Origem do mundo e da humanidade a criaçÃo gênesis 1 a humanidade, ponto alto da criaçÃO


as lagartixas, que se podem pegar com a mão, mas penetram até em palácios de reis. 29



Baixar 5.7 Mb.
Página96/197
Encontro29.07.2016
Tamanho5.7 Mb.
1   ...   92   93   94   95   96   97   98   99   ...   197

28. as lagartixas, que se podem pegar com a mão, mas penetram até em palácios de reis.
29. Existem três seres com belo porte, e um quarto de andar imponente:
30. o leão, o mais valente dos animais, que não recua diante de ninguém;
31. o galo empinado diante das galinhas; o carneiro que vai à frente do rebanho; e o rei que chefia seu exército.
32. Se você se exaltou estupidamente e depois se arrependeu, coloque a mão na boca,
33. porque, batendo o leite sai manteiga, apertando o nariz sai sangue, e apertando a ira sai briga.

[Provérbios 31]VIII. DE MÃE PARA FILHO



Provérbios 31

1. Palavras de Lamuel, rei de Massa, que lhe foram ensinadas por sua mãe.
2. O que é isso, meu filho? O que é isso, filho de minhas entranhas? O que é isso, filho das minhas promessas?
3. Não gaste sua força com mulheres, nem sua energia com aquelas que corrompem os reis.
4. Não convém aos reis, ó Lamuel, não convém aos reis beber vinho, nem aos governantes gostar de bebidas alcoólicas.
5. Porque eles bebem, acabam se esquecendo da Lei e pervertem o direito dos pobres.
6. Dê bebida ao moribundo e vinho para os amargurados,
7. pois bebendo eles esquecerão a miséria e não se lembrarão de seus sofrimentos.
8. Abra a boca em favor do mudo e em defesa dos desfavorecidos.
9. Abra a boca e dê sentenças justas, defendendo o pobre e o indigente.

IX. A ESPOSA IDEAL
10. Quem poderá encontrar a mulher forte? Ela vale muito mais do que pérolas.
11. Seu marido confia nela e não deixa de encontrar vantagens.
12. Ela traz para ele a felicidade e não a desgraça, em todos os dias de sua vida.
13. Ela adquire lã e linho, e suas mãos trabalham com prazer.
14. Ela é como navio mercante, que importa de longe a provisão.
15. Ela se levanta ainda quando é noite, para alimentar a família e dar ordens às empregadas.
16. Ela examina um terreno e o compra, e com o ganho do seu trabalho planta uma vinha.
17. Ela se prepara para o trabalho com disposição, e põe em ação a força dos seus braços.
18. Ela sabe dar valor ao seu trabalho, e mesmo de noite sua lâmpada não se apaga.
19. Ela estende a mão ao fuso e com os dedos sustenta a roca.
20. Ela abre as mãos para o pobre e estende o braço para o indigente.
21. Quando cai neve, ela não teme por seus familiares, porque todos eles têm roupa forrada.
22. Ela tece mantas e se veste de linho e púrpura.
23. Seu marido é respeitado no tribunal, quando se assenta entre os juízes do povo.
24. Ela fabrica tecidos para vender, e fornece cinturões para os comerciantes.
25. Ela se veste de força e dignidade, e sorri para o futuro.
26. Ela abre a boca com sabedoria, e sua língua ensina com bondade.
27. Ela supervisiona o andamento da casa, e seu alimento é fruto do seu trabalho.
28. Seus filhos se levantam para cumprimentá-la, e seu marido a elogia:
29. "Muitas mulheres são fortes, mas você superou a todas elas!"
30. A graça é enganadora e a beleza é passageira, mas a mulher que teme a Javé merece louvor.
31. Cantem o sucesso do trabalho dela, e que suas obras a louvem na praça da cidade.

[Eclesiastes 1]Eclesiastes 1



TÍTULO
1. Palavras de Coélet, filho de Davi, rei de Jerusalém.

I. INTRODUÇÃO

A VIDA É PASSAGEIRA
2. Ó suprema fugacidade, diz Coélet, ó suprema fugacidade! Tudo é fugaz!
3. Que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do sol?

REPETIÇÃO PRODUZ TÉDIO
4. Geração vai, geração vem, e a terra permanece sempre a mesma.
5. O sol se levanta, o sol se põe, voltando depressa para o lugar de onde novamente se levantará.
6. O vento sopra para o sul, depois gira para o norte e, girando e girando, vai dando as suas voltas.
7. Todos os rios correm para o mar, e o mar nunca transborda; embora cheguem ao fim do seu percurso, os rios sempre continuam a correr.
8. Toda explicação fica pela metade, pois o homem não consegue terminá-la. O olho não se farta de ver, nem o ouvido se farta de ouvir.
9. O que aconteceu, de novo acontecerá; e o que se fez, de novo será feito: debaixo do sol não há nenhuma novidade.
10. Às vezes, ouvimos dizer: "Veja: esta é uma coisa nova!" Mas ela já existiu em outros tempos, muito antes de nós.
11. Ninguém se lembra dos antigos, e aqueles que existem não serão lembrados pelos que virão depois deles.

II. ONDE ESTÁ A FELICIDADE?

O CONHECIMENTO NÃO RESOLVE
12. Eu, Coélet, fui rei de Israel em Jerusalém.
13. Eu resolvi pesquisar e investigar com sabedoria tudo o que acontece debaixo do céu. Essa é uma tarefa penosa que Deus entregou aos homens, para com ela ficarem ocupados.
14. Então examinei as coisas que se fazem debaixo do sol, e cheguei à conclusão de que tudo é fugaz, uma corrida atrás do vento:
15. o que é torto, não se pode endireitar; e o que falta não se consegue contar.
16. Pensei e disse para mim mesmo: "Fiquei maior e mais sábio do que todos os que reinaram em Jerusalém antes de mim, e a minha mente adquiriu muita sabedoria e ciência!"
17. Decidi então conhecer a sabedoria e a ciência, assim como a tolice e a loucura. E compreendi que também isso é correr atrás do vento,
18. porque, onde há muita sabedoria, há também muita tristeza, e onde há mais conhecimento, há também mais sofrimento.

[Eclesiastes 2]Eclesiastes 2



O SUCESSO RESOLVE?
1. Então pensei: "Vamos! Vou fazer você experimentar a alegria e conhecer o prazer!" Mas concluí que também isso é fugaz.
2. Do riso, eu disse: "Tolice!" E da alegria: "Para que serve?"
3. Então decidi entregar-me à bebida, nessa minha busca da sabedoria, e entregar-me à insensatez, para descobrir o que convém ao homem fazer debaixo do céu, no curto tempo da vida.
4. Realizei grandes obras: construí palácios para mim, plantei vinhas,
5. fiz jardins e pomares com todo tipo de árvores,
6. e construí reservatórios de água para regar as árvores do pomar.
7. Comprei escravos e escravas, e tive muitos criados nascidos na minha casa. Possuí muitos rebanhos de vacas e ovelhas, mais do que todos os que reinaram em Jerusalém antes de mim.
8. Acumulei prata e ouro, e tesouros de reis e províncias. Arranjei cantores e cantoras e - delícia dos homens - princesas em grande número.
9. Dessa forma, fiquei maior e mais poderoso do que todos os que reinaram em Jerusalém antes de mim, sempre conservando a minha sabedoria.
10. Não recusei nada do que os meus olhos pediam, e nunca privei o meu coração de nenhum prazer. Sabia desfrutar de todo o meu trabalho, e em todo o meu trabalho foi esta a minha porção.
11. Então examinei todas as obras que havia feito e o trabalho que elas tinham custado para mim. E concluí que tudo é fugaz e uma corrida atrás do vento, e que não há nada de permanente debaixo do sol.
12. Depois examinei a sabedoria, a tolice e a insensatez, pensando: "O que fará o rei que virá depois de mim?" Fará o que já foi feito.
13. Então percebi que a vantagem da sabedoria sobre a insensatez é a vantagem da luz sobre as trevas.
14. O sábio tem os olhos abertos, e o insensato caminha na escuridão. Mas logo notei que ambos têm o mesmo destino.
15. Então pensei: "Vou ter o mesmo destino que o insensato! Para que me tornei sábio?" E concluí que também isso é fugaz.
16. De fato, a lembrança do sábio desaparece para sempre, como a do insensato. Bem logo tudo ficará esquecido: o sábio morre da mesma forma que o insensato.

TRABALHAR PARA QUEM NÃO TRABALHA?
17. Fiquei com ódio da vida, porque tudo o que se faz debaixo do sol me desagradou. Tudo é fugaz, uma corrida atrás do vento.
18. Detesto todo o trabalho com que me afadigo debaixo do sol, porque devo deixar tudo para o homem que virá depois de mim.
19. E quem sabe se ele será sábio ou insensato? De qualquer modo, ele será dono de tudo o que eu fiz debaixo do sol com a minha fadiga e sabedoria. Também isso é fugaz.
20. Então fiquei com o coração desesperado por causa de todo o trabalho com que me afadiguei debaixo do sol.
21. De fato, há quem trabalhe com sabedoria, conhecimento e sucesso. E depois tem que deixar seus bens para outro que com nada se afadigou. Também isso é coisa fugaz e grande mal.
22. Então, que proveito resta para o homem de todo o trabalho e esforço mental com que se afadigou debaixo do sol?
23. Sim, os seus dias todos são dolorosos, a sua tarefa é penosa, e até de noite ele não pode repousar. Também isso é fugaz!

A FELICIDADE É USUFRUIR O FRUTO DO PRÓPRIO TRABALHO
24. Vejam: a felicidade do homem está em comer e beber, desfrutando o produto do seu trabalho. Contudo, percebo que também isso vem das mãos de Deus.
25. De fato, quem pode comer e beber, sem que isso lhe venha de Deus?
26. A quem lhe agrada, Deus concede sabedoria, conhecimento e alegria. Mas ao pecador Deus impõe a pena de ajuntar e acumular para quem agrada a Deus. Mas também isso é fugaz e uma corrida atrás do vento.

[Eclesiastes 3]Eclesiastes 3



SABER DISCERNIR OS MOMENTOS
1. Debaixo do céu há momento para tudo, e tempo certo para cada coisa:
2. Tempo para nascer e tempo para morrer. Tempo para plantar e tempo para arrancar a planta.
3. Tempo para matar e tempo para curar. Tempo para destruir e tempo para construir.
4. Tempo para chorar e tempo para rir. Tempo para gemer e tempo para bailar.
5. Tempo para atirar pedras e tempo para recolher pedras. Tempo para abraçar e tempo para se separar.
6. Tempo para procurar e tempo para perder. Tempo para guardar e tempo para jogar fora.
7. Tempo para rasgar e tempo para costurar. Tempo para calar e tempo para falar.
8. Tempo para amar e tempo para odiar. Tempo para a guerra e tempo para a paz.

VIVER O MOMENTO PRESENTE
9. Que proveito o trabalhador tira de sua fadiga?
10. Observei a tarefa que Deus entregou aos homens, para com ela se ocuparem:
11. tudo o que ele fez é apropriado para cada tempo. Também colocou o senso da eternidade no coração do homem, mas sem que o homem possa compreender a obra que Deus realiza do começo até o fim.
12. Então compreendi que não existe para o homem nada melhor do que se alegrar e agir bem durante a vida.
13. E compreendi também que é dom de Deus que o homem possa comer e beber, desfrutando do produto de todo o seu trabalho.
14. Compreendi que tudo o que Deus fez dura para sempre. A isso nada se pode acrescentar, e disso nada se pode tirar. Deus fez assim para ser temido.
15. O que existe, já havia existido; o que existirá, também já existiu. Deus busca aquilo que foge.

A REALIZAÇÃO EM MEIO A INCERTEZAS
16. Observei outra coisa debaixo do sol: Em lugar do direito, encontra-se a injustiça; e, em lugar do justo, encontra-se o injusto.
17. E concluí que o justo e o injusto estão debaixo do julgamento de Deus, porque existe um tempo para cada coisa e um julgamento para cada ação.
18. Quanto aos homens, penso assim: Deus os coloca à prova, para mostrar que eles, em si mesmos, são como animais.
19. De fato, o destino do homem e do animal são idênticos: do modo que morrem estes, morrem também aqueles. Uns e outros têm o mesmo sopro vital, sem que o homem tenha vantagem nenhuma sobre o animal, porque tudo é fugaz.
20. Uns e outros vão para o mesmo lugar: vêm do pó, e voltam para o pó.
21. Quem pode saber se o sopro vital do homem sobe para o alto, e o do animal desce para baixo da terra?
22. Percebo que não há nada melhor para o homem do que alegrar-se com suas obras, porque essa é a porção que lhe cabe. De fato, ninguém lhe fará ver o que acontecerá depois dele.

[Eclesiastes 4]Eclesiastes 4



A OPRESSÃO NEGA A VIDA
1. Examinei também todas as opressões que se cometem debaixo do sol. Aí está o choro dos oprimidos, e não há quem os console; ninguém os apóia contra a violência de seus opressores.
2. Então proclamei os mortos, esses que já morreram, mais felizes do que os vivos, esses que ainda vivem.
3. Mais feliz que os dois é quem não nasceu ainda, pois não vê todo o mal que se pratica debaixo do sol.

A COMPETIÇÃO É DESUMANA
4. Vi também que todo trabalho e todo empenho que o homem coloca nas suas obras é fruto de competição recíproca. Isso também é fugaz e uma corrida atrás do vento.
5. O insensato cruza os braços e se consome.
6. Mais vale um bocado com lazer, do que dois bocados com fadiga, correndo atrás do vento.

A UNIÃO FAZ A FORÇA
7. Vi ainda outra coisa vazia debaixo do sol:
8. um homem sozinho, que não tem ninguém, nem filho, nem irmão. Apesar disso, não deixa de se afadigar, nem de se fartar com riquezas. Para quem ele se afadiga e se priva da felicidade? Isso também é fugaz e trabalho inútil.
9. Mais vale estar a dois do que estar sozinho, porque dois tirarão maior proveito do seu trabalho.
10. De fato, se um cai, poderá ser levantado pelo companheiro. Azar, porém, de quem está sozinho: se cair, não terá ninguém para o levantar.
11. Se dois se deitam juntos, um poderá aquecer o outro; mas como poderá alguém sozinho se aquecer?
12. Se um deles for agredido, dois poderão resistir, e uma corda tripla não se arrebenta facilmente.

O VAIVÉM DA POLÍTICA
13. Mais vale um jovem pobre e sábio do que um rei velho e insensato, que não aceita mais conselho,
14. mesmo que o jovem tenha saído da prisão para reinar, e ainda que tenha nascido mendigo no reino.
15. Eu vi todos os que se movem debaixo do sol ficarem com o jovem que sucedeu ao velho rei,
16. e que passou a liderar imensa multidão. Contudo, aqueles que vierem depois, não ficarão contentes com ele. Também isso é fugaz e uma corrida atrás do vento.

COM DEUS NÃO SE BRINCA
17. Quando você for ao Templo, esteja bem atento a si mesmo: É melhor ter ânimo disposto para obedecer, do que oferecer sacrifícios junto com os insensatos, que não percebem o mal que estão fazendo.

[Eclesiastes 5]Eclesiastes 5



1. Quando você falar com Deus, não seja precipitado, e o seu coração não se apresse a falar, porque Deus está no céu, e você está na terra. Por isso, fale pouco.
2. De fato, o sonho vem das muitas ocupações, e do muito falar nasce a voz do insensato.
3. Por isso, quando você fizer uma promessa a Deus, não tarde em cumpri-la, porque ele não é benévolo com os insensatos. Cumpra o que você prometeu.
4. É melhor não fazer uma promessa, do que fazê-la e não cumpri-la.
5. Não deixe que sua boca o leve ao pecado, nem diga ao representante de Deus que foi sem pensar. Deus ficaria irritado contra o que você prometeu, e arruinaria o trabalho de suas mãos.
6. Quando se multiplicam sonhos e coisas passageiras, aí se multiplicam as palavras. Quanto a você, tema a Deus.

A PIRÂMIDE DA INJUSTIÇA
7. Se você vê num Estado a opressão do pobre, o direito e a justiça violados, não se espante com isso, pois quem está no alto tem sempre outro mais alto que o vigia. E sobre os dois, há outros mais altos ainda.
8. O interesse do país deve ser considerado no conjunto, e até o rei depende da agricultura.

O ACÚMULO TRAZ DESGRAÇA
9. Quem gosta de dinheiro, nunca se sacia de dinheiro. Quem é apegado às riquezas, nunca se farta com a renda. Isso também é fugaz.
10. Quando as riquezas aumentam, crescem também aqueles que as devoram. Que vantagem tem o proprietário, além de ficar sabendo que é rico?
11. Coma muito ou coma pouco, o sono do trabalhador é gostoso, enquanto a fartura do rico não o deixa dormir.
12. Há outro mal doloroso que vejo debaixo do sol: riquezas que o proprietário acumula para a sua própria desgraça.
13. Em mau negócio, ele perde o patrimônio, e seu filho fica de mãos vazias.
14. Nu ele saiu do ventre de sua mãe, e assim voltará; e de suas fadigas não ganhará nada para levar consigo.
15. Também isso é um mal doloroso. Ele vai embora da mesma forma que veio. Que proveito tirou em ter se afadigado por nada?
16. Ele consumiu seus dias em trevas, entre aflições, abatimentos e irritações.

ETERNIDADE É INTENSIDADE DE VIDA
17. Concluí que a felicidade para o homem é comer e beber, usufruindo de toda a fadiga que ele realiza debaixo do sol, durante os dias de vida que Deus lhe concede. Essa é a sua porção.
18. Todo homem que recebe de Deus riquezas e bens para que possa sustentar-se, ter a sua porção e desfrutar do seu trabalho, considere isso dom de Deus.
19. Desse modo, o homem não se preocupa demais com sua vida fugaz, porque Deus o mantém ocupado na alegria do coração.

[Eclesiastes 6]Eclesiastes 6



PIOR QUE UM ABORTO
1. Existe outro mal que observei debaixo do sol, e é grave para o homem:
2. Para um, Deus concede riquezas, recursos e honras, e nada lhe falta de tudo o que poderia desejar. Deus, porém, não lhe permite desfrutar essas coisas, porque um estrangeiro é que vai desfrutá-las. Isso é coisa fugaz e sofrimento cruel.
3. Mesmo que tivesse tido cem filhos e vivido muitos anos, se não encontrou satisfação nos bens que possuía e nem mesmo teve um túmulo, garanto que um aborto é mais feliz do que ele.
4. De fato, o aborto veio inutilmente e se foi para as trevas, e as trevas sepultaram o seu nome.
5. Não viu o sol nem o conheceu, mas a sua sorte é sempre melhor do que a do outro.
6. E mesmo que o outro pudesse viver dois mil anos, mas sem poder usufruir dos bens, não iria terminar no mesmo lugar que o aborto?
7. Todo o trabalho do homem é para comer e, no entanto, seu apetite nunca fica satisfeito.
8. Que vantagem tem o sábio a mais que o insensato? Que vantagem tem o pobre em saber comportar-se bem na sociedade?
9. É melhor ver com os próprios olhos do que agitar-se em desejos. Isso também é fugaz e uma corrida atrás do vento.

CONCLUSÃO: O HOMEM DIANTE DO MISTÉRIO
10. O que existe, já recebeu um nome há tempo, e sabemos o que é um homem: não pode lutar com quem é mais forte do que ele.
11. Muitas palavras aumentam a desilusão. E que vantagem o homem tira disso?
12. Quem sabe o que convém ao homem durante a vida, nos breves dias de sua vida passageira, na qual ele passa como sombra? Quem poderá dizer ao homem o que vai acontecer depois dele debaixo do sol?

[Eclesiastes 7]III. EM BUSCA DO EQUILÍBRIO



Eclesiastes 7

DISCERNIR E RESISTIR
1. Mais vale a honradez do que um bom perfume, e o dia da morte é melhor que o dia do nascimento.
2. É melhor ir a uma casa onde há luto do que ir a uma casa onde se faz festa, pois aquele é o fim de todo homem e faz, desse modo, quem está vivo refletir.
3. É melhor a tristeza do que o riso, porque, debaixo de um rosto triste, o coração pode estar alegre.
4. O pensamento do sábio está na casa onde há luto, mas o pensamento do insensato está na casa onde se faz festa.
5. É melhor ouvir a repreensão do sábio do que o elogio dos insensatos,
6. porque assim como crepitam os gravetos debaixo do caldeirão, tal é o riso do insensato. Isso também é fugaz,
7. porque a extorsão torna insensato o sábio, e o suborno lhe corrompe o discernimento.

O FUTURO PERTENCE A DEUS
8. Mais vale o fim de uma coisa do que o seu começo, e a paciência é melhor do que a pretensão.
9. Não fique tão depressa com o espírito irritado, porque a irritação se abriga no peito dos insensatos.
10. Não diga: "Por que os tempos passados eram melhores que os de hoje?" Não é a sabedoria que faz você levantar essa questão.
11. A sabedoria é boa como uma herança, e útil para aqueles que vêem o sol,
12. pois à sombra da sabedoria se vive como se vive à sombra do dinheiro. Mas a sabedoria é mais vantajosa, porque faz viver quem a possui.
13. Procure compreender a obra de Deus, porque ninguém endireita o que ele encurvou.
14. Esteja alegre no dia feliz, e no dia da desgraça procure refletir, porque um e outro foram feitos por Deus, para que o homem nunca possa descobrir nada do seu próprio futuro.

SÓ DEUS É ÍNTEGRO E JUSTO
15. Já vi de tudo nos dias da minha existência fugaz. Vi o justo perecer apesar da sua justiça, e o injusto viver longamente apesar da sua injustiça.
16. Não seja demasiadamente justo, nem se torne sábio demais. Por que iria você arruinar-se?
17. Não seja demasiadamente injusto, nem se torne insensato. Para que iria você morrer antes do tempo?
18. É bom que você se apegue a uma coisa, sem abandonar a outra: o importante é que você tema a Deus, e você se sairá bem numa e noutra coisa.
19. A sabedoria torna o sábio mais forte do que dez chefes numa cidade.
20. Não existe na terra homem tão justo que faça o bem sem nunca pecar.
21. Além disso, não dê atenção a tudo o que se diz, e assim não ouvirá seu servo falar mal de você.
22. De fato, sua própria consciência sabe que muitas vezes você também falou mal dos outros.
23. Examinei tudo isso com sabedoria, e pensei: "Vou tornar-me sábio". Mas a sabedoria estava longe de mim.
24. A realidade está longe e é extremamente profunda. Quem poderá atingi-la?

DEUS FEZ O HOMEM CORRETO
25. Apliquei-me de novo a conhecer, a raciocinar e a pesquisar a sabedoria e a interpretação das coisas, fazendo experiência do mal, da insensatez, da tolice e da loucura.
26. Então descobri que a mulher é mais amarga do que a morte, porque ela é uma armadilha, o seu coração é uma rede e os seus braços são cadeias. Quem agrada a Deus consegue dela escapar, mas o pecador se deixa prender por ela.
27. Eis o que encontrei, diz Coélet, examinando coisa por coisa, até chegar a uma conclusão:
28. Pesquisei muito, e nada concluí. Entre mil, consegui encontrar um homem, mas entre as mulheres não encontrei nenhuma.
29. E cheguei à seguinte conclusão: Deus fez o homem correto, mas o homem inventa muitas complicações.

[Eclesiastes 8]Eclesiastes 8



SABEDORIA É DISCERNIMENTO
1. Quem é como o sábio? Quem conhece a interpretação das coisas como ele? A sabedoria do homem ilumina seu rosto e lhe abranda a dureza da face.

O LIMITE DA AUTORIDADE


Compartilhe com seus amigos:
1   ...   92   93   94   95   96   97   98   99   ...   197


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal