Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO



Baixar 5.7 Mb.
Página7/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   197

14. Então Tamar tirou o traje de viúva, cobriu-se com véu e sentou-se na entrada de Enaim, que fica no caminho para Tamna. Ela viu que Sela já era adulto e não lhe fora dado como esposo.
15. Vendo-a, Judá pensou que fosse uma prostituta, pois ela tinha coberto o rosto.
16. Aproximou-se dela no caminho, e disse: "Deixe-me ir com você". Judá não sabia que era a sua nora. Ela perguntou: "O que você me dará para ir comigo?"
17. Judá respondeu: "Eu mandarei para você um cabrito do rebanho". Ela replicou: "Está bem; mas você vai deixar uma garantia comigo até mandar o cabrito".
18. Judá perguntou: "Que garantia você quer?" Ela respondeu: "O anel de selo com o cordão e o cajado que você está levando". Judá os entregou e foi com ela, deixando-a grávida.
19. Tamar se levantou, tirou o véu e vestiu novamente o traje de viúva.
20. Judá mandou o cabrito por meio de seu amigo de Odolam, a fim de recuperar os objetos que havia deixado com a mulher. Mas ele não a encontrou.
21. Então perguntou aos homens do lugar: "Onde está aquela prostituta que fica no caminho de Enaim?" Eles responderam: "Aqui nunca houve prostituta nenhuma!"
22. Então o homem voltou a Judá, e lhe disse: "Não a encontrei, e os homens do lugar disseram que ali nunca houve prostituta nenhuma".
23. Judá replicou: "Que ela fique com tudo e não zombe de nós, pois eu mandei o cabrito, e você não a encontrou".
24. Três meses depois, disseram a Judá: "Sua nora Tamar se prostituiu e está grávida por causa de sua má conduta". Então Judá ordenou: "Tragam-na para fora e seja queimada viva".
25. Quando a agarraram, ela mandou dizer a seu sogro: "Estou grávida do homem a quem pertencem este anel de selo, este cordão e este cajado".
26. Judá os reconheceu, e disse: "Ela é mais honesta do que eu, pois não lhe dei meu filho Sela". E não teve mais relações com ela.
27. Quando chegou o tempo do parto, Tamar teve gêmeos.
28. Durante o parto, um deles estendeu a mão, e a parteira pegou-a e amarrou nela uma fita vermelha, dizendo: "Foi este que saiu primeiro".
29. Mas ele retirou a mão e foi seu irmão quem saiu. Então a parteira disse: "Que brecha você abriu!" E o chamaram Farés.
30. Em seguida, saiu seu irmão, que tinha a fita vermelha na mão, e o chamaram Zara.

[Gênesis 39]Gênesis 39



JAVÉ ESTÁ COM JOSÉ
1. Quando levaram José para o Egito, o egípcio Putifar, ministro e chefe da guarda do Faraó, o comprou dos ismaelitas, que o tinham levado para lá.
2. Javé estava com José e lhe deu sorte, de modo que o deixaram na casa de seu amo egípcio.
3. Vendo que Javé estava com José e que fazia prosperar tudo o que ele empreendia,
4. seu amo teve grande afeição por ele e o colocou a seu serviço pessoal: fez dele seu administrador, confiando-lhe tudo o que possuía.
5. Desde que José foi colocado como administrador da casa e de tudo o que pertencia a Putifar, Javé abençoou a casa do egípcio em consideração a José: a bênção de Javé atingiu tudo o que o egípcio possuía, em casa e no campo.
6. Putifar entregou tudo nas mãos de José, sem preocupar-se com outra coisa, a não ser com o pão que comia. José era belo de porte e tinha um rosto bonito.
7. Passado algum tempo, a mulher do amo ficou de olhos caídos em José e lhe propôs: "Durma comigo".
8. José recusou, e respondeu à mulher de seu amo: "Veja! Meu amo não se ocupa com nada da casa e entregou em minhas mãos tudo o que possui.
9. Nesta casa, ele não é mais poderoso do que eu: ele não reservou nada para si, a não ser você, que é mulher dele. Como posso cometer semelhante crime, pecando contra Deus?"
10. Ela insistia todos os dias, mas José não consentiu em dormir ao seu lado, nem se entregou a ela.
11. Certo dia, José foi para casa fazer seu serviço, e nenhum dos domésticos estava em casa.
12. A mulher o agarrou pela roupa, convidando: "Durma comigo". José, porém, deixou as roupas na mão dela, saiu e fugiu.
13. Vendo que José deixara as roupas em suas mãos e fugira,
14. a mulher chamou os domésticos e lhes disse: "Vejam! Meu marido trouxe um hebreu para abusar de nós. Ele se aproximou para dormir comigo, mas eu dei um grande grito.
15. Vendo que eu erguia a voz e gritava, ele deixou a roupa comigo e fugiu".
16. A mulher ficou com a roupa até que o marido voltasse.
17. Então ela lhe contou a mesma história: "O escravo hebreu que você trouxe aproximou-se para abusar de mim.
18. Eu levantei a voz e gritei; então ele deixou sua roupa comigo e fugiu".
19. O marido ficou furioso quando ouviu o que sua mulher contava: "Veja como seu escravo agiu comigo".
20. Mandou, então, buscar José e o atirou na prisão, onde estavam os prisioneiros do rei. Foi desse modo que José foi parar na prisão.
21. No entanto, Javé estava com José e lhe concedeu favores, atraindo para ele a simpatia do carcereiro-chefe.
22. O carcereiro-chefe confiou a José todos os detidos que estavam na prisão. Era José quem organizava tudo o que aí se fazia.
23. O carcereiro-chefe não se preocupava com nada do que lhe fora confiado, porque Javé estava com José e fazia prosperar tudo o que este empreendia.

[Gênesis 40]Gênesis 40



JOSÉ SABE DISCERNIR
1. Passado algum tempo, o copeiro e o padeiro do rei do Egito ofenderam seu senhor, o rei do Egito.
2. O Faraó ficou irado contra esses dois ministros, o chefe dos copeiros e o chefe dos padeiros,
3. e mandou prendê-los na casa do chefe da guarda, na mesma prisão onde estava José.
4. O chefe da guarda indicou José para servi-los. Assim, eles ficaram na prisão por algum tempo.
5. Certa noite, o copeiro e o padeiro do rei do Egito, que estavam na prisão, tiveram um sonho, cada qual com o seu significado.
6. Pela manhã, José foi onde eles se encontravam e percebeu que estavam deprimidos.
7. José perguntou, então, aos ministros do Faraó que estavam presos com ele na casa do seu amo: "Por que vocês estão de cara triste?"
8. Eles responderam: "É que tivemos um sonho e não há ninguém para interpretá-lo". José replicou: "É Deus quem pode interpretar. Contem os sonhos".
9. O chefe dos copeiros contou seu sonho para José: "Sonhei que havia uma videira diante de mim.
10. Na videira havia três ramos: eles deram brotos, floresceram e as uvas amadureceram em cachos.
11. Eu tinha na mão a taça do Faraó: peguei os cachos de uvas, espremi-os na taça do Faraó, e coloquei a taça na mão do Faraó".
12. José disse ao chefe dos copeiros: "Esta é a interpretação: os três ramos representam três dias.
13. Daqui a três dias, o Faraó se lembrará de você e lhe devolverá o seu cargo: você colocará a taça do Faraó na mão dele, como antes você costumava fazer, quando era seu copeiro.
14. Lembre-se de mim quando você estiver bem, e faça-me este favor: mencione o meu nome ao Faraó para que ele me tire desta prisão.
15. Eu fui seqüestrado da terra dos hebreus e não fiz nada aqui para me atirarem nesta prisão".
16. O chefe dos padeiros viu que José havia interpretado bem, e contou a ele: "Eu também tive um sonho. Havia três cestas de bolos sobre a minha cabeça.
17. Na cesta mais alta havia todos os tipos de doces que o Faraó come, porém as aves os comiam na cesta que eu levava na cabeça".
18. José respondeu: "Esta é a interpretação: as três cestas representam três dias.
19. Daqui a três dias, o Faraó se lembrará de você, o enforcará, e as aves comerão a carne do seu corpo".
20. Três dias depois, era o aniversário do Faraó. Então ele deu um banquete a todos os ministros, e libertou o chefe dos copeiros e o chefe dos padeiros.
21. Ele devolveu o cargo ao chefe dos copeiros, e este colocou a taça na mão do Faraó.
22. Quanto ao chefe dos padeiros, o Faraó mandou enforcá-lo, como José havia interpretado.
23. O chefe dos copeiros, porém, não se lembrou de José, e se esqueceu dele.

[Gênesis 41]Gênesis 41



PROVIDÊNCIA DE DEUS E PREVIDÊNCIA DO HOMEM
1. Dois anos depois, o Faraó teve um sonho: estava de pé, junto ao rio Nilo,
2. e viu subir do Nilo sete vacas bonitas e gordas, que pastavam na invernada.
3. Atrás delas, subiram do rio outras sete vacas, feias e magras, que se puseram ao lado das primeiras na margem do rio.
4. Então as vacas feias e magras devoraram as sete vacas gordas e bonitas. Nisso, o Faraó acordou.
5. O Faraó tornou a dormir, e teve outro sonho: sete espigas brotavam do mesmo talo, granadas e bonitas.
6. E atrás delas nasceram sete espigas mirradas e ressequidas.
7. Aí, as espigas mirradas devoraram as sete espigas granadas e graúdas. Então o Faraó acordou: tivera um sonho.
8. Pela manhã, o Faraó estava perturbado e chamou todos os magos e sábios do Egito. Contou-lhes o sonho que tivera, mas ninguém foi capaz de interpretá-lo.
9. Então o chefe dos copeiros disse ao Faraó: "Devo confessar hoje o meu pecado.
10. O Faraó tinha se irritado contra seus servos e os colocou na prisão na casa do chefe da guarda, tanto a mim como ao chefe dos padeiros.
11. Na mesma noite, ele e eu tivemos um sonho, cada qual com significado diferente.
12. Havia ali conosco um jovem hebreu, escravo do chefe da guarda. Nós lhe contamos os sonhos e ele os interpretou, dando o significado de cada um.
13. E depois aconteceu exatamente como ele havia interpretado. Eu recebi de novo o meu cargo, e o outro foi enforcado".
14. Então o Faraó mandou chamar José. E o tiraram depressa da prisão; ele se barbeou, mudou de roupa e se apresentou ao Faraó.
15. O Faraó disse a José: "Tive um sonho e ninguém sabe interpretá-lo. Ouvi dizer que você ouve um sonho e sabe interpretá-lo".
16. José respondeu ao Faraó: "Quem sou eu? É Deus quem dará uma resposta favorável ao Faraó".
17. Então o Faraó contou a José: "Sonhei que estava de pé na margem do rio Nilo.
18. Do rio subiam sete vacas gordas e bonitas que pastavam na invernada.
19. Atrás delas subiram outras sete, cansadas, feias e magras, tão feias como nunca vi no Egito.
20. Aí, as vacas magras e feias devoraram as sete primeiras, as vacas gordas.
21. Depois que as devoraram, não parecia que as tinham devorado, porque a aparência delas continuava tão feia como antes. Então acordei.
22. Depois, tive outro sonho: sete espigas subiam do mesmo talo, e eram cheias e bonitas.
23. Atrás delas nasceram sete espigas secas, mirradas e queimadas.
24. Aí, as espigas mirradas devoraram as sete espigas bonitas. Eu contei isso aos magos, e ninguém foi capaz de interpretar".
25. José disse ao Faraó: "Trata-se de um sonho único. Deus está anunciando ao Faraó o que ele vai realizar.
26. As sete vacas bonitas representam sete anos e as sete espigas bonitas representam sete anos. É o mesmo sonho.
27. As sete vacas magras e feias, que sobem logo em seguida, representam sete anos; e também as sete espigas mirradas e queimadas: é que haverá sete anos de fome.
28. É como eu disse ao Faraó: Deus está mostrando ao Faraó o que ele vai realizar.
29. Virão sete anos em que haverá grande abundância em toda a terra do Egito;
30. depois, virão sete anos de fome, que farão esquecer a abundância na terra do Egito. A fome esgotará a terra,
31. e ninguém mais saberá o que era a abundância na terra, por causa da fome que virá depois, pois ela será duríssima.
32. E se o sonho do Faraó se repetiu duas vezes é porque o fato está bem decidido por parte de Deus, e Deus logo o realizará.
33. Agora, portanto, que o Faraó escolha um homem inteligente e sábio, e o coloque à frente do Egito.
34. Que o Faraó, agindo, institua funcionários no país, tome a quinta parte dos produtos da terra do Egito, durante os sete anos de abundância.
35. Que eles reúnam todos os víveres desses anos bons que virão, armazenem o trigo sob a autoridade do Faraó e guardem os víveres nas cidades.
36. Esses víveres servirão de reserva para o país, quando chegarem os sete anos de fome. Desse modo, a terra do Egito não será exterminada pela fome.

O POVO É SALVO DA FOME
37. O conselho de José agradou ao Faraó e a todos os seus ministros.
38. Então, o Faraó disse aos ministros: "Poderão, por acaso, encontrar um homem como este, em quem esteja o espírito de Deus?"
39. Então o Faraó disse a José: "Visto que Deus revelou tudo isso a você, não há ninguém tão inteligente e sábio como você.
40. Você será o administrador do meu palácio, e todo o povo obedecerá às suas ordens. Só pelo trono serei maior do que você".
41. E o Faraó continuou: "Veja! Eu coloco você à frente de todo o país".
42. Então o Faraó tirou da mão o anel de selo e o colocou na mão de José: vestiu-o com roupas de linho fino e lhe colocou no pescoço um colar de ouro.
43. Depois, fez José subir sobre o melhor carro que havia depois do seu, e proclamar à sua frente: "De joelhos!" E assim José foi colocado à frente de todo o Egito.
44. O Faraó disse a José: "Eu sou o Faraó, mas, sem a sua permissão, ninguém erguerá mão ou pé em todo o Egito".
45. E o Faraó deu a José o nome de Safanet-Fanec, e lhe deu como mulher Asenet, filha de Putifar, sacerdote de On. E José saiu para percorrer o Egito.
46. José tinha trinta anos quando se apresentou diante do Faraó, rei do Egito. José deixou a presença do Faraó e percorreu toda a terra do Egito.
47. Durante os sete anos de abundância, o país teve superprodução.
48. E José reuniu todos os víveres dos sete anos de abundância na terra do Egito e armazenou os víveres nas cidades, colocando em cada cidade os víveres dos campos da redondeza.
49. José armazenou trigo como areia do mar: a quantidade era tal que se renunciou a medi-lo, porque ultrapassava qualquer medida.
50. Antes de chegar o primeiro ano da fome, José teve dois filhos de Asenet, filha de Putifar, sacerdote de On.
51. José deu ao mais velho o nome de Manassés, dizendo: "Deus me fez esquecer minhas fadigas e a casa paterna".
52. Ao segundo, ele deu o nome de Efraim, dizendo: "Deus me tornou fecundo na terra de minha aflição".
53. Acabaram os sete anos de abundância na terra do Egito,
54. e chegaram os sete anos de fome, como José havia anunciado. Houve então fome por toda parte, e só no Egito havia pão.
55. Depois chegou a fome em todo o Egito; e o povo, com grandes gritos, pediu pão ao Faraó. Então o Faraó disse a todos os egípcios: "Vão a José, e façam o que ele disser a vocês".
56. Quando a fome cobriu toda a terra, José abriu os armazéns de trigo e vendeu mantimento aos egípcios, enquanto no Egito a fome se alastrava.
57. De todos os países ia muita gente ao Egito para comprar mantimentos de José, porque a fome se agravou por toda a terra.

[Gênesis 42]Gênesis 42



UM TESTE DE FRATERNIDADE
1. Jacó soube que havia mantimentos no Egito, e disse a seus filhos: "Vocês, o que estão esperando?
2. Eu soube que no Egito há mantimentos para vender. Vão até lá e comprem mantimentos para nós, a fim de continuarmos vivos e não morrermos".
3. Dez dos irmãos de José desceram, então, ao Egito para comprar trigo.
4. Jacó não deixou que Benjamim, irmão de José, fosse com seus irmãos, pois temia que lhe acontecesse alguma desgraça.
5. Os filhos de Israel foram com outros forasteiros comprar mantimentos, pois havia fome em Canaã.
6. José tinha autoridade no país e era ele quem vendia os mantimentos para todo mundo. Os irmãos de José chegaram e se prostraram diante dele com o rosto por terra.
7. Ao ver seus irmãos, José logo os reconheceu, mas não se deu a conhecer, e lhes falou duramente: "De onde vocês vêm?" Eles responderam: "Da terra de Canaã, para comprar provisões".
8. José reconheceu os irmãos, mas eles não o reconheceram.
9. José se lembrou, então, dos sonhos que tivera a respeito deles, e lhes disse: "Vocês são espiões. Vocês vieram para observar os pontos fracos do país".
10. Eles protestaram: "Não, meu senhor! Seus servos vieram para comprar provisões.
11. Somos todos filhos do mesmo pai, e somos sinceros; seus servos não são espiões".
12. José, porém, insistiu: "Não, vocês vieram para observar os pontos fracos do país".
13. Eles responderam: "Éramos doze irmãos, filhos de um mesmo pai, na terra de Canaã: o mais novo está agora com nosso pai e o outro desapareceu".
14. José reafirmou: "É como eu disse: vocês são espiões!
15. Vou colocá-los à prova: pela vida do Faraó, vocês não sairão daqui se primeiro não me trouxerem o seu irmão mais novo.
16. Mandem um de vocês buscar seu irmão, enquanto os outros ficarão presos. Assim vocês provarão que suas palavras são verdadeiras. Caso contrário, pela vida do Faraó, vocês comprovarão que são espiões".
17. E durante três dias José os manteve presos.
18. Três dias depois, José disse a eles: "Eu temo a Deus; por isso, vocês farão o seguinte para salvar a vida:
19. se vocês são sinceros, que um de vocês fique aqui preso e os outros irão levar os mantimentos para suas famílias que passam fome.
20. Depois, vocês vão me trazer seu irmão mais novo: assim provarão que estão dizendo a verdade, e não morrerão". Eles aceitaram
21. e começaram a dizer entre si: "Estamos pagando o que fizemos com o nosso irmão; nós vimos a sua aflição quando ele nos suplicava por piedade, e não fizemos caso. Por isso é que está acontecendo para nós essa desgraça".
22. Rúben interveio: "Eu não disse para vocês não cometerem uma falta contra aquele menino? Mas vocês não me ouviram, e agora estão nos pedindo contas do sangue dele".
23. Eles não sabiam que José entendia o que eles estavam falando, pois entre José e eles havia um intérprete.
24. Então José se afastou deles e chorou. Depois voltou e conversou com eles. Em seguida, escolheu Simeão e o mandou acorrentar na presença deles.
25. José deu ordem para encher suas sacas de trigo e que pusessem nas sacas o dinheiro que eles haviam pago, e lhes fornecessem provisões para o caminho. E assim foi feito.
26. Eles carregaram as provisões sobre os jumentos e partiram.
27. De noite, no acampamento, um deles abriu a saca de trigo para dar forragem ao seu jumento, e viu que o seu dinheiro estava na boca da saca de trigo.
28. Então ele disse aos irmãos: "Devolveram o meu dinheiro! Está aqui na saca de trigo". Cheios de medo, eles se entreolharam tremendo, e disseram: "Que é isso que Deus fez conosco?"
29. Chegando em casa de Jacó, na terra de Canaã, contaram ao pai tudo o que havia acontecido com eles:
30. "O senhor do país nos falou com dureza e achou que éramos espiões em seu país.
31. Nós lhe dissemos: 'Somos sinceros, não somos espiões.
32. Nós éramos doze irmãos, filhos do mesmo pai; um de nós desapareceu e o mais novo está agora com o nosso pai na terra de Canaã'.
33. Mas o senhor do país nos disse: 'Vou saber que vocês são sinceros do seguinte modo: deixem comigo um de seus irmãos, enquanto os outros levam os mantimentos para suas famílias que passam fome.
34. Depois, vocês vão me trazer seu irmão mais novo e eu ficarei sabendo se vocês são espiões ou não. Então eu devolverei o irmão de vocês, e vocês poderão circular pelo país' ".
35. Quando eles foram esvaziar as sacas, cada qual encontrou em sua saca a bolsa de dinheiro. Vendo as bolsas de dinheiro, eles e o seu pai ficaram assustados.
36. Então seu pai Jacó lhes disse: "Vocês estão me deixando sozinho: José desapareceu, Simeão também, e agora querem levar Benjamim! Tudo se volta contra mim!"
37. Mas Rúben disse ao pai: "O senhor pode matar meus dois filhos se eu não lhe devolver Benjamim. Entregue-o a mim, e eu o trarei de volta".
38. O pai respondeu: "Meu filho não descerá com vocês. Seu irmão morreu e só me resta ele. Se lhe acontecer alguma desgraça na viagem que vocês vão fazer, de tanta dor farão este velho de cabelos brancos descer ao túmulo".

[Gênesis 43]Gênesis 43



SER IRMÃO É RESPONSABILIZAR-SE PELO OUTRO
1. A fome apertava no país.
2. Quando se acabaram as provisões que haviam trazido do Egito, Jacó disse aos filhos: "Voltem lá para comprar mantimentos".
3. Judá replicou: "Aquele homem nos declarou severamente: 'Não se apresentem diante de mim sem me trazer o seu irmão'.
4. Se o senhor deixar nosso irmão ir conosco, então desceremos e compraremos mantimentos para o senhor.
5. Mas, se o senhor não o deixar, não desceremos, pois aquele homem nos disse: 'Não se apresentem diante de mim sem me trazer o seu irmão' ".
6. Israel lhes disse: "Por que vocês me deram esse desgosto, contando para aquele homem que vocês têm outro irmão?"
7. Eles responderam: "Aquele homem perguntou sobre nós e nossa família: 'O pai de vocês ainda vive? Vocês têm outro irmão?' E nós respondemos às perguntas dele. Como poderíamos imaginar que ele fosse exigir que levássemos nosso irmão?"
8. Então Judá disse a seu pai Israel: "Deixe o menino ir comigo, porque indo poderemos salvar nossa vida; do contrário, morreremos todos: nós, o senhor e nossos filhos.
9. Eu fico responsável por ele, e o senhor pedirá contas dele para mim: se eu não o trouxer de volta e não o puser diante do senhor, serei culpado diante do senhor durante toda a minha vida.
10. Se não tivéssemos demorado tanto, já estaríamos de volta pela segunda vez".
11. Então seu pai Jacó lhes disse: "Se é necessário, então façam assim. Coloquem em suas bagagens os melhores produtos do país e levem como presente para aquele homem: um pouco de bálsamo, um pouco de mel, especiarias, resina, terebinto e amêndoas.
12. Levem com vocês o dobro do dinheiro para devolver o que foi posto nas sacas, pois talvez tenha sido um descuido.
13. Tomem o irmão de vocês e voltem a visitar aquele homem.
14. Que o Todo-poderoso faça aquele homem ter compaixão de vocês, solte o irmão de vocês e não prenda Benjamim. Quanto a mim, se eu tiver que ficar sem meus filhos, paciência!"
15. Então eles tomaram consigo os presentes, dinheiro em dobro e Benjamim, desceram ao Egito e se apresentaram a José.
16. Quando José viu seus irmãos com Benjamim, disse ao mordomo: "Leve esses homens para minha casa, faça abater um animal e prepare-o, porque esses homens vão almoçar comigo".
17. O mordomo fez o que José mandou, e os levou para a casa de José.
18. Os homens ficaram com medo, porque estavam sendo conduzidos à casa de José, e disseram: "Estão nos levando por causa do dinheiro que voltou em nossas sacas de trigo na primeira vez: vão nos agarrar, cair sobre nós e nos tomar como escravos com nossos jumentos".
19. Eles se aproximaram do mordomo de José e lhe falaram na porta da casa:


Compartilhe com seus amigos:
1   2   3   4   5   6   7   8   9   10   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal