Objetivos objetivo geral



Baixar 56.69 Kb.
Encontro02.08.2016
Tamanho56.69 Kb.
O SERVIÇO SOCIAL NO SISTEMA PENITENCIÁRIO

OBJETIVOS
Objetivo geral: propiciar atendimentos, espaços de socialização e possibilidades de convívio social aos internos e egressos do sistema prisional.

OBJETIVOS


Objetivo geral: propiciar atendimentos, espaços de socialização e possibilidades de convívio social aos internos e egressos do sistema prisional.

Objetivos específicos:

• Garantir a humanização do atendimento;

• Prestar assistência ao interno e às famílias;

• Socializar as informações;

• Realizar atendimento de qualidade;

O Sistema Penitenciário Brasileiro está regulamentado pela:

Lei de Execuções Penais (LEP - n.º 7.210 de 11/07/84), que em seu artigo 10 dispõe sobre “(...) a assistência ao preso e ao internado, como dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade, estendendo-se esta ao egresso”.



A assistência será: material; à saúde; jurídica; educacional; religiosa e social.

O Serviço Social, portanto, articulado teórica e politicamente às prioridades colocadas pela política penitenciária a nível nacional, conta com profissionais capacitados para pesquisar, elaborar, executar políticas sociais, planos, programas e projetos assistenciais, terapêuticos, promocionais, educativos e preventivos junto a uma rede de relações que constituem a vida prisional.



As Atribuições do Serviço Social encontram-se regulamentadas:


  • Código de Ética Profissional;

  • Lei de Regulamentação da Profissão;

  • Lei de Execução Penal (LEP nº 7.210 de 11/07/84);

  • Regulamento do Sistema Penal do Estado do Rio de Janeiro – RPERJ, de 31 de março de 1986;


Atribuições do Serviço Social

Segundo esses documentos, cabe ao Serviço Social, através do emprego da metodologia específica de sua área profissional:


I – Conhecer, diagnosticar e traçar alternativas, junto com a população presa e os egressos, quanto aos problemas sociais evidenciados;
II - Ampliar os canais de comunicação dos presos, internos e seus familiares com a administração penitenciária;
III - Elaborar relatórios e emitir pareceres, se for o caso, em requerimentos e processos de interesse da população carcerária;

IV - Interagir junto aos quadros funcionais do sistema penal com vistas a possibilitar melhor compreensão dos problemas sociais da população presa, buscando conjugar esforços para solucioná-los;


V - Interagir com instituições externas no sentido de empreender ações que aproximem recursos diversos para atendimento da população presa, seus familiares, egressos e liberandos, na perspectiva da ação comunitária;
VI - Coordenar e supervisionar as atividades dos agentes religiosos voluntários e dos estagiários do serviço social;
VII - Integrar os conselhos de comunidade;
VIII - Programar com a população presa eventos que propiciem lazer e cultura, interagindo com o serviço educacional;

IX - Orientar a população presa e seus dependentes quanto a direitos e deveres legais, especialmente da área previdenciária;


X - Acompanhar o desenvolvimento das saídas para visitas a familiares e para o trabalho externo;
XI - Auxiliar os internos na obtenção de documentos.
XII - Prestar orientação social, realizar visitas, identificar recursos e meios de acesso para atendimento ou defesa de direitos.
XIII - Atuar em Unidade de Serviço Social no planejamento, organização e administração de programas e projetos, levando-se em consideração a especificidade da unidade prisional.
XIV - Incentivar, sempre que possível, a prática profissional interdisciplinar.

XV - Participar dos movimentos sociais e organizações vinculados à área temática sócio-jurídica e à luta pela consolidação e ampliação dos direitos de cidadania.

XVI - Democratizar as informações e o acesso aos programas disponíveis no espaço institucional, como um dos mecanismos de garantia da participação dos usuários.

Esclarecemos que essas atribuições profissionais norteiam a elaboração, coordenação e execução de projetos e atividades diversificadas nas unidades prisionais.




ATIVIDADES


Atendimento aos internos
Atendimento aos familiares
Atendimento aos empregadores
Elaboração de pareceres técnicos para Trabalho Extra Muros (TEM) e Visitas Periódicas ao Lar (VPL)
Participação nas Comissões Técnicas de Classificação
Confecção de relatórios sociais
Procuração para diversos fins
Coordenação das atividades dos Agentes Religiosos
Coordenação do processo de Visita Íntima
Encaminhamento de internos e seus familiares para recursos comunitários
Reuniões de equipe do serviço social.
Reuniões interdisciplinares.
Reuniões técnicas de supervisão para os profissionais de serviço social.
Reuniões técnicas de supervisão para os estagiários.

PROCEDIMENTOS TÉCNICOS-OPERATIVOS



O assistente social tem um conjunto diversificado de procedimentos técnico-operativos, destacando-se:

Entrevistas


Reuniões de grupo

Visitas interinstitucionais

Visitas domiciliares

Enfatizamos o fato de toda intervenção e trabalho do assistente social ser sistematizado, através de:

Relatórios sociais

Livro de ocorrência.

Prontuários sociais.


A COORDENAÇÂO DE SERVIÇO SOCIAL



Objetivo Geral
* Possibilitar uma gestão participativa e integradora junto às equipes de Serviço Social das unidades prisionais e hospitalares visando a melhoria na qualidade do atendimento prestado à população carcerária e seus familiares.
 

Objetivos Específicos
* Planejar e sistematizar as ações e atividades da Coordenação de Serviço Social;
* Sistematizar os projetos de intervenção e frentes de trabalho da TPCS;
* Supervisionar e coordenar os serviços sociais das unidades prisionais e hospitalares;
* Promover a capacitação das equipes de trabalho nas unidades;


COMPETÊNCIAS DA COORDENAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL


1. Propiciar o estudo de Políticas Públicas Nacionais voltadas para a questão prisional e da Política de Ação do Sistema Penitenciário;

2. Elaborar os Programas de Serviço Social na Coordenação;

3. Traçar a Política de Ação do Serviço Social, respeitando-se a Política de Ação da Divisão, operacionalizando-a através das Divisões que compõem sua estrutura;

4. Fomentar a organização coletiva dos profissionais de Serviço Social, como forma de traçar alternativas para o enfrentamento da realidade prisional, por meio do empenho, do compromisso, da criatividade inovadora e, principalmente, da competência técnica, teórica e política;

5. Assessorar tecnicamente as demais Coordenações e os serviços das Unidades Prisionais e Hospitalares, nos assuntos de sua competência, visando estabelecimento de uma ação integrada;

6. Coordenar técnica e administrativamente o desempenho das Divisões que lhe são subordinados;

7. Planejar, executar e avaliar pesquisas, que venham contribuir para a análise da realidade, propiciando a criação de projetos alternativos;

 8. Analisar e implementar os Planos e Projetos do Serviço Social das Unidades Prisionais e Hospitalares;

 9. Interagir com os projetos desenvolvidos na Subsecretaria Adjunta de Tratamento Penitenciário no sentido de empreender ações que aproximem recursos diversos para atendimento da população presa, seus familiares e egressos;
 10. Propor à Subsecretaria Adjunta de Tratamento Penitenciário o treinamento específico para o pessoal, direto ou indiretamente subordinado à Coordenação, em conjunto com a Escola de Gestão Penitenciária;

 11. Avaliar o desempenho das Divisões e Serviços de sua área e os resultados por eles apresentados;

 12. Buscar parcerias junto a Instituições Públicas e Privadas, para o estabelecimento de convênios, visando o desenvolvimento da SEAP; exercer outras atividades determinadas pelos seus superiores.

Competências da Divisão de Coordenação e Supervisão
a - Elaborar diagnóstico institucional específico de cada unidade da SEAP, visando adequar os programas de trabalho dos Assistentes Sociais à realidade de cada instituição;

b – Levantar as necessidades de treinamento e reciclagem de técnicos e estagiários, em conjunto com a Escola de Gestão Penitenciária;

c –Coordenar, supervisionar e promover encontros, seminários e pesquisas que visem identificar e aperfeiçoar o desempenho profissional;

d –Supervisionar e orientar a atuação técnica dos Assistentes Sociais e estagiários das Unidades Prisionais e Hospitalares, visando a execução de projeto previamente elaborado;

e –Promover reuniões com todos os Assistentes Sociais de Unidades Prisionais e Hospitalares, para troca de experiência, visando sempre o aprimoramento do trabalho executado;

f –Selecionar e Coordenar a lotação de estagiários para as diferentes Unidades do Sistema Penitenciário;

g –Manter a Coordenação de Serviço Social a par das atividades desenvolvidas pela Divisão;

h –Exercer outras atividades determinadas pelos seus superiores;




Objetivos da Divisão de Coordenação e Supervisão




-
Promover e coordenar a implantação de programas e projetos de trabalho junto aos Assistentes Sociais de cada instituição, com vistas ao aperfeiçoamento do desempenho profissional;
- Coordenar, supervisionar e promover encontros, seminários que possibilitem a construção de estratégias de um saber crítico e novos paradigmas;

- Coordenar e selecionar a lotação de técnicos e estagiários de Serviço Social para as diferentes Unidades do Sistema Penitenciário;


Plano de Trabalho – 2006



Programa de Estudo, Avaliação e Capacitação dos Técnicos e Estagiários de Serviço Social da Coordenação de Serviço Social.

 
Oficina de Capacitação para as rotinas Técnico-Sociais nas Unidades Penais.

 
Oficinas de Classificação.

 
Supervisão aos Serviços Sociais das Unidades Prisionais e Hospitalares


         Reuniões setoriais por Complexos

         Reuniões individuais

         Reunião Geral

         Supervisão nas Unidades


 Seleção e lotação de AssSeleção, lotação e supervisão dos acadêmicos de serviço social, tendo como norteamento a Política de Estágio Supervisionado em S.S da TPCS.

 
Projeto Piloto de Gestão em Serviço Social

 
Lotação, Transferência e Acompanhamento de Assistentes Sociais e estagiários


 
Controle Mensal/ funcional dos profissionais de Serviço Social e estagiários no que tange a:

         Férias e licenças;

         Freqüência de assistentes sociais

         Freqüência de estagiários

         Estatística das atividades técnicas nas Ups

 Relatórios anuais das ações engendradas pelo Serviço Social nas Ups, das

supervisões e dos planos de estágio.

Competências da Divisão de Atendimento à Família e Credenciamento

a – Conhecer, diagnosticar e traçar alternativas, junto à população presa e seus familiares, quanto aos problemas sociais evidenciados, buscando conjugar esforços para soluciona-los;


b – Coordenar e Supervisionar as ações desenvolvidas pelos assistentes sociais do sistema penitenciário no atendimento a familiares e amigos dos presos;
c – Buscar mecanismos de ação que melhor orientem a população e seus dependentes quanto a direitos e deveres legais, especialmente da área previdenciária;
d – Assessorar tecnicamente a Coordenação de Serviço Social;
e – Organizar e coordenar o cadastro de visitantes dos internos do Sistema Penitenciário;
f – Receber e providenciar a expedição das respectivas carteiras;
g – Providenciar para que as carteiras sejam remetidas às unidades prisionais, no prazo estabelecido;
h – Examinar, de acordo com a legislação em vigor, a quantidade e possibilidade de registro de visitantes;
i – Manter estreito relacionamento com a Assessoria de Informática da SEAP, visando o aperfeiçoamento do sistema.

j - Assessorar as diversas atividades do credenciamento e atendimento à família, buscando capacitação voltada para um atendimento de qualidade;

l - Potencializar recursos para resolução das necessidades familiares, sem negligenciar que os problemas familiares não começam e não terminam nas famílias.


Plano de Trabalho – 2006

Grupos informativos com familiares;

Grupo de trabalho multi-profissional com os técnicos das Unidades;
Intercâmbio com órgãos afins, de maneira a possibilitar melhorias no nosso trabalho;

Reuniões mensais com o grupo de servidores do núcleo de carteira;

Reunião trimestral com credenciadores das Unidades Isoladas;

Reunião quinzenal com as Divisões;

Visitas às Unidades Isoladas;

Grupo com técnicos das Unidades Bangu;

Reunião mensal ou quando necessário com o Supervisor e funcionários dos setores.

Competências da Divisão de Planejamento e Intercâmbio Setorial

a – Conhecer, diagnosticar e traçar alternativas, junto à população presa e seus familiares quanto aos problemas sociais evidenciados, buscando conjugar esforços para soluciona-los;

b - Coordenar e Supervisionar as ações desenvolvidas pelos assistentes sociais do sistema penitenciário no atendimento a familiares e amigos dos presos;

c - Buscar mecanismos de ação que melhor orientem a população e seus dependentes quanto a direitos e deveres legais, especialmente da área previdenciária;


d – Promover investimento social estratégico através da criação de rede junto a instituições públicas, privadas e organizações da sociedade civil, contribuindo para ampliação e/ou melhoria do conhecimento do Serviço Social no campo da execução penal;

e – Programar política de estágio supervisionado na área do Serviço Social;

f – Agregar valores às ações realizadas em favor da melhoria da qualidade de vida da população prisional;

g - Mobilizar em torno da causa prisional uma comunidade composta por representantes do poder público e da iniciativa privada, formadores de opinião, estudiosos do tema, operários de ação de ponta na atenção direta a essa população;


h – Manter ativa a comunicação com parceiros da rede estabelecendo relações de reciprocidade em troca de informações;

i – Estruturar mecanismos adequados de disseminação das informações, mantendo as demais divisões da Coordenação de Serviço Social e equipes dos Serviços Sociais das Unidades Prisionais e Hospitalares atualizadas;


j – Promover, participar e apoiar eventos que fomentem o desenvolvimento da instituição;

k – Coordenar, supervisionar as atividades de assistência religiosa desenvolvidas no Sistema Penitenciário;

l – Criar mecanismos que viabilizem o pleno acesso dos internos às atividades desenvolvidas nas Unidades Prisionais e Hospitalares;

m – Organizar, implementar e coordenar o processo de credenciamento das instituições religiosas junto à Coordenação de Serviço Social;

n – Coordenar, orientar e supervisionar o processo de credenciamento dos agentes religiosos, junto ao Serviço Social das Unidades Prisionais e Hospitalares;

o – Organizar e coordenar o cadastro de instituições e agentes religiosos;


p – Providenciar a expedição das carteiras de representantes e agentes religiosos;

q – Promover uma igualdade no tratamento de todas as instituições religiosas, proporcionando a todos os credos eqüitativamente, os mesmos critérios de acesso aos meios materiais disponíveis;

r – Intervir junto às unidades Prisionais e Hospitalares no sentido de juntar esforços para a criação e implementação de espaços próprios para as atividades religiosas;
s – Viabilizar, através de processo de avaliação permanente das ações e das situações, o acompanhamento técnico das práticas dos agentes religiosos;
t – Fortalecer o trabalho religioso implementado pelas instituições credenciadas;
u – Assessorar tecnicamente a Coordenação de Serviço Social;
v – Exercer outras atividades determinadas pelos seus superiores.


Objetivo da Divisão de Planejamento e Intercâmbio Setorial

Assessorar as diversas atividades de planejamento, capacitação, intercâmbio setorial e assistência religiosa da Coordenação de Serviço Social e suas respectivas Divisões, buscando agregar valor às ações realizadas pelo Serviço Social nas UP’s, voltadas a ressocialização e valorização dos direitos humanos da população carcerária.
Plano de Trabalho – 2006
1. Assessoria a propostas de estudo e pesquisa sobre o Serviço Social no Sistema Penitenciário
· Organização da biblioteca da Coordenação de Serviço Social.
 
·  Mapeamento do interesse de pesquisa dos estagiários de Serviço Social e AS.
 
·  Organização do Informativo do Serviço Social (“INFOSOCIAL”).
 
·  Sistematização da Revista “Serviço Social no sistema Penitenciário do Rio de Janeiro”.
 
 
2.  Capacitação dos assistentes sociais, estagiários de serviço social.
Mini-cursos
Mini curso de supervisão de estagiário

  Mini curso de Elaboração de Projetos Sociais


  II Encontro do Serviço Social do Sistema Penitenciário.


 

3.      Intercâmbio setorial – trabalho de redes

Realizar contato com as instituições e, posteriormente, a visita interinstitucional.

Configurar a rede de intercâmbio setorial


4. Divulgação e atualização do trabalho de redes, estudos, pesquisas, eventos científicos nos diversos SS das UPs.

Encaminhamento de material referente ao Planejamento e Intercâmbio Setorial para o setor de informatização da SEAP, buscando agilizar e sistematizar os mecanismos de comunicação



5. Coordenação das diversas atividades da assistência religiosa.
Credenciamento de instituições religiosas
Credenciamento de representantes e agentes religiosos das instituições

religiosas
Treinamento e capacitação anual dos agentes religiosos credenciados
I Simpósio de Assistência Religiosa no Sistema Penitenciário do Estado do Rio

de Janeiro.
 

6. Assessoria técnica a Coordenação de Serviço Social, e as demais divisões desta TPCS.


Considerações Finais


O assistente social estuda e analisa a realidade social dos internos, para garantir o acesso às informações e propor benefícios que venham ao encontro de suas necessidades, tendo como norteador de sua intervenção profissional o objetivo de contribuir para o resgate da identidade e possibilidade de convívio social do interno.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal