O sr. Josué bengtson



Baixar 12.81 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho12.81 Kb.


O SR. JOSUÉ BENGTSON (PTB - PA. Pronuncia o seguinte discurso.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, uma luz no fim do túnel, por fim, se acende.
Para um observador atento do status quo e do desenvolvimento da mineração no País, é fácil constatar-se a verdadeira síndrome que se apossa dos brasileiros encravados nos mais diferentes nichos de nossa sociedade.
Ao correr de nossa história, quando um determinado cidadão analisava nossas estatísticas minerais, constatava que o Brasil detém fabulosas reservas de minério de ferro. Sua conclusão, entretanto, era a de que não possuíamos reservas de cobre como o Chile e o Peru.
Outro, ao percorrer as mesmas estatísticas, constatava que nossa Nação detém vultosas reservas de bauxita e arrematava: não possuímos, no entanto, reservas de cobre.
E tal fato se repetia, não obstante termos imensas reservas de nióbio, manganês, estanho, terras raras, etc.
Sim, dispúnhamos de tais reservas mas, onde estariam as "nossas" reservas de cobre.
Teorias e teorias eram desenvolvidas para explicar tal estranho fenômeno.
Seria castigo? Seria estupidez de nossos técnicos? Seria irresponsabilidade de nossos governantes?

Nossos esforços para eliminar tão gritante falha e tão vergonhosa ausência, foram marcados por investimentos gigantescos em todos os quadrantes do território brasileiro.


Não sei a que atribuir tal síndrome, uma vez que não há país auto-suficiente em tudo. Talvez deva-se atribuir tal sentimento a uma ponta de despeito em relação a nossos vizinhos. Com certeza os verdadeiros responsáveis por tal enfoque seriam a pressa e o desconhecimento de que Deus fez o mundo em seis dias. Poderia tê-lo feito em um átimo mas, além da façanha, quis o Criador incluir uma lição: a da paciência.
A partir da década de 70 do século passado, a situação começa a reverter-se.
Os depósitos do vale do Curaçá, na Bahia, mostravam-se mais promissores do que a principio se pensava.
A mineralização de Camaquã, no Rio Grande do Sul, constatava-se, prosseguia em profundidade.
Goiás mostrava a presença de depósitos de cobre em vários pontos de seu território
Por fim, o Estado do Pará, que já se mostrara detentor de imensas reservas de ferro, de estanho, de bauxita, de ouro, anunciava, através de estudos criteriosos da Rio Doce Geologia S.A., a tão familiar DOCEGEO, ser detentor de cerca de setenta e cinco por cento das reservas brasileiras de minério de cobre, que hoje ultrapassam 12 milhões de toneladas de cobre contido, suficientes para abastecer o País por cerca de meio século, levando-se em conta também a reciclagem de sucata.
Desde a constatação dessas reservas, o problema fundamental residia em conseguir-se definir a viabilidade econômica de seu aproveitamento.
Conjunturas desfavoráveis e pouca determinação política adiaram até hoje a implantação do empreendimento mineiro em nosso Estado.
Em novembro último, enfim, a Companhia Vale do Rio Doce anuncia o início da implantação do Projeto Sossego, em que se planeja o aproveitamento de um dos inúmeros depósitos de minério de cobre ocorrentes nas circunvizinhanças da grande mina de ferro de Carajás.
Segundo o presidente da CVRD, este será o primeiro passo para que outros depósitos de cobre sejam aproveitados.
A produção começará em 2004.
Além de consistir em avantajado investimento, trazendo ampliação na oferta de empregos, aumento na arrecadação estadual, o empreendimento colocará o Estado do Pará em posição mais privilegiada em relação a outros estados produtores de bens minerais, disputando em melhores condições com o até hoje líder no ranking nacional, o fabuloso Estado de Minas Gerais.
Testemunha-se, pois, o início de novo ciclo de mineração no Estado do Pará, um novo ciclo na história da mineração no Brasil: o ciclo do cobre.

Além de tudo isto, a luz que se acende enterrará, definitivamente, a síndrome que se nos avassalou ao longo de nossa história: entraremos, por fim, no rol dos grande produtores mundiais de cobre.


Senhor Presidente, solicito a divulgação deste pronunciamento nos meios de comunicação esta Casa e no Programa A Voz do Brasil.
Obrigado!!



Catálogo: sileg -> integras
integras -> Pronunciamento do Deputado Edinho Bez (pmdb-sc), em de abril de 2011 na Câmara dos Deputados sobre Reforma Tributária dando ênfase, nesta oportunidade, sobre a desoneração da folha de pagamentos
integras -> O sr. José pimentel – pt-ce (Pronuncia o seguinte discurso)
integras -> CÂmara dos deputados projeto de lei n.º 502, de 2003
integras -> Pronunciamento do deputado luiz moreira na sessão ordinária da câmara, em 24 de abril de 2002
integras -> A diversidade cultural brasileira sob o olhar de um deputado federal
integras -> Discurso proferido pelo deputado Sérgio Caiado
integras -> SR. carlos de souza
integras -> SR. giacobo (bloco pl/ pr) pronuncia o seguinte discurso Sr. Presidente, Sras e Srs. Deputados
integras -> Pronunciamento do deputado manato, pdt/ES, na tribuna da câmara, em sessão do dia 22 de outubro de 2003
integras -> Deputado vitor penido


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal