Observar o cuidado com a autoria



Baixar 26.48 Kb.
Encontro19.07.2016
Tamanho26.48 Kb.
Obs: No capítulo sobre literatura infantil... não está presente uma fundamentação teórica (por ex: significado e importância da Literatua Infantil a partir dos autores estudados). Os primeiros parágrafos deste capítulo - deslocar para justificativa da escolha do tema (introdução junto com a explicitação do problema, objetivos, etc). Quando referencia Paulo Freire (leitura do mundo e da palavra) deverás fazer citações literais e comentários sobre estas idéias.

No segundo cap.: A literatura e suas contribuições para o processo de alfabetização... é preciso explicitar os conceitos e autores estudados para construção do texto e também desenvolver as tuas reflexões.

Observar o cuidado com a autoria.

Maria Elly

Tema: A contribuição da literatura no processo de alfabetização para a formação de leitores do mundo e da palavra





  • Literatura infantil: leitura de mundo e da palavra na perspectiva Freireana

Quando era criança, na primeira série, lembro que na escola onde estudava, pública estadual, só podíamos pegar livros na biblioteca a partir da segunda serie, pois já estaríamos alfabetizados. Na sala de aula os textos usados eram sempre acartilhados, sem contextualização.

Tive o privilégio de ter contato com os livros bem antes na minha casa, pois ganhava livros de presentes dos meus pais e padrinhos, mas hoje, penso em quantas crianças não tinham essa oportunidade de ouvir histórias ou ter livrinhos em suas casas, restando apenas a escola para que lhes oferecessem esse contato, o que acontece até hoje em muitas realidades sociais.

Nas outras séries, enfim podíamos retirar livros na biblioteca. Na sala de aula, no entanto, não tínhamos momentos de leitura de livros, ou de conversa sobre as histórias lidas. A leitura era sempre de textos escolhidos pelo professor e em seguida era feito um questionário sobre o texto, que era respondido com trechos do texto.

Trabalho a dez anos como professora e pude presenciar muitas mudanças no modo como a literatura é trabalhada nas escolas. Quando cursei o magistério, lembro pouco das orientações que recebemos para o trabalho a partir da literatura, não lembro de muitas inovações, apenas de sugestões de dramatização e confecção de trabalhos artísticos de acordo com o tema da história.

Observo que até bem pouco tempo, pelo menos na realidade onde atuo, a literatura era trabalhada basicamente da mesma forma, leitura de obras clássicas e interpretação com perguntas sobre a história, bem parecidas com o modo que foi trabalhada pelos meus professores quando eu era estudante.

É pensando nessa questão, a da diferença de oportunidades entre os alunos em fase de alfabetização que me proponho a pensar sobre a importância da literatura em sala de aula.

Desde que nasce a criança vai observando o mundo em que está inserido, ou seja, vai fazendo a leitura do seu mundo que pouco a pouco vai se ampliando. Primeiramente, vai descobrindo o mundinho da sua casa, da sua família e aprende a conviver e começa a entender alguns conceitos que fazem parte da sua realidade. Quando entra na escola vai conhecer outro “mundo”, pessoas diferentes com valores diversos. Essa experiência vai proporcionar mudanças na sua maneira de ver o lugar onde vive e as suas experiências anteriores também farão diferença no modo como vai se relacionar com suas novas aprendizagens.

O que precisa ser levado em consideração é que atualmente, muitas crianças entram na escola com pouca experiência no mundo da literatura, os pais têm pouco tempo para contar histórias, ensinar cantigas, ler livros para os filhos. Cabe a escola mostrar esse novo mundo para as crianças, mas a maneira como isso será feito é determinante, se a visão do aluno não for levada em consideração e o trabalho for imposto pelo professor, corre-se o risco do fracasso, que nesse contexto significa o desinteresse pela leitura.

A palavra precisa ser inserida no mundo da criança de forma associada a sua realidade, ou seja, precisa ter um significado para ela. O professor deve partir da leitura de mundo que seus alunos têm e apresentar mundos diferentes dos seus, para que possam construir, através de relações entre suas experiências e os novos conhecimentos, outros conceitos e visões de mundo.

A criança não é uma folha em branco, como já se pensou, ela está constantemente construindo conhecimento, observando, experimentando e agindo sobre o mundo que a cerca. Na escola, para que possa se apropriar da leitura e da escrita, é necessário que além de observar outras pessoas lendo, escrevendo, possa também ouvir muitas histórias, ler (ou brincar de ler) muitos livros, contar histórias e falar sobre elas.

E por que é tão importante ter esse contato a fim de despertar o gosto pela leitura? Paulo Freire escreve sobre como a palavra é libertadora, e acreditando nessa premissa, é que defendo que somente com boas práticas de leitura em sala de aula, poderemos ter uma educação com qualidade que realmente cumpra seu papel de transformar a sociedade.

A apropriação da palavra traz o poder de libertação do indivíduo, pois como já afirmei antes, a criança já nasce lendo o mundo ao seu redor e através da interação social vai aprendendo os conceitos importantes para a sua vida, aquilo que está ao seu redor. A escrita e a leitura são produções históricas e culturais, convenções das sociedades, assim como todas as manifestações culturais, sociais e expressões cotidianas. Apropriar-se da leitura e da escrita é de fundamental importância para sentir-se inserido na sociedade e não ser parte excluída da evolução humana enquanto ser social.



  • A Literatura e suas contribuições para o processo de alfabetização (aspectos teóricos e emergentes da tua experiência no estágio)

A leitura e a literatura são obviamente ligadas. Para aprender a ler é preciso encontrar um significado neste hábito, pois como afirmou Moacir Gadotti “O que aprendemos tem que ‘significar’ para nós”(2003). É necessário usar muito material escrito, que tenham sentido, contexto, desde bilhetes, receitas, bulas de remédio, rótulos de embalagens, reportagens, convites e claro livros com histórias, poemas e tantos outros estilos literários.

A função dos textos usados em embalagens, bulas, receitas e bilhetes está explícita, mas e os livros? Como as crianças irão perceber que abrir um livro para ler é importante para a sua vida, sabendo que esse é um hábito pouco valorizado atualmente? É preciso que o professor mostre todo o encantamento que a leitura de um livro proporciona e para isso, nas séries de alfabetização, é necessário que conte muitas histórias, para que a criança aprenda a viajar nos “mundos” e realidades dos personagens, que possa deleitar-se enquanto escuta a leitura ritmada de uma poesia, que gargalhe quando for uma história de humor, que fique ansioso para descobrir o que irá acontecer quando a próxima página for lida. Que permita que os alunos também contem histórias, brinque de ler os livros, que aconteça momentos de troca, de conversa sobre as leituras. Que sejam muito gostosos todos os momentos de leitura ou de contação de histórias, pois somente com o descobrimento da gostosura que é entrar na história de um livro, que é ouvir o ritmo diferenciado de cada tipo de leitura é que a criança vai perceber o quanto tudo isso vai fazer diferença em sua vida, vai transformar o jeito de ver o mundo e ampliar as suas possibilidades enquanto ser humano.

Parece óbvio que usar livros de literatura na alfabetização é importante e contribui nesse processo, mas a forma como esse uso é explorado é fundamental. Ter livros na sala de aula, não garante que os alunos tornem-se leitores assíduos.

De cara, percebemos que quando lemos um livro para as crianças, elas conseguem entender que aqueles símbolos escritos representam o que estamos falando, ou seja, começam a entender a relação que existe entre a fala e a escrita e consequentemente com a leitura.

Durante a realização do meu estágio pude observar como o uso da literatura na alfabetização contribui no processo de aprendizagem da escrita e leitura. Além de entender que a escrita é a representação da fala, a criança percebe que quando escrevemos usamos uma linguagem diferente daquela que usamos rotineiramente, com a leitura de textos entende também a sequência lógica da escrita de historias, o corpo do texto. Com a leitura de poesias, o ritmo dado pelas rimas, pela brincadeira com as palavras identifica sons iguais nas palavras, vai percebendo as semelhanças entre as escritas dessas palavras.

Numa classe de alfabetização é fundamental que o professor leia para seus alunos, conte muitas histórias, com ou sem o auxílio de um livro, mas é importante também deixar as crianças manusearem os livros, poder abri-los, imaginar sua história através das imagens, olhar as palavras escritas nele, para que possam criar uma intimidade com os livros, ir construindo essa relação que só existe nesse tipo de leitura.

Importante também é deixar que os alunos contem histórias, que podem e devem ser das suas próprias experiências, deixá-los apresentar um livro para a turma, ler esse livro para os colegas, ainda que seja “de brincadeirinha” como as próprias crianças falam, acredito ser de fundamental importância para criar o gosto pela literatura, além de mostrar que qualquer um pode contar uma história, pode ler e também escrever um livro. Pode ser autor, não apenas expectador de histórias e da vida.

Outra prática que adotei em minha sala de aula é a de falar dos autores e ilustradores dos livros, mostrar suas fotos (que agora vem impressas nos livros), falar o que fazem e como gostam do seu trabalho. Acredito ser importante ter esse hábito, para além de conhecer esses profissionais, reconhecer suas obras, identificar o estilo de cada um, poder pensar em como podemos, assim como eles, escrever e contar histórias.

Na escola onde trabalho temos o projeto “Hora da Leitura”, que reserva 30min diários para a leitura, cada professor tem na sua sala de aula uma caixa com livros da literatura infantil que podem ser trocados depois d algum tempo, conforme a necessidade da turma. Dentro desse projeto temos também reservado dois dias da semana para a apresentação das leituras para todos os alunos da escola. Ao término do recreio, antes de entrar para as salas de aula, duas turmas apresentam alguma leitura, que pode ser um poema, um conto, cantigas, versos e tantos outros, ficando livre a escolha. A forma de apresentar também é aberta, sendo possível ler ou encenar e usar diferentes recursos materiais para a apresentação. Essa prática, na minha opinião contribui para facilitar a expressão oral, a habilidade de apresentar-se em público, além de elevar a auto-estima da criança.




  • Contar histórias para potencializar a identificação da criança com a leitura (apontar aspectos de desejo/gosto pela leitura, extraindo da tua experiência ou de alguma pesquisa sobre o tema)

As histórias infantis são encharcadas de dilemas comuns ao mundo das crianças, os contos contribuem na compreensão das relações humanas, pois através da leitura a criança pode vivenciar as alegrias e tristezas dos personagens, de acordo com a afinidade que cria com cada um e assim aprender a lidar melhor com suas próprias frustações. Claro que não farei aqui uma análise psicológica da literatura, que não é o objetivo desse trabalho e também não teria referencial teórico e prático para escrever sobre tal foco.

Como já escrevi no capítulo anterior, ouvir histórias, além de proporcionar ao leitor/ouvinte a possibilidade de viver outras realidades parecidas ou totalmente opostas a sua, tem papel fundamental na identificação da criança com a leitura, pois vivenciando essa experiência, vai aprendendo a apreciar e compreendendo a função e o poder da escrita.

Antes de ler um livro para os alunos, é de fundamental importância que o professor realize a leitura do mesmo, para que se aproprie do texto, saiba como ler aquela história, que entonação de voz deverá usar, saiba o significado das palavras usadas, analise se a história é interessante, avalie se ela prenderá a atenção dos alunos.

Ao começar a leitura de um livro, exploro a capa do mesmo, questionando as crianças sobre o que elas pensam que será tratado no livro, sobre o que será a história, a fim de aguçar a imaginação.

É importante fazer uma boa leitura, para prender a atenção da criança desde o início, pois se a história não for interessante desde o começo, não será no meio ou no fim que despertará o interesse.

Após a leitura é interessante conversar livremente com as crianças, deixar que elas falem do que mais gostaram, que parte acharam mais interessante, se queriam um final diferente, sugerir destinos diferentes para os personagens, enfim, existe uma infinidade de debates possíveis dependendo do tipo de história que será lida. Igualmente importante é apenas ler, ser ter que necessariamente ficar falando sobre a leitura depois, existem leituras que foram feitas somente para serem lidas ou ouvidas, como é o caso de muitos poemas. O professor deve ter sensibilidade e perceber que tipo de tratamento deve dar para cada um, pode fazer isso percebendo a reação dos seus alunos após ouvirem a história.

É imprescindível, que o professor tenha essa percepção, que ele saiba quando os alunos desejam contar suas experiências parecidas com a dos personagens, ou quando quiserem dar sua opinião sobra a história, ou então quando apenas querem dizer se gostaram ou não. Forçar o debate pode tornar o momento da leitura tedioso para a criança, que quando começar a ouvir a história, saberá que no final terá que responder perguntas e expressar opinião. É interessante também variar a maneira como a história é contada ou lida. Pode-se apenas contar ou ler a história sem mostrar figuras ou ilustrações, pode-se usar figuras ou ilustrações do próprio livro ou outras criadas especialmente para aquele momento, usar fantoches ou outros recursos, pode-se pedir que fechem os olhos e apenas escutem e imaginem, levá-los para a sombra de uma árvore, pedir que sentem no chão, enfim, criar um ambiente aconchegante para aumentar as chances de esse momento ser uma delícia.



Os livros infantis são hoje, por si só muito estimulantes, pois além de termos ótimas publicações com histórias interessantíssimas, de ótimos autores, tem lindas ilustrações, muitos são verdadeiros brinquedos, onde a criança pode interagir com as imagens, além dos livros que brincam com as palavras que são muito divertidos, as crianças adoram e pedem para repetir a leitura várias vezes.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal