Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO



Baixar 5.7 Mb.
Página55/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   51   52   53   54   55   56   57   58   ...   197

VITÓRIA DE JAVÉ
8. O chefe dos copeiros voltou e encontrou o rei da Assíria guerreando contra Lebna. É que o chefe dos copeiros tinha ouvido dizer que o rei se retirara de Laquis,
9. ao receber a notícia de que Taraca, rei da Etiópia, tinha partido para guerrear contra ele. Senaquerib mandou outros mensageiros a Ezequias, comunicando:
10. "Falem assim a Ezequias, rei de Judá: Que o Deus em que você confia não o engane, dizendo que Jerusalém não cairá em poder do rei da Assíria.
11. Você mesmo ouviu dizer o que os reis da Assíria fizeram a todas as nações, destruindo-as completamente. Como você poderia escapar?
12. Por acaso, os deuses deles libertaram as nações que meus antepassados devastaram? Gozã, Aram, Resef, e os edenitas que moravam em Telbasar?
13. Onde estão os deuses de Emat, o rei de Arfad, o rei de Lair, de Sefarvaim, de Ana e de Ava?"
14. Ezequias pegou a carta da mão dos mensageiros e a leu. Depois subiu ao Templo, abriu a carta diante de Javé,
15. e rezou: "Javé, Deus de Israel, que te assentas sobre os querubins. Tu és o único Deus de todos os reinos do mundo. Tu fizeste o céu e a terra.
16. Inclina teu ouvido, Javé, e escuta! Abre teus olhos, Javé, e olha! Ouve as palavras de Senaquerib, que mandou mensageiros para insultar o Deus vivo!
17. É verdade, Javé: os reis da Assíria devastaram todos os países e seus territórios.
18. Queimaram todos os seus deuses, porque não são deuses, mas obras de mãos humanas. São madeira e pedra, e por isso eles conseguiram destruí-los.
19. Agora, Javé nosso Deus, salva-nos da mão deles, para que todos os reinos do mundo saibam que só tu, Javé, és Deus".
20. Então Isaías, filho de Amós, mandou dizer a Ezequias: "Assim diz Javé, o Deus de Israel: Escutei o que você me pediu a respeito de Senaquerib, rei da Assíria.
21. Eis o oráculo que Javé pronuncia contra ele: A virgem capital de Sião despreza e caçoa de você. A cidade de Jerusalém balança a cabeça atrás de você.
22. A quem você insultou e blasfemou? Contra quem você ergueu a voz e olhou com desprezo? Contra o Santo de Israel!
23. Você insultou o Senhor por meio de seus mensageiros, dizendo: 'Com meus numerosos carros subi até o alto dos montes e ao topo do Líbano. Cortei seus cedros mais altos e seus mais belos ciprestes. Cheguei ao seu ponto mais alto e ao seu bosque mais fechado.
24. Cavei e bebi as águas estrangeiras e, com a planta de meus pés, sequei todos os rios do Egito'.
25. Por acaso, você não ouviu nada? Eu decidi isso há muito tempo. Preparei tudo isso em tempos distantes, e agora vou realizar. Sua missão foi reduzir cidades fortificadas a um montão de ruínas.
26. E os habitantes delas, já sem forças, com a vergonha da derrota, ficaram como a erva do campo, como a grama verdejante; ficaram como o capim do telhado, queimado pelo vento leste.
27. Eu sei quando você se levanta e se assenta, quando você entra e quando sai.
28. Porque você se agita contra mim, e seu atrevimento chega aos meus ouvidos, eu vou colocar a minha argola em suas narinas e o meu freio na sua boca. Vou fazer você voltar pelo mesmo caminho por onde veio.
29. Isto será o sinal para você, Ezequias: Neste ano, vocês comerão do que nascer sem plantar. No ano que vem, do que brotar sem semear. Mas, no terceiro ano, vocês semearão e colherão, plantarão vinhas e comerão seus frutos.
30. O resto da casa de Judá que sobreviver, produzirá novas raízes embaixo e novos frutos em cima.
31. Porque de Jerusalém sairá um resto, e do monte Sião os sobreviventes. O zelo de Javé dos exércitos fará tudo isso.
32. Portanto, assim diz Javé sobre o rei da Assíria: Ele não entrará nesta cidade, nem lançará nenhuma flecha nela. Não se aproximará com o escudo, nem levantará aterro contra ela.
33. Ele voltará por onde veio, e não entrará nesta cidade, oráculo de Javé.
34. Eu protegerei esta cidade e a salvarei, pela minha honra e pela honra do meu servo Davi".
35. Nessa mesma noite, o anjo de Javé saiu e feriu cento e oitenta e cinco mil homens no acampamento assírio. De manhã, ao despertar, só havia cadáveres.
36. Senaquerib, rei da Assíria, levantou o acampamento e partiu. Voltou para Nínive e aí ficou.
37. Certo dia, ele estava fazendo adoração no templo de Nesroc, seu deus. E seus filhos Adramelec e Sarasar o mataram à espada e fugiram para o país de Ararat. Seu filho Asaradon reinou em seu lugar.

[II Reis 20]II Reis 20



O SINAL CONFIRMA A PALAVRA
1. Nessa ocasião, Ezequias adoeceu de uma enfermidade mortal. O profeta Isaías, filho de Amós, foi visitá-lo. E lhe disse: "Assim diz Javé: Ponha em ordem a sua casa, porque você vai morrer, não vai escapar".
2. Então Ezequias virou o rosto para a parede e fez esta prece a Javé:
3. "Ah! Javé! Não te esqueças: eu procurei sempre andar na tua presença com toda a fidelidade e de coração limpo. Eu procurei fazer sempre o que era bom aos teus olhos". E Ezequias começou a chorar convulsivamente.
4. Isaías ainda não tinha deixado o pátio interno, quando recebeu a palavra de Javé:
5. "Vá falar a Ezequias, chefe do meu povo: Assim diz Javé, o Deus de seu antepassado Davi: escutei a sua oração, e vi as suas lágrimas. Vou curar você e, em três dias, você subirá ao Templo de Javé.
6. Eu vou aumentar em quinze anos a duração de sua vida, e vou livrá-lo das mãos do rei da Assíria, a você e a esta cidade. Vou proteger esta cidade pela honra do meu Nome e pela honra do meu servo Davi".
7. Isaías ordenou: "Tragam aqui um pão de figos". Pegaram um pão e o colocaram sobre a ferida, e o rei recuperou a saúde.
8. Ezequias perguntou: "Qual é o sinal de que Javé vai me curar, e de que subirei ao Templo de Javé dentro de três dias?"
9. Isaías respondeu: "O sinal de que Javé vai cumprir o que prometeu, é este: Você quer que a sombra avance ou volte para trás dez degraus?"
10. Ezequias disse: "Avançar dez degraus é fácil para a sombra. Quero que ela recue dez degraus".
11. O profeta Isaías invocou Javé, e este fez a sombra recuar dez degraus que o sol já havia descido, os degraus do quarto superior de Acaz, dez degraus para trás.

CONFIANÇA DESASTROSA
12. Nessa ocasião, o rei da Babilônia, Merodac-Baladã, filho de Baladã, mandou cartas e um presente a Ezequias, pois tinha recebido notícia de sua enfermidade e convalescença.
13. Ezequias ficou muito satisfeito com isso e mostrou toda a sua riqueza aos embaixadores: a prata, o ouro, os perfumes, o óleo fino, como também toda a casa de armas; enfim, tudo o que havia nos seus depósitos. Ezequias não deixou nada sem mostrar de tudo o que havia no seu palácio e dependências.
14. O profeta Isaías foi procurar o rei Ezequias e lhe perguntou: "O que disseram esses indivíduos? De onde vieram eles?" Ezequias respondeu: "Eles vieram de um país muito distante. Vieram da Babilônia".
15. Isaías perguntou: "O que é que eles viram no seu palácio?" Ezequias respondeu: "Eles viram tudo o que existe no meu palácio. Não há nada do meu tesouro que eu não lhes tenha mostrado".
16. Isaías disse, então, a Ezequias: "Escute a palavra de Javé:
17. Chegará o dia em que a Babilônia levará tudo o que existe no seu palácio, tudo o que seus antepassados foram ajuntando até o dia de hoje. Não vai sobrar nada diz Javé.
18. Alguns filhos que saíram de você, que você gerou, serão levados para que sirvam como eunucos no palácio do rei da Babilônia".
19. Ezequias disse a Isaías: "A palavra de Javé que você me transmite é de felicidade". Pois ele pensava assim: "Pelo menos durante a minha vida, haverá paz e segurança".
20. O resto da história de Ezequias, e do que ele fez, e como construiu o reservatório e o aqueduto para levar água à cidade, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Judá.
21. Ezequias morreu e foi enterrado. E seu filho Manassés lhe sucedeu no trono.

[II Reis 21]II Reis 21



MANASSÉS EM JUDÁ: TEMPO DE OPRESSÃO
1. Manassés tinha doze anos quando subiu ao trono, e reinou cinqüenta e cinco anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Hafsiba.
2. Fez o que Javé reprova, imitando as abominações das nações que Javé havia expulsado diante dos israelitas.
3. Reconstruiu os lugares altos que seu pai Ezequias havia destruído; ergueu altares para Baal e levantou um poste sagrado, como havia feito Acab, rei de Israel; prostrou-se diante de todo o exército do céu, que ele adorou;
4. construiu altares pagãos no Templo de Javé, a respeito do qual Javé havia dito: "Em Jerusalém colocarei o meu Nome";
5. ergueu também altares para todo o exército do céu nos dois pátios do Templo de Javé;
6. sacrificou seu filho no fogo; praticou adivinhação e magia, estabelecendo necromantes e adivinhos. E multiplicando as ações que Javé reprova, ele provocou a sua ira.
7. Fez e colocou o ídolo Aserá no Templo de Javé, do qual Javé havia dito a Davi e seu filho Salomão: "Colocarei o meu Nome para sempre neste Templo e em Jerusalém, que eu escolhi entre todas as tribos de Israel.
8. Não deixarei mais que os pés de Israel se tornem errantes, longe da terra que dei a seus antepassados, contanto que eles procurem agir conforme tudo o que lhe mandei, conforme a Lei que o meu servo Moisés ordenou para eles".
9. Mas eles não obedeceram, pois Manassés os corrompeu, a ponto de eles praticarem um mal ainda maior que as nações que Javé havia expulsado diante dos israelitas.
10. Então Javé falou através de seus servos, os profetas:
11. "Porque Manassés, rei de Judá, cometeu essas abominações; porque ele praticou o mal, ainda mais do que haviam feito antes dele os amorreus; e porque fez Judá pecar com seus ídolos.
12. Por isso, assim diz Javé, o Deus de Israel: Eu mandarei sobre Jerusalém e Judá uma desgraça tão grande que fará doer os dois ouvidos de quem ouvir falar dela.
13. Vou estender sobre Jerusalém o mesmo cordel que passei sobre Samaria, e o mesmo nível que usei para a família de Acab. Limparei Jerusalém, como se limpa um prato por dentro e por fora.
14. Abandonarei o resto da minha herança e os entregarei em poder de seus inimigos e se tornarão presa e despojo de todos os seus inimigos,
15. porque fizeram o que eu reprovo, e provocaram a minha ira, desde o dia em que seus antepassados saíram do Egito até hoje".
16. Manassés também derramou sangue inocente, a ponto de inundar Jerusalém toda. Isso sem contar os pecados que ele fez Judá cometer, praticando o que Javé reprova.
17. O resto da história de Manassés, o que ele fez e os pecados que cometeu, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Judá.
18. Manassés reuniu-se com seus antepassados e foi enterrado no jardim do palácio, o jardim de Oza. E seu filho Amon lhe sucedeu no trono.

AMON EM JUDÁ: GOLPE DE ESTADO E REVOLTA DOS CAMPONESES
19. Amon tinha vinte e dois anos quando subiu ao trono, e reinou dois anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Mesalemet; era filha de Harus e natural de Jeteba.
20. Amon fez o que Javé reprova, como seu pai Manassés.
21. Imitou em tudo o comportamento de seu pai: adorou os ídolos que seu pai havia adorado e se prostrou diante deles.
22. Abandonou Javé, Deus de seus antepassados, e não seguiu o caminho de Javé.
23. Os oficiais de Amon fizeram uma conspiração contra ele, e o mataram dentro do palácio.
24. O povo da terra, porém, matou todos os que tinham conspirado contra o rei Amon e, em seu lugar, proclamou seu filho Josias como rei.
25. O resto da história de Amon, e o que ele fez, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Judá.
26. Ele foi sepultado no túmulo de seu pai, no jardim de Oza. E seu filho Josias lhe sucedeu no trono.

[II Reis 22]II Reis 22



JOSIAS: A REFORMA E O LIVRO
1. Josias tinha oito anos quando subiu ao trono. E reinou trinta e um anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Idida; era filha de Hadaia e natural de Besecat.
2. Josias fez o que Javé aprova e seguiu em tudo o comportamento de seu antepassado Davi, sem se desviar, nem para a direita, nem para a esquerda.
3. No ano dezoito do seu reinado, o rei Josias mandou o secretário Safã, filho de Aslias, neto de Mesolam, ao Templo de Javé, com esta ordem:
4. "Vá encontrar-se com o sumo sacerdote Helcias, e diga-lhe que deixe preparado o dinheiro oferecido ao Templo de Javé e que os guardas da porta recolhem do povo.
5. Diga-lhe para entregar o dinheiro aos mestres de obras encarregados do Templo de Javé, a fim de que estes o distribuam aos operários que trabalham nas reformas do Templo de Javé:
6. aos carpinteiros, construtores e pedreiros. Que eles usem o dinheiro para comprar madeiras e pedras talhadas para a reforma do Templo.
7. Não será necessário pedir contas do dinheiro entregue a eles, porque são honestos". O sumo sacerdote Helcias informou o secretário Safã: "Achei o livro da Lei no Templo de Javé!" Entregou o livro a Safã, que o leu.
9. O secretário Safã foi falar com o rei: "Seus servos juntaram o dinheiro que havia no Templo e o entregaram aos mestres de obras do Templo de Javé".
10. Em seguida, contou ao rei que o sacerdote Helcias lhe havia dado um livro. E Safã leu o livro diante do rei.

SERÁ QUE O LIVRO É AUTÊNTICO?
11. Ao tomar conhecimento sobre o conteúdo do livro da Lei, o rei rasgou a roupa,
12. e deu esta ordem para o sacerdote Helcias, para Aicam, filho de Safã, para Acobor, filho de Micas, para o secretário Safã e para o ministro Asaías:
13. "Vão consultar Javé por mim e pelo povo, a respeito do conteúdo desse livro que foi encontrado. A ira de Javé deve ser grande contra nós, porque nossos antepassados não obedeceram às palavras desse livro, e não praticaram tudo o que nele está escrito".
14. O sacerdote Helcias, Aicam, Acobor, Safã e Asaías foram encontrar-se com a profetisa Hulda, mulher do guarda dos vestiários, de nome Selum, filho de Tícua e neto de Haraas. Ela morava em Jerusalém, no Bairro Novo. Expuseram para ela o caso,
15. e ela respondeu: "Assim diz Javé, o Deus de Israel. Digam a quem enviou vocês a mim:
16. Assim diz Javé, Deus de Israel: 'Vou fazer cair uma desgraça sobre este lugar e sobre seus habitantes. Vou enviar todas as maldições que estão nesse livro, que o rei de Judá leu.
17. Eles me abandonaram e queimaram incenso a outros deuses, e me irritaram com toda a obra de suas mãos. Por isso, minha ira se inflamou contra este lugar, e não se apagará'.
18. E ao rei de Judá, que os enviou para consultar Javé, vocês dirão: 'Assim diz Javé, o Deus de Israel: Porque, ouvindo a leitura do livro,
19. você se comoveu de coração e se humilhou diante de Javé; porque você escutou as palavras que pronunciei contra este lugar e seus habitantes, que serão objeto de espanto e maldição; porque você rasgou a roupa e chorou na minha frente, eu também ouvi você - oráculo de Javé.
20. Por isso eu o reunirei a seus antepassados. Você vai ser enterrado em paz na sua sepultura, e os seus olhos não verão todos os males que vou enviar sobre este lugar'." Então eles foram levar ao rei a resposta da profetisa.

[II Reis 23]II Reis 23



O DEUTERONÔMIO SE TORNA LEI DE ESTADO
1. O rei convocou todos os anciãos de Judá e Jerusalém para uma reunião.
2. Depois subiu para o Templo de Javé com todos os homens de Judá e todos os habitantes de Jerusalém: sacerdotes, profetas e todo o povo, adultos e crianças. Leu para eles as palavras do Livro da Aliança encontrado no Templo de Javé.
3. De pé, sobre o estrado, o rei concluiu, diante de Javé, a aliança para seguir a Javé, obedecendo a seus mandamentos, testemunhos e estatutos, com todo o coração e com toda a alma, cumprindo todas as palavras dessa aliança, escritas nesse livro. E todo o povo aderiu à aliança.

REFAZENDO A IDENTIDADE DO POVO
4. O rei ordenou ao sumo sacerdote Helcias, aos sacerdotes de segunda ordem e aos guardas da porta, que tirassem do santuário de Javé todos os objetos feitos para o culto de Baal, do ídolo Aserá e de todo o exército do céu. Os objetos foram queimados fora de Jerusalém, nos campos do Cedron, e suas cinzas foram levadas para Betel.
5. Depois ele destituiu os falsos sacerdotes que os reis de Judá haviam estabelecido para queimar incenso nos lugares altos das cidades de Judá e arredores de Jerusalém. Destituiu também aqueles que queimavam incenso para Baal, para o sol, para a lua, para as constelações e para todo o exército do céu.
6. Retirou do Templo de Javé o ídolo Aserá, levando-o para fora de Jerusalém, para o riacho do Cedron. Queimou o ídolo junto ao riacho do Cedron, e o reduziu a cinzas, que foram jogadas na vala comum.
7. Destruiu as casas de prostituição sagrada que havia no Templo de Javé, onde as mulheres teciam vestes para Aserá.
8. Mandou vir todos os sacerdotes das cidades de Judá e profanou os lugares altos onde esses sacerdotes haviam queimado incenso, desde Gaba até Bersabéia. Destruiu o lugar alto da porta, que ficava na entrada da porta de Josué, governador da cidade, à esquerda de quem entra pela porta da cidade.
9. Os sacerdotes dos lugares altos foram proibidos de subir ao altar de Javé em Jerusalém, mas podiam comer os pães sem fermento no meio de seus irmãos.
10. Josias profanou o Tofet que existia no vale de Ben-Enom, para que ninguém sacrificasse no fogo seu filho ou filha em honra do deus Moloc.
11. Eliminou os cavalos que os reis de Judá haviam instalado em honra do sol, na entrada do Templo de Javé, perto do aposento do funcionário Natã Melec, que ficava nas dependências. Queimou também os carros do sol.
12. O rei destruiu os altares que estavam no terraço do aposento superior de Acaz e que tinham sido construídos pelos reis de Judá, e também os altares que Manassés tinha mandado fazer nos dois pátios do Templo de Javé; retirou-os daí e mandou jogar as cinzas no riacho do Cedron.
13. O rei profanou os lugares altos que ficavam na frente de Jerusalém, ao sul do monte da Perdição, lugares que Salomão, rei de Israel, tinha construído em honra de Astarte, abominação dos sidônios, em honra de Camos, abominação dos moabitas, e em honra de Melcom, abominação dos amonitas.
14. Quebrou as estelas, derrubou os postes sagrados e encheu o lugar com ossos humanos.

PROCURANDO REUNIFICAR O POVO
15. Josias destruiu também o altar que estava em Betel, lugar alto que Jeroboão, filho de Nabat, havia construído e com o qual havia arrastado Israel ao pecado. Destruiu esse lugar alto, quebrou suas pedras, reduzindo-as a pó, e queimou o poste sagrado.
16. Josias voltou-se e viu os túmulos que estavam na montanha. Então mandou recolher os ossos daqueles túmulos e os queimou sobre o altar. Desse modo, profanou o altar, cumprindo a palavra de Javé, que o homem de Deus havia anunciado quando Jeroboão, durante a festa, estava junto ao altar. Ao se voltar, Josias levantou os olhos para o túmulo do homem de Deus que havia anunciado essas coisas,
17. e perguntou: "De quem é esse túmulo?" Os homens da cidade responderam: "É o túmulo do homem de Deus, que veio de Judá, e anunciou o que você acaba de fazer com o altar de Betel".
18. Então o rei disse: "Deixem o homem de Deus em paz. Que ninguém toque em seus ossos". Deixaram, assim, os ossos do homem de Deus em paz, bem como os ossos do profeta que tinha vindo da Samaria.
19. Josias fez desaparecer também todos os templos dos lugares altos, que havia na cidade de Samaria. Esses templos tinham sido construídos pelos reis de Israel para irritar a Javé. Josias fez com eles o mesmo que já havia feito em Betel.
20. Josias imolou, sobre os altares, todos os sacerdotes dos lugares altos que aí se encontravam; e, por cima deles, queimou ossos humanos. Depois voltou para Jerusalém.

REVIVENDO O IDEAL DE UMA NOVA SOCIEDADE
21. O rei ordenou a todo o povo: "Celebrem a Páscoa em honra de Javé, Deus de vocês, conforme está ordenado neste Livro da Aliança".
22. Nunca tinha sido celebrada uma Páscoa como essa, desde o tempo em que os juízes governavam Israel, nem durante todo o tempo dos reis de Israel e de Judá.
23. Foi somente no ano dezoito do rei Josias que tal Páscoa foi celebrada em honra de Javé, em Jerusalém.

JOSIAS: O REI JUSTO
24. Josias eliminou também os necromantes, os adivinhos, os deuses domésticos, os ídolos e todas as abominações que se viam no país de Judá e em Jerusalém, para cumprir as palavras da Lei escritas no livro que o sacerdote Helcias encontrou no Templo de Javé.
25. Nenhum dos reis anteriores se voltou para Javé como ele se voltou de todo o coração, de toda a alma e com toda a sua força, conforme a Lei de Moisés. Mesmo depois, não surgiu outro como ele.
26. Apesar disso, Javé não deixou de lado o furor de sua grande ira, que se havia inflamado contra Judá, por causa de todas as ofensas com que Manassés o tinha ofendido.
27. Javé disse: "Também expulsarei Judá para longe da minha presença, da mesma forma como expulsei Israel. Vou rejeitar Jerusalém, esta cidade que eu tinha escolhido, e o Templo sobre o qual eu tinha dito: Aí estará o meu Nome".
28. O resto da história de Josias, e o que ele fez, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Judá.
29. No seu tempo, o Faraó Necao, rei do Egito, subiu para se encontrar com o rei da Assíria, junto ao rio Eufrates. O rei Josias marchou contra ele, mas, na primeira batalha em Meguido, Necao o matou.
30. Os servos de Josias transportaram seu corpo num carro, o levaram de Meguido para Jerusalém, e o enterraram no seu túmulo. Então o povo da terra pegou Joacaz, filho de Josias, o ungiu e o colocou no trono em lugar de seu pai.

JOACAZ E A DOMINAÇÃO EGÍPCIA
31. Joacaz tinha vinte e três anos quando subiu ao trono, e reinou três meses em Jerusalém. Sua mãe se chamava Hamital. Ela era filha de Jeremias e natural de Lebna.
32. Ele fez o que Javé reprova, como haviam feito seus antepassados.
33. O Faraó Necao prendeu Joacaz em Rebla, no país de Emat, para que ele não reinasse mais em Jerusalém. O Faraó impôs ao país um tributo de três toneladas e meia de prata, e trinta e quatro quilos de ouro.
34. Colocou no trono Eliacim, filho de Josias, em substituição a seu pai Josias, mudando o nome dele para Joaquim. Levou Joacaz para o Egito, onde ele morreu.
35. Joaquim pagou o tributo de prata e ouro ao Faraó. Mas, para pagar a quantia exigida pelo Faraó, teve que criar impostos no país. Conforme as possibilidades de cada um, exigiu a prata e o ouro necessários para pagar ao Faraó Necao.

JOAQUIM E A DOMINAÇÃO BABILÔNICA
36. Joaquim tinha vinte e cinco anos quando subiu ao trono, e reinou onze anos em Jerusalém. Sua mãe se chamava Zebida. Ela era filha de Fadaías e natural de Ruma.
37. Joaquim fez o que Javé reprova, como haviam feito seus antepassados.

[II Reis 24]II Reis 24



1. Nessa época, Nabucodonosor, rei da Babilônia, marchou contra Joaquim e o submeteu por três anos. Depois Joaquim se revoltou de novo contra Nabucodonosor.


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   51   52   53   54   55   56   57   58   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal