Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO



Baixar 5.7 Mb.
Página53/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   49   50   51   52   53   54   55   56   ...   197

20. A sentinela anunciou: "O mensageiro chegou até eles, mas não está voltando. Pelo jeito de guiar o carro, deve ser Jeú, neto de Namsi. Ele vem guiando como um doido!"
21. Jorão disse: "Preparem o meu carro". O carro foi preparado, e Jorão, rei de Israel, e Ocozias, rei de Judá, cada qual no seu carro, saíram ao encontro de Jeú e se encontraram com ele na propriedade de Nabot de Jezrael.
22. Ao ver Jeú, Jorão perguntou: "Está tudo bem, Jeú?" Este respondeu: "Como pode estar tudo bem, se continuam as prostituições de sua mãe Jezabel e as inúmeras magias?"
23. Então Jorão virou o carro e fugiu, gritando para Ocozias: "É traição, Ocozias!"
24. Jeú, porém, já havia esticado o arco, e atingiu Jorão no meio das costas. A flecha varou o coração de Jorão, e ele caiu no carro.
25. Jeú ordenou para seu escudeiro Badacer: "Tire e jogue-o no terreno que pertencia a Nabot de Jezrael. Você se lembra quando nós dois estávamos juntos num carro perseguindo Acab, o pai dele? Javé pronunciou então esta sentença contra ele:
26. 'Ontem à tarde eu vi o sangue de Nabot e dos filhos dele, oráculo de Javé. Farei você pagar neste mesmo terreno, oráculo de Javé'. Agora, portanto, tire Jorão e jogue-o neste terreno, conforme a palavra de Javé".
27. Vendo isso, Ocozias, rei de Judá, fugiu pelo caminho de Bet-Gã. Jeú o perseguiu e gritou: "Matem Ocozias também". E ele foi ferido no seu carro, na subida de Gaver, perto de Jeblaam. Refugiou-se em Meguido, onde morreu.
28. E foi levado num carro pelos seus servos para Jerusalém e enterrado no seu túmulo, juntamente com seus antepassados, na Cidade de Davi.
29. Ocozias tinha subido ao trono de Judá no ano onze do reinado de Jorão, filho de Acab.
30. Jeú foi para Jezrael. Ao saber disso, Jezabel pintou os olhos, enfeitou a cabeça e ficou na janela.
31. Quando Jeú atravessou a porta da cidade, ela perguntou: "Está tudo bem, ó Zambri, assassino do seu senhor?"
32. Jeú olhou para a janela e disse: "Quem está comigo?" Dois ou três funcionários disseram que estavam do lado dele.
33. Então Jeú ordenou: "Joguem essa mulher para baixo". Eles a jogaram. E o sangue dela espirrou na parede e nos cavalos, que a pisotearam.
34. Em seguida, Jeú entrou, comeu e bebeu. Depois disse: "Vão ver aquela maldita e a enterrem, pois é filha de rei".
35. Mas, quando chegaram para enterrá-la, só encontraram o crânio, os pés e as mãos.
36. Foram contar a Jeú, e ele disse: "Esta foi a palavra que Javé pronunciou por meio de seu servo Elias, o tesbita: No campo de Jezrael, os cães devorarão a carne de Jezabel,
37. e o cadáver de Jezabel será como esterco espalhado pelo campo de Jezrael, de modo que não se poderá reconhecer que é Jezabel!"

[II Reis 10]II Reis 10



EXTERMINANDO A IDOLATRIA
1. Em Samaria havia setenta filhos de Acab. Jeú escreveu cartas, e as enviou para Samaria aos chefes da cidade, aos anciãos e tutores dos filhos de Acab. As cartas diziam:
2. "Quando esta carta chegar, vocês, que estão com os filhos do seu senhor e possuem carros e cavalos, cidade fortificada e armas,
3. escolham o melhor e o mais digno dos filhos do seu senhor e o coloquem no trono do pai. Depois lutem pela família do senhor de vocês!"
4. Eles, porém, ficaram com muito medo, e disseram: "Se dois reis não puderam resistir a Jeú, como é que nós vamos conseguir?"
5. Então o prefeito do palácio, o comandante da cidade, os anciãos e os tutores mandaram dizer a Jeú: "Somos seus servos. Faremos o que você mandar. Não vamos escolher nenhum rei. Faça o que você achar melhor".
6. Jeú escreveu outra carta, dizendo: "Se vocês estão do meu lado e querem me escutar, façam o seguinte: peguem os cabeças dentre os homens da família do seu senhor e venham aqui em Jezrael, amanhã, nesta mesma hora". Setenta filhos do rei moravam nas casas dos notáveis da cidade, onde eram educados.
7. Quando a carta chegou, eles pegaram os filhos do re

i, degolaram os setenta, puseram as cabeças dentro de cestos e mandaram para Jezrael.


8. Um mensageiro anunciou a Jeú: "Eles trouxeram as cabeças dos filhos do rei". Jeú ordenou: "Façam com as cabeças dois montes na entrada, junto à porta da cidade, e deixem aí até amanhã de manhã".
9. E de manhã, Jeú saiu, e em pé falou a todo o povo: "Vocês são inocentes! De fato, eu conspirei contra meu senhor e o matei. Mas esses outros aqui, quem foi que os matou?
10. Pois fiquem sabendo que não ficará sem se cumprir nenhuma palavra que Javé pronunciou contra a família de Acab. Javé realizou o que havia dito por meio do seu servo Elias".
11. E Jeú matou também todos os que restavam da família de Acab em Jezrael: notáveis, parentes e sacerdotes. Não sobrou nenhum.
12. Jeú foi para Samaria. No caminho, em Curral dos Pastores,
13. encontrou parentes de Ocozias, rei de Judá, e perguntou: "Quem são vocês?" Eles responderam: "Somos parentes de Ocozias e estamos indo visitar os filhos do rei e os filhos da rainha-mãe".
14. Jeú ordenou: "Prendam vivos esses homens". Eles foram presos vivos e depois degolados no poço de Curral. Eram quarenta e dois, e não sobrou nenhum.
15. Saindo daí, Jeú se encontrou com Jonadab, filho de Recab, que vinha ao seu encontro, o cumprimentou e lhe disse: "Você é leal para mim como eu sou para você?" Jonadab respondeu: "Sou". Jeú replicou: "Então me dê a mão". Jonadab estendeu-lhe a mão, e Jeú o fez subir ao seu lado no carro,
16. dizendo: "Venha comigo, que você verá o zelo que eu tenho por Javé". E o levou no carro.
17. Ao entrar em Samaria, mandou matar todos os sobreviventes da família de Acab que estavam em Samaria. Exterminou toda a família de Acab, como Javé tinha dito a Elias.
18. Jeú reuniu todo o povo e falou: "Acab tinha servido pouco a Baal. Jeú vai servi-lo muito mais.
19. Agora, portanto, chamem todos os profetas de Baal, todos os seus fiéis e sacerdotes. Ninguém deve faltar, pois quero oferecer um grande sacrifício a Baal. Quem faltar, morrerá". Jeú agiu com astúcia para acabar com os fiéis de Baal.
20. Jeú ordenou: "Convoquem uma festa solene em honra de Baal". E eles convocaram.
21. Jeú enviou mensageiros para todo o Israel, e todos os fiéis de Baal se apresentaram. Ninguém faltou. Foram para o templo de Baal, que ficou lotado.
22. Jeú ordenou ao guarda do vestiário: "Traga vestes para todos os fiéis de Baal". E o guarda trouxe vestes para todos.
23. Jeú e Jonadab, filho de Recab, foram para o templo. E Jeú disse aos fiéis de Baal: "Vejam bem se aqui há somente devotos de Baal, e não de Javé".
24. Então Jeú se aproximou para oferecer sacrifícios e holocaustos. Jeú, porém, tinha colocado do lado de fora oitenta homens, com esta ordem: "Quem deixar escapar uma só dessas pessoas que eu vou entregar a vocês pagará com a própria vida".
25. Quando terminou de oferecer o holocausto, Jeú ordenou aos guardas e escudeiros: "Entrem e matem todos. Não deixem ninguém sair". Os guardas e escudeiros mataram todos e os atiraram para fora. Depois voltaram ao templo de Baal,
26. arrancaram o poste sagrado do templo e o queimaram.
27. Derrubaram a estela de Baal, demoliram o templo de Baal e no lugar construíram latrinas, que até hoje estão aí.
28. Jeú fez Baal desaparecer de Israel.
29. Somente não se afastou dos pecados que Jeroboão, filho de Nabat, tinha feito Israel cometer: os bezerros de ouro que estavam em Betel e Dã.
30. Javé disse a Jeú: "Porque você agiu bem, fazendo o que eu aprovo, e tratou a família de Acab como eu queria, os seus filhos sentarão no trono de Israel até a quarta geração".
31. Jeú, porém, não se preocupou em seguir de todo o coração a lei de Javé, o Deus de Israel. Ele não se afastou dos pecados que Jeroboão tinha feito Israel cometer.
32. Nessa época, Javé retalhou o território de Israel. Hazael venceu Israel em todas as fronteiras,
33. a partir do rio Jordão, ao Oriente. E se apossou de todo o território de Galaad, de Gad, de Rúben, de Manassés, desde Aroer, junto ao rio Arnon, assim como Galaad e Basã.
34. O resto da história de Jeú, e do que ele fez, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Israel.
35. Jeú morreu e foi enterrado em Samaria. E seu filho Joacaz lhe sucedeu no trono.
36. Jeú reinou vinte e oito anos sobre Israel, em Samaria.

[II Reis 11]II Reis 11



ATALIA EM JUDÁ: FIM DO ARBÍTRIO
1. Quando Atalia, mãe de Ocozias, soube que seu filho estava morto, resolveu acabar com a descendência real.
2. Josaba, filha do rei Jorão e irmã de Ocozias, conseguiu salvar seu sobrinho Joás dentre os filhos do rei que estavam sendo massacrados. Levou o menino, com a ama dele, para o quarto dos leitos, escondendo-o de Atalia. Assim, Joás escapou da morte.
3. E Joás, com sua ama, ficou seis anos escondido no Templo de Javé, enquanto Atalia reinava no país.
4. No sétimo ano, Joiada mandou chamar os oficiais dos mercenários e os guardas. E os reuniu no Templo de Javé. Aí concluiu uma aliança com eles, fez com que prestassem juramento e, então, mostrou-lhes o filho do rei.
5. Em seguida, ordenou-lhes: "Vocês vão fazer o seguinte: Um terço de vocês, que entra em serviço no sábado para montar guarda no palácio real,
6. os que ficam na porta de Sur e os que ficam na porta atrás dos guardas, montarão guarda no Templo para controlar a entrada.
7. Os outros dois grupos, que não trabalham no sábado, montarão guarda no Templo de Javé, junto ao rei.
8. Façam em torno do rei um círculo, com armas em punho. Matem todo aquele que quiser forçar as fileiras. E fiquem sempre junto do rei, aonde quer que ele vá".
9. Os oficiais fizeram como o sacerdote Joiada tinha mandado. Cada um deles reuniu seus homens, tanto os que entravam em serviço no sábado como os que saíam, e foram até o sacerdote Joiada.
10. O sacerdote entregou aos oficiais as lanças e escudos do rei Davi, que estavam no Templo de Javé.
11. De armas em punho, os guardas tomaram seus lugares, desde o ângulo sul até o ângulo norte do Templo, rodeando o altar e o Templo, para proteger o rei.
12. Então Joiada pediu para o rei sair, colocou nele a coroa e entregou-lhe o documento da aliança. Joás foi proclamado rei e ungido. Todos aplaudiram, aclamando: "Viva o rei!"
13. Ouvindo os gritos do povo, Atalia foi ao encontro do povo no Templo de Javé.
14. Mas quando viu o rei de pé no estrado, segundo o costume, os oficiais e os tocadores de trombeta junto ao rei, todo o povo da terra gritando de alegria e tocando trombeta, ela rasgou a roupa e disse: "Traição, traição!"
15. Então o sacerdote Joiada ordenou aos oficiais das tropas: "Arrastem Atalia para fora, por entre as fileiras. Se alguém a seguir, passem a fio de espada". O sacerdote, de fato, havia dito: "Não a matem dentro do Templo de Javé".
16. Agarraram Atalia e, chegando ao palácio real, na entrada da porta dos Cavalos, aí a mataram.
17. Joiada selou, entre Javé e o rei com o povo, a aliança, pela qual este se comprometia a ser o povo de Javé. Selou também contrato entre o rei e o povo.
18. Em seguida, todo o povo da terra foi até o templo de Baal e o arrasou: demoliram os altares e as imagens e, diante dos altares, executaram Matã, sacerdote de Baal. O sacerdote Joiada colocou guardas no Templo de Javé.
19. Depois reuniu os oficiais, os mercenários, os guardas e todo o povo da terra. Fizeram o rei sair do Templo de Javé e o levaram ao palácio real pela porta dos Guardas. E Joás sentou-se no trono dos reis.
20. Todo o povo da terra festejou, e a cidade ficou tranqüila, porque Atalia tinha sido morta pela espada no palácio real.

[II Reis 12]II Reis 12



JOÁS EM JUDÁ: IMPORTÂNCIA DO TEMPLO
1. Joás tinha sete anos quando começou a reinar.
2. Ele subiu ao trono no sétimo ano de Jeú. E reinou quarenta anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Sebias e era natural de Bersabéia.
3. Durante toda a sua vida, Joás fez o que Javé aprova, pois tinha sido educado pelo sacerdote Joiada.
4. Contudo, os lugares altos não desapareceram, e o povo continuou a oferecer sacrifícios e a queimar incenso nos lugares altos.
5. Joás disse aos sacerdotes: "Todo o dinheiro das ofertas sagradas oferecido ao Templo de Javé, o dinheiro que circula, o dinheiro das taxas individuais, o dinheiro das ofertas voluntárias, tudo seja levado para o Templo de Javé.
6. Que os sacerdotes o recolham da mão de seus conhecidos, para fazer reformas necessárias no Templo".
7. Aconteceu que, no ano vinte e três do reinado de Joás, os sacerdotes ainda não tinham feito as reformas necessárias no Templo de Javé.
8. O rei Joás mandou chamar o sacerdote Joiada e os outros sacerdotes, e lhes perguntou: "Por que vocês não fizeram a reforma do Templo? De agora em diante, vocês não ficarão mais com o dinheiro entregue pelos seus conhecidos; vocês têm que entregá-lo para a reforma do Templo".
9. Os sacerdotes concordaram em não receber dinheiro do povo, e não serem mais os encarregados da reforma do Templo.
10. Então o sacerdote Joiada pegou um cofre, fez um buraco na tampa e o colocou junto do altar, no lado direito de quem entra no Templo de Javé. E os sacerdotes porteiros depositavam aí todo o dinheiro que era levado para o Templo.
11. Quando eles viam que havia muito dinheiro no cofre, o secretário do rei e o sumo sacerdote iam, recolhiam e contavam o dinheiro que havia no Templo de Javé.
12. Depois de ter conferido o dinheiro, eles o entregavam aos mestres de obras encarregados do Templo de Javé. Estes utilizavam o dinheiro para pagar carpinteiros e construtores que trabalhavam no Templo de Javé,
13. pedreiros e escultores, e também para comprar madeira e pedra utilizadas na restauração do Templo de Javé.
14. Com esse dinheiro oferecido para o Templo de Javé, não se faziam taças de prata, facas, bacias para aspersão, trombetas, nem objetos de ouro ou prata.
15. O dinheiro era entregue aos mestres de obras, que o usavam na reforma do Templo de Javé.
16. Nem se pediam contas aos homens que recebiam o dinheiro para pagar os operários, porque eles agiam com honestidade.
17. Contudo, o dinheiro oferecido para os sacrifícios de reparação e os sacrifícios pelo pecado não era destinado para o Templo de Javé, mas para os sacerdotes.
18. Hazael, rei de Aram, depois de fazer guerra contra Gat e tomá-la, resolveu subir para atacar Jerusalém.
19. Então Joás, rei de Judá, pegou os objetos que seus antepassados, Josafá, Jorão e Ocozias, reis de Judá, haviam consagrado, e que ele próprio havia consagrado, todo o ouro que existia nos tesouros do Templo de Javé e no palácio real; pegou tudo isso e entregou a Hazael, rei de Aram. Então este se retirou de Jerusalém.
20. O resto da história de Joás, e do que ele fez, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Judá.
21. Seus oficiais se rebelaram e o traíram: Joás foi morto em Bet-Melo, na descida do aterro.
22. Foram seus oficiais Jozacar, filho de Semaat, e Jozabad, filho de Somer, que o feriram de morte. Joás foi enterrado com seus antepassados na Cidade de Davi. E seu filho Amasias lhe sucedeu no trono.

[II Reis 13]II Reis 13



JOACAZ EM ISRAEL: PROMESSA DE UM LIBERTADOR
1. Joacaz, filho de Jeú, começou a reinar sobre Israel, em Samaria, no ano vinte e três do rei Joás, filho de Ocozias, rei de Judá. Ele reinou dezessete anos.
2. Fez o que Javé reprova: imitou os pecados que Jeroboão, filho de Nabat, havia feito Israel cometer, e não os eliminou.
3. Por isso, a ira de Javé se inflamou contra Israel e, durante todo esse período, o tornou submisso a Hazael, rei de Aram, e a Ben-Adad, filho de Hazael.
4. Então Joacaz implorou a Javé, e Javé o escutou, porque viu como o rei de Aram oprimia Israel.
5. Javé deu a Israel um libertador, que o libertou do poder de Aram. E os israelitas puderam morar em suas tendas, como antes.
6. Não se afastaram, porém, dos pecados que Jeroboão tinha feito Israel cometer. Continuaram a cometê-los. Até o poste sagrado continuou erguido em Samaria.
7. Foi por isso que Javé deixou para Joacaz somente cinqüenta cavaleiros, dez carros e dez mil soldados de infantaria. O rei de Aram os havia exterminado e reduzido à poeira da estrada.
8. O resto da história de Joacaz, do que ele fez e suas façanhas, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Israel.
9. Joacaz morreu e foi enterrado em Samaria. E seu filho Joás lhe sucedeu no trono.

JOÁS EM ISRAEL: O MAL CONTINUA
10. Joás, filho de Joacaz, começou a reinar sobre Israel, em Samaria, no ano trinta e sete de Joás, rei de Judá. Ele reinou dezesseis anos.
11. Fez o que Javé reprova, e não se afastou dos pecados que Jeroboão, filho de Nabat, havia feito Israel cometer, e continuou a praticá-los.
12. O resto da história de Joás, do que ele fez e suas façanhas, a guerra que ele moveu contra Amasias, rei de Judá, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Israel.
13. Joás foi se juntar a seus antepassados. E Jeroboão lhe sucedeu no trono. Joás foi enterrado em Samaria, com os reis de Israel.

A AÇÃO PROFÉTICA NÃO PÁRA
14. Quando Eliseu pegou a doença que o levaria à morte, Joás, rei de Israel, foi visitá-lo. E chorou sobre ele, dizendo: "Meu pai, meu pai! Carro e cavalaria de Israel!"
15. Eliseu disse: "Vá buscar o arco e algumas flechas". Joás foi buscar o arco e algumas flechas.
16. Então Eliseu ordenou ao rei: "Segure o arco". E Joás segurou o arco. Eliseu pôs as mãos sobre as mãos do rei,
17. e disse: "Abra a janela do lado do Oriente". E o rei abriu a janela. Eliseu ordenou: "Atire". E Joás atirou. Eliseu exclamou: "Flecha vitoriosa para Javé! Flecha vitoriosa contra Aram! Você vencerá Aram em Afec até eliminá-lo".
18. E continuou: "Pegue as flechas". Joás pegou as flechas. Eliseu ordenou ao rei: "Golpeie o chão". O rei disparou três flechas, e parou.
19. O homem de Deus ficou irritado contra o rei e disse: "Você deveria ter disparado cinco ou seis flechas! Então você derrotaria Aram até eliminá-lo. Mas agora, você vencerá Aram somente três vezes!"
20. Eliseu morreu e foi enterrado. Todos os anos, bandos moabitas faziam incursões no país.
21. Certa vez, alguns homens que estavam enterrando um morto avistaram um desses bandos. Jogaram o corpo dentro do túmulo de Eliseu e foram embora. Aconteceu que o corpo, tocando os ossos de Eliseu, reviveu e se colocou de pé.
22. Hazael, rei de Aram, oprimiu os israelitas durante todo o tempo em que Joacaz viveu.
23. Javé, porém, teve piedade e se compadeceu deles. Voltou-se para eles, por causa da aliança que tinha feito com Abraão, Isaac e Jacó, e ainda não quis destruí-los, nem os afastou de sua presença.
24. Hazael, rei de Aram, morreu. E seu filho Ben-Adad subiu ao trono em seu lugar.
25. Então Joás, filho de Joacaz, retomou do poder de Ben-Adad, filho de Hazael, as cidades que Hazael tinha arrebatado de seu pai Joacaz durante a guerra. Joás venceu três vezes os arameus, e reconquistou as cidades de Israel.

[II Reis 14]VII. FIM DO REINO DE ISRAEL



II Reis 14

AMASIAS EM JUDÁ: PROGRESSO NA LEGISLAÇÃO
1. Amasias, filho de Joás, começou a reinar em Judá no segundo ano do rei Joás, filho de Joacaz, rei de Israel.
2. Ele tinha vinte e cinco anos quando subiu ao trono. E reinou vinte e nove anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Joaden e era natural de Jerusalém.
3. Fez o que Javé aprova, mas não como seu antepassado Davi. Seguiu em tudo o seu pai Joás.
4. Todavia, os lugares altos não desapareceram, e o povo continuou a oferecer sacrifícios e a queimar incenso nos lugares altos.
5. Tendo consolidado o poder em suas mãos, Amasias mandou matar os oficiais que tinham assassinado o rei, seu pai.
6. Ele, porém, não mandou matar os filhos dos assassinos, respeitando assim o que está escrito no livro da Lei de Moisés, onde Javé ordena: "Os pais não serão mortos por causa de seus filhos, nem os filhos serão mortos por causa dos pais. Cada um morrerá por causa de seu próprio pecado".
7. Amasias derrotou os edomitas no Vale do Sal, cerca de dez mil homens. Durante a guerra, conquistou Rocha e mudou o nome dela para Jecetel, nome que se conserva até hoje.
8. Amasias mandou, então, emissários a Joás, filho de Joacaz e neto de Jeú, rei de Israel, com esta mensagem: "Venha para me enfrentar".
9. Joás, rei de Israel, respondeu a Amasias, rei de Judá, com esta mensagem: "O espinheiro do Líbano mandou dizer para o cedro do Líbano: 'Dê-me sua filha como esposa para meu filho'. Mas as feras do Líbano passaram e pisotearam o espinheiro.
10. Você derrotou Edom e se encheu de orgulho. Celebre sua glória, mas fique em casa. Por que você quer se meter numa guerra desastrosa, provocando a sua ruína e a ruína de Judá?"
11. Amasias, porém, não fez caso. Então Joás, rei de Israel, foi enfrentar Amasias, rei de Judá, em Bet-Sames, que pertence a Judá.
12. E Judá foi derrotado por Israel e cada um fugiu para a sua tenda.
13. Em Bet-Sames, Joás, rei de Israel, prendeu Amasias, filho de Joás e neto de Ocozias, e o levou para Jerusalém. Fez uma brecha de duzentos metros na muralha de Jerusalém, desde a porta de Efraim até a porta do Ângulo,
14. e se apoderou do ouro, da prata e de todos os objetos que estavam no Templo de Javé e no tesouro do palácio real. Além disso, tomou reféns, e voltou para Samaria.
15. O resto da história de Joás, todas as suas façanhas militares e a guerra que fez contra Amasias, rei de Judá, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Israel.
16. Joás foi juntar-se a seus antepassados e foi enterrado em Samaria, com os reis de Israel. E seu filho Jeroboão lhe sucedeu no trono.
17. Amasias, filho de Joás, rei de Judá, viveu ainda quinze anos depois da morte de Joás, filho de Joacaz, rei de Israel.
18. O resto da história de Amasias está escrito nos Anais dos Reis de Judá.
19. Ele foi vítima de uma conspiração em Jerusalém e fugiu para Laquis. Mas foi perseguido até Laquis, e aí o mataram.
20. Transportaram seu corpo a cavalo, e o enterraram em Jerusalém, junto com seus antepassados, na Cidade de Davi.
21. Todo o povo de Judá escolheu então Ozias, que tinha dezesseis anos, e o proclamaram rei no lugar de seu pai Amasias.
22. Foi ele que reconstruiu Elat e a reconquistou para Judá, depois que Amasias morreu.

JEROBOÃO II EM ISRAEL: DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS SOCIAIS
23. Jeroboão, filho de Joás, começou a reinar sobre Israel, em Samaria, no ano quinze do rei Amasias, filho de Joás, rei de Judá. Ele reinou quarenta e um anos.
24. Fez o que Javé reprova, e não se afastou de todos os pecados que Jeroboão, filho de Nabat, tinha feito Israel cometer.
25. Jeroboão restabeleceu as fronteiras de Israel, desde a entrada de Emat até o mar da Arabá, conforme a palavra de Javé, o Deus de Israel, anunciada através do seu servo, o profeta Jonas, filho de Amati, natural de Gat-Ofer.


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   49   50   51   52   53   54   55   56   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal