Ondas Comunitárias Algumas Experiências de Apoio ao Estabelecimento de Rádios Comunitárias pela unesco em Moçambique



Baixar 253 Kb.
Página1/7
Encontro25.07.2016
Tamanho253 Kb.
  1   2   3   4   5   6   7

_____________________________________________________________________________________




Ondas Comunitárias


Algumas Experiências

de Apoio ao Estabelecimento
de Rádios Comunitárias

pela UNESCO

em Moçambique


Projecto de Desenvolvimento dos ’Medias

2001



PNUD


Outra documentação disponivel na UNESCO, Moçambique,

Sobre Rádios Comunitarias:



  • “No ar – legalmente” Um panfleto sobre o processo do lilcenciamento ao Exercício. UNESCO (Junho 2000)



  • “Coordinação e Sustentabilidade: um Directorio das Radios Comunitárias em Moçambique”. UNESCO (Junho 2001)



  • “Estamos mudando nossas vidas - Uma análise do processo de orientação nas rádios comunitárias para o envolvimento e fortalecimento das comunidades.” UNESCO. (Setembro 2001)



  • “Ondas Comunitárias” 52 min. Video-documentario sobre a criação e Rádios Comunitárias em Homoine, Chimoio e Cuamba. . UNESCO (Outobro 2001).

Prefácio


A emergência da rádio comunitária nas diferentes partes do mundo esteve directamente ligada aos movimentos de base usando a rádio como ferramenta para atingir os seus círculos – a comunidade. Até recentemente, este não tem sido o caso em Moçambique. Após anos de censura, desde a era colonial à de imprensa monopartidária, a Lei de Imprensa Moçambicana, aberta e democrática – em vigor desde 1991 – mudou radicalmente o ambiente legal dos media no país. Desde 1995, o Instituto de Comunicação Social (ICS), órgão estatal, e a Igreja Católica iniciaram rádios com orientação comunitária. De forma crescente, estações independentes, baseadas em associações cívicas, começam a surgir.
O presente livro retrata o primeiro e importante estágio de mobilização social de três estações com orientação comunitária baseadas em organizações cívicas controladas pelas comunidades nas regiões sul, centro e norte do país. Estas estações estão entre as primeiras, em Moçambique, baseadas e controladas por estruturas comunitárias e – ainda que iniciadas por um doador – foram estabelecidas na base de um sentido de propriedade extensivo, que é o principal espírito da metodologia aqui empregue pela UNESCO.

‘Ondas Comunitárias’ dá seguimento aos primeiros dois anos e meio do processo de mobilização das três comunidades em questão, apoiando-as nos seus esforços de constituir associações, conceber planos estratégicos, formar os vastos grupos de voluntários, quer em programas formais quer informais, e ter as instalações físicas e o equipamento. Além disso, considerando que os “Media Comunitários” não estão explicitamente previstos na legislação nacional, houve necessidade de se juntarem uma série de leis específicas e separadas, de modo a facilitar o processo do registo de estações independentes e de controlo comunitário. Este processo é igualmente retratado neste livro.

Por alturas da apresentação das ‘Ondas Comunitárias’, as três estações não terão, ainda, recebido os equipamentos, estes prontos a serem despachados pelo fornecedor a partir de um país vizinho. Assim, o presente livro providencia uma visão importante sobre as três comunidades, em relação aos seus processos preparativos, mas não no ar, ainda. Um video será produzido, retratando a mesma situação, assim como a experiência de se estar no ar.
Embora o processo descrito neste livro tenha sido iniciado pela UNESCO, nada teria sido possível sem o esforço dinâmico e dedicado das comunidades, dos Orientadores de Formação e dos principais grupos de voluntários e o pessoal das estações em referência. Nós, no Projecto Media da UNESCO, queremos manifestar o nosso profundo respeito e gratidão àqueles que contribuiram para este importante processo de desenvolvimento nacional, em que o grande objectivo e a grande inspiração é termos um país mais democrático, mais aberto e transparente e mais pluralístico.
Este livro é baseado em documentos disponíveis na UNESCO- Moçambique, mas também – e primariamente – em viagens às três comunidades em questão, levadas a efeito pelo jornalista moçambicano Faruco Sadique durante os meses de Março e Abril de 2001. Gostaríamos de agradecê-lo pela sua comprovada capacidade de trazer à superfície o mais importante numa multiplicidade de informações e factos disponíveis.

Embora todas as experiências reflectidas neste livro sejam baseadas em processos iniciados, alimentados e apoiados pela UNESCO, as opiniões expressas não reflectem, necessariamente, as da UNESCO.


Junho 2001




Birgitte Jallov


Coordenadora Técnica Nacional

Projecto Média da UNESCO

ONDAS COMUNITÁRIAS por Faruco Sadique



Índice







página




Antecedentes

ii




Índice

iv

Capítulo I:


Introdução


2




O Conceito de Rádio Comunitária


5




Estrutura Legal

7

Capítulo II:


Conceito e Metologia da UNESCO Moçambique


9

Capítulo III:

As Rádios, de Homoíne a Cuamba


13





Rádio Comunitária de Homoíne

14




Rádio Comunitária de GESOM (Chimoio)

19




Rádio Comunitária de Cuamba

24

Capítulo IV:


Mobilização e Organização


30

Capítulo V:

Treinamento e Preparação dos Planos Estratégicos


38

Capítulo VI:

Angariação de Fundos e Colaboração com Financiadores e Doadores


46

Capítulo VII:

Definição do Perfil da Rádio, Línguas e Formato dos Programas


50

Capítulo VIII:

Compra de Equipamentos Apropriados


54

Capítulo IX:

Desafios do Futuro e Sustentabilidade: Que Caminhos a Seguir?


56











Anexo:

Cronologia do Processo de Instalação das Rádios Comunitárias Piloto Financiadas pela UNESCO


59













  1   2   3   4   5   6   7


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal