Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO


Este será perdoado a toda a comunidade dos filhos de Israel, e também ao imigrante que mora entre eles, porque todo o povo pecou sem querer. 27



Baixar 5.7 Mb.
Página23/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   197

26. Este será perdoado a toda a comunidade dos filhos de Israel, e também ao imigrante que mora entre eles, porque todo o povo pecou sem querer.
27. Se apenas uma pessoa pecar sem querer, oferecerá um cabrito de um ano, como sacrifício pelo pecado.
28. O sacerdote fará pela pessoa, diante de Javé, um sacrifício pelo pecado; e a pessoa ficará perdoada.
29. A mesma norma vale tanto para um filho de Israel como para um imigrante que mora no meio do povo, quando pecarem sem querer.
30. Todavia, quem procede com plena consciência, seja nativo, seja imigrante, comete ultraje contra Javé. Esse indivíduo deve ser excluído do meio do povo,
31. porque desprezou a palavra de Javé e violou seu mandamento. Essa pessoa deve ser excluída, pois a culpa está nela mesma".

VIOLAÇÃO DO SÁBADO
32. Enquanto os filhos de Israel estavam no deserto, surpreenderam um homem que recolhia lenha em dia de sábado.
33. E o levaram até Moisés, Aarão e toda a comunidade,
34. mantendo-o preso enquanto se decidia o que deveria ser feito com ele.
35. Javé disse a Moisés: "Esse homem é réu de morte. Toda a comunidade deverá apedrejá-lo fora do acampamento".
36. A comunidade o levou para fora do acampamento e o apedrejou. E o homem morreu, conforme Javé tinha ordenado a Moisés.

UM LEMBRETE DA ALIANÇA
37. Javé falou a Moisés:
38. "Diga aos filhos de Israel: Por todas as gerações, façam borlas e as costurem com linha violeta na franja de suas roupas.
39. Vendo essas borlas, vocês se lembrarão dos mandamentos de Javé. E elas ajudarão vocês a cumprir os mandamentos, sem ceder aos caprichos do coração e dos olhos, caprichos que poderiam levar vocês à infidelidade.
40. Desse modo vocês se lembrarão de todos os meus mandamentos e os colocarão em prática, vivendo consagrados ao seu Deus.
41. Eu sou Javé, o Deus de vocês, que os tirei da terra do Egito para ser o Deus de vocês. Eu sou Javé, o Deus de vocês".

Números 16

CONFLITOS NA LIDERANÇA
1. Coré, filho de Isaar, filho de Caat, filho de Levi, junto com Datã e Abiram, filhos de Eliab, e On, filho de Felet, sendo Eliab e Felet filhos de Rúben,
2. se revoltaram contra Moisés juntamente com duzentos e cinqüenta homens, chefes da comunidade, membros do conselho e pessoas de fama.
3. Eles se reuniram contra Moisés e Aarão, dizendo: "Chega! Todos os membros da comunidade são consagrados, e Javé está no meio deles. Por que vocês dois se colocam acima da comunidade de Javé?"
4. Quando ouviu isso, Moisés se prostrou com o rosto no chão.
5. Depois falou a Coré e aos outros que estavam com ele: "Amanhã cedo Javé mostrará quem é dele e quem é o consagrado, e ele o fará aproximar-se. Fará aproximar de si aquele que ele tiver escolhido.
6. Façam o seguinte: peguem os incensórios, vocês e todos que os seguem.
7. Amanhã vocês acenderão neles o fogo e colocarão incenso diante de Javé. Aquele que Javé escolher, esse será o consagrado. E, por ora, chega, filhos de Levi!"
8. Depois Moisés disse a Coré: "Agora, escutem, filhos de Levi!
9. O que é que vocês estão querendo? O Deus de Israel separou-os da comunidade de Israel, levando-os para perto dele, para vocês servirem no santuário de Javé e estarem à disposição para servir à comunidade.
10. Javé fez você e seus irmãos levitas se aproximarem dele. Agora vocês querem também o sacerdócio?
11. Vocês e seus seguidores se revoltaram contra Javé! Quem é Aarão, para vocês protestarem contra ele?"
12. Então Moisés mandou chamar Datã e Abiram, filhos de Eliab. Estes responderam: "Não iremos.
13. Por acaso não basta você nos ter feito sair de uma terra onde corre leite e mel, para nos fazer morrer neste deserto? Você quer ainda ser o nosso chefe?
14. Você não nos levou para uma terra onde corre leite e mel, nem nos deu como herança campos e vinhas! Você pensa que somos cegos? Não iremos".
15. Então Moisés ficou furioso e disse a Javé: "Não aceites a oferta deles. Eu não tirei deles sequer um burro, e não fiz mal a nenhum deles!"
16. Depois disse a Coré: "Amanhã, você e seus seguidores, e também Aarão, deverão apresentar-se a Javé.
17. Cada um pegue o seu incensório, coloque nele o incenso e o ofereça a Javé. Cada um dos duzentos e cinqüenta pegue o próprio incensório, juntamente com você e Aarão".
18. Cada um pegou o seu incensório, o acendeu e colocou incenso nele. A seguir, ficaram na porta da tenda da reunião com Moisés e Aarão.
19. Coré reuniu seus seguidores na entrada da tenda da reunião. E a glória de Javé manifestou-se a toda a comunidade.
20. Então Javé falou a Moisés e Aarão:
21. "Afastem-se desse grupo, porque vou destruí-lo num instante".
22. Moisés e Aarão caíram com o rosto por terra e suplicaram: "Deus, Deus dos espíritos de todos os seres vivos! Foi só um que pecou, e tu vais ficar irritado contra todos?"
23. Javé falou a Moisés:
24. "Diga às pessoas que se afastem das tendas de Coré, Datã e Abiram".
25. Moisés se levantou e se dirigiu aonde estavam Datã e Abiram. Os anciãos de Israel o seguiram.
26. Moisés falou à comunidade: "Afastem-se das tendas desses homens ímpios e não toquem nada do que pertence a eles, para vocês não se comprometerem com os pecados deles".
27. Eles se afastaram das tendas de Coré, Datã e Abiram, enquanto Datã e Abiram saíam com suas mulheres, filhos e crianças, para esperar na entrada da tenda.
28. Então Moisés disse: "Agora vocês ficarão sabendo que foi Javé quem me enviou para agir assim, e que eu não fiz nada por mim mesmo:
29. se estes homens morrerem de morte natural, conforme o destino de todos os homens, é sinal que Javé não me enviou.
30. Mas se Javé fizer alguma coisa estranha, se a terra se abrir e os engolir com todos os seus, descendo vivos à mansão dos mortos, então vocês ficarão sabendo que esses homens desprezaram Javé".
31. Logo que Moisés acabou de falar, o chão rachou debaixo dos pés deles,
32. a terra abriu sua boca e os engoliu com suas famílias, junto com os homens de Coré e todos os seus bens.
33. Desceram vivos à mansão dos mortos, juntamente com todas as coisas que lhes pertenciam. A terra os cobriu e eles desapareceram da comunidade.
34. Quando eles gritaram, os filhos de Israel, que estavam ao redor, fugiram correndo, pois pensavam que a terra iria engolir a eles também.
35. Saiu um fogo da parte de Javé e devorou os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam o incenso.

[Números 17]Números 17



A FUNÇÃO DO LÍDER É ZELAR PELA COMUNIDADE
1. Javé falou a Moisés:
2. "Diga a Eleazar, filho do sacerdote Aarão, para tirar os incensórios do meio do fogo e espalhar as brasas, porque são santas.
3. Quanto aos incensórios desses homens, que pagaram o seu pecado com a própria vida, sejam transformados em chapas para revestir o altar, pois foram apresentados a Javé. Por isso ficaram consagrados e vão servir de lição para os filhos de Israel".
4. O sacerdote Eleazar pegou os incensórios de bronze trazidos pelos homens que o fogo havia destruído. Foram transformados em chapas para revestir o altar,
5. e assim lembrar aos filhos de Israel que nenhum estranho, que não seja da descendência de Aarão, deve apresentar-se para oferecer incenso a Javé, pois teria o mesmo destino de Coré e seu grupo. Eleazar fez tudo conforme Javé lhe havia ordenado por meio de Moisés.
6. No dia seguinte, toda a comunidade dos filhos de Israel protestou contra Moisés e Aarão, dizendo: "Vocês estão matando o povo de Javé".
7. E dado que a comunidade estava se amotinando contra Moisés e Aarão, estes foram para a tenda da reunião. A nuvem cobriu a tenda e a glória de Javé se manifestou.
8. Moisés e Aarão entraram na tenda,
9. e Javé lhes falou:
10. "Afastem-se dessa comunidade, pois vou consumi-la num instante!" Os dois se prostraram com o rosto por terra;
11. em seguida, Moisés disse a Aarão: "Pegue o incensório, coloque nele brasas do altar, coloque incenso, e vá depressa fazer a expiação pela comunidade, porque a ira de Javé se inflamou contra ela, e a praga já começou".
12. Aarão fez o que Moisés estava mandando, e correu para o meio da comunidade. Mas a praga já havia começado entre o povo. Então ele colocou o incenso, fez o rito de expiação pelo povo e,
13. ficando entre os mortos e os vivos, deteve a mortandade.
14. Os que morreram por causa da praga foram catorze mil e setecentos, além dos que morreram por causa de Coré.
15. Quando Aarão voltou para junto de Moisés, na tenda da reunião, a mortandade já tinha acabado.
16. Javé falou a Moisés:
17. "Diga aos filhos de Israel que tragam varas, uma para cada chefe de família, no total de doze, e cada um escreva nela o próprio nome.
18. Na vara de Levi, você deverá escrever o nome de Aarão, pois haverá uma vara para cada chefe de tribo.
19. Coloque as varas na tenda da reunião, diante do documento da aliança que eu fiz com eles.
20. A vara daquele que eu escolher, florescerá. Desse modo eu acabarei com os protestos dos filhos de Israel contra vocês".
21. Moisés pediu que os filhos de Israel lhe trouxessem doze varas, uma para cada chefe de tribo, e entre elas a vara de Aarão.
22. Moisés colocou as varas diante de Javé, na tenda da aliança.
23. No dia seguinte, Moisés entrou na tenda da aliança, e viu que havia florescido a vara de Aarão, representante da tribo de Levi: estava cheia de brotos, tinha dado flores e produzido amêndoas.
24. Moisés tirou as varas da presença de Javé e as levou aos filhos de Israel. Eles verificaram o fato e cada um recolheu a sua vara.
25. Javé disse a Moisés: "Coloque de novo a vara de Aarão diante do documento da aliança, para que seja conservada como advertência contra os rebeldes. Desse modo eles não murmurarão contra mim, e não morrerão".
26. E Moisés fez exatamente conforme Javé tinha ordenado.

FUNÇÕES DE SACERDOTES E LEVITAS
27. Os filhos de Israel reclamaram a Moisés: "Veja: nós vamos morrer, estamos todos perdidos.
28. Quem se aproxima do santuário de Javé acaba morrendo. Será que todos nós vamos morrer?"

[Números 18]Números 18



1. Javé disse a Aarão: "Você com seus filhos e sua família serão responsáveis pelas faltas cometidas contra o santuário. Você e seus filhos serão responsáveis pelas faltas cometidas no exercício do sacerdócio.
2. Reúna também com você os seus irmãos da tribo de Levi, a tribo de seu pai. Faça-os ficar junto de você, para que o ajudem quando você e seus filhos estiverem na tenda da aliança.
3. Eles ficarão a serviço de você e de toda a tenda, mas não deverão aproximar-se dos objetos sagrados, nem do altar, para que não venham a morrer nem eles nem vocês.
4. Serão seus ajudantes e responderão pela guarda da tenda da reunião e por todo o serviço da tenda, de modo que nenhum estranho se intrometa no meio de vocês.
5. Vocês é que responderão pela guarda do santuário e dos objetos sagrados, e assim nunca mais a Ira se inflamará contra os filhos de Israel.
6. Eu mesmo escolhi seus irmãos levitas, entre os filhos de Israel. Eles foram doados a Javé e entregues como dom a vocês, para prestarem serviço na tenda da reunião.
7. Você e seus filhos exercerão o sacerdócio naquilo que se refere ao altar e a tudo o que fica atrás do véu. Eu lhes entrego o exercício do sacerdócio como dom. O estranho que se aproximar deverá ser morto".

DIREITOS DOS SACERDOTES E LEVITAS
8. Javé disse a Aarão: "Entrego a você o direito de usufruir os tributos doados a mim; entrego a você e a seus filhos o que os filhos de Israel me oferecem, como privilégio da unção sacerdotal. É um direito perpétuo.
9. De tudo o que foi consagrado e das oblações que não são queimadas, pertence a você o seguinte: todas as ofertas, oblações, sacrifícios pelo pecado e sacrifícios de reparação, porque são coisas sagradas, que pertencerão a você e a seus filhos.
10. Vocês se alimentarão de coisas sagradas, e todos do sexo masculino poderão comer delas. Você as tratará como coisas sagradas.
11. Além disso, dentre as ofertas dos filhos de Israel, caberá a você a parte reservada de tudo aquilo que é erguido em gesto de apresentação. Eu a dou para você e para seus filhos e filhas, como direito perpétuo. Em sua casa, todos os que estiverem puros poderão comer dessas coisas.
12. Entrego a você a melhor parte do azeite, do vinho novo e do trigo, oferecidos como primícias a Javé.
13. Todos os primeiros produtos do seu país, que forem trazidos a Javé, pertencerão a você; e todos que estiverem puros em sua casa poderão comer deles.
14. Tudo aquilo que Israel dedica a Deus, pertencerá a você.
15. Todo primogênito, de homem ou animal, que eles oferecerem a Javé, pertencerá a você. Mas você deixará resgatar o primogênito do homem e também o primogênito do animal, quando este for impuro.
16. Você os deixará resgatar quando tiverem um mês, cobrando cinqüenta gramas de prata, conforme o peso padrão do santuário, que corresponde a dez gramas.
17. Os primogênitos da vaca, da ovelha e da cabra não poderão ser resgatados: são coisa consagrada. Você derramará o sangue deles sobre o altar e queimará a gordura, como oferta de perfume agradável para Javé;
18. a carne deles pertencerá a você, assim como o peito apresentado ritualmente, e também a coxa direita.
19. Entrego a você, a seus filhos e filhas, todos os tributos sagrados dos filhos de Israel, como direito perpétuo. É uma aliança perpétua para você e seus descendentes, uma aliança inviolável diante de Javé".
20. Javé disse a Aarão: "Você não receberá nenhuma herança, nem parte na terra. Para você, eu sou a sua parte e a sua herança no meio dos filhos de Israel.
21. Aos filhos de Levi dou como herança todos os dízimos recolhidos em Israel, para pagar os serviços que me prestam na tenda da reunião.
22. Os filhos de Israel nunca mais se aproximarão da tenda da reunião, pois pecariam e morreriam.
23. Os levitas desempenharão as tarefas da tenda da reunião e carregarão o peso da sua responsabilidade. É lei perpétua para seus descendentes, que não receberão herança no meio dos filhos de Israel.
24. Por essa razão, eu dou aos levitas como herança os dízimos que os filhos de Israel reservam para Javé. Por isso eu lhes disse que não receberão herança no meio dos filhos de Israel".
25. Javé falou a Moisés:
26. "Diga aos levitas: Quando vocês receberem dos filhos de Israel os dízimos que eu lhes dou como herança, ofereçam como tributo a Javé a décima parte dos dízimos.
27. Isso será considerado como tributo de vocês, como se fosse trigo tirado da eira ou vinho do tanque de pisar uvas.
28. Vocês também pagarão tributo a Javé por todos os dízimos que receberem dos filhos de Israel. Essa parte que vocês separarem para Javé será entregue ao sacerdote Aarão.
29. De todas as ofertas que receberem, reservarão uma parte para Javé, e essa parte sagrada vocês tirarão do melhor de todas as coisas.
30. Diga-lhes também: Quando vocês tiverem separado o melhor, todos esses dons pertencerão aos levitas, como se fossem produto da eira e do tanque de pisar uvas.
31. Vocês poderão comer essas coisas em qualquer lugar com suas famílias, porque é o salário de vocês pelo serviço na tenda da reunião.
32. Se vocês separarem a parte melhor, não estarão cometendo nenhum pecado, nem profanando as coisas consagradas pelos filhos de Israel, e por isso não morrerão".

[Números 19]Números 19



A ÁGUA DA PURIFICAÇÃO
1. Javé falou a Moisés e Aarão:
2. "Este é o estatuto legal que Javé ordena: Diga aos filhos de Israel que tragam para você uma novilha vermelha, sem mancha e sem defeito, e que nunca tenha usado canga.
3. E a entreguem ao sacerdote Eleazar, que a levará para fora do acampamento e a mandará imolar na presença dele.
4. Eleazar molhará um dedo no sangue dela e salpicará sete vezes na direção da tenda da reunião.
5. Depois mandará queimar a novilha na presença dele: serão queimados o couro, a carne, o sangue e os intestinos.
6. O sacerdote pegará, então, galhos de cedro, hissopo e púrpura escarlate, e jogará tudo isso no fogo onde a novilha está sendo queimada.
7. A seguir, o sacerdote lavará suas roupas, tomará banho, e voltará para o acampamento. Ficará impuro até à tarde.
8. Quem tiver queimado a novilha, também deverá lavar suas roupas e tomar banho. E ficará impuro até à tarde.
9. Um homem puro ficará encarregado de recolher as cinzas da novilha e colocá-las em lugar puro, fora do acampamento. A comunidade dos filhos de Israel conservará as cinzas para preparar a água purificadora: é um sacrifício pelo pecado.
10. Quem tiver recolhido as cinzas da novilha, deverá lavar suas roupas e ficará impuro até à tarde. Esta é uma lei perpétua para os filhos de Israel e para os imigrantes que vivem no meio deles:
11. quem tocar um cadáver humano, ficará impuro por sete dias.
12. Deverá ser purificado com a água da purificação no terceiro e no sétimo dia, e ficará puro. Se não fizer isso, não ficará puro.
13. Quem tocar um cadáver, isto é, o corpo de uma pessoa morta, e não se purificar, profanará a morada de Javé, e será excluído de Israel. Uma vez que a água da purificação não foi derramada sobre ele, está impuro, e a impureza continua com ele.
14. Lei para quando um homem morre dentro de uma tenda: Quem entrar na tenda e todo aquele que nela estiver, ficará impuro por sete dias.
15. Todo recipiente que estiver aberto, sobre o qual não houver uma cobertura ou tampa, ficará impuro.
16. Quem tocar, em campo aberto, o cadáver de um homem que tenha sido apunhalado, ou qualquer morto, ou ossos humanos, ou uma sepultura, ficará impuro por sete dias.
17. Para aquele que se tornou impuro, deve-se pegar das cinzas da vítima queimada em sacrifício pelo pecado, e derramar água corrente sobre as cinzas, numa vasilha.
18. Em seguida, um homem puro pegará um ramo de hissopo, o molhará na água e fará a aspersão sobre a tenda e sobre todos os utensílios e pessoas que aí estiverem, e também sobre o homem que tiver tocado um osso, um assassinado, um cadáver ou uma sepultura.
19. O homem puro fará a aspersão sobre o impuro, no terceiro e no sétimo dia. No sétimo dia, ele ficará livre do seu pecado, lavará suas roupas, tomará banho, e à tarde ficará puro.
20. O homem impuro, que não se purificar, será excluído da comunidade, porque poderia contaminar o santuário de Javé. A água da purificação não foi derramada sobre ele; por isso, continua impuro.
21. Isto é uma lei perpétua: quem tiver feito a aspersão com a água da purificação, deverá lavar suas roupas; quem tocar a água da purificação ficará impuro até à tarde.
22. Tudo aquilo que o impuro tocar ficará impuro; a pessoa que tocar o impuro ficará impura até à tarde".

[Números 20]Números 20



NÃO DESCONFIAR DE JAVÉ
1. A comunidade inteira dos filhos de Israel chegou no primeiro mês ao deserto de Sin. E o povo acampou em Cades. Aí morreu Maria, e foi sepultada.
2. Faltava água para a comunidade e as pessoas se amotinaram contra Moisés e Aarão.
3. O povo brigava com Moisés, dizendo: "Quem dera tivéssemos morrido quando nossos irmãos morreram diante de Javé!
4. Por que você trouxe a comunidade de Javé a este deserto, para morrermos aqui junto com nossos animais?
5. Por que você nos fez sair do Egito, para nos trazer a este lugar deserto, onde não se pode semear, sem figueiras, vinhas e romãzeiras, e até sem água para beber?"
6. Moisés e Aarão se afastaram da comunidade, foram para a entrada da tenda da reunião e se prostraram diante dela, com o rosto por terra. Então a glória de Javé apareceu a eles.
7. E Javé disse a Moisés:
8. "Pegue a vara, junto com seu irmão Aarão, e reúna a comunidade. Em seguida, na presença deles, ordene que a rocha dê água. Você tirará água da rocha para dar de beber à comunidade e aos animais".
9. Moisés pegou a vara que estava na presença de Javé, conforme este lhe havia ordenado.
10. Moisés e Aarão reuniram a comunidade diante da rocha. Então Moisés lhes falou: "Ouçam, rebeldes! Vocês acreditam que poderemos tirar água desta rocha?"
11. Moisés levantou a mão e bateu na rocha duas vezes com a vara: a água jorrou em abundância, e a comunidade e os animais puderam beber.
12. Então Javé disse a Moisés e Aarão: "Já que vocês não acreditaram em mim e não reconheceram a minha santidade na presença dos filhos de Israel, vocês não farão esta comunidade entrar na terra que eu vou dar a eles".
13. Essa é a fonte de Meriba, onde os filhos de Israel discutiram com Javé. E ele manifestou a sua santidade para eles.

PEDINDO PASSAGEM
14. De Cades, Moisés mandou mensageiros ao rei de Edom, com esta mensagem: "Assim diz o seu irmão Israel: Você sabe as dificuldades que temos passado.
15. Nossos antepassados desceram para o Egito, onde moramos por muito tempo. Os egípcios, porém, nos maltrataram, a nós e aos nossos antepassados.
16. Então gritamos para Javé e ele nos ouviu e mandou um anjo para nos tirar do Egito. Agora estamos em Cades, cidade que fica nos limites do seu território.
17. Deixe-nos atravessar o seu país; não passaremos pelos campos, nem pelas vinhas, e não beberemos da água dos poços. Seguiremos pela estrada real, sem nos desviar nem para a direita nem para a esquerda, até atravessar o seu território".
18. Mas o rei de Edom respondeu: "Não passe pelo meu país; caso contrário, marcharei contra você com a espada".
19. Os filhos de Israel insistiram: "Seguiremos pela estrada principal. Se nós ou nossos animais bebermos da sua água, pagaremos o preço a você. Deixe-nos atravessar a pé".
20. O rei de Edom respondeu: "Não atravessem". E saiu ao encontro deles com muita gente, fortemente armada.
21. Como Edom não quis deixar os filhos de Israel atravessar o território dele, tiveram que tomar um desvio.

MORTE DE AARÃO
22. A comunidade dos filhos de Israel levantou acampamento em Cades e chegou ao monte Hor.
23. Javé disse a Moisés e Aarão, perto do monte Hor, na fronteira da terra de Edom:
24. "Aarão vai se reunir com seus antepassados e não entrará na terra que eu vou dar aos filhos de Israel, porque vocês foram rebeldes às minhas ordens na fonte de Meriba.
25. Tome Aarão e seu filho Eleazar e faça-os subir o monte Hor.
26. Tire as vestes sacerdotais de Aarão e vista com elas o filho dele, Eleazar, pois Aarão se reunirá com seus antepassados e morrerá aí".
27. Moisés fez conforme Javé havia ordenado, e subiram ao monte Hor, diante de toda a comunidade.
28. Moisés tirou as vestes sacerdotais de Aarão, e com elas vestiu o filho dele, Eleazar. Aarão morreu aí, no alto do monte. Moisés e Eleazar desceram do monte,
29. e toda a comunidade viu que Aarão tinha morrido. E toda a casa de Israel chorou por Aarão durante trinta dias.

[Números 21]Números 21



CONSAGRAÇÃO AO EXTERMÍNIO
1. O rei de Arad, o cananeu, que habitava o Negueb, ficou sabendo que os filhos de Israel vinham pelo caminho de Atarim. Então os atacou e capturou alguns como prisioneiros.
2. Então Israel fez um voto a Javé: "Se entregares este povo em meu poder, eu consagrarei suas cidades ao extermínio".
3. Javé atendeu a Israel e lhe entregou os cananeus em seu poder. Então os filhos de Israel os consagraram ao extermínio, junto com as cidades deles. E o lugar ficou sendo chamado Horma.

O SINAL DE SALVAÇÃO
4. Do monte Hor, eles tomaram o caminho para o mar Vermelho, contornando o território de Edom. Mas o povo não suportou a viagem
5. e começou a murmurar contra Deus e contra Moisés, dizendo: "Por que nos tiraste do Egito? Foi para morrermos neste deserto? Não temos nem pão nem água, e estamos enjoados desse pão de miséria".
6. Então Javé mandou contra o povo serpentes venenosas que os picavam, e muita gente de Israel morreu.
7. O povo disse a Moisés: "Pecamos, falando contra Javé e contra você. Suplique a Javé que afaste de nós estas serpentes". Moisés suplicou a Javé pelo povo.
8. E Javé lhe respondeu: "Faça uma serpente venenosa e coloque-a sobre um poste: quem for mordido e olhar para ela, ficará curado".
9. Então Moisés fez uma serpente de bronze e a colocou no alto de um poste. Quando alguém era mordido por uma serpente, olhava para a serpente de bronze e ficava curado.

CONTINUANDO A CAMINHADA...
10. Os filhos de Israel partiram e acamparam em Obot.
11. Depois, partiram de Obot e acamparam em Jeabarim, no deserto que faz limite com Moab, do lado onde nasce o sol.
12. Daí partiram e acamparam junto à torrente de Zared.
13. Daí seguiram e acamparam no outro lado do rio Arnon, no deserto que sai do território dos amorreus, pois o Arnon é fronteira entre Moab e os amorreus.
14. Assim se diz no Livro das Guerras de Javé: "Vaeb, junto de Sufa e os afluentes do Arnon;
15. a ladeira das torrentes que correm na direção da sede de Ar, e junto à fronteira dos territórios de Moab".
16. Daí partiram para Beer. Esse é o poço onde Javé disse a Moisés: "Reúna o povo, e eu lhe darei água".
17. Então Israel cantava esta canção: "Brota, poço! Cantem para ele.
18. Poço que príncipes cavaram e chefes do povo abriram com cetros e bastões". Daí foram para Matana.
19. De Matana para Naaliel. De Naaliel para Bamot.
20. E de Bamot para o vale do campo de Moab, em direção às alturas do Fasga, que domina o deserto.

PRIMEIRAS VITÓRIAS
21. Israel enviou mensageiros para dizer a Seon, rei dos amorreus:
22. "Quero atravessar a sua terra. Não nos desviaremos pelos campos ou vinhas, nem beberemos água dos poços; iremos pela estrada real, até atravessar o seu território".
23. Seon, porém, não permitiu que Israel lhe atravessasse o território. Reuniu todo o seu povo, saiu contra Israel no deserto e o atacou em Jasa.
24. Israel, porém, o derrotou pela espada e conquistou-lhe a terra, desde o Arnon até o Jaboc, até o país dos amonitas, pois Jazer se encontrava na fronteira amonita.
25. Israel conquistou-lhe todas as cidades, e se estabeleceu em todas as cidades dos amorreus: Hesebon e os povoados do seu território.
26. Hesebon era a capital de Seon, rei dos amorreus. Ele havia lutado contra o rei anterior de Moab, de quem havia tomado todo o território, desde o Jaboc até o Arnon.
27. Por isso, cantam os poetas: "Entrem em Hesebon. Que seja edificada, restaurada a capital de Seon!
28. Saiu fogo de Hesebon, e chamas da capital de Seon. Fogo que devorou Ar Moab e consumiu as alturas do Arnon.
29. Ai de você, Moab! Você está perdido, povo de Camos! Seus filhos fugiram, e suas filhas ficaram escravas de Seon, rei dos amorreus.
30. Nós crivamos todos de flechas. Tudo ficou destruído, desde Hesebon até Dibon. Tudo devastamos até Nofe, tudo aquilo que se estende até Medaba".
31. Israel se estabeleceu, então, na terra dos amorreus.
32. Moisés enviou exploradores até Jazer, e Israel se apoderou dela e dos povoados do seu território, expulsando os amorreus que aí dominavam.
33. Depois mudaram de direção e subiram pelo caminho de Basã. Então Og, rei de Basã, com todo o seu povo, saiu contra eles e os atacou em Edrai.
34. Javé disse a Moisés: "Não tenha medo dele, porque eu vou entregá-lo em seu poder, com todo o povo e a terra dele. Trate-o como a Seon, rei dos amorreus, que habitava em Hesebon".
35. Os filhos de Israel o derrotaram, e também os filhos e todo o povo dele, sem deixar ninguém com vida. E tomaram posse do território dele.

[Números 22]III. O POVO DIANTE DA TERRA PROMETIDA



Números 22

O POVO É AMEAÇA
1. Os filhos de Israel partiram e acamparam nas estepes de Moab, no outro lado do Jordão, na frente de Jericó.
2. Balac, filho de Sefor, viu como Israel tinha tratado os amorreus.
3. Então Moab ficou com medo desse povo numeroso. Moab ficou apavorado diante dos filhos de Israel,
4. e disse aos anciãos de Madiã: "Essa multidão vai devorar tudo ao nosso redor, como o boi devora a erva do campo". Nesse tempo, o rei de Moab era Balac, filho de Sefor.
5. Ele enviou mensageiros a Balaão, filho de Beor, em Petor, seu país de origem, às margens do rio Eufrates. Mandou chamá-lo, dizendo: "Saiu do Egito um povo que está cobrindo a superfície da terra e que parou diante de mim.
6. Por favor, venha e amaldiçoe por mim esse povo, pois é mais poderoso do que eu. Desse modo poderemos derrotá-lo e expulsá-lo desta região. Eu sei que fica abençoado quem você abençoa; e quem você amaldiçoa, fica amaldiçoado".
7. Os anciãos de Moab e Madiã foram, levando o pagamento para o adivinho. Chegaram onde estava Balaão e lhe transmitiram a mensagem de Balac.
8. Balaão respondeu: "Fiquem aqui esta noite, e eu comunicarei a vocês o que Javé me disser". E os chefes de Moab ficaram com Balaão.
9. Deus se manifestou a Balaão e lhe perguntou: "Quem são esses homens que estão com você?"
10. Balaão respondeu a Deus: "Balac, filho de Sefor, rei de Moab, mandou-me esta mensagem:
11. Um povo saiu do Egito e está cobrindo a superfície da terra. Venha logo amaldiçoá-lo por mim, para ver se consigo guerrear contra eles e expulsá-los".
12. Deus disse a Balaão: "Não vá com eles e não amaldiçoe esse povo, pois ele é bendito".
13. Na manhã seguinte Balaão se levantou e disse aos chefes enviados por Balac: "Voltem para a sua terra, porque Javé não quer que eu vá com vocês".
14. Os chefes de Moab se levantaram, voltaram até Balac e lhe disseram: "Balaão não quis vir conosco".
15. Então Balac enviou outros chefes, mais numerosos e mais importantes que os primeiros.
16. Eles chegaram aonde estava Balaão e lhe disseram: "Assim diz Balac, filho de Sefor: Não recuse vir ao meu encontro,
17. pois eu o tornarei muito rico e farei tudo o que você me disser. Por favor, venha e amaldiçoe por mim esse povo".
18. Balaão respondeu aos chefes enviados por Balac: "Ainda que Balac me desse até o seu palácio cheio de ouro e prata, eu não poderia desobedecer a ordem de Javé, meu Deus, em coisa nenhuma, grande ou pequena.
19. Fiquem aqui esta noite até que eu saiba o que Javé me dirá desta vez".
20. Deus se manifestou a Balaão durante a noite e lhe disse: "Já que esses homens vieram chamar você, levante-se e vá com eles, mas você vai fazer o que eu lhe disser".
21. Na manhã seguinte Balaão se levantou, selou a sua jumenta e partiu com os chefes de Moab.
22. Ao ver Balaão partir, a ira de Javé se inflamou, e o Anjo de Javé parou na estrada para impedi-lo de passar. Balaão estava montado na sua jumenta e seus dois servos o acompanhavam.
23. A jumenta viu o Anjo de Javé parado na estrada e com a espada desembainhada na mão. Então desviou-se da estrada e se dirigiu para o campo. Balaão começou então a espancar a jumenta, para fazê-la voltar para a estrada.
24. O Anjo de Javé se colocou num caminho estreito, no meio das vinhas, com cerca dos dois lados.
25. Vendo o Anjo de Javé, a jumenta encostou-se na cerca, apertando nela o pé de Balaão. Ele tornou a espancá-la.
26. O Anjo de Javé foi para frente e parou numa passagem apertada, onde não era possível desviar-se nem para direita nem para a esquerda.
27. Vendo o Anjo de Javé, a jumenta caiu debaixo de Balaão. Este ficou furioso e começou a espancar a jumenta com o bastão.
28. Então Javé abriu a boca da jumenta, e ela disse a Balaão: "O que foi que eu fiz, para você me espancar três vezes?"
29. A essa pergunta Balaão respondeu: "É porque você está caçoando de mim. Se eu tivesse uma espada na mão, eu a mataria agora mesmo".
30. A jumenta disse a Balaão: "Não sou a sua jumenta em que você tem montado sempre até hoje? Costumo fazer assim com você?" Balaão respondeu: "Não".
31. Então Javé abriu os olhos de Balaão, e ele viu o Anjo de Javé parado na estrada, com a espada desembainhada na mão. Então Balaão se prostrou com o rosto por terra.
32. E o Anjo de Javé lhe disse: "Por que você está espancando a sua jumenta pela terceira vez? Eu vim para impedi-lo de passar, porque você está seguindo o mau caminho.
33. A jumenta me viu e se afastou de mim três vezes. Se ela não se tivesse desviado, eu já teria matado você, deixando-a viva".
34. Balaão respondeu ao Anjo de Javé: "Pequei, porque não sabia que estavas no caminho, diante de mim! Mas, se isso te desagrada, voltarei para casa".
35. O Anjo de Javé disse a Balaão: "Vá com esses homens, mas diga somente aquilo que eu disser a você". E Balaão continuou a viagem com os chefes enviados por Balac.
36. Quando Balac soube que Balaão estava chegando, foi ao encontro dele em Ar Moab, que fica junto do Arnon, na fronteira do território.
37. Balac disse a Balaão: "Não enviei mensageiros para chamar você? Por que você não veio? Será que não sou capaz de pagar o que você merece?"
38. Balaão respondeu a Balac: "Como você vê, estou aqui. Mas o que posso eu dizer? Só direi o que Javé me puser na boca".
39. Balaão foi com Balac e chegaram a Cariat-Husot.
40. Balac imolou bois e ovelhas, e ofereceu carne a Balaão e aos chefes que o acompanhavam.
41. Na manhã seguinte, Balac tomou consigo Balaão e subiu com ele a Bamot-Baal, de onde se podia ver até a extremidade do acampamento dos filhos de Israel.

[Números 23]Números 23



DEUS ABENÇOA O SEU POVO
1. Balaão disse a Balac: "Faça construir aqui sete altares e preparar para mim sete bezerros e sete carneiros".
2. Balac fez conforme Balaão havia pedido, e os dois ofereceram em holocausto um bezerro e um carneiro sobre cada altar.
3. Depois Balaão disse a Balac: "Fique de pé junto aos holocaustos que você está oferecendo, enquanto eu me afasto. Talvez Javé venha ao meu encontro. Comunicarei a você o que ele me manifestar". E Balaão foi para uma colina sem vegetação.
4. Deus foi ao encontro de Balaão, e este lhe disse: "Preparei sete altares e ofereci um bezerro e um carneiro sobre cada altar".
5. Então Javé colocou as palavras na boca de Balaão e lhe disse: "Volte para junto de Balac e fale isso".
6. Balaão voltou para junto de Balac e o encontrou ainda perto do seu holocausto, com todos os chefes de Moab.
7. Então Balaão pronunciou o seu poema: "Balac me fez vir de Aram, o rei de Moab me trouxe das montanhas do oriente: 'Venha e amaldiçoe Jacó, venha e fulmine Israel'.
8. Como amaldiçoarei, se Deus não amaldiçoa? Como fulminarei, se Javé não fulmina?
9. Sim, eu o vejo do alto do rochedo, eu o contemplo do alto das colinas: este é um povo que vive à parte, e não é contado entre as nações.
10. Quem poderia contar o pó de Jacó? Quem poderia numerar o acampamento de Israel? Possa eu morrer a morte dos justos, e o meu fim seja como o deles".
11. Então Balac disse a Balaão: "O que você está fazendo comigo? Eu trouxe você para amaldiçoar os meus inimigos, e você está abençoando?"
12. Balaão respondeu: "Devo dizer apenas aquilo que Javé me põe na boca".

O PROJETO DE DEUS NÃO É UM CRIME
13. Balac disse a Balaão: "Venha comigo a outro lugar, de onde você poderá ver o povo; daqui você só pode ver uma parte, e não o povo todo. De lá, você amaldiçoará para mim".
14. Então Balac o levou ao campo das Sentinelas, no cume do monte Fasga. Construiu sete altares e ofereceu em holocausto um bezerro e um carneiro sobre cada altar.
15. Então Balaão disse a Balac: "Fique de pé junto dos holocaustos, enquanto eu vou ao encontro de Javé".
16. Javé foi ao encontro de Balaão, colocou-lhe na boca suas palavras e lhe disse: "Volte para junto de Balac e fale isso".
17. Balaão voltou para junto de Balac e o encontrou ainda perto do seu holocausto, com todos os chefes de Moab. Balac lhe perguntou: "O que foi que Javé disse a você?"
18. Então Balaão pronunciou o seu poema: "Levante-se, Balac, e ouça; preste-me atenção, filho de Sefor.
19. Deus não mente como o homem, nem se arrepende como os humanos. Poderá ele dizer e não cumprir? Prometerá alguma coisa que depois não cumpra?
20. Recebi ordem de abençoar: pois eu abençoarei e não voltarei atrás.
21. Não se descobre maldade em Jacó, nem se encontra crime em Israel. Javé, o seu Deus, está com ele, e ele o aclama como rei.
22. Deus o tirou do Egito, e é para ele como chifres de búfalo.
23. Não há presságio contra Jacó, nem magia contra Israel: no tempo certo dirão a Jacó e a Israel o que Deus realiza.
24. Eis um povo que se levanta como leoa e se ergue como leão; não se deita antes de devorar a presa, e de beber o sangue dos que matou".
25. Balac disse a Balaão: "Se você não o amaldiçoa, pelo menos não abençoe".
26. Balaão lhe respondeu: "Já não lhe disse que só farei o que Javé me mandar?"

QUEM PODERÁ DESAFIAR O POVO DE DEUS?
27. Balac insistiu com Balaão: "Venha comigo. Vou levá-lo a outro lugar. Aí talvez Deus permita que você amaldiçoe o povo".
28. Então Balac levou Balaão ao cume do monte Fegor, que está diante do deserto.
29. Balaão pediu a Balac: "Construa-me aqui sete altares, e me prepare sete bezerros e sete carneiros".
30. Balac fez o que Balaão lhe pediu e ofereceu em holocausto um bezerro e um carneiro sobre cada altar.

[Números 24]Números 24



1. Balaão viu que Javé tinha prazer em abençoar Israel. Por isso, não foi em busca de presságios, como antes, mas virou-se para o deserto,
2. levantou os olhos e viu Israel acampado por tribos. Então o espírito de Deus desceu sobre ele,
3. e ele pronunciou o seu poema: "Oráculo de Balaão, filho de Beor, oráculo do homem de olhos penetrantes;
4. oráculo de quem ouve as palavras de Deus e conhece a ciência do Altíssimo. Ele vê o que o Todo-poderoso mostra, e entra em êxtase de olhos abertos:
5. Como são belas as suas tendas, Jacó, e suas moradas, Israel!
6. São como vales que se estendem, como jardins às margens de um rio, como árvores perfumadas que Javé plantou, como cedros ao longo das águas!
7. A água transborda de seu cântaro, e com a água sua semente se multiplica. Seu rei é mais alto que Agag, e seu reino será celebrado.
8. Deus tirou esse povo do Egito, e é para ele como chifres de búfalo. Ele devora o cadáver das nações inimigas, quebra seus ossos e as atravessa com suas flechas.
9. Ele se agacha e se deita como leão, ou como uma leoa. Quem o desafiará? Bendito seja quem abençoar você, e maldito seja quem o amaldiçoar".
10. Então Balac ficou irritado com Balaão, bateu palmas e lhe disse: "Chamei você para amaldiçoar meu inimigo, e você já o abençoou três vezes.
11. Pois agora fuja para a sua pátria. Eu lhe havia prometido riquezas, porém, Javé o deixou sem elas".
12. Balaão respondeu: "Eu já havia dito aos mensageiros que você me enviou:
13. 'Mesmo que Balac me dê seu palácio cheio de ouro e prata, eu não poderia ir contra a ordem de Javé, fazendo o mal ou o bem por conta própria. Só direi o que Javé me mandar' ".

O POVO DE DEUS TRIUNFARÁ
14. Balaão continuou: "Agora volto para o meu povo, mas antes vou explicar a você o que este povo fará no futuro ao seu povo".
15. E Balaão pronunciou o seu poema: "Oráculo de Balaão, filho de Beor; oráculo do homem de olhos penetrantes;
16. oráculo de quem ouve as palavras de Deus e conhece a ciência do Altíssimo. Ele vê o que o Todo-poderoso mostra, e entra em êxtase de olhos abertos:
17. Eu o vejo, mas não é agora; eu o contemplo, mas não de perto: uma estrela avança de Jacó, um cetro se levanta de Israel, e esmaga as têmporas de Moab e o crânio dos filhos de Set.
18. Edom se tornará conquista dele, e o inimigo Seir será sua propriedade. Israel triunfará.
19. Jacó dominará sobre seus inimigos e acabará com os que ficarem na capital".
20. Depois Balaão viu Amalec, e pronunciou o seu poema: "Amalec é a primeira das nações, mas o seu futuro será ruína eterna".
21. Depois viu os quenitas, e pronunciou o seu poema: "Sua morada é segura, Caim: você colocou seu ninho na rocha,
22. mas você será destruído, quando Assur o levar para o exílio".
23. E Balaão continuou o seu poema: "Ai de quem sobreviver depois que Deus assim agir!
24. Virão navios de Chipre e oprimirão Assur e Héber, mas no fim perecerão".
25. Depois Balaão voltou para a sua pátria. E Balac continuou o seu caminho.

[Números 25]Números 25



PERIGO DA IDOLATRIA
1. Israel fixou-se em Setim, e o povo começou a se prostituir com as filhas de Moab.
2. Estas convidaram o povo para comer dos sacrifícios a seus deuses e adorá-los.
3. Israel, então, ligou-se com o Baal de Fegor, e a ira de Javé se inflamou contra Israel.
4. Javé disse a Moisés: "Tome os chefes do povo e pendure-os num poste ao sol, diante de Javé, para que a ira ardente de Javé se afaste de Israel".
5. Moisés disse, então, aos juízes de Israel: "Que cada um mate os parentes que se ligaram com o Baal de Fegor".
6. Um filho de Israel levou para junto dos irmãos uma madianita, à vista de Moisés e de toda a comunidade dos filhos de Israel, enquanto eles choravam na entrada da tenda da reunião.
7. Vendo isso, Finéias, filho de Eleazar, filho do sacerdote Aarão, levantou-se no meio da comunidade, pegou uma lança,
8. seguiu o filho de Israel até à alcova e aí o transpassou junto com a mulher. Então se acabou a praga que feria os filhos de Israel.
9. Dentre eles, morreram vinte e quatro mil por causa da praga.
10. Javé falou a Moisés:
11. "Foi Finéias, filho de Eleazar, filho do sacerdote Aarão, quem fez cessar a minha ira contra os filhos de Israel, porque ele foi zeloso pelos meus direitos diante do povo, e o meu zelo não os consumiu.
12. Por isso eu prometo: ofereço para ele a minha aliança de paz.
13. O sacerdócio pertencerá a ele e seus descendentes, como pacto perpétuo, em recompensa do seu zelo por Deus e por ter feito a expiação pelos filhos de Israel".
14. O filho de Israel morto com a madianita se chamava Zambri, filho de Salu, chefe de família na tribo de Simeão.
15. A madianita morta se chamava Cozbi, filha de Sur, chefe de família em Madiã.
16. Javé ordenou a Moisés:
17. "Ataquem e derrotem os madianitas,
18. pois eles atacaram vocês com suas seduções, com os ritos de Fegor e com Cozbi, a filha de um chefe madianita, morta no dia da praga que surgiu por causa do problema de Fegor".

[Números 26]Números 26



COMO REPARTIR A TERRA?
1. Depois dessa praga, Javé falou a Moisés e Eleazar, filho do sacerdote Aarão:
2. "Façam o recenseamento de toda a comunidade, registrando por famílias todos os filhos de Israel maiores de vinte anos, aptos para o serviço militar".
3. Moisés e o sacerdote Eleazar fizeram o recenseamento dos filhos de Israel maiores de vinte anos, nas estepes de Moab, às margens do rio Jordão, na altura de Jericó,
4. conforme Javé havia ordenado a Moisés. Registro dos filhos de Israel que saíram do Egito:
5. Rúben, primogênito de Israel. Filhos de Rúben: Henoc e o clã dos henoquitas; Falu e o clã dos faluítas;
6. Hesron e o clã dos hesronitas; Carmi e o clã dos carmitas.
7. Esses são os clãs rubenitas: o total dos registrados foi de quarenta e três mil, setecentos e trinta.
8. Filho de Falu: Eliab.
9. Filhos de Eliab: Namuel, Datã e Abiram. Datã e Abiram eram homens de destaque no conselho, que se rebelaram contra Moisés e Aarão; estavam na companhia de Coré, quando este se revoltou contra Javé.
10. A terra abriu a boca e os engoliu, junto com Coré. Desse modo, todo o grupo morreu e o fogo devorou duzentos e cinqüenta homens, como sinal para o povo.
11. Os filhos de Coré, porém, não morreram.
12. Filhos de Simeão por clãs: Namuel e o clã dos namuelitas; Jamin e o clã dos jaminitas; Jaquin e o clã dos jaquinitas;
13. Zara e o clã dos zaraítas; Saul e o clã dos saulitas.
14. Esses são os clãs simeonitas. Formavam o total de vinte e dois mil e duzentos.
15. Filhos de Gad por clãs: Sefon e o clã dos sefonitas; Agi e o clã dos agitas; Suni e o clã dos sunitas;
16. Ozni e o clã dos oznitas; Heri e o clã dos heritas;
17. Arod e o clã dos aroditas; Areli e o clã dos arelitas.
18. Esses são os clãs gaditas. Formavam o total de quarenta mil e quinhentos.
19. Filhos de Judá: Her e Onã. Her e Onã morreram na terra de Canaã.
20. São estes os filhos de Judá e seus respectivos clãs: Sela e o clã dos selaítas; Farés e o clã dos faresitas; Zaré e o clã dos zareítas.
21. Filhos de Farés: Hesron e o clã dos hesronitas, Hamul e o clã dos hamulitas.
22. São esses os clãs judaítas. Formavam o total de setenta e seis mil e quinhentos.
23. Filhos de Issacar por clãs: Tola e o clã dos tolaítas; Fua e o clã dos fuaítas;
24. Jasub e o clã dos jasubitas; Semron e o clã dos semronitas.
25. São esses os clãs issacaritas. Formavam o total de sessenta e quatro mil e trezentos.
26. Filhos de Zabulon por clãs: Sared e o clã dos sareditas; Elon e o clã dos elonitas; Jalel e o clã dos jalelitas.
27. São esses os clãs zabulonitas. Formavam o total de sessenta mil e quinhentos.
28. Filhos de José por clãs: Manassés e Efraim.
29. Filhos de Manassés: Maquir e o clã dos maquiritas; Maquir gerou Galaad, do qual surgiu o clã galaadita.
30. Filhos de Galaad: Jezer e o clã dos jezeritas; Helec e o clã do helequitas;
31. Asriel e o clã dos asrielitas; Siquém e o clã dos siquemitas;
32. Semida e o clã dos semidaítas; Héfer e o clã dos hefritas;
33. Salfaad, filho de Héfer, não teve filhos, mas somente filhas. As filhas de Salfaad são: Maala, Noa, Hegla, Melca e Tersa.
34. São esses os clãs manassitas. Formavam o total de cinqüenta e dois mil e setecentos.
35. Filhos de Efraim por clãs: Sutala e o clã dos sutalaítas; Bequer e o clã dos bequeritas; Teen e o clã dos teenitas.
36. Filhos de Sutala: Herã e o clã dos heranitas.
37. São esses os clãs efraimitas. Formavam o total de trinta e dois mil e quinhentos. São esses os filhos de José por clãs.
38. Filhos de Benjamim por clãs: Bela e o clã dos belaítas; Asbel e o clã dos asbelitas; Airam e o clã dos airamitas;
39. Sufam e o clã dos sufamitas; Hufam e o clã dos hufamitas.
40. Filhos de Bela: Ared e Naamã. De Ared, o clã dos areditas; de Naamã, o clã dos naamanitas.
41. São esses os filhos de Benjamim por clãs. Formavam o total de quarenta e cinco mil e seiscentos.
42. Filhos de Dã por clãs: Suam e o clã dos suamitas. São esses os filhos de Dã por clãs.
43. O total do clã suamita era de sessenta e quatro mil e quatrocentos.
44. Filhos de Aser por clãs: Jemna e o clã dos jemnaítas; Jessui e o clã dos jessuítas; Beria e o clã dos beriaítas.
45. Filhos de Beria: Héber e o clã dos hebritas; Melquiel e o clã dos melquielitas.
46. Nome da filha de Aser: Sara.
47. São esses os clãs aseritas. Formavam o total de cinqüenta e três mil e quatrocentos.
48. Filhos de Neftali por clãs: Jasiel e o clã dos jasielitas; Guni e o clã dos gunitas;
49. Jeser e o clã dos jeseritas; Selém e o clã dos selemitas.
50. São esses os clãs neftalitas, conforme seus clãs. Os neftalitas formavam o total de quarenta e cinco mil e quatrocentos.
51. O total dos filhos de Israel era, portanto, seiscentos e um mil, setecentos e trinta.
52. Javé falou a Moisés:
53. "A terra será distribuída em herança para todos esses, de acordo com o número de inscritos.
54. Você dará uma propriedade maior àquele que é em maior número, e dará uma propriedade menor para aquele que tem menor número. A herança será distribuída em proporção ao número dos recenseados.
55. A divisão da terra, porém, será feita através de sorteio. A herança será recebida de acordo com o número dos nomes das famílias,
56. e a herança de cada tribo será repartida por sorteio, levando em conta o maior ou menor número".
57. Levitas recenseados por clãs: Gérson e o clã dos gersonitas; Caat e o clã dos caatitas; Merari e o clã dos meraritas.
58. São estes os clãs levitas: o clã dos lobnitas, o clã dos hebronitas, o clã dos moolitas, o clã dos musitas e o clã dos coreítas. Caat gerou Amram.
59. A esposa de Amram se chamava Jocabed, que era filha de Levi e nasceu no Egito. Filhos que ela teve com Amram: Aarão, Moisés e a irmã deles, Maria.
60. Filhos de Aarão: Nadab, Abiú, Eleazar e Itamar.
61. Nadab e Abiú morreram quando ofereciam a Javé um fogo irregular.
62. O total dos recenseados foi de vinte e três mil homens de um mês para cima. Não haviam sido recenseados com os outros filhos de Israel, pois não tinham recebido herança com eles.
63. Esse foi o recenseamento dos filhos de Israel que Moisés e o sacerdote Eleazar fizeram nas estepes de Moab, às margens do rio Jordão, na altura de Jericó.
64. Entre os registrados não havia nenhum dos que tinham sido registrados no recenseamento que Moisés e o sacerdote Aarão haviam feito no deserto do Sinai.
65. Javé tinha dito a respeito deles: "Morrerão todos no deserto e não ficará nenhum, além de Caleb, filho de Jefoné, e Josué, filho de Nun".

[Números 27]Números 27



REIVINDICAÇÃO DAS MULHERES
1. Chegaram, então, as filhas de Salfaad. Este era filho de Héfer, filho de Galaad, filho de Maquir, filho de Manassés; pertencia ao clã de Manassés, filho de José. Suas filhas se chamavam Maala, Noa, Hegla, Melca e Tersa.
2. Elas se apresentaram a Moisés, ao sacerdote Eleazar, aos chefes e a toda a comunidade, na entrada da tenda da reunião, e disseram:
3. "Nosso pai morreu no deserto. Não pertencia ao grupo de Coré, que se revoltou contra Javé. Ele morreu pelo seu próprio pecado e não deixou filhos.
4. Por que o nome de nosso pai deveria desaparecer do seu clã? Só porque não teve filhos? Dêem para nós uma propriedade entre os irmãos de nosso pai".
5. Moisés apresentou a causa delas a Javé.
6. Então Javé falou a Moisés:
7. "As filhas de Salfaad têm razão. Dê para elas uma propriedade como herança entre os irmãos do pai delas. Transmita a elas a herança do pai.
8. Depois diga aos filhos de Israel: 'Se um homem morrer sem deixar filhos, passem a herança para a filha dele.
9. Se não tiver uma filha, entreguem a herança aos irmãos dele.
10. Se não tiver irmãos, dêem a herança aos irmãos do pai dele.
11. Se o pai dele não tiver irmãos, dêem a herança ao parente mais próximo dentro do clã: este receberá a herança' ". Essa é a norma justa para os filhos de Israel, conforme Javé ordenou a Moisés.

O NOVO LÍDER
12. Javé falou a Moisés: "Suba ao monte Abarim e contemple a terra que eu vou dar aos filhos de Israel.
13. Depois de a contemplar, você se reunirá aos seus antepassados, como seu irmão Aarão.
14. Isso porque vocês foram rebeldes no deserto de Sin, quando a comunidade se revoltou contra mim, e vocês não demonstraram a minha santidade junto à fonte". Trata-se da fonte de Meriba, em Cades, no deserto de Sin.
15. Moisés falou a Javé:
16. "Então Javé, o Deus dos espíritos de todos os seres vivos, indique um chefe para a comunidade,
17. alguém que exerça a liderança, para que a comunidade de Javé não fique como rebanho sem pastor".
18. Javé respondeu a Moisés: "Tome Josué, filho de Nun, homem de grandes qualidades, e imponha a mão sobre ele.
19. Depois apresente-o ao sacerdote Eleazar e a toda a comunidade. Passe para Josué o cargo na presença deles,
20. e comunique a ele uma parte de sua própria autoridade, para que a comunidade de Israel obedeça a ele.
21. Então Josué se apresentará ao sacerdote Eleazar, que consultará Javé por ele, tirando a sorte por meio dos urim. Toda a comunidade, tanto Josué como os filhos de Israel, agirá conforme o oráculo".
22. Moisés fez o que Javé havia mandado: tomou Josué e o apresentou ao sacerdote Eleazar e a toda a comunidade.
23. Eleazar impôs sobre ele as mãos e lhe transmitiu o cargo, conforme Javé dissera por meio de Moisés.

[Números 28]Números 28



SACRIFÍCIOS DIÁRIOS
1. Javé falou a Moisés:
2. "Ordene aos filhos de Israel: Apresentem-me no tempo certo as minhas ofertas, os meus alimentos e as ofertas queimadas de perfume agradável.
3. Diga a eles: São estas as ofertas queimadas que vocês oferecerão a Javé: a cada dia dois cordeiros de um ano, perfeitos, como holocausto perpétuo.
4. Ofereça o primeiro cordeiro em holocausto pela manhã e o segundo em holocausto à tarde,
5. junto com a oblação de quatro litros e meio de flor de farinha amassada com dois litros de azeite de oliva refinado.
6. É o holocausto perpétuo que se oferecia outrora no monte Sinai como perfume agradável, uma oferta queimada para Javé.
7. A libação será de dois litros para cada cordeiro; no santuário será oferecida para Javé a libação de bebida fermentada.
8. Com o segundo cordeiro você fará o holocausto da tarde; faça-o com a mesma oblação e a mesma libação da manhã, como oferta queimada de perfume agradável para Javé.

SACRIFÍCIOS NO SÁBADO
9. No dia do sábado, ofereçam dois cordeiros de um ano, perfeitos, junto com a oblação de nove litros de flor de farinha amassada com azeite, com sua libação.
10. É o holocausto do sábado, a ser feito cada sábado, além do holocausto perpétuo e da respectiva libação.

SACRIFÍCIOS NA FESTA DA LUA NOVA
11. No primeiro dia de cada mês ofereçam, como holocausto para Javé, dois bezerros, um carneiro e sete cordeiros de um ano, todos perfeitos.
12. Para cada bezerro, juntem a oblação de treze litros e meio de flor de farinha amassada com azeite; para o carneiro, juntem a oblação de nove litros de flor de farinha amassada com azeite;
13. para cada cordeiro, juntem a oblação de quatro litros e meio de flor de farinha amassada com azeite. É o holocausto de perfume agradável, uma oferta queimada para Javé.
14. As libações que o acompanham serão de quatro litros de vinho por bezerro, de dois litros e meio para o carneiro e de dois litros para cada cordeiro. Esse é o holocausto mensal, para todos os meses do ano.
15. Além do holocausto perpétuo com sua respectiva libação, será oferecido a Javé um bode como sacrifício pelo pecado.

SACRIFÍCIOS NA FESTA DA PÁSCOA
16. No dia catorze do primeiro mês celebra-se a Páscoa de Javé,
17. e o dia quinze é dia de festa. Durante sete dias se comerão pães sem fermento;
18. no primeiro dia o povo se reunirá em assembléia santa e não realizará nenhum trabalho.
19. Ofereçam a Javé ofertas queimadas em holocausto: dois bezerros, um carneiro e sete cordeiros de um ano, todos perfeitos.
20. A oblação de flor de farinha amassada com azeite será de treze litros e meio para cada bezerro, nove litros para o carneiro,
21. e quatro litros e meio para cada um dos sete cordeiros.
22. Ofereçam também um bode para fazer o sacrifício pelo pecado de vocês.
23. Façam tudo isso além do holocausto da manhã, que é oferecido como holocausto perpétuo.
24. Façam o mesmo durante cada um dos sete dias: é alimento, oferta queimada de perfume agradável para Javé. Façam tudo isso, além do holocausto perpétuo, com sua correspondente libação.
25. No sétimo dia façam uma assembléia santa e não realizem nenhum trabalho.

SACRIFÍCIOS NA FESTA DAS SEMANAS
26. No dia dos primeiros frutos, quando vocês oferecerem a Javé uma oblação de frutos novos na festa das Semanas, façam uma assembléia santa e não realizem nenhum trabalho.
27. Ofereçam um holocausto de perfume agradável para Javé: dois bezerros, um carneiro e sete cordeiros de um ano, todos perfeitos.
28. A oblação de flor de farinha amassada com azeite será de treze litros e meio para cada bezerro, nove litros para o carneiro,
29. e quatro litros e meio para cada um dos sete cordeiros.
30. Ofereçam também um bode como sacrifício pelo pecado de vocês.
31. Façam tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e respectivas libações.

[Números 29]Números 29



SACRIFÍCIOS NA FESTA DAS ACLAMAÇÕES
1. No primeiro dia do sétimo mês vocês farão uma assembléia santa e não realizarão nenhum trabalho. Será para vocês o dia da aclamação com as trombetas.
2. Ofereçam, em holocausto de perfume agradável para Javé, um bezerro, um carneiro e sete cordeiros de um ano, todos perfeitos.
3. A oblação de flor de farinha amassada com azeite será de treze litros e meio para o bezerro, nove litros para o carneiro
4. e quatro litros e meio para cada um dos sete cordeiros.
5. Ofereçam também um bode como sacrifício pelo pecado de vocês.
6. Façam tudo isso, além do holocausto mensal e da respectiva oblação, e além do holocausto perpétuo com sua oblação e respectivas libações, conforme o ritual. É uma oferta queimada de perfume agradável para Javé.

SACRIFÍCIOS NA FESTA DA EXPIAÇÃO
7. No décimo dia do sétimo mês vocês farão uma assembléia santa, jejuarão e não realizarão nenhum trabalho.
8. Ofereçam um holocausto de perfume agradável para Javé: um bezerro, um carneiro e sete cordeiros de um ano, que vocês escolherão entre aqueles que são perfeitos.
9. A oblação de flor de farinha amassada com azeite será de treze litros e meio para o bezerro, nove litros para o carneiro,
10. e quatro litros e meio para cada um dos sete cordeiros.
11. Ofereçam também um bode como sacrifício pelo pecado, além do sacrifício pelo pecado na festa da Expiação, e além do holocausto perpétuo com sua oblação e respectivas libações.

SACRIFÍCIOS NA FESTA DAS TENDAS
12. No dia quinze do sétimo mês vocês farão uma assembléia santa: não realizarão nenhum trabalho, e durante sete dias celebrarão a festa em honra de Javé.
13. Ofereçam um holocausto, oferta queimada de perfume agradável para Javé: treze bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos.
14. A oblação de flor de farinha amassada com azeite será de treze litros e meio para cada um dos treze bezerros, nove litros para cada um dos dois carneiros,
15. e quatro litros e meio para cada um dos catorze cordeiros.
16. Ofereçam também um bode como sacrifício pelo pecado, além do holocausto perpétuo com sua oblação e respectivas libações.
17. No segundo dia ofereçam doze bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos,
18. com a oblação e a libação correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros;
19. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e respectivas libações.
20. No terceiro dia ofereçam onze bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos,
21. com a oblação e as libações correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros;
22. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e libações.
23. No quarto dia ofereçam dez bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos,
24. com a oblação e as libações correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros;
25. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e libações.
26. No quinto dia ofereçam nove bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos,
27. com a oblação e as libações correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros;
28. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e libações.
29. No sexto dia ofereçam oito bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos,
30. com a oblação e as libações correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros;
31. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e libações.
32. No sétimo dia ofereçam sete bezerros, dois carneiros e catorze cordeiros de um ano, todos perfeitos,
33. com a oblação e libações correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros,
34. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e libações.
35. No oitavo dia vocês farão assembléia e não realizarão nenhum trabalho.
36. Ofereçam um holocausto de oferta queimada de perfume agradável para Javé: um bezerro, um carneiro e sete cordeiros de um ano, todos perfeitos,
37. com a oblação e as libações correspondentes, a serem feitas conforme o ritual, segundo o número dos bezerros, carneiros e cordeiros,
38. e também um bode para o sacrifício pelo pecado. Tudo isso, além do holocausto perpétuo com sua oblação e libações.
39. Esses são os sacrifícios que vocês oferecerão a Javé nas solenidades que celebrarem, além das ofertas por seus votos e sacrifícios voluntários, e além dos holocaustos, oblações, libações e sacrifícios de comunhão".

[Números 30]Números 30



1. Moisés comunicou aos filhos de Israel tudo o que Javé lhe havia ordenado.

VOTOS E PROMESSAS
2. Moisés falou aos chefes das tribos de Israel: "Assim ordena Javé:
3. Quando um homem fizer um voto a Javé ou se comprometer com alguma coisa sob juramento, não deverá faltar à palavra. Cumpra o que prometeu.
4. Quando uma mulher, ainda solteira e morando com o pai, fizer um voto ou se obrigar a uma promessa,
5. se o pai, conhecendo o voto ou a promessa que ela fez, nada lhe disser, então os votos dela são válidos e a promessa ficará de pé.
6. Contudo, se o pai, no dia em que tomou conhecimento, fez oposição à promessa, nenhum dos votos e promessas que ela fez serão válidos. Javé a dispensa, porque o pai dela desaprovou.
7. Se ela se casar comprometida pelo voto ou pela promessa que fez sem pensar,
8. e se o marido, ao tomar conhecimento, nada lhe disser no dia em que for informado, os votos e promessas que ela fez serão válidos.
9. Contudo, no dia em que o marido tomar conhecimento, se ele fizer oposição, o voto que ela fez ficará nulo, e a promessa que fez sem pensar não terá efeito. Javé os dispensará.
10. O voto de uma viúva ou repudiada e todas as promessas que fizer serão válidos.
11. Quando uma mulher faz um voto na casa do seu marido, ou se compromete com alguma coisa sob juramento,
12. se o marido, ao saber do fato, nada lhe diz e não lhe faz oposição, então os votos dela são válidos e a promessa que fez ficará de pé.
13. Contudo, se o marido, ao ser informado, os anula, então os votos e promessas dela ficam inválidos. Seu marido os desaprovou e Javé a dispensa.
14. O marido pode confirmar ou anular qualquer voto ou juramento de penitência feito pela sua mulher.
15. Contudo, se o marido nada lhe diz até o dia seguinte, então confirma todos os votos e promessas que a obrigam: ele os confirma com o silêncio que guardou ao ser informado.
16. Todavia, se foi informado e os anula mais tarde, ele próprio levará o peso da culpa de sua mulher".
17. São essas as ordens que Javé deu a Moisés para o marido e a mulher, e para o pai e a filha, quando esta ainda vive com seu pai.
Números 31

GUERRA SANTA
1. Javé disse a Moisés:
2. "Execute a vingança dos filhos de Israel contra os madianitas. Depois você se reunirá com seus antepassados".
3. Moisés disse ao povo: "Escolham homens entre vocês, e os armem para a guerra. Eles atacarão os madianitas para realizar contra estes a vingança de Javé.
4. Mandem para a guerra mil homens de cada uma das tribos de Israel".
5. Desse modo, forneceram para a guerra doze mil homens, mil de cada uma das tribos de Israel.
6. Moisés enviou-os para a guerra, mil de cada tribo, sob as ordens de Finéias, filho do sacerdote Eleazar, com as armas sagradas e as trombetas para o toque de combate.
7. Guerrearam contra Madiã, conforme Javé ordenara a Moisés, e mataram todos os homens.
8. Mataram também os reis de Madiã: Evi, Recém, Sur, Hur e Rebe, os cinco reis de Madiã; também passaram a fio de espada Balaão, filho de Beor.
9. Os filhos de Israel levaram como prisioneiras as mulheres madianitas com suas crianças, e saquearam todo o gado, rebanhos e bens.
10. Incendiaram as cidades e todos os povoados.
11. Em seguida, carregaram todos os despojos, homens e animais.
12. Levaram os prisioneiros, o saque e os despojos para Moisés, o sacerdote Eleazar e toda a comunidade de Israel, que estava acampada na estepe de Moab, às margens do rio Jordão, na altura de Jericó.
13. Moisés, o sacerdote Eleazar e todos os chefes da comunidade saíram para recebê-los fora do acampamento.
14. Moisés ficou furioso com os chefes da tropa, generais e capitães que voltavam da guerra,
15. e lhes disse: "Por que vocês deixaram as mulheres com vida?
16. Foram elas que, instigadas por Balaão, fizeram os filhos de Israel trair Javé no caso de Fegor: por causa delas houve uma praga sobre toda a comunidade de Javé.
17. Agora, portanto, matem todas as crianças do sexo masculino e todas as mulheres que tiveram relações sexuais com homens.
18. Deixem vivas apenas as meninas que não tiveram relações sexuais com homens, e elas pertencerão a vocês.
19. Quanto a vocês, fiquem sete dias fora do acampamento. Aqueles que tiverem matado alguém ou tocado em cadáver, deverão purificar-se, junto com os prisioneiros, no terceiro e no sétimo dia.
20. Purifiquem também toda roupa, objetos de couro ou de pêlo de cabra e todos os objetos de madeira".
21. O sacerdote Eleazar disse aos guerreiros que tinham voltado da guerra: "São estas as ordens que Javé deu a Moisés:
22. ouro, prata, bronze, ferro, estanho e chumbo,
23. tudo o que resiste ao fogo, vocês deverão purificar com o fogo e lavar com a água da purificação, e vocês deverão lavar com água tudo o que não resiste ao fogo.
24. No sétimo dia vocês lavarão as roupas e ficarão puros. Depois poderão entrar no acampamento".




Compartilhe com seus amigos:
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal