Objetivos objetivo Geral: Promover a valorização e a integração das etnias e o respeito à diversidade cultural, fortalecendo a identidade afro- brasileira, a cidadania e a equidade social. Objetivos específicos



Baixar 38.51 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho38.51 Kb.








INTRODUÇÃO
A atual legislação inclui a Cultura Afro – Brasileira e educação ambiental nos PCNs, como parte integrante dos currículos no sentido de se obter uma nova postura de toda a comunidade em relação aos afro – descendentes, sua interação e contribuição com a sustentabilidade em suas dimensões: social, econômica, cultural, espacial e ecológica.

Nessa perspectiva foi desenvolvido este projeto, que refletiu as diferentes culturas, além de proporcionar pesquisas sobre a cultura Afro-Brasileira , em suas mais variadas manifestações, dentro de uma visão integrada de mundo e de nossa cidade, possibilitando a todos nós uma releitura da história do mundo africano, sua cultura e os reflexos sobre a vida dos afro-brasileiros em geral, e do município de Macaúbas.O Projeto foi interdisciplinar e contínuo tendo início em abril com a culminância em novembro, dia da Consciência Negra. Ele envolve todas as áreas do conhecimento.



OBJETIVOS
Objetivo Geral:

Promover a valorização e a integração das etnias e o respeito à diversidade cultural, fortalecendo a identidade afro- brasileira, a cidadania e a equidade social.



Objetivos específicos:

Sensibilizar os alunos para a construção de novos valores, novos conhecimentos , atitudes e habilidades indispensáveis para a valorização das contribuições do negro na formação étnica, cultural, política, econômica e religiosa do povo brasileiro.

Desenvolver competências que permitam ao aluno compreender e valorizar a história do povo africano e promover a mudança de posturas ideológicas e conceituais na comunidade escolar.

Desenvolver competências que permitam ao aluno compreender a realidade do município de Macaúbas, no que diz respeito às várias identidades, possibilitando a releitura e valorização dos Afro- descendentes;

Promover a valorização da análise dos textos literários afro-brasileiros e reflexão sobre conceitos e estereótipos acerca do negro;

Promover a formação de opiniões, atitudes e valores que desenvolvam os cidadãos para a consciência social;

Trabalhar a auto-estima no educando, para que o mesmo possa fazer suas considerações positivas no relacionamento social com seus semelhantes;

Promover a cultura Afro-brasileira em parceria com as diversas disciplinas, órgãos públicos, associações e cooperativas do município de Macaúbas;

Discutir e conhecer as personalidades negras que deixaram ou estão deixando sua contribuição nos diversos setores da sociedade, como expressões culturais, desportivas, artísticas, políticas, musicais, religiosas, etc.

FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Desde as décadas de 1930 e 1940 já havia estudos e pesquisas acerca da contribuição da cultura negra para a formação do povo brasileiro dentre eles pode se citar as obras de Edison Carneiro: O Quilombo dos Palmares e Candomblés da Bahia. Em 1937, esse ilustre historiador baiano, organizou o 2º Congresso Afro-Brasileiro, realizado em Salvador no período de 11 a 20 de janeiro. No seu discurso de abertura Édison Carneiro assim o definiu:

       [...] Este Congresso tem por fim estudar a influência do elemento africano no desenvolvimento do Brasil, sob o ponto de vista da etnografia, do folclore, da arte, da antropologia, da história, da sociologia, do direito, da psicologia social, enfim, de todos os problemas de relações de raça no país. Eminentemente científico, mas também eminentemente popular, o Congresso não reúne apenas trabalhos de especialistas e intelectuais do Brasil e do estrangeiro, mas também interessa à massa popular, aos elementos ligados, por tradições de cultura, por atavismo ou por quaisquer outras razões, à própria vida artística, econômica, religiosa, do Negro do Brasil. [...]



Em sua obra :O Folclore Negro do Brasil, Arthur Ramos remonta à nascente africana para resgatar, à luz da psicanálise e da psicologia social, elementos constitutivos da alma brasileira, desmontando estereótipos e preconceitos que pesavam sobre o negro e o africano, colocando em pé de igualdade o nosso folclore com o de outros povos.

Assim como esses autores, outros se dedicaram a pesquisas e estudos sobre a cultura afro – brasileira, mas o seu ensino nas escolas só se tornou obrigatório através da lei 10.639/03, alterada pela Lei 11.645/08.

Essa lei pode ser considerada um ponto de chegada de uma luta histórica da população negra para se ver retratada com o mesmo valor dos outros povos que para aqui vieram, e um ponto de partida para uma mudança social.

Segundo  o Parâmetro Curricular Nacional volume 10 p,22. Historicamente, registra-se dificuldade para se lidar com a temática do preconceito e da discriminação racial/étnica. O País evitou o tema por muito  tempo, sendo marcado por "mitos" que veicularam uma imagem do Brasil homogênea sem diferenças, ou em outra hipótese, promotor de uma suposta "democracia racial.

Ao trabalhar a pluralidade cultural, o aluno tem a oportunidade de conhecer suas origens como brasileiro e de valorizar as diversas culturas que estão presentes no Brasil. Além disso, eles compreendem seu próprio valor, promovendo sua auto-estima como ser humano pleno de dignidade, cooperando na formação e autodefesas a expectativas indevidas que lhe poderiam ser prejudiciais.

METODOLOGIA
Apresentação de slides sobre o tema;

Trabalhos em grupo: murais, fotos, textos, etc.;

Exposição dos trabalhos;

Leitura de obras relacionadas ao tema;

Estudo da biografia de autores trabalhados

Aula expositiva;

Entrevistas;

Gincana Estudantil sobre o tema;

Panfletos de conscientização (elaboração e distribuição);

Palestras;

Relatórios;

Pesquisas;

Produções de poesias, contos.

Pinturas


Análise de letras de músicas 

Montagem de cartazes que valorize o negro

Confecção de maquetes para exposição.

Exposição dos trabalhos na Feira Cultural


RESULTADOS E CONCLUSÃO
Aulas mais dinâmicas e significativas, garantindo maior índice de aprovação e diminuição na evasão escolar, bem como fazer cumprir a legislação 10.639/2003 que inclui a cultura Afro-Brasileira como parte integrante dos currículos escolares.

Maior participação dos alunos do noturno nas atividades desenvolvidas;


COORDENAÇÃO DO PROJETO

Articuladores de Área: Mônica Maria S. Rêgo Dantas e Raimunda Rosa de Oliveira, juntamente com todos os Professores, direção, alunos e funcionários da Unidade Escolar com a articulação do Paip.



REFERÊNCIAS
LEI Nº11.645, DE 10 MARÇO DE 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em março de 2013.

Lei 10.639/03 e o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana Disponível em: http://educador.brasilescola.com/estrategias-ensino/lei-10639-03-ensino-historia-cultura-afro-brasileira-africana.htm.Acesso em março de 2013

Contribuições para Implementação da Lei 10.639/2003 Disponível em: http://www.acordacultura.org.br/sites/default/files/documentos/contribuicoes_para_implementacao_da_lei.pdf. Acesso em março de 2013.

Diversidade Cultural: Desafios e Possibilidades. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/39004658/Diversidade-Cultural. Acesso em março de 2013.

ÉDISON CARNEIRO. Disponível em : http://www.afroasia.ufba.br/pdf/afroasia_n13_p5.pdf. Acesso em março de 2013

FLOWER, ARTHUR.Vejo a Terra prometida A Vida de Martin Luther King. São Paulo SP. Editora Martins Fontes, 2011.

Carneiro, Edison. Candomblés da Bahia. São Paulo SP. Editora Martins Fontes, 2011.

_______________O Quilombo dos Palmares. São Paulo SP. Editora Martins Fontes, 2008.

RAMOS, Arthur. O Folclore Negro do Brasil. São Paulo SP. Editora Martins Fontes, 2007.

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: PLURALIDADE CULTURAL ORIENTAÇÃO SEXUAL. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro101.pdf. Acesso em março de 2013.



  • ANEXOS ( Selecionar os mais relevantes)







Figura 2e 3: Sala - Releitura do Mundo Africano

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.





Figura 1: Capa do Folder

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.





Figuras 4 e 5 retratam o subtema: Culinária Afro – brasileira

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.



Figuras 6 e 7 retratam o subtema: Fatos Históricos Relevantes

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.



Figuras 8 e 9 – manifestações culturais

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.




Figuras 10 e 11 – Subtema: Conhecendo as Diferenças Para Combater o Preconceito

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.



Figura 12 – Abertura da Feira Cultural

Fonte: Documentos do Colégio Estadual Cônego Firmino Soares, 2013.



Figura 13- Apresentação da peça: Nega Fulô

CAB, 6ª Avenida, nº 600, Centro Administrativo da Bahia. CEP: 41.750-300.

Salvador – Bahia - Brasil. Tel.: 55 71 3115–9075. Fax: 55 71 3115-9009 | www.educacao.ba.gov.br




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal