OrganizaçÃo autônoma de mulheres agricultoras: emergência de “novos” sujeitos políticos coletivos no campo1



Baixar 69.21 Kb.
Encontro07.08.2016
Tamanho69.21 Kb.


ORGANIZAÇÃO AUTÔNOMA DE MULHERES AGRICULTORAS: EMERGÊNCIA DE “NOVOS” SUJEITOS POLÍTICOS COLETIVOS NO CAMPO1
RESUMO
O presente artigo traz à luz o processo de constituição de grupos autônomos de mulheres agricultoras, vislumbrado por essas como uma forma de organização alternativa e, de superação das desigualdades nas relações econômico-sociais entre homens e mulheres no campo. Para dar visibilidade a esse processo elegeu-se como lócus de análise o Município de São Miguel do Gostoso/RN, onde se pôde perceber uma crescente organização feminina nos últimos oito anos, podendo ser evidenciada através de três grupos de mulheres agricultoras presentes nas três agrovilas do assentamento rural Arizona. Mediante essa delimitação, buscou-se apreender em que contexto esses grupos surgiram; qual sua finalidade e, quais as contribuições que esses trouxeram para a resignificação do ser mulher no meio rural, mediante a valorização do trabalho produtivo da mulher agricultora, na perspectiva agroecológica e de economia solidária. Constatando-se por fim que a emergência de grupos de mulheres agricultoras pode contribuir para a superação de estágios de submissão/subordinação das mulheres do campo, pois ao se auto-organizarem contestam uma ordem social posta, e resignificam as identidades sociais de gênero.
Palavras-chave: Organização. Mulheres. Agricultoras. Assentamento Rural.


1 INTRODUÇÃO
Entende-se por sujeitos políticos coletivos um conjunto de pessoas que constroem uma consciência coletiva, e que motivadas por determinadas circunstâncias e objetivos comuns se unem e modificam uma realidade posta através do processo de reflexão/ação dessa realidade.

Nesta perspectiva, cientes das condições desiguais impostas a homens e mulheres, essas últimas condicionadas pela (des)valorização social que lhes é atribuída, no campo e na cidade, se organizam em prol da necessidade social de resignificar as identidades de gênero, e (des)construir os papéis sociais desiguais atribuídos a homens e mulheres na sociedade, bem como para romper com as relações de poder oriundas dessa construção social.

Deste modo, o presente trabalho objetiva evidenciar o processo de constituição de grupos autônomos de mulheres agricultoras no bojo do movimento social feminista Marcha Mundial das Mulheres2, no município de São Miguel do Gostoso3 – RN. Esse fenômeno pode ser observado em outros pontos do país, articulados por diversos movimentos sociais e sindicais do campo, entretanto em virtude de uma experiência de estágio4 nesse município, no âmbito da organização de grupos de mulheres vinculados a Marcha Mundial das Mulheres, priorizou-se esse município como lócus de análise.

Assim, é na perspectiva de tornar público o fenômeno de organização coletiva de mulheres agricultoras que esse trabalho será desenvolvido. No primeiro momento serão traçados os objetivos que norteiam a construção desse trabalho, em consonância como os objetivos dos grupos de mulheres; no segundo momento serão expostos os procedimentos metodológicos adotados na investigação e; no terceiro e último momento será feita uma discussão geral do tema em pauta, bem como as considerações finais acerca da investigação.


2 A ORGANIZAÇÃO DE MULHERES AGRICULTORAS
O processo organizativo de mulheres agricultoras não é algo recente, esse, de acordo com Barros (2005, p. 91) pode ser apreendido como um dos desdobramento da questão agrária existente no Brasil, tornando-se expressiva

a partir da década de 1960, com a expansão do capital no campo que acentuou o processo de expropriação e violência desencadeados sobre as mais diversas categorias de trabalhadores rurais. As conseqüências desse novo contexto interferiram no cotidiano da mulher trabalhadora rural, impulsionando-a a enfrentar junto com o seu marido e filhos na defesa da terra e da sobrevivência da família.


Para a estudiosa Carmen Diana Deere (2004, p. 179), esse processo ganha expressividade no Brasil na década de 1980, influenciado pela abertura democrática e, emergência dos movimentos feministas no país. Num primeiro momento esses grupos estão vinculados às Comunidades Eclesiais de Base – CBE, s e Comissão Pastoral da Terra - CPT, sendo essas instituições responsáveis pelo processo organizativo dos grupos e inserção dessas mulheres em espaços tidos como tipicamente masculinos, como os Sindicatos de Trabalhadores Rurais - STR, por exemplo, principais entidades organizativas da categoria que não aglutinam mulheres em suas bases, e têm como principais representantes seus pais e companheiros.

A “invisibilidade” das mulheres por parte da organização sindical implicava para elas no não acesso a assistência à saúde e benefícios previdenciários, como aposentadoria por idade e licença maternidade remunerada.

Para as mulheres conquistarem os direitos previdenciários era necessário a comprovação de sua atividade rural, e o seu reconhecimento enquanto trabalhadora rural, algo difícil de fazer, em virtude do estabelecimento de papéis de gênero que incumbia às mulheres as atividades do lar e, muitas vezes propiciando a sua identificação como do lar e não como agricultora em registro e documentos comprobatórios para fins previdenciários.

O espaço no movimento sindical só veio a ser conquistado a partir da organização do Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais – MMTR fundado em 1989, que tinha como objetivo principal aumentar a participação feminina no movimento sindical rural, o que teve efeito mediante propostas apresentadas nos congressos da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura – CONTAG (DEERE, 2004, p.180).

Quanto à concessão dos direitos previdenciários para as mulheres de acordo com Brumer (2002, p. 57)
A Constituição de 1988, complementada pelas Leis 8.212 (Plano de Custeio) e 8.213 (Planos de Benefícios), de 1991, passou a prever o acesso universal de idosos e inválidos de ambos os sexos do setor rural à previdência social, em regime especial, desde que comprovem a situação de produtor, parceiro, meeiro e o arrendatário rurais, o garimpeiro e o pescador artesanal, bem como respectivos cônjuges que exerçam suas atividades em regime de economia familiar, sem empregados permanentes.
Deste modo, pode-se constatar que as mulheres trabalhadoras rurais se fizeram presentes nas lutas do campo, seja reivindicando direitos sociais para a categoria, seja reivindicando direitos específicos para as mesmas.

Dentre as mulheres trabalhadoras rurais que se destacaram nos movimentos sociais e sindicais do campo, num primeiro momento, especificamente nas décadas de 1960 e 1970, Barros(2005, p. 35) destaca a figura da “trabalhadora rural Elizabeth Teixeira, esposa de João Pedro Teixeira, líder das Ligas Camponesas, que junto com seu marido mobilizou a Liga Camponesa de Sapé, na Paraíba”.

E num momento posterior “na década de 1970, outras duas trabalhadoras rurais se destacam nas lutas do campo na Paraíba, Maria da Penha Nascimento e Margarida Alves da Silva”. Essa última, destacou-se como liderança dos trabalhadores/as rurais na luta pelos direitos sociais na região canavieira da Paraíba, quando exercia o cargo de presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alagoa Grande/PB, empreendendo diversas lutas em prol da categoria, a exemplo do registro do trabalho em carteira assinada, jornada de trabalho de oito horas, 13º salário e férias. Sua trajetória de lutas beneficiou inúmeros trabalhadores/as rurais de sua região, bem como do País, visto que suas ações repercutiram no movimento sindical como um todo. Entretanto essa trajetória foi brutalmente interrompida, quando a líder sindical foi assassinada a mando de pistoleiro da região. Esse crime ainda não foi esclarecido, e os criminosos ainda não foram punidos.(DICIONÁRIO MULHERES DO BRASIL, 2000, p. 361).

No município de São Miguel do Gostoso, localizada na região do mato grande5 no estado do Rio Grande do Norte, o processo organizativo de mulheres pode ser dividido em organização sindical e organização autônoma, sendo que uma forma de organização não exclui a outra. A primeira consiste na vinculação a sindicato da categoria, e a segunda na organização autônoma para fins específicos, como atividades de formação e atividades produtivas, tendo na maioria das vezes uma vinculação política com política com movimentos sociais e Organizações Não-Governamentais - ONG que atuam na região.

Para esse trabalho serão considerados apenas os grupos autônomos de mulheres que possuem vinculação política com o movimento social Feminista denomina Marcha Mundial das Mulheres que emerge no cenário político internacional no ano de 1995 quando 150 mulheres Quebéc organizaram uma marcha de 10 dias para protestar pelo fim da pobreza, essas mulheres marcharam cantando pão e rosas para mudar as coisas. A ação das mulheres de Quebéc tornou-se um símbolo da luta contra a pobreza e a violência sexista, e despertou a nas mulheres a necessidade de construir um movimento “internacional de mulheres autônomo, transparente, democrático e criativo”. Onde as mulheres pudessem fazer e exercer os seus Direitos Humanos”.(MMM, 2003). Em 2000 a Marcha Mundial das Mulheres é lançada em Nova Iorque, em frente ao prédio das Nações Unidas.

No tempo presente a Marcha Mundial das Mulheres se intitula como “um movimento internacional de ações feministas que reúne grupos e organizações que trabalham para eliminar as causas que origina a pobreza e a violência contra as mulheres. (SANTOS,2007) a marcha no tempo presente tem em seu bojo inúmeros grupos de mulheres urbanas e rurais espalhados pelo mundo, dentre eles os grupos de mulheres agricultoras de São Miguel do Gostoso.

No município em pauta, os grupos de mulheres dão início ao processo organizativo a partir dos anos 2000, podendo ser observados como um desdobramento de um processo local de luta em prol do acesso e permanência na terra que tem sua gênese há 30/20 anos atrás.

De acordo com Araújo (2005 p. 56) a região do mato grande, onde está localizado o município de São Miguel do Gostoso, lócus da pesquisa, especificamente nos anos de 1970/80 foi palco de inúmeras lutas em prol do acesso e permanência a terra. O interesse por parte dos latifundiários pelas terras da referida região ocorre em virtude das potencialidades locais para agricultura e turismo, bem como em virtude de incentivos de políticas públicas para o desenvolvimento do nordeste destinado aquela região que propicia a atração de grupos econômicos empresarias e/ou individuais, culminado com um processo de expropriação de pequenos agricultores/as de suas terras.

Em resposta as investidas do capital sob tutela do Estado, mediante incentivos fiscais para o seu avanço no campo, agricultores/as se unem como forma de resistência ao processo expropriatório que se instala naquela região, e assim se instalam e ganha força os movimentos sociais do campo, a exemplo do movimento sindical liderado pela Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado do Rio Grande do Norte - FETARN e Sindicato de Trabalhadores Rurais – STR,s. Nesse processo organizativo e de resistência as mulheres vão ter significativa participação, e dão início a um processo de organização enquanto sujeitos políticos coletivos (BARROS, 2005, p. 111).

Deste modo, emergem as primeiras organizações femininas na região, influenciadas pela ação social do Serviço de Assistência Rural – SAR, entidade vinculada à arquidiocese de Natal/RN. Essa instituição empreender diversas ações de caráter político-pedagógico nas comunidades rurais do Estado potiguar, dentre elas pode-se destacar o Programa de Educação Política que abordava temas relacionados à cidadania da população rural. Esse programa era transmitido às comunidades rurais através do rádio, sob a coordenação dos/as educadores/as do SAR.(BARROS, 2005, p 52).

Envoltas pelas idéias e concepções do movimento feminista, consubstanciadas nas precárias condições de vida das mulheres trabalhadoras rurais, as equipes do Serviço de Assistência Rural - SAR inserem no conteúdo do programa de rádio discussões acerca das problemáticas vivenciadas pelas mulheres rurais. Através dessa ação é despertado nas mulheres um interesse pelos seus direitos e reflexão sobre a sua realidade o que vai resultar num processo organizativo e de formação de grupos de mulheres agricultoras em municípios como Touros, Pureza, Taipu, e Poço Branco, esses localizados na região do mato grande do Estado do Rio Grande do Norte (BARROS, 2005, p. 53).

Esse processo de tomada de consciência por parte das mulheres trabalhadoras rurais viria influírem diretamente na participação feminina nas ocupações de terras e atuação nos assentamentos rurais, em virtude das mudanças estruturais na vida das famílias, e conseqüentemente das mulheres.

Após a conquista da terra, as famílias necessitam formular estratégias de adaptação a nova dinâmica social que lhes é imposta. Assim, buscam estabelecer relações de solidariedade entre os seus semelhantes a fim de garantir a sua permanência na comunidade. Nesse sentido, as famílias através de seus membros terão papel central no processo de organização da “nova” comunidade, abrindo precedentes para uma construção coletiva e paritária das relações sociais que vão se estabelecer.

No cotidiano do assentamento rural homens e mulheres exercem atividades diferentes, que são norteadas de acordo com os papéis de gênero. Aos homens cabem as atividades de caráter público, como a direção da associação, produção e comercialização; às mulheres são atribuídas as funções de caráter privado: cuidar da casa, alimentação e cuidados com os filhos e maridos, e quando se inserem na associação assumem cargos secundários (SILVA, 2005).

Com o objetivo de romper com esse paradigma e superar a “invisibilidade” social de seu trabalho, bem como transcender o processo de submissão/subordinação, mulheres agricultoras das três agrovilas do Projeto de Assentamento Arizona6 em São Miguel do Gostoso, motivadas pelas particularidades e necessidades que permeiam as relações de gênero nas suas Agrovilas se unem em prol de uma atividade produtiva que lhes garanta renda e autonomia perante os seus companheiros.

Aliada às atividades produtiva, essas mulheres passam por processos de formação em gênero, mediante discussões acerca dos fundamentos das relações sociais de gênero, a partir da reflexão do cotidiano das mulheres; Agroecologia que pode ser compreendido como um método de se fazer agricultura de forma ambientalmente sustentável e socialmente justa, aliando conhecimentos científicos e conhecimentos empíricos dos agricultores/as.(GLEISSMAN,2005). E, a economia solidária, que de acordo com Singer, 2002 é um modo de produção e comercialização, onde prevaleçam os princípios de cooperação, solidariedade, auto-gestão e respeito ao meio ambiente.

As discussões das temáticas supracitadas têm como objetivo, além de propiciar espaços de discussões e geração de conhecimentos, dar subsídios as mulheres para compreender o processo social no qual estão inseridas, e mediante esse processo formativo fomentar a inserção dessas em espaços coletivos de discussão, como o Fórum Popular de Políticas Públicas - FOPP 7 , associação local, Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais – STTR e Núcleo da Marcha Mundial das Mulheres8.

3 OBJETIVOS DO ENSAIO
Os objetivos que permeiam o desenvolvimento do presente artigo vão de encontro com os objetivos que fomentam a organização das mulheres em grupo, onde podemos citar a busca pela valorização das mulheres enquanto trabalhadoras rurais e regaste de sua autonomia no contexto de dominação em que estão inseridas.

No entanto, a presente elaboração almeja especificamente refletir e dar visibilidade a esse processo organizativo de mulheres, bem como contribuir com este no sentido de fomentar a elaboração de políticas públicas específicas para essa categoria de trabalhadoras rurais em sua perspectiva de produção agroecológica e de economia solidária e valorização desses novos sujeitos políticos coletivos em suas práticas produtivas e atuação política em sua comunidade.

Contribuir para a reflexão dos significados dos papéis sociais de homens e mulheres no meio rural, a fim de superar estágios de submissão/subordinação das mulheres em relação à figura masculina, através da ação dos sujeitos partícipes do processo.

4 METODOLOGIA UTILIZADA
Como procedimento metodológico optou-se pela inserção em espaços coletivos de reflexão/reivindicação, como o 08 de março e o 17 de outubro9, a fim de apreender como as mulheres se apropriam das proposições do movimento social feminista Marcha Mundial de Mulheres que através do seu núcleo local organiza esses eventos. Visitas às atividades produtivas: hortas agroecológicas que são o cerne da organização dos grupos de mulheres, espaços de comercialização dos produtos oriundos das hortas agroecológicas das mulheres e a feira agroecológica e de economia solidária local10 com o intuito de fazer observações sistemáticas, a fim de perceber como as mulheres se comportam perante os consumidores, bem como observar o comportamento desses perante a iniciativa feminina.

Para embasar teoricamente a investigação buscou-se referências bibliográficas que abordam a problemática de gênero de forma geral, e que se detêm à análise dessas relações no meio rural.




5 RESULTADOS DA PESQUISA E DISCUSSÃO
Pensar as relações sociais entre homens e mulheres no meio rural, significa fazer um esforço no sentido de apreender essas relações sociais através do enfoque de gênero, compreendido como uma categoria de análise estruturante da vida em sociedade.

Para Scott (1991, p.14), “o gênero é um elemento constitutivo das relações sociais fundadas sobre as diferenças percebidas entre os sexos, o gênero é um primeiro modo de dar significado às relações de poder”. Entretanto, deve-se ressaltar que “poder” nesse contexto refere-se ao conceito foucaultiano, no qual o autor aborda as relações de poder como “algo difuso, periférico, múltiplo, cuja verdade já é poder” (FOUCAULT, 1979), portanto, esse poder fundamentará as relações de dominação entre os sexos, onde o dominado legitimará essa dominação, por ser incapaz percebê-la, pois faz parte de uma estrutura social que estrutura e determina as relações sociais (BOURDIEU, 2003).

De acordo com Faria e Nobre (1997), a construção social dos gêneros, nos permite pensar que identidades e papéis masculinos e femininos não são fatores biológicos, vindos da natureza, são historicamente e socialmente construídos, portanto podem ser modificadas, através da reflexão/ação dos sujeitos envolvidos. Essa ação se daria no sentido de dês (construir) os papéis sociais de gênero que fundamentam as relações sociais entre os homens e mulheres, homens e homens e mulheres e mulheres na sociedade.

De acordo com os papéis de gênero aos homens é destinada à função de provedor da família e responsável pelo núcleo familiar, atividades públicas/produção e a mulher é responsável pelo cuidado dos filhos e da alimentação da família atividades privadas/reprodução, entretanto, para FISCHER (2005, p.44) no meio rural existe uma imbricação nessas atividades, visto que as mulheres estão presentes tanto na produção agrícola como na transformação dessa produção em alimento, perpassando assim os espaços públicos e privados. Entretanto, a mesma pesquisadora, apesar de compreender o âmbito privado como sustentáculo do público, reconhece esse ultimo como espaço de supremacia masculina.

De acordo com Oliveira (2004, p 30)
[...] no mundo rural, as mulheres desempenham quase todo tipo de trabalho, desde preparar a terra para plantar, cuidar dos animais e ainda, cumprir com todo o trabalho cotidiano do lar. Mesmo assim, por não ser trabalho considerado como algo que se identifique com as mulheres, o discurso de que “as mulheres ajudam” é predominante.
O caráter de “ajuda” ou de complementar presente no trabalho produtivo da mulher rural o relega a condição de não-trabalho, o que implica na sua não remuneração, esse é compreendida como extensão das atividades domésticas.

De acordo com Fischer (2005, p. 44.) na jornada de trabalho da mulher rural está incluído “o abastecimento d’água, que, muitas vezes, supõe seu deslocamento diário até 3,4 quilômetros, e o da lenha, que, além de exigir o esforço físico para corta a madeira, requer a condução dos feixes até a casa.”

Pode-se perceber que o trabalho da mulher não se restringe apenas ao âmbito da casa, e que a jornada de trabalho das mulheres rurais, em muitos casos vai além do estipulado nas legislações trabalhistas, visto que essa se inicia nas primeiras horas do dia e se estende a altas horas da noite.

Para Fischer (2005, p. 45) a tese que dá sustentação ao caráter de ajuda ao trabalho da mulher é a força muscular despendida para a execução do trabalho, essa tese estaria imbuída nos princípios do patriarcado. Entretanto, (PAULILO, 1987) ao realizar pesquisa com trabalhadoras rurais de regiões distintas do país contesta essa concepção ao dizer que o que caracteriza trabalho leve e trabalho pesado não é atividade, mas, sim o sexo que o executa, pois as mulheres de uma região desenvolvem determinada atividade, e, é considerado leve, na outra região as mulheres não executavam a mesma atividade e, é considerado pesado.

No meio rural as relações estabelecidas entre os homens e mulheres serão fundamentadas nos princípios do patriarcalismo que para (SAFFIOTI, 1987)

é a construção social da superioridade masculina em detrimento da inferioridade e subordinação feminina, constituindo-se em um sistema sexual de poder que se hierarquiza na sociedade, na família, nas instituições e na divisão sexual do trabalho.

Outro fator que se pode elencar como determinante para o agravamento da dominação masculina no meio rural são os baixos níveis de escolaridade das mulheres, inviabilizando até certo ponto a constatação e contestação dessa dominação. Entretanto, mediante um processo de reflexão acerca dessas relações culturalmente/historicamente estabelecidas, que pode ser desencadeado por uma mudança na estrutura social, a emergência de acampamento/assentamento rural ou a necessidade de suprir uma carência podem contribuir para mudanças nesses padrões.

De acordo com Silva (2005) ao falar da chegada das famílias no Assentamento Arizona, diz que as ocupações das mulheres no assentamento Arizona não se restringiam exclusivamente apenas ao ambiente familiar, em virtude de oportunidades que surgiram com a nova dinâmica social da comunidade possibilitando uma maior participação e visibilidade da mulher agricultora.

Nesse sentido verifica-se a participação feminina em vários aspectos no tocante a organização social do assentamento, em particular de ações coletivas em prol da auto-organização e busca da autonomia das mulheres.

As iniciativas auto-organizativas no assentamento Arizona, podem ser constatadas em suas três agrovilas: Arizona, Paraíso e Novo Horizonte. De acordo com Silva (2005) essas estratégias de organização social de grupos de mulheres


fazem parte de uma proposta construída pelos movimentos feministas, sobretudo, aqueles cuja inspiração fundamentavam a luta pela autonomia das mulheres frente ao poder patriarcal, enquanto um sistema de dominação, baseado na dominação de classe e raça e que tem fundamentação nos ideais de igualdade e liberdade.

Portanto, pode-se perceber que os principais objetivos que norteou a auto-organização dessas mulheres foi à busca pela igualdade nas relações sociais entre os homens e as mulheres na comunidade, para isso buscou-se dar visibilidade da produção feminina na comunidade, tendo com resultado a geração de renda e o acesso a informações acerca das questões relacionadas ao gênero, formas de produção própria, diversificada e alternativa a forma de produção convencional presente na comunidade, e, empoderadas dessas informações romperem com o processo de “invisibilidade” e subordinação feminina ao qual essas mulheres estão historicamente submetidas.

Na busca por uma forma de produção e comercialização alternativa as existentes em nas comunidades rurais, as mulheres se aproximaram com os princípios da Agroecologia e da economia solidária, que vão de encontro os seus anseios por modos de produção e comercialização mais justo, igualitário, com respeito ao meio ambiente e, onde as pessoas envolvidas no processo são postos em primeiro lugar em detrimento do econômico.

Assim, ao tomarem conhecimento da Agroecologia aqui compreendida como


uma proposta metodológica e conceitual, com ênfase no campo do conhecimento que articula os saberes: sociológicos, antropológicos e técnicos e privilegia aspectos ambientais, sociais, econômicos e culturais, envolvendo principalmente o saber local e tradicional das comunidades rurais, através do uso sustentável do ambiente e que valorizam, fundamentalmente, uma agricultura participativa, propondo dotar o agricultor e a agricultora do poder do conhecimento. (GUZMAN, 2002) apud (SILVA, 2005)

A partir dessa busca por novos conhecimentos de tecnologias sociais e de produção as mulheres conquistarem os seus projetos produtivos, dentre eles podemos citar: a horta, o espaço para plantar árvores frutíferas, criação de abelhas e animais de pequeno porte, para os quais foi elegido os princípios da Agroecologia para nortear suas práticas produtivas.

Após a iniciada a produção fez necessário criar mecanismos de comercialização, entretanto, os produtos a serem comercializados tinham uma origem diferente dos que eram comercializados nos mercados públicos e privados do município. Assim, as mulheres se uniram a outros grupos do município de São Miguel do Gostoso, a fim de conquistar um espaço próprio para a comercialização dos produtos provenientes da produção Agroecologia e de economia solidária.

Deste modo, em 2006 é criada a feira agroecológica de economia solidária do município de São Miguel do Gostoso, mediante a articulação dos grupos de mulheres do Assentamento Arizona e de produtores/as rurais de outras comunidades rurais do município, como Canto da Ilha, Antonio Conselheiro e Tabua, através de negociações junto ao Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais - STTR do Município e ao Fórum Popular de Políticas Públicas - FOPP e conquistaram um espaço próximo aonde é realizada a feira convencional da cidade. A feira acontece uma vez por semana, as segundas-feiras da 6h ás 11h.

Através dessa ação coletiva as mulheres conquistaram um canal para escoar a sua produção, bem como um espaço de aprendizagem e reflexão das relações sociais e econômicas. Constatando-se que a exemplo de suas experiências outras formas de produção, comercialização e de estabelecer relações sociais é possível.

Aliado as atividades produtivas, as mulheres se inseriram em espaços de formação, como intercâmbios, seminários e encontros com os temas: gênero, Agroecologia e economia solidária. A partir dessa iniciativa de auto-organização as mulheres também passaram a ter uma maior inserção nos espaços coletivos de discussão como associação local, Sindicato de Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais - STTR e o Fórum Popular de Políticas Públicas - FOPP, como também no movimento social feminista Marcha Mundial das Mulheres - MMM. Espaços esses, que possibilitaram o acesso a políticas públicas de fomento a produção, e reconhecimento social do potencial organizativo e produtivo da mulher rural.




6 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Analisar a trajetória das mulheres trabalhadoras rurais do Assentamento Arizona, em suas agrovilas: Paraíso, Arizona e Novo Horizonte, em prol de um processo organizativo exclusivamente feminino no contexto de dominação masculina nos remete a concepção de sujeitos políticos, aqui entendidos enquanto “atores sociais capazes de criar, inovar, construir um novo, e não apenas se apropriar de algo já posto, e criar, nesse sentido, supõe elaborar novos elementos da práxis, orientados para uma consciência de classe e a efetiva ação política” (FISCHER, 2005, p. 60).

Essa a ação pode ser observada no cotidiano da vida no assentamento rural Arizona, quando as mulheres em suas agrovilas conquistam um espaço político próprio, atividades produtivas específicas, credito rural para fomentar as atividades produtivas, como também o respeito por partes dos homens as suas potencialidades. Nos espaços públicos, as mulheres passam a ter participação efetiva assumindo cargos de liderança e participando de forma ativa nas discussões da vida da comunidade, e do município, visto que na coordenação do Fórum Popular de Políticas Públicas – FOPP do município essas mulheres tem presença ativa.

Nos eventos promovidos pelos movimentos sociais que atuam na comunidade, a presença da mulheres é expressiva, elas cantam, discussão, marcham e protestam contra abusos e exploração contra as mulheres. Deve-se ressaltar que a atuação das mulheres dos grupos autônomos do assentamento Arizona não se restringe ao município, essas mulheres se fazem presentes em encontros, seminários e eventos em outros Estados do país.

Assim, levando em consideração o contexto de dominação no qual essas mulheres estão inseridas ao pleitear formas de superação e resignificar o ser mulher no meio rural através de uma ação coletiva as mulheres se tornam verdadeiros sujeitos políticos coletivos, pois são “capazes de pensar a si mesmo como membro de uma coletividade e de se propor a um objetivo geral de ação e de persegui-lo com perseverança e luta sistemática” (GRAMSCI, 1974, p. 287).

Entretanto, deve-se se ressaltar que a cultura patriarcal dominante impõe a essas mulheres inúmeros entraves no processo de superação da dominação masculina, que podem ser identificados tanto nas tarefas cotidianas quanto nos espaços públicos, quando essas tentam acessar uma linha de crédito junto aos bancos, por exemplo. Mas, em virtude da tomada de consciência por parte desses sujeitos - as mulheres em questão se perceberam enquanto sujeitos envolvidos em um processo de dominação masculina, esses entraves são percebidos em seus princípios patriarcais, ou seja, (dês) naturalizados, socializados no grupo e são formuladas estratégias e alternativas para a superação desses obstáculos, seja através de atos públicos de repúdio a essas práticas, ou através de negociações envolvendo entidades de assessoria e fomento ao processo organizativo e produtivo.

REFERÊNCIAS
ARAÚJO, Severina Garcia de. Assentamentos rurais: trajetórias dos trabalhadores assentados e cultura política. Natal: EDUFRN, 2005.
BARROS, Ilena Felipe. A inserção das mulheres na luta pela terra: movimento de participação e/ou submissão?. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.

BRUMER, Anita. Previdência social rural e gênero. Sociologias [online]. 2002, n. 7, pp. 50-81. ISSN 1517-4522.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Ed. Bertrand Brasil, 2003.
DEERE, Carmem Diana. Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira, Revista Estudos Feministas, Florianópolis, p. 175 - 203, jan. – abr. 2004.
FARIA, Malu; NOBRE, Míriam. Gênero e Desigualdade. Cadernos SEMPREVIVA,

São Paulo, Ed. SOF, 1997.


FISCHER, Isaura Rufino. O protagonismo da mulher rural no contexto da dominação. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Ed. Massagana, 2006.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.
GLEISSMAN, Stephen, R. Agroecologia: Processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005.
GRAMSCI, Antônio. Obras escolhidas. Lisboa: Estampa, 1974.
OLIVEIRA, Rosenilda Maria de. Gênero e agricultura familiar no assentamento de mulunguzinho/Mossoró/RN: quando as mulheres entram em cena. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Universidade Estadual do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2004.
PAULILO, Maria Inez Silveira. O peso do trabalho leve, Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 5, n. 28, 1987.
SAFIOTTI, Heleieth. I. B. O poder do macho. São Paulo: Ed. Moderna, 1987.
SANTOS, Celina. Marcha Mundial das Mulheres, porquê? coleção agitaços, Ação para justiça e paz, nº 37, maio de 2007
SCOTT, Joan. Uma categoria útil para análise histórica. [S.l.]: Ed. SOS Corpo, 1991.
SHUMAHER.Shuma(org). Dicionário Mulheres do Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.
SILVA, Marialda Moura da. Uma fonte de água viva: a participação das mulheres no assentamento Arizona – São Miguel do Gostoso. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.
SINGER, P. Introdução à economia solidária. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

1 Artigo apresentado ao 3º Edição do Prêmio Margarida Alves de Estudos Rurais e Gênero.

2 Integrante do movimento feminista mundial que tem por princípios a luta contra a pobreza e a violência sexista.

3 Município localizado na messoregião leste potiguar e microrregião do litoral norte, distante cerca de 112 km da capital do estado.

4 Estágio curricular obrigatório do curso de Serviço Social numa parceria entre a Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN e Associação de Apoio às Comunidades do Campo do Rio Grande do Norte – AACC/RN.

5A região do Mato Grande não é uma região oficial, e uma denominação popular dada a porção mais nordeste do Estado, devido a existência de uma grande mata na área, no período colonial.


6 O Assentamento rural Arizona está localizado à 14 km da cidade de São Miguel do Gostoso. Possui uma área geográfica de 5.914,363 hac. e, está dividido em 3 agrovilas.

7 Espaço de articulação da sociedade civil organizada onde esta discute e planeja a sua inserção/participação no poder local.

8 Ação local das militantes feministas do município.

9 Os dias 08 de março e 17 de outubro são marcos desse movimento no mundo. O dia 08 de março simboliza a primeira marcha realizada em 2000 só chegando ao fim no dia 17 outubro do mesmo ano.

10 Espaço local de comercialização dos produtos de origem agroecológica e de economia solidária produzidos no município.




©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal