Olhar subjetivo do pós-guerra



Baixar 9.52 Kb.
Encontro18.07.2016
Tamanho9.52 Kb.
Olhar subjetivo do pós-guerra
A Secretaria de Estado da Cultura em parceria com o Instituto Goethe abre na próxima quinta-feira, dia 31, às 18h30, a exposição Fotografia Subjetiva – A contribuição alemã 1948-1963, na Casa Andrade Muricy (Alameda Dr. Muricy, 915 – Centro). A mostra contou com a curadoria de J.A. Schmoll gen. Eisenwerth e apresenta por meio de 165 fotografias originais a contribuição alemã para a “fotografia subjetiva“, uma vertente internacional nos anos de 1948 a 1963. Os trabalhos destes artistas tem relação com uma corrente alemã que busca o significado pictórico da realidade a partir da interpretação subjetiva dos autores. Entre as obras se destacam fotografias de Otto Steinert, Monika von Bach, Hermann Claasen, Robert Häusser, Peter Keetman, Adolf Lazi, Herbert List e Stefan Moses, entre outros.

A Fotografia Subjetiva é um movimento internacional que existiu entre os anos 1948 e 1963. A tradição desta vertente artística se remonta a Bauhaus e ao pioneiros da fotografia experimental dos anos 20, como uma reorientação da foto até suas possibilidades mais expressivas e criativas. A corrente não busca a representação objetiva da realidade, senão o significado pictórico e a interpretação pessoal através de imaginários subjetivos. O resultado é na fotografia estrutural consciente da forma em preto e branco, com uma característica marcante dos valores gráficos. Essa é uma das tendências características da fotografia de pós-guerra.

Um precedente importante da “fotografia subjetiva” foi a fundação do grupo fotoform em 1949 por Wolfgang Reisewitz que se entendia como uma associação de jovens fotógrafos com os mesmos interesses e se via independente dos júris tradicionais. Seis fotógrafos pertenciam a este grupo: Otto Steinert, Peter Keetmann, Siegfried Lauterwasser, Toni Schneiders e Ludwig Windstoßer. Obtiveram seu primeiro grande sucesso com seu conceito da imagem fotográfica moldada quando da primeira exposição Photokina em 1950, em Colônia, e estão representados nesta exposição. O grupo se dissolveu em 1957.

A segunda fase da “fotografia subjetiva“ na Alemanha se desenvolve com Otto Steinert. Seus estudantes de fotografia na Escola de Artes de Saarbrücken, Monika von Boch, Kilian Breier e Joachim Lischke estão entre os novos nomes integrantes desta exposição, sob a legenda “Steiner e seus discípulos”.



As áreas do fotojornalismo e da fotografia de marketing estão representadas na mostra com fotografias de Robert Häusser e Stefan Moses, mostrando a transposição dos critérios estilísticos da “fotografia subjetiva” com a autenticidade imagética do motivo e sua formação estética como composição em preto e branco.
Serviço: Fotografia Subjetiva – A contribuição alemã 1948-1963. Coletiva fotográfica. Abertura: quinta-feira, 31 de julho às 18h30 na Casa Andrade Muricy (Alameda Dr. Muricy, 915 – Centro). Tel: (41) 3321-4798. Horário de visitação: de terça a sexta-feira, das 10h às 19h. Sábados e domingos das 10h às 16h. A mostra permanece até o dia 28 de setembro. Entrada franca.
Secretaria de Estado da Cultura

Assessoria de imprensa

(41) 3321 4844

imprensa@seec.pr.gov.br / www.seec.pr.gov.br
Sugestão de BOX:
Fotografia Subjetiva tem fotogramas originais dos fotógrafos:


  • Adolf Lazi

  • Carl Struwe

  • Marta Hoepffner

  • Herbert List

  • Hermann Claasen

  • Chargesheimer

  • Helmut Lederer

  • Otto Steinert

  • Heinz Hajek-Halke

  • Toni Schneiders

  • Peter Keetmann

  • Siegfried Lauterwasser

  • Ludwig Windstober

  • Erich vom Endt

  • Monika von Bock

  • Robert Hausser

  • Kilian Breier

  • Harald Bookmann

  • Joachim Lischke

  • Gunther Keusen

  • Guido Mangold

  • Stefan Moses


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal