Os paulistas em s. João d’ el-rei bernardo guimarãES



Baixar 1.07 Mb.
Página31/47
Encontro29.07.2016
Tamanho1.07 Mb.
1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   ...   47

Capítulo VIII

Indícios e suspeitas

Diogo Mendes e Fernando ficaram impressionados e pensativos com as informações, que lhes trouxeram os apreensores de Judaíba a respeito do lugar onde a acharam e das pessoas, com quem a encontraram. Fernando, ou por que de fato receasse algum plano de sublevação, ou porque não quisesse deixar passar ensejo algum de chamar o ódio e a desconfiança sobre Maurício, Gil e todos os paulistas, procurava fazer compreender ao capitão-mor todo o alcance de um fato, que simples na aparenta, todavia bem considerado dava lugar a graves suspeitas a respeito .dos indivíduos que ali se achavam reunidos.

- Este fato, senhor, - dizia Fernando em tom convicto e veemente, - é para mim sintoma evidente de que esse seu tão estimado Maurício não é estranho ao ódio e rancor, que nos votam seus patrícios. Trama-se alguma cousa, acredite-me; Maurício e seu amigo Gil são homens perigosos entre essa chusma de paulistas aventureiros e de bugres turbulentos e indomáveis; são bandidos, que por maneira alguma se querem submeter ao jugo das leis, homens sem família, sem lar e sem pátria, capazes de por tudo a ferro e fogo para sacudirem o jugo da autoridade, e se enriquecerem sem trabalho à custa de roubos e depredações. Senão diga-me, senhor capitão-mor, com que fito poderiam estar reunidos a tais deshoras esses homens em casa do velho ferreiro, que de certos dias a esta parte deve nos trazer atravessados na garganta, bem como o seu companheiro, que não pode levar-nos a bem o conservarmos em nosso poder a sua amasia ? ...

- São amigos, Fernando, - respondeu tranqüilamente o capitão-mor, cuja natural bonomia e seguridade era difícil de se abalar. - São amigos, estariam conversando e fazendo o seu serão em muito boa paz; não vejo nisso nada de extraordinário.

- Mas como a índia foi direito lá ter ? ... adivinhou acaso, que eles lá se achavam ? ... esta fuga da índia não lhe parece a vossa mercê um fato conluiado talvez entre ela e Antônio ?

- Oh! por esse lado não tenha receio algum, meu caro sobrinho, - replicou suspirando o capitão-mor, que bem sabia o verdadeiro motivo do desaparecimento de Judaíba. - Com que fim viria o Antônio roubar-me a índia, se ele tinha entrada franca nesta casa ? ... - Com que fim ? ... esperam talvez colher dela informações que sejam úteis a seus planos, ou talvez pô-la a salvo para melhor poderem nos atacar. A própria Helena, se não tivéssemos o cuidado de encerrá-la todas as noites, talvez também já se tivesse evadido.

- Já te disse, Fernando; não te dê cuidado a fuga da índia ... eu sei a que ela é devida.

- A que é pois ? ...

- Depois o saberás ... um motivo insignificante ... ralhei com ela pela primeira vez... sabes como é tímida ... fugiu de medo.

- Ah ! mas as palavras insolentes do Gil e o atrevimento do bugre, que não queria entregá-la ? ...

- O Gil é conhecido como um estouvado, um fanfarrão, que não sabe o que diz; o bugre sempre é um bugre.

- E vossa mercê sempre será um cego, porque não quer ver.

- E vossa mercê à força de querer ser lince vê demais, vê até o que não existe. Não pode ver dois ou três paulistas juntos, que não enxergue por detrás deles o fantasma da conspiração, que tanto o aterra.

- Pois bem, já que assim o quer, esperemos, que os acontecimentos lhe venham abrir os olhos talvez já quando o mal não tenha remédio, quando o ferro e o fogo rodearem esta habitação, quando...

- Ora deixa-te de tolas apreensões, - interrompeu o capitão-mor com uma grossa risada; - na fuga de uma pobre índia enxergaste um trama, o que mais não verás? ... Quanto a mim, enquanto Maurício estiver a meu lado, nada receio da parte dos paulistas; eles o estimam e respeitam muito, e Maurício, estou certo, nunca será contra mim.

- Meu Deus! que estulta e invencível cegueira a deste velho! - murmurou Fernando consigo. - Senhor, - continuou em voz alta, é deplorável o engano, em que se acha. Esse Maurício, em que tanta confiança deposita, será talvez o primeiro a atraiçoá-lo.

- Maurício! impossível! um mísero órfão, a quem estendi a mão para tirá-lo do nada, e que me deve tudo quanto é, Maurício, que eu criei em minha casa como um filho!... não creias tal, Fernando ! ... Maurício tem muita lealdade e nobreza d 'alma e não será capaz de tão infame aleivosia.

- Espere os fatos, já que assim o quer; a víbora, que vossa mercê acolheu no seio, não tardará a fazer sentir o veneno de seu dente.

- E quem te assegura isso ? como sabes ? - perguntou o capitão-mor um pouco abalado pela insistência e tom de convicção, com que falava Fernando.

- De nada sei positivamente; mas há certos sintomas, que não podem enganar . Vossa mercê há de ter notado a submissão toda aparente, com que estes paulistas se curvam há dias a esta parte a todos os bem merecidos rigores, a que os temos sujeitado, eles de ordinário tão turbulentos e atanados. Desde a prisão de Calixto e Helena nada se rosna, não há o menor sussurro, a. menor manifestação de descontentamento da parte desse bando de aventureiros até aqui tão intratáveis e arrogantes ! ... Gil não fala mais em reclamar Judaíba, que diz ser sua; e que segundo afirma vossa mercê, fugiu tomada de um medo pueril. Bueno e Calixto também, não se queixaram e nem se lembram de nos pedir a liberdade da filha e amante, que está em nosso poder, e andam por aí taciturnos e amuados, sabe Deus com que intenções. Quem nos diz, que esses homens ferozes, que nada têm a perder e de tudo são capazes, não andam por aí em conciliábulos noturnos e clandestinos tramando a nossa perdição! ? ... Não duvido que a fuga da índia nada signifique, mas a reunião desses homens a tais deshoras em casa de Bueno... isto significa muito, e eu como que ouço através desse silêncio um murmúrio subterrâneo e sinistro, precursor de furiosa erupção.

Bem vejo, que não deixas de ter bastante razão para assim pensar; - refletiu o capitão-mor algum tanto abalado em sua seguridade pelas observações de seu secretário. - Eu mesmo não tenho deixado de estranhar essa calmaria dos ânimos, que me parece fictícia, e não deixa de ter o que quer que seja de sombria e sinistra. Mas o de que não posso capacitar-me, é que Maurício esteja envolvido ...

- Por que não ? ... o que estaria ele então fazendo hoje em casa do ferreiro ? ...

O capitão-mor ficou pensativo e nada respondeu.

- Esse homem, - continuou Fernando, - é talvez o mais perigoso e terrível de nossos inimigos; tenho motivos poderosos para assim pensar, não só por ser ele o mais hábil e audaz, como por outras circunstâncias, que mais tarde vossa mercê saberá.

- Mas não podemos julgá-lo assim por tão fracas aparências; devemos procurar provas mais positivas.

- Quer vossa mercê que a árvore da traição dê todos os frutos para depois cortá-la ? ...

- Não, não; cortemo-la, antes que medre. Fernando, é-nos mister toda a circunspecção e vigilância; se descobrimos o menor rastilho de sublevação...

- Bem sei o que nos cumpre fazer, - atalhou o arrogante secretário, cuja sobranceria subira de ponto desde que viu o capitão-mor um pouco abalado de sua natural calma e seguridade. Darei providências, que lhes farão arder nas mãos o facho que preparam contra nós.

Fernando saiu deixando o capitão-mor entregue a mil sinistras apreensões. Posto que a noite já fosse muito adiantada, não pôde conciliar o somo. Os terrores que Fernando lhe lançara no espírito não eram sua única preocupação; o mau resultado de sua pretensão sobre Judaíba também muito o magoava.

-Todavia o caso não é ainda para desanimar disse lá consigo depois de muito cismar, - a menina é uma selvagem espantadiça e ainda muito criança; que muito é que se arrepiasse à primeira idéia de um casamento ! ... pouco a pouco se há de ir domesticando e acabará por familiarizar-se com a idéia... O Antônio é o mais sério embaraço, o Antônio, que ela parece

querer bem ... que belo rival tenho eu ? ... mas esse, louvado Deus, está removido por si mesmo. Ele também era da troça da casa de mestre Bueno, vou exterminá-lo para S. Paulo.

Enquanto Diogo Mendes adormecia entre estes pensamentos, Fernando também em seu leito embalava-se entre sonhos de vingança e perseguição contra Maurício e todos os paulistas. Tanto tinha o primeiro de simples e confiante, como o segundo de fino, astuto e desconfiado.



1   ...   27   28   29   30   31   32   33   34   ...   47


©principo.org 2016
enviar mensagem

    Página principal