Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO


Tudo o que servia de enfeite foi roubado; era livre, e agora se tornou escravo! 12



Baixar 5.7 Mb.
Página147/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   143   144   145   146   147   148   149   150   ...   197

11. Tudo o que servia de enfeite foi roubado; era livre, e agora se tornou escravo!
12. Vejam! Nosso santuário, que era nossa beleza e nosso orgulho, está deserto, profanado pelos pagãos!
13. Para que continuar vivendo?"
14. Matatias e seus filhos rasgaram as roupas, vestiram-se com pano de saco e fizeram grande luto.
15. Os funcionários do rei chegaram à cidade de Modin para fazer o povo mudar de religião e oferecer sacrifícios.
16. Muitos israelitas aderiram a eles, porém Matatias e seus filhos ficaram de lado.
17. Os funcionários do rei disseram a Matatias: "Você é personagem ilustre, homem importante nesta cidade, apoiado por filhos e parentes.
18. Então saia na frente para cumprir as determinações do rei, conforme fizeram todas as nações, os cidadãos de Judá e os que ficaram em Jerusalém. Assim você e seus filhos passarão a fazer parte dos amigos do rei e serão recompensados com prata, ouro e muitos presentes".
19. Matatias respondeu em voz alta: "Mesmo quando todas as nações que moram dentro dos domínios do rei obedecerem à sua ordem e abandonarem a religião dos seus antepassados para se conformarem com as determinações dele,
20. eu, meus filhos e meus parentes continuaremos vivendo de acordo com a Aliança dos nossos antepassados.
21. Deus nos livre de abandonar a Lei e as tradições!
22. Não! Nós não vamos obedecer às ordens do rei. Não vamos nos desviar da nossa religião, nem para a direita, nem para a esquerda".
23. Foi só Matatias acabar de falar isso, um judeu tomou a frente, diante de todos, para oferecer o sacrifício no altar de Modin, seguindo as determinações do rei.
24. Vendo isso, Matatias se indignou, tremeu de raiva e, num impulso da ira santa, avançou sobre o apóstata e o matou sobre o altar.
25. Imediatamente matou também o funcionário do rei, que obrigava o povo a oferecer o sacrifício, e demoliu o altar.
26. Ele estava agindo por amor à Lei, do mesmo modo como Finéias fez com Zambri, filho de Salu.
27. Depois disso, Matatias saiu gritando pela cidade: "Quem tiver amor pela Lei e quiser permanecer na Aliança, que me acompanhe".
28. Ele e seus filhos fugiram para as montanhas, abandonando na cidade tudo o que possuíam.

O SÁBADO FOI FEITO PARA O HOMEM
29. Muitos que amavam a justiça e o direito desceram para o deserto e aí ficaram
30. com seus filhos, mulheres e rebanhos, pois a perseguição contra eles aumentava.
31. Denunciaram aos oficiais do rei e à guarnição estabelecida em Jerusalém, na Cidade de Davi, que algumas pessoas tinham desobedecido às ordens do rei e descido para as cavernas do deserto.
32. Muitos desses homens do rei correram atrás deles e os alcançaram. Acamparam em volta deles e se organizaram para atacá-los num dia de sábado.
33. Tudo pronto, lhes disseram: "Agora chega! Saiam daí, façam aquilo que o rei mandou, e a vida de vocês estará salva".
34. Eles responderam: "Não sairemos, nem cumpriremos a ordem do rei, profanando o dia de sábado".
35. Então aqueles começaram a atacá-los.
36. Eles, porém, não reagiram, não atiraram uma única pedra, nem mesmo fecharam a entrada dos seus esconderijos.
37. Disseram apenas: "Vamos morrer com a consciência limpa. O céu e a terra são testemunhas de que vocês nos estão matando injustamente".
38. Assim mesmo, os homens do rei os atacaram em dia de sábado. E eles morreram, com suas mulheres, crianças e rebanhos. Eram cerca de mil pessoas.
39. Ao saber do caso, Matatias e seus companheiros choraram amargamente.
40. E comentavam entre si: "Se nós todos fizermos como esses nossos irmãos, se não lutarmos contra os pagãos por nossa vida e nossas tradições, eles, em breve, nos eliminarão da face da terra".
41. E nesse mesmo dia, eles tomaram esta decisão: "Lutaremos abertamente contra todo aquele que nos atacar em dia de sábado. Assim não morreremos todos, como nossos irmãos em seus esconderijos".
42. A partir daí, uniu-se a eles o grupo dos assideus, que eram israelitas fortes, corajosos e fiéis à Lei.
43. Além disso, todos os que conseguiam escapar das desgraças se uniam a eles e reforçavam ainda mais o grupo.
44. Desse modo, organizaram um exército e descarregaram sua fúria contra os pecadores e sua cólera contra os apóstatas. Os restantes fugiram, buscando refúgio entre os pagãos.
45. Depois disso, Matatias e seus companheiros fizeram incursões pelo país, derrubando os altares
46. e circuncidando à força os meninos que encontravam sem circuncisão no território de Israel.
47. Começaram a perseguir os soberbos, e a campanha teve sucesso.
48. Defenderam a Lei diante da prepotência dos povos e reis, e não deram braço a torcer aos pecadores.

A HONRA DO HOMEM DEPENDE DE DEUS
49. Quando foi chegando perto da morte, Matatias disse aos seus filhos: "Agora a insolência e o ultraje estão tendo muita força; é um tempo de destruição e ódio violento.
50. Portanto, meus filhos, cuidem de cumprir a Lei com zelo e dêem suas vidas para defender a Aliança de seus antepassados.
51. Lembrem-se de como agiram os antepassados no tempo deles, e vocês conseguirão honra sem par e fama para sempre.
52. Abraão foi fiel na prova, e isso lhe foi considerado como justiça.
53. José observou os mandamentos no tempo do perigo, e chegou a ser dono do Egito.
54. O nosso pai Finéias recebeu o encargo do sacerdócio permanente, por causa do seu grande zelo.
55. Josué tornou-se juiz de Israel, por ter obedecido à palavra.
56. Caleb recebeu uma terra em herança, por ter dado testemunho diante da comunidade.
57. Davi recebeu o trono de rei para sempre, por causa da sua bondade.
58. Elias foi arrebatado ao céu, por causa do seu ardente zelo pela Lei.
59. Ananias, Azarias e Misael foram salvos da fornalha, por causa da sua fé.
60. Daniel ficou livre da boca dos leões, por causa da sua inocência.
61. E assim, repassando as gerações, vocês compreenderão que jamais fraquejam aqueles que esperam em Deus.
62. Não temam as ameaças de um pecador, pois a glória dele se transformará em esterco e podridão.
63. Hoje ele é exaltado, mas amanhã desaparecerá: voltará ao pó de onde veio, e o seu projeto fracassará.
64. Meus filhos, sejam fortes e se apeguem firmemente à Lei, pois ela será a glória de vocês.
65. Aí está Simeão, irmão de vocês. Eu sei que ele é homem equilibrado. Obedeçam sempre a ele, e ele será um pai para vocês.
66. Judas Macabeu, homem corajoso desde moço, será o comandante do exército de vocês e dirigirá a guerra contra os pagãos.
67. Procurem reunir em torno de vocês todos os que praticam a Lei, para vingar o povo.
68. Façam os estrangeiros pagarem pelo mal que fizeram, e observem sempre os mandamentos da Lei".
69. Depois, Matatias os abençoou e se reuniu com seus antepassados.
70. Morreu no ano cento e quarenta e seis, e foi sepultado em Modin, no túmulo da sua família. Todo o Israel lamentou muito a sua morte.

[I Macabeus 3]III. JUDAS MACABEU, LÍDER DA RESISTÊNCIA



I Macabeus 3

UM HERÓI POPULAR
1. No lugar de Matatias ficou o seu filho Judas, apelidado Macabeu.
2. Seus irmãos e todos os que tinham ficado do lado de seu pai lhe deram apoio e partiram com entusiasmo, lutando por Israel.
3. Judas alargou a fama do seu povo; vestiu a couraça como gigante, empunhou as armas e sustentou muitas batalhas, defendendo o acampamento com a espada.
4. Por suas façanhas parecia um leão, um leãozinho rugindo em cima da presa.
5. Farejava e desentocava os apóstatas, e queimava os que perturbavam o seu povo.
6. Com medo de Judas, os apóstatas se acovardaram e os malfeitores ficaram confundidos. Por meio dele, a libertação triunfou.
7. Ele causou dissabores a muitos reis, porém alegrou Jacó com suas façanhas, e sua memória será sempre elogiada.
8. Percorreu as cidades de Judá, exterminando os injustos, e afastou de Israel a ira divina.
9. Sua fama percorreu todo o país, porque ele reuniu um povo que estava morrendo.

DE ONDE VEM A FORÇA DOS FRACOS?
10. Apolônio reuniu pagãos e um forte contingente militar da Samaria, a fim de lutar contra Israel.
11. Ao saber disso, Judas saiu para enfrentá-lo. Conseguiu vencer e matar Apolônio, do qual muitos soldados tombaram mortos, e o resto fugiu.
12. Ao recolher os despojos, Judas pegou a espada de Apolônio e, daí para a frente, passou a lutar sempre com ela.
13. Seron, general do exército sírio, ouviu falar que Judas tinha reunido em torno de si um partido numeroso, formado de homens fiéis e dispostos para a guerra.
14. Ele pensou: "Vou ficar famoso e ganhar prestígio no reino, lutando contra Judas e seus partidários, que desprezam as ordens do rei".
15. Então Seron se preparou, e a ele se ajuntou um grande exército de gente ímpia, que subiu com ele para vingar-se dos israelitas.
16. Seron avançou até a subida de Bet-Horon, onde Judas foi enfrentá-lo com pouca gente.
17. Ao ver a multidão que vinha se aproximando para enfrentá-los, os homens de Judas lhe disseram: "Somos poucos. Como é que podemos enfrentar essa multidão forte e armada? Além disso, estamos cansados. Hoje ainda não comemos nada".
18. Judas respondeu: "Não é difícil que muitos caiam na mão de poucos. Não faz diferença para Deus salvar com poucos ou salvar com muitos.
19. A vitória na guerra não depende da multidão de soldados, mas da força que vem do céu.
20. Eles vêm contra nós cheios de insolência e injustiça, para eliminar a nós, nossas mulheres e nossos filhos, e levar tudo o que temos.
21. Nós, porém, lutamos por nossa vida e nossas leis.
22. Por isso, Deus vai esmagá-los diante de nós! Não tenham medo".
23. Judas terminou de falar e os atacou de surpresa. E Seron com seu exército foram esmagados diante de Judas.
24. Os homens de Judas perseguiram o inimigo pela baixada de Bet-Horon, até a planície. Seron perdeu oitocentos homens, e o resto fugiu para a região dos filisteus.
25. Então Judas e seus companheiros começaram a ser temidos, e o pavor dominou as nações vizinhas.
26. Sua fama chegou até o rei, porque todas as nações comentavam as batalhas de Judas.

OS FRACOS INCOMODAM OS PODEROSOS
27. Logo que soube disso, o rei Antíoco ficou furioso e mandou concentrar todas as forças do reino, formando um exército poderosíssimo.
28. Abriu seu tesouro e adiantou o soldo de um ano para todo o exército, ordenando que ficasse de prontidão para qualquer eventualidade.
29. Percebeu, porém, que as reservas do tesouro não bastavam e as entradas que vinham das províncias eram poucas, por causa das revoltas e ruínas que ele tinha espalhado no país, para acabar com as leis antigas.
30. E ficou com medo de não ter, como já havia acontecido outras vezes, o suficiente para as despesas e para os presentes que costumava distribuir mais que os reis anteriores.
31. Vendo-se em apuros, resolveu recorrer à Pérsia, para recolher os tributos daquelas províncias e ajuntar grande soma de dinheiro.
32. Antes disso, deixou Lísias, membro distinto da família real, à frente dos negócios do rei, desde o rio Eufrates até a fronteira do Egito.
33. Encarregou-o de cuidar do seu filho Antíoco, até a sua volta.
34. Colocou sob o comando dele a metade de suas tropas, inclusive os elefantes, e o encarregou de tudo o que estava querendo, especialmente com relação aos habitantes da Judéia e de Jerusalém.
35. Lísias deveria mandar um exército para derrotar e destruir o exército de Israel e o que ainda restasse em Jerusalém, fazendo assim desaparecer desse lugar a lembrança dessa gente.
36. Depois, Lísias deveria colocar estrangeiros em todo o território e dividir o país em lotes.
37. Levando a metade de suas tropas, o rei partiu de Antioquia, capital do seu reino, no ano cento e quarenta e sete. Depois de atravessar o rio Eufrates, percorreu as províncias do planalto.
38. Lísias escolheu Ptolomeu, filho de Dorímenes, e Nicanor com Górgias, homens poderosos e influentes no reino,
39. e os enviou com quarenta mil homens de infantaria e sete mil cavaleiros, a fim de invadir o país de Judá e arrasá-lo, conforme as determinações do rei.
40. Puseram-se em marcha com todo o exército e acamparam na planície, perto de Emaús.
41. Quando os traficantes da região souberam da notícia, correram para o acampamento com grande quantidade de prata, ouro e correntes, a fim de comprar os israelitas como escravos. Ao exército juntaram-se ainda tropas edomitas e filistéias.

CORAGEM PARA A LUTA DECISIVA
42. Judas e seus companheiros perceberam que a situação estava se agravando muito: o exército inimigo já estava acampado na região. Eles ficaram também sabendo que o rei tinha dado ordens para destruir e exterminar o povo.
43. E comentaram: "Vamos reerguer da ruína o nosso povo. Vamos lutar pelo nosso povo e pelo Templo".
44. Então foi convocada uma assembléia, a fim de que todos pudessem estar preparados para a luta e também para rezar, pedindo a Deus piedade e compaixão.
45. Jerusalém estava despovoada como um deserto. Nenhum de seus filhos entrava nem saía. O santuário foi pisoteado. E os estrangeiros ocupavam a fortaleza, transformada em hospedaria de pagãos. Jacó perdeu a alegria, e não se ouviam mais nem a flauta nem a cítara.
46. Reuniram-se todos e foram para Masfa, lugar que fica bem defronte a Jerusalém, porque aí foi o primeiro lugar de oração em Israel.
47. Nesse dia, eles jejuaram, vestiram-se de luto, puseram cinza na cabeça e rasgaram as roupas.
48. Depois desenrolaram o livro da Lei, para consultá-lo, da mesma forma que os pagãos consultavam seus ídolos.
49. Levaram também as vestimentas dos sacerdotes, os primeiros frutos e os dízimos, e convocaram os nazireus que tinham terminado o tempo do seu voto.
50. Todos levantaram a voz para o céu, gritando: "O que podemos fazer com essa gente? Para onde os levaremos?
51. Teu Templo foi pisoteado e profanado, teus sacerdotes estão de luto e humilhados!
52. Vê! Os pagãos se uniram contra nós, para nos aniquilar. Tu bem sabes o que eles planejam contra nós.
53. Como poderemos resistir, se tu não nos ajudares?"
54. Em seguida, tocaram as trombetas e levantaram grande clamor.
55. Então Judas nomeou os comandantes do exército: comandantes de mil, de cem, de cinqüenta e de dez.
56. Mandou voltar para casa os que estavam construindo, os que tinham acabado de se casar, os que estavam plantando lavoura de uvas e os que andavam com medo, tudo conforme a Lei ordena.
57. Então o exército levantou acampamento e foi acampar ao sul de Emaús.
58. Judas ordenou: "Preparem-se. Sejam firmes e corajosos e estejam prontos para amanhã entrar em combate contra esses pagãos. Eles se aliaram contra nós, com a intenção de nos destruir, a nós e ao nosso Templo.
59. É melhor morrer na batalha do que ficar olhando a desgraça do nosso povo e do nosso Templo.
60. Seja feita a vontade de Deus".

[I Macabeus 4]I Macabeus 4



MEMÓRIA E DISCERNIMENTO
1. Górgias pegou cinco mil soldados de infantaria e mil cavaleiros escolhidos. Saiu de noite
2. para poder atacar de surpresa o acampamento dos judeus e acabar com eles de uma vez. O pessoal da fortaleza serviu-lhes de guia.
3. Sabendo do plano, Judas levantou acampamento com o seu exército e foi atacar a parte do exército do rei que tinha ficado em Emaús,
4. enquanto alguns batalhões estavam longe do acampamento.
5. Quando Górgias chegou, de noite, ao acampamento de Judas, não encontrou ninguém. Então começou a procurá-los pelos morros, pensando que tivessem fugido.
6. Ao amanhecer, Judas chegou à planície com três mil homens, mas sem escudos e espadas suficientes.
7. Quando viram que o acampamento dos pagãos era forte e estava bem guardado, rodeado de cavaleiros treinados para a guerra,
8. Judas disse a seus homens: "Não tenham medo da quantidade deles, nem se apavorem com seu ataque.
9. Lembrem-se de como nossos antepassados foram salvos no mar Vermelho, quando o Faraó com o seu exército os perseguia.
10. Vamos gritar a Deus para que nos ajude e se lembre da Aliança com os nossos antepassados e derrote hoje esse exército que está à nossa frente.
11. Então todas as nações reconhecerão que existe alguém que resgata e liberta Israel".
12. Quando os estrangeiros levantaram os olhos e os viram chegando pela frente,
13. saíram do acampamento para a batalha. Os homens de Judas tocaram a trombeta
14. e atacaram. Os pagãos foram derrotados e fugiram para a planície.
15. Os que estavam na retaguarda foram mortos à espada. Os israelitas os perseguiram até Gazara e até as planícies da Iduméia, de Azoto e de Jâmnia. E o inimigo perdeu cerca de três mil homens.
16. Ao voltar da perseguição aos fugitivos,
17. Judas falou aos soldados: "Não fiquem cobiçando os despojos, pois temos mais um combate pela frente:
18. Górgias e seu batalhão estão no monte aqui perto de nós. Sejam firmes contra nossos inimigos e lutem contra eles. Depois, poderão recolher os despojos com toda a tranqüilidade".
19. Judas ainda falava, quando se avistou uma patrulha deles espionando do alto do monte.
20. A patrulha viu que os companheiros tinham fugido e que o acampamento estava incendiado: a fumaça que se via denunciava o que tinha acontecido.
21. Ao ver isso, ficaram completamente apavorados e, quando viram o exército de Judas na planície, preparado para o confronto,
22. fugiram todos para a região dos filisteus.
23. Então Judas voltou para saquear o acampamento: pegou muito ouro e prata, tecidos de púrpura comum e de púrpura marinha, e muita coisa de valor.
24. Voltaram cantando hinos e louvando a Deus, "porque ele é bom e seu amor é para sempre".
25. E, nesse dia, Israel conseguiu uma grande vitória.
26. Os estrangeiros que fugiram foram contar a Lísias tudo o que tinha acontecido.
27. Ao ouvir a notícia, ele ficou transtornado e abatido, pois as coisas contra Israel não tinham acontecido como ele esperava, e o resultado era o contrário do que o rei havia previsto.

VITÓRIA EM LUTA DESIGUAL
28. No ano seguinte, Lísias recrutou sessenta mil combatentes de elite e cinco mil cavaleiros, a fim de subjugar os judeus.
29. Eles foram para a Iduméia e acamparam em Betsur, mas Judas saiu para enfrentá-los com dez mil homens.
30. Ao ver tão poderoso exército, Judas rezou: "Bendito sejas tu, Salvador de Israel, que derrotaste a força de um gigante pela mão do teu servo Davi, e que entregaste o exército dos filisteus nas mãos de Jônatas, filho de Saul, e do seu escudeiro.
31. Assim também, entrega esse exército nas mãos do teu povo Israel, e que seus soldados e cavaleiros fiquem envergonhados.
32. Amedronta-os e quebra o orgulho do seu poderio, para que sejam afogados pela derrota.
33. Derruba-os com a espada dos que te amam, para que todos os que conhecem o teu Nome te celebrem com hinos".
34. Avançaram uns contra os outros, e cerca de cinco mil do exército de Lísias caíram na luta corpo a corpo.
35. Ao ver a derrota do seu exército e a coragem do grupo de Judas, disposto corajosamente a viver ou morrer, Lísias foi para Antioquia e começou a recrutar um exército ainda mais numeroso, a fim de voltar à Judéia.

COMEMORAÇÃO DA VITÓRIA
36. Judas e seus companheiros fizeram esta proposta: "Agora que derrotamos o inimigo, vamos purificar e consagrar o Templo".
37. O exército inteiro se reuniu e subiu o monte Sião.
38. Aí viram o santuário abandonado, o altar profanado, as portas incendiadas, o mato crescendo nos pátios, como se fosse em campo aberto ou nas montanhas, e os aposentos destruídos.
39. Então rasgaram as roupas e fizeram grande luto, jogando cinza na cabeça
40. e prostrando-se por terra. Depois tocaram a trombeta e clamaram ao céu.
41. Judas destacou alguns homens para que contivessem os que estavam na fortaleza, enquanto se purificava o Templo.
42. Para isso, escolheu sacerdotes sem defeito físico e que seguiam a Lei.
43. Eles purificaram o Templo e jogaram as pedras que o contaminavam num lugar impuro.
44. Puseram-se, então, a discutir a respeito do altar dos holocaustos que fora profanado,
45. e tiveram a idéia de destruí-lo. Assim não ficariam envergonhados pelo fato de os pagãos o terem profanado. Demoliram o altar,
46. e puseram as pedras no monte do Templo, num lugar conveniente, até que aparecesse um profeta e resolvesse o caso.
47. Então pegaram pedras brutas, conforme manda a Lei, e com elas construíram um altar novo, igual ao anterior.
48. Restauraram o Templo e consagraram a parte interna do santuário e os pátios.
49. Fizeram novos objetos de culto, e colocaram dentro do Templo o candelabro, o altar do incenso e a mesa.
50. Queimaram incenso sobre o altar e acenderam as lâmpadas do candelabro, para que iluminassem o Templo.
51. Colocaram os pães em ordem sobre a mesa, penduraram as cortinas e deram por terminado todo o trabalho.
52. Na madrugada do dia vinte e cinco do nono mês, chamado Casleu, do ano cento e quarenta e oito,
53. ofereceram um sacrifício de acordo com a Lei, sobre o novo altar dos holocaustos que tinham construído.
54. Exatamente no mesmo dia e mês em que os pagãos o tinham profanado, o altar foi consagrado em meio a cânticos e música ao som de cítaras, harpas e címbalos.
55. Todo o povo se prostrou por terra, adorando e louvando a Deus, que lhes tinha dado sucesso.
56. Celebraram a consagração do altar durante oito dias, oferecendo alegremente holocaustos com sacrifícios de comunhão e ação de graças.
57. Enfeitaram a fachada do Templo com coroas douradas e escudos. Consagraram os portais e os aposentos, onde colocaram portas.
58. A alegria do povo foi muito grande. Assim estava cancelada a afronta imposta pelos pagãos.
59. Judas, com seus irmãos e toda a assembléia de Israel, determinou que se comemorasse anualmente a nova consagração do altar, com festas solenes durante oito dias, a partir do dia vinte e cinco do mês de Casleu.
60. Nessa ocasião, construíram, em volta do monte Sião, muralhas altas com torres bem fortes, para que os pagãos nunca mais entrassem e as destruíssem, como haviam feito antes.
61. Judas deixou aí um destacamento, para defender o monte. Também fortificou Betsur, para que o povo ficasse protegido contra a Iduméia.

[I Macabeus 5]I Macabeus 5





Compartilhe com seus amigos:
1   ...   143   144   145   146   147   148   149   150   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal