Onde nasceu a P. da C.?



Baixar 10.76 Kb.
Encontro30.07.2016
Tamanho10.76 Kb.
Eu, Evandro, professor de Ensino Religioso, - com a Irmã, a professora de História e de Geografia - desenvolvi os seguintes tópicos nas minhas aulas.
Em primeiro lugar, foi pedido aos alunos uma PESQUISA INDIVIDUAL, para entregar, sobre a PASTORAL DA CRINAÇA (P. da C.). O mesmo foi encaminhado tendo como perguntas norteadoras as seguintes:

  1. Quem fundou a P. da C.?

  2. Onde nasceu a P. da C.?

  3. Qual é o seu objetivo?

  4. Quais são as pessoas que colaboram com ela?

  5. Qual é a trajetória da vida da fundadora da P. da C. e quando e onde ela faleceu?

  6. Quais os benefícios que a P. da C. trouxe para as crianças do Brasil?

  7. Onde a P. da C. está presente hoje?

Obs.: Alguns trabalhos podem ser vistos no site www.coopermundi.com.br.


Em segundo lugar, nas aulas destacamos o tema do COMPROMISSO SOCIAL. Para isso nos utilizamos de duas histórias, A ratoeira e Encontro com Deus, ambas como Anexo, respectivamente, 1 e 2.

Para contar a história A ratoeira, utilizei imagens em Power Point. As imagens estão em anexo nesse e-mail. Em seguida, fez-se uma conversa sobre a história perguntando: a) O que história tem a ver com a realidade de nossa vida? b) Qual é a moral da história? c) Quais os valores que esta história apresenta? d) Conhecem alguma história parecida? Há situações semelhantes em nossa sociedade? e) O que este texto nos ensina para a família, a escola, o grupo, a paróquia, a vida social? Por último, o mais importante, não somos nós também responsáveis pelo sofrimento de tantas pessoas no Haiti? O que estamos fazendo de concreto para ajudá-los? No final da aula foi entregue para cada aluno uma cópia com a história, a fim de que eles a colassem no caderno.


Em terceiro lugar, trabalhou-se com a história Encontro com Deus. O diálogo sobre a história desenvolveu-se de modo semelhante à história da ratoeira. Nosso próximo passo foi desenvolver a idéia de que todas as tradições religiosas possuem compromisso social (ROMANO, 2007, p. 79).
Referências bibliográficas:
ROMANO, Adilson Miguel. Redescobrindo Universo Religioso: ensino fundamental, v. 7. 2. ed. atualizada. Petrópolis: Vozes, 2007. 89 p. ilust.

BARTH, Pe. Adalíbio (Org.) Histórias para o bem-viver: histórias recontadas. Erechim: São Cristovão, 2003. 212 p.

Anexo 1
A ratoeira
Um rato, olhando pelo buraco na parede, vê o fazendeiro e sua esposa abrindo um pacote. Pensou logo no tipo de comida que poderia haver ali. Ao descobrir que era uma ratoeira ficou aterrorizado. Correu ao pátio da fazenda advertindo a todos:
- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira na casa !!!
A galinha, disse:
- Desculpe-me Sr. Rato, eu entendo que isso seja um grande problema para o senhor, mas não me prejudica em nada, não me incomoda.
O rato foi até o porco e lhe disse:
- Há uma ratoeira na casa, uma ratoeira !!!
- Desculpe-me Sr. Rato, disse o porco, mas não há nada que eu possa fazer, a não ser rezar. Fique tranqüilo que o senhor será lembrado nas minhas preces.
O rato dirigiu-se então à vaca. Ela lhe disse:
- O que Sr. Rato? Uma ratoeira?
Por acaso estou em perigo? Acho que não!
Então o rato voltou para a casa, cabisbaixo e abatido, para encarar a ratoeira do fazendeiro.
Naquela noite ouviu-se um barulho, como o de uma ratoeira pegando sua vítima. A mulher do fazendeiro correu para ver o que havia pego. No escuro, ela não viu que a ratoeira havia pego a cauda de uma cobra venenosa. E a cobra picou a mulher...O fazendeiro a levou imediatamente ao hospital.

Ela voltou com febre.Todo mundo sabe que para alimentar alguém com febre, nada melhor que uma canja de galinha. O fazendeiro pegou seu cutelo e foi providenciar o ingrediente principal.


Como a doença da mulher continuava, os amigos e vizinhos vieram visitá-la. Para alimentá-los o fazendeiro matou o porco.
A mulher não melhorou e acabou morrendo. Muita gente veio para o funeral.O fazendeiro então sacrificou a vaca, para alimentar todo aquele povo.

"Na próxima vez que você ouvir dizer que alguém está diante de um problema e acreditar que o problema não lhe diz respeito, lembre-se que, quando há uma ratoeira na casa, toda a fazenda corre risco. O problema de um é problema de todos". (Autor desconhecido)


Anexo 2
Encontro com Deus


Um piedoso monge sempre pedia a graça de ver a Deus. Certo dia, recebeu a seguinte mensagem: “Põe-te a caminho, porque Deus quer se encontrar contigo, depois do rio, no outro lado da montanha”.

O religioso obedeceu imediatamente. Mas, no meio da viagem, encontrou-se com um ferido que lhe pedia socorro. Rapidamente, o monge explicou-lhe que não podia demorar, porque Deus estava à espera dele no outro lado da montanha, antes do anoitecer. Mas prometeu-lhe que voltaria assim que tivesse encontrado Deus. E continuou apressadamente seu caminho.



Mas adiante, deparou-se com um carro atolado, com uma pessoa que pedia ajuda para tirá-la da situação. O monge prometeu ajudá-lo tão logo retornasse do compromisso anteriormente assumido.

Horas depois, quando o sol ainda estava alto, chegou ao local indicado para se encontrar com Deus, e seus olhos começaram a procurá-lo. Mas, para sua surpresa, encontrou apenas um aviso onde estava escrito: “Fui ajudar o ferido que tu deixaste abandonado, e volto depois de carona com o amigo que atolou seu carro!” Assinado: Deus.


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal