Os Mártires do Coliseu e-book digitalizado por



Baixar 1.19 Mb.
Página1/19
Encontro30.07.2016
Tamanho1.19 Mb.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19

Os Mártires do Coliseu



E-book digitalizado por: Levita Digital

Com exclusividade para:



http://ebooksgospel.blogspot.com/

Os Mártires do

COLISEU


Os Mártires do

COLISEU

O Sofrimento dos Cristãos no Grande Anfiteatro Romano



"O sangue dos mártires é a semente dos cristãos."

Tertuliano



A.J. O'Reilly
Tradução

Marta Doreto de Andrade


Todos os direitos reservados desta tradução e notas introdutórias.

Copyright © 2005 para a língua portuguesa da

Casa Publicadora das Assembléias de Deus.

Aprovado pelo Conselho de Doutrina.
Publicado originalmente em inglês em 1874 como History ofthe Coliseum and Its Martyrs.
Tradução: Marta Doreto de Andrade

Preparação de originais: Isael de Araújo

Capa e projeto gráfico: Alexander Diniz

Editoração: Leonardo Marinho


CDD: 272 - Perseguições religiosas

ISBN: 85-263-0678-2


Para maiores informações sobre livros, revistas, periódicos e os últimos lançamentos da CPAD, visite nosso site:

http://www.cpad.com.br
Casa Publicadora das Assembléias de Deus

Caixa Postal 331

20001-970, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Impresso no Brasil
3ª Edição 2005

Prefácio à edição brasileira
"Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?" (Ap 6.10).
Os Mártires do Coliseu são um livro indispensável para se conhecer a fé e a coragem dos primeiros seguidores do Nazareno. Investigando diversas fontes, quer cristãs quer seculares, utiliza-se o teólogo das ferramentas do historiador. E, assim, leva-nos a inteirar-se do que realmente aconteceu com

as primeiras testemunhas de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A história toda se passa em torno do Coliseu. Erguido com a pompa e a

arrogância tão próprias de Roma, abriu os frontões para que o populacho, sequioso por pão e circo, se divertisse com o sangue de nossos irmãos.

Executados de maneira cruel, os discípulos de Cristo encharcavam, com o seu sangue, aquela arena. Mas com a serenidade dos justos, encaminhavam-se à Nova Jerusalém.

Deles encheu-se o céu; de seus algozes, encher-se-ia o inferno. Este livro não é para ser lido propriamente do ponto de vista teológico; tem de ser relido sob a ótica do historiador. Na tarefa de resgatar os depoimentos para a reconstrução de um dos períodos mais negros da história da Igreja Cristã, viu-se o autor obrigado a recorrer às mais diversas fontes.

Leia todo esse livro com a mente voltada ao Coliseu onde foram os nossos irmãos martirizados, a fim de que hoje pudéssemos estar nos átrios do Senhor celebrando-lhe o nome e bendizendo-lhe a glória.

A CPAD sente-se honrada em apresentar ao povo evangélico um dos livros mais completos acerca do martírio dos primeiros cristãos. Temos certeza de que, nestas páginas, encontraremos a necessária coragem para prosseguirmos a nossa carreira até a volta de Cristo Jesus.

Os martírios não são uma coisa do passado; neste momento, em algum lugar do mundo, alguém está selando a fé em Cristo com o próprio sangue. E para tanto são motivados pela ressurreição da última trombeta.
Maranata,

Ora vem, Senhor Jesus.


Os Editores.

Prefácio a 1ª edição
O presente livro, imperfeito como é, tem a recomendação de ser o único sobre o assunto publicado em inglês. Com uma leve mudança, esta afirmação pode ser estendida a cada uma das línguas européias. Algumas obras sobre o Coliseu têm sido impressas na Itália, mas tratando-o como um monumento pagão, ou uma obra de arte. Acho que nenhuma delas 21S. dedica mais que algumas páginas aos registros cristãos. Memorie Sacre e Profane dell Anfiteatro Flavio, de Marangonis, que é sem dúvida a melhor, e da qual eu tirei muita coisa para as páginas a seguir, não oferece mais que alguns dos nomes dos mártires do Coliseu, com refe­rências aos seus feitos. Todos admitem que o Coliseu foi santificado pelo sangue de milhares de mártires: mencionam alguns dos mais importan­tes, e seguem adiante como se o mundo não tivesse interesse nas mais sagradas e solenes reminiscências do passado cristão.

O cardeal Wiseman, em seu prefácio a Fabíola, escreveu o seguinte:

"Se um cristão moderno desejasse realmente saber o que os seus ante­passados sofreram pela fé durante os três séculos de perseguição, não o poderíamos satisfazer com uma visita às catacumbas, como temos nos empenhado em fazer, a fim de que conhecesse a espécie de vida que eles foram compelidos a viver. Aconselhá-lo-íamos, contudo, a ler aqueles registros imperecíveis, Acts of the Martyrs, que lhe mostrariam como eles foram mortos. Não conhecemos, depois da inspirada Palavra de Deus, um escrito tão comovente, tão terno, tão consolador, e que ministre tanta força à fé e à esperança, como este venerável monumento. E se o nosso leitor, assim aconselhado, não dispusesse de muito tempo para ler sobre o assunto, limitá-lo-íamos prontamente a um único exemplar - o genuíno Acts of SS. Perpetua e Felicitas. É verdade que ele seria melhor lido pelo erudito em sua clara latinidade africana, mas acreditamos que alguém logo nos dará uma valiosa versão inglesa desta obra, e de outros documentos dos cristãos primitivos, similares a este.... Quando a nossa mente está triste, ou a insignificante perseguição de nossa época inclina à murmuração o nosso coração fraco, não podemos fazer nada melhor que nos voltar a essas histórias auríferas e verdadeiras, a fim de nos encorajarmos pela contem­plação do que crianças e mulheres, catecúmenos e escravos, sofreram por Cristo, sem murmuração".

Nem preciso dizer como aceitei, de acordo com as minhas habilidades, esta suges­tão do mais eminente dos escritores modernos. Há muito que gosto de elogiar a profunda mina de riquezas espirituais contida nos Acts of the Martyrs. Mas estes registros preciosos do passado não se encontram nas mãos de todos. A soma requerida para comprar os grandes tomos de cinqüenta fólios dos Bollandistas, e a erudição necessária para se compreender o latim e o grego antigos, no qual foram escritos, colocam-nos fora do alcance da maioria dos leitores. Por conseguinte, qualquer tradu­ção desses memoriais da Igreja Primitiva deve ser interessante e útil. A virtude, o poder, e a vida extraordinária dos primeiros cristãos contrastam admiravelmente com os dos cristãos atuais. Contudo, o cristianismo é agora tão brilhante e poderoso quanto era triunfante no Coliseu. É a mesma fé que anima a virtude do justo; é o mesmo Espírito Santo que guia e preserva Igreja imperecível, edificada sobre a Rocha.

Nas traduções a seguir, nem sempre me confinei à versão literal do original. Ao contrário, diligenciei por evitar a monotonia e a aridez das traduções textuais. Tomei as idéias apresentadas nos Atos, e moldei-as na fôrma inglesa, muitas vezes lançando flores à sua volta, quando nenhuma era vista no original; particularmente na história românti­ca de Plácido. Onde encontrei passagens extraordinárias nos mais autênticos Atos, citei o texto nas notas, e dei as referências necessárias.

Repentinamente chamado de volta ao cenário de meus antigos labores, submeti-me ao julgamento dos meus superiores, entregando o manuscrito aos impressores em seu estado imperfeito; e sem outro pensamento sobre o seu sucesso ou fracasso, confiei o pequeno volume à indulgência de meus leitores. Se por acaso o belo e interessante assunto que eu apressadamente reuni induzir algum experiente e hábil escritor a tratar, magistralmente e de maneira histórica, esta importante parte da história do cristianismo, sentir-me-ei recompensado por meus humildes esforços; e se, além disso, estes tocantes contos de amor, estes milagres e maravilhas fluídos da graça de Deus, encontrados em cada página destes registros, despertarem no leitor cristão ao menos um sentimento de piedade e caridade, sentirei que o meu labor não foi em vão.



Prefácio a 6ª edição
No dia primeiro de fevereiro de 1874, fui um dentre muitos que, por devoção e curiosidade, visitei a antiga e venerável ruína do Coliseu. Fora anunciado que o governo italiano prestara-se a uma profanação sem sentido de sua arena, tão querida nas memórias sagradas do passado; mas ainda que freqüentemente forçados a encarar os vestígios da perse­guição e do sacrilégio, poucos daqueles cenários tristes causaram mais indignação que aquele diante de nós.

No centro da arena, uma multidão olhava em silêncio alguns operários removendo os últimos restos dos graciosos degraus em forma de pirâmide, que sustentaram a cruz indulgenciada que, por mais de um século, adornara a arena. Disseram que a cruz, agora desaparecida, fora retirada à noite. À volta, alguns homens estavam destruindo as capelinhas da Via Sacra, com uma diligência e uma gravidade usualmente não vistas nos trabalhadores italianos: três das estações já haviam desaparecido; os golpes das marretas e dos machados, misturando-se às massas da alvenaria, eram os únicos sons que ecoavam através da vasta ruína. O pesar e a indignação suprimida eram fortemente expressados no semblante da multidão calada. Umas poucas almas pias e corajosas estavam visitando, pela última vez, as estações que restavam. Vimos diversas matronas romanas chorar, enquanto observavam a obra de demolição; apartados dos demais, alguns eclesiásticos franceses condenavam audivelmente, em excitada conversa, a cena que tão forçosamente recordava os dias dos iconoclastas. E a razão para esta profanação foi oficialmente apresentada: - Estes memoriais religiosos não estavam de acordo com o caráter pagão das ruínas.

De fato, o Coliseu fora um edifício pagão, mas as orações e a veneração das gerações que por ali passaram durante quinze séculos, o sangue de milhares de márti­res, e o terrível sacrifício em massa, oferecido dentro de seus limites, converteram-no em um monumento cristão. Se um único mártir lhe houvesse santificado o solo com o seu sangue, reverenciar-lhe-íamos as ruínas.

Era a festa de São Inácio para os Católicos. Naquela mesma manhã, 1.767 anos antes, o venerável patriarca de Antioquia fora devorado na arena pelos leões. A imagina­ção transporta-nos sobre o vale do passado; ouvimos os gritos da multidão paga clamando pela aniquilação do cristianismo. Vemos a bela Martina ajoelhando como um serafim no meio dos animais selvagens; o bravo Plácido, o jovem Marino, e os invencíveis Eleutério, Potito, Alexander, e Vítor; todo o bravo grupo que ganhou sua coroa nesta arena. Verdadeiramente, as reminiscências de seu combate lançam um halo de reveren­te temor sobre este campo de batalha do triunfo cristão.

A Via Sacra, que os godos piemonteses foram cruelmente destruindo, foram erguidas em memória dos eventos tão caros ao coração do povo romano. O ano de 1750 chegava ao final. Fora um bom ano para os romanos. Entre eles vivia o grande Leonard de Port Maurício. As vastas e magníficas igrejas da Cidade Eterna eram pequenas para abrigar as multidões que se reuniam à volta deste pregador. Ele teve de deixar as igrejas e pregar nas praças públicas.

O Coliseu finalmente tornou-se o grande lugar de encontro, e vinte mil pessoas reuniram-se à roda do rústico púlpito do anfiteatro. Certa ocasião, os piedosos deseja­ram erigir um memorial às horas felizes que passaram com o eloqüente Leonard no Coliseu. Por sugestão sua, o memento mais adequado para adornar o calvário dos mártires foi a Via-Crúcis. A grande ruína achava-se então livre dos ladrões e bandidos, que ali costumavam ocultar-se à noite, quando suas abóbadas sombrias cobriam muitas traições contra a vida humana, bem como os perpetradores do crime.

A irmandade cristã, fundada por Leonard, visitava todas as sextas-feiras as esta­ções na arena; peregrinos de todas as partes do mundo faziam-se em lágrimas diante daquelas tocantes representações de um passado terrível, que estavam agora sofren­do o sacrilégio sob os pés de uma multidão pesarosa.

Além do amor que o governo italiano tem pelo monumento pagão, amor que os induziu a remover os "degradantes" emblemas do cristianismo, a presente profanação das ruínas é absurdamente promovida sob os auspícios de pesquisa arqueológica. Isto, imaginamos, não passa de um pretexto no qual eles nos permitem acusá-los de ignorân­cia, em vez de infidelidade.

Mas não podem ignorar que a arena do anfiteatro continua em seu presente nível; que em 1810, ela foi escavada por Fea e Valadier, que nada encontraram, senão os muros de sustentação, que permitiam as passagens subterrâneas para a maquinaria, os canos de água, etc. Os projetos do anfiteatro de Roma têm sido os mesmos que aqueles de Cápua, Verona, e Pompéia, e todo a planta baixa do Coliseu pode ser vista na Biblioteca Minerva, a poucos metros da velha ruína. Não obstante o capricho dos godos, que domina no capitólio, a santidade da arena, o sentimento religioso do povo, e os recursos emprestados de um governo falido, devem ser sacrificados para se procurar novas plantas da fundação do Coliseu.

Indubitavelmente, estas escavações encontrarão o mesmo fato que aquelas de Fea e de seus patrocinadores, em meio à usurpação francesa. O corte profundo na arena tornou-se um receptáculo de águas estagnadas, que liberavam vapores nocivos no ar, e pelo desejo universal, a arena foi restaurada ao seu nível original.

Não foi a arqueologia, mas o paganismo e a infidelidade, que instigaram a profana­ção deste sagrado monumento da Roma antiga.

A profanação da velha ruína teve um efeito totalmente contrário ao pretendido. O Coliseu é agora muito mais conhecido, e mais estimado que nunca pelos cristãos. A vida de seus mártires e a história de seus milagres palpitantes são agora lidas em cada língua da Europa, e procuradas em toda parte.



Os Mártires do Coliseu é a única obra, sobre o assunto, à tona no vasto oceano da literatura. E como é crescente a demanda por ela, apresentamos uma edição revisada ao público americano.

Nas páginas desta pequena obra, encontrar-se-ão razões suficientes para o protesto que fazemos à violação do Coliseu. Nossa indignação encontrará eco no sentimento de muitos viajores que, como nós, recordam o tempo em que se sentiram arrebatados por sua magnificência; este eco, levantado e repetido por cada nação civilizada sob o sol, tem uma resposta bem além das estrelas, onde a brilhante galáxia da estola carmesim busca a vindicação de seu sangue - vertido novamente no desdém dos pagãos do século dezenove.


O Autor.

Toronto, Palácio de São Miguel, 1874.



Sumário

Prefácio à edição brasileiraPrefácio à 1ª edição

Prefácio à 6ª edição

  1. Introdução

  2. A Origem e a História Primitiva do Coliseu

  3. Os Entretenimentos e Espetáculos do Coliseu

IV. Os Cristãos

  1. O Primeiro Mártir do Coliseu

  2. Inácio

  3. O General Romano

  4. O Jovem Bispo

IX. O Jovem Sardo

X. Alexander, Bispo e Mártir

XI. Os Senadores

XII. O Pequeno Marino

XIII. A Jovem Martina

XIV. Os Reis Persas

XV. Os Atos de Estevão

XVI. Os Duzentos e Sessenta Soldados

XVII. Os Atos de Priscila

XVIII. Crisanto-e Daria

XIX. A Perseguição de Deocleciano

XX. Os Atos de Vitor e seus Companheiros

XXI. Meta Sudans

XXII. Último Mártir

XXIII. Telêmaco Permanece Triunfante

XXTV. O Coliseu na Idade Média

XXV. Outros Eventos Notáveis

XXVI. Conclusão

Introdução
Capitulo 1.
"Tu fizeste brilhar, rolar a lua sobre

Tudo isto. e lançar uma luz ampla e meiga

Que suavizou a austeridade venerável

Da áspera desolação, e preencheu,

Como era, mais uma vez, as fendas dos séculos,

Deixando aquela beleza que ainda era assim,

E fazendo o que não era, até o lugar

Tornar-se religião, e o coração transbordar

Com a mesma adoração dos grandes dos tempos antigos,

Os soberanos mortos que ainda testemunham,

De suas umas, a fé em Cristo."
— Byron's Manfred
Não há ruína do mundo antigo tão interessante como o grande anfiteatro de Roma. Ele resiste em estupenda magnificência, em meio às sete colinas da antiga capital do mundo, como um monumento a tudo o que foi grande e terrível no passado. A imensidão e majestade de sua estrutu­ra falam da perfeição da arte; as suas reminiscências evocam os horrores da perseguição aos santos, e os triunfos do cristianismo. Ele foi o campo de batalha onde a Igreja lutou pela conversão do mundo pagão; o sangue dos heróis martirizados, que tombaram em combate, ainda se mistura ao pó da arena.

As tempestades de dezessete séculos já rolaram sobre o poderoso anfiteatro, deixando-o como um gigante "em suas ruínas, palpitando em sua história. Bancadas elevam-se sobre bancadas, em direção à abóbada azul do céu; o olho admirado não pode captar sua imensidão; e embora sacudido por terremotos e relâmpagos do céu, e tendo o seu calcário roubado por saqueadores da Idade Média, ele ainda permanece com imperecível grandeza em meio às sete colinas, "um nobre destroço de ruinosa perfeição".

Recordamos bem a nossa primeira visita às ruínas do Coliseu. Foi o acontecimento de nossa vida. Encontramos nos escombros majestosos a realização do mais alto vôo de nossa imaginação. Mil pensamentos acorreram-nos à mente; a majestade silenciosa amortalhando aqueles muros imensos e sua história emocionante fez-nos ficar grudados no solo, em admira­ção e reverência. Bastou um olhar momentâneo, e o pensamento preencheu o intervalo de séculos. Os assentos de mármore foram novamente lotados, perante os olhos da mente, com milhares de seres humanos; o leão ferido, o gladiador agonizante, o mártir ajoelhado, surgiram em rápida sucessão na arena manchada de sangue; o grito ensurdecedor do populacho excitado; a condenação dos cristãos, e o clamor para que o seu sangue fosse dado a saciar a sede dos leões... Tudo formou um quadro do passado, que fez estremecer o coração. Ficamos na arena que viu a infância de Roma e a glória da Igreja. O próprio pó sob nossos pés era santo! Um dia ele entregará o que na eternidade será o mais brilhante ornamento dos céus: o sangue dos mártires. Com um sentimento de temor e respeito, contemplamos a cruz - estandarte do cristianismo - que lançava a sua sombra triunfante sobre a arena silenciosa.

Envoltos em pensamentos, ouvimos a admiração, expressada em diversas línguas, dos grupos de turistas que fitavam as poderosas ruínas. Milhares afluem anualmente à Cidade Eterna, e simplesmente apressam-se ao Coliseu, como a mais interessante das muitas vistas de Roma. Aí, o comerciante d'além das montanhas rochosas fica ao lado do garimpeiro da Austrália, e, como foi o nosso caso, o missionário em licença para tratamento de saúde, do Cabo da Boa Esperança, aperta a mão de um velho companheiro de escola, das Ilhas Britâni­cas. De manhã à noite, os estrangeiros são vistos na arena da famosa ruína; e bem depois do anoitecer, quando o silêncio e a escuridão emprestam uma atmosfera romântica adicional à sua magnificência, ainda estão por ali. Quando a pálida luz da lua avoluma-lhe as arcadas melancólicas para uma imensidão maravilhosa, o turista sentimental permanece na solidão triste da gigantesca construção, e alimenta a vivida imaginação com imagens fantasmagóricas de castelos e torres, e de outros anfiteatros; imagens que emergem dos arcos quebrados e das paredes desintegradas. O Coliseu, uma vez visto, jamais é esquecido, quer tenha sido contem­plado ao esplendor do ardente sol italiano, ou sob a mágica influência da luz do luar.

A nossa primeira hora no Coliseu foi de pesar. O presente contribuiu mais que o passado para lançar escuridão sobre os nossos pensamentos. As cenas terríveis que tiveram lugar naquela arena, a matança indiscriminada de vítimas inocentes, o grito inumano que consignava o bravo gladiador à sua sorte, os horrores de sua carnificina, justificam o nome dado por Tertuliano: um lugar sem clemência.1 A maldição do paganismo animava esse templo das Fúrias, endurecendo o coração dos espectadores, e causan­do uma obsessão e uma cegueira demoníacas. Esse quadro era doloroso, mas outro pensamento acrescentou-nos tristeza: milhares de pessoas que acorrem ao Coliseu são estranhas às sagradas reminiscencias que pairam à roda de suas ruínas sagradas. Esse espírito de infidelidade, que atualmente despoja a literatura de todo sentimento de religião, não permitirá à história apresentar a parte mais sagrada e solene de seus registros. Os guias de turismo irreligiosos estão nas mãos dos viajantes; livros que devotam todas as páginas à descrição das práticas infames e sangrentas do paganismo, mas não se atrevem a dedicar um parágrafo, ou mesmo fazer uma alusão, ao sofrimen­to dos mártires. A descrição é sobre o monumento pagão, mas nada mencio­na de sua conexão com os primeiros dias da Igreja. O cristão instruído vê no Coliseu mais que paredes indestrutíveis ou desenhos de arquitetura - vê um monumento àquilo que foi grande e nobre no passado: o triunfo de sua fé. Ele recorda que cada nicho daquela arena foi tingido com o sangue dos mártires. Sente que o triunfo deles também é o seu. Após o lapso de mil e setecentos anos, acha-se unido a eles no elo indestrutível da comunhão, para comemorar o maior campo de batalha dos seguidores do Crucificado.

Foi este pensamento que me sugeriu esta pequena obra. O Coliseu é a maior e mais notável ruína da Roma antiga; é o mais extraordinário relato dos mártires que nele sofreram, e dos milagres que testemunhou. Empregamos nossas horas de folga na tarefa de reunir alguns dos mais autênticos regis­tros. Apresentamo-los, em sua simplicidade rústica e sem adornos, aos cris­tãos que honram os heróis da Igreja Primitiva, aos estudiosos que apreciam debruçar-se sobre os martirológios, e aos turistas que visitam a Cidade Eter­na, e em vão perguntam aos seus guias ou amigos: "Quem foram os mártires do Coliseu?"

_______________

¹ Spectacullis, cap. XIX.



A Origem e a História Primitiva do Coliseu
Capítulo 2.
A memória do imperador Augusto é cara aos romanos. Por seu grande talento e habilidade, ele não apenas conquistou para si o cetro do poder supremo, mas também elevou o próprio Império dentre as nações do mundo, e iniciou o período conhecido como idade de ouro. Suas virtu­des naturais mostram um agradável contraste com a devassidão e os vícios de seus sucessores imediatos. A ele deve-se a honra de haver planejado a construção do anfiteatro. Havendo embelezado a cidade com casas de banhos e templos de insuperável magnificência, ele conce­beu a idéia de erigir um imenso anfiteatro para os espetáculos gladiatórios, que deveria exceder em dimensão e esplendor todos os edifícios do mundo. A morte levou-o antes que pudesse realizar seu grande projeto. Os anos passaram, e sete imperadores, que não tiveram nem energia nem talento para executar o imenso empreendimento, sentaram-se no trono de Augusto. Contudo, ele não foi esquecido, e o clamor do povo pelo início da construção foi ouvido por Vespasiano. A este empreende­dor soberano deve-se a edificação desta maior obra da antigüidade, que é atualmente a maior ruína do mundo.1

Vespasiano era orgulhoso e ambicioso; buscava rivalizar a fama de Augusto, e no segundo ano de sua elevação ao trono, iniciou a constru­ção do Coliseu. Isto foi no ano 72 de Nosso Senhor. Ele morreu antes que a obra fosse terminada, e embora houvesse mais de trinta mil pessoas trabalhando constantemente, oito anos foram necessários para a sua edificação, e ela foi dedicada por Tito, no ano 80 de nossa era. A construção não foi perfeitamente completada até o reinado de Domiciano.

O estupendo edifício foi erigido no lugar de um viveiro de peixes, nos jardins de Nero. Edificado no meio das sete colinas, e bem no coração da antiga cidade, ele não apenas superou em imensidão e magnificência os outros dois anfiteatros de mármore que havia em Roma, mas excedeu em brilho a esplendorosa casa dourada de Nero. Tanto Vespasiano como Tito valeram-se da experiência de suas viagens ao oriente, para fundir nos esboços do anfiteatro toda a ousadia e majestade da arquitetura síria e egípcia, com a beleza e o refinamento da arte grega. A sua imensidão, mesmo em suas ruínas, é surpreendente, enquanto suas arcadas erguem-se em incríveis proporções umas sobre as outras, nas ordens jônica, dórica e coríntia. O tamanho, a beleza e a força combinaram-se para fazê-lo o maior, o mais belo e mais durável dos monumentos antigos. Erguendo-se para o ar, tão alto quanto os montes Palatino e Célio, uma montanha no lado de fora e um vale dentro, ele supera, inquestionavelmente, qualquer coisa que a Grécia, o Egito ou Roma tenham visto antes. Marcial, o poeta, que o viu surgir de sua fundação, declara que Roma não mais teve o que invejar no Oriente, uma vez que o seu soberbo anfiteatro era mais maravilhoso que as pirâmides de Memphis ou as obras da Babilônia.2 Até os críticos mais aprovados definem o Coliseu como um edifício oriental vestido num traje grego.

As maiores obras do homem têm geralmente a sua origem na destruição. Na história do mundo, raramente houve um edifício ou uma nação que não fosse edificado sobre as ruínas de outro. Os operários do Coliseu foram os judeus cativos, que adornaram o triunfo de Tito; o material foi parcialmente retirado da casa tombada de Nero. Os cristãos podem enxergá-lo como um poderoso monumento erguido em comemoração ao cumprimento da profecia.

O arado passara sobre a cidade e o templo de Jerusalém; seu povo orgulhoso fora humilhado ao pó, e espalhado aos quatro ventos do céu. Setenta mil de sua nação derrotada foram levados a Roma por Tito. Havendo-lhe ornado o triunfo, foram eles divididos em três classes: as mulheres e as crianças de até dezesseis anos foram vendidas como escravos pelos preços mais miseráveis. O Senhor Jesus foi vendido por trinta moedas de prata; após o triunfo de Tito, podia-se comprar trinta judeus por apenas uma dessas moedas. Alguns dos homens foram enviados ao Egito para trabalhar nas marmoreiras, mas a grande maioria ficou para trabalhar no Coliseu. O número é variavelmente estimado entre trinta mil e cinqüenta mil. Assim, os muros daquele poderoso emblema de tudo o que há de triste e horrível foram cimentados com as lágrimas de um povo decaído.

As estruturas superiores do Coliseu foram construídas com o material levado da casa tombada dos césares na Palestina. Quando Vespasiano e Tito ordenaram a destruição de grande parte da casa de Nero, efetuaram um ato muito prazeroso ao povo romano. Era um monumento de detestável esplendor, que se erguera sobre as ruínas de sua cidade queimada; a sua riqueza e grandeza só faziam recordar ao povo a tirania e a opressão. Nem bem a ordem fora dada, o populacho ajuntou-se na obra de devastação. Imensos blocos de travertino dourado, colunas, capitéis, e cornijas de mármore dos mais elaborados entalhes, junturas de ferro e de ouro, e massas indestrutíveis de alvenaria, foram rude e indiscriminadamente arrastados para ornamentar ou completar a vasta obra do Coliseu.

O poderoso anfiteatro tomar-se-ia uma ruína; após o lapso dos séculos, seria derrubado pela mão do tempo, e por sua vez, forneceria material de seus arcos caídos para a construção dos palácios medievais e modernos da Cidade Eterna. O imenso palácio quadrilátero da embaixada veneziana, o Farnese, o Barberini, e outros de menor importância, brotaram das ruínas do Coliseu. É assim na história do homem: os maiores monumentos de esplendor moderno surgiram, à semelhança de Fênix, das ruínas de uma poderosa estrutura que nossos antepassados presunçosamente imaginaram imperecível.

Devemos agora ter uma visão do anfiteatro em seu perfeito estado. Fragmentos de descrição foram coletados dos historiadores antigos, e o quadro está quase completo. Partindo do modo como as ruínas se encontram agora, a fantasia pode preencher muitos detalhes.

Ele possui uma bela figura oval, 155 metros de comprimento e 36 metros de largura. Foi erguido sobre oitenta arcadas imensas, e eleva-se em quatro ordens sucessivas de arquitetura à altura de 49 metros. Na sua totalidade, o edifício cobre um espaço de 24.000 m2. Por fora, era incrustado com mármore e decorado com estátuas. As rampas da vasta concavidade que formava o interior eram repletas com sessenta ou oitenta fileiras, dispostas em roda, de assentos de mármore cobertos com almofadas, capazes de acomodar facilmente 100.000 espectadores.3 Sessenta e quatro vomitórios (as portas de saída eram apropriadamente conhe­cidas por este nome) davam saída à colossal multidão; as entradas, as passagens, e as escada­rias foram planejadas com tal destreza, que cada pessoa, fosse da ordem senatorial, dos cavaleiros, ou dos plebeus, chegava ao lugar que lhe era destinado sem problemas ou confu­são.

A fileira de assentos mais baixa, próxima à arena, agora completamente coberta por terra e entulhos, designada aos senadores e embaixadores estrangeiros, era chamada de podium. Numa plataforma elevada estava o trono do imperador, sombreado por um palio carmesim, como uma tenda. O lugar dos administradores ou organizadores dos jogos, como eram chamados, e das virgens vestais, ficava ao lado do assento do imperador.

O podium era protegido contra a irrupção dos animais selvagens por uma barreira, ou parapeito, de ouro ou bronze dourado. Como uma defesa adicional, a arena era cercada com uma grade de ferro e um canal. Os éqüites, ou segunda ordem de nobres, sentava-se em quatorze fileiras atrás dos senadores. O restante do povo acomodava-se atrás, nos assentos chamados de popularia, que se elevava em bancada sobre bancada, até uma galeria com uma colunata em frente, circundando todo o anfiteatro logo abaixo do toldo, e geralmente ocupada Por mulheres, soldados e serventes.

Nada se omitia do que pudesse ser útil à conveniência e ao prazer dos espectadores. O enorme dossel ou toldo, que às vezes era estendido sobre toda a extensão, oferecendo proteção contra o sol ou a chuva, era uma das maravilhas do Coliseu. Faz-se necessária uma esticada na imaginação para acreditar. Quando nos colocamos, mesmo agora, em meio às ruínas, e vemos a vasta amplidão do céu sobre nós, a mente perde-se em dúvidas e conjecturas sobre a possibilidade de um fato tão prodigioso. Não obstante, todos os historiadores que escreveram sobre o Coliseu mencionam esta cobertura, como se nela nada houvesse de extraordinário. Lampridio relata que era preciso várias centenas de homens para lidar com este toldo, e que eles vestiam-se de marinheiros.4 A um sinal, quando havia ameaça de chuva, ou o sol estava quente demais, havia um movimento simultâneo entre os atendentes; então as cordas rangiam, e a poderosa vela deslizava gradativamente para o centro, todas as velas reunindo-se em perfeita harmonia, e formando juntas o imenso lençol que cobria completa­mente o interior. Permanece estranho o fato de que no tempo de Tito esse dossel fosse de seda púrpura, e debruado de ouro.5 O ar era constantemente refrescado pelas fontes, e uma infinidade de pequenos tubos aspergiam um chuvisco dos mais deliciosos perfumes, que descia sobre os espectadores como orvalho aromático. A arena, em cujo centro achava-se a estátua de Júpiter, formava o palco. Ela recebeu este nome por ser usualmente esparzida com a mais fina areia branca. Por baixo, havia um mecanismo do mais extraordinário e complicado caráter, que facultava à arena, durante os jogos, assumir diferentes formas, em rápidas suces­sões. Numa ocasião, ela parecia subir da terra como o jardim das Hespérides; noutra, transfor­mada em rochas e cavernas de Trácia. Canos subterrâneos transportavam um inexaurível suprimento de água, e o que minutos antes parecia uma planície, podia repentinamente converter-se em um vasto lago, coalhado de navios armados, para deleitar o povo com entretenimentos náuticos.


1 "Fecit amphitheatrum urbi media uti destinasse compererat Augustos". - Suet. In Vespas. IX.

² - "Barbara pyramidum sileat miracula Memphis:



Assíduas jacet nec Babylona labor...

Asre nec vácuo pendentia Mausolea

Laudibis immodicis Cares in astra ferant;

Omnis Caesareo cedat labor amphitheatro,

Unum prao cunctis fama loquatur opus". - Marcial, Séc. IX

³ O cardeal Wiseman, numa nota em Fabiola, diz que ele podia conter pelo menos 150.000 espectadores; mas nenhum dos antiquários italianos mencionam mais que 100.000.



4 "A mílitibus classiariis qui vela ducebant in amphitheatro". - Lampridio, In Commodo.

5 "Sous Tito um tissu de soie et d’or avec s’étend sue lê nouvel amphitheatre”. - Getbert, Esquisse de Rome Christienna, li. 345.
  1   2   3   4   5   6   7   8   9   ...   19


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal