Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO


se uma família se divide em grupos que brigam entre si, essa família não poderá durar. 26



Baixar 5.7 Mb.
Página160/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   156   157   158   159   160   161   162   163   ...   197

25. se uma família se divide em grupos que brigam entre si, essa família não poderá durar.
26. Portanto, se Satanás se levanta e se divide em grupos que lutam entre si, ele não poderá sobreviver, mas também será destruído.
27. Ninguém pode entrar na casa de um homem forte para roubar suas coisas, se antes não amarrar o homem forte. Só depois poderá roubar a sua casa.
28. Eu garanto a vocês: tudo será perdoado aos homens, tanto os pecados como as blasfêmias que tiverem dito.
29. Mas, quem blasfemar contra o Espírito Santo, nunca será perdoado, pois a culpa desse pecado dura para sempre."
30. Jesus falou isso porque estavam dizendo: "Ele está possuído por um espírito mau."

A VERDADEIRA FAMÍLIA DE JESUS
31. Nisso chegaram a mãe e os irmãos de Jesus; ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo:
32. Havia uma multidão sentada ao redor de Jesus. Então lhe disseram: "Olha, tua mãe e teus irmãos estão aí fora e te procuram."
33. Jesus perguntou: "Quem é minha mãe e meus irmãos?"
34. Então Jesus olhou para as pessoas que estavam sentadas ao seu redor e disse: "Aqui estão minha mãe e meus irmãos.
35. Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe."

[Marcos 4]Marcos 4



JESUS TERÁ ÊXITO NA SUA MISSÃO
1. Jesus começou a ensinar de novo às margens do mar da Galiléia. Uma multidão se reuniu em volta dele. Por isso, Jesus entrou numa barca e sentou-se. A barca estava no mar, enquanto a multidão estava junto ao mar, na praia.
2. Jesus ensinava-lhes muitas coisas com parábolas. No seu ensinamento dizia para eles:
3. "Escutem. Um homem saiu para semear.
4. Enquanto semeava, uma parte caiu à beira do caminho; os passarinhos foram e comeram tudo.
5. Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra; brotou logo, porque a terra não era profunda.
6. Porém, quando saiu o sol, os brotos se queimaram e secaram, porque não tinham raiz.
7. Outra parte caiu no meio dos espinhos. Os espinhos cresceram, a sufocaram, e ela não deu fruto.
8. Outra parte caiu em terra boa e deu fruto, brotando e crescendo: rendeu trinta, sessenta e até cem por um."
9. E Jesus dizia: "Quem tem ouvidos para ouvir, ouça!"

O MISTÉRIO DA MISSÃO DE JESUS
10. Quando Jesus ficou sozinho, os que estavam com ele, junto com os Doze, perguntaram o que significavam as parábolas.
11. Jesus disse para eles: "Para vocês, foi dado o mistério do Reino de Deus; para os que estão fora tudo acontece em parábolas,
12. para que olhem, mas não vejam, escutem, mas não compreendam, para que não se convertam e não sejam perdoados."

OS HOMENS DIANTE DA MISSÃO DE JESUS
13. Jesus lhes perguntou: "Vocês não compreendem essa parábola? Como então vão compreender todas as outras parábolas?
14. O semeador semeia a Palavra.
15. Os que estão à beira do caminho são aqueles nos quais a Palavra foi semeada; logo que a ouvem, chega Satanás e tira a Palavra que foi semeada neles.
16. Do mesmo modo, os que recebem a semente em terreno pedregoso, são aqueles que ouvem a Palavra e a recebem com alegria;
17. mas eles não têm raiz em si mesmos: são inconstantes, e, quando chega uma tribulação ou perseguição por causa da Palavra, eles logo desistem.
18. Outros recebem a semente entre os espinhos: são aqueles que ouvem a Palavra;
19. mas surgem as preocupações do mundo, a ilusão da riqueza e todos os outros desejos, que sufocam a Palavra, e ela fica sem dar fruto.
20. Por fim, aqueles que receberam a semente em terreno bom, são os que ouvem a Palavra, a recebem e dão fruto; um dá trinta, outro sessenta e outro cem por um."

OUVIR E AGIR
21. Jesus continuou: "Quem é que traz uma lâmpada para colocá-la debaixo de uma vasilha ou debaixo da cama? Não a coloca no candeeiro?
22. Com efeito, tudo o que está escondido deverá tornar-se manifesto, e tudo o que está em segredo deverá ser descoberto.
23. Se alguém tem ouvidos para ouvir, ouça."
24. E Jesus dizia ainda: "Prestem atenção no que vocês ouvem: com a mesma medida com que vocês medirem, também vocês serão medidos; e será dado ainda mais para vocês.
25. Para aquele que tem alguma coisa, será dado ainda mais; para aquele que não tem, será tirado até mesmo o que ele tem."

A MISSÃO DE JESUS É IRRESISTÍVEL
26. E Jesus continuou dizendo: "O Reino de Deus é como um homem que espalha a semente na terra.
27. Depois ele dorme e acorda, noite e dia, e a semente vai brotando e crescendo, mas o homem não sabe como isso acontece.
28. A terra produz fruto por si mesma: primeiro aparecem as folhas, depois a espiga e, por fim, os grãos enchem a espiga.
29. Quando as espigas estão maduras, o homem corta com a foice, porque o tempo da colheita chegou."

A MISSÃO ATINGE O MUNDO INTEIRO
30. Jesus dizia ainda: "Com que coisa podemos comparar o Reino de Deus? Que parábola podemos usar?
31. O Reino é como uma semente de mostarda, que é a menor de todas as sementes da terra.
32. Mas, quando é semeada, a mostarda cresce e torna-se maior que todas as plantas; ela dá ramos grandes, de modo que os pássaros do céu podem fazer ninhos em sua sombra."
33. Jesus anunciava a Palavra usando muitas outras parábolas como essa, conforme eles podiam compreender.
34. Para a multidão Jesus só falava com parábolas, mas, quando estava sozinho com os discípulos, ele explicava tudo.

JESUS É O SENHOR DA HISTÓRIA
35. Nesse dia, quando chegou a tarde, Jesus disse a seus discípulos: "Vamos para o outro lado do mar."
36. Então os discípulos deixaram a multidão e o levaram na barca, onde Jesus já se encontrava. E outras barcas estavam com ele.
37. Começou a soprar um vento muito forte, e as ondas se lançavam dentro da barca, de modo que a barca já estava se enchendo de água.
38. Jesus estava na parte de trás da barca, dormindo com a cabeça num travesseiro. Os discípulos o acordaram e disseram: "Mestre, não te importa que nós morramos?"
39. Então Jesus se levantou e ameaçou o vento e disse ao mar: "Cale-se! Acalme-se!" O vento parou e tudo ficou calmo.
40. Depois Jesus perguntou aos discípulos: "Por que vocês são tão medrosos? Vocês ainda não têm fé?"
41. Os discípulos ficaram muito cheios de medo e diziam uns aos outros: "Quem é esse homem, a quem até o vento e o mar obedecem?"

[Marcos 5]Marcos 5



LIBERTAR O HOMEM OU POSSUIR BENS?
1. Jesus e seus discípulos chegaram à outra margem do mar, na região dos gerasenos.
2. Logo que Jesus saiu da barca, um homem possuído por um espírito mau saiu de um cemitério e foi ao seu encontro.
3. Esse homem morava no meio dos túmulos e ninguém conseguia amarrá-lo, nem mesmo com correntes.
4. Muitas vezes tinha sido amarrado com algemas e correntes, mas ele arrebentava as correntes e quebrava as algemas. E ninguém era capaz de dominá-lo.
5. Dia e noite ele vagava entre os túmulos e pelos montes, gritando e ferindo-se com pedras.
6. Vendo Jesus de longe, o endemoninhado correu, caiu de joelhos diante dele
7. e gritou bem alto: "Que há entre mim e ti, Jesus, Filho do Deus altíssimo? Eu te peço por Deus, não me atormentes!"
8. O homem falou assim, porque Jesus tinha dito: "Espírito mau, saia desse homem!"
9. Então Jesus perguntou: "Qual é o seu nome?" O homem respondeu: "Meu nome é 'Legião', porque somos muitos."
10. E pedia com insistência para que Jesus não o expulsasse da região.
11. Havia aí perto uma grande manada de porcos, pastando na montanha.
12. Os espíritos maus suplicaram: "Manda-nos para os porcos, para que entremos neles."
13. Jesus deixou. Os espíritos maus saíram do homem e entraram nos porcos. E a manada - mais ou menos uns dois mil porcos - atirou-se monte abaixo para dentro do mar, onde se afogou.
14. Os homens que guardavam os porcos saíram correndo e espalharam a notícia na cidade e nos campos. E as pessoas foram ver o que tinha acontecido.
15. Foram até Jesus, viram o endemoninhado sentado, vestido e no seu perfeito juízo, ele que antes estava possuído pela Legião. E ficaram com medo.
16. Os que tinham presenciado o fato explicaram para as pessoas o que tinha acontecido com o endemoninhado e com os porcos.
17. Então começaram a suplicar que Jesus fosse embora da região deles.
18. Enquanto Jesus entrava de novo na barca, o homem que tinha sido endemoninhado pediu-lhe que o deixasse ficar com ele.
19. Jesus, porém, não deixou. E, em troca, lhe disse: "Vá para casa, para junto dos seus, e anuncie para eles tudo o que o Senhor, em sua misericórdia, fez por você."
20. Então o homem foi embora e começou a pregar pela Decápole tudo o que Jesus tinha feito por ele. E todos ficavam admirados.

RESTAURAR OS HOMENS NA VIDA TOTAL
21. Jesus atravessou de barca novamente para o outro lado do mar. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia.
22. Aproximou-se um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés,
23. e pediu com insistência: "Minha filhinha está morrendo. Vem e põe as mãos sobre ela, para que sare e viva."
24. Jesus acompanhou Jairo. E numerosa multidão o seguia e o apertava de todos os lados.
25. Aí chegou uma mulher que sofria de hemorragia já há doze anos;
26. tinha padecido na mão de muitos médicos, gastou tudo o que tinha e, em vez de melhorar, piorava sempre mais.
27. A mulher tinha ouvido falar de Jesus. Então ela foi no meio da multidão, aproximou-se de Jesus por trás e tocou na roupa dele,
28. porque pensava: "Ainda que eu toque só na roupa dele, ficarei curada."
29. A hemorragia parou imediatamente. E a mulher sentiu no corpo que estava curada da doença.
30. Jesus percebeu imediatamente que uma força tinha saído dele. Então virou-se no meio da multidão e perguntou: "Quem foi que tocou na minha roupa?"
31. Os discípulos disseram: "Estás vendo a multidão que te aperta e ainda perguntas: 'quem me tocou?'"
32. Mas Jesus ficou olhando em volta para ver quem tinha feito aquilo.
33. A mulher, cheia de medo e tremendo, percebeu o que lhe havia acontecido. Então foi, caiu aos pés de Jesus e contou toda a verdade.
34. Jesus disse à mulher: "Minha filha, sua fé curou você. Vá em paz e fique curada dessa doença."
35. Jesus ainda estava falando, quando chegaram algumas pessoas da casa do chefe da sinagoga e disseram a Jairo: "Sua filha morreu. Por que você ainda incomoda o Mestre?"
36. Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: "Não tenha medo; apenas tenha fé!"
37. E Jesus não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João.
38. Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e ouviu as pessoas chorando e gritando.
39. Jesus entrou e disse: "Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu. Ela está apenas dormindo."
40. As pessoas começaram a zombar dele. Mas Jesus mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde a menina estava.
41. Jesus pegou a menina pela mão e disse: "Talita cúmi", que quer dizer: "Menina, - eu lhe digo - levante-se!"
42. A menina levantou-se imediatamente e começou a andar, pois já tinha doze anos. E todos ficaram muito admirados.
43. Jesus recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo disso. E mandou dar comida para a menina.

[Marcos 6]Marcos 6



O ESCÂNDALO DA ENCARNAÇÃO
1. Jesus foi para Nazaré, sua terra, e seus discípulos o acompanharam.
2. Quando chegou o sábado, Jesus começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o escutavam ficavam admirados e diziam: "De onde vem tudo isso? Onde foi que arranjou tanta sabedoria? E esses milagres que são realizados pelas mãos dele?
3. Esse homem não é o carpinteiro, o filho de Maria e irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? E suas irmãs não moram aqui conosco?" E ficaram escandalizados por causa de Jesus.
4. Então Jesus dizia para eles que um profeta só não é estimado em sua própria pátria, entre seus parentes e em sua família.
5. E Jesus não pôde fazer milagres em Nazaré. Apenas curou alguns doentes, pondo as mãos sobre eles.
6. E Jesus ficou admirado com a falta de fé deles.

A CEGUEIRA DOS DISCÍPULOS

A MISSÃO DOS DISCÍPULOS Jesus começou a percorrer as redondezas, ensinando nos povoados.
7. Chamou os doze discípulos, começou a enviá-los dois a dois e dava-lhes poder sobre os espíritos maus.
8. Jesus recomendou que não levassem nada pelo caminho, além de um bastão; nem pão, nem sacola, nem dinheiro na cintura.
9. Mandou que andassem de sandálias e que não levassem duas túnicas.
10. E Jesus disse ainda: "Quando vocês entrarem numa casa, fiquem aí até partirem.
11. Se vocês forem mal recebidos num lugar e o povo não escutar vocês, quando saírem sacudam a poeira dos pés como protesto contra eles."
12. Então os discípulos partiram e pregaram para que as pessoas se convertessem.
13. Expulsavam muitos demônios e curavam muitos doentes, ungindo-os com óleo.

O BANQUETE DA MORTE
14. O rei Herodes ouviu falar de Jesus, cujo nome tinha-se tornado famoso. Alguns diziam: "João Batista ressuscitou dos mortos. É por isso que os poderes agem nesse homem."
15. Outros diziam: "É Elias." Outros diziam ainda: "É um profeta como os profetas antigos."
16. Ouvindo essas coisas, Herodes disse: "Ele é João Batista. Eu mandei cortar a cabeça dele, mas ele ressuscitou!"
17. De fato, Herodes tinha mandado prender João, amarrá-lo e colocá-lo na prisão. Fez isso por causa de Herodíades, com quem tinha casado, apesar de ser ela a mulher do seu irmão Filipe.
18. João dizia a Herodes: "Não é permitido você se casar com a mulher do seu irmão."
19. Por isso, Herodíades ficou com raiva de João e queria matá-lo, mas não podia.
20. Com efeito, Herodes tinha medo de João, pois sabia que ele era justo e santo, e por isso o protegia. Gostava de ouvi-lo, embora ficasse embaraçado quando o escutava.
21. Finalmente chegou o dia oportuno. Era o aniversário de Herodes. E ele fez um banquete para os grandes da corte, os oficiais e os cidadãos importantes da Galiléia.
22. A filha de Herodíades entrou e dançou, agradando a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à moça: "Peça o que quiser e eu darei a você."
23. E jurou: "Juro que darei qualquer coisa que você me pedir, mesmo que seja a metade do meu reino."
24. A moça saiu e perguntou à mãe: "O que vou pedir?" A mãe respondeu: "A cabeça de João Batista."
25. A moça correu para a sala e pediu ao rei: "Quero que me dê agora, num prato, a cabeça de João Batista."
26. O rei ficou muito triste. Mas não pôde recusar, pois tinha feito o juramento na frente dos convidados.
27. Imediatamente o rei mandou que um soldado fosse buscar a cabeça de João. O soldado saiu, foi à prisão e cortou a cabeça de João.
28. Depois levou a cabeça num prato, deu à moça, e esta a entregou à sua mãe.
29. Ao saber disso, os discípulos de João foram, levaram o cadáver e o sepultaram.

O BANQUETE DA VIDA
30. Os apóstolos se reuniram com Jesus e contaram tudo o que haviam feito e ensinado.
31. Havia aí tanta gente que chegava e saía, a tal ponto que Jesus e os discípulos não tinham tempo nem para comer. Então Jesus disse para eles: "Vamos sozinhos para algum lugar deserto, para que vocês descansem um pouco."
32. Então foram sozinhos, de barca, para um lugar deserto e afastado.
33. Muitas pessoas, porém, os viram partir. Sabendo que eram eles, saíram de todas as cidades, correram na frente, a pé, e chegaram lá antes deles.
34. Quando saiu da barca, Jesus viu uma grande multidão e teve compaixão, porque eles estavam como ovelhas sem pastor. Então começou a ensinar muitas coisas para eles.
35. Quando estava ficando tarde, os discípulos chegaram perto de Jesus e disseram: "Este lugar é deserto e já é tarde.
36. Despede o povo, para que possa ir aos campos e povoados vizinhos comprar alguma coisa para comer."
37. Mas Jesus respondeu: "Vocês é que têm de lhes dar de comer." Os discípulos perguntaram: "Devemos gastar meio ano de salário e comprar pão para dar-lhes de comer?"
38. Jesus perguntou: "Quantos pães vocês têm? Vão ver." Eles foram e responderam: "Cinco pães e dois peixes."
39. Então Jesus mandou que todos se sentassem na grama verde, formando grupos.
40. E todos se sentaram, formando grupos de cem e de cinqüenta pessoas.
41. Depois Jesus pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu, pronunciou a bênção, partiu os pães e ia dando aos discípulos, para que os distribuíssem. Dividiu entre todos também os dois peixes.
42. Todos comeram, ficaram satisfeitos,
43. e recolheram doze cestos cheios de pedaços de pão e também dos peixes.
44. O número dos que comeram os pães era de cinco mil homens.

JESUS É A PRESENÇA DE DEUS
45. Logo em seguida Jesus obrigou os discípulos a entrar na barca e ir na frente para Betsaida, enquanto ele despedia a multidão.
46. Logo depois de se despedir da multidão subiu ao monte para rezar.
47. Ao anoitecer, a barca estava no meio do mar e Jesus sozinho em terra.
48. Viu que os discípulos estavam cansados de remar, porque o vento era contrário. Então, entre as três e as seis horas da madrugada, Jesus foi até os discípulos andando sobre o mar, e queria passar na frente deles.
49. Quando os discípulos o avistaram andando sobre o mar, pensaram que era um fantasma e começaram a gritar.
50. Com efeito, todos o tinham visto e ficaram assustados. Mas Jesus logo falou: "Coragem! Sou eu, não tenham medo!"
51. Então subiu com eles na barca. E o vento parou. Mas os discípulos ficaram ainda mais espantados,
52. porque não tinham compreendido o acontecimento dos pães. O coração deles estava endurecido.
53. Acabando de atravessar, chegaram à terra, em Genesaré, e amarraram a barca.
54. Logo que desceram da barca, as pessoas imediatamente reconheceram Jesus.
55. Iam de toda a região, levando os doentes deitados em suas camas para o lugar onde ouviam falar que Jesus estava.
56. E onde ele chegava, tanto nos povoados como nas cidades ou nos campos, colocavam os doentes nas praças e pediam que pudessem ao menos tocar a barra da roupa de Jesus. E todos os que tocaram, ficaram curados.

[Marcos 7]Marcos 7



JESUS DESMASCARA AS FALSAS TRADIÇÕES
1. Os fariseus e alguns doutores da Lei foram de Jerusalém e se reuniram em volta de Jesus.
2. Eles viram então que alguns discípulos comiam pão com mãos impuras, isto é, sem lavar as mãos.
3. Os fariseus, assim como todos os judeus, seguem a tradição que receberam dos antigos: só comem depois de lavar bem as mãos.
4. Quando chegam da praça pública, eles se lavam antes de comer. E seguem muitos outros costumes que receberam por tradição: a maneira certa de lavar copos, jarras e vasilhas de cobre.
5. Os fariseus e os doutores da Lei perguntaram então a Jesus: "Por que os teus discípulos não seguem a tradição dos antigos, pois comem pão sem lavar as mãos?"
6. Jesus respondeu: "Isaías profetizou bem sobre vocês, hipócritas, como está escrito: 'Este povo me honra com os lábios, mas o coração deles está longe de mim.
7. Não adianta nada eles me prestarem culto, porque ensinam preceitos humanos'.
8. Vocês abandonam o mandamento de Deus para seguir a tradição dos homens."
9. E Jesus acrescentou: "Vocês são bastante espertos para deixar de lado o mandamento de Deus a fim de guardar as tradições de vocês.
10. Com efeito, Moisés ordenou: 'Honre seu pai e sua mãe'. E ainda: 'Quem amaldiçoa o pai ou a mãe, deve morrer'.
11. Mas vocês ensinam que é lícito a alguém dizer a seu pai e à sua mãe: 'O sustento que vocês poderiam receber de mim é Corbã, isto é, consagrado a Deus'.
12. E essa pessoa fica dispensada de ajudar seu pai ou sua mãe.
13. Assim vocês esvaziam a Palavra de Deus com a tradição que vocês transmitem. E vocês fazem muitas outras coisas como essas."

JESUS ANUNCIA UMA NOVA MORALIDADE
14. Em seguida, Jesus chamou de novo a multidão para perto dele e disse: "Escutem todos e compreendam:
15. o que vem de fora e entra numa pessoa, não a torna impura; as coisas que saem de dentro da pessoa é que a tornam impura.
16. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça."
17. Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola.
18. Jesus disse: "Será que nem vocês entendem? Vocês não compreendem que nada do que vem de fora e entra numa pessoa pode torná-la impura,
19. porque não entra em seu coração, mas em seu estômago, e vai para a privada?" (Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros).
20. Jesus continuou a dizer: "É o que sai da pessoa que a torna impura.
21. Pois é de dentro do coração das pessoas que saem as más intenções, como a imoralidade, roubos,
22. crimes, adultérios, ambições sem limite, maldades, malícia, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo.
23. Todas essas coisas más saem de dentro da pessoa, e são elas que a tornam impura."

JESUS VEIO PARA TODOS
24. Então Jesus saiu daí e foi para a região de Tiro e Sidônia. Entrou numa casa e não queria que ninguém soubesse onde ele estava. Mas não conseguiu ficar escondido.
25. Uma mulher, que tinha uma filha com um espírito mau, ouviu falar de Jesus. Foi até ele e caiu a seus pés.
26. A mulher era pagã, nascida na Fenícia da Síria. Ela suplicou a Jesus que expulsasse de sua filha o demônio.
27. Jesus disse: "Deixe que primeiro os filhos fiquem saciados, porque não está certo tirar o pão dos filhos e jogá-lo aos cachorrinhos."
28. A mulher respondeu: "É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos ficam debaixo da mesa e comem as migalhas que as crianças deixam cair."
29. Então Jesus disse: "Por causa disso que você acaba de dizer, pode voltar para casa; o demônio já saiu da sua filha."
30. Ela voltou para casa e encontrou sua filha deitada na cama, pois o demônio já tinha saído dela.

JESUS INICIA UMA NOVA CRIAÇÃO
31. Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galiléia, atravessando a região da Decápole.
32. Levaram então a Jesus um homem surdo e que falava com dificuldade, e pediram que Jesus pusesse a mão sobre ele.


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   156   157   158   159   160   161   162   163   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal