Octavio mendes cajado editora pensamento



Baixar 1.38 Mb.
Página2/78
Encontro08.08.2016
Tamanho1.38 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   78

Revisão do Capítulo 3


  1. De que espécie de treinamento técnico precisa um curador? E por quê?

  2. Qual é a forma mais simples de orientação em sua vida?

Alimento para reflexão


  1. Quais são algumas das experiências mais profundas de orientação em sua vida, e que efeito tiveram elas?

  2. Até onde você é capaz de seguir a sua orientação?

  3. Você atenta conscientemente para a sua orientação ou a solicita? Com quanta freqüência?

Segunda Parte

A AURA HUMANA

“Os milagres não acontecem em contradição com a natureza, mas apenas em contradição com o que conhecemos da natureza.”


Santo Agostinho

Introdução
A EXPERIÊNCIA PESSOAL

À proporção que nos permitimos desenvolver novas sensibilidades, principiamos a ver o mundo inteiro de maneira muito diferente. Começamos a prestar mais atenção a aspectos da experiência que antes nos pareciam periféricos. Surpreendemo-nos a usar uma nova linguagem para comunicar as novas experiências. Expressões como “vibrações más” ou “a energia ali era grande” estão se tornando comuns. Principiamos a notar e a dar mais crédito a experiências como a de encontrar alguém e a de gostar ou desgostar desse alguém, num instante, sem nada saber a seu respeito. Gostamos das suas “vibrações”. Podemos dizer quando alguém está olhando para nós e erguemos a vista para ver quem é. Podemos ter a sensação de que alguma coisa está por acontecer, e ela acontece. Pomo-nos a reparar na nossa intuição. “Sabemos” coisas, mas nem sempre sabemos como sabemos. Temos a sensação de que um amigo está se sentindo de certa maneira, ou necessita de alguma coisa e, quando nos preparamos para satisfazer a essa necessidade, descobrimos que estamos certos. Às vezes, durante uma discussão com alguém, sentimos que alguma coisa está sendo arrancada do nosso plexo solar, ou nos sentimos “apunhalados”, ou esmurrados no estômago, ou ainda como se alguém estivesse derramando um jarro de melaço denso, viscoso, sobre nós. Em compensação, às vezes nos sentimos cercados de amor, acarinhados por ele, banhados num mar de suavidade, de bênçãos e de luz. Todas essas experiências têm realidade nos campos de energia. O nosso velho mundo de sólidos objetos concretos está rodeado e impregnado de um mundo fluido de energia radiante, em constante movimento, em constante mutação, como o oceano.

Em minhas observações no decurso de todos esses anos, tenho visto as contrapartes dessas experiências como formas dentro da aura humana, que consistem nos componentes observáveis e mensuráveis do campo de energia que envolve e penetra o corpo. Quando alguém foi “enganado” por um amante, o engano é literalmente visível para o clarividente. Quando você sente que alguma coisa está sendo arrancada do seu plexo solar, geralmente está. Isso pode ser visto pelo clarividente. Eu posso vê-lo. E você também poderá, se seguir a sua intuição e desenvolver os seus sentidos.

Ajuda o desenvolvimento da Alta Percepção Sensorial refletir no que os cientistas modernos já aprenderam a respeito do mundo dos campos da energia dinâmica. Ajuda-nos a remover os obstáculos do cérebro, que nos impedem de ver que nós, também, estamos sujeitos a todas as leis universais. Diz-nos a ciência moderna que o organismo humano não é apenas uma estrutura física feita de moléculas, mas que, como tudo o mais, somos também compostos de campos de energia. Também fluímos e refluímos como o mar. Também mudamos constantemente. Como é que nós, seres humanos, lidamos com esse tipo de informação? Adaptamo-nos a ela. Se essa realidade existe, desejamos experimentá-la. E os cientistas estão aprendendo a medir essas mudanças sutis, desenvolvendo instrumentos para detectar os campos de energia relacionados com o nosso corpo e a medir-lhes as freqüências. Eles medem as correntes elétricas do coração com o eletrocardiograma (ECG). Medem as correntes elétricas do cérebro com o eletroencefalograma (EEG). O detector de mentiras mede o eletropotencial da pele. Podem-se medir agora até os campos eletromagnéticos ao redor do corpo com um instrumento sensível chamado SQUID, que nem sequer toca o corpo quando mede os campos magnéticos à sua volta. O Dr. Samuel Williamson, da Universidade de Nova York, afiança que o SQUID oferece mais informações a respeito do funcionamento do cérebro do que o EEG comum.

A medida que a medicina confia cada vez mais nesses instrumentos sofisticados, que medem os impulsos do corpo, a saúde, a moléstia e a própria vida estão sendo lentamente redefinidas em função dos impulsos e padrões de energia. Já em 1939, os Drs. H. Burr e F. Northrop, da Universidade de Yale, averiguaram que, pela mensuração do campo de energia da semente de uma planta (que chamaram de V, ou campo de vida), poderiam dizer quão saudável seria a planta proveniente dessa semente. Eles descobriram que, pela mensuração do campo dos ovos de uma rã, poderiam discernir a localização futura do sistema nervoso da rã. Outra mensuração dessa natureza indicou com precisão o tempo de ovulação em mulheres, o que possibilitaria a formulação de um novo método de controle da natalidade.

Em 1959, o Dr. Leonard Ravitz, da William and Mary University, mostrou que o Campo da Energia Humana flutua de acordo com a estabilidade mental e psicológica da pessoa, sugerindo que existe um campo associado aos processos do pensamento. E deu a entender que a variação desse campo de pensamento provoca sintomas psicossomáticos.

Em 1979, outro cientista, o Dr. Robert Becker, da Upstate Medical School, de Siracusa, Nova York, desenhou o mapa de um campo elétrico complexo sobre o corpo, com a forma do corpo e do sistema nervoso central. Ele deu a esse campo o nome de Sistema de Controle Corrente Direto e descobriu que ele muda de forma e de força com as mudanças fisiológicas e psicológicas. E também descobriu partículas que se movem através do campo com o tamanho de elétrons.

O Dr. Victor Inyushin, da Universidade de Kazakh, na Rússia, vem realizando extensas pesquisas com o Campo da Energia Humana desde a década de 1950. Usando os resultados dessas experiências, ele sugere a existência de um campo de energia “bioplásmica”, composto de íons, prótons livres e elétrons livres. Sendo este um estado distinto dos quatro estados conhecidos da matéria — sólidos, líquidos, gases e plasma — Inyushin dá a entender que o campo de energia bioplásmica é um quinto estado da matéria. Suas observações mostraram que as partículas bioplásmicas, constantemente renovadas por processos químicos nas células, estão em contínuo movimento, parecendo tratar-se de um equilíbrio de partículas positivas e negativas dentro do bioplasma relativamente estável. Em havendo uma severa alteração nesse equilíbrio, a saúde do organismo estará afetada. A despeito da estabilidade normal do bioplasma, Inyushin descobriu que uma quantidade significativa da energia é irradiada para o espaço. Nuvens de partículas bioplásmicas, destacadas do organismo, podem ser medidas em seus movimentos pelo ar.

Desse modo, fomos mergulhados num mundo de campos de energia vital, de campos de pensamento e de formas bioplásmicas que se movem ao redor do corpo e dele emanam. Somos o próprio bioplasma, vibrante e radiante! Mas se consultarmos a literatura, veremos que isso não é novo. As pessoas têm conhecido esse fenômeno desde o aurorescer dos tempos. Acontece apenas que, hoje, o fenômeno está sendo redescoberto, depois de ter sido desconhecido ou rejeitado pelo público ocidental por algum tempo, durante o qual os cientistas se concentraram no conhecimento do mundo físico. À medida que esse conhecimento se desenvolveu, e a física newtoniana deu lugar às teorias da relatividade, do eletromagnetismo e das partículas, tornamo-nos cada vez mais capazes de vislumbrar as conexões entre as descrições científicas objetivas do nosso mundo e o mundo da experiência humana subjetiva.
Capítulo 4
PARALELOS ENTRE O MODO COM QUE NOS VEMOS E COM QUE VEMOS A REALIDADE E AS OPINIÕES CIENTÍFICAS OCIDENTAIS

Mais do que nos dispomos a admiti-lo, somos produtos da nossa herança cientifica ocidental. O modo com que aprendemos a pensar e muitas de nossas autodefinições têm por base os mesmos modelos científicos usados pelos físicos para descrever o universo físico. Nesta seção, encontrará o leitor breve história, que mostra as mudanças do modo com que os cientistas descrevem o mundo físico e do modo com que tais descrições correspondem às mudanças em nossas autodefinições.

importante lembrar que o método científico ocidental procura encontrar concordância entre as provas matemáticas e experimentais. Não a encontrando, o físico buscará outra teoria até existirem provas, tanto matemáticas como experimentais, para explicar uma série de fenômenos. Isso é o que faz do método científico ocidental um instrumento tão eficiente para uso prático, capaz de conduzir a grandes invenções, como o uso da eletricidade e a utilização de fenômenos subatômicos na medicina, como os raios X, as sondas e os lasers.

À proporção que progride o nosso conhecimento, há sempre a descoberta de novos fenômenos, que muitas vezes não podem ser descritos pelas teorias em voga quando são explicados. Postulam-se teorias novas, mais amplas, baseadas geralmente no conhecimento anterior; elaboram-se novos experimentos e levam-se a efeito, até que se encontra a concordância entre a experimentação e a nova prova matemática. E as novas experiências são aceitas como leis físicas. O processo de encontrar novas maneiras de descrever fenômenos novos é sempre um processo que nos dilata as perspectivas, desafiando a nossa forma atual, limitada, de pensar sobre a natureza da realidade física. Em seguida, incorporamos as novas idéias à existência cotidiana e principiamos a ver-nos de maneira diferente.

Toda esta seção mostra que a visão científica da realidade sustenta a idéia de que somos compostos de campos de energia e, na verdade, vai muito além, até remos que estamos começando a experimentar, numa visão holográfica do universo. Nesse universo, todas as coisas estão interligadas, o que corresponde a uma experiência holística da realidade. Primeiro que tudo, porém, seja-nos permitido recapitular um pouco da nossa história.

1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   78


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal