Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO


Em seguida, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez; a maioria deles ainda vive, e alguns já morreram. 7



Baixar 5.7 Mb.
Página185/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   181   182   183   184   185   186   187   188   ...   197

6. Em seguida, apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez; a maioria deles ainda vive, e alguns já morreram.
7. Depois apareceu a Tiago e, em seguida, a todos os apóstolos.
8. Em último lugar apareceu a mim, que sou um aborto.
9. De fato eu sou o menor dos apóstolos e não mereço ser chamado apóstolo, pois persegui a Igreja de Deus.
10. Mas aquilo que sou, eu o devo à graça de Deus; e sua graça dada a mim não foi estéril. Ao contrário: trabalhei mais do que todos eles; não eu, mas a graça de Deus que está comigo.
11. Portanto, aí está o que nós pregamos, tanto eu como eles; aí está aquilo no qual vocês acreditaram.

SE OS MORTOS NÃO RESSUSCITAM...
12. Ora, se nós pregamos que Cristo ressuscitou dos mortos, como é que alguns de vocês dizem que não há ressurreição dos mortos?
13. Se não há ressurreição dos mortos, então Cristo também não ressuscitou;
14. e se Cristo não ressuscitou, a nossa pregação é vazia e também é vazia a fé que vocês têm.
15. Se os mortos não ressuscitam, então somos testemunhas falsas de Deus, pois estamos testemunhando contra Deus, ao dizermos que Deus ressuscitou a Cristo.
16. Pois, se os mortos não ressuscitam, Cristo também não ressuscitou.
17. E se Cristo não ressuscitou, a fé que vocês têm é ilusória e vocês ainda estão nos seus pecados.
18. E desse modo, aqueles que morreram em Cristo estão perdidos.
19. Se a nossa esperança em Cristo é somente para esta vida, nós somos os mais infelizes de todos os homens.

DEUS SERÁ TUDO EM TODOS
20. Mas não! Cristo ressuscitou dos mortos como primeiro fruto dos que morreram.
21. De fato, já que a morte veio através de um homem, também por um homem vem a ressurreição dos mortos.
22. Como em Adão todos morrem, assim em Cristo todos receberão a vida.
23. Cada um, porém, na sua própria ordem: Cristo como primeiro fruto; depois, aqueles que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda.
24. A seguir, chegará o fim, quando Cristo entregar o Reino a Deus Pai, depois de ter destruído todo principado, toda autoridade, todo poder.
25. Pois é preciso que ele reine, até que tenha posto todos os seus inimigos debaixo dos seus pés.
26. O último inimigo a ser destruído será a morte,
27. pois Deus tudo colocou debaixo dos pés de Cristo. Mas, quando se diz que tudo lhe será submetido, é claro que se deve excluir Deus, que tudo submeteu a Cristo.
28. E quando todas as coisas lhe tiverem sido submetidas, então o próprio Filho se submeterá àquele que tudo lhe submeteu, para que Deus seja tudo em todos.

O TESTEMUNHO É PROVA DA RESSURREIÇÃO
29. Se não fosse assim, o que ganhariam aqueles que se fazem batizar em favor dos mortos? Se os mortos realmente não ressuscitam, por que se fazer batizar em favor deles?
30. E nós mesmos, por que nos expomos ao perigo a todo momento?
31. Diariamente estou correndo perigo de morte, tão certo, irmãos, quanto são vocês a minha glória em Jesus Cristo nosso Senhor.
32. Para mim, de que teria adiantado lutar contra os animais em Éfeso, se eu tivesse apenas interesses humanos? Se os mortos não ressuscitam, comamos e bebamos, pois amanhã morreremos.
33. Não se deixem iludir: as más companhias corrompem os bons costumes.
34. Voltem a viver a vida séria e correta; e não pequem. Pois alguns de vocês ignoram tudo a respeito de Deus. Digo isso para que vocês sintam vergonha.

SEREMOS SEMELHANTES A CRISTO RESSUSCITADO
35. Todavia, alguém dirá: "Como é que os mortos ressuscitam? Com que corpo voltarão?"
36. Insensato! Aquilo que você semeia não volta à vida, a não ser que morra.
37. E o que você semeia não é o corpo da futura planta que deve nascer, mas simples grão de trigo ou de qualquer outra espécie.
38. A seguir, Deus lhe dá corpo como quer: ele dá a cada uma das sementes o corpo que lhe é próprio.
39. Nenhuma carne é igual às outras: a carne dos homens é de um tipo, a dos animais é de outro, e de outro a dos pássaros e de outro ainda a dos peixes.
40. Há corpos celestes e há corpos terrestres. O brilho dos celestes, porém, é diferente do brilho dos terrestres.
41. Uma coisa é o brilho do sol, outra o brilho da lua, e outra o brilho das estrelas. E até de estrela para estrela há diferença de brilho.
42. O mesmo acontece com a ressurreicão dos mortos: o corpo é semeado corruptível, mas ressuscita incorruptível;
43. é semeado desprezível, mas ressuscita glorioso; é semeado na fraqueza, mas ressuscita cheio de força;
44. é semeado corpo animal, mas ressuscita corpo espiritual. Se existe um corpo animal, também existe um corpo espiritual, pois a Escritura diz que
45. Adão, o primeiro homem, tornou-se um ser vivo, mas o último Adão tornou-se espírito que dá a vida.
46. Primeiro, não foi feito o corpo espiritual, mas o animal, e depois o espiritual.
47. O primeiro homem foi tirado da terra e é terrestre; o segundo homem vem do céu.
48. O homem feito da terra foi o modelo dos homens terrestres; o homem do céu é o modelo dos homens celestes.
49. E assim como trouxemos a imagem do homem terrestre, assim também traremos a imagem do homem celeste.

SEREMOS TRANSFORMADOS
50. Eu lhes digo, irmãos, que a carne e o sangue não podem receber em herança o Reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorruptibilidade.
51. Vou dar a conhecer a vocês um mistério: nem todos morreremos, mas todos seremos transformados,
52. num instante, num abrir e fechar de olhos, ao som da trombeta final. Sim, a trombeta tocará e os mortos ressurgirão incorruptíveis; e nós seremos transformados.
53. De fato, é necessário que este ser corruptível seja revestido da incorruptibilidade, e que este ser mortal seja revestido da imortalidade.

O TRIUNFO DA VIDA
54. Portanto, quando este ser corruptível for revestido da incorruptibilidade e este ser mortal for revestido da imortalidacle, então se cumprirá a palavra da Escritura: "A morte foi engolida pela vitória.
55. Morte, onde está a sua vitória? Morte, onde está o seu ferrão?"
56. O ferrão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei.
57. Graças sejam dadas a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo.
58. Assim, queridos irmãos, sejam firmes, inabaláveis; façam continuamente progressos na obra do Senhor, sabendo que a fadiga de vocês não é inútil no Senhor.

[I Coríntios 16]CONCLUSÃO



I Coríntios 16

SOLIDARIEDADE ENTRE AS IGREJAS
1. Quanto à coleta em favor dos irmãos, façam como eu ordenei às igrejas da Galácia.
2. Todo primeiro dia da semana, cada um coloque de lado aquilo que conseguiu economizar; desse modo, vocês não precisarão esperar que eu chegue para fazer a coleta.
3. Quando eu chegar, mandarei com uma carta minha aqueles que vocês tiverem escolhido para levar suas ofertas a Jerusalém.
4. Se for conveniente que eu mesmo vá, eles farão a viagem comigo.

PROJETOS E NOTÍCIAS
5. Irei até vocês depois de passar pela Macedônia, pois pretendo apenas atravessar a Macedônia.
6. Mas, talvez eu fique com vocês ou até passe o inverno, para que vocês me dêem os meios de prosseguir viagem.
7. Não quero vê-los apenas de passagem; se o Senhor permitir, espero ficar algum tempo com vocês.
8. Vou permanecer em Éfeso até Pentecostes,
9p. ois aqui se abriu uma porta larga e cheia de perspectivas para mim, e os adversários são muitos.
10. Quando Timóteo for encontrar vocês, cuidem que esteja sem receios no meio de vocês, pois ele trabalha como eu na obra do Senhor.
11. Portanto, que ninguém o despreze. Dêem a ele os meios de voltar em paz para junto de mim, pois eu com os irmãos o esperamos.
12. Quanto ao nosso irmão Apolo, insisti que ele fosse com os irmãos visitar vocês, mas ele não quis de jeito nenhum ir agora. Irá quando tiver oportunidade.
13. Sejam vigilantes, permaneçam firmes na fé, sejam homens, sejam fortes.
14. Façam tudo com amor.
15. Mais uma recomendação, irmãos: vocês conhecem a família de Estéfanas, que é o primeiro fruto da Acaia; eles se dedicaram ao serviço dos irmãos.
16. Sejam atenciosos para com pessoas de tal valor e para com todos os que colaboram e se afadigam na mesma obra.
17. Eu me alegro com a visita de Estéfanas, Fortunato e Acaico, pois eles compensaram a ausência de vocês
18. e tranqüilizaram o meu espírito e o de vocês. Saibam apreciar pessoas de tal valor.

SAUDAÇÕES FINAIS
19. As igrejas da Ásia mandam saudações. Áquila e Prisca, com a igreja que se reúne na casa deles, mandam efusivas saudações no Senhor.
20. Todos os irmãos mandam saudações. Saúdem-se uns aos outros com o beijo santo.
21. A saudação é do meu próprio punho: Paulo.
22. Se alguém não ama o Senhor seja anátema. Marana-tá.
23. Que a graça do Senhor Jesus esteja com vocês.
24. Eu amo a todos vocês em Jesus Cristo.

II Coríntios 1
PRÓLOGO

ENDEREÇO E SAUDAÇÃO
1. Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus que está em Corinto, e também a todos os cristãos que se encontram por toda a Acaia.
2. A graça e a paz a vocês da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.

SOLIDARIEDADE NA PERSEGUIÇÃO
3. Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai das misericórdias e Deus de toda consolação!
4. Ele nos consola em todas as nossas tribulações, para que possamos consolar os que estão em qualquer tribulação, através da consolação que nós mesmos recebemos de Deus.
5. Na verdade, assim como os sofrimentos de Cristo são numerosos para nós, assim também é grande a nossa consolação por meio de Cristo.
6. Se somos atribulados, nós o somos para a consolação e salvação de vocês. Se somos consolados, é para a consolação de vocês, para que possam suportar os mesmos sofrimentos que também nós padecemos.
7. E a nossa esperança a respeito de vocês é firme, pois sabemos que se vocês participam dos nossos sofrimentos, também participarão da nossa consolação.
8. Irmãos, não queremos que vocês ignorem isto: a tribulação que sofremos na Ásia nos fez sofrer muito, além de nossas forças, a ponto de perdermos a esperança de sobreviver.
9. Sim, nós nos sentíamos como condenados à morte: a nossa confiança já não podia estar apoiada em nós, mas em Deus que ressuscita os mortos.
10. Foi Deus quem nos libertou dessa morte, e dela nos libertará; nele colocamos a esperança de que ainda nos libertará da morte.
11. Para isso, vocês vão colaborar por meio da oração. Desse modo, a graça que obteremos pela intercessão de muitas pessoas provocará a ação de graças de muitos em nosso favor.

I. A VISITA ADIADA

CONSCIÊNCIA LIMPA
12. Este é o nosso motivo de orgulho: o testemunho da consciência de que nos comportamos no mundo, e mais particularmente em relação a vocês, com a santidade e sinceridade que vêm de Deus. Não foram razões humanas que nos moveram, mas a graça de Deus.
13. De fato não há nada em nossas cartas além daquilo que vocês lêem e compreendem. E espero que vocês compreendam plenamente,
14. assim como em parte já nos compreenderam que somos para vocês motivo de glória, assim como vocês o serão para nós, no Dia do Senhor Jesus.

FIRME E FIEL
15. Animado por essa certeza, eu pretendia em primeiro lugar ir ao encontro de vocês, para que recebessem uma segunda graça;
16. depois seguiria para a Macedônia; e finalmente, da Macedônia retornaria até vocês, a fim de que me preparassem a viagem para a Judéia.
17. Será que fui leviano ao fazer esse projeto? Será que meus planos foram inspirados por objetivos puramente humanos, de tal modo que em mim existe "sim e não" ao mesmo tempo?
18. Deus é testemunha fiel de que a palavra que dirigimos a vocês não é "sim e não." 19De fato Jesus Cristo, o Filho de Deus, que eu, Silvano e Timóteo anunciamos a vocês, não foi "sim e não", mas unicamente "sim."
20. Todas as promessas de Deus encontraram nele o seu sim; por isso, é por meio dele que dizemos "Amém" a Deus, para a glória de Deus.
21. Quem nos fortalece juntamente com vocês em Cristo e nos dá a unção é Deus.
22. Deus nos marcou com um selo e colocou em nossos corações a garantia do Espírito.

NÃO DOMINAR A FÉ
23. Quanto a mim, invoco a Deus como testemunha da minha vida: foi para poupar vocês que eu não voltei a Corinto.
24. Não é nossa intenção dominar a fé que vocês têm, mas colaborar para que vocês tenham alegria. Quanto à fé, vocês estão firmes.

[II Coríntios 2]II Coríntios 2



1. Por isso, preferi não visitá-los, para não provocar tristeza.
2. De fato, se causo tristeza para vocês, quem me dará alegria? Somente vocês, a quem entristeci.
3. A finalidade da minha carta era evitar que, ao chegar, eu experimentasse tristeza daqueles que me deveriam proporcionar alegria. Quanto a vocês, estou convencido de que a minha alegria é também a alegria de todos vocês.
4. De fato, quando escrevi, eu estava tão preocupado e aflito que até chorava; não pretendia entristecê-los, mas escrevi para que compreendam o imenso amor que tenho por vocês.
5. Se alguém causou tristeza, não foi a mim, mas de certo modo (não vamos exagerar) a todos vocês.
6. Para tal pessoa, basta o castigo que a comunidade resolveu impor-lhe.
7. Mas agora é melhor que o perdoem e o consolem, para que ele não fique sob o peso de tristeza excessiva.
8. Peço-lhes, portanto, que dêem provas de amor a essa pessoa.
9. Realmente, ao escrever-lhes, eu queria pôr à prova a obediência de vocês e verificar se era uma obediência total.
10. A quem vocês perdoam, eu também perdôo. Se perdoei - medida que tinha de perdoar - eu o fiz diante de Cristo em favor de vocês.
11. Desse modo, não seremos enganados por Satanás, cujas
2. intenções não ignoramos.
12. Cheguei então a Trôade para aí pregar o Evangelho de Cristo. Embora o Senhor me tivesse aberto uma grande porta,
13. não tive paz de espírito, pois não encontrei o meu irmão Tito. Por isso despedi-me deles e parti para a Macedônia.

II. GRANDEZA E FRAQUEZA DOS APÓSTOLOS

QUEM ESTÁ À ALTURA?
14. Graças sejam dadas a Deus, que nos faz participar do seu triunfo em Cristo e que, através de nós, espalha o perfume do seu conhecimento no mundo inteiro.
15. De fato, diante de Deus nós somos o bom perfume de Cristo entre aqueles que se salvam e entre aqueles que se perdem:
16. para uns, perfume de morte para a morte; para outros, perfume de vida para a vida. E quem estaria à altura de tal missão?
17. Nós não somos como tantos daqueles que falsificam a Palavra de Deus; pelo contrário, é com sinceridade e como enviados de Deus que falamos a respeito de Cristo na presença de vocês.

[II Coríntios 3]II Coríntios 3



A COMUNIDADE TESTEMUNHA A AUTENTICIDADE DO APÓSTOLO
1. Vamos começar de novo a fazer recomendação de nós mesmos? Ou precisamos apresentar cartas de recomendação para vocês, como fazem alguns? Ou, então, pedir essa carta a vocês?
2. Nossa carta de recomendação são vocês mesmos, carta escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens.
3. De fato, é evidente que vocês são uma carta de Cristo, da qual nós fomos o instrumento; carta escrita, não com tinta, mas nas tábuas de carne do coração de vocês.
4. Essa é a convicção que temos diante de Deus, graças a Cristo.
5. Não nos atreveríamos a pensar que essa obra é devida a algum mérito nosso; pelo contrário, é de Deus que vem a nossa capacidade.
6. Foi ele que nos tornou capazes de sermos ministros de uma aliança nova, não aliança da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, e o Espírito é que dá a vida.

A NOVA ALIANÇA LIBERTA E TRANSFIGURA
7. O ministério da morte, gravado com letras sobre a pedra, ficou tão marcado pela glória, que os israelitas não podiam fixar os olhos no rosto de Moisés, por causa do fulgor que nele havia - fulgor, aliás, passageiro.
8. Quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito!
9. Na verdade, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais glorioso será o ministério da justiça.
10. Mesmo a glória que aí se verificou, já não pode ser considerada glória, em comparação com a glória atual, que lhe é muito superior.
11. De fato, se foi marcado pela glória o que é passageiro, com maior razão há de ser glorioso o que é permanente.
12. Fortalecidos por tal esperança, estamos plenamente confiantes:
13. nós não fazemos como Moisés que colocava um véu sobre a face para que os filhos de Israel não percebessem o fim daquilo que era passageiro...
14. No entanto, os espíritos deles se tornaram obscurecidos. Sim, até hoje, quando eles lêem o Antigo Testamento, esse mesmo véu permanece; não é retirado, porque é em Cristo que ele desaparece.
15. Sim, até hoje, todas as vezes que lêem Moisés, há um véu sobre o coração deles.
16. Somente pela conversão ao Senhor é que o véu cai,
17. pois o Senhor é o Espírito; e onde se acha o Espírito do Senhor aí existe a liberdade.
18. E nós que, com a face descoberta, refletimos como num espelho a glória do Senhor, somos transfigurados nessa mesma imagem, cada vez mais resplandecente pela ação do Senhor, que é Espírito.

[II Coríntios 4]II Coríntios 4



O APÓSTOLO É TESTEMUNHA DE CRISTO
1. Esse é o nosso ministério. Nós o temos pela misericórdia de Deus; por isso, não perdemos a coragem.
2. Dissemos "não" aos procedimentos secretos e vergonhosos, não agimos com astúcia, nem falsificamos a palavra de Deus. Ao contrário, manifestando a verdade, nos recomendamos diante de Deus à consciência de cada homem.
3. Portanto, se o nosso Evangelho continua obscuro, está obscuro para aqueles que se perdem,
4. para os incrédulos, cuja inteligência o deus deste mundo obscureceu a fim de que não vejam brilhar a luz do Evangelho da glória de Cristo, de Cristo que é a imagem de Deus.
5. Não pregamos a nós mesmos, mas Cristo Jesus, Senhor. Quanto a nós mesmos é como servos de vocês que nos apresentamos, por causa de Jesus.
6. Pois o Deus que disse: "Do meio das trevas brilhe a luz!" foi ele mesmo que reluziu em nossos corações para fazer brilhar o conhecimento da glória de Deus, que resplandece na face de Cristo.

FRAQUEZA DO APÓSTOLO E FORÇA DE DEUS
7. Todavia, esse tesouro nós o levamos em vasos de barro,
2. para que todos reconheçam que esse incomparável poder pertence a Deus e não é propriedade nossa.
8. Somos atribulados por todos os lados, mas não desanimamos; somos postos em extrema dificuldade, mas não somos vencidos por nenhum obstáculo;
9. somos perseguidos, mas não abandonados; prostrados por terra, mas não aniquilados.
10. Sem cessar e por toda parte levamos em nosso corpo a morte de Jesus, a fim de que também a vida de Jesus se manifeste em nosso corpo.
11. De fato, embora estejamos vivos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, a fim de que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal.
12. Desse modo, em nós trabalha a morte; e em vocês, a vida.
13. Animados pelo mesmo espírito de fé, sobre o qual está escrito: "Acreditei, por isso falei", também nós acreditamos e por isso falamos.
14. Pois sabemos que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus, também nos ressuscitará com Jesus e nos colocará ao lado dele juntamente com vocês.
15. E tudo isso se realiza em favor de vocês, para que a graça, multiplicando-se entre muitos, faça transbordar a ação de graças para a glória de Deus.

A MORTE É PASSAGEM PARA A VIDA DEFINITIVA
16. É por isso que nós não perdemos a coragem. Pelo contrário: embora o nosso físico vá se desfazendo, o nosso homem interior vai se renovando a cada dia.
17. Pois a nossa tribulação momentânea é leve, em relação ao peso extraordinário da glória eterna que ela nos prepara.
18. Não procuramos as coisas visíveis, mas as invisíveis; porque as coisas visíveis duram apenas um momento, enquanto as invisíveis duram para sempre.

[II Coríntios 5]II Coríntios 5



1. Nós sabemos: quando a nossa morada terrestre, a nossa tenda, for desfeita, receberemos de Deus uma habitação no céu, uma casa eterna não construída por mãos humanas.
2. Por isso, suspiramos neste nosso estado, desejosos de revestir o nosso corpo celeste;
3. e isso será possível se formos encontrados vestidos, e não nus.
4. Pois nós, que estamos nesta tenda, gememos acabrunhados, porque não queremos ser despojados da nossa veste, mas revestir a outra por cima desta, e assim, aquilo que é mortal seja absorvido pela vida.
5. E quem para isso nos preparou foi Deus, o qual nos deu a garantia do Espírito.
6. Por essa razão, estamos sempre confiantes, sabendo que enquanto habitamos neste corpo, estamos fora de casa, isto é, longe do Senhor,
7. pois caminhamos pela fé e não pela visão...
8. Sim, estamos cheios de confiança e preferimos deixar a mansão deste corpo, para irmos morar junto do Senhor.
9. Em todo caso, quer fiquemos em nossa morada, quer a deixemos, nos esforçamos por agradar ao Senhor.
10. De fato, todos deveremos comparecer diante do tribunal de Cristo, a fim de que cada um receba a recompensa daquilo que tiver feito durante a sua vida no corpo, tanto para o bem, como para o mal.

A SERVIÇO DO EVANGELHO
11. Portanto, compenetrados do temor do Senhor, procuramos convencer os homens. Somos plenamente conhecidos por Deus; espero que também sejamos plenamente conhecidos pela consciência de vocês.
12. Não nos recomendamos novamente a vocês, mas queremos apenas dar-lhes ocasião de se orgulharem de nós, a fim de que vocês possam dar uma resposta para aqueles que se gloriam somente pelas aparências e não pelo que está no coração.
13. Se perdemos o bom senso, foi por causa de Deus; se nos comportamos com sensatez, foi por causa de vocês.

O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO
14. O amor de Cristo é que nos impulsiona, quando consideramos que um só morreu por todos, e conseqüentemente todos morreram.
15. Ora, Cristo morreu por todos, e assim, aqueles que vivem, já não vivem para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.
16. Por isso, doravante não conhecemos mais ninguém pelas aparências. Mesmo que tenhamos conhecido Cristo segundo as aparências, agora já não o conhecemos assim.


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   181   182   183   184   185   186   187   188   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal