Os números na vida da Leonor



Baixar 18.78 Kb.
Encontro28.07.2016
Tamanho18.78 Kb.


PFCM 2008/2009


Os números na vida da Leonor
A Leonor é uma aluna que gosta de brincar com a Matemática. Ela vê Matemática em tudo que a rodeia. No fim-de-semana passado dedicou-se mais uma vez a brincar com a Matemática e a sua preocupação foi pensar em “números importantes”. Nisto disse:

– Ah! Já sei! Vou perguntar à minha mãe em que dia da semana nasci, quanto pesava nessa altura e qual era o meu comprimento.

Nasceste numa quinta-feira, às15h30m e pesavas 3,925Kg – disse a mãe.

Eu era muito gordinha, não era mãe?! E quanto é que eu media? – perguntou a Leonor.

– 49 cm. Mas, qual é o teu interesse neste assunto? – questionou a mãe.

– Sabes, estava a pensar que números seriam importantes para mim e lembrei-me da minha data de nascimento. Sei que nasci no dia 6 do 6 de 2001.

– 6 do 6? – perguntou a mãe.

– Sim, mãe. Nasci no dia 6 do 6.º mês do ano 2001. Mãe, não tens um cartão que apresenta estes números?

– Tenho, é o bilhete de identidade. Queres ver o meu?

– Sim. E tive uma ideia melhor. Amanhã vou sugerir à minha professora que façamos um bilhete de identidade diferente – afirmou a Leonor.

Na segunda-feira seguinte, como habitual, a Leonor dirige-se à paragem para apanhar o autocarro número 6. Já a caminho da escola ficou muito triste ao ver 6 gatinhos abandonados num jardim próximo. Decidiu então que iria convidar 5 amigos para os adoptarem, porque de certeza que a mãe não a deixaria ficar com todos.

Já na sala de aula, para que todos se conhecessem melhor, a Leonor sugeriu que cada um construísse o seu bilhete de identidade.

– Que informação querem colocar no B.I.? – questionou a professora.

– Data de nascimento – disse o Francisco.

– Altura – afirmou a Joana.

– Morada – murmurou a Sílvia.

– Mas nascemos todos na maternidade D. Afonso VI! – exclamou o João.

– Ó João, mas tu nasceste numa e eu noutra. Até podíamos ter nascido em países diferentes. – brincou a Cristina.

– Meninos, deixem-se de brincadeiras e pensem em números importantes para o vosso B. I. – alertou a professora.

– E por que não colocarmos também o nosso peso? – interrogou a Leonor.

– Hiii! Tantos números no nosso B.I. – disse o Rafael.

– E todos diferentes. – afirmou a Leonor.

– Pois, os números têm muitos significados. – disse o Cassiano.

Ficaram todos a pensar…


O que quereria dizer o Cassiano com “os números têm muitos significados”?

Conhecimentos prévios dos alunos

Com o trabalho já desenvolvido no 1.º ciclo, os alunos devem ser capazes de:



  • Ler e representar números;

      • Identificar e dar exemplos de números.


Aprendizagens visadas

Com o seu trabalho nesta tarefa, os alunos devem:

▪ Compreender várias utilizações dos números e identificar números em contextos do quotidiano.

▪ Ser capazes de:

▪ Identificar e dar exemplos de diferentes representações para o mesmo número;

▪ Interpretar informação e ideias matemáticas representadas de diversas formas;

▪ Explicar ideias e processos e justificar resultados matemáticos.
Apresentação e desenvolvimento da tarefa

Esta tarefa de exploração parte de uma situação do dia-a-dia e pretende que os alunos, a partir dos conhecimentos que já possuem dos números e suas representações, compreendam que estes podem assumir distintos significados (designação, quantidade, ordenação e medida). Em particular, o número no sentido de medida permite estabelecer conexões com o conceito de número racional não negativo. Neste trabalho, os alunos podem ter necessidade de recorrer a diferentes representações destes números, nomeadamente a representação decimal e fraccionária. Por outro lado, esta tarefa permite contactar em simultâneo com números naturais e números racionais não negativos.

Na abordagem a esta tarefa, o professor pode começar por questionar a turma acerca de números importantes para cada um, registando-os no quadro sem fazer qualquer tipo de exploração. Em seguida, o professor lê e interpreta a história com os alunos.

Em pequenos grupos (de 3 a 4) os alunos constroem o seu bilhete de identidade, decidindo, entre eles, o tipo de informação a registar neste documento de identificação. O professor acompanha os grupos, prestando os esclarecimentos necessários.

Após a construção do bilhete de identidade, um elemento de cada grupo apresenta o seu documento à turma. Nesta fase, o professor salienta a informação diferente de cada bilhete de identidade e retoma a história e os números registados inicialmente no quadro para explorar com os alunos a ideia da Leonor (“tantos números diferentes”) e do Cassiano (“os números têm muitos significados”).

Em conjunto com os alunos, o professor analisa os diferentes significados dos números a partir da questão levantada pela história - O que quereria dizer o Cassiano com “muitos significados”? - identificando semelhanças e diferenças entre os números que aparecem nos três momentos da aula – registo no quadro, interpretação da história e construção do bilhete de identidade.

Entre os vários sentidos trabalhados, o sentido de medida permite, em particular, ao professor introduzir/aprofundar o estudo dos números representados na forma decimal. O estudo da medida da grandeza altura faz surgir, naturalmente, a representação decimal.

É importante o professor envolver os alunos na sistematização dos diferentes significados dos números. Por exemplo, os alunos devem ser capazes de concluir que o número em sentido cardinal se refere ao número de elementos de um determinado conjunto, o número em sentido ordinal diz respeito à posição que ocupa numa dada sequência ordenada, o número no sentido nominal trata-se de um número de identificação e o número no sentido de medida expressa o resultado de uma medição.

No sentido de alargar e aprofundar os conhecimentos adquiridos nesta aula, o professor sugere que identifiquem situações do quotidiano onde os números surgem com diferentes significados, reconhecendo o sentido envolvido. Propõe, ainda, que os alunos escrevam ao Arquivo de Identificação ou pesquisem na Internet no sentido de saberem qual o critério usado para a atribuição do número do bilhete de identidade.
Resoluções dos alunos

Na exploração desta tarefa, os alunos podem referir como números importantes: data de nascimento, idade, peso e altura. Alguns destes números serão usados na construção do seu bilhete de identidade. No entanto, podem ainda mencionar o nome e a morada.



ESE Viseu


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal