Os dilemas do consumo



Baixar 51.4 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho51.4 Kb.



Os dilemas do consumo
Ladislau Dowbor1

16 de novembro de 2011


Embalados na expansão das tecnologias inovadoras, o ser humano vive uma vertigem de consumo. Sem atentar muito para as consequências ambientais, e dando ignorando a miséria indescritível dos que ficaram fora da festa. A história se acelera, corremos todos numa busca desenfreada de mais, ainda que bastante perdidos no que este “mais” significa. E muito desatentos para o “menos” que se avoluma, com a redução da família, das relações de amizade, do tempo contemplativo, do prazer de brincar em qualquer idade. As notas que apresentamos abaixo visam abrir algumas janelas sobre a questão do consumo em geral, numa visão de que não é a quantidade que irá nos beneficiar daqui em diante, mas a qualidade: qualidade de moradia, de convívio, de uso do tempo, dos próprios bens que consumimos. O que importa mesmo é a qualidade de vida.
Crescei e multiplicai-vos

Quando nasce meu pai, em 1900, éramos 1,5 bilhão de pessoas no planeta. Hoje somos 7 bilhões. Estas mudanças de longo prazo, temos dificuldades em senti-las, ainda que possamos saber o números. É preciso reduzir os números a dimensões que caibam na nossa imaginação: Com uma taxa de aumento de 1,1%, que parece tão pouco, são na realidade 80 milhões de pessoas a mais a cada ano, equivalentes a um país como o Egito. O imenso Egito, com as suas dimensões e tradições – só que a cada ano. Podemos dimensionar isto de maneira ainda mais prosaica, aproximando-nos do nosso cotidiano: a cada almoço, são 220 mil pratos a mais na nossa mesa global..

Toda esta gente quer consumir. Este “querer” tem de ser qualificado. Criamos no chamado Ocidente um modelo de consumo de luxo, que funciona enquanto apenas os países ricos e os ricos dos países pobres a ele tiverem acesso. Chandran Nair, um economista asiático, faz um cálculo simples: nos Estados Unidos, onde se consome um frango e meio por pessoa por mês, são 9 bilhões de frangos que vão para a panela todo ano. Na Ásia, ainda quase não se consome carne. Nos Estados Unidos são 300 milhões de habitantes. Na Ásia, 4 bilhões. Sem precisar de muita sabedoria asiática, Chandra Nair conclui que quando a Ásia começar a comer frango, haja ovo, haja galinha.

Este exemplo simples traz uma referência básica para o nosso raciocínio: com esta taxa de crescimento demográfico, e esta progressão do consumo com o resto do planeta querendo se apropriar do modelo americano, o planeta fecha para balanço. Repensar o consumo não é mais questão de se gostar ou não, é questão de quando e como.



O consumo necessário

Somos bastante expertos, da classe média para cima, em fazer de conta que desconhecemos o que conhecemos. A realidade é tristemente clara: um bilhão de pessoas vai para a cama com fome. Há quatro anos, antes da crise financeira, eram 900 milhões. Aumentou a fome porque os especuladores financeiros, assustados com os próprios papéis que emitem, decidiram investir em grãos e outras commodities, o que jogou os preços para cima. Um pequeno jogo especulativo levou a fome no mundo de 900 milhões para 1,02 bilhão. Ninguém se referiu a isto como situação crítica, a preocupação da mídia é com os banqueiros. Faltar liquidez no banco é muito pior do que faltar comida para um bilhão de pessoas.

Mas não há como esconder o escândalo: um bilhão de pessoas que passam fome, destas 180 milhões são crianças. Conviver tranquilamente com a fome de 180 milhões de crianças, quando desperdiçamos rios de recursos em coisas inúteis, francamente, para mim não é muito diferente da indiferença com a qual o mundo civilizado conviveu com a escravidão. Mais números? Cerca de 11 milhões destas crianças que passam fome morrem anualmente, de inanição diretamente, ou de doenças que resultam da sua fragilidade, ou ainda por não ter acesso a água limpa.

Uma grande parte da população precisa sim consumir mais, e consumir coisas essenciais, como cereais, saneamento básico, educação, saúde e assim por diante. Esta necessidade gritante de consumo, que envolve segundo o Banco Mundial cerca de 4 bilhões de pessoas – na definição do Banco são as pessoas que “não têm acessso aos benefícios da globalização” – não nos ameaça. Pelo contrário, pode assegurar paz social, resgatar os dramas ambientais, e constituir um vetor fundamental de redinamização da economia mundial. Temos uma enorme fronteira econômica diante de nós, milhões de empregos a serem gerados, no imenso desafio de incluir os excluídos e de resgatar a sustentabilidade.



O desequilíbrio na pujança

O planeta consumo decente para todos é sustentável? Sem dúvida, conquanto contenhamos o consumo surrealista dos poucos. Criamos uma ideologia patológica do sucesso, baseada na ostentação de pedaços de plástico com griffe¸ como se não soubéssemos que estes produtos nascem nas mesmas fabriquetas de subúrbios pobres, na Indonésia, na Guatemala, ou no Bom Retiro em São Paulo. Nas aulas de pós-graduação em administração e economia que ministro, inventamos para brincar o “kit babaca”: um homem com a caneta Mont Blanc, o cinto Vuitton, um attaché case, ostenta na rua o seu sucesso, homem-sanduiche de produtos que se vendem como ordem de grandeza a 100 vezes o seu custo de produção. As mulheres de “sucesso” usam sem dúvida também os seus “kit-babaca” equivalentes.

Babacas a parte, não há nenhuma razão propriamente econômica para termos miséria no planeta. O PIB mundial é da ordem de 60 trilhões de dólares, cerca de 100 trilhões de reais. Para reduzir isto para valores compreensíveis, o cálculo é muito simples: dividindo o PÌB anual por 7 bilhões de pessoas, e por 12 meses, temos um PIB por pessoa por mês. E multiplicando por quatro, temos o valor médio de bens e serviços produzidos para uma família de quatro pessoas: são 5 mil reais de bens e serviços por mês, o suficiente para todos vivermos de maneira digna e confortável. O problema não está em produzir mais, está em distribuir melhor. E se além disto produzirmos mais do que é necessário, e um pouco menos de plásticos descartáveis e semelhantes, tudo se equilibra.

A própria fome é absurda. O planeta produz anualmente 2 bilhões de toneladas de grãos. Aqui também o cálculo é simples: dividindo por 7 bilhões de habitantes, e por 365 dias, teremos 800 gramas por dia de cereais para cada pessoa. Qualquer pessoa que já cozinhou arroz sabe o quanto isto representa. Só com cereais cobrimos amplamente as nossas necessidades calóricas, sem mencionar os legumes, frutas, tubérculos e peixes. Onde está esta produção que não chega a tantas pessoas que dela precisam? Hé imensas perdas por sistemas deficientes de colheita, armazenamento, transporte e disponibilização final. Há um grande e crescente desvio dos grãos da alimentação para a produção de bio-combustíveis, em particular do milho nos Estados Unidos, da soja e outros produtos. Alimentar carros com alimentos, é bem típico de uma visão patológica de como utilizamos a vida. E entre a pressão dos que têm carros, e a fome das pessoas, as prioridades vão para quem tem capacidade de compra.

Não é a falta de alimentos, de produtos em geral, que está na raiz do problema, é a forma absurda de organização do acesso, é a concentração de renda nos grandes grupos corporativos de intermediação, é o trancamento das tecnologias no emaranhamento absurdo de patentes, copyrights e marcas. Não são os produtores que estão em falta, eles que geram novas tecnologias e aumentam a produção, e sim o sistema de intermediários financeiros, comerciais, jurídicos e de comunicação que se apropriam dos processos.

Manda quem pode

O ETH é o Instituto Federal Suiço de Pesquisa Tecnológica. Com 31 prêmios Nobel a seu favor, é como o MIT dos Estados Unidos um dos mais respeitados centros de pesquisa do mundo. Publicou recentemente uma pesquisa planetária de como estão organizadas as corporações no mundo. Partiram do banco de dados Orbis 2007 com 30 milhões de empresas, selecionaram 43 mil mais sigjnificativas, e analisaram de maneira sistemática quem controla quem: hoje as corporações constituem um sistema interdependente onde cada uma detém ações da outras, gerando um sistema cruzado de controle que forma o que chamaram de “rede global de controle corporativo”.

As conclusões não são surpreendentes para quem acompanha as corporações, mas pela primeira vez temos o mapa completo do controle. Uma empresa pode não ser muito grande, mas deter o controle indireto dominante de uma outra empresa que por sua vez controla dezenas de outras e assim por diante. Neste mapeamento, começam a aparecer as empresas nucleares que controlam segmentos da rede, e têm influência determinante sobre o maior valor de recursos. Na pesquisa, apareceram 737 corporações que controlam 80% do conjunto do universo corporativo analisado. Com este número reduzido, são pessoas que se conhecem, os mesmos membros de conselhos de administração se cruzam nos diferentes grupos. É um grau de concentração avassalador.

Tem mais. No conjunto de 737 corporações, os pesquisadores identificaram 147 grupos que são particularmente articulados (tight-nit) e que controlam 40% do universo. Três quartos destes grupos são corporações de intermediação financeira, especuladores nos processos planetários de intermediação, como Barclay, Goldman&Sachs e outros nomes familiares. Hoje entendemos a fagilidade dos governos, a rapidez com a qual se encontraram trilhões de dólares para cobrir papéis podres emitidos pelos bancos, enquanto os 300 bilhões de dólares anuais necessários para se tirar da miséria os pobres do planeta não se encontram. A culpa, naturalmente, é dos gregos que consomem demais. Na discussão da crise, aliás, só não se fala dos banqueiros, que a deflagraram.

O instituto suiço que produziu a pesquisa é acima de qualquer suspeita, não há aí nenhuma bandeira ideológica, há fatos sobre a fantástica concentração de poder econômico que a partir de um certo nível se transformou naturalmente em poder político. As políticas anti-truste que existem em numerosos países, e em particular nos Estados Unidos e na Europa, ficaram relativamente impotentes, pois atuam no âmbito nacional, enquanto os grupos funcionam no espaço planetário, onde simplesmente não há governo. O resultado, em termos globais, é uma perda generalizada de governança, onde os interesses econômicos dos grandes passaram a dominar tanto a economia como os espaços signficativos de governo. De quem são os recursos que manejam? Ora, obviamente, são as nossas poupanças e os nossos impostos. Conseguimos terceirizar o uso do nosso próprio dinheiro.

A lógica do sistema

Este estrutura do poder determina o acesso ao que o planeta produz. Os inovadores, pesquisadores, engenheiros, designers e tantos outros que contribuem para o avanço das nossas tecnologias pouca influência têm sobre o que se faz com as suas inovações. Os pesquisadores que desenvolveram o coquetel que permite reduzir os impactos e propagação da Aids não têm nenhuma influência sobre como as corporações farmacêuticas registram as patentes sobre os conhecimentos que eles desenvolveram. Hoje temos 36 milhões de pessoas portadoras do HIV, 25 milhões de pessoas já morreram, uma catástrofe planetária, e no entanto apenas uma minoria tem acesso ao coquetel, pois se trata de maximizar o lucro e não de generalizar o bem-estar. Maximizar o lucro implica vender caro aos que têm poder de compra elevado, e estas pessoas pagarão muito caro pois se trata das suas vidas. A lógica do processo produtivo, e da dinâmica financeira que o determina, é definida pelo poder de compra, e não pelas necessidades, pelo maior bem-estar humano.

O poder de compra é determinado pelo acesso à renda. Na “taça de champagne” abaixo, constatamos que “no topo, onde a taça é mais larga, os 20% mais ricos da população se apropriam de tres quartos da renda do mundo. Na parte mais baixa do gargalo, onde a taça fica mais estreita, os 40% mais pobres detêm 5% da renda do mundo e os 20% mais pobres apenas 1,5%. Os 40% mais pobres correspondem basicamente aos 2 bilhões de pessoas que vivem com menos de US$2 por dia.” A América Latina ocupa um lugar de destaque: “A distribuição global de renda na também faz ressaltar o grau extremamente elevado de desigualdade na América Latina.”2

Fonte: Human Development Report 2005, p. 37 - http://hdr.undp.org/en/media/HDR05_complete.pdf

Na lógica do sistema capitalista em que vivemos, interessa produzir para que têm capacidade de compra. E as empresas mais poderosas adquirem o controle das mais frágeis, gerando uma extrema concentração de poder que por sua vez reforça a concentração de renda. A partir de um determinado nível de poder, começam a mudar as regras do jogo. As grandes corporações financeiras que dominam o sistema passaram a mudar as leis que regem o próprio sistema financeiro, promovendo a redução dos impostos para os mais ricos, substituindo os impostos pagos pelos ricos por endividamento público, liquidando os sistemas de regulação que davam aos governos certo controle sobre o sistema. O sistema se expande intensificando e sofisticando o consumo dos que já consomem demais, mas têm capacidade de compra, e reproduz a miséria dos pobres, que consomem muito pouco.

E vale a pena?

Estamos todos envolvidos, nos extratos superiores, numa corrida desesperado por acumular bens materiais. Mas vale a pena? Uma das coisas impressionantes na concentração de renda e de riqueza no planeta, é que o processo gera imenso sofrimento na base da sociedade, mas não gera maior satisfação no topo. Vale a pena refletir sobre este absurdo que represena a corrida, a chamada global rat race.

Dizer que o dinheiro não traz felicidade, tem dois sentidos inversos, segundo o grau de acesso à renda. Claramente, para as pessoas que não têm acesso aos bens básicos da sua sobrevivência, um pouco de dinheiro muda radicalmente a situação para melhor. Uma família poder ter um domícilio decente, alimentar os seus filhos, recorrer a um médico, comprar os medicamentos necessários, aumenta radicalmente a sua qualidade de vida. Ou seja, quando se passa de um salário mínimo para dois, por exemplo, a satisfação com a vida melhora muito.

O interessante, no entanto, é que esta linha que de satisfação que sobe nos gráficos, conforme aumenta a renda, tende rapidamente a se tornar horizontal. Assim, nos Estados Unidos por exemplo, enquanto de 1970 para cá o PIB per capita aumentou fortemente, a satisfação das pessoas com as suas vidas (indicadores de percepção de qualidade de vida) se manteve estável ou baixou. O que ocorre, naturalmente, é que depois de satisfeitas as necessidades básicas de conforto material, colocar mais aparelhos de televisão na casa, ou mais carros na garagem, ou vestir roupas de marcas renomadas, certamente dão uma satisfação inicial, mas que é muito passageira. Depois que se impressionou o vizinho, resta muito pouco.

Em outros termos, esta concentração de renda, não só impede que aumente a felicidade no conjunto do planeta, na base da sociedade, mas sequer gera satisfação nos ricos que a provocam e reproduzem. É um processo positivo em termos de expansão de consumo, mas não da sua qualidade. Impacta negativamente a sociedade por desviar recursos de onde são necessários, por gerar tensões sociais crescentes – e justificadas – e por se basear numa economia do desperdício que dilapida os nossos recursos naturais, gerando uma tragédia ambiental.

O ciclo publicitário

Hoje não há como não ver a relação entre a dinãmica do consumo e as políticas culturais. Tipicamente as nossas crianças passam 4 horas na frente da televisão, e cerca de uma hora e meia frente ao computador, com variações evidentes à medida que a internet e novas formas de sociabilidade se generalizam. Com a ampliação revolucionária do acesso aos meios de comunicação de massa nas últimas décadas – no Brasil 96% dos domicílios têm televisão – comunicar mensagens publicitárias se tornou não só extremamente barato, como inescapável mesmo para os que tentam se proteger ou proteger os seus filhos. Em nenhuma outra época da evolução da humanidade houve este poder de martelar horas a fio, em todo domicílio, consultório médico ou até telefone celular. Mensagens para todas as pessoas sobre os valores que devem ter, as coisas que devem pensar, os valores que devem defender, e sobretudo o que devem consumir.

A publicidade destinada a crianças – hoje uma grande indústria, com psicólogos, e crianças contratadas para testes de impacto – constitui uma máquina bem rodada. Frente às limitadas capacidades das crianças distinguirem a manipulação, é uma covardia. Os impactos são avassaladores. O conjunto da indústria dos fast-foods, salgadinhos, refrigerantes etc., levou a uma explosão da obesidade infantil. Uma adolescente obesa tem a vida prejudicada, a volta é muito difícil. E as empresas aproveitaram para desenvolver outra indústria, a de lipo-aspiração infantil. Oferecer brinquedos e massacrar com publicidade as crianças, para que consumam mais açucar, sal e gordura, francamente, situa-se além da mais elementar decência humana. O Mac Dia Feliz é um dia por ano.

Na realidade é importante entender o ciclo: as empresas encarregam as agências de publicidade, hoje gigantes corporativos, de elaborar as campanhas.As campanhas são veiculadas pela grande mídia, que cobra tanto mais quanto mais audiência pode apresentar. Os índices de audiência por sua vez exigem programas “de grande público”, o que envolve mobilizar a atenção a qualquer preço, como por exemplo policiais perseguindo bandidos, corridas mirabolantes de carros e semelhantes. E naturalmente evitar informações verdadeiras mas aborrecidas, e muito menos falar a verdade sobre produtos ou empresas, que são afinal quem contrata a publicidade e financia a grande mídia. A empresa que contratou a publicidade, calcula esta como custo de produção e promoção, e transfere os custos para os preços. Assim, ao comprar qualquer produto, gostemos ou não, estamos financiando a publicidade que irá interromper o nosso filme. E ouviremos a mensagem de que tal programa é gentilmente oferecido por uma empresa que tem total dedicação a nós.

Não gostamos muito de achar que estamos fazendo as compras influenciados pela publicidade. Mas a realidade é que as fantásticas somas gastas com a publicidade, além de vir do nosso bolso, são utilizadas porque funcionam. E não há nenhuma vergonha em sermos influenciàveis, é uma das facetas mais simpáticas do ser humano. Mas a máquina industrial de influência gera evidentes deformações. Terminamos dançando conforme a música, ainda que o resultado final seja a frustração com a qual olhamos a esteira para caminhar que parecia tão atraente no programa.

Consumo individual e consumo coletivo

O consumo individual obsessivo tem o seu impacto planetário. Este impacto é hoje medido como “pegada ecológica”. Cada um de nós, de acordo com a sua intensidade e qualidade de consumo, tem impacto sobre o nosso pequeno planeta. O espaço da minha casa, a terra necessária para plantar o arroz que como, o espaço de rua e estrada que ocupa o meu carro, tudo isto pode ser calculado, e tem dado lugar ao cálculo de quão “espaçosos” são os povos, as classes sociais, as empresas. O resultado, por exemplo, é que o indiano médio ocupa 0,9 hectares para a sua sobrevivência. O americano, bastante mais espaçoso, ocupa 10 hectares, o europeu cerca de 6. Se generalizássemos o tipo de consumo do americano, seriam necessários 4 planetas. Um outro mundo não é apenas possível, é inevitável.

O consumo individual não é necessariamente mais inteligente. Em Toronto, no Canadá, há inúmeras piscinas públicas. Além disto, as piscinas escolares são abertas ao público. Com a intensidade de uso, torna-se barata a manutenção, e inclusive a proteção das crianças. O resultado é um significativo aumento da qualidade de vida, em particular dos jóvens, com um gasto per capita muito pequeno, pois os custos são distribuidos por muitas pessoas. Em constraste, ter uma piscina em casa, gera custos de manutenção elevados, para pouquíssimo uso, pois brincar sozinho não é muito estimulante. O efeito de status é significativo, sem dúvida, mas gerar infraestruras públicas de diversão é muito mais barato, não isola as pessoas, contribui para a democratização e a segurança de todos. É consumo inteligente.

Outro exemplo forte é o transporte individual. Não há mal em ter carro, e será difícil dizer aos que acedem a este conforto que agora devemos nos limitar. O absurdo é milhões de pessoas tomarem todos os dias os seus carros para irem basicamente para os mesmos destinos no triângulo casa/escola/trabalho. O uso do carro para compras maiores, lazer e semelhantes não mata a cidade. Estive recentemente em Shanghai, que tem 420 quilómetros de metrô. São Paulo, que começou vinte anos antes, tem 74. Em Shanghai o grande volume de pessoas que diariamente buscam o mesmo destino é absorvido pelo transporte público, e o resultado é que os carros também andam. Em São Paulo o nosso tempo médio perdido diariamente no trânsito é de duas horas quarenta minutos. Tempo em que não estudamos, não trabalhamos, não descansamos. Pelo contrário, nos irritamos, e sobretudo poluimos a atmosfera e gastamos rios de recursos naturais. Aqui também, a disponibilização de infraestruturas públicas é essencial, e na ausência de transporte público decente mais pessoas usam o consumo individual. Sai mais caro para todos.

´-Ha Os exemplos são inúmeros. Para as montadoras que vendem carros e as empreiteiras que constroem viadutos, interessa que o consumo seja individual, pois gera retorno imediato para elas. Para a sociedade, interessa a organização racional do uso dos recursos. O consumo público reduz os custos para todos, inclusive para a natureza.

As políticas sociais

Sempre que pensamos em consumo, e pelo próprio massacre que sofremos através da grande mídia, pensamos em sapatos, cosméticos, roupas, carros, motos e semelhantes. Estes produtos realmente geram uma pegada ecológica pesada. Ter os armários cheios não é sinal de status, e sim de simplicidade mental, para dizê-lo de maneira educada. Mas o grande consumo está se deslocando para outras áreas.

A totalidade da produção industrial nos Estados Unidos emprega hoje menos de 10% da mão de obra, isto já somando os empregos burocráticos da própria indústria. O maior setor econômico americano é a saúde, com 17% do PIB, e crescendo rapidamente. Se olharmos um pouco para a frente, não é a produção de bens físicos que está no centro dos processos produtivos, e sim o investimento nas pessoas: saúde, educação, lazer, esporte, cultura, informação, segurança e semelhantes.

A característica destes setores de atividade é que são fundamentais para a nossa qualidade de vida – a vida com saúde, lazer, cultura, educação é o que mais queremos para viver bem – mas também que não são produtos que se compram, são serviços públicos aos quais se tem acesso. Sapatos produzidos na China podem ser colocados em contêineres e despachados pelo planeta afora. Não se despacha saúde em contêineres, nem educação: trata-se de serviços intensivos em mão de obra qualificada, densos em relações humanas, fortes promotores de capital social e de sistemas descentralizados de gestão em cada cidade, bairro ou núcleo populacional em geral.

Quando olhamos os dramas da parte mais pobre da população mundial, os quase dois terços que representam os 4 bilhões estudados pelo Banco Mundial, são justamente as áreas mais, e mais necessárias. Generalizar o consumo da educação, saúde preventiva, cultura, conhecimentos online e semelhantes, não tem nenhum impacto negativo no meio ambiente: pelo contrário, leva ao uso mais inteligente e sustentável dos recursos. Como são intensivos em mão-de-obra, criam empregos, e se trata de empregos que aumentam a produtividade social. Trata-se de políticas integradas de promoção social que exigem a articulação das políticas de desenvolvimento em cada cidade, em cada território. O impacto da priorização das políticas sociais na racionalidade dos processos decisórios públicos e privados é muito grande.

É consumo? É gasto? É investimento? Na tradição herdada, diziam-nos que produzir bonecas Barbie constitui produção, que gera impostos, o que por sua vez permitirá financiar os “gastos” que seriam a saúde, educação e assim por diante. Na realidade, quando uma empresa produtora de bens de consumo tradicional emprega um engenheiro de 25 anos, está adquirindo uma capacidade de trabalho que envolveu anos de investimento familiar, público e do próprio jóvem. Sem este investimento, não teríamos a progressão na produtividade geral. Todos os setores de atividade envolvem gastos, investimentos e produtos. Um pouco menos de automóveis e de viadutos, e um pouco mais de políticas sociais seria uma forma inteligente de orientar o consumo. O Japão começou a sua modernização em 1868, e em 1900 já não tinha analfabetos. Nós ficamos refletindo sobre o aumento do bolo e deixando o social para o futuro. Precisamos aumentar o consumo sim, mas de outra forma, e para outras pessoas.



A apropriação dos bens livres

Há formas de consumo que não custam a ninguém, e estão se tornando escassas. Um exemplo típico é o das praias de Bertioga, em grande parte apropriadas por um condomínio privado. Onde antes eu podia passear livremente agora eu tenho de pertencer a uma classe chique de membros de uma “riviera”. É interessante a publicidade me oferecer “as maravilhosas praias”, devidamente pagas, como se o grupo econômico que se apropriou da região as tivesse criado. O lazer gratuito que as praias representam contribuem muito para a qualidade de vida de todos, independentemente do nível de renda.

A comunidade do Conjunto Palmeiras, no Ceará, morava à beira do mar. Um grupo europeu comprou a região da praia, e a população foi deslocada para outra região, onde em vez de areia havia lama. Conseguiram se reerguer, e hoje constituem um exemplo de desenvolvimento endógeno, de criatividade. A roupa que compram eles mesmos produzem, é o Palma Fashion, produto que ao mesmo tempo os veste lhes assegura emprego, no caso auto-emprego. Pagam com o PalmaCard, cartão de crédito baseado no banco comunitário que criaram. Geram os próprios produtos de limpeza. São sustentáveis no sentido completo.

Mas a praia agora é apropriada pelos chamados “resorts”, coisa para turista do exterior, ou privilegiados do nosso Sudeste. Assim a desigualdade se enraiza no tecido econômico da região, excluindo as pessoas da gratuidade do acesso. No Rio de Janeiro, a divisão é gritante. Não à toa surge a música: “Nos vamos invadir a sua praia...”.

São Paulo tem duas represas maravilhosas, que um dia constituirão um espaço de lazer peri-urbano, tão necessário para os fins de semana. Com raras exceções, e apesar de alguns esforços da prefeitura, além de contaminadas, fruto de descaso com o esgoto, têm a orla apropriada por interesses privados. Em vez de um Sena ou uma Támisa, temos esgotos a céu aberto nos rios Tieté e Pinheiros, e aproveitamento do vales para pistas de automóveis. Outro espaço de lazer eliminado.

A água já foi um bem livre. Com a contaminação generalizada, as pessoas estão cada vez mais comprando água. O custo ambiental, segundo Lester Brown, é da ordem de 1 para 1000, comparando os impactos da água de torneira e da água engarrafada.

Na minha infância, sempre fui de bicicleta para a escola. O sentimento de liberdade, de pertencer à cidade e dela me pertencer, era intenso. A apropriação generalizada pelos interesses ligados aos automóveis tornou o espaço não motorizado não só restrito, como perigoso. As amplas calçadas de Paris, com as suas mesinhas e bares diversificados, permitem um convívio tranquilo, encontros não programados, uma sociabilidade solta e sem obrigações. Na região de Giovinazzo, na Italia, encontrei cidades que organizaram trajetos seguros e sinalização apropriada para as crianças poderem transitar entre escolas, parques, centros esportivos. Em outras cidades, as crianças conseguiram expulsar os carros das praças, resgatando espaço arborizado para jogos e lazer.

O consumo não monetário, a gratuidade no aproveitar os bens da natureza, é vital para a nossa saúde social e mental. A tendência natural do lado empresarial, é cercar e cobrar entrada. Reduzir o acesso aos bens públicos é a melhor maneira para obrigar a pagar. E com isto divide-se a sociedade entre quem tem acesso, e os excluídos que apenas olham. Não é saudável, nem decente.



Consumo do conhecimento

O conhecimento é um bem diferente: o seu consumo não reduz o estoque. Pelo contrário, multiplica-se ao ser comunicado. No exemplo clássico, se duas pessoas trocam as suas maçãs uma com a outra, cada uma continua com uma maça. Mas se cada pessoa comunica uma idéia à outra, ambas ganham. O conhecimento que passo para outra pessoa, continua comigo. O conhecimento não é um bem rival.

Este fato assumiu nos nossos dias uma importância radical, pois na produção de bens e serviços, tipicamente, tres quartos do valor vem do conhecimento incorporado. Se considero o meu celular, haverá talvez 5% de matéria prima e de trabalho físico: os outros 95% são conhecimento incorporado, sob forma de tecnologia, pesquisa, design e semelhantes intangíveis. É a economia do conhecimento.

As tecnologias de informação e comunicação (TICs), por outro lado, tornaram-nos capazes de ter acesso inteligente a um mundo de conhecimentos que circulam nas ondas eletromagnéticas em volta do planeta. Ninguém “construiu” as ondas eletromagnéticas, pertencem à natureza. Nelas os conhecimentos circulam quase na velocidade da luz. Hoje qualquer pessoa com equipamentos cujos custos estão caindo vertiginosamente, pode ter acesso a todo o estoque de conhecimento disponibilizado online no planeta.

Juntando a evolução para a economia do conecimento e as TICs, temos a faca e o queijo. E sobretudo temos relações diferentes de propriedade, pois as idéias que repasso continuam comigo. O que se abre no horizonte, é uma sociedade com menos guerra competitiva, e mais colaboração.

As implicações são imensas. Podemos generalizar o acesso ao conhecimento no planeta todo, sem que isto tire pedaço de ninguém. Temos as tecnologias para isto. Muitos países já adotaram o “um computador por aluno”. Mas o que vamos assistir nesta década, é a generalização do equipamento de recepção e emissão a toda a população. Na era da economia do conhecimento, democratizar o acesso a um bem que é ao mesmo tempo bem de consumo e fator de produção, tende a enriquecer a todos. E como a inteligência existe em todos os níveis sociais, o jogo começa a ficar mais equilibrado. Os camponeses do Quênia que consultam os preços em diversas praças do país, escapam dos atravessadores. Mudam as relações.

No próprio mundo empresarial, descobre-se que a colaboração pode ser bem mais eficiente, nas atividades densas em conhecimento, do que se esconder atrás de patentes e de compromissos de não divulgação que os empregados são obrigados a assinar. As empresas de robótica, que passaram a trabalhar com dados abertos, uns aproveitando os conhecimentos dos outros, tornaram-se todas mais produtivas. Em vez de se reinventar a roda em cada empresa, todas trabalham na ponta, e se tornaram mais produtivas no conjunto.

Consumir conhecimento não esgota o meio ambiente, pelo contrário. O relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) recomenda que se libere o acesso aos conhecimento tecnológicos que permitam uma agricultura mais sustentável e a redução das emissões de gases de efeito estufa.

Os argumentos são óbvios, mas a guerra é intensa. A Sage Publications, ou a Elsevier, por exemplo, grandes corporações de intermediação na publicação de artigos científicos, ganham rios de dinheiro ao cobrarem o acessos aos artigos de revistas indexadas. George Monbiot, no Guardian (30/08/2011) apresenta a situação geral: “Ler um único artigo publicado par um dos periódicos da Elsevier vai lhe custar $31,50. A Springer cobra $34,95. Wiley-Blackwell, $42. Leia dez artigos, e pagará 10 vezes. E eles retêm o copyright perpétuo. Você quer ler uma carta impressa em 1981? São $31,50...Os retornos são astronômicos: no último ano fiscal, por rexemplo, o lucro operacional da Elsevier foi de 36% sobre cobranças de dois bilhões de libras. Resulta um açambarcamento do mercado. Elsevier, Springer e Wiley, que conpraram muitos dos seus competidores, agora controlam 42% ds publicações”. Há saida para os autores? “Os grandes tomaram controle dos periódicos com o maior impacto acadêmico, nos quais é essencial pesquisadores publicarem para tentar obter financiamentos e o avanço das suas carreiras...O que estamos vendo é um puro capitalismo rentista: monopolizam um recurso público e então cobram taxas exorbitantes. Uma outra forma de chamar isto é parasitismo econômico”. Não são apenas os pesquisadores que são penalizados: o custo das assinaturas das revistas pelas bibliotecas universitárias é simplesmente proibitivo.3

O potencial de inclusão produtiva é igualmente imenso. Experiências como o de Piraí ou da favela de Antares, no Rio de Janeiro, mostra que ao ter acesso à internet os pequenos comerciantes diversificam clientes e fornecedores, que muitas pessoas passam a prestar serviços os mais diversos online (design, apoio técnico informático etc). Alvin Toffler, criativo como sempre, se refere a estes novos trabalhadores do conhecimento com o termo de “prosumidores”, são ao mesmo tempo consumidores e produtores de conhecimento.

Abrimos aqui algumas janelas para as novas visões sobre o consumo. Com a pressão demográfica e a nossa capacidade reforçada de nos apossarmos dos recursos naturais, as tendências atuais são simplesmente insustentáveis. E a apropriação crescente dos processos produtivos, das esferas de intermediação, das políticas sociais e até dos bens públicos pelos interesses comerciais, que por natureza priorizam a rentabilidade corporativa e não a produtividade sistêmica e a qualidade de vida, gera situações sociais inaceitáveis e crescentemente explosivas. Finalmente, em termos econômicos, manter a bolha de luxo e os processos especulativos torna o próprio sistema inoperante.

O que temos pela frente, é a imensa oportunidade de ocupar o amplo horizonte de consumo inteligente que se abre: um new deal planetário está mais do que atrasado. É necessário em termos sociais, viável em termos econômicos, e o resgate da sustentabilidade pode constituir um poderoso trampolim para uma nova geração de tecnologias. O bom senso progride. Mas a janela de tempo que temos, antes de atingir o tipping point, o ponto de não-retorno, em uma série de áreas críticas, é cada vez mais curta.





1 Ladislau Dowbor é professor titular da PUC de São Paulo nas áreas de economia e de administração e consultor de várias agências das Nações Unidas. Os seus textos estão disponíveis online, em regime Creative Commons, no site http://dowbor.org ou http://dowbor.org/wp E-mail ladislau@dowbor.org

2 Human Development Report 2005, p. 36, Box 1.5 - Há imensa literatura sobre o assunto. Uma excelente análise do agravamento recente destes números pode ser encontrada no relatório Report on the World Social Situation 2005, The Inequality Predicament, United Nations, New York 2005; Para uma análise ampliada do processos, ver o nosso Democracia Econômica, ed. Vozes 2008, bem como o artigo de I. Sachs, Carlos Lopes e L. Dowbor, Riscos e oportunidades em tempos de mudança, ambos disponíveis em http://dowbor.org .

3 Goerge Monbiot, How did academic publishers acquire these feudal powers? The Guardian, August 29, 2011 http://dowbor.org/ar/the%20guardian.doc ; para ler o meu próprio artigo publicado pela Sage, fruto da minha pesquisa, e pela qual nada me pagaram, tenho de pagar 25 dólares a cada 24 horas. Chamam isto, misteriosamente, de “direito autoral”. Ver O Professor frente à Propriedade Intelectual no meu site http://dowbor.org


Catálogo: blog -> wp-content -> uploads -> 2012
uploads -> Boletim trab-prev-rh em 09. fev. 2015 "É mais fácil enganar uma multidão do que um homem." (Heródoto) Carnaval Não é Feriado Nacional
uploads -> Boletim trab-prev-rh em 18. fev. 2013 a felicidade e a infelicidade vêm de nós próprios. (Mêncio)
uploads -> Gestão social e transformação da sociedade Ladislau Dowbor Março 2000 Resumo
uploads -> FundaçÃo municipal de saúde de foz do iguaçu hospital Municipal Padre Germano Lauck
2012 -> Os estranhos caminhos do nosso dinheiro Ladislau Dowbor 16 de julho de 2013
2012 -> A concepção materialista da história Edição portuguesa, Ed. Centelha, Coimbra 1976 Introdução As páginas que seguem são uma tradução do segundo capítulo da obra «Economia Política»
2012 -> Política Energética, Mudança do Clima e Crise Econômica
2012 -> Os descaminhos do dinheiro (5): os paraísos fiscais
2012 -> Boletim cont-fisc-trib-jur em 10. dez. 2012. "Quem nunca errou nunca experimentou nada novo." (Albert Einstein) Fazenda apresenta tabela e escala do ipva 2013
2012 -> FundamentaçÃo para aceitaçÃo do recurso extraordinário e do recurso especial na peça prática do VIII exame unificado – direito constitucional profª. Flavia Bahia Complexo de Ensino Renato Saraiva – Portal Exame de Ordem parte I – resumo do


Compartilhe com seus amigos:


©principo.org 2019
enviar mensagem

    Página principal