Orientação sobre a prevenção de doenças infecciosas entre graduandos, residentes, pós-graduandos e aprimorandos da área de saúde



Baixar 15.41 Kb.
Encontro29.07.2016
Tamanho15.41 Kb.
Orientação sobre a prevenção de doenças infecciosas entre graduandos, residentes, pós-graduandos e aprimorandos da área de saúde

Os profissionais da área de saúde (PAS) apresentam um risco superior ao da população geral, para aquisição de doenças transmissíveis, durante o exercício de suas atividades. Além do risco individual de aquisição destes patógenos, existe a possibilidade de transmissão aos pacientes susceptíveis, com sérias repercussões no ambiente hospitalar.

Desta forma a Faculdade de Ciências Médicas (Diretoria e Disciplina de Moléstias Infecciosas), o Hospital de Clínicas da Unicamp (Núcleo de Vigilância Epidemiológica/Centro de Referência em Imunobiológicos Especiais) e o Centro de Saúde da Comunidade (CECOM), instituíram um programa específico para a prevenção de risco biológico entre os profissionais em formação.

Este programa inclui a pré-exposição (orientações, imunizações e realização do teste tuberculínico) e a pós-exposição (bloqueio de surtos, imunizações e quimioprofilaxia). As recomendações referentes à pré-exposição deverão ser adotadas o mais precocemente possível de preferência no início da graduação para todos os indivíduos que atuam na área de saúde. Os procedimentos recomendados são descritos abaixo segundo a doença em questão.



Tabela 1. Prevenção pré-exposição recomendada para os PAS.




Orientações

Hepatite B

  • Elevado risco de infecção pós acidentes com material biológico em PAS susceptíveis.

  • A vacina é recomendada para todo PAS não vacinado, no esquema de três doses nos seguintes intervalos: D0, D30, D180.

Entre PAS, recomenda-se a realização do anti-Hbs um mês após a última dose do esquema

Varicela (catapora)

  • A varicela é transmitida por aerossóis, com alta transmissibilidade e possibilidade de surtos intra-hospitalares.

  • Serão considerados imunes os PAS com história de doença prévia ou de contato domiciliar.

  • Serão considerados susceptíveis os indivíduos com história negativa de doença. É custo efetivo realizar a triagem sorológica para os PAS. Nos casos de dificuldades para realização da sorologia esta indicada a vacinação, em esquema de duas doses com intervalo de um mês.

  • A vacina de varicela é de vírus vivo, sendo contra-indicada para imunossuprimidos e gestantes. Após a vacinação aguardar 30 dias para engravidar.




Sarampo/caxumba e rubéola

  • Serão considerados imunes apenas os indivíduos com história de vacinação anterior comprovada em carteira (2 doses de MMR) ou doença com comprovação sorólogica.

  • A vacina MMR (vacina sarampo, caxumba e rubéola) está indicada para os indivíduos sem documentação de ter recebido 2 doses da vacina a partir de 12 meses de vida ou evidência laboratorial das três doenças.

  • A vacina MMR é de vírus vivo, sendo contra-indicada para gestantes e devendo ser criteriosamente avaliada em imunossuprimidos. PAS do gênero feminino deverão aguardar aguardar 30 dias para engravidar.




Gripe

  • Os PAS atuam como transmissores do vírus influenza, com risco de infecção e complicações entre os pacientes assistidos.

  • Todos os PAS deverão realizar anualmente, no outono (abril e maio) a vacina contra influenza, independente da idade. Os PAS deverão comparecer ao CECOM no período da campanha anual.




Tétano e difteria


  • A atualização da vacina dupla adulto (difteria e tétano) é recomendada para todo PAS.

  • Serão considerados imunes os indivíduos com 3 doses no esquema básico e um reforço há menos de 10 anos.

  • Os susceptíveis deverão completar o esquema.




Tuberculose



  • O risco de TB entre PAS é aumentado, inclusive nos países de alta prevalência como o Brasil

  • O PAS deve ser avaliado quanto a presença de infecção tuberculosa latente através do teste tuberculínico (TT, PPD, Mantoux).

  • Estão dispensados do TT no admissional os PAS com história de TT anterior documentado 10mm ou história de tuberculose (doença) anteriormente.

  • Os demais PAS deverão realizar o teste tuberculínico (PPD/Mantoux). O TT deverá ser aplicado e lido em 48-72h, a leitura deverá ser feita por profissional treinado. NÃO SERÁ ACEITA LEITURA FEITA PELO PRÓPRIO PAS.

  • Os PAS com TT inferior a 10mm no admissional deverão repetir anualmente e caso ocorra viragem tuberculínica (aumento em 10mm, ex. TT inicial=4, TT após 1 ano=14mm), deverão ser encaminhados para quimioprofilaxia no ambulatório do NVE (MI-DNC).

  • Os PAS com TT superior ou igual a 10mm no admissional não deverão repetir o exame. Estes PAS deverão ser avaliados clinicamente se apresentarem sintomas sugestivos de TB.



PARA A AVALIAÇÃO E IMUNIZAÇÕES O PAS DEVERÁ PROCURAR O CECOM DE 2ª À 6ª FEIRA DAS 7:30 ÀS 18:30H COM A CARTEIRA DE VACINAÇÃO. (vacinas@cecom.unicamp.br), telefone: 3251 9023

12/01/2007



Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal