Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO


Meus olhos se diluem sem trégua nem descanso, 50



Baixar 5.7 Mb.
Página126/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   122   123   124   125   126   127   128   129   ...   197

49. Meus olhos se diluem sem trégua nem descanso,
50. até que Javé apareça e me veja lá do céu.
51. Meus olhos estão doendo por causa das jovens da minha cidade.
52. Caçaram-me como pássaro os que me odeiam sem motivo.
53. Jogaram-me vivo na fossa e puseram uma pedra em cima.
54. Subiu água até meu pescoço, e eu pensei: "Estou perdido!"
55. Do fundo da fossa invoquei teu nome, ó Javé.
56. Ouve a minha voz, não feches o ouvido ao meu apelo.
57. Tu vieste na hora em que eu chamei, e respondeste: "Não tenha medo".
58. Tu te encarregaste de defender a minha causa e resgatar a minha vida.
59. Tu viste, Javé, que sofro injustiça: julga a minha causa.
60. Viste a vingança que tramam contra mim;
61. ouviste, Javé, os insultos, o que tramam contra mim,
62. o que dizem e tramam contra mim continuamente.
63. Vigia todos os movimentos deles: eu sou objeto de suas piadas.
64. Tu lhes pagarás, Javé, como suas obras merecem.
65. Dá-lhes um coração endurecido e sobre eles caia a tua maldição.
66. Persegue-os com ira e arrasa-os debaixo do céu.

[Lamentações 4]Lamentações 4


QUARTA LAMENTAÇÃO: ESTÁ CUMPRIDA A PENA
1. Ai! Como o ouro puro perdeu o brilho! Esparramaram-se as pedras sagradas pelas esquinas das ruas.
2. Os nobres filhos de Sião, que valiam seu peso em ouro, São agora tratados como potes de barro, trabalho de oleiro.
3. Até os lobos dão o peito para amamentar os filhotes; só esta cidade é mãe desalmada, como avestruz do deserto.
4. De sede, a língua dos bebês gruda no céu da boca; as crianças pedem pão, e ninguém lhes dá.
5. Os que comiam coisas finas estão caindo de fome pelas ruas; quem cresceu vestido de púrpura está encolhido no lixo.
6. O pecado desta cidade foi de certo maior que o de Sodoma, pois Sodoma foi destruída de uma vez, sem ninguém agredi-la.
7. Seus jovens eram mais limpos que a neve, mais brancos que o leite; eram mais rosados que o coral, com veias de azul-safira.
8. Hoje estão mais negros que o carvão, e na rua ninguém os reconhece; a pele enrugada sobre os ossos, seca como lenha.
9. Mais felizes os que morreram pela espada do que os mortos pela fome; Aqueles foram apunhalados e perderam o sangue; estes caíram por falta de alimento.
10. As mãos de mulheres delicadas cozinham seus próprios filhos; são eles o alimento delas na ruína da capital do meu povo.
11. Javé libertou o seu ódio, derramou a sua ira, em Sião acendeu uma fogueira que devora até os alicerces.
12. Mas nunca os reis da terra ou qualquer cidadão acreditariam que um inimigo ou invasor pudesse entrar pelas portas de Jerusalém.
13. Foi pelos erros dos profetas e pelos crimes dos sacerdotes que derramaram sangue inocente dentro da cidade.
14. Vagavam como cegos pelas ruas, cobertos de sangue: ninguém podia tocar em suas roupas.
15. "Para trás!" gritavam "estou impuro! Para trás! Não me toquem". Iam errantes como fugitivos que não recebem asilo.
16. Javé os espalhou e já não cuida deles. Não há mais respeito para o sacerdote, nem compaixão com os velhos.
17. Nossos olhos se consomem, em vão esperando por socorro: esperamos, vigilantes, um povo incapaz de salvar.
18. Sem parar sondavam os nossos passos, já nem andávamos pelas praças. Chegava o nosso fim, o termo de nossos dias.
19. Nossos perseguidores eram mais velozes que as águias do céu; sobre os montes corriam atrás de nós e punham armadilhas no deserto.
20. O ungido de Javé, nosso alento, caiu preso na armadilha; dele dizíamos: "À sua sombra viveremos entre os povos".
21. Vibre de alegria e faça festa, capital de Edom, que habita em Hus, pois você também terá o seu cálice: se embriagará e ficará nua.
22. Está cumprida a sua pena, capital de Sião; você não continuará no exílio; ele castigará sua falta, capital de Edom, e seu pecado aparecerá.

[Lamentações 5]Lamentações 5


QUINTA LAMENTAÇÃO: AI DE NÓS, PORQUE PECAMOS!
1. Lembra-te, Javé, do que aconteceu; olha bem, para ver a vergonha que passamos!
2. Nossa herança passou para estrangeiros, nossas casas são agora de gente estranha.
3. Agora somos todos órfãos, pois perdemos nosso pai; nossas mães ficaram viúvas.
4. Temos que comprar a água que bebemos e pagar a lenha que usamos.
5. Com a canga no pescoço somos empurrados; estamos cansados, pois eles não dão folga.
6. Ao Egito já estendemos nossas mãos pedindo ajuda, já suplicamos à Assíria que nos desse de comer.
7. Nossos pais pecaram e já morreram, e nós pagamos por suas culpas.
8. Quem manda em nós é gente que era escrava; não há quem possa libertar-nos de sua mão.
9. Arriscamos a própria vida pelo pão, enfrentando em campo aberto a espada inimiga.
10. Nossa pele queima como forno, torturada pela fome.
11. Violentaram as mulheres em Sião e as jovens nas cidades de Judá.
12. Com suas mãos esganaram os chefes e não respeitaram os anciãos.
13. Forçaram os jovens a girar o moinho, os rapazes sucumbiram sob o peso da lenha.
14. Os anciãos já não participam do Conselho e os jovens deixaram seus instrumentos de corda.
15. Acabou a alegria que nos enchia o coração, nossa dança se mudou em luto.
16. Caiu a coroa da nossa cabeça: Ai de nós, porque pecamos!
17. Por isso, o nosso coração está doente e os nossos olhos embaçados.
18. Porque o monte Sião está desolado E por ele passeiam as raposas.
19. Mas tu, Javé, permaneces para sempre, o teu trono permanece de geração em geração.
20. Então, por que haverias de esquecer-nos para sempre, e deixar-nos abandonados por tanto tempo?
21. Faze que voltemos para ti, Javé, e voltaremos; renova os tempos passados.
22. Ou será que nos rejeitaste de uma vez; será que tua cólera não tem limites?

[Baruc 1]Baruc 1



MANTER A UNIDADE
1. Livro escrito por Baruc, filho de Nerias, filho de Maasias, filho de Sedecias, filho de Asadias, filho de Helcias, quando estava na Babilônia,
2. no sétimo dia do mês, no quinto ano da época em que os caldeus tomaram Jerusalém e a incendiaram.
3. Baruc leu este texto na presença de Jeconias, filho de Joaquim, rei de Judá, e também na presença de todo o povo que veio ouvir a leitura:
4. autoridades, pessoal do rei, conselheiros, o povo todo, pequenos e grandes, que estavam residindo na Babilônia, às margens do rio Sud.
5. Então todos começaram a chorar, a jejuar e a fazer preces ao Senhor.
6. Fizeram também uma coleta em dinheiro, dando cada um o que podia,
7. e mandaram a soma para Jerusalém, ao sacerdote Joaquim, filho de Helcias, filho de Salom, e para os outros sacerdotes e o povo que com ele tinha ficado em Jerusalém.
8. Isso foi quando Baruc, no décimo dia do mês de Sivã, recuperou os objetos da casa do Senhor, tirados do Templo, e os mandou de volta para a terra de Judá. Eram os objetos de prata que Sedecias, filho de Josias, rei de Judá, tinha mandado fazer,
9. depois que Nabucodonosor, rei da Babilônia, tinha levado para o exílio na Babilônia o rei Jeconias, as autoridades, os artistas, os poderosos e os cidadãos de Jerusalém.
10. A carta dizia: "Nós estamos remetendo algum dinheiro. É para vocês comprarem com ele vítimas para o holocausto e vítimas expiatórias, para o incenso e para as ofertas. Ofereçam tudo isso sobre o altar do Senhor nosso Deus,
11. rezando pela saúde de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e pela saúde do seu filho Baltazar, a fim de que seus dias sejam tão longos como a idade do céu.
12. O Senhor nos conceda forças e nos ilumine, para podermos viver protegidos por Nabucodonosor, rei da Babilônia, e pelo seu filho Baltazar, trabalhando para eles por muito tempo e gozando o seu favor.
13. Rezem também por nós ao Senhor nosso Deus, pois pecamos contra o Senhor nosso Deus, e até hoje a ira e o furor do Senhor não se afastaram de nós.
14. Proclamem este documento que estamos mandando para ser lido em público no Templo do Senhor, tanto em dia de festa, como em outras ocasiões".

A CULPA E A ESPERANÇA DO PERDÃO

CONFESSAR OS PECADOS
15. Eis o texto: "Confessamos que o Senhor nosso Deus é justo e a nós cabe hoje a vergonha, a nós, cidadãos de Judá e habitantes de Jerusalém,
16. reis e autoridades nossas, sacerdotes, profetas e antepassados nossos,
17. porque pecamos contra o Senhor,
18. desobedecemos, não ouvimos a voz do Senhor nosso Deus, deixamos de seguir as orientações que ele nos colocou diante dos olhos.
19. Desde o dia em que o Senhor tirou nossos antepassados do Egito até hoje, nós só desobedecemos ao Senhor nosso Deus e não fizemos caso de ouvir a sua voz.
20. Assim nos acompanham até os dias de hoje desgraças e maldições com que o Senhor ameaçou o seu servo Moisés, quando tirou nossos antepassados do Egito para nos dar uma terra onde corre leite e mel.
21. Nós, porém, nunca demos atenção à voz do Senhor nosso Deus, que nos falava pela palavra dos profetas que ele nos enviava.
22. Pelo contrário, cada um de nós seguia suas más inclinações, prestando culto aos deuses estrangeiros e praticando o que é mau aos olhos do Senhor nosso Deus.

[Baruc 2]Baruc 2



1. Por isso, o Senhor cumpriu as ameaças feitas contra nós e nossos juízes que governavam Israel, nossos reis, nossas autoridades e todos os cidadãos de Israel e Judá.
2. Debaixo do céu, jamais aconteceu coisa igual a tudo o que aconteceu em Jerusalém, conforme está escrito na lei de Moisés:
3. que indivíduos iriam comer a carne de seus próprios filhos e filhas.
4. O Senhor entregou os israelitas em mãos de todos os reinos ao redor e deixou o seu território desolado, tornando-os objeto de caçoada e desprezo dos povos, entre os quais o Senhor os espalhou.
5. Foi assim que se tornaram vassalos e não senhores, pois pecamos contra o Senhor nosso Deus, quando deixamos de dar atenção à sua voz.
6. O Senhor nosso Deus é justo; hoje a vergonha pesa sobre nós e nossos antepassados.
7. Todas as ameaças que o Senhor havia pronunciado caíram sobre nós;
8. contudo, não aplacamos ao Senhor, convertendo-nos de nossa atitude perversa.
9. Por isso, o Senhor prestou atenção e nos enviou as desgraças com que nos havia ameaçado. O Senhor foi justo em tudo o que fez contra nós,
10. porque não lhe obedecemos, colocando em prática o que nos havia mandado.

SÚPLICA
11. Senhor, Deus de Israel, que tiraste o teu povo do Egito com mão poderosa, com sinais e prodígios, com grande força e braço firme, criando para ti uma fama que dura até hoje:
12. Nós pecamos, não guardamos respeito, praticamos a injustiça, ó Senhor, nosso Deus, contra todos os teus mandamentos;
13. afasta de nós a tua ira, pois nos tornamos um pequeno resto entre as nações por onde nos espalhaste.
14. Ouve, Senhor, a nossa prece e a nossa súplica, libertando-nos por causa da tua honra. Faz com que ganhemos o favor daqueles que nos exilaram,
15. a fim de que a terra fique sabendo que tu és o Senhor nosso Deus, pois o teu nome foi invocado sobre Israel e seus descendentes.
16. Senhor, do alto de tua santa morada, olha para nós. Inclina, Senhor, o teu ouvido e escuta.
17. Abre, Senhor, os teus olhos e observa: os mortos no túmulo com seus corpos já sem vida não podem cantar tua glória e tua justiça.
18. Aquele que geme sob o peso, andando encurvado e esgotado, olhos baixos, passando fome, é ele quem reconhece tua glória e tua justiça, Senhor.
19. Não é apoiados no que os nossos antepassados ou nossos reis praticaram de bom, que nós vimos implorar a tua misericórdia, Senhor nosso Deus.
20. O furor e a ira que derramaste sobre nós estão de acordo com o que falaste por meio dos profetas, teus servos. Eles disseram:
21. 'Assim fala o Senhor: Dobrem os ombros e submetam-se ao rei da Babilônia, para ficarem na terra que dei aos antepassados de vocês.
22. E se vocês desobedecerem ao Senhor e não se submeterem ao rei da Babilônia,
23. deixarei desertos os povoados de Judá e tirarei de Jerusalém os gritos de alegria, o barulho da festa, a voz do noivo e da noiva, e o país se transformará num lugar deserto e sem habitante'.
24. Nós, porém, não obedecemos à tua ordem de nos submetermos ao rei da Babilônia, e tu cumpriste a tua palavra anunciada pelos profetas, teus servos: tiraram da sepultura os ossos de nossos reis e antepassados
25. e os deixaram expostos ao calor do dia e ao frio da noite. Muitos morreram em situações terríveis: de fome, ao fio da espada ou de peste.
26. Por causa da maldade da casa de Israel e da casa de Judá, reduziste ao estado em que se encontra hoje o Templo sobre o qual teu nome foi invocado.
27. No entanto, agiste conosco, Senhor nosso Deus, em conformidade com tua imensa piedade e compaixão,
28. conforme falaste por meio do teu servo Moisés, quando o mandaste escrever a tua lei na presença de Israel:
29. 'Se vocês deixarem de ouvir a minha palavra, esta grande multidão ficará reduzida a uns poucos no meio das nações para onde a espalharei.
30. Eu sei que eles não vão me obedecer, porque são todos um povo que não abaixa a cabeça. Contudo, no exílio eles se converterão
31. e reconhecerão que eu sou o Senhor Deus deles. Então lhes darei inteligência e ouvidos dóceis
32. e, na terra do seu exílio, me louvarão e se lembrarão do meu nome.
33. Eles se arrependerão de sua rebeldia e do mau comportamento, pois se lembrarão do caminho de seus antepassados, que pecaram contra o Senhor.
34. Então, eu os levarei de volta para a terra que jurei dar aos seus antepassados Abraão, Isaac e Jacó. Eles a possuirão, eu os farei crescer, e eles nunca mais diminuirão.
35. Farei com eles uma aliança eterna: eu serei o Deus deles e eles serão o meu povo. Nunca mais vou expulsar meu povo Israel da terra que lhe dei'.

[Baruc 3]Baruc 3



1. Senhor todo-poderoso, Deus de Israel: é uma alma angustiada e um espírito aflito que clama por ti.
2. Ouve, Senhor, tem piedade, pois pecamos contra ti.
3. Tu reinas para sempre, e nós morremos para sempre.
4. Senhor todo-poderoso, Deus de Israel, ouve as preces daqueles que já estão mortos em Israel e as súplicas dos filhos daqueles que pecaram contra ti: eles desobedeceram ao Senhor seu Deus, e nós somos perseguidos pelas desgraças.
5. Não te lembres das injustiças de nossos antepassados; lembra-te, nesta hora, do teu poder e do teu nome.
6. Sim, porque tu és o nosso Deus, e nós te louvamos, ó Senhor.
7. Pois foi para isso que puseste o teu temor em nossos corações, para que invocássemos o teu nome. Nós te louvamos agora no exílio, pois afastamos do nosso coração toda a injustiça de nossos antepassados, que pecaram contra ti.
8. Hoje estamos no exílio, para onde nos expulsaste, a fim de sofrermos vergonha, maldição e insultos, para pagarmos por todas as injustiças de nossos antepassados, que se revoltaram contra o Senhor nosso Deus".

A SABEDORIA ENTRE OS HOMENS

ISRAEL ABANDONOU A FONTE DA SABEDORIA
9. Ouça, Israel, os mandamentos da vida, preste atenção para aprender a prudência.
10. Diga, Israel: por que você está numa terra inimiga, envelhecendo numa terra estrangeira?
11. Por que você se contamina com os cadáveres e é contado entre os que vão para a mansão dos mortos?
12. É porque você abandonou a fonte da sabedoria!
13. Se você tivesse andado nos caminhos de Deus, teria sempre vivido em paz.
14. Aprenda agora onde está a prudência, a força e a inteligência, para compreender onde está a vida longa, onde está a luz dos olhos e a paz.

NINGUÉM É CAPAZ DE ALCANÇAR A SABEDORIA
15. Mas quem descobriu a morada da sabedoria, quem penetrou em seus depósitos?
16. Onde estão os governantes das nações, os que dominam as feras da terra?
17. Onde estão os que se divertem com as aves do céu, os que ajuntam prata e ouro, riquezas em que os homens confiam e em cuja posse não põem limites?
18. Onde estão os que lavram a prata e a cinzelam, sem revelar o segredo de seus trabalhos?
19. Desapareceram, desceram à mansão dos mortos, e outros surgiram e tomaram o seu lugar.
20. Novas gerações viram a luz e vieram habitar a terra, mas não conheceram o caminho da ciência,
21. nem aprenderam suas veredas; nem mesmo seus filhos a puderam alcançar; pelo contrário, afastaram-se do caminho dela.
22. Em Canaã jamais se ouviu falar da sabedoria, e em Temã ela nunca foi vista.
23. Nem mesmo os filhos de Agar, que procuram a sabedoria em toda a terra, ou os comerciantes de Merrã e de Temã, que contam histórias e buscam o saber, nem eles conheceram os caminhos da sabedoria, nem se lembraram de suas veredas.
24. Como é grande, ó Israel, o Templo de Deus! Como é espaçoso o lugar do seu domínio;
25. grande e sem fim, alto e sem medidas!
26. Aí surgiram os famosos gigantes dos tempos antigos de enorme estatura e treinados para a guerra.
27. Não foi, porém, a eles que Deus escolheu nem lhes ensinou o caminho da ciência:
28. morreram porque não tinham prudência, pereceram por falta de reflexão.
29. Quem subiu até o céu para tomar a sabedoria e fazê-la descer das nuvens?
30. Quem atravessou o mar para encontrá-la, e comprá-la a preço de ouro puro?
31. Ninguém conhece o caminho dela, nem percebe as suas veredas.

A SABEDORIA É DOM DE DEUS
32. Aquele que tudo sabe conhece a sabedoria e penetrou-a com sua inteligência. Aquele que criou a terra para sempre e a encheu de animais;
33. ele envia a luz, e ela vai; chama-a de volta, e ela obedece com tremor.
34. As estrelas brilham alegres, cada uma em seu lugar;
35. ele as chama, e elas respondem: "Presente!" E brilham de alegria para aquele que as criou.
36. Ele é o nosso Deus, e nenhum outro a ele se compara.
37. Foi ele que encontrouo caminho da ciência e o deu a seu filho Jacó e a seu amado Israel.
38. Por isso, ela apareceu sobre a terra e viveu entre os homens.
Baruc 4

1. Ela é o livro dos mandamentos de Deus, a lei decretada para sempre: os que a guardam viverão, os que a abandonam morrerão.
2. Volte atrás, Jacó, e a receba; caminhe na claridade do seu esplendor;
3. não entregue a outros a glória que pertence a você, nem sua dignidade a um povo estrangeiro.
4. Felizes somos nós, Israel, pois conhecemos o que agrada a Deus.

CORAGEM, MEU POVO!

CONSEQÜÊNCIAS DA IDOLATRIA
5. Coragem, meu povo, você que leva o nome de Israel!
6. Vocês foram vendidos às nações, não para serem destruídos; mas, porque vocês provocaram a ira de Deus, então foram entregues aos inimigos.
7. Vocês irritaram o seu criador, sacrificando aos demônios, e não a Deus;
8. vocês esqueceram o Deus eterno que os alimentou e provocaram a tristeza de Jerusalém que sustentou vocês.

A VIÚVA ABANDONADA
9. Jerusalém viu cair sobre vocês a ira de Deus. Então ela disse: "Escutem, cidades vizinhas de Sião! Deus me trouxe um grande sofrimento:
10. Eu vi a prisão de meus filhos e filhas, trazida pelo Eterno.
11. Com alegria eu os tinha criado, deles me despedi, chorando e gemendo.
12. Ninguém se alegre mais comigo, pois agora estou viúva e abandonada. Se agora fiquei só e vazia, foi por causa dos pecados de meus filhos, que se desviaram da lei de Deus.
13. Eles não entenderam os mandamentos dele, não andaram pelos caminhos da lei de Deus e não entraram pelos trilhos da disciplina e da justiça.
14. Venham, cidades vizinhas de Sião: lembrem-se da prisão de meus filhos e filhas, trazida pelo Eterno.
15. Pois ele reuniu em torno de meus filhos um povo distante, um povo cruel e de linguagem estranha, que não respeitou os velhos nem teve dó das crianças.
16. Levaram embora os filhos queridos da viúva e a deixaram sozinha e sem filhas".

PERSEVEREM COM EMPENHO REDOBRADO
17. E eu, que posso fazer por vocês?
18. Somente Aquele que lhes enviou a desgraça poderá libertá-los do inimigo.
19. Vão embora, filhos meus, vão embora, enquanto eu fico sozinha.
20. Tirei o manto da paz e vesti a roupa de suplicante. Ficarei a vida inteira clamando ao Deus eterno.
21. Coragem, meus filhos! Clamem a Deus, e ele os livrará da opressão e das mãos dos inimigos.
22. De minha parte, espero da mão do Eterno a salvação de vocês; já chegou para mim a alegria que vem do Deus santo, porque o Eterno, seu salvador, logo terá misericórdia de vocês.
23. Entre lágrimas e gemidos eu me despedi de vocês; Deus, porém, fará vocês voltarem para mim, com festa e alegria que nunca irão terminar.
24. Da mesma forma que as cidades vizinhas de Sião viram há pouco vocês serem presos, assim, dentro em breve, elas verão a salvação que Deus lhes concederá, pois é com grande glória e brilho do Eterno que ela virá a vocês.
25. Filhos meus, suportem, animados, a ira de Deus que se voltou contra vocês. O inimigo os perseguiu; mas logo vocês verão a derrota deles e lhes pisarão no pescoço.
26. Meus filhos mimados passaram por caminho pedregoso tocados pelo inimigo como gado roubado.
27. Coragem, meus filhos, clamem a Deus! Ele mesmo que os provou se lembrará de vocês.
28. Da mesma forma como lhes veio, um dia, a idéia de abandonar a Deus, agora voltem a procurá-lo com redobrado empenho.
29. Aquele que lhes enviou tanta desgraça, lhes mandará também a alegria eterna da salvação.

CORAGEM, JERUSALÉM!
30. Jerusalém, tenha coragem! Aquele que lhe deu um nome a consolará.
31. Malditos os que fizeram mal a você ou ficaram contentes com a sua derrota!
32. Malditas as cidades que escravizaram os filhos de você! E maldita também aquela que os recebeu.
33. Pois, da mesma forma que se alegrou com a derrota de você e fez festa pela sua queda, assim também ela chorará por causa da sua própria destruição!
34. Tirarei dela a alegria de ser muito povoada, e o seu atrevimento se mudará em luto.
35. Sobre ela virá, para durar muito tempo, um fogo mandado pelo Eterno, e os demônios nela habitarão por longos anos.
36. Olhe para o nascente, Jerusalém, e veja a alegria que Deus manda para você.
37. Olhe! Estão voltando os filhos que você viu partir: reunidos pela palavra do Deus santo, desde o nascente até o poente, eles vêm festejando a glória de Deus.

[Baruc 5]Baruc 5





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   122   123   124   125   126   127   128   129   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal