Objectivos 4º teste o condado portucalense



Baixar 36.6 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho36.6 Kb.




Objectivos - 4º teste

  • O condado portucalense.

Antes de se tornar um país independente, Portugal era um pequeno território no norte da Península Ibérica e pertencia ao reino de Leão, intitulado por Condado Portucalense.
O Condado Portucalense era uma parcela de terra que ia do rio Minho ao rio Douro, que foi entregue a um nobre francês, de nome Conde D. Henrique de Borgonha, como recompensa por ter ajudado o rei de Leão na "Reconquista Cristã", ou seja, a reconquistar território aos mouros.
O seu senhor (o conde) tinha alguma autonomia e liberdade de movimentos apesar de continuar a prestar vassalagem ao seu rei. O problema é que muitos dos senhores dos condados queriam ter mais autonomia e, talvez, até tornarem-se reis.

Assim, o Conde D. Henrique tentou tudo para conseguir maior autonomia para o seu território, apoiado por outros nobres. Mas, em 1112, D. Henrique morreu e o seu esforço de tornar o reino independente não morreu consigo.


Felizmente, o seu filho Afonso Henriques (o futuro primeiro rei de Portugal) não queria deixar este sonho morrer e decidiu prosseguir com a política do pai.
Apesar de D. Afonso ser muito corajoso, a tarefa de tornar o condado independente foi muito complicada. Senão repara:
1. Era necessário combater o rei de Leão, a norte, para ficar com o território independente.

2. Era necessário alargar o condado para sul contra os muçulmanos - prosseguir a Reconquista.

3. E era preciso arranjar maneira que o futuro reino de Portugal fosse reconhecido pelos outros reinos, principalmente pelo Papa. É que, no século XI, o Papa era mais importante que os reis e todos respeitavam as suas decisões e opiniões.
E foi esta a política de D. Afonso Henriques para fundar o reino de Portugal!


  • Explicar em que consistiu a Reconquista Cristã da Península Ibérica.

A reconquista cristã consistiu na reconquista dos cristãos sobre a Península Ibérica após a invasão dos muçulmanos em 711.

Os cristãos iniciaram este movimento a partir das Astúrias (norte da Península), e contaram com o apoio da igreja, uma vez que se tratava de combater os infiéis e propagar a fé crista (espirito semelhante ao das cruzadas)



  • Caracterizar o processo da Reconquista Cristã.

A reconquista não foi um processo fácil, foi um processo de avanços e recuos, pois como não era-mos uma religião com muitos seguidores não tinhas um vasto exercito nem uma vasta população para permanecer nas regiões reconquistadas; a mesma durou do século VIII ao século XV, com a conquista do reino de Granada aos Mouros.

A reconquista tem um caracter político e religioso e foi u.

O caracter político permitiu aos soberanos (reis) da Península Ibérica a afirmação e o reconhecimento do seu poder, assim como a definição das fronteiras dos estados peninsulares.

No caracter religioso a reconquista tomou contornos de GUERRA SANTA, merecedora de tanta consideração como as CRUZADAS à Palestina. Os reis peninsulares usufruíram de várias bulas papais que encorajavam à expulsão dos muçulmanos da Península Ibérica, concedendo perdão aos que participavam na luta. A Reconquista teve o apoio das Ordens Religioso-militares que introduzidas na Península contribuíram para o fortalecimento ideal de cruzada, ajudaram a expulsar os muçulmanos da Península Ibérica e a povoar terras alentejanas e algarvias pois como convertiam as pessoas em cristãos estes povoam as terras e construíam lá a sua família.



  • Mostrar a importância da Bula Manifestis Probatum e do Tratado de Alcanises para a formação de Portugal.

Estes documentos surgiram como resultado da reconquista e do processo que D. Afonso Henriques usou para tornar Portugal livre de Leão e Castela.

A Bula Manifestis foi concedida a D. Afonso Henriques em 1179 pelo Papa Alexandre III, na qual reconhece o reino de Portugal como independente, deixando de ser obrigado a prestar obediência a qualquer outro reino; assim Alexandre III reconhecia o mérito de D. Afonso Henriques na luta contra os muçulmanos, no entanto exigia que ele e os seus herdeiros pagassem um tributo anual à Santa Fé.

Depois da morte de D. Afonso Henriques a reconquista estava la linha do Sado, nos reinados seguintes houve novos avanços e recuos, ao mesmo tempo que se organizavam internamente tinham de lutar contra as pretensões de Leão e Castela.

A reconquista definitiva de Portugal acontece no reinado de D. Afonso III, com a conquista do Algarve em 1249. No entanto, apenas 50 anos mais tarde, em 1297 e através da assinatura do Tratado de Alcanises com Leão e Castela, D. Dinis conseguiu o estabelecimento definitivo das fronteiras portuguesas.



  • Caracterizar o poder senhorial.

Os senhorios formaram-se através do DIREITO DE PRESÚRIA, direito à ocupação pelos Cristãos das terras conquistadas aos muçulmanos e distinguiam-se pela origem social do seu proprietário:

- Os reguengos são as terras do Rei

- Os coutos são as terras do Clero

- As honras são as terras da Nobreza

As doações do rei ao Clero e à Nobreza permitiram estruturar a vassalidade medieval: relações hierárquicas entre o suserano (o senhor que doa a terra, neste caso o rei) e o vassalo (o senhor que recebe, os nobres ou o clero); o rei oferecia os seus territórios àqueles que lhe foram fiéis, sendo assim esperava dos seus vassalos fidelidade, ajuda e conselho.

O senhor poderia atribuir um território a diferentes graus de nobreza, tais como:

- Infanções: pertenciam às famílias mais importantes, eram nobres que ajudaram D. Afonso Henriques a conquistar a independência, habitavam no castelo a partir do qual defendiam e controlavam o território circundante; foram perdendo o nome e passaram a ser chamados de Fidalgos.

- Ricos-Homens: possuíam vastos domínios territoriais onde exerciam o poder de julgar, desfrutavam de isenções fiscais e comandavam séquitos militares.

- Cavaleiros: pertenciam à ordem militar da cavalaria, dedicavam-se à guerra e deveriam cumprir um código de honra e cortesia: proteger as mulheres e os fracos, defender a justiça contra a injustiça e o mal e defender a igreja.

- Escudeiros: eram os aios dos cavaleiros, tinham como deveres o polimento das armaduras e armas e ajudar o seu cavaleiro a vestir e tirar a armadura. Na batalha o escudeiro ajudava o cavaleiro, cuidava das feridas e se por acaso ele morresse garantia-lhe um funeral decente.

A natureza do poder senhorial era económica onde detinha da posse e exploração das terras e também politica onde o senhor tinha o poder banal que lhe confere o “comando, a punição e a coacção” sobre os habitantes do senhorio.

O senhor possuía alguns privilégios de poder político tais como:

- posse de armas e comando militar;

- exercício da justiça nas suas terras;

- cobrança de impostos aos que habitavam nas suas terras, como por exemplo: banalidades (pelo uso dos instrumentos de produção e sobre as actividades comerciais e os transportes); jantar (deve alimentar o seu senhor e o seu séquito); lutuosa (imposto de sucessão, se o chefe da família morresse, o seu filho teria de pagar); osas (prestações pagas para quem casasse fora do senhorio.

- direito á imunidade: nas suas terras não entravam os funcionários régios para exercer os poderes militares, judiciais e fiscais.

Existia também um privilégio exclusivo da igreja, que era o direito à dízima (a cobrança de 10% de toda a produção e rendimentos)


  • Descrever a exploração económica do senhorio.

Para além do poder senhorial, a propriedade de bens agrários constituía outro dos pilares das classes nobre e eclesiástica, esses bens chamavam-se domínios senhoriais.

Então os senhorios exploravam economicamente a Quintã que era onde se encontrava a morada dos senhores, os estábulos, os celeiros, o moinho, o forno, o lagar e as melhores terras; era também onde trabalhavam escravos, servos e colonos livres, que prestavam serviços gratuitos e obrigatórios durante as Jeiras. Exploravam também os Casais que eram unidades de exploração arrendadas a camponeses a troco de pesados tributos, os contactos poderiam ser perpétuos ou a prazo e as rendas eram pagas com fracções de colheitas.



  • Explicar a situação económica e social das comunidades rurais dependentes.

Nos seus domínios a classe senhorial (reis, nobres, clérigos) controlava uma multiplicidade de homens - os dependentes, aos quais exigia tributos.

Os herdadores eram proprietários de terras livres mas tinham de pagar impostos senhoriais.

Os assalariados viviam do alugues ocasional do seu trabalho.

Os colonos trabalhavam em terra alheia arrendada ao senhor, através de contractos perpétuos ou a prazo; a troco do arrendamento pagavam tributos.

Os escravos eram geralmente prisioneiros mouros e eram utilizados nos serviços domésticos e na agricultura.

Os servos eram descentes dos escravos libertos, a quem foram entregues casais para exploração e que viviam sempre sobrecarregados com jeiras.

Todo homem livre devia depender de um senhor, pois o povo não conseguia governar-se sozinho então precisavam de um senhor, e este lucrava com a agricultura, os impostos e com a defesa de terras.


  • Expor o conjunto de factores que contribuíram para a formação de uma multiplicidade de vilas e cidades concelhias.

O desenvolvimento das cidades e vilas portuguesas deveu-se a uma junção de factores:

- O avanço da reconquista, pois com a reconquista o territórios alargou-se obtendo assim mais população;

- As heranças romanas e muçulmanas, logo estes povos estiveram muito tempo na Península Ibérica e como as cidades que eles desenvolveram eram muito desenvolvidas para a época foram aproveitadas por nós;

- O território português situava-se na rota de peregrinação a Santiago de Compostela, o que levou a que os peregrinos tivessem de se alojar criando assim aglomerados de população;

- As cidades desenvolviam-se sempre que o seu espaço era escolhido pela corte régia para se instalar;

- As cedes dos bispados onde os bispos exerciam a sua função;

- O ressurgimento comercial do século XII reflectiu-se num surto urbano, com destaque para urbes que faziam trocas comerciais através da costa atlântica;

- A criação de concelhos para o povoamento para assegurar que o povoamento permanecia no lugar, o rei da autonomia dava a Carta de Foral, onde dizia que era realmente um concelho.



  • Descrever a organização do espaço citadino no Portugal medieval.

Um concelho é um território cujos moradores sãos os homens-livres (os vizinhos) eram dotados de autonomia administrativa; os concelhos eram criados através da Carte de Foral dada pelo rei ou pelo senhor na qual estabelecia regras e direitos que regiam a vida das populações, relativas a: segurança, isenção ou redução tributaria; concessão ou reconhecimento próprio; e área territorial do concelho.

O espaço citadino continha:

- A cintura de muralhas que delimitava o espaço urbano, protegia e transmitia segurança à cidade e à população, detinha de prestígio e admiração pelas pessoas que vinham de fora e rendimentos por causa da entrada dos produtos pelas inúmeras portas e das portagens que eram pagas.

- O espaço amuralhado localizava-se o centro que era a zona “nobre” da cidade, dos edifícios do poder e das elites locais, era a zona mais bonita e mais rica; o mercado onde se faziam todas as transacções da cidade; as ruas secundárias que eram as mais estreitas e escuras e nunca iam dar ao centro da cidade, as ruas novas eram as mais modernas e que os reis mandavam construir para homenagear a cidade com a contribuição da população, as cidades direitas eram as ruas mais importantes que iam dar ao centro da cidade; as ruas dos ofícios eram onde trabalhavam os mesteirais (trabalhador especializado num oficio mecânico ou artesanal), estavam organizados conforme a sua importância; as minorias étnico-religiosas, pois mesmo depois da reconquista alguns judeus e mouros ainda permaneciam por cá então eram destinos a ficar naquelas ruas;

- O arrabalde era a zona para la da muralha, uma zona de exclusão mas muito dinâmica;

- O termo que era o espaço circundante da cidade, ainda para lá do arrabalde, onde ficavam as vinhas, searas e as aldeias, era a fonte de sobrevivência da cidade, mas dela depende nos domínios jurídico, fiscal e militar.


  • Demonstrar a afirmação política das elites urbanas.

Um concelho é um território cujos moradores sãos os homens-livres (os vizinhos) eram dotados de autonomia administrativa; os concelhos eram criados através da Carte de Foral dada pelo rei ou pelo senhor na qual estabelecia regras e direitos que regiam a vida das populações, relativas a: segurança, isenção ou redução tributaria; concessão ou reconhecimento próprio; e área territorial do concelho.

Os vizinhos eram os moradores de um concelho, mas quem irá exercer todo o poder económico são os Homens-Bons. Os Homens-Bons viviam essencialmente do comércio e detinham de alguns privilégios como: servir na guerra a cavalo, sinal de prestígio; tratamento judicial diferenciado, não eram julgados num tribunal comum, mas sim num tribunal próprio; isentos de pagamento de impostos ao senhor; isentos de fornecer a pousadia; e monopolizam os cargos do concelho, são os únicos que podiam administrar o concelho.



De entre os Homens-Bons eram escolhidos os funcionários:

- Alcaides ou Juízes: aplicavam a justiça

- Almotacés: vigilância das actividades económicas, da sanidade e das obras públicas

- Procurador: guardava o dinheiro e era o representante do concelho

- Chanceler: guarda o celo do concelho, era um cargo muito importante porque o selo era o que dizia se o documento era verdadeiro ou falso

- Vereadores: são os representantes do rei no concelho, isto seria uma forma de assegurar que ficariam do seu lado

- Meirinho: funções policiais


  • Caracterizar a monarquia feudal.

Monarquia Feudal - monarquia na qual o rei se assume como o maior e mais poderoso dos senhores feudais; em troca de doações e da concessão de protecção faz convergir para a sua figura os laços de dependência pessoal de vassalos e súbditos.

Na monarquia feudal, cabia á figura régia e à instituição monárquica o difícil e importante papel de unificar os particularismos, dotando o espaço territorial de coesão interna e conferindo às suas gentes uma identidade nacional.

Na monarquia feudal portuguesa o rei era o “dominus rex” (rei senhor). Isto é, o rei assumia-se como um senhor feudal na sua corte de vassalos. Os reis fundamentavam o seu poder no direito divino, querendo dizer que o rei era o representante de deus na Terra.

Tal como no resto da Europa o reino era considerado um bem pessoal do rei, que ele transmitia aos seus descendentes tal como podia doar parcelas do território nacional (coutos, honras) a senhores nobres e eclesiásticos, como recompensa de serviços prestados nos primórdios da monarquia que, em troca de tal cedência de bens e poderes (fundiários, militares, judiciais e fiscais), criou a realeza uma corte de vassalos, que lhe devia fidelidade e apoio nas tarefas de defesa, expansão e administração do reino.



Ao rei era-lhe permitido cobrar rendas ou exercer o poder público nos seus domínios pessoais, os reguengos, mas também nos outros territorios; a chefia militar (chefiar o exercito, se ia ou não haver guerra...); a cunhagem da moeda (só o rei podia cunhar a moeda, para que assim evita-se que houvesse mais do que uma moeda no território); a manutenção da paz e da justiça (podia mandar exercer a penalização mais alta, o talhamento de membros)

  • Justificar a importância das Cortes de Leiria de 1254.

As Cortes de Leiria de 1254 tiveram uma grande importância pois foram uma evolução das reuniões extraordinárias, estas eram representativas dos três estados sociais (clero, nobreza e povo) e era o local onde o rei ouvia as queixas e os pedidos dos diferentes grupos sociais, muitas das quais contra o excesso do poder dos senhores, o que ia de encontro ao desejo da centralização do poder.

  • Explicar as medidas tomadas pelos monarcas portugueses para centralizar o poder.

Os monarcas portugueses para centralizar o poder decidiram tomar algumas medidas tais como:

  1. As leis gerais:

A partir de D. Afonso II as leis gerais eram aplicadas a todo o reino e súbditos, impondo a todos a mesma legislação, baseada no direito romano, ou seja eram iguais para todo o território e para toda a população.
O rei criou as leis gerais como objectivos para obter mais benefícios: combater os privilégios senhoriais, tentar controlar os direitos nos nobres; recuperar o património e os poderes da Coroa, isto quer dizer que não podem distribuir territórios, só podem passa-los para os seus descendentes; o rei passa a ter a exclusividade de cunhar a moeda; tabelar os preços - lei da almotaçaria (os preços tinham de ser iguais em todo o território nacional); e estabelecer a moral e bons costumes, como por exemplo proibir a bigamia.

  1. Fiscalidade:

Criação das Sisas Gerais: impostos que incidiam sobre a compra e venda e da Casa dos Contos criada por D. Dinis para ordenar e fiscalizar as receitas e despesas do estado.

  1. A restruturação da administração central (ou seja mudar a forma como o pais era governado):

A itinerância da corte, número de deslocações que o rei fazia

Criação dos altos funcionários da corte (mordomo-mor: administração civil do reino; alferes-mor: o mais alto posto na hierarquia militar; chanceler: redigia os diplomas régios; escrivão da puridade: secretariava o rei)

Centralização do poder régio

Acréscimo da população documental

  1. A criação da Cúria Régia:

A cúria régia era um órgão consultivo de apoio à governação, conjunto de conselheiros que ajudavam o rei no exercício das suas funções, possuindo assim importantes funções judiciais.

Na cúria régia faziam-se reuniões ordinárias (são aquelas marcadas com antecedência, que acontecem de X em X tempo; detinham da presença da rainha e outros membros da família real, ricos-homens e prelados, o governador da terra e o alcaide da cidade); e também reuniões extraordinárias (são aquelas reuniões de emergência que tratavam de assuntos de dimensão nacional onde podiam estar presentes os prelados, os abades das comunidades monásticas, os governadores da terra e os alcaides das cidades.



  1. O conselho régio: é uma evolução das reuniões ordinárias da cúria, este concelho funciona como um órgão permanente de apoio ao rei (passa a ser composto maioritariamente por legistas)

  2. As cortes: as primeiras cortes reuniram em 1254, no reinado de D.Afonso II, em Leiria. Correspondem às antigas reuniões extraordinárias da Cúria Régia. Eram compostas por representantes do Clero, da nobreza e dos Concelhos (povo). Era o locar onde o rei podia ouvir as queixas e pedidos dos diferentes grupos sociais.

  3. Representantes do rei nos concelhos:

- Alcaide-mor: comandava as tropas ao serviço da Coroa e vigiava as actividades judiciais locais

- Almoxarife: cobrava as rendas e os impostos devidos ao rei

- Corregedor e juízes de fora: inspeccionavam os magistrados e a administração municipal

- Vereadores: novos magistrados concelhios, cuja escolha competia ao rei

O objectivo do rei era anular a autonomia dos concelhos, zelar pelos seus direitos e promover o bem público, eliminando abusos e arbitrariedades dos nobres e clérigos.


  1. O combate á expansão comercial:

O rei aqui queria mostrar que tudo estava a ser controlado, querendo combater os abusos do poder senhorial, então criou:

- As leis de desamortificação (1211): impediam os mosteiros e igrejas de alargar as suas propriedades e de receber bens dos habitantes.

- Confirmações (1217-21): os senhores tinham de fazer prova da posse das suas terras e títulos, tudo aquilo que não fosse provado que era seu ficava ao poder do rei; as confirmações incidiam também sobre a concessão de regalias contidas nas cartas de foral.

- Inquirições: destinavam-se a averiguar o estado dos bens da Coroa. Como descobriram muitas usurpações: ordenou-se que as terras ocupadas voltassem à propriedade da coroa e proibiram-se os prelados e fidalgos de criarem novos coutos e honras.




Filipa Ferreira - 10ºF





Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal