Joca Ramiro e de seus aliados com relação aos fazendeiros que os financiam. Sob essa perspectiva pode se dizer que o funcionamento do sistema jagunço evidencia-se de maneira muito mais objetiva na figura de Ricardão do que em Joca Ramiro, porque dispensa as camuflagens idealizadoras.
A retórica, e especialmente a retórica da dissimulação, conforme a clássica lição de Maquiavel, são essenciais para a manutenção das estruturas do poder. No universo de Grande Sertão : Veredas, o mestre da arte do discurso, entendida como arte da persuasão (Quintiliano, II.15,18), é Zé Bebelo. Foi ele mesmo que propôs a idéia do julgamento. No círculo daqueles quinhentos homens armados até os dentes, é ele, o único desarmado, que domina a todos, inclusive a Joca Ramiro, pelo poder da palavra. Os feitos militares são considerados por Zé Bebelo apenas como passos preparatórios para uma carreira política. Como que seguindo a recomendação de Maquiavel (1513, cap. 18), ele procura combinar a força do Leão com a astúcia da Raposa. O julgamento de Zé Bebelo é uma reencenação do tópos das Armas e das Letras (discutido no Quixote, de Cervantes, cf. Ulrich Ricken 1967), sendo que agora o estamento administrativo, através do poder do discurso, faz valer o seu papel de liderança sobre o estamento guerreiro.
É com Zé Bebelo que Riobaldo aprende a conhecer os mecanismos da retórica do poder. Depois do primeiro sucesso de armas contra o bando do Hermógenes, Zé Bebelo faz questão de “reunir os municipais do lugar e fazer discurso”: “subiu [...] e muito falou [...] tinham volteado um bando de jagunços [...] e derrotado total. [...] elogiou a lei, deu viva ao governo, para perto futuro prometeu muita coisa republicana”. Em seguida, ele instrui o seu secretário Riobaldo no sentido de reforçar o seu discurso: “Você deve de citar mais é em meu nome o que por meu recato não versei. E falar muito nacional...”(GSV: 104). Sempre que possível, para fundamentar sua autoridade (outra recomendação de Maquiavel) Zé Bebelo usa referências religiosas, como a invocação da “Santíssima Virgem”, no julgamento dos irmãos parricidas. O comentarista deixa claro que se trata de uma religiosidade construída: “Zé Bebelo se entesou sério, em pufo, empolo [...], eu prestes vi que ele estava se rindo por de dentro”(GSV: 60). Princípios de persuasão como esses serão aplicados em muitas outras ocasiões. Zé Bebelo é prodigioso em projetos: “vim departir alçada e foro: outra lei – em cada esconso, nas toesas deste sertão”(GSV: 293); “o que imponho é se educar e socorrer as infâncias deste sertão!”(GSV: 300); “deputado fôsse, então reluzia perfeito o Norte, botando pontes, baseando fábricas, remediando a saúde de todos, preenchendo a pobreza, estreando mil escolas”(GSV: 102). O narrador manifesta o seu “enjôo” diante de tanta “fraseação”, assim como o romancista declara o seu enfado com a linguagem dos políticos (apud Lorenz 1970: 508). Com efeito, os discursos de Zé Bebelo são a alegoria de um Brasil retórico, eternamente projetado para o futuro.
A ambigüidade da postura de Zé Bebelo e, por extensão, do discurso do poder, manifesta-se da maneira mais evidente no episódio da Fazenda dos Tucanos, onde o bando de jagunços sob a sua chefia é cercado pelo bando inimigo. Ele ordena então a Riobaldo de escrever cartas para as autoridades, solicitando o envio de soldados para pegar toda a jagunçada ali concentrada. É nesse momento que ocorre o verdadeiro julgamento de Zé Bebelo: “Agora [...] eu [Riobaldo] era quem estava botando debaixo de julgamento”(GSV: 275). Comentando o fecho das cartas – “Ordem e Progresso, viva a Paz e a Constituição da Lei! Assinado: José Rebêlo Adro Antunes, cidadão e candidato(GSV: 250) –, Riobaldo pergunta ironicamente: “Por que é que o senhor não se assina, ao pé: Zé Bebelo Vaz Ramiro... como o senhor outrora mesmo declarou?...”. Hipócrita e “engambelador”, Zé Bebelo responde: “Muito alta e sincera é a devoção, mas o exato das praxes impõe é outras coisas: impõe é o duro legal...”(GSV: 252). Riobaldo, então, o acusa de fazer jogo duplo, de ser “amigo dos soldados do Governo...”(GSV: 254). Na hora, Zé Bebelo procura sofismar – declarando que ele tem a “Lei” (com “L” maiúsculo), enquanto o soldado tem a “lei” (com “l” minúsculo) –, mas no final ele admite que o estratagema das cartas foi, de fato, a sua “ocasião última de engordar com o Governo e ganhar galardão na política...”(GSV: 280).
A lição principal dos dois episódios de julgamento de Zé Bebelo é que o discurso do poder é, por natureza, duplo e dissimulado (cf. Wolfgang Müller 1988). O que ocorre na Fazenda Sempre-Verde, muito além de uma deliberação sobre a vida de Zé Bebelo, é uma auto-encenação do sistema jagunço diante dos subordinados. Podemos identificar três estratagemas básicos de dissimulação.
Primeiro, a criação da expectativa de que a vitória sobre o adversário significaria o fim da guerra. Ao propor como regra geral do debate a discussão dos “crimes” de Zé Bebelo – “Quem quisesse, podia referir acusação, dos crimes que houvesse, de todas as ações de Zé Bebelo, seus motivos: e propor condena”(GSV: 200) – Joca Ramiro aparentemente se põe a condenar a guerra, mas na verdade abre caminho para os discursos de legitimação da guerra. Apesar da divergência entre os que julgam Zé Bebelo, nenhum deles, nem mesmo Hermógenes e Ricardão, que exigem sua morte, o acusam de crime. Segundo o consenso geral de todos os ali presentes, Zé Bebelo “pode ter crime para o Govêrno, para delegado e juiz-de-direito, para tenentes de soldados”, mas entre os sertanejos é diferente. “Crime? [...] Que crime? Veio guerrear, como nós também. Perdeu, pronto! [...] jagunço com jagunço [...]. Isso é crime?”(GSV: 205, 203). Portanto, os próprios jagunços, que foram ameaçados de serem mortos por Zé Bebelo, acabam por considerar que o exterminador de jagunços não cometeu crime nenhum. Para nenhum deles trata-se de condenar a guerra, mas, pelo contrário, de reafirmar o seu direito a guerrear, que é o seu ganha-pão cotidiano. Afinal, os seus superiores lhes acenam com a perspectiva de “atacar bons lugares, em serviço para chefes políticos”(GSV: 177), de “tomar dinheiro dos que têm, e objetos e as vantagens, de toda valia”(GSV: 337), ou de “cobrar avença dos fazendeiros remediados e ricos”(GSV: 402) – em suma: de praticar o “sistema jagunço” (GSV: 391). Num plano intertextual, a legitimação da guerra, que neutraliza o discurso de acusação ou denúncia da guerra, é uma reencenação paródica da contradição básica do livro de Euclides da Cunha.
Segundo, o faz-de-conta que a guerra no sertão é uma forma de rebeldia contra as forças do Governo repressor, situado na capital do Estado. “O senhor veio querendo desnortear, desencaminhar os sertanejos de seu costume velho de lei...”(GSV: 198) – eis a acusação que Joca Ramiro faz a Zé Bebelo, mandadeiro do Governo. Porque se insiste na oposição entre os dois tipos de poder? A função básica dessa construção é proporcionar uma ideologia, uma imagem de “inimigo” para os homens que lutam e arriscam diariamente suas vidas. A imagem dos “cachorros do Governo” satisfaz a necessidade básica de manter nitidamente separados “o bem” e “o mal”. No plano intertextual, ao encenar o conflito Poder da Cidade vs. Poder do Sertão, Guimarães Rosa reconstrói em forma de paródia o padrão maniqueísta de Euclides que opõe a Rua do Ouvidor às caatingas(OS: 299-301). Essa visão é desconstruída ao longo do romance, na medida em que o leitor é levado a descobrir que os potentados do sertão são os mesmos que mandam no governo das cidades, do Estado e do País. O raio de ação do sistema jagunço, comandado por “cidadãos que se representam”(cf. GSV: 343), é enorme. O romancista corrige assim a historiografia de Euclides, que deturpou o sentido verdadeiro da palavra “jagunço”.
Terceiro, a criação da ilusão de que os subordinados são incentivados a pôr seus chefes debaixo de julgamento. “Que tenha algum dos meus filhos com necessidade de palavra para defesa ou acusação, que pode depor!” – nesses termos, Joca Ramiro anima cada um de seus “cabras valentes” a falar. Mas apenas dois resolvem fazer uso da palavra. Ao mesmo tempo, os chefes dissimulam diante dos subalternos. Assim como Zé Bebelo, na Fazenda dos Tucanos, tenta aproximar-se das autoridades governamentais, não seria a absolvição dele por Joca Ramiro, na Fazenda Sempre-Verde, um arranjo cordial entre um chefe de jagunços e um mandadeiro do Governo? As reações de Ricardão e Hermógenes não deixam dúvida quanto a isso. Mas como esses são os caracteres “maus”, ouçamos também o testemunho neutro de um dos rasos jagunços. Com palavras toscas, porém lúcidas, ele observa que o acordo serve, não tanto para quem é “braço d’armas”, porém para os chefes, para os quais “a guerra fica sendo de bem-criação, bom estatuto...”(GSV: 207). Isto é: se os chefes, por um lado, representam diante do povo uma imagem do inimigo (Sertão vs. Cidade), por outro lado, há entre eles um arranjo à revelia de seus subordinados.
“É o mundo à revelia!”(GSV: 195). Essas palavras de Zé Bebelo, lembradas por Riobaldo como moral do episódio, contêm o julgamento do julgamento. Com a figura de Zé Bebelo, Guimarães Rosa introduz, como vimos, uma dimensão dialética na historiografia da jagunçagem. Diferentemente do maniqueismo de Euclides – que acredita poder destrinchar entre a guerra como “crime” e a guerra como “ação severa das leis” (cf. OS: 14 e 463 ), entre a “guerra charqueada” e a “guerra de bem-criação” – o autor de Grande Sertão : Veredas mostra como Lei e Crime dialogam entre si e se entendem. Ao fazer do sistema jagunço o personagem principal do seu romance, Guimarães Rosa proporciona uma visão do funcionamento das estruturas políticas do país. Apresenta uma instituição no limiar entre a lei e a ilegalidade, em que a transgressão é a regra geral. Apresenta também uma sociedade criminalizada em ampla escala, em que virtualmente todos são cooptados. Mas o que significa a sentença acima-referida de Zé Bebelo, freqüentemente citada, porém raramente explicada? Se tomamos a expressão à revelia no sentido jurídico, temos a imagem de um réu que é citado para responder a uma ação, mas que não apresenta defesa ou não se apresenta dentro do prazo da lei. Parece-me plausível interpretá-la no sentido de que os principais responsáveis pelo sistema jagunço e pela guerra nesse sertão chamado Brasil (Trindade Lima 1997) não comparecem diante do tribunal da história.
A encarnação efetiva do sistema jagunço é o grande personagem coletivo que constitui o pano de fundo de Grande Sertão : Veredas: o corpo político dos donos de terra e gente. Esse personagem-Minotauro ou Leviathã é evocado nos momentos estratégicos da narrativa. Ele aparece na conclusão da fala de Ricardão: “Relembro também que a responsabilidade nossa está valendo: respeitante ao seo Sul de Oliveira, doutor Mirabô de Melo, o velho Nico Estácio, compadre Nhô Lajes e coronel Caetano Cordeiro... Esses estão aguentando acossamento do Governo, tiveram de sair de suas terras e fazendas...”(GSV: 204). Aparece também nas histórias do padrinho de Riobaldo, Selorico Mendes, que gosta de evocar os “fazendeiros graúdos mandadores”: “Domingos Touro, no Alambiques, Major Urbano na Macacá, os Silva Salles na Crondeúba, no Vau-Vau dona Próspera Blaziana. Dona Adelaide no Campo-Redondo, Simão Avelino na Barra-da-Vaca, Mozar Vieira no São João do Canastrão, o Coronel Camucim nos Arcanjos, comarca de Rio Pardo; e tantos, tantos(GSV: 87s.). E aparece sobretudo como base de todas as falas decisivas que acabamos de ver, notadamente as mitificadoras e dissimuladoras... Se Euclides da Cunha constrói uma historiografia em que a narração mitificada da Luta acaba enfraquecendo o poder analítico da parte estrutural que trata do Homem, a utilização do mito por Guimarães Rosa opera no sentido oposto. Seu romance é carregado de elementos míticos, porque só assim é possível reproduzir o discurso essencialmente mitificador e dissimulador das estruturas de dominação – reproduzir, para que o comentário do narrador possa revelar como se constrói o discurso da violência institucionalizada.


Referências bibliográficas
GS:V = João Guimarães Rosa. Grande Sertão : Veredas. 5a ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1967.

OS = Euclides da Cunha. Os Sertões. Campanha de Canudos. Edição crítica de Walnice Nogueira Galvão. São Paulo, Ática, 1998.

Bartelt, Dawid Danilo. “Cerco discursivo de Canudos”. In: Cadernos do CEAS. Número especial sobre Canudos. Salvador, Centro de Estudos e Ação Social, 1997, p. 37-46.


Braudel, Fernand. “La longue durée”. In: Écrits sur l’histoire. Paris, Flammarion, 1969, p. 41-83 = 1958.

Braudel, Fernand. La Méditerranée et le monde méditerranéen à l’époque de Philippe II. Paris, Armand Colin, 1949, 2 a ed. revista e aumentada, 1966.


Galvão, Walnice Nogueira. As Formas do Falso. Um estudo sobre a ambigüidade no Grande Sertão : Veredas. São Paulo, Perspectiva, 1972.


Lima, Luiz Costa. Terra ignota. A construção de Os Sertões. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1997.

Lorenz, Günter W. “João Guimarães Rosa”. In: Dialog mit Lateinamerika. Panorama einer Literatur der Zukunft. Tübingen e Basiléia, Erdmann, 1970, p. 481-538.


Machiavelli, Niccolò. Il Principe e altri scritti minori. Ed. org. por Michele Scherillo. Milano, Ulrico Hoepli, 1916 = 1513.

Müller, Wolfgang G. “Ironie, Lüge, Simulation, Dissimulation und verwandte rhetorische Termini”. In: Zur Terminologie der Literaturwissenschaft. Org. Christian Wagenknecht. Stuttgart, Metzler, 1988, p. 189-208.


Quintilianus, Marcus Fabius. Institutio oratoria – Ausbildung des Redners. Ed. bilíngüe, org. e trad. por Helmut Rahn. 2 vols. Darmstadt, Wiss. Buchgesellschaft, 2 a ed. 1988.

Ricken, Ulrich. “Bemerkungen zum Thema ‘Las Armas y Las Letras’”. In: Beiträge zur Romanischen Philologie. Cervantes-Sonderheft. Berlin, Rütten & Loening, 1967, p. 76-83.

Rosenfield, Kathrin H. Os descaminhos do demo. Tradição e ruptura em Grande Sertão : Veredas. Rio de Janeiro/São Paulo, Imago/Edusp, 1993.

Starling, Heloisa. Lembranças do Brasil. Teoria Política, História e Ficção em Grande Sertão : Veredas. Rio de Janeiro, Revan/UCAM/IUPERJ, 1999.



Zilly, Berthold: “Der Sertão als Wiege der Nation? Zwölf Thesen zu Ethnien und Nationbildung in Os Sertões von Euclides da Cunha”. In: Brasilien im Umbruch. Orgs. Dietrich Briesemeister e Sergio Paulo Rouanet. Frankfurt am Main, TFM, 1996, p. 275-293.



©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal